Criar um Site Grtis Fantstico


Peter Lund - Peter Moon

Peter Lund - Peter Moon

https://teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8138/tde-09102007-142632/publico/TESE_PEDRO_ERNESTO_LUNA_FILHO.pdf

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO
FACULDADE DE FILOSOFIA, LETRAS E CIÊNCIAS HUMANAS
DEPARTAMENTO DE HISTÓRIA
PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM HISTÓRIA SOCIAL

PETER WILHELM LUND:
O AUGE DAS SUAS INVESTIGAÇÕES CIENTÃFICAS E A
RAZÃO PARA O TÉRMINO DAS SUAS PESQUISAS

Pedro Ernesto de Luna Filho

Tese apresentada ao Programa de PósGraduação

em

História

Social,

do

Departamento de História da Faculdade de
Filosofia, Letras e Ciências Humanas da
Universidade de São Paulo, para obtenção
do título de Doutor em História.

Orientador: Prof. Dr. Shozo Motoyama
São Paulo
2007

2

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO
FACULDADE DE FILOSOFIA, LETRAS E CIÊNCIAS HUMANAS
DEPARTAMENTO DE HISTÓRIA
PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM HISTÓRIA SOCIAL

PETER WILHELM LUND:
O AUGE DAS SUAS INVESTIGAÇÕES CIENTÃFICAS E A
RAZÃO PARA O TÉRMINO DAS SUAS PESQUISAS

Pedro Ernesto de Luna Filho

São Paulo
2007

3

4

AGRADECIMENTOS
Como muitas teses de doutoramento, este trabalho já teve várias formas,
questionamentos e direcionamentos até assumir sua forma final. Ele nasceu em meados de
2001, de uma conversa com o Prof. Dr. Shozo Motoyama, titular de História da Ciência da
FFLCH-USP. Meu desejo inicial era estudar a História Ecológica do Brasil,
especificamente a transição dos períodos Pleistoceno ao Holoceno, no final da Idade do
Gelo há 13 mil anos. O assunto era novo para o Prof. Shozo, que nem por isso se
desinteressou. Pelo contrário, ele me incentivou a ingressar no programa de mestrado da
Faculdade de História em 2002 e perseguir este desejo, incentivo que foi fundamental e
pelo qual eu só tenho que me sentir grato.
O passo seguinte foi encontrar o material e as fontes de pesquisa. Havia duas
possibilidades. A primeira era trabalhar com os dados multidisciplinares coletados pela
equipe do Prof. Dr. Eduardo Góes Neves, do Museu de Arqueologia e Etnologia da USP.
Ele efetua escavações há mais de uma década na confluência dos rios Negro e Solimões, no
Amazonas, procurando entender a ocupação da Amazônia central em tempos pré-históricos.
Seu projeto, como se vê, é fascinante. Procurei o Eduardo e ele se mostrou tremendamente
simpático às minhas aspirações, que discutimos sempre em conversas inteligentes e muito
agradáveis.
A segunda hipótese era trabalhar com os dados multidisciplinares produzidos pelo
Projeto Origens e Microevolução do Homem na América, realizado desde os anos 90 nas
cavernas da região de Lagoa Santa, em Minas Gerais. O líder desta empreitada é o biólogo
Prof. Dr. Walter Alves Neves, do Laboratório de Estudos Evolutivos Humanos (LEEH) do
Instituto de Biociências da USP. Eu só conhecia o Walter, o pai de Luzia, “a primeira
brasileiraâ€, através do jornalismo científico, carreira a que me dedico desde 1993. Fui
visitar seu laboratório em novembro de 2002, quando Walter ouviu com interesse o meu
desejo de estudar a história ecológica da região de Lagoa Santa. O resultado foi que me
convidou para participar dos trabalhos de campo, que ocorreriam no inverno de 2003.
Como eu viria a perceber mais tarde, aquele convite foi um divisor de águas na minha vida,
e por isso o Walter tem um papel muito especial nesta minha trajetória intelectual.

5

Julho de 2003. Era a minha primeira visita a Lagoa Santa e às cavernas estudadas por
Peter Wilhelm Lund. Passados mais de 120 anos da sua morte, fiquei surpreso ao perceber
que o nome do naturalista dinamarquês ainda estava presente nas ruas, na praça principal e
na escola municipal da cidade. Estava eu visitando as escavações dirigidas pelo Walter com
a ajuda do arqueólogo Renato Kipnis, quando caiu nas minhas mãos – presente do geólogo
Luís Beethoven Piló – um exemplar de janeiro de 2002 de O Carste, revista do Grupo
Bambuí de Pesquisas Espeleológicas, de Belo Horizonte. Tratava-se de uma edição
comemorativa dos 200 anos de nascimento de Peter Lund (1801-1880), com diversos
artigos sobre o naturalista, sua obra e a importância desta para a história da ciência no
Brasil. Não é preciso dizer que devorei a revista de cabo a rabo naquela mesma noite.
Pronto. Eu havia sido fisgado. De uma hora para a outra, entrei para o grupo dos
aficionados por Lund, grupo este que conta com grandes figuras como o Walter, o
Beethoven e também o Prof. Dr. Augusto Auler, geólogo da UFMG que conheci em agosto
de 1994, quando fui fazer uma reportagem para a revista ISTOÉ na maior caverna do
Brasil, a Toca da Boa Vista, no sertão da Bahia, explorada pelo Grupo Bambuí.
Resolvi abandonar (pelo menos temporariamente) meus planos de estudar a história
ecológica brasileira para me dedicar à vida de Lund. Queria saber mais sobre aquele
homem que, entre outras coisas, tinha descoberto e descrito o Smilodon populator, o
terrível tigre dentes-de-sabre que, ao lado de mastodontes e homens pré-históricos, povoou
os meus sonhos de infância. Caro Beethoven, eu lhe devo essa.
Foi folheando a revista que vim a saber da coleção de cartas de Lund, arquivadas na
Biblioteca Real de Copenhagen. Era aquilo! Eu havia encontrado a fonte para investigar a
vida do naturalista Lund. Estava tudo resolvido: eu iria aprender dinamarquês e ler as cartas
de Lund! Fácil assim! Quanta pretensão a minha... Se eu soubesse a dor de cabeça que
estava comprando, certamente teria desistido ou procurado um caminho mais fácil. Mas o
problema é que eu sou teimoso, obstinado e teimoso. Consultei o Walter sobre a minha
idéia e ele reagiu com um incentivo duvidoso. Talvez estivesse pensado: “será que ele sabe
o que está pretendendo fazer?â€. É, Walter, eu não sabia...
De volta a São Paulo, falei com o Shozo, então já meu orientador, que me incentivou
a perseguir esta nova vertente, inclusive me transferindo para o programa de doutoramento
direto. O passo seguinte foi entrar em contato com a Biblioteca Real de Copenhagen,

6

através dos senhores Palle V. Ringsted, bibliotecário aposentado em 2005, e Karsten
Bundgaard, fotógrafo, que entre 2004 e 2006 tiveram a bondade e a paciência de me
fornecer rolos e mais rolos de microfilmes com as mais de mil cartas e sete mil páginas de
documentos do arquivo Lund.
Nesse meio tempo, tratei de aprender o dinamarquês, tarefa que achava ser fácil em
função dos meus conhecimentos de alemão e de inglês. Ledo engano. Na falta de um curso
fixo de dinamarquês em São Paulo (o único curso regular que descobri é dado pelo Prof.
Karl Erik Schollhammer na PUC-RJ), acabei tendo aulas particulares com dois nativos. O
primeiro foi Søren Skov, um dinamarquês apaixonado por futebol que na época, entre 2004
e 2005, estava morando em São Paulo. Com a volta deste a Copenhagen, meu professor ao
longo de 2006 foi Morten Soubak. Søren e Morten: sem vocês, essa tese não teria sido
possível.
Ao longo de todo este trajeto, recebi o auxílio e o companheirismo de toda a equipe
do Laboratório de Estudos Evolutivos Humanos, em especial do jovem biólogo Danilo
Bernardo Vicensotto. Assim como Danilo, toda a equipe de LEEH é composta por jovens
brilhantes que, sob a batuta de Walter Neves, estão ajudando a redescobrir a história do
povoamento do Brasil.
Uma palavra de agradecimento vai para Augusto Auler, que me cedeu gentilmente
alguns trechos traduzidos de cartas de Lund para seus irmãos, e também para Ana Paula
Marchesotti, moradora de Lagoa Santa e que completou seu mestrado em 2005 com uma
bela dissertação sobre Peter Wilhelm Lund. Ana Paula me ajudou tanto através da leitura de
sua dissertação quanto conseguindo cópias de textos que foram de grande ajuda.
Quero ainda agradecer à equipe do Centro Interunidade de História da Ciência,
liderada pelo Prof. Shozo Motoyama, mandando um abraço carinhoso à historiadora
Marilda Nagamini e às secretárias Joana Maria da Costa e Adriana Antunes Casagrande,
que tanto me ajudaram e ouviram nesses anos todos.
Por fim, nunca é tarde repetir, meus maiores agradecimentos são aos professores
Shozo Motoyama e Walter Alves Neves. O primeiro é meu orientador. O segundo, meu
mestre. E os dois, meus amigos.
Pedro de Luna
26 de abril de 2007

7

8

“Meus esforços foram recompensados com sucesso irretocável e o ganho que trago
para casa tanto em objetos quanto em informações e observações é
extraordinariamente grande. Quase todas as espécies tiveram esclarecimentos
consideráveis; diversos pontos obscuros se iluminaram; dúvidas foram solucionadas;
teorias se confirmaram, foram corrigidas e surgiram. A massa de objetos que neste
período passou por entre as minhas mãos, uma infinita multiplicidade de variedade de
vida e de fenômenos geológicos, me forneceu a oportunidade de examinar (cerca de
200 cavernas foram examinadas neste ano) e formar uma enorme base para as minhas
teorias sobre os principais problemas geológicos: sobre a destruição das cavernas e da
Terra, e a introdução dos ossos nelas. Tais teorias surgiram tão completamente a partir
da simples generalização dos fatos observados, que se pronunciaram dentro de mim
num grau de convicção que me despertou gratas tranqüilidade e satisfação. Isto
contrasta muito com o descontentamento instintivo, a partir do qual minhas teorias
anteriores relativas a estes pontos foram abandonadas quando não tive sucesso em
perceber fenômenos específicos em harmonia. Por outro lado, não posso negar que
aspectos de pontos anteriores, que eu já acreditava estabelecidos, foram cobertos por
nova escuridão, e aquilo que eu pensava ter sido esclarecido não foi totalmente
ultrapassado. Isto se refere, por exemplo, à outra importante questão concernente às
circunstâncias relativas à sucessão das eras e à identificação das espécies, e à questão
não menos importante da linha separadora entre elas. Esta última tornou-se para mim
totalmente obscura. Eu observo várias espécies extintas, como aquelas que descobri,
moverem-se por baixo dessa linha em direção do presente, e diversas das espécies do
presente moverem-se por cima dela em direção ao passado. É diante desta descoberta
que eu encaro os fatos, contra os quais resisto em nome do ser humano, de quem este
ano tive a sorte de encontrar restos sob condições diversas, que para mim não deixam
nenhuma dúvida de terem sido testemunha do fim de pelo menos cinco espécies de
mamíferosâ€.
Carta a J. Reinhardt, 16 de novembro de 1843
Peter Wilhelm Lund

9

10

PALAVRAS-CHAVE/KEY WORDS

História da Ciência / History of Science
Pré-história brasileira / Brazilian Prehistory
Paleontologia / Palaeontology
Evolução Humana / Human Evolution
Arqueologia / Archaeology

11

12

SUMÃRIO

Ãndice ..............................................................................................13
Ãndice de Tabelas............................................................................17
Ãndice de Figuras ...........................................................................19
Resumo ...........................................................................................21
Abstract ..........................................................................................22
Introdução ......................................................................................23
A repercussão do trabalho de Lund..................................................26
Por que o trabalho nas cavernas acabou?.........................................30
Por uma nova hipótese......................................................................34
A metodologia do trabalho...............................................................35

Parte I
Capítulo 1 – A questão da extinção das espécies
1.1

O debate sobre os fósseis e a idade da Terra .........................41

1.2

Cuvier, preguiças e mastodontes ...........................................46

1.3

Catástrofes e revoluções do globo .........................................49

1.4

O problema da antigüidade do homem ..................................51

1.5

“Não faz sentido existir homens fósseisâ€...............................53

Capítulo 2 – Os naturalistas e o Brasil
2.1 – O naturalista de gabinete e o viajante naturalista ...................55
2.2 – O panorama científico no Brasil da época ..............................57
13

Capítulo 3 – Peter Wilhelm Lund
3.1 – O início da vida e a primeira viagem ao Brasil.......................59
3.2 – A volta à Europa .....................................................................67

Capítulo 4 – O adeus ao Velho Mundo
4.1 – O amigo Riedel e ida ao sertão ...............................................77
4.2 – Um encontro inesperado ........................................................ 87

Capítulo 5 – O trabalho nas cavernas
5.1 – Sai Riedel, entra Brandt ..........................................................93
5.2 – Crônica de uma rivalidade ......................................................96
5.3 – O trabalho em Maquiné ........................................................103
5.4 – A estrada para Lagoa Santa ..................................................110
5.5 – A Lapa da Cerca Grande .......................................................115

Capítulo 6 – Olhar sobre a Criação Animal Brasileira
6.1 – O início da obra-prima ..........................................................121
6.2 – As primeiras memórias .........................................................122

Capítulo 7 – O homem de Lagoa Santa
7.1 – A carta ao secretário do IHGB, Januário Barboza, de
18/01/1842
7.1.1 – O texto com as correções extirpadas da redação final ..127
7.1.2 – A análise do texto ..........................................................134

Parte II
Capítulo 1 – As fontes sobre a vida de Lund
1.1 – As fontes impressas ..............................................................144
1.2 – As fontes manuscritas ...........................................................147

14

1.3 – A obtenção dos manuscritos .................................................149

Capítulo 2 – Os trabalhos de transcrição e de tradução
2.1 – O dinamarquês em gótico .....................................................151
2.2 – O alemão em gótico ..............................................................153
2.3 – A escolha das cartas em dinamarquês para tradução ............157

Capítulo 3 – As cartas traduzidas
3.1 – Cartas de Lund para J. Reinhardt ..........................................160
3.2 – Cartas trocadas entre Lund e o Rei Christian VIII ...............235
3.3 – Cartas de Lund para E. Warming .........................................256

Capítulo 4 – Análise das cartas traduzidas
4.1 – Carta para J. Reinhardt, de 29/11/1841 ................................268
4.2 – Carta para J. Reinhardt, de 14/01/1843 ................................271
4.3 – Carta para J. Reinhardt, de 16/11/1843 ................................274
4.4 – Carta para J. Reinhardt, de 26/04/1844 ................................278
4.5 – Carta para J. Reinhardt, de 10/01/1845 ................................283
4.6 – Carta para o Rei Christian VIII, de 10/01/1845 ....................286
4.7 – Carta do Rei Christian VIII para Lund, de 11/04/1846 ........287
4.8 – Carta para o Rei Christian VIII, de 08/08/1846 ....................288
4.9 – Carta para E. Warming, de 07/07/1877 ................................289
4.10 – Carta para E. Warming, de 28/03/1880 ..............................292

Parte III
Capítulo 1 – Uma nova pista
1.1 – O caderno de rascunhos ........................................................297
1.2 – Os rascunhos dos documentos em português .......................300
1.3 – Cartas trocadas com F. Wizner von Morgenstern ................330
15

Capítulo 2 – Uma quase resposta
A lavra de Papafarinha ...................................................................346
Uma quase bancarrota ....................................................................360

Conclusão Geral ......................................................................................363
A pesquisa continua .......................................................................367

Referências Manuscritas ...............................................................................371
Referências Bibliográficas ............................................................................377

Anexo I
Demais documentos traduzidos ou transcritos ..............................................401

Anexo II
Manuscritos da coleção de P. W. Lund na Biblioteca Real
1.1 Cartas enviadas por P. W. Lund ..............................................................433
1.2 Cartas endereçadas a P. W. Lund ............................................................450
1.3 Cartas enviadas por Nerêo Cecílio dos Santos ........................................458
1.4 Cartas endereçadas a Nerêo Cecílio dos Santos ......................................460
Ãndice Remissivo ...........................................................................................461

16

Ãndice de Tabelas
Tabela I: Exemplos de letras maiúsculas manuscritas em gótico .................153
Tabela II: Exemplos de letras minúsculas manuscritas em gótico ................154
Tabela III: O alfabeto gótico empregado na Dinamarca em 1800 ................155
Tabela IV: Grafia do gótico dinamarquês entre 1785 e 1839 .......................156
Tabela V: A escrita gótica usada por Søren Kierkegaard .............................157
Tabela VI: O alfabeto gótico usado na Alemanha no século XIX ................163

17

18

Ãndice de Figuras
Figura I: Carta em dinamarquês gótico de P. W. Lund para J. Reinhardt. NKS
2838. 29/11/1841 ...........................................................................................159
Figura II, III e IV: Trechos de carta em dinamarquês gótico de P. W. Lund
para J. Reinhardt. NKS 2838. 26/04/1844 .............................................160/161
Figura V: Carta em alemão gótico de P. W. Lund para Alexander von
Humboldt. NKS 2677. 28/11/1837 ...............................................................163
Carta para J. Reinhardt. NKS 2838. 14/01/1843 ...........................................182
Carta para J. Reinhardt. NKS 2838. 16/11/1843 ...........................................195
Carta para J. Reinhardt. NKS 2838. 26/04/1844 ...........................................206
Carta para J. Reinhardt. NKS 2838. 10/01/1845 ...........................................225
Carta para o Rei Christian VIII. NKS 2677. 10/01/1845 ..............................235
Carta do Rei Christian VIII para P. W. Lund. NKS 3261. 11/04/1846 ........240
Carta para o Rei Christian VIII. NKS 2677. 08/08/1846 ..............................249
Carta para Eugen Warming. Københavns Universitet. 07/07/1877 ..............256
Carta para Eugen Warming. Københavns Universitet. 28/03/1880 ..............261
Carta de F. v. Morgenstern para P. W. Lund. NKS 3261. 16/07/1839 .........328
Carta de F. v. Morgenstern para P. W. Lund. NKS 3261. 08/01/1841 .........337

19

20

RESUMO
O naturalista dinamarquês Peter Wilhelm Lund (1801-1880), considerado o pai da
Paleontologia brasileira, professava a chamada Teoria do Catastrofismo, do Barão Georges
Cuvier. Foi para tentar comprovar esta teoria que o naturalista escavou milhares de fósseis
nas cavernas de Lagoa Santa (MG) entre 1835 e 1844, quando descreveu dezenas de
espécies extintas do período Pleistoceno. Durante este trabalho, Lund descobriu os
esqueletos fossilizados de cerca de 30 seres humanos, que ficaram conhecidos como os
Homens de Lagoa Santa. Logo após esta descoberta, o naturalista enviou suas coleções para
a Dinamarca e pôs fim nos trabalhos de campo, sem no entanto voltar ao seu país e
permanecendo no Brasil até sua morte.
A maior questão não respondida sobre a vida de Peter Lund, e o objetivo deste
trabalho, é entender porque afinal ele parou de pesquisar? O próprio Lund alegou falta de
dinheiro. Mas seus biógrafos escolheram como bode expiatório o cansaço físico e
intelectual após anos de trabalho ininterrupto nas cavernas.
A resposta, no entanto, encontra-se na coleção de cartas de Lund, arquivadas na
Biblioteca Real de Copenhagen. O presente trabalho é resultado do estudo de uma pequena
parte desta correspondência. Analisou-se a vida do naturalista à luz da sua relação com a
família, mestres e amigos no Brasil e na Dinamarca, na esperança de identificar a razão
para o término das pesquisas de um dos mais influentes cientistas do Brasil no século XIX.

21

ABSTRACT
The Danish naturalist Peter Wilhelm Lund (1801-1880), also called “Brazilian
Paleontology’s fatherâ€, was a proponent of the Catastrophism theory formulated by
Georges Cuvier. In search of a proof for this theory, Lund excavated thousands of fossils
from the caves of Lagoa Santa (MG) between 1835 and 1844, eventually describing dozens
of extinct Pleistocene species. Meanwhile, Lund found fossilized skeletons of some 30
human individuals, that became known as the People of Lagoa Santa. Soon after that, Lund
sent his collections to Denmark and put an end to his fieldwork. But he never returned to
his country, remaining in Brazil until his death.
A major question that remains about Lund’s life, and the object of this work, is to
know why after all he stopped his research? Lund’s himself wrote that lack of money was
the cause of it. But his biographers choose as scapegoat his physical condition and
intellectual tiredness after years of uninterrupted work in the caves.
The answer, however, is to be found in Lund’s letter collection, archived at the
Copenhagen Royal Library. The present work is the result of the study of a small part of
this correspondence. By analyzing the naturalist’s life and his relations to his family,
masters and colleagues both in Brazil and Denmark, my hope was to identify the reason for
the end the research of one of the most influent scientists of Brazil in the Nineteenth
century.

22

Introdução
He would also hear, on the authority of an excellent observer, Dr. Lund, that the human
skulls found in the caves of Brazil, entombed with many extinct mammals, belonged to the
same type as that now prevailing throughout the American Continent.
Charles Darwin (1859)
The Descent of Man and selection in relation to sex
2 ed., London: John Murray. 1882. p.168

Considerado o “pai da Paleontologia brasileiraâ€, o naturalista dinamarquês Peter
Wilhelm Lund (1801-1880) tinha apenas 23 anos quando desembarcou pela primeira vez no
Rio de Janeiro, em 8 de dezembro de 1825. Recém-formado pela Academia de Medicina de
Copenhagen, onde decidiu devotar-se ao estudo da História Natural, Lund permaneceria
nesta primeira estada ao todo três anos no Brasil. A maior parte deste período foi gasta em
viagens nas proximidades da capital imperial, estudando e coletando animais, aves, insetos
e principalmente plantas, sobre os quais escreveu. Em 1929, enviou suas coleções para o
Museu de História Natural em Copenhagen, retornando em seguida à Europa.
Lund passou os três anos seguintes visitando museus e universidades, e estudando as
coleções de História Natural de diversos museus. Na Universidade de Kiel, que então fazia
parte do reino da Dinamarca,1 tornou-se doutor em Filosofia Natural em 1829. Visitou em
seguida Berlim, Dresden, Praga e Viena, que possuía a melhor coleção natural brasileira de
toda a Europa. De Viena, Lund seguiu no início de 1830 para Veneza, Bolonha, Ancona,
Roma, Nápoles, Messina, Catânia, Siracusa, Agrigento e Palermo. Foi lá que soube da
morte da mãe, à qual era muitíssimo apegado. Seguiu para Genebra e Paris, onde conheceu
seu mestre intelectual, o Barão Georges Cuvier, além dos maiores naturalistas da época,
como o Barão Alexander von Humboldt.
Decidiu então retornar mais uma vez à Dinamarca para rever a família no verão de
1831. A seguir, abandonou o plano de se fixar no sul da França e decidiu viajar novamente
1

Antiga cidade-membro da Liga Hanseática, Kiel pertenceu à Dinamarca de 1773 a 1864, quando foi anexada
pela Prússia.

23

ao Brasil. Em 12 de outubro de 1832, Lund embarcou para o Rio de Janeiro, sem saber que
jamais retornaria ao Velho Mundo. No Rio conheceu o botânico alemão Ludwig Riedel
(1790-1861), que havia vindo ao País participar da Expedição Langsdorff. Os dois
naturalistas decidiram empreender uma viagem de estudo pelo interior de São Paulo e
Goiás, para retornar ao Rio de Janeiro através de Minas Gerais. Em outubro de 1834
chegaram a Minas, e na pequena cidade de Santo Antônio de Curvello travaram contato
com Peter Claussen (1804-?55), um conterrâneo de Lund e dono de uma fazenda na região.
Ao visitar a fazenda, Lund identificou imediatamente alguns fósseis que haviam sido
recolhidos das cavernas da região, de onde Claussen extraía salitre. O jovem naturalista
reconheceu imediatamente o enorme potencial a ser pesquisado - potencial que já era de
conhecimento de Claussen, não só do ponto de vista econômico como também científico
(LYON; BUCKLAND). Lund seguiu então para Ouro Preto aonde se despediu de Riedel,
decidido a retornar a Curvelo para escavar as “cavernas de ossosâ€, como as chamava.
De volta à fazenda de Claussen, conheceu o pintor norueguês Peter Andreas Brandt
(1791-1862), que se tornaria seu melhor amigo e companheiro de pesquisas de campo. Ao
mesmo tempo, Lund se desentendeu com Claussen, abandonando Curvelo para em 1835 se
fixar em Lagoa Santa, um pequeno arraial onde passaria o resto da sua vida. Nos nove anos
seguintes, até 1844, Lund pesquisou mais de 800 grutas e abrigos rochosos da região, onde
coletou mais de 12 mil fósseis e fragmentos ósseos pertencentes a 100 gêneros e 149
espécies fósseis, sendo 19 gêneros e 32 espécies extintas.
Durante os primeiros anos de trabalho, Lund procurava encontrar evidências que
comprovassem a teoria catastrofista elaborada por Georges Cuvier. Era o paradigma
científico dominante na primeira metade do século XIX para explicar - se não a origem das
espécies, cujo surgimento estava no gênesis - as causas para a sua extinção. Cuvier defendia
o desaparecimento das espécies através da ocorrência de diversas “revoluções†na
superfície terrestre, que teriam dizimado por completo os seres vivos das áreas atingidas.
Estas, por sua vez, teriam sido repovoadas por espécies que habitavam as áreas adjacentes.
Com relação a Lund, nas descrições de suas primeiras descobertas, publicadas na
Dinamarca a partir de 1836, o naturalista procurava entender a geologia das cavernas,
sempre associando os restos fragmentados de esqueletos que encontrava com as sucessivas
“revoluções do mundo†postuladas por Cuvier. Desse modo, e segundo Lund, os esqueletos

24

de animais evidentemente extintos, como o tigre de dentes-de-sabre, o mastodonte, o
toxodonte e a paleolhama, só podiam estar enterrados embaixo de escombros e camadas de
calcário calcificado, porque tais escombros haviam sido depositados por imensa enchente
que extinguiu todas as formas de vida da região. Quando as águas recuaram, o Brasil
Central teria sido repovoado por espécies de outras regiões onde não ocorreu o diluvium.
Com o passar dos anos, no entanto, esta hipótese começou a se mostrar cada vez mais
frágil. Isso porque, ao lado de fósseis de espécies extintas, Lund desenterrava ossos com o
mesmo aspecto, porém idênticos aos de espécies vivas, como ratos, preás, onças, antas,
morcegos, coelhos e raposas.
Num primeiro momento, sem conseguir abandonar o ideário cuvierista, o
dinamarquês descreveu os fósseis encontrados como pertencentes a espécies extintas (a
raposa extinta, por exemplo) e diferentes das atuais (Lund, 1950). Mas a quantidade de
material coletado tornava cada vez mais evidente que este não era o caso. As convicções de
Lund com relação ao catastrofismo foram assim declinando. A pá de cal foi jogada no
início dos anos 1840, quando ele encontrou fragmentos humanos em cinco grutas, muitos
deles associados à fauna decididamente extinta. O achado mais importante foram cerca de
30 crânios e esqueletos de indivíduos de diversas idades, retirados do leito da Lapa do
Sumidouro, uma gruta alagada que serve de escoadouro ao lago de mesmo nome, mas que
drenou por completo numa grande seca que assolou a região. Embora aparentando grande
antigüidade, aqueles esqueletos humanos eram anatomicamente modernos. A possibilidade
de o homem ter povoado o Brasil central antes da última “revolução da Terra†e ter
sobrevivido a ela tinha se tornado uma realidade. Segundo Lund, aqueles esqueletos
forneceram resultados importantes para a discussão da antigüidade do homem nas
Américas. Em 1844, apresentou à ciência européia uma hipótese inédita: a
contemporaneidade do homem pré-histórico com os grandes mamíferos extintos (LUND,
1844; 1845; 1846; 1950, p.457-463, p.465-488, p.489-498).
Lund suspendeu os trabalhos de campo em 1845, logo após enviar seu comunicado
sobre a antigüidade do homem, Remarques sur les ossements humains fossiles trouvés dans
les cavernes du Brésil. Em seguida, ele despachou para Copenhagen dezenas de baús com
sua imensa coleção, uma doação ao rei Christian VIII e ao povo da Dinamarca.

25

Nos anos seguintes, alternando desculpas sobre o estado da sua saúde com
imprevistos e contratempos, foi postergando seu retorno à Europa apesar da insistência dos
irmãos. Ao mesmo tempo, cuidava de seu jardim, interagia com a crescente comunidade de
Lagoa Santa, recebia a visita de diversos naturalistas e trocava correspondência com
colegas e amigos, especialmente com o zoólogo Johannes Theodor Reinhardt (1816–1882)
e o botânico Eugen Warming (1841-1924). Sabe-se que se ausentou de Lagoa Santa apenas
umas poucas vezes, indo a Sabará e Ouro Preto na década de 1840. Fora isso, manteve seu
isolamento em Lagoa Santa até sua morte, em 25 de maio de 1880.

A repercussão do trabalho de Lund
O mundo científico acompanhava com interesse as descobertas paleontológicas do
sábio de Lagoa Santa. Seis exemplos são suficientes para ilustrar a repercussão do trabalho
de Lund na Europa, todos saídos da pena de ninguém menos que Charles Darwin:
“The existence in South America of a fossil horse, of the mastodon, possibly of an
elephant, [4] and of a hollow-horned ruminant, discovered by MM. Lund and Clausen
in the caves of Brazil, are highly interesting facts with respect to the geographical
distribution of animals.â€
Journal of Researches into the Natural History and Geology of the countries visited
during the voyage round the world of H.M.S. Beagle. 11 ed., London: John Murray,
p.138, 1913
“The relationship, though distant, between the Macrauchenia and the Guanaco,
between the Toxodon and the Capybara,—the closer relationship between the many
extinct Edentata and the living sloths, ant-eaters, and armadillos, now so eminently
characteristic of South American zoology,—and the still closer relationship between
the fossil and living species of Ctenomys and Hydrochærus, are most interesting facts.
This relationship is shown wonderfully—as wonderfully as between the fossil and
extinct Marsupial animals of Australia—by the great collection lately brought to
Europe from the caves of Brazil by MM. Lund and Clausen. In this collection there

26

are extinct species of all the thirty-two genera, excepting four, of the terrestrial
quadrupeds now inhabiting the provinces in which the caves occur; and the extinct
species are much more numerous than those now living: there are fossil ant-eaters,
armadillos, tapirs, peccaries, guanacos, opossums, and numerous South American
gnawers and monkeys, and other animals. This wonderful relationship in the same
continent between the dead and the living, will, I do not doubt, hereafter throw more
light on the appearance of organic beings on our earth, and their disappearance from
it, than any other class of facts†(idem, p.183).
“Dr. Lund, however, found human skeletons in the caves of Brazil, the appearance of
which induced him to believe that the Indian race has existed during a vast lapse of
time in South America†(ibidem, p.382).
“It may be naturally asked, where did these numerous animals live? From the
remarkable discoveries of MM. Lund and Clausen, it appears that some of the species
found in the Pampas inhabited the highlands of Brazil.â€
The Geology of the Voyage of H. M. S. Beagle. Part III: Geological Observations on
South America. London: Ward Lock & Co., p.378, 1910
“At the period, so recent in a geological sense, when these extinct mammifers existed,
the two Americas must have swarmed with quadrupeds, many of them of gigantic
size; for, besides those more particularly referred to in this chapter, we must include
in this same period those wonderfully numerous remains, some few of them
specifically, and others generically related to those of the Pampas, discovered by MM.
Lund and Clausen in the caves of Brazil†(idem, p.380).
“Mr. Clift many years ago showed that the fossil mammals from the Australian caves
were closely allied to the living marsupials of that continent. In South America, a
similar relationship is manifest, even to an uneducated eye, in the gigantic pieces of
armour, like those of the armadillo, found in several parts of La Plata; and Professor
Owen has shown in the most striking manner that most of the fossil mammals, buried
there in such numbers, are related to South American types. This relationship is even
more clearly seen in the wonderful collection of fossil bones made by MM. Lund and
27

Clausen in the caves of Brazil. I was so much impressed with these facts that I
strongly insisted, in 1839 and 1845, on this “law of the succession of types,†on “this
wonderful relationship in the same continent between the dead and the living.(…) It
may be asked in ridicule whether I suppose that the megatherium and other allied
huge monsters, which formerly lived in South America, have left behind them the
sloth, armadillo, and anteater, as their degenerate descendants. This cannot for an
instant be admitted. These huge animals have become wholly extinct, and have left no
progeny. But in the caves of Brazil there are many extinct species which are closely
allied in size and in all other characters to the species still living in South America;
and some of these fossils may have been the actual progenitors of the living species.â€
The Origin of Species by Means of Natural Selection. 6. ed. London:
John Murray, p.310, 1872.
Ainda no século XIX, os restos humanos encontrados por Lund influenciaram o
trabalho de estudiosos como o argentino Florentino Ameghino (1854-1911), assim como o
etnólogo francês Paul Rivet (1876-1958), para quem o tipo étnico chamado paleoamericano ou de Lagoa Santa encontra-se em toda a América, desde a baixa Califórnia, no
norte, até a Argentina. “Este tipo étnico de Lagoa Santa ou paleo-americano, certamente
muito antigo no Novo Mundo, acha-se estreitamente aparentado, por todas os suas
características, com o tipo (...) dominante na Melanésia†(RIVET, 1908). Já o antropólogo
tcheco radicado nos EUA AleÅ¡ HrdliÄka (1869-1943), defendeu em Early Man in South
America (1912) que a contemporaneidade do ser humano com os animais fósseis da Lapa
do Sumidouro “é desautorizada†(HRDLIČKA, 1912, p.181).
Em 1877, o antropólogo francês Quatrefages2 julgou que os indivíduos de Lagoa
Santa pertenceriam à raça do homem de Neanderthal, cujos restos haviam sido encontrados
na Alemanha em 1856. Mas, em 1881, o mesmo autor abandonou aquela tese e passou a
chamar seus fósseis de “raça de Lagoa Santa.†Em 1876, um crânio completo e bem
conservado, doado por Lund ao Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, foi estudado por
João Baptista de Lacerda (1845-1915) e José Rodrigues Peixoto, ambos do Museu
Nacional. Eles consideraram a morfologia muito parecida com a dos crânios dos índios

2

Jean Louis Armande de Quatrefages de Breau (1810-1892).

28

Botocudos, exterminados por tropas imperiais ainda na segunda metade do século XIX. A
partir de 1883, o material enviado por Lund para Copenhague foi estudado pelo naturalista
dinamarquês Christian Frederik Lütken (1827-1901) e por Søren Hansen, curador que
assumiu a coleção após a morte de J. T. Reinhardt. Ambos publicaram suas conclusões em
E Museo Lundii, em 1888, 43 anos após a transferência das coleções para a Dinamarca. Já
no início do século XX, o legado de Lund foi estudado pelo antropólogo argentino de
origem italiana José Imbelloni (1885-1967)
No Brasil, o interesse por Lund jamais desapareceu. Nos anos 30, sua vida foi alvo de
diversos trabalhos do historiador mineiro Aníbal Mattos (1889-1969) e de Arnaldo
Cathoud, e as grutas de Lagoa Santa voltaram a ser investigadas por Harold V. Walter, o
cônsul britânico em Belo Horizonte. Nos anos 40, o grande paleontólogo gaúcho Carlos de
Paula Couto (1910-1982) mandou traduzir do dinamarquês a coleção de memórias de Lund:
Memórias sobre a Paleontologia Brasileira (1950), trabalho absolutamente fundamental
para começar a conhecer a vida e a obra do naturalista (sendo que o antecessor de Paula
Couto no Museu Nacional, Padberg Drenkpol, já havia traduzido ao menos alguns trechos).
Em 1956, os arqueólogos americano Wesley Hurt (1917-1997) e brasileiro Oldemar Blasi,
do Museu Nacional, desenterraram nove crânios humanos na Lapa da Cerca Grande.3 Nos
anos 60, foi a vez da antropóloga física Marília Carvalho de Mello e Alvim, também do
Museu Nacional, estudar os crânios de Lagoa Santa. Na década seguinte, a arqueóloga
francesa Annette Laming-Emperaire (1917-1977) liderou a Missão Franco-Brasileira que
escavou diversos sítios na região de Lagoa Santa. O francês André Prous4 acompanhou a
missão ao País e daqui jamais saiu, pesquisando até hoje as pinturas rupestres dos vales do
Rio das Velhas e do Peruaçu na Universidade Federal de Minas Gerais.
O principal dividendo da missão franco-brasileira a Lagoa Santa foi a escavação no
sítio da Lapa Vermelha IV, de onde saiu o fóssil de uma mulher de 11,5 mil anos, aquela
que viria a ser considerada a “primeira brasileiraâ€, carinhosamente apelidada de Luzia por
Walter Alves Neves.5

3

Os crânios encontram-se no Museu Nacional.
André Pierre Prous Poirier (1944-).
5
Para uma visão detalhada dos estudos feitos nos crânios do Sumidouro e a discussão deles resultante, vide
NEVES ET ATUI, 2004.
4

29

Nos anos 90, a pesquisa em Lagoa Santa foi retomada pela equipe de Walter Neves,
que promove trabalhos de campo anuais, escavando diversas grutas de onde já retiraram
mais de 30 crânios com idade superior a 7 mil anos, além de restos de animais, em especial
uma preguiça terrestre. O objetivo principal da pesquisa – mas não o único – é reunir um
número suficiente de crânios do “povo de Lagoa Santaâ€, cujo estudo morfológico possa
comprovar sem sombra de dúvida que os primeiros habitantes da região não eram
aparentados dos descendentes dos índios americanos, mas tinham feições que lembram os
africanos e aborígines. Esta tese levantada, pela primeira vez em 1989 por Neves e o
antropólogo argentino Héctor Pucciarelli, sustenta que houve uma primeira migração
humana para a América formada por populações arcaicas asiáticas que mantinham os traços
das primeiras populações que emigraram da Ãfrica. Esta América, que teria cruzado
provavelmente o estreito de Behring ainda no final da Idade do Gelo, há mais de 13 mil
anos e antes da corrente migratório que derivou nos índios americanos com seus traços
mongolóides.

Por que o trabalho nas cavernas acabou?
Apesar da importância das suas descobertas, Lund encontrava-se isolado no meio do
nada, distante dois meses de viagem em lombo de burro do Rio de Janeiro e vivendo à
anos-luz de distância dos círculos científicos de Paris, Londres e Berlim. Isto significava
que ele tinha contato limitado com a literatura científica da época e, sobretudo, não podia
discutir com rapidez seus achados com colegas da academia. Mais além, durante oito anos
no Brasil, Lund custeou suas pesquisas com o dinheiro herdado do pai, rico comerciante de
Copenhagen, e administrado pelos dois irmãos, recursos estes que de acordo com o
naturalista estariam chegando ao fim.
Segundo o próprio Lund afirma numa carta de 10 de janeiro de 1845 ao seu
orientador, Johannes Christopher Hagemann Reinhardt (1776-1845), o término das
escavações se deu por falta de dinheiro, muito mais do que pela sua alegada saúde frágil, o
que parece improvável dado que ele sobreviveu a todos da sua geração, vindo finalmente a
falecer quase octogenário. Nas suas próprias palavras:

30

“O trabalho nas cavernas irá talvez terminar. Não porque o desejo de continuá-lo ou o
material estejam faltando. É em parte devido à minha saúde, que se vai piorando, mas
nisso poder-se-ia dar um jeito, uma vez que eu treinei alguns trabalhadores práticos
que poderiam tornar o meu trabalho mais fácil. O principal motivo, na verdade, são as
despesas consideráveis, as quais penso não poder manter por muito mais tempo.â€
(LUND, E., 2002, p.9)
Esta confissão só foi feita uma vez: justamente neste pequeno trecho de uma das
centenas de cartas que escreveu em vida. Talvez justamente por isso esta explicação foi
menosprezada, considerada mais um subterfúgio equivalente aos outros tantos relativos à
saúde frágil. Abandonar as pesquisas por razões financeiras justo no momento em que ele
coroou seu longo trabalho com o achado dos esqueletos do Sumidouro jamais convenceu a
comunidade acadêmica, em especial os admiradores de sua obra.
Esta passou a ser a grande questão relativa à trajetória do naturalista. Sendo assim,
com o passar dos anos seus estudiosos, a começar pelos biógrafos, acabaram por formular
uma hipótese para o fim das pesquisas de campo. “As razões apresentadas por Lund para o
fim de seus trabalhos nas cavernas são simples e clarasâ€, afirma a sua sobrinha bisneta,
Ebba Lund, referindo-se ao trecho daquela mesma. No entanto, Ebba pondera:
“Essa poderia ser uma boa razão, mas outros motivos, como o fato de que deve ter
sido muito difícil manter-se atualizado estando tão longe da comunidade científica,
além de outros, devem ter tido sua influência†(LUND, E., 2002, p.9).
Na biografia que escreveu em 1882, o discípulo e amigo J. T. Reinhardt preferiu
acreditar que o isolamento científico e a dureza do trabalho nas cavernas foram os fatores
responsáveis para a decisão de Lund:
“Quanto ao Brasil, a obra de Lund não foi ultrapassada. Não faltam homens da
ciência eminentes que fizeram da fauna extinta dos mamíferos da regiões (do rio) do
Prata o objeto de estudos sérios durante as dezenas de anos decorridas desde que
Lund começou suas explorações das cavernas. As formas extintas descritas por Lund
no Brasil foram encontradas naquelas regiões, sendo que outras novas e de interesse
foram a elas acrescentadas. O conhecimento que devemos (a Lund) da fauna extinta
31

da América do Sul foi consideravelmente aumentado. Mas a solidez que ele
estabeleceu foi ulteriormente confirmada por todos estes trabalhos. O apreço aos
trabalhos de Lund não diminui quando consideramos as dificuldades que ele teve que
ultrapassar, comparadas àquelas que encontraram os homens da ciência a quem
devemos a exploração dos animais extintos dos lados da Prata. Nestas regiões os
restos dos animais extintos não se encontram em cavernas, mas são achados em
grande quantidade no solo, aparecem acidentalmente após uma dragagem ou são
lavados pelas correntes dos rios. Por outro lado, é surpreendente como seus esqueletos
se encontram com frequência perfeitamente conservados no solo, e que empregandose os cuidados necessários eles se deixam desenterrar completos ou quase sem dano.
Nas cavernas do Brasil as circunstâncias são diferentes (...) Os ossos são muito
frequentemente aglomerados em brechas duras como pedra, sendo preciso destacá-los
com formão e a golpes de martelo, o que torna impossível evitar que os ossos se
quebrem e esmigalhem. E este trabalho deve ser feito em galerias muitas vezes
estreitas e escuras, sob a luz fraca de uma tocha ou de uma pequena lanterna. (...)
Compreende-se facilmente, recordando-se estas circuntâncias, que toda a vasta
coleção cientificamente única e importante não contenha um só esqueleto completo
ou mesmo parcialmente completo de um animal extinto qualquer que seja. Lund não
estava em condições de estudar a anatomia destes animais se não lentamente,
reunindo pouco a pouco os seus ossos, que ele conseguia em diversas escavações
feitas em diferentes locais e épocas diversas. Mas se já era difícil, muitas vezes
impossível reunir as amostras em quantidade suficiente para formar um espécime
completo, às dificuldades inevitáveis do estudo e da montagem dos achados devia ser
necessariamente acrescida a localização isolada no interior do Brasil, posição que o
mantinha afastado de toda a sociedade e de toda a influência dos homens da ciência
(...), o que lhe obrigava obter recursos literários absolutamente necessários lentamente
e com muito perda de tempo, por causa dos meios de comunicações imperfeitos e
raros daqueles dias †(REINHARDT, 1882, p.55-56).
Para o francês Henri Gorceix, o diretor da Escola de Minas de Ouro Preto que leu a
tradução em francês da biografia de J. T. Reinhardt e nela se baseou para escrever o epitáfio
brasileiro do naturalista, a razão para o fim das pesquisas foi espiritual:
32

“Separando-se das suas collecções em 1847, quando as enviou para a Dinamarca por
ocasião da visita de Reinhardt, Lund dava a entender que, ao menos por algum tempo,
se absteria de estudar as ossadas fósseis; elle mesmo reconhecia, porém, que sua
tarefa estava longe de haver tocado a seu termo natural; suas quatro primeiras
memórias não tinhão sido, por assim dizer, senão o prólogo da grande obra cujo plano
havia concebido, e da qual a monographia sobre a família dos cães fora o primeiro
capítulo. Mas fácil é compreender a necessidade que experimentava Lund de
suspender momentaneamente sua actividade scientifica. Após oito annos de
incessante labor em completa solidão, que lhe não offerecia ao espírito, fatigado por
longa tenção nenhum desses instantes de repouso que se deparão nos centros de
actividade scientifica pela conversão, pela troca de idéas e até pelas discussões, não
podia Lund, a despeito de toda a sua dedicação pelo trabalho, deixar de sentir-se
cansado. Mais difficil, sim, é explicar como no vigor dos annos e na plenitude de suas
faculdades intellectuaes não havia elle emprehendido estudos de outra natureza. (...)
Segundo penso, é antes nos resultados do seu isolamento, do que no estado de sua
saúde, que devemos perscrutar o motivo deste silêncio que se prolongou até o fim de
sua vida. Em circumstâncias análogas daquellas em que se acha Lund, opera-se no
espírito um trabalho lento que se traduz fatalmente na desconfiança das próprias
forças, no exagerado receio de tropeçar no erro, e no falso conceito dos próprios
descobrimentos que a cada passo parecem ter sido já feitos por outros. A difficuldade
de andar em dia com os progressos da sciencia e de receber communicações das
descobertas que cada dia os caracterisão é para aggravar semelhante estado mental.
Bem que activo, o pensamento torna-se cada vez mais penoso e difficil de ser
traduzido por escripto e, na falta de toda a transmissão oral, permanece esteril para o
mundo. Mais a este estado do espírito do que ao de saúde, que Lund, entretanto,
invocava freqüentemente, é para ser attribuida, segundo conjecturo, esta longa phase
de inactividade succedendo a período da actividade tão operosa†(GORCEIX, 1884,
p.39).
Decorrido mais de um século desde estas considerações de Gorceix, a pesquisadora
dinamarquesa Birgitte Holten adiciona um outro ponto de vista. Na última década, ela

33

estudou a maior parte das mais de mil cartas que compõem a correspondência de Lund, que
se encontra arquivada na Biblioteca Real de Copenhagen. Segundo Holten:
“Muitas hipóteses sobre a verdadeira razão para esta decisão têm sido discutidas
desde então – e o próprio Lund jogou combustível ao fogo com suas diversas escusas,
polidas, divergentes e obstinadas (...) Sem dúvida Lund era um excêntrico, como não
existem mais. Suas preocupações com a saúde parecem totalmente exageradas mesmo
para uma pessoa que perdeu dois irmãos na infância. Mas por outro lado algumas das
suas precauções – como não ir ao Rio enquanto a cidade estivesse com surtos de febre
amarela – eram a única coisa sensata a fazer naquela época. E ele parece ter sofrido
muito com o “reumatismo dentário†ou neuralgia – que é realmente muito doloroso e
que provavelmente não melhorou em função do seu prolongado trabalho nas
cavernas†(HOLTEN, s/d).

Por uma nova hipótese
Provar as razões para o colapso no trabalho de campo de Peter Wilhelm Lund tornouse a problemática natural a ser perseguida neste meu trabalho. É evidente que a hipótese da
falta de recursos é questionável, já que esta não o impediu de viver confortavelmente no
Brasil por outros 35 anos, até morrer em 1880, deixando em testamento a maioria de seus
bens ao filho de criação, Nerêo Cecílio dos Santos.
J. T. Reinhardt e Gorceix defenderam que o isolamento, a falta de recursos científicos
e de contato direto com os colegas da academia trabalhavam para minar a determinação de
Lund como pesquisador. Já Birgitte Holten procura relativizar a questão, adicionando um
componente “excêntricoâ€, para não dizer claramente hipocondríaco.
A meu ver, no entanto, talvez exista uma explicação mais profunda, que não exclui
nenhuma das anteriores, mas que poderia ser mais poderosa do que todas elas. A revelação
da antigüidade do homem na América e sua coexistência com a megafauna extinta talvez
tenham acabado por resolver a questão. A derrubada do paradigma catastrofista poderia ter
provocado naquele fiel discípulo de Cuvier uma paralisia intelectual. Pior do que isso, caso
os trabalho nas cavernas prosseguissem, Lund poderia ter sido em última instância o

34

responsável pela derradeira pá de cal sobre a teoria catastrofista – fato que ocorreria
invariavelmente a partir de 1859, com a publicação da Origem das Espécies por Darwin.
Em outras palavras, imagino que Lund teria suspendido as escavações por não desejar
– ou não conseguir – aposentar o ideário científico no qual havia lastreado a sua carreira.
Isso sem falar na sua incapacidade de propor uma alternativa viável ao paradigma
insepulto, qual seja explicar o porquê da extinção das espécies.

A metodologia do trabalho
Este trabalho foi baseado no estudo da correspondência de Lund depositada na
Dinamarca, bem como nas biografias escritas por J. T. Reinhardt, Henriette Lund, pelo
filho adotivo Nerêo Cecílio dos Santos, e o discurso proferido por Henri Gorceix - além, é
claro, das memórias de Lund, traduzidas por Carlos de Paula Couto. A biografia de
Henriette (impressa em 1885 em dinamarquês) e a de Nerêo foram adquiridas em sebos na
Suécia e no Brasil, respectivamente. Já a tradução em francês da biografia de J. T.
Reinhardt, assim como o discurso de Gorceix em português, foram enviados pela Biblioteca
do Arquivo Imperial, em Petrópolis.
O ponto de partida desta tese de doutoramento, constante no Capítulo 1 da Parte I, foi
procurar entender qual era o panorama da filosofia natural no final do século XVIII.
Armados com o sistema taxonômico de Lineu (1707-1778), os naturalistas europeus
mergulharam na catalogação do mundo animal e vegetal. Dada a existência de fósseis de
animais diferentes de tudo o que se conhecia, uma questão crucial da época era entender
porque algumas espécies teriam se extinguido após o gênesis. Esta discussão iria culminar
com a teoria catastrofista de Cuvier.
Em seguida, no Capítulo 2 procuro expor sucintamente as diferenças entre o
“naturalista-viajanteâ€, aquele que saía pelo mundo atrás de novas coleções e cujo melhor
exemplo foi Humboldt, e o “naturalista de gabineteâ€, que permanecia no museu estudando
e descrevendo os materiais enviados por aqueles primeiros. Feito isso, situo o Brasil como
a Meca dos naturalistas da primeira metade do século XIX, que para cá correram após a
abertura dos portos às nações amigas, em 1808.

35

Do capítulo 3 e até o fim da Parte I, faço um relato bastante detalhado da vida de
Peter Wilhelm Lund, desde a sua infância e juventude, passando pelos estudos, pela
primeiro viagem ao Brasil, a volta à Europa e o retorno definitivo ao nosso País.
Baseado na biografia de Henriette Lund e incluindo trechos inéditos de cartas do
naturalista que traduzi pela primeira vez ao português, construo um painel da viagem com
Riedel pelo interior de São Paulo até o encontro com Claussen e a fixação definitiva em
Lagoa Santa, quando deu início ao trabalho nas “cavernas de ossosâ€, em 1835.
Minha idéia original era continuar esta seção biográfica até o envio das coleções à
Dinamarca, em 1845. Infelizmente o mesmo não foi possível, pois exigiria um tempo de
estudo do qual não mais dispunha – embora meu objetivo é dar prosseguimento à
continuação desta biografia o quanto antes.
A Parte II do trabalho inicia com os problemas da aprendizagem do idioma
dinamarquês, assim como o desafio em decifrar o alfabeto gótico da virada do século XVIII
para o XIX. O passo seguinte é a discussão sobre o corte escolhido no material a ser
estudado. A correspondência de Lund teve que ser adquirida da Biblioteca Real de
Copenhagen

na

forma

de

microfilmes,

posteriormente

digitalizados.

Dada

a

impossibilidade de ler a totalidade ou mesmo uma fração expressiva das cartas, que somam
mais de sete mil páginas, optei por estabelecer um corte temporal e seletivo do material. Se
a única confissão do naturalista sobre a falta de recursos para dar prosseguimento às
escavações foi feita ao orientador Johannes Christopher Hagemann Reinhardt, pareceu-me
uma escolha natural estudar as cartas enviadas ao mesmo, especificamente aquelas datadas
entre os anos de 1843, quando Lund já havia descoberto as ossadas da Lapa do Sumidouro,
e 1845, quando deu cabo aos trabalhos de campo e enviou suas coleções para Copenhagen.
O resultado desta seleção foram cinco cartas.
Ao oferecer suas coleções ao povo da Dinamarca, Lund queria garantir a conservação
e o estudo das mesmas. Para tanto, optou por doar as coleções ao rei Christian VIII,
garantindo assim um subsídio estatal para a sua curadoria. Lund trocou três cartas com o
rei. Assim, me pareceu óbvio incluir as mesmas neste estudo.
Por fim, recorri à Biblioteca Central do Museu de Botânica da Universidade de
Copenhagen, onde estão guardadas cerca de 20 cartas que Lund trocou com o botânico
Eugen Warming já no final da vida. Escolhi aleatoriamente as duas últimas, uma de 1877 e

36

a segunda de 1880, que Lund escreveu praticamente um mês antes de morrer, na esperança
de perceber vislumbres de um acerto de contas de um velho com seu passado – talvez
extraindo daí alguma revelação de importância.
Decidido qual o material a estudar, a Parte II prossegue com as traduções. Optei por
exibir sempre em primeiro lugar o texto manuscrito em dinamarquês no alfabeto gótico,
seguido por sua transcrição para o alfabeto latino, e por fim a tradução ao português. O
fecho da Parte II é formado pela análise do conteúdo das cartas traduzidas e a formulação
das primeiras conclusões.
Embora a imensa maioria da correspondência de Lund esteja em dinamarquês, o
homem era poliglota e existem diversas cartas em alemão (igualmente manuscrito em
gótico), francês e português, além de umas poucas em inglês. Sendo assim, procurei dentro
do possível ler toda a correspondência em português, francês e inglês que o tempo me
permitiu. Essa insistência, como se verá, rendeu bons frutos, que são justamente o que se lê
na Parte III deste trabalho. Ao pesquisar o caderno de rascunhos de Lund, descobri quase
três dúzias de cartas em português, enviadas entre 1840 e 1846 para diversos personagens
em Sabará e Ouro Preto. Assim descobri as circunstâncias de um processo judicial que
Lund moveu contra o engenheiro húngaro Franz Wiszner Von Morgenstern, em torno da
falência da lavra de ouro de Papa-farinha, da qual Morgenstern era sócio e Lund, seu fiador.
Uma nova luz sobre a problemática deste trabalho de doutoramento ganha corpo com
as revelações destas correspondências, como se vê em sua análise, que fecha a Parte III.
Por fim, o trabalho traz dois anexos. No primeiro, inseri traduções de cartas diversas
da coleção de Lund. Se elas acabaram por não servir ao escopo do trabalho, fornecem
importantes informações sobre o personagem Peter Wilhelm Lund nos longos anos de sua
permanência em Lagoa Santa. O segundo anexo contém a relação completa da
correspondência depositada na Biblioteca Real de Copenhagen, incluindo o tombo de cada
carta ou folio, para auxiliar aos futuros interessados na vida do naturalista.

37

38

PARTE I

39

40

Capítulo 1 – A questão da extinção das espécies
“Il n’y a point d’os humains fossilesâ€
Georges Cuvier (1825)
Discours sur les Révolutions de la Surface du Globe

1.1 – O debate sobre os fósseis e a idade da Terra
Imbuídos do espírito enciclopedista do Iluminismo e das ferramentas taxonômicas de
Carl von Linné, ou Lineu, o criador do método moderno de classificação biológica, os
naturalistas europeus da segunda metade do século XVIII entregaram-se à missão de
catalogar e descrever a vida na Terra. No entanto, a ênfase deste trabalho residia no desejo
próprio do Iluminismo de classificar as espécies da fauna e da flora – não de explicar a sua
origem. (BOWLER, 2003, p.49). A essência do sistema proposto por Lineu consistia na
escolha (aleatória) de um conjunto de traços que se pretendia estudar, denominado
característica, quando então se partia para o levantamento das semelhanças e das diferenças
entre determinadas espécies. De acordo com este método, quaisquer características que não
fizessem parte do conjunto de análise deveriam ser sumariamente negligenciadas. Em
outras palavras, num sistema aonde só as semelhanças têm relevância e as diferenças são
relegadas a um segundo plano, perde-se a sintonia fina com o imprevisível, com o aleatório,
com a adaptação.
Para o grande naturalista sueco, o historiador da natureza distingue pela vista as partes
dos corpos naturais, descreve-as convenientemente segundo o número, a figura, a posição e
a proporção e as nomeia.6 Assim, o naturalista é o homem do visível estruturado e da
denominação. Não da vida. Para Foucault, até o fim do século XVIII a vida não existe,
apenas os seres vivos. Estes formam várias classes - no sentido taxonômico da palavra – na
série de todas as coisas do mundo. Lineu crê na imobilidade da natureza, sustenta que toda
ela pode entrar na sua taxonomia (FOUCAULT, 2002, p.173, 222). Neste paradigma não

6

Philosophie botanique, seção 133, 1788.

41

existe a possibilidade para a mudança nem para a mutação. Segundo Bowler, o século
XVIII jamais poderia aspirar nada parecido com a visão darwinista da evolução.7
Ao longo do século XVIII, a criação universal pela mão divina era um dogma que
começava a ser posto em questão. Se todas as espécies teriam sido contemporâneas num
passado remoto imediatamente posterior ao Gênesis, qual seria a real antigüidade daquele
passado? Um acúmulo de descobertas geológicas tornava evidente que a idade do planeta
deveria ser muito superior àquela descrita nas páginas do Velho Testamento (GOODRUM,
2004 b, p.225). Sabia-se desde o século XVII da existência de rochas que se pareciam com
restos petrificados de criaturas que um dia viveram. Elas eram encontradas embebidas em
camadas de rochas superpostas umas às outras. Daí decorriam alguns problemas bastante
interessantes. O primeiro deles consistia saber por que aquelas formas caprichosas teriam
sido imersas em rocha? A conclusão a que se chegou à época foi que se tratavam de rochas
sedimentares, formadas por areia e lodo do fundo de antigos lagos ou mares e que teriam se
solidificado com o passar do tempo. Para esta interpretação ser aceita, no entanto, era
preciso antes de mais nada aceitar que aquelas rochas sedimentares então expostas ao sol
estiveram um dia submersas. Decorre daí que a superfície da Terra teria sido submetida no
passado a mudanças drásticas, como o recuo dos oceanos ou a elevação do leito dos mares.
Como reconciliar este passado geológico com a história bíblica? Em seu Essay
toward a Natural History of the Earth (1695), o geólogo inglês John Woodward (16651728) assumiu que as rochas sedimentares tinham sido depositadas pelo dilúvio universal
do Antigo Testamento. Este teria remodelado por completo a superfície terrestre, gerando
vastas quantidades de sedimento que se assentaram em diversas camadas de acordo com as
suas densidades (BOWLER, 2003, p.36; CUTLER, 2003, p.176). Outro inglês, Robert
Hooke (1635-1703), rejeitou a idéia de que os fósseis fossem uma evidência do dilúvio de
Noé, pois a Terra tinha que ser muito mais antiga do que os seis mil anos calculados pelo
bispo James Usher.8 Hooke, considerava evidente que os fósseis não poderiam vir do
dilúvio de Noé pois aquele teria durado uns 200 dias, o que não era suficiente para produzir
tantas conchas tão perfeitas. (THOMPSON, 2003).
7

É verdade que no final da vida, Lineu eventualmente aceitou que novas espécies poderiam surgir ao longo
do tempo, mas a sua explicação para o processo era por hibridização, que somente recombina as
características de espécies existentes (BOWLER, 2003, p.49-50).
8
Em 1645, o bispo irlandês James Usher (1581-1656) após estudar a lista de famílias da Bíblia declarou que a
Terra havia sido criada em 26 de outubro de 4004 a.C.

42

Em Discourse of Earthquakes and Subterraneous Eruptions (1701), Hooke afirmou
que a maioria das terras interiores já estiveram submersas. Quando as águas recuaram,
grandes regiões se elevaram, não sendo improvável, em suas palavras, que o topo das mais
altas montanhas estivessem submersos (FAUL & FAUL, 1983, p.42).
O diplomata francês Benoît de Maillet (1656-1738), por sua vez, propôs uma teoria da
história da Terra intitulada Telliamed (1748), na qual as montanhas de rocha sedimentar
contendo fósseis marinhos teriam se formado ao longo de centenas de milhares de anos no
fundo dos mares. À medida que as águas do oceano primordial recuaram, as camadas de
rocha sedimentar emergiram como terra firme (GOODRUM, 2004 b, p.225). De Maillet
chegou a calcular a idade da Terra. Seguindo o raciocínio de que o nível do mar estaria
recuando três polegadas por século perto da sua casa, ele executou uma extrapolação para
concluir que seriam necessários mais de dois bilhões de anos para as altas montanhas
atingirem à altura que se encontram da superfície do mar.
Naturalmente, para aceitar estas idéias era necessário decidir se um fóssil seria obra
de um sofisticado acaso mineral ou o remanescente solidificado de antigos seres vivos.
Ainda em 1554, o francês Guillaume Rondelet (1507-1566) publicou Libri de piscibus
marinis (dos peixes marinhos), um volumoso estudo sobre os peixes do Mediterrâneo, onde
observa que as glossopetrae ou línguas de pedra pareciam dentes de tubarão.9 Essa sugestão
foi retomada e defendida mais de um século depois, desta vez pelo dinamarquês Nicolau
Steno (ou Niels Stensen, 1638-1686). Trabalhando em Florença, ele dissecou a cabeça de
um tubarão branco, publicando suas conclusões em Canis carchariae dissectum caput
(cabeça dissecada de tubarão, de 1667). Ao colocar lado a lado os dentes do tubarão e as
glossopetrae, não demorou em concluir que eram tão semelhantes “como um ovo se parece
com outro†(CUTLER, 2003, p.59). Para Steno, as glossopetrae pareciam dentes de tubarão
porque elas eram dentes de tubarão. Vieram de bocas de tubarões um dia vivos, cujos restos
se depositaram no lodo ou na areia do fundo de mares. Com a mudança na posição do leito
marinho, os dentes antes submersos foram expostos ao ar livre (CUTLER, 2003, p.77).
Admitir que fósseis eram os restos de seres vivos apenas suscitava novos
questionamentos. O fato de certos fósseis não guardarem relação alguma com a fauna e
9

Conhecidas desde a Antigüidade, as glossopetrae eram comercializadas através do Mediterrâneo por seus
alegados poderes curativos. As melhores vinham de Malta, onde eram coletadas e vendidas (CUTLER, 2003,
p.56).

43

flora conhecidas levantava a perturbadora possibilidade de que algumas espécies teriam
deixado de existir! Ainda em Discourse of Earthquakes, Robert Hooke compara as conchas
dos moluscos marinhos nautilus (Nautilus nautiloides) e argonautas com fósseis de
amonitas, grupo de moluscos que dominou os oceanos e desapareceu na grande extinção do
período Permiano, 245 milhões de anos atrás. Hooke concluiu que muitos fósseis
representavam organismos que não mais existiam, convertidos em pedra por terem sido
seus poros preenchidos por algum líquido petrificante (THOMPSON, 2003). Para ele,
existiram inúmeras espécies de criaturas nas eras passadas, das quais não encontramos
nenhuma no presente (FAUL et FAUL, 1983, p.42).
No século XVIII, a continuidade da natureza é exigida por toda a história natural. Só
o contínuo pode garantir que a natureza se repita (FOUCAULT, 2002, p.203) A natureza
era um sistema estável e ordenado, no qual as espécies mantiveram suas características
imutáveis desde a criação. Isto era especialmente verdade para aqueles com profundas
convicções religiosas. No caso do naturalista e teólogo anglicano John Ray (1628-1705), a
simples idéia da extinção das espécies era inaceitável. Para ele, a perda de uma única
espécie significava um “desmembramento do universoâ€, que assim ficaria imperfeito
(CUTLER, 2003, p.138). Ray duvidava que um Deus caridoso poderia ter criado espécies
apenas para deixá-las desaparecer em uma catástrofe natural, e afirmava que depois do
Gênesis não produziu mais nenhuma (RAY, 1692).
Mas, com as crescentes evidências geológicas da enorme idade da Terra aliadas à
vasta quantidade de fósseis que iam se acumulando nos gabinetes de curiosidades e nas
coleções dos primeiros museus de história natural da Europa, uma posição como a de Ray
começava a ficar insustentável. A primeira menção de um elefante congelado ou mamute,
como eram chamados pelos siberianos, foi feita pelo viajante holandês Eberhard Ysbrants
Ides (1657-1708), que teria visto uma carcaça enterrada no permafrost da Sibéria em 1692
(IDES, 1704; HAYNES, 1993, p.47). A este se seguiram no século XVIII os achados de
rinocerontes na mesma região e mastodontes na América do Norte. No entanto, como
explicar a existência destes animais perto do Ãrtico se os elefantes e rinocerontes viviam
nos trópicos africano e asiático?
A primeira tentativa de elucidar a questão veio com Georges Louis Leclerc, o conde
de Buffon (1707-1788). No primeiro volume do seu Histoire Naturelle (1749), ele estimou

44

que a Terra teria levado 70 mil anos para resfriar desde a sua origem incandescente
(BOWLER, 2003, p.58). Chegou a este número após registrar o tempo de resfriamento de
esferas de aço com diferentes diâmetros e extrapolando estes resultados para uma esfera tão
grande quanto a Terra, chegando eventualmente a uma idade de 74.047 anos até o planeta
atingir a temperatura atual (ROGER, 1997, p.411; GOODRUM, 2004 b, p.225). Já em
Époques de la Nature (1778), Buffon dividiu a história da Terra em sete épocas,
correspondendo aos dias da criação. A vida teria surgido na quinta era, em um oceano
primitivo que ficava, não por acaso, na Sibéria (!?!). A natureza de então teria uma força
criadora muito maior, sendo assim que os primeiros animais não seriam diminutos, mas
enormes, como amonitas gigantes nos mares e elefantes e hipopótamos muito maiores que
os atuais (ROGER, 1997, p.414; GOODRUM, 2004 b, p.225). À medida que a Terra
prosseguia resfriando, estas primeiras espécies gigantes tiveram que deixar seu local de
origem e descer para regiões de clima mais ameno. Logo, do resfriamento da Terra
decorreu a extinção daquelas espécies, o que não ocorreu com seus parentes da Ãfrica e do
sul da Ãsia (ROGER, 1997, p.41; BOWLER, 2003, p.58, 77; RUDWICK, 1997, p.17).
Buffon era hostil à visão cristã da criação e um adversário constante de Lineu, cujo
sistema de classificação seria um exercício fútil, pois acreditava ser impossível traçar
limites entre os grupos de organismos. Por meio século o intendente do Cabinet du Roi (ou
Jardin des Plantes, que se transformaria em 1793 no Museu de História Natural de Paris),
Buffon defendia que a vida era demasiadamente diversa e rica para se ajustar a um quadro
tão rígido quanto àquele previsto na taxonomia lineana (BOWLER, 2003, p.75;
FOUCAULT, 2002, p.186). No final da vida, ele adotaria uma visão mais liberal,
separando os animais em famílias naturais baseadas num ancestral comum. Estas famílias
consistiam daqueles animais que descendiam por via da “degenerescência†de um único
grupo ancestral (APPEL, 1987, p.23).
Ao dividir a história da Terra em sete épocas, Buffon fez uma pequena concessão à
Igreja. Mas ao mesmo tempo lançou as bases para o catastrofismo que viria a ser tão central
na carreira de Peter Wilhelm Lund. Apesar de levar sua chancela, a teoria das revoluções na
superfície terrestre não foi uma idéia original de Georges Cuvier. O naturalista suíço
Charles Bonnet (1720-1793), por exemplo, chegou a observar que, além do Gênesis e do

45

Dilúvio, o globo poderia muito bem ter tido outras “revoluções†desconhecidas, das quais
não restaria nenhum traço observável (BONNET, 1769, parte 1).

1.2 – Cuvier, preguiças e mastodontes
O Barão Georges Léopold Chrétien Frédéric Dagobert Cuvier (1769-1832) é
lembrado principalmente por dois motivos: um grande sucesso metodológico, a criação da
Anatomia Comparada, e um enorme fracasso teórico, a formulação da Teoria Catastrofista.
Cuvier era um zoólogo com vastos conhecimentos da anatomia dos animais, justamente a
cadeira que inaugurou em 1795 no Museu de História Natural de Paris. Sua primeira grande
contribuição científica se deu no ano seguinte quando conseguiu identificar e descrever
com sucesso uma preguiça terrestre extinta. Em 1787, num riacho que desemboca no rio
Luján, na atual Província de Buenos Aires, na Argentina, o frei dominicano Manuel de
Torres encontrou um esqueleto quase completo de um animal gigantesco que se tornaria a
primeira espécie extinta descrita em toda a América. O esqueleto foi transportado para
Buenos Aires, e de lá seguiu para Madri, para enriquecer as coleções do real Gabinete de
História Natural. Juan Bautista Brú (1740-1799), naturalista que lá trabalhava,
desempacotou os ossos, limpou-os, montou o esqueleto e dele fez ilustrações (NOVAS,
2006, p.62-65). Em 1795, um oficial francês obteve cópias desses desenhos e os levou a
Paris, onde foi pedido a Cuvier que os estudasse. O sábio francês concluiu que o animal era
um edentado (RUDWICK, 1997, p.23). Como observa na monografia Squelette trouvé au
Paraguay10, de 1796, ele analisa seus dentes e garras para determinar que o lugar daquele
animal no sistema de taxonomia animal era a família dos edentados “sem dente incisivo (...)
entre as preguiças e os tatus†(RUDWICK, 1997, p.31-32). Assim, Cuvier descreveu a
espécie de preguiça terrícola com o nome de Megatherium americanum, a “grande feraâ€
(WALLACE, 2004, p.7).
Com uma diferença de uns poucos meses, Cuvier voltou à carga e elucidou a
identidade dos famosos elefantes congelados da Sibéria, ao perceber que pertenciam a uma
espécie diferente das vivas, a africana e a asiática. No dia 15 do Germinal do ano IV (4 de
10

Cuvier identificou erroneamente origem do fóssil como sendo o Paraguai. (CUVIER, 1796, p.303-310).

46

abril de 1796), leu em público a memória intitulada Les espèces d’éléphants fossiles
comparées aux espèces vivantes (CUVIER, 1796, p.440-444) onde afirmou que os
mamutes diferiam do elefante tanto quanto, ao mais ainda, do que o cachorro difere do
chacal e da hiena. Assim como o cachorro tolera o frio do norte, enquanto os outros dois
vivem apenas no sul, poderia acontecer o mesmo com estes animais, dos quais apenas
restos fósseis são conhecidos (RUDWICK, 1997, p.18, 22). Em outras palavras, ao sugerir
que os mamutes poderiam ter sido adaptados ao inverno siberiano, Cuvier obliterou a
“degenerescência†buffoniana e deu um grande passo na direção adaptativa. Ora, se as
espécies tinham o poder de se adaptar ao meio, faltava apenas descobrir o mecanismo
através do qual esta adaptação se processaria. A idéia da evolução, no entanto, significava
um salto teórico inimaginável. Seriam necessárias ainda seis décadas para sua descoberta
por Charles Darwin (1809-1882) e Alfred Russel Wallace (1823-1913). Não obstante, a
anatomia comparada de Cuvier foi um passo fundamental na direção do darwinismo, na
medida em que rompeu com o método lineano de classificação através de características
externas para se basear em similaridades na estrutura interna dos animais. Esta mudança
tornou possível a visão darwinista da evolução, na qual uma única forma original se
diversifica através da adaptação (BOWLER, 2003, p.94).
O tremendo sucesso e fama de Cuvier contribuiu para o obscurecimento – pelo menos
no início do século XIX – do trabalho de um de seus rivais teóricos,11 Jean-Baptiste de
Monet, o Chevalier de Lamarck (1744-1829). Colega no museu parisiense e fundador da
taxonomia de invertebrados, Lamarck abandonou a fixidez das espécies para elaborar uma
visão transformista do mundo, aquela que representou a primeira grande tentativa de
construção de uma teoria na qual todos os seres vivos se desenvolveram a partir de
ancestrais primitivos (BOWLER, 2003, p.86-93; FOUCAULT, 2002, p.379). Em seu
Philosophie Zoologique (LAMARCK, 1809), ele propõe duas leis da chamada teoria
transformista. Segundo a primeira delas, o uso freqüente e continuado de qualquer órgão
gradualmente fortaleceria, desenvolveria e aumentaria o mesmo, enquanto que a falta de

11

Outro rival importante foi Étienne Geoffroy Saint-Hilaire (1772-1844), também do Museu de História
Natural de Paris. Em Philosophie anatomique (1822), ele defendia que a mudança das espécies não era
gradual e adquirida, como Lamarck, mas repentina, aos saltos, em função de alterações no meio ambiente.
Esta idéia voltou a ser defendida por Stephen Jay Gould e Niles Eldredge na teoria do equilíbrio pontuado, de
1972. Cuvier e Saint-Hilaire se enfrentaram numa série de debates acalorados em 1829 (APPEL, 1987).

47

emprego de qualquer órgão causaria a sua atrofia e desaparecimento.12 Já a segunda lei
defende que estas características adquiridas pelo indivíduo através da influência do meio
são preservadas através da reprodução e herdadas pela geração seguinte.13 Para Lamarck, a
transmissão de características herdadas formaria assim uma cadeia linear entre todos os
seres vivos, retrocedendo até as primeiras formas de vida quando da criação do planeta – o
que, sabemos hoje, é o que de fato aconteceu com a história da vida na Terra. O erro de
Lamarck consistiu no mecanismo pelo qual essa evolução se processava.
Para o pai do catastrofismo, no entanto, a suposta cadeia dos seres vivos de Lamarck
seria apenas uma aplicação de observações parciais da totalidade da criação. Cuvier
raciocinou que, caso as espécies se transformassem umas nas outras, esperar-se-ia encontrar
formas intermediárias entre os seres vivos, mas ninguém jamais tinha achado estas formas
nem observado a transformação de uma espécie em outra. O barão estava convicto que cada
espécie era uma modificação coerente com relação à sua origem única e remota. Anos
antes, ele já havia rejeitado publicamente a evolução. Na memória sobre os elefantes
(1796), negou explicitamente a possibilidade de que as diferenças anatômicas entre os
elefantes indiano e africano pudessem ser devidas ao clima (APPEL, 1987, p.51-53).
Menosprezando a teoria lamarckista como o produto de um materialismo
ultrapassado, Cuvier usou sua influência para marginalizar o trabalho de Lamarck dentro da
academia francesa (BOWLER, 2003, p.94). Meio século depois, ninguém menos que
Charles Darwin seria o responsável por jogar luz sobre a obra de Lamarck, cujo mérito foi
ser o primeiro homem cujas conclusões sobre a evolução das espécies chamaram atenção,
pois foi o primeiro a sustentar a idéia de que todas as espécies, incluindo o homem,
descendem de outras espécies. “Ele foi o primeiro a fazer o eminente serviço de levantar
atenção para a probabilidade de que todas as mudanças no mundo orgânico, assim como no
inorgânico, serem resultado de uma lei e não de uma interposição milagrosa†(DARWIN,
1859, p.2).
12

“Dans tout animal qui n’a point dépassé le terme de ses développements, l’emploi plus fréquent et soutenu
d’un organe quelconque fortifie peu à peu cet organe, le développe, l’agrandit et lui donne une puissance
proportionnée à la durée de cet emploi; tandis que le défaut constant de l’usage de tel organe l’affaiblit
insensiblement, le détériore, diminue progressivement ses facultés et finit par le faire disparaître.â€
13
“Tout ce que la nature a fait acquérir ou perdre aux individus par l’influence constante des circonstances où
leur race se trouve depuis longtemps exposée, et par conséquent par l’influence de l’emploi prédominant de
tel organe, ou par celle d’un défaut d’usage constant de telle partie, elle le conserve pour la génération de
nouveaux individus qui en proviennent, pourvu que les changements acquis soient communs aux deux sexes,
ou à ceux qui ont produit ces nouveaux individus.â€

48

1.3 – Catástrofes e revoluções do globo
Foi no trabalho sobre os elefantes fósseis que Cuvier externou pela primeira vez a sua
preocupação com a razão para o desaparecimento da megafauna. Ele se perguntou o que
teria acontecido com todos aqueles animais enormes cujos restos eram achados em
qualquer lugar na Terra:
“Os rinocerontes fósseis da Sibéria são muito diferentes de todos os rinocerontes
conhecidos; (...) o animal de doze pés de comprimento, sem dentes incisivos e com
garras nos dedos, do qual o esqueleto acabou de ser achado no Paraguay não tem
nenhum qualquer análogo vivo. Por que, em última instância, não se encontra nenhum
osso petrificado humano? Todos estes fatos (...) me parecem provar a existência de
um mundo prévio ao nosso, destruído por algum tipo de catástrofe†(RUDWICK,
1997, p.22).
Cuvier iria encontrar as provas para atestar esta hipótese a partir de 1805, ano em que
foi desenterrado um paquiderme fóssil nas minas de calcário da região de Paris, fato que
revelou um riquíssimo sítio paleontológico do qual o grande sábio francês extrairia
exemplares de dezenas de mamíferos e marsupiais. Passou a descrever freneticamente
espécies de ursos das cavernas, hipopótamos, hienas, o Palaeotherium, “antiga feraâ€
semelhante à anta, assim como mamíferos de pequeno porte como gambás, invertebrados
como moluscos, e até de um réptil voador que batizou de pterodáctilo, o primeiro
pterosauro a ser descrito (CUVIER, 1809, p.424-437). Ao mesmo tempo, Cuvier proferiu
uma série de conferências bastante populares, nas quais um dos presentes era um jovem
dinamarquês doutor em zoologia chamado Johannes Christopher Hagemann Reinhardt 14, o
futuro orientador de Peter Wilhelm Lund.
Sempre a procura de uma explicação para aquelas extinções, Cuvier usou em sua
memória sobre o rinoceronte15 o relato do naturalista alemão Peter Simon Pallas (17411811) a respeito de um exemplar congelado achado ainda com pele e carne na Sibéria
(PALLAS, 1788-1793), como subsídio para concluir que o animal havia morrido de forma
14
15

Daqui a diante citado como J. Reinhardt, para não ser confundido com seu filho, J. T. Reinhardt.
“Description ostéologique du rhinocéros unicorneâ€, 1806.

49

repentina (RUDWICK, 1997, p.89). Nestes trabalhos, começou a enfatizar que os ossos
fossilizados eram freqüentemente coletados misturados com destroços marinhos, e que
alguns tinham mesmo conchas e outros organismos marinhos incrustados. No entanto,
como o estado de conservação dos animais eram bom e as carcaças não pareciam ter sido
transportadas para o local onde se encontravam, Cuvier sugeriu que aquelas feras teriam
sido vítimas de uma catástrofe repentina, como um avanço do mar – que teria sido breve
em termos geológicos (RUDWICK, 1997, p.90). Notou igualmente que as camadas do solo
onde os fósseis eram achados diferiam umas das outras. Mais além, percebeu que os fósseis
não estavam presentes em todos os níveis estratigráficos. Alguns, por exemplo, não
existiam nas formações superiores, que deviam ser mais recentes (BOWLER, 2003, p.114).
Este foi o caso do “Grande animal fóssil de Maastrichtâ€. Escavado nas minas de calcário
daquela cidade holandesa por volta de 1780 e trazido como botim de guerra em 1795 para o
acervo do museu parisiense,16 aquele fantástico exemplar exercia nos estudiosos o mesmo
fascínio que o mamute e o “animal de Ohioâ€. 17 Muitos pensavam se tratar de um crocodilo
gigante, mas foi novamente Cuvier quem o identificou como sendo um réptil marinho.
Deu-lhe o nome de Mosasaurus, o “lagarto do rio Meuseâ€.18 Ao mesmo tempo, ao observar
que da formação de onde saiu aquele animal não se retiravam mamíferos, concluiu
acertadamente se tratar de uma estratigrafia mais antiga, resultado de uma outra
“revolução†anterior à última catástrofe do globo (RUDWICK, 1997, p.158).19 Hoje
sabemos que a formação de Maastricht é do período Jurássico (206-144 milhões de anos

16

Como relatado por Barthélémy Faujas de Saint-Fond (1741-1819), professor no Museu de História Natural
de Paris, em Historie Naturelle de la Montage de Saint-Pierre de Maestricht (1799 - ver tradução em <
http://www.oceansofkansas.com/St_Fond.html > . Acesso em: jul. 2006). Vide CAMPER, 1796, p.443-456;
BARDET, 1996, p.569-593.
17
Uma década após a bem-sucedida descrição dos mamutes, Cuvier elucidou a identidade do chamado
“animal de Ohioâ€. Em 1739, nas barrancas do rio Ohio (que fazia parte da colônia do Canadá e hoje pertence
ao Kentucky), tropas do comandante francês Barão Charles de Lougueuil encontraram ossos enormes,
incluindo uma presa, um fêmur e três molares. Os restos daquele que ficaria conhecido como o “animal de
Ohio†foram coletados e enviados ao Cabinet du Roi em Paris (RUDWICK, 1997, p.22). A primeira tentativa
de identificação aconteceu em 1762, por Louis-Jean-Marie Daubenton (1716-1800), discípulo de Buffon e
anatomista do Cabinet du Roi. Mas foi Cuvier, novamente pautado por uma minuciosa análise de anatomia
comparada, que anunciou – 60 anos após a descoberta do fóssil – que se tratava de outra espécie extinta de
elefante, à qual deu o nome de mastodonte.
18
Apenas em 1822 e, em 1829, Mosasaurus hoffmani, homenagem a C. K. Hoffman, cirurgião de Maastrichit
que descobriu o fóssil.
19
“Le grand animal fossile de Maastrichtâ€, 1808.

50

AP20), enquanto a megafauna de Paris é do período Terciário (entre 65 milhões e 2,5
milhões de anos AP).
A soma destas conclusões direcionou o célebre anatomista a fazer uma revisão e
expansão de todos os seus trabalhos, reunidos em 1812 nos quatro volumes do monumental
Researches sur les ossemens fossiles (CUVIER, 1812). A título de prefácio, acrescentou
um “Discurso Preliminar†aonde formulou pela primeira vez a sua Teoria das Revoluções
do Globo. Segundo ele, a Terra teria sido submetida por inúmeras “revoluções†em seu
passado pré-humano. Algumas destas “catástrofes†teriam sido repentinas, eventos
ocasionais de mudanças violentas na geografia física que pontuaram uma história
inimaginavelmente longa e tranqüila. A prova das catástrofes seriam os fósseis que o
próprio Cuvier encontrou e descreveu, sendo que a evidência da última revolução do globo
era a mais clara de todas, precisamente porque era a mais recente, sendo seus efeitos ainda
aparentes (RUDWICK, 1997, p.175).
O Discurso foi imediatamente saudado como uma obra prima da ciência. Foi
traduzido para o inglês em 1813 e para o alemão em 1816, tornando-se um trabalho de
enorme influência na primeira metade do século XIX. Cuvier prosseguiu com suas
investigações, à procura de novas evidências para comprovar a sua teoria. Em 1821, iniciou
a publicação de uma segunda edição dos Ossemens fossiles, expandindo seu conteúdo para
sete volumes. O discurso preliminar, também aumentado, saiu em separado com o título de
Discours sur les Révolutions de la Surface du Globe (1825). Neste momento, o barão já
acreditava dispor de evidências incontestáveis de pelos menos quatro revoluções no globo,
o que o levou a concluir que:
“Ce qui est certain, c’est que nous sommes maintenant au moins au milieu d’une
quatrième succession d’animaux terrestres, et qu’après l’âge des reptiles, après celui
des palæotheriums, après celui des mammouths, des mastodontes et des
megatheriums, est venu l’âge où l’espèce humaine, aidée de quelques animaux
domestiques, domine et féconde paisiblement la terre, et que ce n’est que dans les
terrains formés depuis cette époque, dans les alluvions, dans les tourbières, dans les

20

Antes do presente.

51

concrétions récentes que l’on trouve à l’état fossile des os qui appartiennent tous à des
animaux connus et aujourd’hui vivans†(CUVIER, 1825, p.80).

1.4 – O problema da antigüidade do homem
Nos séculos XVI e XVII, à medida que os europeus iam descobrindo cada vez mais
sobre as antigas civilizações egípcia, chinesa, indiana, asteca e inca, ficava claro que
aqueles povos possuíam registros que recuavam até um passado remoto, mais longínquo do
que os seis mil anos defendidos pelos teólogos de então. A descoberta da existência de
índios na América, algo inexistente no Evangelho, precisava de uma explicação. A primeira
tentativa veio pela pena do filósofo francês Isaac La Peyrère, ou Pererius (1596-1676),
formulador da teoria dos Pré-Adamitas. Em seu Praeadamitae, de 1655, ele afirma que o
mundo era habitado por muitos séculos antes da criação de Adão. Este seria o ancestral do
povo judeu, enquanto que dos pré-adamitas descenderiam todos os outros povos da terra.
Assim, a Bíblia não seria a história da civilização, mas apenas do povo judeu (GOODRUM,
2004 a, p.179).
O fato de muitas tribos do Novo Mundo desconhecerem a metalurgia e empregarem
armas e instrumentos de pedra lascada, como pontas de flecha, machados e facas, atestava
aos sábios da época a condição selvagem daqueles – e a superioridade da civilização
branca. O desconforto, no entanto, veio quando o naturalista italiano Michele Mercati
(1541-1593), diretor do jardim botânico do Vaticano, voltou seus olhos para as ceraunias, 21
objetos de pedra conhecidos desde a Antigüidade assim como as glossopetrae, e igualmente
coletadas por geólogos e antiquários europeus. Na obra póstuma Metallotheca (1719),
Mercati sugere que as ceraunias não eram resultado do choque dos raios contra o solo, mas
na verdade instrumentos de pedra iguais àqueles usados pelos índios americanos. Ora, tal
constatação levantava a desconfortável hipótese de que, num passando distante, os
ancestrais dos europeus desconheciam a forja de metais, vivendo então num estado de
barbárie similar ao dos “selvagens†das Américas (GOODRUM, 2002; GOODRUM, 2004

21

Do grego keraunós (pedra do raio), teriam poder mágico e terapêutico segundo Plínio (Naturalis historia,
livros XXXIII e XXXVII).

52

a, p.180). O reconhecimento de que as ceraunias eram de fato artefatos culturais de um
passado remoto europeu foi confirmado pelo naturalista francês Antoine de Jussieu (16861758) e pelo inglês John Woodward (JUSSIEU, 1723; WOODWARD, 1728), levando
outros naturalistas a sugerir que as ceraunias européias seriam as mais antigas evidências
dos humanos no planeta (GOODRUM, 2004 b, p.224).
Preocupado em elucidar a idade da Terra, Georges Louis Leclerc, o Conde de Buffon,
não poderia passar ao largo do problema da antigüidade do ser humano. No mesmo
Époques de la Nature (1778) onde dividiu a história em sete eras, ele acomodou o homem
na última delas, quando os continentes assumiram sua forma atual. Chegou mesmo a
descrever como a nossa espécie, originalmente desprovida de cultura e tecnologia,
aprendeu a fazer utensílios de pedra, dominou o fogo e a agricultura (GOODRUM, 2004 b,
p.225).
Mas, ao mesmo tempo em que o conhecimento geológico aumentava, uma revolução
nos conhecimentos zoológicos, particularmente na anatomia comparada, redefinia o papel
do ser humano na biosfera. Em 1699, o cirurgião britânico Edward Tyson dissecou um
chimpanzé africano e comparou sua anatomia à anatomia humana. As semelhanças eram
tantas que Tyson declarou que aquela espécie preenchia o vazio que separava o homem do
resto do reino animal (TYSON, 1699). Poucas décadas depois, chegou à vez de Lineu não
apenas aceitar esta semelhança como ir além e adotá-la no seu sistema de classificação. Ele
batizou nossa espécie de Homo sapiens, dividindo-a em quatro raças: a americana, a
asiática, a africana e a européia.22 E classificou o homem ao lado do chimpanzé ou Homo
troglodytes (ou “homem das cavernasâ€, hoje Pan troglodytes) numa nova categoria
taxonômica, a Anthropomorpha (BLUMENBACH, 1735; GOODRUM, 2004 b, p.226).

1.5 – “Não faz sentido existir homens fósseisâ€
Este era o estado do conhecimento sobre a antigüidade do homem e seu
posicionamento biológico – não filosófico ou espiritual – no mundo científico do final do
22

Para o anatomista alemão Johann Friedrich Blumenbach (1752-1840) as raças seriam cinco. Em De generis
humani varietate native liber (1795) distinguiu o caucasiano, o mongolóide, o etíope, o americano e o
malásio.

53

século XVIII. Cuvier, no entanto, passou ao largo destas idéias e proposições. Seu interesse
residia unicamente na zoologia, ou melhor, no estudo dos fósseis de espécies extintas.
Estava por demais preocupado em criar a nova ciência de Paleontologia (da qual é
considerado o pai) e entender as revoluções do globo. O ser humano não fazia parte de seus
interesses científicos. Por isso não piscou ao estabelecer que a espécie humana seria fruto
da era atual do globo. Se houvessem seres humanos antes do último evento catastrófico,
observou no Discours sur les Révolutions de la Surface du Globe, seus restos fósseis já
deveriam ter sido encontrados.
É este ponto de vista que ele defende enfaticamente numa seção do texto encabeçada
pelo título “Não existem ossos fósseis humanos†(Il n’y a point d’os humains fossiles), e
aonde dispara:
“Il est certain qu’on n’a pas encore trouvé d’os humains parmi les fossils (…) Je dis
que l’on n’a jamais trouvé d’os humains parmi les fossiles, (...) car dans les
tourbières, dans les alluvions, comme dans les cimetières, on pourrait aussi bien
déterrer des os humains que des os de chevaux ou d’autres espèces vulgaires; (...)
mais dans let lits qui recèlent les anciennes races, parmi les palæothériums, et même
parmi les éléphans et les rhinocéros, on n’a jamais découvert le moindre ossement
humain (...) l’établissement de l’homme dans les pays où nous avons dit que se
trouvent les fossiles d’animaux terrestres, c’est-à-dire dans la plus grande partie de
l’Europe, de l’Asie et de l’Amérique, est nécessairement postérieur non-seulement
aux révolutions qui ont enfoui ces os†(CUVIER, 1825, p.35).

54

Capítulo 2 – Os naturalistas e o Brasil

Histoire Naturelle: L’objet de l’Histoire naturelle est aussi étendu que la nature; il
comprend tous les êtres qui vivent sur la terre, qui s’élevent dans l’air, ou qui restent
dans le sein des eaux, tous les êtres qui couvrent la surface de la terre, & tous ceux qui
sont cachés dans ses entrailles. L’Histoire naturelle, dans toute son étendue,
embrasseroit l’univers entier, puisque les astres, l’air & les météores sont compris
dans la nature comme le globe terrestre.
Encyclopédie ou Dictionnaire raisonné des sciences, des arts et des métiers, par une
Société de Gens de lettres.
Denis Diderot & Jean d’Alembert (orgs.). 1728.

2.1 – O naturalista de gabinete e o viajante naturalista
A flora e a fauna da Terra brasilis exerciam fascínio sobre os naturalistas europeus do
final do século XVIII. Dezenas deles zarparam do Velho Mundo em viagens muitas vezes
financiadas pelos seus governos, e não raro pagas com o próprio bolso. Estas expedições
duravam anos e eram repletas de perigos, como o risco de doenças, do ataque dos índios, da
fome e de um desconforto inimaginável para os dias de hoje (MOREIRA LEITE, 1994,
p.11). Por isso mesmo, muitos naturalistas “de gabinete†nunca viajaram. Georges Cuvier,
por exemplo, defendia a sua permanência em Paris alegando que era lá que estavam as
grandes coleções de história natural, sendo uma expedição prejudicial ao caráter sistemático
do seu trabalho. (KURY, 2001, p.864). Para um estudioso capaz de descrever uma nova
espécie de preguiça terrestre unicamente a partir dos desenhos feitos de um fóssil
depositado em Madri, o naturalista sedentário, segundo Dorinda Outram, uma biógrafa de
Cuvier, conhece os seres dos países longínquos apenas através de relatos e amostras mais
ou menos alteradas. As grandes cenas da natureza não podem ser sentidas por ele com a
mesma vivacidade que por aqueles que as testemunharam: porém esses inconvenientes são
55

compensados por muitas vantagens. Se ele não vê a natureza em ação, ele pode fazer
desfilarem diante de si todos os produtos; ele leva o tempo que quiser para examiná-los; ele
pode acrescentar ao estudo fatos correlatos de diversas procedências. “O viajante percorre
apenas um caminho estreito. É unicamente no gabinete que se pode percorrer o universo em
todos os sentidos†(OUTRAM, 1984, p.62).
Como seria de se esperar, os naturalistas viajantes defendiam a sua opção intelectual
com a mesma convicção que os estudiosos de gabinete. Para o Príncipe Maximilian von
Wied-Neuwied (1782-1867), que viajou pelo Brasil entre 1815 e 1817:
“Faz-se geralmente na Europa uma idéia bastante inexata desses longínquos países.
Pode-se atribuir esse erro a certos viajantes, que não se limitaram a tratar somente do
que viram e a escritores que fizeram descrições elaboradas nos gabinetes e compostas
sobre tema escolhido, com as mais interessantes citações de autores conhecidos, e
arranjados pela fantasia, sem nenhum conhecimento da matéria, que podem agradar
pelo primor do estilo e a forma atraente com que são apresentados. Mas não possuem
nenhum valor intrínseco, pois estão repletos de erros. Como evitar os erros e as
inexatidões, quando não se tem presente, aos olhos, o objeto de que se deseja traçar a
imagem? Aplicam-se ao conjunto traços que só convém às partes de um país tão
grande como o Brasil, se pareçam umas com as outras, quando cada província
apresenta sua particularidade distinta?†(WIED-NEUWIED, 1940, p.399).
A expedição era, portanto, tarefa para militares e nobres em busca de diversão e
aventura, e uma maravilhosa oportunidade para jovens naturalistas ainda sem fortes laços
familiares ou acadêmicos que os prendessem à Europa (KURY, op. cit., p.864). Para estes
últimos, o risco valia à pena. Era a chance de reunir grandes coleções botânicas, geológicas
e zoológicas que garantiriam a posterior contratação do aventureiro nos principais museus
de história natural e universidades européias, bem como serviriam de objeto de curadoria e
de estudo pelas décadas seguintes.
O melhor exemplo do naturalista viajante no início do séc. XIX foi o Barão Alexander
von Humboldt (1769-1859), líder de uma enorme expedição pelas Américas entre 1799 e
1804, além de diversas outras pela Ãsia e Rússia (MOREIRA LEITE, 1994, p.12). Para ele,
as impressões experimentadas pelo viajante fazem parte da atividade científica, não

56

podendo ser substituídas por descrições ou amostras destacadas dos lugares onde foram
coletadas. “Os viajantes-naturalistas que vieram ao Brasil e reivindicaram a influência de
Humboldt, tais como Martius23 ou Auguste de Saint-Hilaire,

24

optaram pela viagem:

queriam ver com os próprios olhos†(KURY, 2001, p.865). Humboldt chegou mesmo a ser
o mentor ou inspirador explícito da maioria dos naturalistas que estudaram o Brasil
(MOREIRA LEITE, 1994, p.13), como foi o caso específico de Friedrich Sellow (17891831), que iniciou suas diversas expedições pelo Brasil a partir de 1814.
Humboldt tinha 30 anos quando partiu para a América. Wied-Neuwied, 33, Sellow,
25. Martius, apenas 23. Em 1825, um outro jovem naturalista de 24 anos, que tinha Cuvier
por modelo intelectual (PILÓ, 2002 a) e sonhava desde muito cedo participar de uma
grande expedição (LUND, H., 1885, p.17), partiu de Copenhagen com destino ao Rio de
Janeiro. Era Peter Wilhelm Lund.

2.2 – O panorama científico no Brasil da época
Mas o fascínio científico, à vontade de descrever e catalogar todas as formas de vida
aqui endêmicas de forma sistemática teve que aguardar a transferência da família real
portuguesa para o Rio de Janeiro em 1808. Logo ao chegar, uma das primeiras decisões de
Dom João VI foi fundar no dia 13 de junho o Jardim de Aclimação, cujo objetivo era
justamente aclimatar as especiarias trazidas das Ãndias Orientais. Em 11 de outubro, o
Jardim passou a se chamar Horto Real e, com a independência, ganhou o nome definitivo
de Jardim Botânico do Rio de Janeiro.
Outra determinação do rei de Portugal foi a abertura dos portos brasileiros às nações
amigas. Aproveitando a oportunidade, os governos destas não tardaram por enviar
expedições científicas lideradas pelos famosos naturalistas que começaram a escrever a
história da zoologia e da botânica no Brasil.
Saindo do Rio, era comum que expedições levantassem ferros da baía da Guanabara
para ancorar no pequeno porto de Santos e de lá, com a ajuda de tropas de mulas, subir o
23

O bávaro Karl Friedrich Philipp von Martius (1794-1868), que viajou pelo País em companhia de Johann
Baptist von Spix (1781-1826) entre 1817 e 1820.
24
Auguste de Saint-Hilaire (1779-1853).

57

caminho do mar para atingir em três dias a sonolenta capital da província de São Paulo,
ponto de partida para a exploração das vastidões interioranas. Pelos campos de Piratininga
passou em 1817 a expedição de Martius, seguida no ano seguinte pelo Barão Langsdorff,
em cuja comitiva científica viajavam o Príncipe Maximilian Wied-Neuwied e os
naturalistas Ludwig Riedel e Freyreiss.25 Em 1819, foi a vez do francês Auguste de SaintHilaire, autor de Viagem à Província de São Paulo, e do austríaco Johan Emanuel Pohl.
Estes naturalistas reuniram vastas coleções com dezenas de milhares de espécimes animais
e vegetais. A preocupação em preservá-las (pelo menos até seu translado para a Europa),
motivou a fundação em 6 de junho de 1818 do Museu Real no Campo de Sant’Ana. Em
1892, ele seria transferido para a Quinta da Boa Vista, assumindo em 1922 o nome de
Museu Nacional.

25

Georg Wilhelm Freyreiss (1781-1825), naturalista alemão, escreveu Viagem ao interior do Brasil. Belo
Horizonte: Itatiaia; São Paulo: Edusp, 1982.

58

Capítulo 3 - Peter Wilhelm Lund

3.1 – O início da vida e a primeira viagem ao Brasil
Considerado o “pai da Paleontologia brasileiraâ€, Peter Wilhelm Lund descende pelo
lado paterno de gerações de fazendeiros da Jutlândia. A família vivia numa casa espaçosa
chamada Hølund (ou Hjølund), na paróquia de Vrads. 26 O pai, Henrik Hansen, ficou órfão
aos dois anos e foi criado por uma tia de sua mãe até 1780, quando, aos 23 anos, mudou-se
para Copenhagen e adotou o sobrenome Lund, nome de uma aldeia das proximidades. Uma
vez na capital, ele logo adquiriu uma respeitável fortuna como negociante de tecidos ou,
como era originalmente denominado, um “vendedor de meiasâ€. Henrik Lund possuía uma
casa na Nygade nº 6.27 Foi aí que o futuro naturalista nasceu em 14 de junho de 1801, o
segundo filho mais novo entre cinco irmãos do segundo casamento do pai, com Marine
Magdalene Lohbech (1763-1830), natural de Ditmarsken.

28

Dois filhos morreram de

tuberculose ainda jovens. Os demais eram Johan Christian,29 que se tornou empresário, e o
caçula, Henrik Ferdinand,30 que se tornou diretor do Banco Nacional da Dinamarca
(BRICKA, 1905).
Devido à saúde frágil do filho do meio, o pai Henrik comprou Rosenlund, uma casa
de campo em Jagtvejen.31
“E foi sobre os campos ao redor dela, hoje totalmente construídos, mas que naquele
tempo incluíam largas extensões de areia, que o futuro naturalista encontrou um
convidativo parque para a mente observadora e uma inclinação crescente para as
ciências naturais, que talvez fosse uma herança de seu tranqüilo pai, que jamais se
sentia melhor do que quando, após um dia de trabalho, se deixava absorver por
alguma obra de ciências naturais. Das curtas incursões infantis aos areais em torno de
26

A paróquia de Vrads pertence ao distrito de Vrads, no município de Skanderborg.
Nygade significa literalmente Rua Nova, em português.
28
Ditmarsken pertencia à região dinamarquesa de Holsten até 1866, quando foi conquistada e incorporada
pela Prússia com o nome de Dithmarschen ao novo Estado de Schleswig-Holstein.
29
Johan Christian Lund (1799-1875), rico comerciante.
30
Henrik Ferdinand Lund (1803-1875), que viria a ser o contador-chefe do Banco Nacional da Dinamarca.
31
Uma estrada de Copenhagen.
27

59

Rosenlund e adjacências, os passeios se expandiram com rapidez para as belas
florestas nas vizinhanças de Copenhagen. Dotado de constituição esguia e ágil, Lund
se distinguia como pedestre, de forma mais vívida e energética quando as andanças
estavam relacionadas ao seu estudo favorito. Obstinação e persistência também eram
características suas. Nos primeiros dois verões após formar-se na escola secundária,
ele fixou residência na casa do guarda florestal em Frederiksdal, pois somente cercado
pela mãe-natureza – como esta podia ser chamada antes do advento das estradas de
ferro –, ele poderia se devotar aos seus estudos†(LUND, H., 1885, p.8).32
No ano de 1818, Lund formou-se na Borgerdydsskolen33 e ingressou na Universidade
de Copenhagen. Após ter feito o exame de ingresso, começou a estudar Medicina e Cirurgia
com a intenção de tornar-se médico. Mas logo abriu mão de qualquer intenção sobre estes
estudos, atraído irresistivelmente pela sua afinidade pela Fisiologia e Zoologia, bem como
pela Botânica. Tomada a decisão, mergulhou com vontade renovada em seus estudos, e
logo teve a oportunidade de mostrar sua capacidade. Entre os problemas cuja solução a
universidade premiaria em 1824, o de Medicina era: “Um relatório sobre os benefícios que
a realização de vivisseções acarretou para a fisiologia humana nas últimas décadasâ€. E o de
Ciências Naturais era o seguinte: “Uma investigação realizada através de bisturi e injeção
no caranguejo decápode dinamarquês, a fim de iluminar dúvidas concernentes à circulação
do animalâ€. Duas questões tão diferentes não foram pensadas para serem enfrentadas e
respondidas no decurso do curto período de um ano. Não obstante Lund aceitou os dois
desafios e arrematou ambos os prêmios no mesmo dia.
Aconselhado pelo Prof. Johan Daniel Herholdt (1764-1836), um amigo de longa data
da família, Lund publicou sua tese de Medicina em alemão, em 1825. Physiologische
Resultate der Vivisectionen neuerer Zeit: eine von der Kopenhagener Universität gekrönte
Preisschrift foi dedicada a “seinen unvergesslichen Lehrern J. D. Herholdt und J. Chr.

32

Tradução nossa direto do dinamarquês. Todas as citações a seguir foram extraídas da biografia escrita por
Henriette Lund. Como se trata de material inédito em português (e em qualquer outro idioma) e de
importância fundamental para conhecer mais a fundo a vida de Lund, optou-se por manter as citações, mesmo
que extensas, pois elas só existem em função deste trabalho. A mesma regra irá valer para os trechos extraídos
da biografia escrita por J. T. Reinhardt, da qual parti da tradução em francês, e dos textos originais do punho
do próprio Lund.
33
Uma escola tradicional de Copenhagen, especializada em Física, Inglês e Matemática.

60

Reinhardt.â€34 Já em 1827, esta tese passou a ser usada nos exames médicos da universidade
de Copenhagen. Em 1828, ganhou tradução em italiano.
Desde a juventude, Lund temia pela própria saúde, que considerava delicada. Talvez
em função da dedicação aos estudos, ele começou a sentir abatimento e acreditar que seus
pulmões teriam sido afetados. Com a morte do segundo irmão, vítima de tuberculose, Lund
foi aconselhado pela família a residir por alguns anos em um país de clima mais ameno. O
lado financeiro da questão não oferecia problemas. Assim como Humboldt e Darwin, ele
podia se dar ao luxo de se dedicar ao estudo da História Natural, alicerçado numa sólida
fortuna. O destino da viagem igualmente era claro. No começo do século XIX, como
observa Henri Gorceix no discurso proferido na Escola de Minas de Ouro Preto em
homenagem a Lund, era para os lados da América do Sul que quase todos os naturalistas se
dirigiam, como nos casos de Bonpland, Saint-Hilaire, Spix e Martius. “Lund conhecia estes
trabalhos, sabia qual colheita o esperava e não hesitou por muito tempo entre o Brazil e a
ilha da França†(GORCEIX, 1884, p.11).
Uma passagem insólita da vida de Lund, relatada pela sobrinha se deu justamente
durante os preparativos para a viagem. Um dia, quando passeava por Vesterbro,35 ele teve
uma visão. Vislumbrou no ar letras flamejantes que o encheram de espanto, fazendo-o
ajoelhar e, com as mãos espalmadas, exclamar: “Deus Todo-Poderoso!â€, antes de se erguer
com medo de que acreditassem que estava louco (LUND, H., 1885, p.15). Lund contou este
episódio ao seu irmão caçula e, muitos anos depois já no final da vida, a Peter Willum
Roepstorff (1853-?), seu último secretário particular, que viveu em Lagoa Santa de 1873 a
1887, quando retornou a Copenhagen (segundo Nerêo Cecílio dos Santos).
Peter Wilhelm Lund tinha apenas 24 anos quando embarcou em 28 de setembro de
1825 com destino ao Brasil. Devido a fortes ventos, tiveram que seguir na direção norte até
as ilhas Feroé, e próximos à Escócia detiveram-se por 16 dias em razão dos ventos de proa,
tempestades e geadas. Apenas em 8 de dezembro desembarcou no Rio de Janeiro.
Encontrou toda a cidade festivamente iluminada em homenagem ao nascimento do
primogênito de Dom Pedro I,36 enquanto canhões disparavam de toda a frota, reunida no
porto antes de zarpar para Montevidéu.
34

Seus inesquecíveis mestres J. D. Herholdt e J. Chr. Reinhardt.
Bairro de Copenhagen.
36
Dom Pedro II nasceu no Rio de Janeiro em 2 de dezembro de 1825.
35

61

Nas primeiras semanas no Rio, Lund permaneceu na casa de um comerciante que era
responsável pela sua carta de crédito. Mas logo o naturalista quis fugir da cidade barulhenta
e suja e, com a ajuda do vice-cônsul holandês na cidade, o Sr. Hindrich, encontrou “a
melhor residência que poderia desejar no Brasilâ€. Ela tinha perto as “montanhas, os
bosques, a planície, o rio e o mar†(REINHARDT, 1882, p.8). Era uma casinha solitária
que ficava em Niterói e pertencia a uma família francesa, dona de uma plantação de café,
laranjas, bananas e abacaxis.
O dia-a-dia de Lund era focado nas pesquisas, como relatou numa carta à sua mãe:
“Eu acordo com o sol entre as cinco e as seis, trabalho em meu quarto até as oito
horas, tomo chá e depois disso começo minha excursão, que é completamente
diferente de uma caminhada por Sjælland.37 Por esta razão é preciso estar bem
armado tanto contra homens quanto contra animais. Eu me arranho e avanço passo a
passo abrindo caminho através da mata inteiramente fechada, alta e espinhosa que
cobre toda o terreno a partir do final da plantação. Uma excursão à floresta escura e
selvagem, onde os raios de sol nunca penetram e onde talvez nenhum ser humano
jamais tenha fincado pé, ultrapassa tudo o que se pode imaginar em romântica beleza.
Em torno do meio-dia volto para casa e me ocupo com o resultado da minha excursão
até as cinco horas, quando jantamos†(LUND, H., 1885, p.16).38
Após o jantar, Lund prosseguia seu trabalho até que escurecesse, para então andar até
o mar, tomar um banho e gastar o resto da noite junto da família. Ele não se ocupava apenas
coletando e estudando plantas e insetos. Pela hora da maré baixa também perambulava pelo
litoral ao longo da praia para examinar animais ou realizar observações meteorológicas,
encomendadas pela Academia de Ciências de Copenhagen, que lhe forneceu diversos
instrumentos. A pedido de J. Reinhardt, em 1827 o Rei Frederik VI39 concederia ao jovem
naturalista um subsídio anual de 400 rigsdalers40 válido por dois anos, com a condição de
que enviasse suas coleções para o Museu Real de História Natural.

37

Zealand, principal ilha da Dinamarca.
Tradução nossa do dinamarquês.
39
Frederik VI (1768-1839) governou a Dinamarca entre 1808 e 1839.
40
Rbd., Rigsbankdaleren, moeda dinamarquesa entre 1813 e 1873. Em tradução livre, “moeda do banco realâ€.
38

62

Encantado com a natureza e o calor dos trópicos, Lund ainda não pensava em se fixar
no Brasil. Era um naturalista-viajante que sonhava repetir os passos de grandes viajantes,
como o britânico William Burchell, 41 que ele conheceu pessoalmente nesta estadia no Rio.
Burchell havia penetrado mais além do que qualquer outro no interior da Ãfrica e agora
tinha vindo ao Rio de Janeiro para se preparar para uma grande viagem pela América do
Sul – na qual desejava a companhia de Lund. Feito o convite, Lund escreveu a sua mãe
dizendo que seu maior desejo sempre foi realizar um plano semelhante, incentivado
justamente pela leitura das viagens daquele homem, William Burchell. Entretanto, um
amigo com conhecimentos locais o deteve,42 ao mostrar como Burchell devia ter calculado
mal a sua estimativa com respeito às despesas e à duração da viagem, e como era
impossível se arriscar a uma viagem pelo interior, especialmente pelas províncias
espanholas, sem um governo patrocinador. Lund decidiu então ficar no Rio e retornou à
fazendinha de Niterói.
No mês de julho, aceitou o convite do cônsul geral holandês Gerardus Brender à
Brandis (1781-1840) para ficar em sua na casa. Lá permaneceu até fevereiro de 1827,
quando decidiu dar prosseguimento às suas pesquisas na colônia suíça de Friburgo, 26 a 30
léguas43 ao norte da capital. A mudança também tinha a ver com a busca de um clima mais
ameno, pois o calor da baía da Guanabara começava a enfraquecê-lo:
“Para chegar lá levamos quatro dias cavalgando de manhã até a noite.
Atravessávamos rios com a água subindo até a cintura em uma forte corrente e sobre
pedras lisas arredondadas com que o fundo era coberto, tornando tremendamente
difícil controlar os cavalos. Logo à frente, os cavalos tinham que enfrentar uma légua
inteira dentro do lodo com a lama subindo até os seus quartos. O último dia foi
especialmente difícil, quando tivemos que atravessar uma cadeia de montanhas de
6.000 pés de altura. O caminho ali era em geral seco e coberto por seixos soltos, no
41

William John Burchell (1782-1863), botânico inglês que viajou pela Ãfrica entre 1810 e 1815, coletando
mais de 50 mil espécimes. Viajou pelo Brasil entre 1825 e 1830 coletando um grande número de espécimes,
entre os quais mais de 20 mil insetos.
42
Este amigo poderia ter sido Ludwig Riedel (1790-1861), botânico alemão que veio ao Brasil com a
expedição do Barão Langsdorff. Ao final desta (1825-29), radicou-se no Rio de Janeiro, ocupando o posto de
diretor do Jardim do Passeio Público e, posteriormente, diretor da seção de botânica do Museu Nacional. Foi
amigo e correspondeu-se com Lund de 1832 até a sua morte (GUIMARÃES, 2001, p.1066).
43
As 26 a 30 léguas (161 km ou 186 km; 1 légua portuguesa = 6,2 km) citadas por Lund (LUND, H., 1885,
p.19) estão incorretas, pois a distância de Nova Friburgo ao Rio de Janeiro é de 136 km ou 22 léguas.

63

meio dos quais os cavalos tinham que seguir adiante com extremo esforço. Como a
trilha era de terra batida, a chuva contínua encharcava tudo, tornando o esforço ainda
mais custoso. Onde o caminho era ruim, ele piorou devido à chuva contínua, tornando
o esforço ainda mais custoso. De repente, a trilha elevava-se de forma íngreme, logo
mergulhando num ângulo inclinado para em seguida dobrar muito perto de um
precipício, de modo que os cavalos tinham incessantemente que trepar, saltar, se
agachar e escorregar sobre as nádegas. Eu ainda não compreendo como eles passaram
por tudo aquilo†(LUND, H., 1885, p.19).44
Lund permaneceu quatro meses em Friburgo. De lá seguiu para uma fazenda chamada
Rosário, a quatro léguas da cidade, onde se fixou por 15 meses. Este período foi gasto na
observação de pássaros e de insetos, assim como na ampliação da coleção botânica,
justamente a que renderia os melhores frutos científicos desta primeira estadia do
naturalista no Brasil. Sobre o trabalho de campo, Lund escreveu:
“Eu vagueio pelas montanhas e no interior da floresta a maior parte do dia. Quando
volto para casa, a produção de tal excursão me fornece trabalho para outros três a
quatro dias, anotando o que observo, examino, determino, descrevo, anatomizo,
estripo, seco, ordeno, empacoto e assim por diante. Com esta ocupação o tempo
rende, e eu devo confessar que não sei o que é aborrecimento. Mas não posso deixar
de sentir a profunda falta que implica a total ausência de uma sociedade aculturada.
Contra essa necessidade não tenho nada a opor do que a esperança de logo poder
novamente entrar ao círculo dos velhos amigos e ao prazer da sociedade
dinamarquesa†(LUND, H., 1885, p.21).45
Lund precisou regressar uma vez ao Rio, para acompanhar o despacho das suas
coleções. Desde a sua chegada ao Brasil, as amostras coletadas eram constantemente
enviadas ao Museu Real, para a coleção particular do Príncipe Christian ou para diversos de
seus amigos. Ele descreveu esta viagem numa carta à sua família:

44
45

Tradução nossa do dinamarquês.
Idem.

64

“Vários rios que devíamos atravessar haviam enchido tanto devido aos dias prévios de
chuva que só era possível atravessar a nado. Procurei, portanto, um local onde
encontrei uma canoa, sobre a qual um outro negro, suponho, montava com troncos de
árvore uma espécie de ponte ou coisa parecida. Mas os animais tiveram que atravessar
a nado. O que aumenta as dificuldades de semelhante viagem é a falta de hospedarias.
À noite, quando estávamos inteiramente exaustos, chegamos a uma ‘venda’ (assim se
chama a casa de hospedagem brasileira, que é dez vezes mais miserável que o mais
miserável dos casebres dos camponeses) onde não encontramos outra coisa para
comer do que carne seca e um tipo de favas.46 Camas não existem. É preciso deitar no
chão molhado e sujo como se está. Somente devido às dificuldades do dia torna-se
possível dormir em semelhante leito†(LUND, H., 1885, p.20).47
Nas cartas que escreveu à família e para J. Reinhardt durante a estadia em Rosário,
Lund observou uma constante melhora da sua saúde, em particular dos pulmões, de modo
que em maio de 1828 anuncia a sua decisão de deixar o Brasil no ano seguinte a tempo de
aportar na Dinamarca no começo do verão europeu. Acrescentou ainda que não achava
prudente enfrentar o rigor do inverno dinamarquês. Devido à prolongada estadia nos
trópicos receava ter desacostumado com o clima de sua pátria. Preferiu se ater a uma
permanência curta em Copenhagen, partindo no outono para o Mediterrâneo, por exemplo,
à Itália.
Em junho de 1828, Lund fez uma viagem de um mês a Campos de Goitacazes, no
norte fluminense, e de lá à vizinha São Fidelis, para visitar as aldeias dos índios coroados e
coropós. De volta a Rosário, partiu em setembro para o Rio. Chegando lá, conheceu o
Barão Løwenstern,48 diplomata encarregado da conclusão de um tratado comercial. A
convite deste, acompanhou-o com sua família em uma pequena expedição a Serra dos
Órgãos e ao rio Paraíba.49 Na volta, alugou uma casa numa pequena aldeia de pescadores

46

Uma provável referência ao feijão de favas (Vicia faba).
Tradução nossa do dinamarquês.
48
Georg Heinrich Friherre von Løwenstern (1786-1856).
49
Segundo sua sobrinha, Lund teria feito a viagem a serra dos Órgãos em companhia de um comerciante
chamado Virmond.
47

65

no arraial de Itaipu,50 onde permaneceu até o final de 1828. Sobre sua vida com os
pescadores, contou à mãe:
“Tu podes crer que levo uma estranha existência. Fico em casa o dia todo cercado por
gente que não pode compreender para que servem minhas ocupações. No início, eles
quase pensaram que eu era meio louco, mas desde então, quando perceberam que eu
podia ler e escrever, adquiriram mais respeito por mim. O cirurgião aqui da cidade
com quem eu tive, pode-se dizer, conversações científicas, admitiu que este maldito
inglês era mais esperto do que ele próprio. O professor da escola anunciou o mesmo
em latim, que ele realmente não sabia muito. Mas eles me respeitavam especialmente
por causa da minha espingarda, que dava fogo sem pedra,51 o que simplesmente não
conseguiam explicar. A primeira vez que sai para caçar pássaros, vi uma cobra diante
de mim, e tu podes acreditar, eu fiz o possível para preservar a minha reputação.
Também aconteceu que, logo que voltei alardeava-se em toda a cidade que o inglês
havia atirado sem falhar em treze pássaros. Minhas refeições eram muito simples,
compostas de peixe, um pouco de farinha e nada diferente. Mas deve ter parecido para
o povo do lugar como se fosse um jantar real. Eles rodeavam as minhas janelas e
expressavam mutuamente de forma audível toda a sua estranheza com os meus modos
de comer com garfo e faca, pois os brasileiros comem com os dedos. Toda tarde eu
posso ouvir contarem na venda que a maior novidade da cidade é quantos peixes o
inglês comeu naquele dia†(LUND, H., 1885, p.23).52
De volta ao Rio, permaneceu algumas semanas na casa do comerciante Virmond, para
em seguida embarcar em meados de janeiro de 1829 para Hamburgo. Lá desembarcou em 9
de abril. Poucos dias depois, chegou a Copenhagen.
Três obras resultaram dessa viagem. O mais importante é de ornitologia. Durante a
estadia em Rosário, Lund descobriu que o trato digestivo das espécies de passarinhos do

50

Praia oceânica de Niterói.
Até o século XVIII, a percussão dos fuzis era realizada com a faísca provocada pelo choque do sílex (a
pedra) do cão contra a pólvora depositada na escorva ou caçoleta. No século XIX, a escorva passou a ser uma
cápsula metálica, com fulminato de mercúrio, que se colocava no pistão, dentro do cano. Obviamente devia
ser a primeira vez que os habitantes daquela região viam semelhante arma.
52
Tradução nossa do dinamarquês.
51

66

gênero Euphones (que inclui os tangarás, saíras, sanhaços e gaturamos53) é totalmente
diverso do restante das aves, pois não possuem papo nem moela.54 Na tese De genere
euphones (LUND, 1829), Lund forneceu uma revisão crítica daquelas espécies além de um
relatório sobre os seus hábitos.
Um outro trabalho foi sobre os hábitos das formigas cortadeiras brasileiras, escrita sob
a forma de uma carta endereçada ao naturalista Audouin,55 editor do Annales des Sciences
Naturelles, e publicada na edição de junho de 1831 (LUND, 1831).56
Por fim, Recherches sur les envellopes d’oeufs des mollusques gastéropodes
pectinibranches avec des observations physiologiques sur les embryons qui y sont contenus
é um trabalho pautado em observações sobre ovos de caracóis da baía da Guanabara. Como
Lund encontrava-se adoentado, o trabalho foi lido por J. Reinhardt em sessão da Academia
Real de Ciências em 27 de abril de 1832, e publicado em francês na edição de fevereiro de
1834 dos Annales des Sciences Naturelles.

3.2 – A volta à Europa
Ainda em 1828, quando estava no Rio, Lund recebeu uma carta do irmão caçula,
Henrik Ferdinand, informando de seu casamento com Petrea Severine Kierkegaard57 e
convidando-o para, quando do seu retorno a Copenhagen, ficar na casa da Blegdamsvej58
para onde haviam se mudado. Segundo Henrik, era uma bela casa com um grande jardim de
frente a um lago. Petrea era irmã de Nicoline Christine,59 que havia se casado em 1824 com
o mais velho dos Lund, Johan Christian. As duas moças eram por sua vez as irmãs mais

53

O gaturamo (Euphonia spp), assim como sanhaços, saíras e tangarás, pertencem à subfamília Thraupinae,
família Emberizidae.
54
Usando termos técnicos, Lund descreveu a falta de estômago muscular nos gaturamos (Euphonia,
Thraupinae) (PILÓ et AULER, 2002, p.5).
55
Jean-Victor Audouin (1797-1841), naturalista francês.
56
Segundo J. T. Reinhardt, uma versão abreviada foi publicada em dinamarquês no Dansk Ugeskrift, n.2,
Kjøbenhavn, 1833, assim como uma tradução em inglês, que saiu no Calcutta Journal of Natural History n.3,
Calcutta, 1843.
57
Petrea Severine Kierkegaard (1801-1834).
58
Rua em Copenhagen.
59
Nicoline Christine Kierkegaard (1799-1832).

67

velhas de Peter Christian Kierkegaard (1805-1888), que se tornaria um importante bispo, e
do universalmente conhecido filósofo Søren Aabye Kierkegaard (1813-1855).
Segundo a biografia mais recente de Søren Kierkegaard, seu pai, o comerciante de
tecidos Michael Pedersen Kierkegaard (1756-1838), deve ter ficado satisfeito em ver suas
filhas casadas com homens cuja família era do mesmo ramo de negócios que o seu. Mas
para Peter Christian, Søren Aabye e Niels Andreas (o outro irmão), era o irmão do meio dos
Lund, Peter Wilhelm, a pessoa mais interessante daquela família. Assim como os
Kierkegaard, Lund havia estudado na Borgerdydsskolen e entrado na universidade quatro
anos antes de Peter Christian. Em abril de 1829, quando voltou a Copenhagen depois da sua
primeira viagem ao Brasil, ele já era um cidadão do mundo, com muita experiência e
histórias fascinantes para contar (GARFF, 2005, p.22). Muitos anos mais tarde, em 1850, o
filósofo recordaria numa carta os bons sentimentos daquele verão de 1829, quando, ainda
com 16 anos, ouviu com atenção as histórias de Peter Wilhelm e passou a admirá-lo. Em
Efterladte Papirer (KIERKEGAARD, 1833-1855), o filósofo escreve sobre o sentimento
que o primo distante deveria sentir naquele momento, vivendo no interior do Brasil e “tabt
for Verden†(perdido para o mundo). Kierkegaard confessa compartilhar do mesmo
sentimento, de estar perdido para o mundo, mergulhado no pensamento cristão, segundo
nos conta a sobrinha Henriette (LUND, H., 1885, p.41).
Em outubro de 1829, tão logo começou a soprar o vento frio de outono, Peter Lund
partiu para o sul, em direção ao calor mediterrâneo. Primeiramente foi a Kiel60 para obter
seu doutoramento. No mês de setembro, ele já havia escrito à universidade daquela cidade,
perguntando se Physiologische Resultate der Vivisection neuerer Zeit, o trabalho sobre
vivisseções vencedor do prêmio da Faculdade de Medicina de 1825, seria aceito como tese
para a obtenção do título pela Faculdade de Filosofia. O reitor respondeu que, apesar do
reconhecido valor do livro e da profunda erudição do autor, o seu ponto de vista era
médico, tendo Lund omitido qualquer consideração filosófica ou psicológica. Por esta
razão, a faculdade pedia um tratado em latim sobre algum assunto filosófico (no sentido
filosófico natural ou histórico natural) que pudesse ser apreciado para o título de doutor em
Filosofia. Lund decidiu enviar uma cópia da tese De genere euphones, sobre os passarinhos

60

Antiga cidade-membro da Liga Hanseática, Kiel pertenceu à Dinamarca de 1773 a 1864, quando foi
anexada pela Prússia.

68

sem papo do Brasil, de modo que recebeu seu diploma de doutor em Filosofia no mesmo
dia que chegou em Kiel, 4 de novembro de 1829.
Seguiu então para Berlim, para se entrevistar com dois dos principais naturalistas da
época, Liechtenstein e Rudolphi.61 Aproveitou a visita para, ao lado de Rudolphi e do Prof.
D’Alton,62 examinar as vísceras de um urubu (Cathartes foetens) guardadas em álcool nas
coleções do museu zoológico de Berlim. Ocorre que, pouco antes de partir do Brasil, ao
dissecar um urubu o pesquisador havia notado uma abertura na face anterior da moela,
grande o bastante para passar uma pena de ganso. Aquilo lhe pareceu estranho. Não teve,
no entanto, a oportunidade de investigar outros espécimes. A chance surgiu em Berlim,
onde de fato foi constatado o orifício na anatomia da ave, o que foi publicado no Annales
des Sciences Naturelles. 63
Lund vinha de um país que mantinha relações tensas com a Prússia. No trajeto para
Kiel, ele passou por Flensborg,64 onde os estudantes em sua maioria de origem alemã
protestavam por serem obrigados a estudar dinamarquês, de modo que a passagem pela
capital prussiana foi uma oportunidade para que adquirisse opinião própria sobre aquele
reino e seu povo. Em cartas à família afirmou ter ficado impressionado com a organização
em todos os ramos da administração. E considerou o sistema militar prussiano baseado em
fundações justas, nas quais cada súdito sem distinção de classe ou condição era um soldado.
“Para mim é algo inexplicável como uma terra estéril com tão poucos recursos,
arruinada por uma guerra sangrenta, gozaria de posição de sustentar um exército tão
desproporcionalmente forte – e, no entanto, florescem a arte e a ciência, e os recursos
abundantes do governo, o gasto monstruoso com os funcionários públicos, edifícios
públicos enormes são erguidos, quantos milagres um governo forte pode executar!â€
(LUND, H., 1885, p.28).65

61

Martin Heinrich Karl Lichtenstein (1780-1857), zoólogo alemão e diretor do Museu de História Natural de
Berlim; Karl Asmund Rudolphi (1771-1832), botânico e zoólogo sueco, professor de Anatomia na
Universidade de Berlim.
62
Johann Samuel Eduard d’Alton (1803-1854), naturalista alemão
63
Annales des Sciences Naturelles, v.25, 1832.
64
Assim como Kiel, Flensborg foi conquistada pela Prússia em 1866, passando a se chamar Flensburg.
65
Tradução nossa do dinamarquês.

69

Quanto ao castelo real, opinou que, apesar de enorme e maciço, perdia quando
comparado a Christiansborg.66 Estábulos e cavalariças não podem ser igualmente
comparados aos nossos.
“Mas quanto ao castelo de armas,67 que edificação, que paiol de armas e que
organização! Eu me encho de um estranho sentimento de humilhação ao pisar nesse
local e imagino a futilidade em estabelecer qualquer tipo de comparação†(LUND, H.,
1885, p.28).68
Lund gastou ao todo duas semanas examinando as coleções do museu para só então,
em 26 de novembro, seguir para Dresden e depois Praga, chegando em Viena no início de
dezembro. O jovem naturalista ficou muito impressionado com a coleção de fauna
brasileira, considerada a mais completa da Europa.69 Entretanto, ele se queixou do acúmulo
de distrações sociais para as quais era arrastado. Ia de uma recepção à outra, de jantares
para ceias, de modo que às vezes era obrigado a perguntar na chegada o nome e o título do
anfitrião. Freqüentemente suas visitas aos museus se tornavam encontros sociais com
naturalistas, que acabavam por raptá-lo para algum outro encontro.
O inverno aquele ano foi muito frio. Havia nevado muito em Berlim, e a temperatura
em Viena caiu até 15° C negativos. Lund permaneceu em Viena até o natal, quando partiu
para a Itália. Passou por Veneza, Bolonha e Ancona. A travessia dos Apeninos foi
dificultada pelo acúmulo de neve, atrasando a sua chegada em Roma para o dia 19 de
janeiro de 1830.
Ele adorou a cidade.
“Agora sinto evidentemente que aqui o artista se sente em casa, e que ele ali não
passava de uma planta de estufa doente. Aqui tudo respira arte, os romanos nascem

66

O palácio Christianborg, antiga residência dos reis da Dinamarca, é atualmente a sede do Parlamento.
Lund refere-se explicitamente à homônima berlinense da Tøjhus, antiga torre militar no centro de
Copenhagen usada como depósito de armas do exército e da marinha. Atualmente é um museu.
68
Tradução nossa do dinamarquês.
69
Reunida por estudiosos que vieram ao País acompanhando Maria Leopoldina da Ãustria, a imperatriz
Leopoldina (1797-1826).
67

70

virtuoses, com um ouvido para a música que eu até agora não faço idéia de como
possuir†(LUND, H., 1885, p.31).70
Sobre uma festa na casa de Anna Maria Schultheiss, a Duquesa de Torlonia,71 para
cujo filho entregou uma carta do Príncipe Christian,72 ele se divertiu em observar a nobreza
católica, “que via um pequeno réptil herético como eu na mais alta contaâ€. Ficou extasiado
com o carnaval.
“Indelével será para sempre a impressão desta verdadeira festa popular na minha
lembrança. Mas acredito também que poucos espectadores se sentiram tão
profundamente tocados quanto eu, que há muito tempo tenho me referido à
humanidade como o nível mais baixo no sentido intelectual e moral, o que quase
obscureceu a minha mente. Fiquei, portanto, extremamente surpreso com a cena que
parece representar a raça humana na sua condição original de inocência infantilâ€
(LUND, H., 1885, p.31).73
Em 23 de fevereiro, partiu em companhia de J. F. Schouw74 e de um médico inglês
chamado Harwood para Nápoles, onde ficou apenas dois dias, seguindo logo em seguida
para a Sicília. Seu plano era realizar uma excursão botânica através de toda a ilha ao lado
de Schouw. Em Messina, alugaram uma carroça, duas mulas para carregar a bagagem e
uma terceira para montar. Passaram por Catânia, Siracusa e Agrigento, aonde por causa da
abundância de coleções foram obrigados a seguir direto a Palermo, lá chegando em 31 de
março. Como até o momento a viagem não havia rendido uma coleção zoológica, enquanto
Schouw decidiu voltar para Nápoles, Lund e Harwood permaneceram mais algum tempo
em Palermo para estudar a fauna marinha. Em carta a J. Reinhardt, Lund relata:
“É no mar que se encontram riqueza, e o fundo do mar é coberto por uma rica
vegetação e povoado por animais os mais diversos, formando um contraste chocante
70

Tradução nossa do dinamarquês.
Anna Maria Schultheiss (1760-1840), viúva de Don Giovanni Raimundo Torlonia (1754-1829), príncipe de
Civitella-Cesi e banqueiro milionário, cujo filho citado por Lund era Marino Torlonia (1796-1860), Duque de
Poli e de Guadagnolo.
72
O então príncipe Christian Frederik (1786-1848), coroado Christian VIII da Dinamarca em 1839.
73
Tradução nossa do dinamarquês.
74
Joachim Frederik Schouw (1789-1852), botânico dinamarquês.
71

71

com a terra nua e queimada pelo sol. O mediterrâneo é sem comparação mais rico que
o litoral do Brasil, enquanto que ao contrário a vegetação italiana, da qual se fala
tanto, me parece miserável, comparada à vegetação tropical da América do Sulâ€
(REINHARDT, 1882, p.20).
Em poucas semanas o naturalista coletou cerca de 150 espécies de peixes, enviadas ao
Museu Zoológico de Copenhagen.
Assim como em Viena, o jovem dinamarquês rapidamente se viu mergulhado em
eventos da aristocracia siciliana. Ele recebeu entrada franca ao primeiro camarote de todos
os teatros, uma cortesia do Duque Serradifalco, 75 que também o introduziu aos naturalistas
do local.
“Ontem fui solenemente levado pelo duque a um encontro na Sociedade Científica.
Um abade, o mais velho e respeitado na assembléia, discursou diante do numeroso
auditório – onde o próprio Vice-Rei da Sicília se encontrava. Num longo discurso
com citações de Plínio e de outros autores mofados, procurou provar como (alguns
fósseis encontrados)76 não podiam ser dos elefantes de Aníbal, derrotado por
Metellus77 (como um colega perspicazmente descobriu), mas que aqueles ‘monstros’
foram introduzidos muito tempo depois pelos sarracenos da Ãfrica!†(LUND, H.,
1885, p.33).78
Lund foi embora na ponta dos pés para não ser questionado sobre a sua opinião, que
iria contrastar frontalmente com a do público. Mais tarde, ele hesitou em ir ao camarote do
duque, aonde o sábio abade às vezes ia.
Já fazia algum tempo que o naturalista se inquietava sabendo de várias cartas enviadas
de casa que estavam com um primo em Roma, Troels Lund.79 No final da estadia em
75

Domenico Lo Faso Pietrasanta (1773-1863), foi um dos pioneiros da arqueologia siciliana e primeiro
presidente da recém-fundada Commissione per le Antichità e Belle Arti da Sicília.
76
Inserção do tradutor.
77
Lund – ou o orador a quem ele se refere – incorre aqui num erro. Quem o general romano Lucius Caecilius
Metellus († 221 BC) derrotou em Panormus, atual Palermo, na Primeira Guerra Púnica (264 a.C-241 a.C), foi
o general cartaginês Asdrúbal Barca. Sua estratégia foi colocar em pânico os elefantes do inimigo. Asdrúbal
era genro de Amílcar, fundador do império cartaginês e cunhado de Aníbal, que liderou seus elefantes através
dos Alpes até as portas de Roma na Segunda Guerra Púnica.
78
Tradução nossa do dinamarquês.
79
Troels Lund (1802-1867), cenógrafo dinamarquês.

72

Palermo, quando finalmente recebeu o pacote de correspondências, soube da doença de sua
mãe, seguida por uma morte rápida, porém tranqüila. Segundo J. Reinhardt, aquela perda
parece ter influenciado bastante os planos do seu pupilo, pois pouco tempo antes de receber
a notícia Lund já havia confessado numa carta ao seu irmão Henrik Ferdinand que desde a
partida da Dinamarca pensava na possibilidade de uma estadia de vários anos no
estrangeiro. Apenas não ousou falar abertamente disso por medo da reação que causaria em
sua mãe. Agora, livre do impedimento, em carta à família revelou sua indecisão entre dois
planos. Tanto um quanto o outro exigiria uma longa ausência da pátria, mas antes disso ele
faria uma última visita a Copenhagen no verão de 1831. Uma das suas intenções era se
estabelecer em Paris para estudar e publicar tudo o que achasse digno de conhecimento com
relação à sua primeira viagem ao Brasil. A segunda alternativa era realizar uma nova
viagem àquele país, opção que acabou sendo escolhida durante o trajeto à Paris. Ao que
parece, Lund resolveu-se rapidamente por esta opção, pois ao chegar à Cidade Luz, numa
carta a J. Reinhardt ele já tratava o assunto como decidido.
Em 3 de maio, Lund despediu-se de Harwood e partiu para Nápoles, aonde chegou no
dia 7. Lá reencontrou o anatomista Dr. W. F. Schultz, a quem havia sido apresentado em
Viena, quando acertaram de se reencontrar na Itália para estudar o sistema circulatório dos
caranguejos. Estas experiências, uma conseqüência da monografia anterior de Lund sobre
os caranguejos decápodes, foi publicada no periódico Isis von Oken em 1830. Seguiu então
para Roma, onde passou algumas semanas antes de ir para Florença e Milão. Parou em
Genebra para conhecer o célebre botânico De Candolle,80 com quem trocaria diversas
cartas ao longo da década.
Lund chegou em Paris nos primeiros dias de setembro de 1830. De Candolle havia lhe
fornecido uma carta de recomendação para Saint-Hilaire, mas este havia deixado a cidade
para passar o inverno em Montpellier. Ainda em Nápoles, o Dr. Guarini, que havia
traduzido a tese sobre vivisseções para o italiano, pediu-lhe que entregasse uma carta a
Milne-Edwards,81 tornando-se este o primeiro sábio parisiense que ele conheceu
pessoalmente. Seria aquele que mais incentivaria Lund no desejo de retornar ao Brasil,
justamente no momento em que este considerava seriamente a hipótese de se estabelecer

80
81

Augustin Pyramus de Candolle (1778-1841), botânico suíço.
Henri Milne-Edwards (1800-1885), naturalista francês.

73

definitivamente em Paris para estar próximo ao seu mentor intelectual, que viria a ser o
Barão Cuvier. Mas naquele primeiro encontro Milne-Edwards colocou a sua discordância
com relação às conclusões de Lund sobre a circulação dos caranguejos. Isso não o impediu
de recebê-lo cordialmente e de apresentá-lo a Jean-Victor Audouin. Entre os zoólogos de
Paris, Audouin foi aquele com quem Lund mais se identificou. Ele entregou ao
dinamarquês uma carta de apresentação ao Barão Cuvier, que imediatamente o convidou a
participar dos saraus científicos promovidos em sua casa. Foi a chance para Lund conhecer
grande parte dos naturalistas franceses, além de outras celebridades como o próprio
Alexander von Humboldt, que visitou Paris duas vezes naquele inverno. Sobre sua
admiração por Cuvier, ele escreve que:
“em verdade este grande homem, que eu nunca me canso de admirar, e cujas
extraordinárias habilidades ele desenvolve de um modo surpreendente, ficam
aparentes quando se fica próximo a ele†(LUND, H., 1885, p.38).82
Lund aproveitou a estadia parisiense para freqüentar as famosas aulas de história das
ciências naturais proferidas por Cuvier no Collège de France. Aproveitou igualmente para
freqüentar os cursos de Biot, Ampère e Thénard,83 aumentando assim seus conhecimentos
de astronomia, física e química, como forma de melhor se preparar para a sua segunda
viagem ao Brasil. Numa carta de setembro de 1830, Lund conta dos planos ao irmão caçula
a este respeito:
“Empreguei o meu tempo no Brasil para reunir tantas observações quantas possível
sobre a rica natureza, e na minha volta para casa estava em posse de uma quantidade
nada insignificante, de cujo arranjo e elaboração eu tenho como minha principal
finalidade me ocupar. Mas logo me convenci que não seria possível realizar isto
satisfatoriamente com a gentil ajuda que tenho à minha disposição em Copenhagen.
Sobre a minha viagem,

84

onde procurei me orientar neste sentido, encontrei, contudo,

confirmação sobre a suposição que já tinha alimentado em casa, que Paris é

82

Tradução nossa do dinamarquês.
Jean-Baptiste Biot (1774-1862), físico, astrônomo e matemático francês. André-Marie Ampère (17751836), físico francês. Louis Jacques Thénard (1777-1857), químico francês.
84
Lund se refere à sua viagem a Paris.
83

74

claramente o lugar que oferece as maiores vantagens tanto para a elaboração quanto
especialmente para a publicação dos meus trabalhos, mesmo se Berlim e Viena têm
preferência em alguns pontos. Eu teria escolhido portanto aquela cidade como local
de moradia ao menos no longo prazo, caso uma série de acontecimentos inesperados
não tivesse me introduzido um outro plano, que gradualmente ganhou mais e mais
espaço. Por contar com diversas ajudas gentis, eu pude concentrar-me na elaboração
dos meus materiais, e descobri, veja você, que eles eram muito mais pobres nas
observações do que podia imaginar. Sobre os fenômenos mais cotidianos que eu
negligenciei em anotar, porque os considerava comumente conhecidos, não encontrei
informação em lugar algum. Quando falta uma informação na série de observações
das minhas anotações, eu raramente encontro o que falta nos meus trabalhos
anteriores, e você pode ter certeza de que tais brechas surgem em abundância. Deste
modo reuni um conjunto inteiro de questionamentos os quais preciso responder antes
que possa me persuadir a permitir que algum dos meus trabalhos venha à luz. E isso
só pode ocorrer através do retorno à fonte aonde colhi as informações†(LUND, H.,
1885, p.26).85
Segundo Lund, um par de anos passados sob o calor do sol do Brasil talvez pudesse
ter um efeito benéfico sobre a sua saúde, podendo dispensar assim as precauções
mesquinhas as quais ainda é constantemente forçado a observar tão logo o calor86 acaba.
Tentou ainda sem sucesso aperfeiçoar o seu francês, assim como tinha tentado com o
italiano em Roma, aonde de uma forma ou de outra ele sempre acabava usando o
dinamarquês ou o alemão. Na França, por outro lado, acabou falando principalmente o
inglês, que aprendeu sozinho, da mesma forma como tinha feito com o português e com o
holandês (praticado com o cônsul Brender à Brandis) na sua primeira estada no Rio.
Lund conheceu vários estudantes da Inglaterra e dos Estados Unidos. Ficou
particularmente amigo de um jovem americano (do qual não sabemos o nome) com quem
passava as noites. Este tinha vindo à França aprender árabe, mas, por influência de Lund,
apaixonou-se pelo idioma e pela mitologia dinamarquesas, decidindo estudá-los. O

85
86

Tradução nossa do dinamarquês.
Do verão europeu (N.T.).

75

naturalista o auxiliava, lendo para ele o Nordens Guder, de Oehlenschläger,87 enquanto
aquele ajudava Lund com Shakespeare e Milton.
No começo de maio de 1831, Lund recebeu uma carta informando sobre a sua eleição
unânime como membro da Academia Real de Ciências da Dinamarca. Deixou Paris em 24
de maio, e após passar por algumas cidades alemãs, chegou em Copenhagen no início de
julho. Sua idéia inicial era realizar os preparativos da viagem, despedir-se da família, passar
o inverno de 1831/1832 em Paris e seguir para o Brasil, o que não aconteceu. Ocorre que,
com a notícia da abdicação de Dom Pedro I em favor de seu filho em 7 de abril de 1831, a
situação política do Brasil parecia incerta, de modo que Lund considerou seriamente a
hipótese de transferir o seu destino final para a Jamaica, seguindo o conselho do zoólogo
Charles-Lucien Bonaparte,88 que havia conhecido em Roma. Mas exatamente no Natal de
1831 eclodiu uma grande revolta de escravos naquela ilha caribenha (revolta que
eventualmente levaria à abolição da escravatura, em 1834). Ao mesmo tempo, chegaram
notícias da melhora na situação política no Rio de Janeiro, o que fez o naturalista voltar
atrás em seus planos e retomar os preparativos para vir ao Brasil.
Do ponto de vista científico, a estadia inesperada na Dinamarca foi empregada no
aprofundamento do estudo do envelope dos ovos dos moluscos gasterópodes e na escrita de
um tratado: Om Udviklingsfølgerne i Dyreriget (ou Sobre as transformações no reino
animal).89

87

Nordens Guder (Deuses Nórdicos, 1819), poema épico do poeta e dramaturgo dinamarquês Adam Gottlob
Oehlenschläger (1779-1850).
88
Charles-Lucien Bonaparte (1803-1857), zoólogo francês, sobrinho de Napoleão.
89
Este tratado de Lund foi inspirado na leitura de um outro, de Johannes Carsten Hauch (1790-1872)
intitulado Om nogle rudimentære Organer, om deres Bestemmelse i Naturen, samt om em systematisk
Udviklingsfølge (Sobre alguns órgãos rudimentares, sobre a sua determinação na natureza e sobre a sua
transformação sistemática), Blandinger fra Sorø, København, 1831.

76

Capítulo 4 - O adeus ao Velho Mundo

4.1 – O amigo Riedel e ida ao sertão
No início do outono de 1832, Lund partiu para Hamburgo, aonde embarcaria com
destino ao Brasil. Após uma espera de várias semanas, ele finalmente zarpou em 12 de
novembro, sem imaginar que nunca retornaria à sua Europa natal. A viagem foi tranqüila.
Apenas no golfo de Biscaia detiverem-se por um dia e meio, devido ao vento contrário e
uma grande tempestade. Mas dali em diante, com vento favorável, a travessia foi rápida.
Avistaram a costa brasileira no dia 15 de janeiro de 1833, atracando no porto do Rio de
Janeiro quatro dias mais tarde.
O naturalista, então com 32 anos, foi recebido pelo cônsul-geral da Dinamarca, o
Conde Reventlow,90 que o alojou em sua casa no bairro de Botafogo, o preferido da
aristocracia da época. Lund permaneceu ali até maio, quando o conde retornou ao seu país.
Foi quando conheceu Ludwig Riedel, botânico alemão que tinha vindo ao País em 1821
com a Expedição Langsdorff (1821-1829), patrocinada pelo governo russo. Atacado por
uma febre em maio de 1828 quando estava no Pará, o Barão Langsdorff interrompeu a
expedição e voltou ao Rio. De lá, seguiu para a Europa. Riedel o acompanhou, mas em
1832 ele já estava de volta. Com o patrocínio do governo russo, queria dar prosseguimento
à expedição interrompida. Encontrava-se no Rio esperando o fim das chuvas de verão e
finalizando os preparativos para a viagem quando conheceu Peter Wilhelm Lund. Os dois
rapidamente ficaram amigos, uma amizade que atravessaria três décadas e terminaria com a
morte de Riedel, em 1861.
Em carta de 22 de maio de 1833, Lund conta ao seu orientador que ele e Riedel iriam
fazer uma viagem a Serra dos Órgãos para encontrar um local onde se fixar após a partida
do Conde Reventlow. Na falta deste local, Lund decidiu unir-se a Riedel em uma viagem
pelo interior do Brasil. A companhia de um viajante experimentado, que dominava o
idioma e conhecia os costumes locais após onze anos de Brasil facilitaria enormemente o
seu trabalho. Com a partida do conde, os amigos alugaram uma casa no Engenho Novo.
90

Frederik Ditlev, conde Reventlow (1792-1851), diplomata dinamarquês.

77

Em outra carta enviada a J. Reinhardt, o roteiro compreenderia atravessar a Província
do Rio de Janeiro até chegar na Província de São Paulo, que seria percorrida na direção
oeste até Goyaz, onde prosseguiriam até a cidade de mesmo nome e virando ali para o leste
na direção do rio São Francisco. Este seria transposto para iniciar o caminho de volta ao
Rio, através dos distritos auríferos da Província de Minas Geraes. A distância a ser
percorrida seria de mais de 500 léguas portuguesas (ou cerca de 3.100 km)91 com duração
de mais de um ano. O objetivo principal seria estudar a vegetação. Pouco antes de partir,
Lund conta em carta ao irmão Henrik Ferdinand que:
“só quando eu retornar ao Rio após esta viagem terei condições de decidir quanto
tempo penso ficar aqui, mas já vejo que será muito mais tempo do que havia me
proposto na Dinamarca†(REINHARDT, 1882, p.33).
Enquanto faziam os preparativos para a viagem, os dois naturalistas aproveitaram
também para realizar diversas excursões botânicas rápidas pelos arredores do Rio. O foco
de estudo era a vegetação que margeava as estradas e os caminhos, assim como aquela que
circundava casas e jardins. Em setembro de 1833, Lund enviou uma descrição detalhada
desta vegetação ao Prof. Hornemann,92 pedindo que apresentasse seu conteúdo nas sessões
da Academia de Ciências – o que Hornemann não fez. O trabalho só seria impresso em
1838 com o título Bemærkninger over de almindelige Vej- og Ukrudtsplanter i Brasilien
(Notas sobre as plantas comuns das estradas e ervas daninhas no Brasil, LUND, 1838).
Após enviarem a maior parte do equipamento por mar até Santos, os amigos deixaram
a corte em 12 de outubro de 1833, acompanhados por quatro escravos e seis mulas que
carregavam a bagagem, além das duas que lhes serviam de montaria. Um dos negros havia
participado da expedição Sellow93, sendo alforriado por testamento após a morte daquele.94
Sabemos que a expedição passou pelas cidades de Bananal e Taubaté antes de chegar a São
Paulo, onde compraram outras mulas para transportar o material vindo de Santos. A decisão

91

Uma légua portuguesa antiga equivale a 6.179,74 m.
Jens Wilken Hornemann (1770-1841), botânico dinamarquês, professor da Universidade de Copenhagen e
conselheiro de Estado.
93
Friedrich Sellow (1789-1831), naturalista alemão, pesquisou no Brasil e na Banda Oriental, antigo nome do
Uruguai.
94
De acordo com J. T. Reinhardt, Lund fez um diário desta viagem, que um quarto de século mais tarde deu
de presente a Eugen Warming (REINHARDT, 1882, p.34).
92

78

de transportar parte do material por mar e adquirir mulas em São Paulo foi puramente
econômica, pois os animais acabaram custando menos da metade do que os 500 rigsdalers95
cobrados no Rio. Com a tropa completa, seguiram para São Carlos de Campinas. Lá
contrataram como condutor, ou arrieiro, para a tropa de mulas um conhecido de Riedel que
havia feito o mesmo trabalho para a expedição Langsdorff. Riedel possuía o dobro dos
equipamentos em comparação a Lund, pois contava com um generoso patrocínio do
governo russo. A pesquisa botânica era o objetivo principal da viagem, sendo que do ponto
de vista zoológico, Lund se limitaria aos insetos e pequenas aves, cuja coleção resultante
ele doou ao Museu de História Natural de Copenhagen em 1839.
No mês de outubro, com o final do inverno e da estação seca, a vegetação por onde
passaram encontrava-se ressecada e parcialmente queimada. Enquanto não chegavam as
chuvas que fariam a natureza sair daquela letargia sazonal, as condições de viagem eram
duras e o calor insuportável. Nuvens de poeira erguiam-se sobre a estrada. Numa carta ao
seu orientador, Lund descreveu assim o início da viagem:
“Em toda a parte estamos rodeados por florestas queimadas, cuja fumaça do fogo
aliada à poeira da estrada ameaça sufocar-nos. Não há capim para os nossos animais,
nem água nos rios ou riachos. Tivemos que nos alimentar com milho e matar a sede
com cana de açúcar. Entretanto, após quatro dias de marcha nosso sofrimento chegou
ao fim. Alcançamos a primeira cadeia montanhosa e em sua floresta encontramos
quedas d’água para saciar a sede dos animais, e algum, embora pouco, pasto para eles.
Ali tivemos nossa primeira tempestade tropical, acompanhada por trovões terríveis.
Desde então a viagem prosseguiu mais fácil, e portanto eu tentarei lhe fornecer uma
idéia da rotina diária. De manhã, lá pelas sete horas, selávamos os cavalos e
pegávamos a estrada. Um negro seguia à frente com um fuzil e o meu tacão (sic96) (a
faca longa da qual já contei), abrindo caminho através dos ramos das árvores para nós
e os animais passarem. Como os cavalos e as mulas o seguiam, ele ia na frente e era
chamado de Capitão. Atrás deles iam mais três negros, um com o fuzil do Sr. Riedel,
um outro com o seu tacão (sic) e o terceiro com o barômetro. Finalmente nós
completávamos o comboio com as nossas mulas. Assim seguíamos até o meio-dia ou
95
96

Rbd., Rigsbankdaleren, moeda dinamarquesa entre 1813 e 1874. Em tradução livre, “moeda do banco realâ€.
Facão.

79

uma da tarde. Então montávamos acampamento em um rancho, que é um galpão
aberto erguido com estacas e um telhado, que na maioria das estradas situam-se a
cada três ou cinco léguas. São construídos pela população que vive nas pequenas
fazendas das vizinhanças, que lá deixa milho para alimentar os viajantes de um dia
para o outro. Normalmente nas proximidades de um rancho se encontra uma venda:
uma pequena casa de sapê onde vendem aguardente e outros artigos como feijão,
carne seca e coisas assim. Assim que atingimos um rancho os animais são soltos para
pastar logo após descarregarmos as caixas e as malas e colocá-las sob o telhado, onde
um couro de boi estendido no chão serve ao mesmo tempo de mesa, cadeira e cama.
Dois negros vão ao mato pegar lenha para o fogo enquanto um outro vai pegar água.
Depois de aceso o fogo um caldeirão é colocado sobre ele com o nosso almoço diário,
consistindo de feijões cozidos com carne seca e um pedaço de toicinho. Nesse meio
tempo nós nos ocupamos com aquilo que coletamos e observamos, escrevendo nossos
diários, fazendo correções e checando informações. Após o almoço, deitamos para
descansar sobre o couro de boi à maneira dos romanos. Após a refeição eu geralmente
pego meu fuzil e vou para o mato e só volto com meus abates lá pelo cair da noite.
Nesse meio tempo os animais estão sendo reunidos, alimentados com milho e soltos
novamente para passar a noite. À luz da fogueira nós conversamos sobre as
dificuldades do dia, sentados no couro com uma caneca de café, até que a brisa fresca
da noite e o deus Morfeu nos lembra que devemos nos cobrir com as mantas, para só
então descer as cortinas do dia. Sob o concerto barulhento de milhares de rãs, sapos,
grilos e outros virtuoses eu logo pego no sono (apesar de terem sido necessários dez
dias para me acostumar com a brisa noturna. Tive uma violenta dor de dente que
piorou a cada dia, até que chegamos no primeiro vilarejo, onde tive a sorte de
encontrar um sujeito que nos deixou ficar num quartinho da sua casa. Dez noites de
sono naquele quartinho e a dor foi embora97). Na manhã seguinte, logo após o raiar do
dia, dois negros saíram para reunir os animais, dar a eles sua ração de milho, selá-los

97

Segundo J. T. Reinhardt, a cidade aonde Lund caiu doente foi Villa-Franca. Ainda de acordo com J. T.
Reinhardt, Lund teria tido uma febre, não uma dor de dente (REINHARDT, 1882, p.35).

80

e carregá-los enquanto o café fervia. Empalhei as aves do dia anterior e, como disse,
às sete da manhã estávamos novamente a caminho†(LUND, H., 1885, p.46).98
Nos primeiros 14 dias de viagem passaram por áreas de mata virgem e por distritos
cujo relevo e vegetação se pareciam com aqueles que Lund conheceu durante suas
excursões pelo Rio de Janeiro. Na pequena cidade de Pindamonhangaba, às margens do rio
Parahyba, avistaram pela primeira vez uma paisagem formada por campos, pontilhados
aqui e ali por pequenas formações de mata e floresta. O que mais impressionou o jovem
naturalista nessa ocasião foi a incrível multiplicidade de flores com as mais diversas cores,
em contraste com a escuridão da mata virgem. Após atravessarem o rio a bordo de canoas,
eles cruzaram outra serra e atingiram um planalto situado dois mil pés acima do nível do
mar. Foram recebidos por um clima mais fresco, enquanto que a mudança significativa na
vegetação forneceu subsídio para lá se deterem por dez dias. No Ano Novo entraram em
São Carlos, um ponto de parada para os comboios que seguem de São Paulo para o interior.
Lá se abrigaram de uma chuva intermitente, o que foi um alívio após a longa viagem. O
preço dos mantimentos naquela cidade era bem mais alto, especialmente aqueles
importados de outras províncias. Mas o que contribuía para aumentar as dificuldades era a
falta de meio circulante. O ouro e a prata haviam desaparecido, assim como o papel moeda.
Havia um grande número de moedas de cobre em circulação, mas apenas uma em quatro
era verdadeira. Desse modo, toda compra e venda dependia em primeiro lugar da separação
das moedas verdadeiras das falsas.
De acordo com Henriette Lund, um dos três regentes99 do império passava pela cidade
e ofereceu gentilmente toda a qualquer ajuda aos naturalistas, convidando-os inclusive para
visitar a sua fazenda. Ela ficava a umas 20 léguas de São Carlos. Aceitaram o convite e,
para chegar lá, atravessaram uma planície na qual nenhum europeu havia pisado. “Sua
Excelênciaâ€, como Lund se referia ao senador Vergueiro, os recebeu com atenção e
intimidade, esforçando-se por tornar a estadia agradável. Sua família era educada, o que fez
Lund se lembrar do seu círculo de amizades cultas e cordiais da Europa, assim como o
98

Tradução nossa do dinamarquês.
Era o senador Nicolau de Campos Vergueiro, proprietário de Sesmaria na região de Araraquara. Fez parte
da Regência Trina Provisória (abril-julho de 1831), também formada pelo brigadeiro Francisco de Lima e por
José Joaquim de Campos, o Marquês de Caravelas. Naquele momento, Vergueiro não era mais regente. Todos
haviam sido substituídos pelos membros da Regência Trina Permanente (1831-1834).
99

81

motivo pelo qual se encontrava naquelas paragens: a pesquisa científica. Por toda parte, as
extensas florestas da região estavam repletas de árvores derrubadas de todas as espécies,
com ramos cheios de flores e frutos, cuja coleta de espécimes por si só fez a visita valer à
pena. Partiram de lá com uma carta de apresentação que poderia ser útil no futuro sempre
que atravessassem regiões desconhecidas ou pouco habitadas. Apenas dois dias se passaram
e eles se viram naquele que os brasileiros chamam de “sertãoâ€,100 que Lund descreveu
numa carta à sua família:
“Planícies intermináveis com uma superfície muito ondulada espalham-se até o
horizonte, onde parecem limitadas por uma serra, que não é nada mais do que a
superfície ondulada, que é o mais longe que os olhos alcançam. Estas planícies são
cobertas por capim,101 e por toda a sua extensão, através da qual andamos até o arraial
de São Bento d’Araquara (sic102), este tapete de capim é composto apenas por duas
espécies, uma das quais é muito parecida com a nossa aveia, misturada com outra que
atinge a altura de doze a vinte pés. Como aqui é outono o capim está amarelado e
semeando, fazendo com que tudo se pareça com os nossos campos de aveia no
período da colheita. Geralmente estas planícies são nuas de árvores. Apesar disso elas
podem surgir em pequenos grupos mirrados de 20 a 50 pés de altura. Elas
proporcionam alguma alteração ao cenário de colinas cobertas e depressões de mata,
que se completam com um pantanal esverdeado freqüentemente coberto por arbustos
ou mata.
Após um longo período, no qual nos encontrávamos no interior da escura mata
virgem, aquela paisagem se tornou bonita. Para mim, ela era encantadora nos
primeiros três a cinco dias. Mas ao longo dos dias e das semanas não havia mais nada
para se olhar, não se encontrava nestes campos nenhum abrigo contra o sol
escaldante. Some-se a isto o fato de que não achamos quase nada para as nossas
coleções e vocês irão entender quão estafantes foram as três semanas que gastamos
nesse caminho. O que contribui sobremaneira para dar a estes sertões uma aparência
desolada foi o fato de não se achar nenhum traço do engenho humano. Em quase
100

“Deserto†(Orken), no original.
Capim-gordura (GORCEIX, 1885, p.17).
102
Araraquara.
101

82

nenhum lugar se via um ser humano. Aqui e ali nestas extensas planícies havia
fazendas, nas quais o dono vive da criação de gado. Mas como encontrar estes locais?
Quando acontece de encontrarmos um homem que nos indica o caminho, nós o
tomamos e alcançamos uma fazenda antes do cair da noite, aonde as nossas privações
e sofrimentos findam. Quase sempre éramos recebidos com hospitalidade e supridos
com os mantimentos necessários por um bom preço ou até mesmo grátis. Se não
encontrávamos ninguém para nos mostrar o caminho, passávamos a noite ao relento,
às margens de um pequeno riacho†(LUND, H., 1885, p.51).103
Seguindo viagem chegaram a vila de São Bento de Araraquara. Procuraram um lugar
para pousar, sendo levados a um grande barracão onde arriaram a bagagem. A primeira
providência foi mandar os escravos comprar mantimentos, mas não era possível conseguir
nada em toda a vila, e a tentativa de conseguir algo nas fazendas vizinhas também não deu
resultado. Decidiram seguir viagem, mas Riedel, em função do cansaço e de alguma
comida que não lhe fez bem, caiu doente com febre, preso ao leito por nove dias.
Finalmente ficou melhor, e eles abandonaram com prazer aquela residência miserável.
Seguiram para oeste na direção do próximo objetivo, a Villa Franca, e após oito dias de
viagem penetraram na mata densa que flanqueia as margens do rio Pardo. Lund escreve:
“Levamos três dias para atravessar aquela floresta que flanqueia o rio e finalmente
chegar nas suas margens. A grande massa de água corria tranqüila através da floresta
escura e quieta. A visão é impressionante, mas não pode ser apreciada sem medo.
Naquela estação, quando as águas recuam, as margens são notoriamente conhecidas
por seu clima insalubre, que provoca febre maligna, e a aparência dos habitantes da
comarca

104

com certeza confirma essa opinião. Para nosso azar, todos os nossos

revigorantes, como café, aguardente, açúcar e assim por diante, haviam acabado, e
para tornar a nossa situação ainda pior caiu uma forte tempestade com um aguaceiro
que durou toda a noite. Nosso abrigo era um telhado de folhas seguro por troncos de
palmeira, no qual a chuva caia de todos os lados. Nesse meio tempo, tentamos nos
proteger da melhor forma possível com uma grande fogueira que foi acesa no meio do
103
104

Tradução nossa do dinamarquês.
Lund escreve a palavra Egnens, literalmente “do distritoâ€, em português.

83

abrigo. Os canoeiros que deveriam nos atravessar apareceram no começo da noite,
anunciando a sua chegada com o som de um berrante ao longe que, combinado com o
eco da floresta e o silêncio total que nos rodeava, criou um efeito mágico. Eram
mulatos e negros seminus. Deixamos que eles enchessem seus estômagos vazios ao
lado do fogo, aonde se acomodaram e nos entretiveram uma boa parte da noite com as
histórias infantis sobre todos os monstros que deveriam se alimentar nas profundezas
do rio†(LUND, H., 1885, p.53).105
No dia seguinte eles cruzaram o rio e seguiram por uma mata fechada até Franca.
Nesta parte da viagem tiveram que vencer dificuldades, sendo a pior delas a falta de
suprimentos. Apesar disso, Lund escreve:
“Em termos geográficos e considerando estarmos num planalto, esta parte da viagem
foi interessante, porque aquele lugar ainda não havia sido visitado por nenhum
viajante; mesmo os mapas mais recentes estão cheios de erros, e nenhuma marcação
de altitude foi estabelecida†(LUND, H., 1885, p.54).106
Lund esperava poder descansar em Franca após o duro trajeto, mas foi subitamente
atacado por uma febre,107 cuja persistência ele acreditou ter sido causada pelas noites ao
relento, pela chuva, pelo vento e pela fria brisa noturna. Ao invés de alimentos frescos, teve
que comer carne seca, o que não era segundo ele comida para um doente. A expedição
permaneceu em Franca por seis semanas, sendo que duas ou três semanas já haviam sido
perdidas em Araraquara devido a uma doença de Riedel. O atraso acumulado fez com que
decidissem abandonar a idéia de seguir até a cidade de Goiáz e optarem por cruzar a
fronteira da Província de Goiáz para, em Catalão, pegar um atalho até a cidade de Paracatu,
a poucas léguas da fronteira com Minas Geraes. Este trecho iria durar dois meses, durante
os quais eles percorreram mais de 100 léguas portuguesas.108
Em 17 de setembro de 1834, seguiram para sudoeste na direção do rio São Francisco.
Ao passarem por uma seção mais larga do rio, Lund descreveu-a deste modo:
105

Tradução nossa do dinamarquês.
Idem.
107
Diferentemente da febre descrita à sua família e relatada por sua sobrinha, Lund se refere a esta passagem
na carta a J. Reinhardt como tendo sofrido uma violenta dor de dente.
108
Cerca de 620 quilômetros.
106

84

“Enormes bancos de areia cobertos por um tapete de mato baixo se espalhavam como
um oceano diante de nós. Nem a mínima elevação interrompia a superfície horizontal,
que tinha apenas pequenas variações pelos numerosos cupinzeiros brancos e
arredondados aliados, aqui e ali, por pequenas porções de mata que ocupavam as
partes pantanosas das margens. Aonde o terreno afundava minimamente, as
depressões estavam cheias de água como se para restaurar a horizontalidade do
terreno, e por causa dos lagos maiores e menores, elas contribuíam para tornar aquela
paisagem monótona ainda mais bela†(LUND, H., 1885, p.55).109
Sob um sol abrasador e no meio de uma água fétida e insalubre, andando por aqueles
lagos o naturalista fez uma farta coleta de aves aquáticas. Nuvens de mosquitos
enxameavam sobre os lagos. Ainda em Paracatu eles haviam contratado um homem que já
havia feito aquela viagem anteriormente. Iria guiá-los até o local onde era possível
atravessar o rio com canoas. No entanto, logo após chegarem ao pequeno arraial de Santa
Anna dos Alegres,110 quando Lund estava sentado em sua cabana ocupando-se do seu
diário, apareceu um bando de mulatos e negros armados com punhais e paus portando-se
com violência e berrando: Assassino! Morte! Sangue! Vingança! Lund se levantou e
perguntou tão friamente quanto possível o motivo daquela atitude. No meio da gritaria
ninguém ouviu nada. O alvo da ira era o guia, que estava aterrorizado. Souberam estão que
ele havia cometido um homicídio e o entregaram à sua sorte. Sobre esta passagem, Lund
escreve em seu diário:
“Aquelas paragens não eram confiáveis, eram quase desabitadas e se nos perdêssemos
nos sertões poderia ser o nosso fim. Mas não havia alternativa. Seguimos na direção
indicada e, com a bússola na mão, após sete duros dias de marcha, finalmente
atingimos o rio no lugar indicado†(LUND, H., 1885, p.56).111
Para Lund, a paisagem que atravessaram foi a mais bonita de toda a viagem. O solo
era arenoso e as colinas cobertas por uma mata baixa e rala, em sua maior parte composta
por árvores com magníficas copas floridas, enquanto outras exibiam frutos refrescantes.
109

Tradução nossa do dinamarquês.
Santana dos Alegres, antigo nome de João Pinheiro (MG).
111
Tradução nossa do dinamarquês.
110

85

Segundo Lund, a particularidade da região eram os vales cobertos de capim, cujo fundo
exibia grupos de estranhas palmeiras incomparavelmente belas chamadas buritis:
“Diariamente acampávamos nas encostas daqueles vales de buritis. As impressões da
maravilhosa paisagem natural eram e sempre serão indeléveis em minha memória. Ao
mesmo tempo é impossível explicar os diferentes tipos de sentimento, a quase alegria
misturada com uma melancolia impronunciável que me invadia quando, sob a brisa
refrescante após o pôr do sol, acabávamos o trabalho do dia deitando em nossos
couros de boi, enquanto o puro céu estrelado livre de qualquer interferência humana
lançava o seu manto gelado sobre as nossas cabeças. Vozes noturnas em incessante
variação ressoavam de florestas nas proximidades, e os seus tons misteriosos
provocaram surpresa e temor, mantendo-me acordado por diversas horas até que o
farfalhar das folhas de buriti me fizessem cair no sono, do qual eu só despertaria
graças ao som de milhares de pássaros cantando a alvorada†(LUND, H., 1885,
p.57).112
Mas o cenário não eram sempre tão idílico. Como de costume, em 30 de setembro
eles haviam acampado na encosta de uma colina arenosa que descia até o buritizal, quando
foram surpreendidos por uma tempestade:
“O tempo estava claro, mas o céu estava envolto por nuvens e o calor era sufocante.
Duas horas após o pôr do sol uma pequena nuvem surgiu no horizonte e se elevou
com uma velocidade impressionante em direção aos céus, numa total ausência de
vento. Permaneci em silenciosa admiração e sem sentir medo, quando de repente um
relâmpago ofuscante acompanhado por um tremendo trovão saiu da nuvem e quase
explodiu sobre as nossas cabeças. Todos correram aos seus postos. Num piscar de
olhos, minhas caixas foram reunidas e minha cama feita em cima delas. Como vocês
se recordam, a cama é muito simples e consiste apenas de um couro de boi duro e
rígido. Deita-se sobre uma metade e quando chove a gente se cobre com a outra. Mal
consegui terminar os meus preparativos antes de começar a tempestade. Um forte
zunido vindo da floresta próxima anunciou sua chegada. Eu me cobri rapidamente e,
112

Tradução nossa do dinamarquês.

86

agarrando com uma mão a alça da caixa e com a outra mão segurando o couro de boi,
consegui me proteger da chuva pelo tempo que as minhas forças duraram. Meu
companheiro de viagem não teve tanta sorte. O couro dele estava espalhado antes do
início da tempestade e agora era muito tarde. Ele pulou em cima das suas caixas e se
cobriu com o couro, que tentou sem sucesso segurar com as duas mãos. A tempestade
era muito forte. O couro foi soprado para longe e da minha coberta pude vê-lo parecer
com um pedaço de papel voando pelo céu. Antes que (Riedel) pudesse agarrá-lo para
se cobrir melhor ele foi completamente encharcado pela tromba d’água. Para a nossa
sorte a tempestade durou apenas uma hora, mas o barulho da água pingando do meu
couro aliado ao som da tempestade e aos trovões incessantes quase me pôs em transe.
Por diversas vezes perdi minhas forças e o meu couro escapou. Um piscar de olhos
era o bastante para eu ficar encharcado†(LUND, H., 1885, p.58).113

4.2 – Um encontro inesperado
Em 2 de outubro de 1834, o grupo atravessou os 1.500 pés do rio São Francisco um
pouco ao norte da confluência com o rio Abaeté, chegando em 10 de outubro à cidade de
Santo Antônio de Curvelo. As mulas estavam exaustas e eles próprios em não melhor
estado. Naquela cidadezinha eles compraram mantimentos por um preço bem mais elevado.
Haviam deixado o sertão e a estação seca para trás, e com o início do período das chuvas,
foram forçados a permanecer algum tempo numa pequena granja das redondezas. Foi nessa
ocasião e por pura obra do acaso que Lund teve o seu primeiro contato com as “cavernas de
ossosâ€, como passou a se referir a elas, vislumbrando daí a oportunidade de poder estudar
os restos da fauna desaparecida. A região do vale do rio das Velhas é formada por um
carste cujas rochas calcárias favorecem a formação de cavernas formadas pela absorção da
água das chuvas e pelo lençol freático. As lapas, como são chamadas as grutas da região,
são muito numerosas (anos mais tarde, Lund afirmou ter visitado mais de 800 entre 1835 e
1844). Ainda no século XVIII, seus habitantes começaram a extrair salitre114 daquelas
113

Tradução nossa do dinamarquês.
O antigo sal de pedra, ou nitrato de potássio (KNO3), que entra com 75% na fabricação da pólvora (15% de
carvão vegetal + 10% de enxofre). vide FERRAZ, 2000.
114

87

cavernas, onde encontravam com freqüência ossos de grandes dimensões que diziam ser de
antigos gigantes. Antes de Lund, Mawe115 em 1809, Eschwege116 em 1816, Johan Emanuel
Pohl117 em 1817, Martius em 1818 (mesmo ano da visita de Luccock118), Saint-Hilaire em
1819 e Walsh119 já haviam visitado algumas cavernas de Minas e encontrado fósseis. Como
nos conta Charles Darwin, Spix e Martius encontraram perto da cidade de Formiga ossos
do que seria um Megalonyx, espécie de preguiça terrícola .120 Mas nenhum naturalista antes
de Lund se deteve em um trabalho paleontológico sistemático nas cavernas do vale de rio
das Velhas. Seu contato com as grutas aconteceu por acaso. Segundo nos conta a sobrinha
Henriette, estava Lund exausto, estirado sobre o seu couro de boi em um rancho de
Curvelo, quando um outro europeu entabulou conversa com Riedel. Dono de um forte
sotaque, aquele homem observou a Riedel que podiam falar em dinamarquês sem medo de
que alguém naquele país pudesse compreendê-los. “Não conte com issoâ€, gritou Lund
desde o seu leito no fundo do rancho, para grande consternação do estrangeiro (LUND, H.,
1885, p.67). Passada a surpresa inicial, aquele homem apresentou-se: era Peter Claussen, lá
conhecido como Pedro Cláudio Dinamarquês, que havia se integrado na expedição Sellow.
J. T. Reinhardt conta estava passagem de modo um pouco diferente:
“Nossos viajantes não pensavam em outra coisa senão continuar sua viagem no dia
seguinte ou no subsequente. Já tinham se recolhido, quando uma pessoa entrou no
115

John Mawe (1764 -1829), mineralogista britânico, viajou por Minas Gerais entre 1809 e 1810. Escreveu
Viagem pelo interior do Brasil. Belo Horizonte: Itatiaia; São Paulo: Edusp, 1978.
116
Wilhelm Ludwig von Eschwege (1777-1855), geógrafo e geólogo alemão, veio ao Brasil junto com a corte
de Dom João VI em 1808. Escreveu Pluto Brasiliensis. Belo Horizonte: Itatiaia; São Paulo: Edusp, 1976.
117
Johann Baptist Emmanuel Pohl (1782-1834), médico e geólogo que integrou a Missão Austríaca ao Brasil
entre 1817 e 1822. Escreveu Viagem ao interior do Brasil. Belo Horizonte: Itatiaia; São Paulo: Edusp, 1976.
118
John Luccock, comerciante inglês, autor de Notas sobre o Rio de Janeiro e partes meridionais do Brasil.
Belo Horizonte: Itatiaia; São Paulo: Edusp, 1975.
119
Robert Walsh, capelão anglicano que acompanhou a missão do embaixador britânico lorde Strangford,
entre 1828 e 1829. Escreveu Notícias do Brasil (1828-1829). Belo Horizonte: Itatiaia; São Paulo: Edusp,
1985.
120
“The next notice of the Megalonyx which I have consulted, in the hope of meeting with additional and
more precise information as to its real generic characters, is an account given by the learned Professor
Doellinger, of some fossil bones, collected by the accomplished travellers Spix and Martius in the cave of
Lassa Grande, near the Arrayal de Torracigos, in Brazil. In this collection, however, it unfortunately happens
that there are no teeth, but only a few bones of the extremities, including some ungueal phalanges, which
Professor Doellinger concludes, from their shape, the presence of an osseous sheath for the claw, and the form
of their articulation, to belong, without doubt, to an animal of the Megatherioid kind, about the size of an Ox.
He particularly states that they are not bones of an immature individual; but that they agree sufficiently with
Cuvier’s descriptions and figures of the Megalonyx to be referred to that species of animal (zu dieses thierart)
and he adds, what is certainly an interesting fact, that the fossils in question form the first of the kind that had
been discovered out of North America†(DARWIN, 1839, p.67).

88

rancho e perguntou o que tinham para vender, a pergunta costumeira, que no interior
do Brasil se faz a todos que trazem consigo algumas mulas carregadas, pois os
brasileiros não podem bem imaginar que alguém pudesse viajar somente por vontade
de conhecer o país e, por isso, julgam encontrar um mascate, um vendedor ambulante,
em cada um que viaja da maneira citada. Durante a conversa que se seguiu entre
nossos viajantes e o estranho, ambas as partes logo perceberam que nenhum deles era
filho da terra e, por último, Lund descobriu, para sua grande surpresa, que ele tinha
em sua frente um seu conterrâneo†(REINHARDT, 1888, p.4).
Claussen os convidou a visitar sua fazenda Porteirinhas, a três léguas da cidade, aonde
criava gado e extraía salitre das cavernas. Lá chegando, Lund reconheceu no mesmo
instante a presença de uma coleção de fósseis, fato que mudaria para sempre o seu destino.
Junto com Claussen, Lund visitou algumas cavernas e constatou a presença de fósseis e o
vasto potencial científico que aquilo representava. Mas como não podia interromper a
expedição com Riedel, em 20 de outubro prosseguiram viagem.
Ao sair de Curvelo com destino a Ouro Preto, o grupo passou pelo Arraial de Santa
Luzia, onde deixou uma parte das suas coleções e se preparou para uma viagem às
montanhas que se erguiam diante deles. Nesse meio tempo, passaram por um lugarejo com
cerca de 60 casas situado às margens de uma das mais belas lagoas de toda a região, o
Arraial da Nossa Senhora de Saúde de Lagôa Santa. A impressão do lugar deve ter sido
marcante na memória do jovem naturalista, pois menos de um ano depois ali fixaria
residência pelo resto da vida. Depois de Lagoa Santa, entraram no Arraial de Sabará no dia
6 de novembro, ingressando assim no distrito aurífero das Minas Geraes. Nas vizinhanças
daquela cidade havia diversas minas, todas dirigidas por ingleses. Atravessaram um vale
estreito entre duas serras, no fundo do qual corria um riacho onde os negros retiravam e
lavavam o cascalho do rio a procura de pepitas. Por este caminho chegaram em Abaeté, de
onde partiram para o topo da Serra da Piedade. Ascenderam uma légua passando por
terreno parcialmente cultivado, atravessaram então um trecho de mata virgem e deram de
cara com uma rocha enorme nua de vegetação que se erguia abruptamente uns mil pés nas
alturas. Um tapete de arbustos que Lund identificou como parentes do mirtilo cobria todas
as depressões daquela massa rochosa, que era decorada por uma variedade de plantas

89

suculentas da família dos lírios, “cujas flores competiam umas com as outras em beleza e
esplendor†(LUND, H., 1885, p.60).121
“Permaneci mudo por um longo tempo aos pés da rocha em contemplação daquele
cenário natural novo para mim. Mas o tempo era precioso e nós tínhamos que iniciar
aquela difícil escalada. Ansioso para coletar todos os novos itens que apareciam
diante dos meus olhos, escalei arrastando minha mula pela rocha escorregadia acima,
onde um vento cortante assobiava e num piscar de olhos éramos envoltos numa
nuvem fria e úmida. Após algumas horas de árdua escalada, carregado de plantas,
lutando contra o vento que freqüentemente ameaçava me jogar no abismo, e puxando
sem parar o animal preguiçoso, finalmente atingi o topo num estado de quase
exaustão. O frio era penetrante e uma nuvem espessa envolvia tudo em um nevoeiro.
Em uma pequena capela, erguida pela providência, nós encontramos abrigo, e após
nos restabelecer com alguma bebida que havíamos trazido, saímos de novo e
escalamos a rocha para procurar seus ricos tesouros. A todo o momento eu retornava à
capela carregado de plantas, e em algumas horas transformamos sua entrada em uma
autêntica floricultura. De vez em quando o topo ficava livre das nuvens e nós
apreciávamos uma visão incomparável de toda a redondeza. Mas a nossa perseguidora
insistente, a chuva, não hesitava em aparecer e fazer-nos procurar refúgio no velho e
escuro claustro, aonde passamos uma noite desagradável, tremendo de frio e inquietos
com diversas circunstâncias estranhas, que nos deixaram apreensivos pelos nossos
animais assim como pela nossa própria segurança. Nos agradaria ficar mais um dia
para estudar este lugar interessante, mas a manhã seguinte trouxe apenas chuva e
neblina. Por esta causa decidimos retornar pela tortuosa trilha, que se mostrou muito
perigosa para os nossos animais. Finalmente, totalmente molhados e exaustos,
atingimos o ponto de partida. As duas caixas cheias de plantas e as mais de 50 novas
espécies que trouxemos desta viagem nos forneceram trabalho suficiente para vários
dias, estudando e dissecando†(LUND, H., 1885, p.60).122

121
122

Tradução nossa do dinamarquês.
Idem.

90

Em 27 de outubro eles cruzaram a serra que separa o rio São Francisco e o rio Doce e
entraram num vale que circunda o distrito aurífero de Minas Gerais. O diretor das minas, a
quem Lund entregou uma carta de recomendação, se ofereceu para mostrar-lhes as minas,
uma oferta que eles sabiam só era raramente dada. Sua permanência ali se estendeu, pois
Riedel caiu doente de cama por vários dias. Eles ficaram hospedados na mansão de uma
família, que convidou Lund para almoços e ceias luxuosos, nos quais seguia-se o rígido
cerimonial característico dos ingleses. Lund ficou impressionado com tamanha
hospitalidade, sendo aqueles os dias mais agradáveis de toda a viagem. Com o
restabelecimento de Riedel e a melhora do tempo, era hora de partir.
Naquele momento, Lund recebeu uma carta do seu irmão caçula, Henrik Ferdinand,
preocupado com a sua prolongada demora no Brasil, ao que respondeu:
“Tenha certeza de que somente a distância aumentou e de que nada se reduziu (em
mim) em relação (a vocês)123. Portanto, é apenas por obrigação pessoal que eu esboço
planos para uma permanência prolongada por aqui†(LUND, H., 1885, p.63).124
Na carta seguinte deste mesmo irmão, quando Lund já iniciava o trabalho nas
cavernas, Henrik Ferdinand lhe contou sobre a morte da sua jovem esposa Petrea
Kierkegaard (1801-1834), com quem havia se casado em 1828. Ao saber da notícia, Lund
lembrou do verão que passou na casa deles em Copenhagen e respondeu tentando confortar
ao irmão distante:
“Li a sua carta não conseguindo conter as lágrimas. Ela me deixou sem forças para
responder, mas apesar disso não resisto à necessidade de lhe contar sobre os meus
sentimentos. Uma mente devota é o maior tesouro que podemos ter neste mundo. E eu
aprendi que é mais fácil vencer em momentos de adversidade do que em tempos de
prosperidade†(LUND, H., 1885, p.63).125
Apesar da evidente saudade, o encantamento provocado pela natureza brasileira e a
oportunidade avistada no estudo dos fósseis falavam mais alto. Numa outra carta ao primo
123

Parênteses do tradutor.
Tradução nossa do dinamarquês.
125
Idem.
124

91

Peter Christian Kierkegaard, irmão de Petrea e que havia sido nomeado um ano antes pastor
de paróquia, ele acrescentou que:
“No sertão eu encontrei a paz e a ocasião perfeita para a mais profunda contemplação,
e trabalhei arduamente para construir a minha concha, a filosofia da vida prática, na
qual se busca abrigo e proteção contra as tempestades do mundo. Mas a falta de
notícias é penosa†(LUND, H., 1885, p.64).126

126

Idem.

92

Capítulo 5 - O trabalho nas cavernas

5.1 – Sai Riedel, entra Brandt
No caminho de Ouro Preto, Lund e Riedel passaram por diversos arraiais ao longo da
Serra do Caraça até chegar em 24 de novembro de 1834 a capital da Província de Minas
Gerais, o ponto final da expedição. Uma vez lá, Riedel desejava seguir imediatamente para
o Rio de Janeiro a fim de descansar junto a sua família, que não via há 13 meses, mas caiu
doente por várias semanas. Lund, por sua vez, sonhava voltar aos limites do cerrado para
voltar a pesquisar as “cavernas místicasâ€, como se referia a elas. Mas aproveitou a estadia
para escrever um estudo detalhado sobre a vegetação dos campos, intitulado “Observações
sobre a vegetação dos planaltos interiores do Brasil, em especial com relação à história das
plantas†(LUND, 1835), terminado em 8 de fevereiro e enviado desde a pequena Cachoeira
do Campo, atual distrito de Ouro Preto, a J. Reinhardt, a quem Lund pediu para que a
memória fosse apresentada em sessão da Sociedade Científica de Copenhagen, o que de
fato aconteceu em 10 de julho.
Nesta memória Lund detalha os três principais tipos de vegetação encontrados nos
campos, quais sejam a então já rara mata fechada ou catanduva;127 o cerrado com sua
vegetação arbustiva, seus troncos tortuosos e espinhentos; e os campos limpos
propriamente ditos. Este talvez seja o principal trabalho de Lund na área da Botânica, pois
em sua análise o naturalista descreve as três vegetações como fruto das queimadas feitas
pela ação humana. De acordo com Lund, as queimadas promovidas pelos portugueses
desde os tempos coloniais não seriam suficientes para explicar a diferença entre aquelas
vegetações. Segundo o autor, a diferenciação entre catanduva, cerrado e campo só poderia

127

Segundo Warming, a catanduva (“a matta virgem particular dos planaltosâ€) citada por Lund seria
originária do Estado de São Paulo (WARMING, 1980, p.106). Para Löfgren, “encontram-se estas mattas
principalmente no interior e fora dos cursos dos grandes rios. São os cerradões ou caatanduvas, como os
indígenas lhes denominam†(LÖFGREN, 1917, p.13). Para uma explicação mais aprofundada vide WALTER,
2006.

93

ser explicada se tivessem havido antes da chegada dos europeus incontáveis incêndios
promovidos pela população indígena.128
Lund enviou uma parte da coleção botânica reunida durante a viagem para De
Candolle, em Genebra. Outra parte seguiu para o Jardim Botânico de Copenhagen, assim
como para J. W. Hornemann.129 Riedel, por sua vez, despachou suas coleções para São
Petersburgo, comprometido que estava com o governo russo.130
Riedel precisou de seis semanas para se consvalescer. Nesse meio tempo, Lund
aproveitou para visitar algumas grutas no arredores de Cachoeira do Campo. Quando
Riedel por fim se restabeleceu, no início de fevereiro de 1835, partiu para o Rio, indo ao
encontro da sua família e de uma longa carreira como diretor do Jardim do Passeio Público,
o futuro Jardim Botânico do Rio de Janeiro – mas isso ele ainda não sabia. O alemão jamais
veria seu companheiro dinamarquês novamente, embora tenham trocado extensa
correspondência pelo resto da vida de Riedel.
A partida do amigo liberou Lund para perseguir seu destino. Deixou Ouro Preto em 9
de fevereiro com destino a Curvelo, decidido a estudar as cavernas de ossos. Ao longo do
caminho, cruzou as cidades de Congonhas, Sabará e, pela segunda vez, Lagoa Santa. Apeou
na fazenda Porteirinhas um mês depois, como recorda em carta ao irmão caçula Henrik
Ferdinand, de 21 de abril de 1835:
“Foi uma feliz coincidência o fato de que, justamente no local em que eu começo as
minhas pesquisas nas grutas, mora um fazendeiro, o Sr. Claussen, que tem uma
fazenda de criação de gado e uma casa construída em estilo europeu. Quando ele me
convidou para me hospedar em sua casa durante a fase de pesquisa, eu aceitei de bom

128

Com efeito, se esta constatação já era brilhante para a época em que foi feita, ela se reveste de grande
atualidade, uma vez que, passados 170 anos, a ação antropogênica na formação da vegetação brasileira é a
tese defendida com relação à floresta amazônica por arqueólogos como Eduardo Góes Neves, do Museu de
Arqueologia e Etnologia da USP, e Michael J. Heckenberger, do Departamento de Antropologia da
Universidade da Flórida (vide HECKENBERGER et al, 1999; HECKENBERGER, 2003;
HECKENBERGER et al, 2007; para uma visão opositora, vide BUSH et al., 2007).
129
Jens Wilken Hornemann (1770-1841), botânico dinamarquês, professor na Universidade de Copenhagen.
130
O restante da coleção de Lund seria dado 30 anos mais tarde ao jovem botânico Johannes Eugenius Bülow
Warming (1841-1924), que trabalhou como seu secretário entre 1863 e 1866. Warming usaria a coleção como
fonte de estudo para a sua obra Symbolae ad floram Brasiliae centralis cognoscendam (1867-93).

94

grado, e agora eu me encontro em uma situação que não poderia ser mais
agradávelâ€.131
Mas a tranqüilidade durou pouco, como informou ao mesmo irmão em 18 de agosto:
“Nas minhas viagens para pesquisar grutas, fui levado a uma fazenda, acho que já
havia mencionado esse fato em outra carta, cujo proprietário é um dinamarquês
chamado Claussen. A localização privilegiada de tal fazenda, próxima às mais
fantásticas grutas, fez com que eu aceitasse o convite para ali me hospedar até a
conclusão das pesquisas. Eu mal tinha acabado de me instalar na fazenda quando algo
aconteceu e perturbou a paz do meu trabalho: a chegada de uma pequena colônia de
dinamarqueses, composta de homens e mulheres, parentes de Claussen, que deveriam
participar da administração da fazenda. Sem ter onde me refugiar, tive que continuar
lá, muito a contragosto. Eu não tinha muita simpatia por Claussen e o que previa
aconteceu: os homens se desentenderam. Enquanto isso as mulheres, longe de tudo
que lembrava a terra natal e sem nenhum tipo de compensação para preencher tal
lacuna, por fim se desiludiram e gritavam que queriam voltar para casa. Mas, os
irmãos, egoístas por natureza e vendo suas expectativas frustradas, se negaram a
ajudá-las a esse respeito. Finalmente, consegui me livrar dessa rede de intrigas,
formada por tanta discórdia, e fui morar em uma cidadezinha perto dali. Mas ainda
assim não consegui retomar a paz desejada. As infelizes vítimas dessa egoísta
especulação recorreram a mim, em busca de proteção, então eu tive que providenciar
a viagem delas para o Rio, antes de prosseguir minha viagem. Todo esse episódio me
causou muito aborrecimento, além de representar um grande desperdício de tempo,
mas, em meio a tudo isso algo de bom aconteceu: eu conheci um pintor norueguês
que, por caminhos tortuosos, veio parar na fazenda e, desapontado com os
acontecimentos e sem perspectiva, só pensava em me acompanhar nas viagensâ€.132
Este homem de 46 anos era Peter Andreas Brandt, que havia anos antes abandonado a
família em Trondheim na Noruega para tentar a sorte na América, destino escolhido por

131
132

Tradução gentilmente cedida por Augusto Auler.
Idem.

95

outros 50 milhões de europeus no século XIX. O objetivo inicial de Brandt era seguir para
o Chile, mas acabou sem vintém e no Brasil, na fazenda Porteirinhas de Peter Claussen.133
Mesmo sem jamais conseguir falar bem o português, Brandt tinha um talento para o
desenho que se mostraria de inestimável ajuda para as memórias de Lund sobre as
cavernas. A partir deste dia, e até a sua morte, o destino de Brandt estaria ligado ao do
naturalista dinamarquês.

5.2 – Crônica de uma rivalidade
Lund não era um homem de repetir a mesma história. Na coleção de mais de mil
cartas armazenadas na Biblioteca Real de Copenhagen, percebe-se que ele não costumava
retomar com alguém um assunto já tratado nem tratar de assuntos específicos que não se
referiam diretamente àquele determinado destinatário. Assim, o irmão distante nunca
procurou detalhar a rotina do trabalho nas cavernas e das suas pesquisas científicas na
correspondência trocada com seus familiares. Do mesmo modo, o naturalista jamais
confessou nenhuma dificuldade financeira nas mensagens trocadas com seu orientador, o
Prof. J. Reinhardt. No caso deste último, a lembrança daquele primeiro desentendimento
com Claussen – haveria muitos outros – foi retomada em 20 de fevereiro de 1839:
“Quanto ao meu trabalho, pela primeira vez eu me queixo sobre um incidente
ocorrido, algo que me atingiu, ou melhor, que afetou o meu trabalho, tal incidente
tendo sido obra de um fazendeiro, um Sr. Claussen, sobre quem eu já tinha falado em
outra carta. Eu me hospedei em sua fazenda quando iniciei o trabalho de pesquisa nas
primeiras grutas. Como você sabe, foi através dele que encontrei as primeiras ossadas.
Mas, por motivos bem fundados, resolvi me afastar dele, embora naquela época ele
não tivesse feito nada comigo. Há um ano e meio estive em uma gruta em Sete
Lagoas, onde descobri ossadas de Megalonyx cuvieri;134 eu não dispunha de meio de
transporte suficiente, por isso só deixei que escavassem o que podia carregar, com a
intenção de voltar assim que surgisse uma oportunidade, para pegar o resto. Por uma
133
134

A primeira biografia de Brandt foi recentemente publicada na Dinamarca (vide HOLTEN et al, 2003).
Megalonyx, uma das diversas espécies extintas de preguiça terrícola.

96

incrível coincidência, fui obrigado a demitir por causa de mau comportamento um
inglês que até então tinha me acompanhado, mas ele permaneceu ali naquela área e
acabou indo parar na casa do Sr. Claussen, tendo lhe contado sobre a descoberta;
Além disso, o Sr. Claussen tinha acabado de vender a fazenda, estava saindo de
Curvello e passou exatamente pelo local onde ficava a gruta mencionada acima. Ao
fingir para o proprietário da gruta que tinha sido mandado por mim, conseguiu
permissão para levar o resto da ossada, tendo enviado tal ossada para o Rio. Assim
que tomei conhecimento disso, escrevi ao meu correspondente no Rio e pedi que ele
tratasse desse assunto com o Sr. Claussen. Ele tentou encontrá-lo várias vezes e
quando finalmente conseguiu, era tarde demais: a ossada tinha sido vendida para um
francês, Sr. Guillemin,135 que se encontrava no Rio de Janeiro. Ele tinha oferecido
uma quantia correspondente a 250 rigsdaler. Essa foi a primeira interferência no
monopólio que eu tinha a felicidade de possuir. Isso me preocupou muito, não só pela
perda que representava para mim, mas também pelas conseqüências que teria,
inevitavelmente, no futuroâ€.136
Uma nova carta a J. Reinhardt de 13 de maio de 1840 traz mais informações sobre o
acirramento do ânimo de Lund com relação ao seu compatriota:
“Como você deve se lembrar, nas cartas mais antigas eu mencionei que o encontrei na
cidade de Curvello, próxima ao local onde se situava a fazenda dele. Eu e o Sr. Riedel
tínhamos sido convidados a permanecer alguns dias em sua fazenda, após nossa
penosa viagem pelo sertão. Foi aqui que eu vi os primeiros ossos de fósseis e para
onde resolvi voltar, depois de concluir a viagem com o Sr. Riedel. Logo depois do
meu retorno, pesquisei com ele a gruta de Maquiné, e o fato dele ter demonstrado
grande entusiasmo e interesse por esse tipo de pesquisa me levou a aceitar sua
sugestão de fazermos juntos outras viagens com tal fim. Mas acabei ficando muito
pouco tempo na casa dele. O desentendimento entre ele e seus familiares, que tinham
vindo da Dinamarca, me desanimou de tal forma que falei para ele que iria deixar a
fazenda. Eu me mudei para Curvello, ali perto. As cenas que tinha presenciado na
135
136

Antoine Guillemin (1796-1842).
Tradução gentilmente cedida por Augusto Auler.

97

fazenda acabaram por me revelar traços em seu caráter que me desagradaram. Eu me
preparei para retomar as viagens e quando ele me procurou para me lembrar que
tínhamos combinado de viajar juntos. Eu disse, sem rodeios, que não tinha nada
contra ele, mas que as atitudes dele em relação à família me revelaram um lado dele
que me fez entender que nós tínhamos uma diferença tão grande de caráter e de
princípios que não daria certo viajarmos juntos. Isso o deixou furioso e, como
conseqüência, ele me tentou prejudicar em várias ocasiões. Um prova disso foi o
mencionado roubo nas grutas de Sete Lagoas. Ele levou das grutas o resto de dois
esqueletos de Platyonyx cuvieri e owenii, 137 dos quais eu tinha levado uma parte, e,
juntamente com algumas ossadas pequenas, os vendeu para Guillemin, um botânico
francês que se encontrava no Rio (a mando do governo francês, para levar plantas de
chá daqui para a Argélia); tal material foi enviado para o museu em Paris. Claussen
recebeu 3.000 francos e foi nomeado correspondente do museu. O sucesso dessa
primeira tentativa o encheu de entusiasmo e eu previ que ele seria um perigoso
concorrente. Mas o que mais me fez mal é que ele queria tratar o caso como
especulação, o que afetaria, por um lado, a ciência, já que se tratava de uma escavação
feita por um especialista, para evitar as inevitáveis trocas e enganos em relação à
idade das ossadas e, por outro lado, a Dinamarca, que perderia os tesouros que seriam,
com muito orgulho, enviados por mim. Ele prontamente reiniciou as viagens, veio a
Lagoa Santa e me fez uma visita. Tendo em mente o grande prejuízo que sofri por ter
evitado o contato com ele, achei por bem colocar uma pedra sobre o que tinha
acontecido. Embora desejasse cortar a ligação com ele, preferi fazer um sacrifício em
nome da ciência. Então eu o recebi sem reservas, mostrei-lhe o que tinha recolhido e o
informei sobre minhas descobertas. E também dei a ele as instruções necessárias para
encontrar cada uma das várias grutas onde eu tinha estado, declarando em qual delas
eu tinha encontrado, ou não, ossadas, fazendo apenas a ressalva de que eu deveria ter
o direito de negociação do material que ele poderia vir a encontrar nessas grutas.
Como eu tinha encerrado minhas pesquisas nessas grutas e não tencionava visitá-las
novamente, a vantagem é que ele poderia fazer uma nova pesquisa em tais grutas uma
vez que eu, devido ao acordo feito com ele, tinha garantido o direito de negociação de
137

Lund descreveu o Platyonyx Lund nos Annales des Sciences Naturelles, Paris, v.13, p.316, 1840.

98

todo o material que fosse encontrado. A única coisa que me deixava um tanto
apreensivo é que existia por aqui uma gruta onde eu ainda não havia estado, ou onde
eu ouvi falar que existiam ossadas. Mas eu calculava que ele não sairia à procura de
tal gruta. Depois de ter pesquisado, em vão, as grutas que eu tinha mencionado, ele se
esforçou ao máximo para fazer novas descobertas e, como eu temia, saiu em busca
daquela gruta onde eu não havia estado. Todo esse esforço foi recompensado com
algumas pequenas descobertas que foram colocadas à minha disposição. Todo o
material encontrado cabia em uma caixa de alguns centímetros cúbicos, mas dentre tal
material havia restos de quatro novas espécies, como um dente de Megatherium
(tabela 74) e um crânio de um Mephitis (tabela 73), uma mandíbula de um Cebus
(tabela 72) e um pedaço do osso ilíaco de uma pequena espécie de Jacchus. Em troca,
dei a ele uma quantidade bem maior de restos de fósseis da minha coleção, dos quais
eu tinha duplicata, e ele ficou satisfeito com a troca. Então nós manifestamos um
desejo mútuo de, a partir daquele momento, não prejudicar o trabalho um do outro, e
sim unir nossos esforços para que os dois pudessem ser beneficiados.†138
Sobre o mesmo assunto, Lund escreveu ao Henrik Ferdinand em 7 de maio de 1840:
“Talvez você se lembre que, nas cartas mais antigas, eu mencionei um fazendeiro
chamado Claussen. Como ele pretende viajar para a Europa e é provável que inclua a
Dinamarca no roteiro, e, nesse caso, certamente entraria em contato com você e
Christian, é importante que lhe conte algo sobre essa pessoa. Eu tive muito contato
com ele aqui e, embora ele não tivesse feito nada diretamente contra mim, eu não o
considerava uma pessoa de bom caráter, por isso me afastei dele. Ele ficou com raiva
e tentou me prejudicar de várias maneiras. Quando esteve aqui e me fez uma visita,
intui que seria melhor esquecer o que passou, ou seja, que seria melhor ficar em bons
termos com ele. Ele é muito talentoso e com a garra que tem, com as atividades que
promove em relação ao trabalho, poderia prestar uma grande ajuda, mas, como já
disse, na minha opinião ele não é uma pessoa de bom caráter. Por isso, não quero me

138

Tradução gentilmente cedida por Augusto Auler.

99

envolver muito com ele, mas também não quero romper definitivamente a ligação.â€
139

Como Claussen prosseguiu na sua caça sistemática por traféus fósseis para venda, as
relações entre os dois deterioraram definitivamente. Ao saber do embarque do rival para a
Inglaterra em 1840, levando consigo uma grande coleção de fósseis,140 Lund tratou de
advertir o irmão mais velho, Johan Christian, em carta de 21 de agosto de 1840.
“Há pouco tempo chegou a Antuérpia, proveniente do Rio, um fazendeiro, Claussen,
acho que já escrevi sobre ele nas cartas mais antigas. Como ele talvez vá a Dinamarca
e pense em procurar você ou o Ferdinand, é bom que vocês saibam que tipo de pessoa
ele é. Eu o conheci, coincidentemente, no interior e me hospedei por um curto período
na fazenda que, naquele época, era propriedade dele. Nesse período eu pude conhecer
um lado não muito agradável de sua personalidade. Ao mesmo tempo ouvi, em
viagens que fiz à capital do Estado, vários relatos negativos a seu respeito. Quando
voltei, então, para a fazenda dele, lá encontrei algumas pessoas de sua família e
observei, no modo como tratava tais parentes, algo que muito me desagradou. Por isso
achei que seria conveniente me afastar dele. Ele ficou furioso com minha reação e, daí
em diante, tentou me prejudicar em várias ocasiões, algumas vezes com êxito, por
exemplo, uma vez em que seguiu meus passos e levou uma parte considerável de
ossadas que eu tinha reservado, por não poder transportá-las no dia em que as
descobri. Tais ossadas foram por ele levadas ao Rio de Janeiro e, em seguida,
vendidas para um museu em Paris por 3.000 francos. Como percebi que era perigoso
tê-lo como inimigo, resolvi colocar uma pedra sobre o que tinha acontecido quando
soube que ele queria me procurar. Então, quando ele, passado algum tempo, veio me
procurar, eu o recebi sem reservas. Enfim, esse é um resumo da minha relação com
ele, o que é bom você saber, uma vez que ele é uma pessoa extremamente ardilosa e,
portanto, cheio de “planosâ€. Eu pressinto que ele, para atingir seus objetivos, tire

139
140

Idem.
Inteiramente adquirida pelo Museu Britânico entre 1841 (DARWIN, 1988, p.195).

100

proveito desse bom entendimento que agora estamos tendo novamente para forjar
uma intimidade, ou ligação, entre nós, e depois poder me enganar.†141
Em 1843, Claussen retornou ao Brasil. Veio com equipamentos, instrumentos e
recursos para retomar e ampliar sua busca por fósseis, ao que Lund reagiu em carta a J.
Reinhardt, de 16 de Novembro de 1843:
“Apesar da pausa de 10 meses (...) devo me justificar por esta espera através de uma
carta longa e detalhada para preencher esta lacuna. (...) Este período de silêncio foi
utilizado em viagens e escavações nas cavernas, nas quais eu tive minha coleta mais
importante, de um lado por ter coletado tudo que havia sido deixado do ano passado
quando a revolução me deixou perturbado, e por outro lado por ter salvado tudo o que
pude de ser pilhado pelo notório Claussen, que voltou trazendo a bordo uma enorme
bagagem, que teve que transportar por quase toda a Europa†(LUND, 16/11/1843). 142
No ano seguinte, em carta enviada a J. Reinhardt em 26 de abril, Lund conta como
evitou o contato com uma expedição francesa unicamente porque Claussen já havia feito
contato com ela, mostrando um desejo de isolamento que com o tempo só iria se
acentuar.143
“O freqüentemente mencionado e notório ex-colega Claussen (que agora se passa por
francês144) partiu uma vez mais para a Europa com a sua coleção per faz + nefas.145
Só Deus sabe quantas insolências e falsidades impertinentes ele irá espalhar desta vez,
e quanta bobagem irá contar para o seu próprio benefício. O senhor provavelmente

141

Tradução gentilmente cedida por Augusto Auler.
Idem.
143
Como quando se recusou a receber o cônsul da Grã-Bretanha, tradutor das Mil e uma Noites e aventureiro
inglês Richard Francis Burton (1821-1890), deixando-o plantado por horas na salinha de sua casa em Lagoa
Santa, em 1867:
“Quando chegamos, mandamos nossos cartões ao Dr. Lund, o ilustre dinamarquês, o eremita da
ciência, que tem passado uma parte da vida nas grutas de Minas Gerais. Eu estava interessadíssimo em
indagar-lhe a respeito do “homem fóssil†ou do “homem sub-fóssilâ€, em oposição ao homem
“primevo†ou “pré-históricoâ€. A expressão fora, prematuramente, considerado como uma improbidade,
uma vez que uma coisa assim designada era, de todas as coisas, a mais procurada, a mais desejada, mas
talvez a menos provável de ser encontrada†(vide BURTON, 1977).
144
Literalmente, se veste com as cores francesas.
145
Locução latina que significa literalmente “com meios lícitos e ilícitosâ€.
142

101

lerá no anuário de Leonhard e Bronn146 uma reclamação que eu me senti compelido a
enviar por causa de algumas sem-vergonhices dele que foram longe demais, sobre as
quais não se pode ficar calado. Na verdade eu espero o mesmo desta vez, mas tenho a
esperança de abrir os olhos do público europeu com relação a esta multidão de
aventureiros que, desde o Brasil amoral, procuram alçar seu nome acima de todos os
outros.â€
“Uma grande expedição científica francesa sob o comando do Conde de Castelnau147
passou recentemente aqui perto. O conde expressou desde o Rio uma grande
propensão de me visitar e ver minhas coleções, enquanto ao mesmo tempo fui
informado por todo o mundo que o sujeito mencionado148 apresentou-se à expedição e
a acompanhou até a última estação perto daqui, fazendo assim com que o que seria a
visita bem-vinda da expedição se tornasse uma recepção gélida. Por medo de que
muitas coisas que possam desmascará-lo venham à luz, e que muito possa ser lançado
contra a rede da qual ele faz parte no museu em Paris. Ele semeou intrigas por tanto
tempo que teve sucesso em convencer o conde a mudar de idéia em relação à sua
decisão de me visitar. Por tudo isso, afirmo que toda esta expedição está destinada a
ser uma completa confusão, uma verdadeira paródia de uma expedição científicaâ€
(LUND, 26/04/1844). 149
Ainda em 1845, mesmo após ter concluído o trabalho nas cavernas e estar se
preparando para enviar os últimos baús com suas coleções para a Dinamarca, Lund ainda
tinha tempo de se preocupar com os passos e infortúnios do rival:
“Os membros da mal afamada expedição Claussen, que explorou a região nos últimos
dois anos, reuniram-se novamente perto daqui, tornando a vizinhança insegura. No
ano passado os seus esforços foram infrutíferos, pois apesar de todas as suas buscas
não tiveram a sorte de encontrar nenhuma caverna de ossos. Contudo o destino pode
146

O geólogo Karl C. von Leonhard e o zoólogo Heinrich G. Bronn, da Universidade de Heildelberg,
publicavam o anuário Neues Jahrbuch für Mineralogie, Geologie und Paläontologie.
147
François Louis de la Porte, Conde de Castelnau (1810–1880), naturalista francês, explorou a América do
Sul, publicando Expédition dans les parties centrales de l’Amérique du Sud, de Rio de Janeiro à Lima, et de
Lima au Para: exécutée par ordre du gouvernement Français pendant les années 1843 à 1847. Paris: P.
Bertrand, 1850-1857.
148
Uma referência a Claussen.
149
Tradução nossa do dinamarquês.

102

favorecê-los. Eu temo muito pelas minas que descobri, que podem ser facilmente
reveladas através da indiscrição de um ou outro dos meus empregados demitidosâ€
(LUND, 10/01/1845). 150
Entre a correspondência de Lund na Biblioteca Real de Copenhagen, existem cópias
de seis cartas enviadas a Claussen entre 1840 e 1846. Nenhuma delas jamais foi traduzida,
tarefa da qual pretendo me incumbir proximamente, para tentar compreender melhor o
relacionamento entre os dois. De qualquer forma, para o bem ou para o mal, a figura de
Peter Claussen foi decisiva para a vida de Peter Lund, assim como observou anos mais
tarde J. T. Reinhardt:
“De semelhantes coincidências depende com freqüência também a solução científica
de problemas imensos e importantes. Se Claussen não tivesse por coincidência
cavalgado até Curvelo precisamente naquele dia, e se ele por acaso não tivesse
entabulado conversa com os nossos viajantes, eles teriam seguido viagem após alguns
dias de descanso ao invés de acompanhá-lo num passeio até as ricas cavernas da
região, fazendo com que a carreira científica de Lund seguisse outro rumoâ€
(DEGERBØL, 1945, p.113).151

5.3 – O trabalho em Maquiné
Lund e seu novo companheiro de viagem mudaram-se para Curvelo, sua base de
operações para a incursão às diversas cavernas da região.152 Archote na mão, eles
exploraram a Lapa do Saco Comprido, que fica numa fazenda de mesmo nome uma légua a
nordeste de Curvelo, e a Lapa do Mosquito, em fazenda homônima próxima do rio Picão.
Outras grutas visitadas foram a Lapa do Gentio (ou Gentios) em Curvelo, a Lapa de Capim

150

Idem.
Idem.
152
A lista de cavernas visitadas por Lund entre 1835 e 1843 está em “Aperçu des voyages de cavernes de Mr.
Lund et des cavernes principales qu’il y a visitées, extraits pour la plupart de son journalâ€, 1882. Arquivo
Histórico do Museu Imperial, Petrópolis. Para a localização das grutas e informações sobre seu mapeamento
feito por Brandt, vide RUBBIOLI et AULER, 2002, p.19.
151

103

Branco,153 a Lapa da Onça e o abrigo Lagoa da Pedra.154 Entretanto, nenhuma chamou
tanto a atenção do estudioso dinamarquês quanto a Lapa Velha do Maquiné e,
principalmente, a Lapa Nova de Maquiné. Situadas 3 a 4 léguas ao sul de Curvelo, estas
grutas ficavam na fazenda Maquiné de cima.155 Desde que penetrou pela primeira vez na
Gruta de Maquiné, ficou claro que a colheita de espécimes seria a mais proveitosa de todas.
O trabalho acabou consumindo as atenções e os esforços de Lund e Brandt, que gastaram
três meses estudando e escavando suas diversas câmaras e galerias. Lápis e papel na mão,
Brandt ia mapeando a caverna e anotando em seu caderninho com a ajuda de uma bússola
ângulos, distâncias e pontos de referência (vide BRANDT, s/data). O resultado de todo este
trabalho surgiu em agosto de 1835, quando Lund acabou de escrever a sua primeira
memória sobre as cavernas: Om Huler i Kalksten i det indre Brasilien, som tildels
indeholde fossile Knogler (LUND, 1835), ou Cavernas Existentes no Calcário do Interior
do Brasil, contendo algumas delas ossadas fósseis (LUND, 1950, p.67-93), onde escreve:
“Duvido que a formação de estalagtites tenha, em qualquer outra caverna conhecida,
produzido combinações tão admiravelmente belas como as que são encontradas nesta
parte da Gruta do Maquiné. Pelo menos as cavernas que visitei na Alemanha lhe são
muito inferiores a este respeito, e, a julgar das belezas das outras, pelas descrições que
li, nenhuma pode ser, absolutamente, comparada com a de que falo. (...) Ao fundo e à
direita há uma passagem que abre para outro compartimento, onde parece se terem
reunido todos os esplendores que a formação das estalactites pode produzir. As obras
artísticas do mais alto gôsto, a mais rica arquitetura são ali reproduzidas, e posso
mesmo dizer que a arte humana é excedida por estas formações caprichosas da
fantasia da natureza. Aqui, um belo templo surpreende a nossa vista; ali, levanta-se
um altar; mais longe, ergue-se uma coluna colossal de uma ordem nova e de delicado
gôsto; além, vê-se uma cascata cujo límpido veio se condensou em brilhante
alabastro. (...) Os esplêndidos reflexos produzidos pela luz, ferindo as inúmeras
facêtas destes cristais, deslumbram a vista, de modo que o homem se julga
153

Na atual Corinto (MG).
Ambas na atual Cordisburgo (MG).
155
O nome das grutas deve-se ao seu descobridor, o português Joaquim Maria de Maquiné, que as encontrou
em 1825. Elas pertencem ao município de Cordisburgo (MG), fundado com o nome de Vista Alegre em 1883,
portanto meio século após os trabalhos de Lund. Lapa Nova de Maquiné é o antigo nome da Gruta de
Maquiné, como esta será referida daqui por diante.
154

104

transportado a um palácio de fadas. A mais rica imaginação poética não saberia criar
tão esplêndida morada para sêres maravilhosos; diante dessa notável gruta, ela seria
forçada a confessar a sua impotência. Meus companheiros permaneceram durante
muito tempo mudos à entrada deste templo; depois, involuntàriamente, se ajoelharam
e, persignando-se, exclamaram, diversas vêzes: “Milagre! Deus é grande!†Foi-me
impossível dissuadi-los da idéia de que este templo devia servir de morada a Nosso
Senhor. Quanto a mim, confesso que nunca meus olhos viram nada de mais belo e
magnífico nos domínios da natureza e da arte†(LUND, 1950, p.74-75).
Naquela época Lund ainda era discípulo leal do Barão Cuvier. Suas posições
mudariam ao longo dos anos seguintes, mas como fica claro nesta primeira memória, quem
escreve é um catastrofista convicto, que decidiu pesquisar as cavernas brasileiras para
encontrar subsídios que pudessem comprovar a teoria de seu mestre. Ao descrever a
geologia da Lapa Nova de Maquiné, é isso que se depreende:
“Já fizemos notar que muitas cavidades em forma de bacia, existentes no solo,
apresentam vestígios que indicam que o nível da água foi outrora muito mais elevado
que atualmente. A primeira explicação que ocorre para este fato, é que a água que
enchia a caverna, durante a catástrofe em que a terra com ossadas foi ali introduzida e
depositada, teria ficado, em parte, em todas as cavidades do solo. (...) A conformidade
perfeita que existe, até nos menores detalhes, entre estes depósitos e os que têm sido
observados na Inglaterra e na Alemanha, quanto ao seu aspecto, sua composição, seu
conteúdo e sua jazida, não deixa, absolutamente, a mínima dúvida quanto à identidade
de sua origem. (...) Tendo sido a origem destes depósitos explicada de modo
satisfatório pelos estudos de muitos zoólogos e geognostas, supondo-se que eles
provêm de uma inundação geral que se teria espalhado por toda a superfície da Terra,
e acreditando que se pode sem receio conservar-lhe o nome de Diluvium, proposto por
Buckland156 - apesar da identificação hipotética deste acontecimento com o dilúvio
mosaico, a que poderia dar lugar semelhante denominação, como realmente sucedeu –
não hesitarei em servir-me dele, doravante; e, sem tentar fornecer novas provas deste
156

Pastor anglicano e professor de Geologia em Oxford, William Buckland (1784-1856) estudou a fauna
pleistocênica extinta de diversas cavernas européias e associou sua extinção em massa a um cataclisma
universal, que assumiu ser o dilúvio bíblico (BUCKLAND, 1823, p.170-177).

105

fato, que considero suficientemente demonstrado, vou examinar mais de perto
diversas circunstâncias que poderão servir para esclarecer este grande acontecimento,
em geral, e explicar muitos fenômenos que foram particularmente observados nesta
caverna (...) Quando a água fez irrupção na caverna, arrastando a terra, a argila, tendo
o mesmo pêso específico, ficou misturada com esta terra (...) e foi arrastada até o
fundo da gruta. Este fenômeno mostra claramente a direção da corrente que fêz
irrupção, porém um outro, que vou examinar mais de perto, serve, não só para
confirmar a sua existência, mas ainda fornece uma prova da violência extraordinária
das águas do diluvium ao penetrarem na caverna. (...) Esse amontoado dos fragmentos
de calcário, (...) só se pode explicar supondo uma corrente violenta, que penetrando
pela abertura da gruta, os tivesse arrastado até o seu lugar atual. Talvez considerem
esta opinião muito ousada, porque ela nos obrigaria, em vista da enorme grandeza de
alguns dêsses blocos, a admitir, no movimento da água, uma violência que não
acharia analogia na ordem natural da natureza, mas espero que as circunstâncias sôbre
as quais vou agora chamar a atenção do leitor o reconciliarão com esta opinião,
transformando-a talvez mesmo em certeza†(LUND, 1950, p.78-82).
Uma vez encontrada a tão procurada evidência do dilúvio, ou melhor, da última
revolução do globo terrestre como definida por Cuvier no seu Discours sur les Révolutions
de la Surface du Globe (1825), “não tentei fornecer novas provas deste fato, que considero
suficientemente demonstrado.†Lund considerava diluvium um fato consumado – crença
que de forma alguma o desabona, pois como vimos anteriormente o catastrofismo era a
teoria vigente da época e seu autor, o mais influente naturalista da primeira metade do
século XIX.
Apontada a catástrofe, o passo seguinte do naturalista era estudar os fósseis
encontrados na Gruta de Maquiné, de modo a provar que todos pertenciam a espécies que
se extinguiram quando daquela derradeira revolução na superfície terrestre. Lê-se na
memória que:
“Tive ocasião de dizer acima algumas palavras sobre o estado de conservação das
ossadas contidas na camada do diluvium. Mostrei que elas se achavam num estado de
frescura extraordinária, quando foram envoltas no resíduo de diluvium, e que o

106

período decorrido entre este acontecimento e o revestimento por uma crosta de
estalagmite deve ter sido muito curto. Porém, quanto mais frescos eles se achavam
durante o período cuja história vão servir para explicar, tanto mais importante se
tornam os sinais de lesões violentas, que em parte apresentam. É verdade que o maior
número desses ossos se acha em perfeito estado de conservação, mas outra parte, que
não é de todo insignificante, apresenta-se quebrada e esmagada de diversos modos.
(...) Compreende-se facilmente que não se poderia aplicar a este caso a hipótese que
se empregou em muitas cavernas, na Alemanha e na Inglaterra, atribuindo-as aos
dentes de animais ferozes. Em primeiro lugar, não se encontra na caverna traços de
feras, e, depois, as lesões são de tal natureza, que não é possível explicá-las por este
modo. O que refuta, porém, completamente esta opinião é que os destroços de ossos
jazem ainda, na massa que os envolve, em sua posição relativa natural, o que prova
que foram esmagados na ocasião em que a camada de terra os envolveu. Somos, pois,
obrigados a supor que os sinais de violência exterior citados procederam da pressão
exercida por massas de considerável peso sobre as ossadas, durante o período em que
elas foram envoltas na camada de terra; mas, não contendo a caverna massas
destacadas que pudessem produzir tais efeitos, a não ser os grandes blocos de calcário
que descrevemos, somos forçados a considerá-los como causa das lesões dos ossos,
no transporte dessas massas. (...) As espécies animais a que pertence a maior parte das
ossadas da primeira divisão são: uma espécie de Antílope do tamanho de um grande
bode e uma espécie de Megatherium do porte do tapir. Reservo a descrição detalhada
dessas duas espécies para outra ocasião, examinando agora unicamente as
circunstâncias em que essas ossadas são encontradas. (...) As ossadas de Antílope
acham-se dispersas sobre o solo da caverna, em diversas câmaras. (...) Julgo supérfluo
procurar provas ulteriores para verificar que essas ossadas provêm de uma espécie de
animal extinta, mas que viveu, na época que precedeu o diluvium, nas paragens em
que são hoje encontrados os seus restos. (...) Os animais pereceram nas águas
diluvianas que cobriam os arredores e foram arrastados para a caverna no estado de
cadáver? Julgo não ser provável esta opinião. (...) Parece-me, pois, mais verossímil
supor que as ossadas provêm de um bando de animais que, fugindo da inundação,
teria procurado abrigo na primeira sala da gruta, que é iluminada pela luz exterior; ali

107

fôra vítima da violenta catástrofe, e seus corpos, arrastados para as câmaras
interiores†(LUND, 1950, p.83-86).
Novamente salta aos olhos a quantidade de certezas, não de dúvidas, na mente do
naturalista. Apesar de observar que o maior número dos ossos se achava em perfeito estado
de conservação, Lund fez da exceção, os ossos fraturados e esmagados, a regra. Mais além,
pelo fato dos ossos se encontrarem no pretenso extrato diluviano, ele julgou “supérfluo
procurar provas ulteriores para verificar que essas ossadas provêm de uma espécie de
animal extinta,†chegando mesmo a descrevê-la em 1837 como Antilope maquinensis
(LUND, 1950, p.155), quando se sabe que o antílope “fóssil†citado é o veado-mateiro
(Mazama simplicicornis). Por outro lado, ao citar ossadas encontradas acima do extrato
diluviano, Lund não teve nenhuma dificuldade em identificá-las como “ossadas e chifres de
uma espécie de veado, que, a julgar pela cor dos cornos, presumo, até comparação ulterior,
ser o veado das florestas virgens (Cervus rufus Ill.,157 veado-mateiro do Brasil)†e pacas
(Coelogenys paca).
Não resta dúvida que naquele momento Lund era um fiel escudeiro do paradigma
reinante. Sua crença ainda era cega. Mas, como veremos, isso iria mudar, gradativamente,
ao longo de oito anos ininterruptos de trabalho nas cavernas, para a sua surpresa e inicial
desconforto, na medida que fossem se acumulando as evidências sobre a completa ausência
de traços diferenciadores entre as espécies viventes, como pacas, raposas e lebres, e as
“fósseis†retiradas das grutas. O nome A. maquinensis, por exemplo, foi sustentado em
todas as memórias e comunicações publicadas entre 1835 e 1841 (LUND, 1850, p.83-86,
p.155, p.248, p.258, p.290, p.301, p.308, p.372). Mas, como o autor confessou em 1844:
“Quero dizer aqui que em minhas viagens posteriores, não encontrei mais vestígios de
espécie que estabelecera anteriormente, Antilope maquinensis, e que comparações
posteriores mais completas e detalhadas despertaram dúvidas sobre a exatidão
daquela definição. Nada deveria parecer mais fácil do que distinguir um crânio de
Antílope de um crânio de Veado, quando munidos dos respectivos chifres. (...) No
Antílope, estes são constituídos, como no gado, de uma estrutura óssea interna fixa,
que não cai, unida ao crânio por crescimento e revestida de uma bainha córnea, sendo
157

Cervus simplicicornis Illiger 1811, substituído por Mazama simplicicornis (Illiger).

108

os chifres sempre simples, sem ramificação. No veado, porém, os chifres são, como se
sabe, ramificados, sem revestimento, dotados em sua base de uma protuberância
muito saliente, sendo substituídos periodicamente. (...) Ainda assim um chifre de
veado, embora sem galhos e destituído da intumescência da base, é facilmente
distinguível do chifre de Antílope, devido à constituição da superfície, mas quando
esta se acha oculta do observador por uma cobertura estalagmítica, perde-se toda a
possibilidade de uma classificação segura, baseada em tais órgãos. (...) Outro ponto de
diferenciação, assinalado pela primeira vez por Cuvier, que lhe atribui grande
importância, é a estrutura dos dentes. (...) Tal saliência falta nos molares dos crânios
das cavernas de Maquiné, cujos chifres apresentam, por suas formas, (...) todos os
característicos de chifres de Antílope. (...) Vi-me assim obrigado a classificá-los neste
gênero, de acordo com os dados de que dispunha até então a ciência. Há pouco tempo,
consegui um crânio com incrustação semelhante e chifres da mesma forma, mas, para
minha surpresa, os molares apresentavam os característicos do gênero dos cervídeos.
(...) Tal circunstância levou a repassar detalhadamente todo o rico material de
cervídeos que nesse ínterim juntara. Uma comparação do sistema dentário de mais de
100 indivíduos conduziu-me à inesperada conclusão de que o característico apontado
por Cuvier é completamente inadaptável a este gênero como elemento de
discriminação, visto que a saliência em questão não somente aparece em grau de
evolução muito diferente nos diversos indivíduos, até mesmo em forma
completamente rudimentar, como chega às vezes a faltar por completo, o que revela
que tais diferenças são estritamente individuais, pelo menos independentes da idade.
É fato que não tenho em mãos o crânio da Lapa de Maquiné, no qual se baseia a
definição do Antilope maquinensis, mas, após as citadas pesquisas, não duvido de que
pertença a um espécime do gênero dos cervos, ao qual casualmente faltam os
característicos que os distinguem dos veados e que dizem respeito aos dentes e aos
chifres. Não duvido também de que muitos antílopes cujos restos procedem das mais
recentes formações terciárias da Europa, classificados apenas pelos dentes, venham,
com o correr do tempo, a se revelarem nas mesmas condições†(LUND, 1850, p.524525).

109

No decurso do trabalho nas cavernas, Lund abandonou seu paradigma. A teoria de
Cuvier mostrou-se completamente inadaptável às circunstâncias. Um animal antediluviano
do qual “era supérfluo procurar provas†de que se tratava de um ser extinto, se mostrou
uma espécie vivente graças ao exaustivo exame comparativo de uma centena de espécimes.
E não havia mais dúvidas de que o mesmo ocorria nas formações terciárias do resto do
Velho Mundo.
Como veremos mais a frente, o fim do ideário catastrofista se deu com o achado das
ossadas humanas no fundo da Lapa do Sumidouro, no inverno de 1840. O ponto de inflexão
se estabeleceu com a contemporaneidade do ser humano e da megafauna pleistocênica nas
Américas.
Sobre a gruta de Maquiné, resta observar ainda que, logo após o término do trabalho
de Lund, o proprietário das terras onde fica a gruta resolveu murar a sua entrada, com medo
de que alguém viesse roubar os “tesouros†que ela escondia. Com o tempo, a vegetação
cresceu e a entrada da gruta foi esquecida. Foram necessários 30 anos para que ela fosse
reencontrada. A primeira tentativa aconteceu em 1868, quando o fotógrafo Augusto Riedel,
filho de Ludwig Riedel, seguindo orientações escritas por Lund tentou sem sucesso
encontrar a boca da caverna. Quem reencontrou a gruta foi o capitão E. J. Gonzaga, que era
um garoto de 15 anos e vivia numa fazenda próxima no tempo em que Lund pesquisou a
Maquiné (REINHARDT, 1882, p.78).

5.4 – A estrada para Lagoa Santa
Em 2 de setembro de 1835, Lund e Brandt deixaram Curvelo. Visitaram uma vez
mais as lapas do Saco Comprido e do Mosquito antes de seguir na direção nordeste até o
arraial de Papagaios. 158 Pelo caminho, conheceram a Lapa Grande, a Lapa da Boca Estreita
ou da Boca Apertada, a Lapa das Três Bocas, a Lapa do Labirinto, 159 a Lapa Velha de

158

“Aperçu des voyages de cavernes de Mr. Lund et des cavernes principales qu’il y a visitées, extraits pour
la plupart de son journalâ€, 1882. Arquivo Histórico do Museu Imperial, Petrópolis. Para a localização das
grutas e informações sobre seu mapeamento topográfico feito por Brandt, vide RUBBIOLI et AULER, 2002,
p.19.
159
Estas três grutas ficam em Corinto (MG).

110

Mocambo, a Lapa de Santo Antonio e a Lapa do Olho d’Ãgua.160 De Papagaios, os
viajantes seguiram para o vale do rio das Velhas, decididos a explorar suas muitas cavernas.
Atravessaram este rio na altura do arraial de Santo Hipólito, onde no dia 24 foram a uma
gruta de mesmo nome. De lá marcharam para sudeste até o povoado de Barra do
Piçarrão,161 aonde visitaram entre os dias 26 e 30 a Lapa da Vargem D’Anta162 e um abrigo
rochoso nas margens do Rio Paraúna. Cruzaram novamente o rio das Velhas na altura do
arraial de Trahiras163 e, entrado o mês de outubro, visitaram a Lapa da Paroba e, entre os
dias 9 e 13, as lapas do Curtume, da Forquilha e da Lagoa do Rótulo, todas na fazenda do
Rótulo,164 perto da Serra do Cipó. Sobre a viagem, a sobrinha Henriette, escreve:
“A vegetação reinante não se comparava a nada do que tinham visto até então. A mata
era cerrada, formada por arbustos e árvores cheios de espinhos e repletas de
trepadeiras da mesma natureza que tornam impossível o avanço sem rasgar as roupas,
cortar as mãos e arranhar o rosto, que ficam completamente cobertos pela folhagem, a
qual os índios chamam de floresta clara (caatinga).165 A visão lastimável dessas
árvores sem sombra sob o abrasador sol tropical não agrada em nada. Mas o calor e os
espinhos não são nada em comparação ao incômodo causado pelos insetos, que
existem em tal quantidade nesta floresta, que não se pode sair para o menor dos
passeios sem estar completamente vestido da cabeça aos pés. Sua picada provoca um
inchaço que com o tempo se torna freqüentemente um machucado horrível, que com
mau tratamento resulta em gangrena e morte†(LUND, H, 1885, p.76).166
As dificuldades da expedição iam muito além do transporte dos instrumentos e dos
gêneros de primeira necessidade. Não raro os homens ficavam paralisados na frente das
grutas, com medo de dar de cara com cobras, aranhas e escorpiões, fato que de acordo com
Henriette obrigava seu tio a amarrar uma corda em torno da cintura e abrir caminho de
archote em punho, guiando os demais através de galerias e salões que na maioria das vezes

160

Em Monjolos (MG).
O antigo Bom Jesus do Piçarrão é o atual distrito de Nossa Senhora da Glória, em Santo Hipólito (MG).
162
Em Santo Hipólito (MG).
163
Atual Santana de Pirapama (MG).
164
Em Baldim (MG).
165
Caatinga em tupi significa mata aberta, mata branca, mata clara.
166
Tradução nossa do dinamarquês.
161

111

ninguém nunca havia penetrado antes dele. Em certa ocasião a sua mula foi mordida por
uma cobra e a outra mula picada na pata por um inseto venenoso, destino do qual o próprio
Lund escapou diversas vezes. Certa vez, ele estava a ponto de pisar numa cascavel pronta
para dar o bote quando o ruído do chocalho o alertou para o perigo. Mas, ao evitar o bote,
acabou picado por uma aranha venenosa:
“Nunca na minha vida experimentei uma dor semelhante. Eu praticamente perdi a
consciência por cinco horas, com todos os músculos do meu corpo tremendo
convulsivamente†(LUND, H., 1885, p.77).167
O trabalho na escuridão das cavernas tinha que ser executado com extrema atenção.
Qualquer distração faria com que os restos de animais viventes fossem misturados aqueles
de espécies extintas, que não raro se encontravam em locais cheios d’água. O frio e a
umidade das cavernas contrastavam de modo perigoso com o calor intenso do sol exterior,
o que fazia Lund, submetido a este trabalho repetitivo em semelhantes condições, temer por
sua saúde, correndo o risco de sofrer do mesmo mal que já havia lhe custado dois irmãos, a
tuberculose.
Ao todo, Lund e Brandt visitaram 19 grutas e abrigos durante seis semanas. Pelo visto
a vontade do dinamarquês era não deixar escapar nada, pois parece terem visitado todas as
grutas conhecidas pela população local. Deve ter sido um trabalho estafante, pois em cima
do lombo de um burro as distâncias medidas em léguas não eram nada pequenas. Mas
apesar do esforço, a colheita foi magra. De espécimes novos encontraram apenas uns
poucos fósseis em duas grutas. Nas outras a capa de salitre – assim como suas riquezas
pleistocênicas – já haviam sido removidas.
Finalmente, no pôr do sol de 17 de outubro de 1835, Peter Wilhelm Lund e Peter
Andreas Brandt chegaram ao arraial de Nossa Senhora da Saúde de Lagoa Santa. Lund
pretendia permanecer ali apenas durante a estação das chuvas, que por sinal mal esperou os
dois encontrarem abrigo para desabar. Como se sabe, Lund e Brandt nunca mais deixaram
aquele povoado. Seus restos estão enterrados no alto do morro, no pequeno cemitério “Dr.
Lundâ€, à sombra do pequizeiro centenário sob o qual o naturalista passaria incontáveis
horas de meditação, olhando os contornos da bela lagoa que dava nome ao lugar.
167

Idem.

112

Mas se a vida em Lagoa Santa foi boa, tão boa a ponto da frase gravada no busto de
Lund na praça central de Lagoa Santa ser “Aqui, sim; aqui está bom para se viver!â€
(CAVALCANTI, 1964, p.38), a chegada no arraial começou com uma péssima notícia. Um
baú com livros, papéis e outros utensílios indispensáveis que Lund havia despachado de
Curvelo para Lagoa Santa acabou indo parar no Rio de Janeiro. Entre o material extraviado
contava-se uma memória inacabada sobre as cavernas; esqueletos de animais viventes
colecionados em Curvelo que seriam usados para comparação com aqueles achados nas
cavernas; coleções ornitológicas e entomológicas que o naturalista não tinha tido tempo de
estudar, assim como plantas do cerrado que só haviam sido examinadas superficialmente.
Lund pretendia se ocupar de todo este material durante a estação das chuvas, mas de
repente se viu sem ter o que fazer:
“A queda de um raio não poderia ter me deixado mais em choque do que esta notícia.
Num piscar de olhos eu me vi privado de todos os meus papéis e livros, de todos os
meus materiais relativos às coleções, até mesmo das minhas roupas!†(LUND, H.,
1885, p.79).168
Como que para compensar o tremendo contratempo provocado pelo extravio daquela
arca, em março de 1836, no final desse purgatório que foi o primeiro verão de Lund em
Lagoa Santa, veio da Dinamarca a boa nova de que a publicação pela Academia Real de
Ciências da Dinamarca da primeira memória sobre as cavernas (LUND, 1835) tinha sido
um sucesso entre a comunidade científica do país, e que já começava a repercutir pelos
círculos acadêmicos da Europa. Graças a isso, os professores J. Reinhardt, J. W.
Hornemann e J. F. Schouw169 propuseram na sessão da Academia de 7 de novembro de
1835 a concessão anual de 1.000 Rigsdalers durante 1836 e 1837, para que Lund pudesse
assim estender e aprofundar as suas pesquisas no Brasil. Dois anos depois, na sessão de 30
168

Tradução nossa do dinamarquês.
Joachim Frederik Schouw (1789-1852). Botânico e professor da Universidade de Copenhagen, ele foi o
pivô do primeiro incidente entre Lund e Claussen, em 1836. Schouw escreveu para Lund em 22 de setembro
de 1835, pedindo o envio de coleções para o Museu de História Natural. Na resposta, de 21 de março de 1836,
Lund se desculpa por não poder ajudar e explica:
“Encaminhei essa solicitação para um fazendeiro do interior, um dinamarquês chamado Claussen que,
por sua situação e também porque tem paixão por coleções científicas, poderá fazer muito. Desse modo
eu acho que posso ser útil à sua instituição. Eu dei a ele instruções detalhadas sobre o material mais
importante a ser enviado, assim como o modo como deveria prepará-lo e enviá-lo.†Tradução
gentilmente cedida por Augusto Auler.
169

113

de março de 1838, os mesmos professores, aos quais se somou J. G. Forchhammer,170
proporiam à Academia oferecer a Lund 400 Rigsdaler por ano em 1838 e 1839, além de
assumir o pagamento das despesas com Peter Brandt .
Lund tratou de agradecer ao secretário da Academia, que na época era o físico H. C.
Ørsted,171 o genial descobridor do magnetismo:
“Tenho a honra, Sr. Conselheiro de Estado H. C. Ørsted,172 de expressar o meu
reconhecimento e de dirigir os meus agradecimentos à Academia por esta
demonstração extraordinária da sua benevolência, mas neste momento sinto a
necessidade de agradecer especialmente aos membros da Academia, pois meu coração
sabe perfeitamente apreciar a parte que eles tiveram (na tomada desta decisão. N.T.)
Mesmo que eu me sinta pouco digno de uma tal distinção, não saberia negar que ela
exerce sobre mim uma influência muito benfazeja, por causa das circunstâncias nas
quais ela me encontrou†(REINHARDT, 1882, p.49).
Em 16 de novembro de 1937, ao escrever o parágrafo final da sua Segunda Memória
sobre a fauna das cavernas, ele reiteraria seu agradecimento:
“É-me grato reconhecer, porém, que, se os fatos exarados nestas páginas serviram
para dilatar um pouco mais os limites de nossos conhecimentos sobre o assunto, cabe
toda a glória a essa ilustre Sociedade, cujo lisonjeiro aplauso alentou meu ânimo em
tarefa tão pesada, e cujos libérrimos auxílios me permitiram dar a minhas pesquisas a
amplitude sem a qual não poderiam produzir tais resultados†(LUND, 1950, p.193).

170

Johan Georg Forchhammer (1794-1865), geólogo dinamarquês e professor da Universidade de
Copenhagen.
171
Hans Christian Ørsted (1777-1851).
172
Conselheiro de Estado, ou Etatsråd, foi um título conferido pelo rei da Dinamarca até a década de 1930.

114

5.5 – A Lapa da Cerca Grande
Não sabemos onde Lund e Brandt pousaram logo ao chegar em Lagoa Santa. O que se
sabe é que o naturalista acabou alugando uma pequena casa que ficava a cerca de 200
metros das margens da lagoa e que pertencia ao padre João Nepomuceno Pereira. No
começo de 1839, o naturalista tratou de comprar por duas mil coroas este mesmo imóvel,173
que vira a ser demolido após sua morte para dar lugar já no século XX ao prédio da Escola
Municipal “Dr. Lundâ€, na praça central de Lagoa Santa.
Passadas as águas de março, Lund aproveitou o período de estiagem do ano de 1836
para empreender três expedições de reconhecimento às cavernas da região. Começou em 19
de abril com as várias grutas incrustadas no pé do rochedo calcário da fazenda Carrancas, a
duas léguas de Lagoa Santa.174 De lá seguiu para Confins (MG), uma légua ao norte, onde
só encontrou cavernas com restos de animais viventes. Na fazenda Engenho explorou, entre
outras a Lapa Rica, a Lapa da Lagoinha e a Lapa de Contendas. Foi então para Bom Jesus
de Matozinhos, cujas cavernas não apresentavam ossos de animais extintos, pois já havia
sido retirado o salitre de quase todas elas. A Lapa do Morro Redondo, imensa e labiríntica,
assim como a vizinha Lapa dos Poções, não foram exceção, embora Lund tenha feito ali
seu primeiro registro de pinturas rupestres, com os contornos em amarelo-ocre de um
cervo, de uma queixada (Dicotyles) e de uma ave. Novos ossos de seres extintos surgiram
na Lapa das Palmeiras. Mas a principal descoberta daquela viagem se deu entre 29 de abril
e 1º de maio, quando ao visitar as muitas grutas da fazenda Mocambo, situada a Nordeste
de Matozinhos, o naturalista penetrou numa gruta riquíssima chamada Lapa da Cerca
Grande, com suas paredes repletas de pinturas rupestres. Segundo Lund:
“A admirável paisagem que nos rodeia, de há longo tempo que atraíra a atenção do
homem selvagem. Os indígenas nômades – que suponho da tribo dos Caiapós – aqui
se fixaram, encontrando abrigo nas grutas do imponente rochedo. Entusiasmados pela
beleza da paisagem, tentaram imitar os objetos ali existentes, e o sopé do rochedo se
173

Na época, as despesas anuais de Lund montavam entre 3.200 e 3.600 coroas, moeda que substituiu o
rigsdaler em 1875 (REINHARDT, 1882, p.47).
174
A lista de cavernas visitadas por Lund entre 1835 e 1843 está em Aperçu des voyages de cavernes de Mr.
Lund et des cavernes principales qu’il y a visitées, extraits pour la plupart de son journal, 1882. Arquivo
Histórico do Museu Imperial, Petrópolis. Para a localização das grutas e informações sobre seu mapeamento
feito por Brandt, vide RUBBIOLI et AULER, 2002, p.19.

115

acha coberto de desenhos, que são, na verdade, toscos como a imaginação que os
criou, mas que não deixam de interessar o filósofo que deseja conhecer as produções
do espírito humano no mais ínfimo grau do seu desenvolvimento†(LUND, 1950,
p.94).
Da Cerca Grande os dois pesquisadores seguiram para a Lapa do Gambá, onde apesar
do salitre parcialmente removido ainda havia registros de ossos fossilizados. Em seguida
visitaram a Lapa d’Aldeia, a Lapa do Taquaral, a Lapa do Marinho,175 Lapa da Roça de
Mocambo, Lapa da Pedra dos Ãndios, Lapa Vermelha e Lapa dos Mocambeiros – onde
foram encontrados fósseis muito antigos de Dicotyles, capivaras e Coelogenys paca. Na
Lapa do Caximbo não acharam restos fósseis, mas a visita à Lapa do Periperé proporcionou
muitos restos de Dicotyles, de pacas e de Dasypus priscus. Em 15 de maio viajaram de
volta a Lagoa Santa.
O final do mês de maio e o mês de junho de 1836 foram empregados na redação da
Segunda memória sôbre as cavernas (LUND, 1950, p.93-106), publicada em Copenhagem
no ano seguinte. A memória versa exclusivamente sobre a Lapa da Cerca Grande. Esta
gruta fica num rochedo, diante do qual existe uma colina:
“Contou-nos nosso guia que, antigamente, esta campina era sujeita a inudações
periódicas, tendo isto cessado havia quatro anos. (...) Porém, em época mais remota,
ali existiu um lago cujo nível se elevava a uma altura muito mais considerável. Este
nível está indicado sobre a parede vertical do rochedo, pois que se vê, a 70 pés acima
da superfície do solo e em toda a extensão da parede, uma linha horizontal mais ou
menos aparente, abaixo da qual a rocha se acha escavada e corroída de diversos
modos. Possuindo nível tão elevado, o lago devia estender-se muito além desta
planície (...) Abundam também indicações que podem servir para fixar a época em
que o lago atingia o nível mencionado; e quando eu fizer a descrição detalhada da
gruta (...), citarei algumas, que provam que essa época é a que precedeu a última
grande revolução do globo. (...) Percorri muitas vezes esta campina (...) Durante estas
excursões, nunca notei o menor vestígio dos mamíferos primitivos do Brasil. Mas
175

Apesar de citada por Lund, esta gruta nunca foi identificada (vide Mapa de grutas com registro
paleontológico da APA Carste de Lagoa Santa-MG. CPRM – Serviço Geológico do Brasil).

116

cenas muito diversas se desdobram diante de nós, se volvemos os olhos ao tempo
longínquo em que vastos lagos cobriam estas paragens. Notável quantidade de formas
de mamíferos, em parte de proporções gigantescas e de uma riqueza extraordinária de
indivíduos, percorria esta fértil campina, animando as margens dos lagos pacíficos.
As flechas dos selvagens, e ainda mais as armas destruidoras e aperfeiçoadas da
civilização, não tinham começado a sua obra devastadora. Mas a manutenção da
ordem eterna da natureza exigia então, como agora, suas vítimas, e o mais fraco
tornava-se presa do mais forte. A história das perseguições e das lutas desses animais,
da sua vida e da sua morte, a da sua destruição final, foram por mim encontradas,
registadas sob as sombrias abóbadas de um labirinto subterrâneo†(LUND, 1950,
p.94-96).
Novamente, imbuído do credo catastrofista, Lund busca provas para a sua
comprovação. Tamanha era naquela época a sua certeza sobre a teoria cuvierista que, ao
descrever a gruta ele nem questiona evidências que em 1844, já no final do trabalho nas
cavernas, consolidariam a sua mudança de posição em relação àquele paradigma. Um
exemplo é a citação sobre possíveis ossadas humanas encontradas nas cavernas de Lagoa
Santa, que teriam sido retiradas da Lapa da Cerca Grande em decorrência da extração de
salitre, alguns anos antes da visita do naturalista:
“A caverna (...) tem sido um recurso importante para o seu proprietário, que dela
extrai quantidade considerável de salitre. A conseqüência é que as camadas de terra se
achavam em parte retiradas, na época em que a visitei; nosso guia, que lá trabalhara,
contou-nos que se encontrara uma grande quantidade de ossos humanos†(LUND,
1950, p.7).
Segue-se a esta frase uma nota de rodapé do autor, explicando que “os brasileiros
atribuem a seres humanos todos os ossos encontrados na terra das grutas; se são
excepcionalmente grandes, atribuem-se a gigantes†(LUND, 1950, p.7). Isto até pode ter
sido verdade, mas o fato é que Lund não parece ter considerado em nenhum momento a
hipótese dos antigos ossos terem pertencido de fato a seres humanos, pois se fosse este o

117

caso, nossa espécie teria se extinguido junto com a megafauna durante a última revolução
do globo terrestre.
Numa passagem daquela gruta, após três dias de trabalho, Lund desenterrou restos de
dois animais que ele cita como fósseis:
“As duas espécies de animais de que provêm os ossos pertencem, uma ao grupo dos
cães, outra ao grupo das pacas. A primeira espécie tem o talhe médio entre a raposa e
o lobo, do qual se aproxima por seu forte aparelho dentário, que apresenta, no mais
alto grau, os caracteres que indicam um regime exclusivamente carnívoro (...) A paca
fóssil corresponde essencialmente, quanto ao arcabouço do seu esqueleto, à espécie
atual. (...) A paca fóssil distingue-se também da espécie viva por seu talhe muito
superior†(LUND, 1950, p.98).
A espécie de cão, de fato extinta, o paleontólogo descreveu primeiramente como
Canis spelaeus ou Canis troglodytes (cão das cavernas).176 Já quanto à paca, Lund retoma a
hipótese do antigo lago que teria coberto a campina diante da Lapa da Cerca Grande para
explicar o estado dos ossos encontrados, tentando assim diferenciar a espécie extinta da
vivente:
“A paca é, como se sabe, um animal anfíbio, Agrada-lhe habitar perto das águas, onde
de quando em quando se banha. (...) A forma primitiva deste animal parece ter levado
uma vida semelhante. Prova-o suficientemente a grande quantidade de seus restos
achados numa região que, apresentando hoje abundância de águas, possuía ainda
maior quantidade em época remota. A paca permanece durante o dia oculta em
cavernas subterrâneas. Nos lugares onde há grutas calcárias, ela visita-as com
freqüência; em quase todas as numerosas grutas que visitei, encontrei o seu rastro, por
vezes mesmo muito recente (...) Achei muitas vezes os seus restos, e as circunstâncias
em que foram encontrados provam que os indivíduos a que pertenciam tinham
morrido naturalmente (...) Ao fazer a descrição da Lapa do Maquiné, em minha

176

Na sua 5ª Memória, de outubro de 1841, que trata dos carnívoros viventes e extintos do Brasil central,
Lund passa a denominar esta espécie como Palaeocyon troglodytes. A denominação definitiva, Protocyon
troglodytes (Lund, 1840), consta da “Lista atualizada dos mamíferos fósseis e atuais do vale do rio das
Velhas†(LUND, 1950, p.539).

118

primeira memória, mencionei os restos de uma paca achados de envolta com os
destroços de um antílope, e nas mesmas circunstâncias anteriores. Faltando-me os
ossos mais característicos, não me achava então em condições de asseverar a sua
conformidade ou não conformidade com a espécie atual; além disso, as circunstâncias
em que os ossos foram achados eram tais, que se poderia supor, verdade é que um
pouco forçadamente, que eles tinham sido depositados em época mais recente,
revestidos mais tarde de uma crosta semelhante à que envolvia os restos de antílope;
adiei pois, a decisão deste ponto, acreditando não ser lícito basear um resultado
importante em fato contestável. Mas hoje, que este resultado está suficientemente
estabelecido, considero, sem mais hesitação, tais restos como procedentes do período
a que naturalmente se referem, por sua jazida e aparência†(LUND, 1950, p.104-105).
A respeito da paca, Lund incorreu no mesmo erro que havia cometido com relação
aos restos de antílope de Maquiné. A certeza da existência de um dilúvio fez com que ele
identificasse os fósseis de veado-mateiro achados nas camadas “antediluvianas†como
sendo de antílopes, apesar de todas as evidências anatômicas que favoreciam a primeira
hipótese. O fato de restos de pacas estarem lado-a-lado com “cães das cavernas†fósseis,
serviu de prova para o pesquisador de que só poderia se tratar de uma espécie extinta –
sendo que o único diferencial anatômico que a distinguia da paca vivente era a sua maior
dimensão. Esta evidência, por sinal, foi usada para sacramentar a descrição da paca extinta,
assim como a existência de uma megafauna primitiva característica do Novo Mundo:
“A paca primitiva, modelo da paca viva, era, como já disse, notavelmente maior e
estruturalmente mais forte do que esta última. Acontece o mesmo com o lobo. O
guará (Canis jubatus), o lobo vivo do Brasil, é um animal poltrão e tímido, que foge
do homem e cujos costumes são pouco conhecidos. (...) Se compararmos este animal
degenerado (...) com o que ocupava o seu lugar no mundo primitivo, ficaremos
impressionados com o contraste que existe entre os costumes de um e os de outro,
apesar da semelhança de sua estrutura. Enquanto o guará, que se oculta, tímido, em
asilos recônditos, como que envergonhado de seu indigno modo de vida, é quase
desconhecido na história dos animais, (...) o lobo das cavernas, ao contrário, passou à
história cercado de troféus numerosos, monumentos de sua força e valor,

119

apresentando-se como digno êmulo dos animais célebres que encheram as cavernas
do Antigo Mundo com os produtos de suas façanhas sanguinárias. Tem-se dito que as
formas da ordem dos mamíferos do Novo Mundo, quanto ao tamanho e valor, são
inferiores às do Antigo. A observação é justa, relativamente às zonas cálidas dos dois
continentes. (...) Entretanto, o que eu disse permite-me impor a esta asserção uma
nova condição restritiva: essa disparidade, desvantajosa para o Novo Mundo,
desaparece quando nos transportamos à cena do mundo animal hoje extinto†(LUND,
1950, p.105-106).
A constatação de que a fauna extinta no Brasil era completamente diferente de tudo o
que havia sido descoberto e estudado no Velho Mundo foi o primeiro elemento que,
somado a muitos outros, viria paulatinamente a solapar as certezas teóricas de Lund –
mesmo que naquele momento ele não se desse conta disso. Para aquele naturalista, assim
como o Brasil de outrora ostentava florestas de uma imensidão inimaginável em
comparação com a mata degenerada que ele conheceu,177 era natural que aquela mata
maravilhosa fosse habitada por animais imensos, que não guardariam semelhança alguma
com as espécies atuais. De acordo com Gorceix, a diferenciação da fauna primitiva
brasileira estabeleceu as bases que guiariam o trabalho de Lund:
“O plano da obra está traçado: será a história do reino animal do Brasil na época que
precedeu a nossa, um capítulo a ajuntar à obra magistral de Cuvier e aos painéis da
natureza de Buffon†(GORCEIX, 1885, p.29).

177

Segundo o viajante britânico Sir Charles James Fox Bunbury (1809-1886), que viajou entre o Rio e Minas
Gerais entre maio de 1834 e fevereiro de 1835:
“Estou certo de que a relativa ausência de vegetação desta parte do Brasil é por alguns atribuída à
mesma causa. M. Lund, a quem tive o prazer de me encontrar neste país, era de opinião que todos os
campos na parte tropical do Brasil tinham sido anteriormente cobertos por matas que haviam sido
destruídas pelo fogo; e em apoio a esta opinião, ele observou que as árvores dispersas que ainda
ficaram, tem geralmente uma casca enegrecida e aparentemente chamuscada†(BUNBURY, 1981,
p.97).

120

Capítulo 6 – Olhar sobre a Criação Animal Brasileira

6.1 – O início da obra-prima
A leitura da transcrição de trechos das memórias de Lund é, a meu ver, a melhor
forma para salientar a transformação radical que se processou sobre as suas convicções
teóricas entre os anos de 1835, quando iniciou o trabalho nas cavernas, e 1844, quando o
terminou e estabeleceu a contemporaneidade do homem de Lagoa Santa com a
megamastofauna pleistocênica. Como veremos, este período viu inúmeras certezas darem
lugar a enormes dúvidas, muitas reinterpretações e algumas novas soluções para a origem e
– ouso escrever – a evolução da vida na Terra.
Terminada a redação da 2ª Memória sobre as Cavernas, Lund e Brandt ainda tiveram
fôlego para aproveitar o final do inverno e conhecer novas grutas antes do retorno das
chuvas. Entre os dias 7 e 20 de julho de 1836, a dupla de escandinavos realizou uma nova
expedição às cavernas. Atravessaram as fazendas do Fidalgo e do Engenho para chegar ao
seu destino, o arraial de Sete Lagoas, na região entre a confluência do rio Paraopeba com o
rio das Velhas. Entre as fazendas do Saco e da Pontainha conheceram a Lapa do Milagre.
Na fazenda Ginette estudaram a Lapa do Ginette, uma grande caverna cheia de galerias e de
vestígios fósseis. Foram ainda à Lapa Pequena do Ginette e à Lapa do Campo antes de
iniciar o retorno a Lagoa Santa.
Mal descansaram uma semana. Em 26 de julho pegaram a trilha para a fazenda
Mocambo, para conhecer a Lapa de José Antônio. Após novo reconhecimento da Lapa da
Cerca Grande, foi a vez de cinco pequenas grutas em torno do Açude do Mocambo.
Aproveitaram a passagem pela fazenda da Bebida para explorar as Lapas do Come não
Bebe e três cavernas na Lagoa dos Pitos. Eles começaram o mês de agosto visitando a Lapa
do José e a Lapa de José de Souza, seguidas por nova passagem pela Lapa de Periperé,
além da Lapa do Diogo e da Lapa das Duas Escadas. No dia 8, voltaram a Lagoa Santa,
fechando assim o período de explorações de 1836.

121

Foi então que, já assentado em Lagoa Santa, ele deu início à sua principal obra, o
Olhar sobre a Criação Animal Brasileira antes da Última Revolução da Terra,178 que seria
formada ao todo por cinco memórias, escritas entre 1837 e 1844. A primeira delas, que
segundo Gorceix é apenas uma introdução onde Lund passa rapidamente em revista o
estado dos conhecimentos sobre a fauna dos mamíferos do planalto central de Minas Gerais
(GORCEIX, 1885, p.29), foi despachada para Copenhagen em 14 de fevereiro de 1837.
Escrevendo em 1882, portanto 45 anos após estas primeiras memórias de Lund e 23
anos depois a publicação de A Origem das Espécies por Darwin, J. T. Reinhardt observa no
ensaio biográfico sobre o seu antigo mestre que:
“Lund estava associado, como mostra o título geral (das memórias), à opinião ainda
assaz comum naquela época que teria havido uma revolução repentina e geral, uma
catástrofe, que separou os animais extintos, os quais as cavernas conservam os restos
até os nossos dias†(REINHARDT, 1882, p.51).
Datada de 16 de novembro de 1837 é a Segunda Memória sobra a Fauna das Cavernas
(LUND, 1950, p.130-206). Nesta, Lund descreveu duas espécies de tatus gigantes,
propondo para ambas a inserção num gênero extinto ao qual deu o nome de
Chlamydotherium.179 “Ao mesmo tempo, ousando fazer-me intérprete do reconhecimento
que a ciência deve ao maior naturalista de nossa época, dou-lhe a designação específica de
C. humboldtii†(LUND, 1950, p.137), homenagem a Alexander von Humboldt. Mas se esta
espécie era duas vezes maior que o tatu-canastra (Priodontes maximus), medindo dois
metros do focinho a cauda, a segunda era ainda maior, “não sendo seu tamanho inferior ao
do rinoceronte (...) Em virtude de suas dimensões, denomino Chlamydotherium giganteumâ€
(LUND, 1950, p.138).

178

No título em dinamarquês Blik paa Brasiliens Dyreverden før Sidste Jordomvæltning, a palavra blik,
literalmente “piscar de olhos†em português, foi traduzida como “golpe de vistaâ€, tradução literal da
expressão coup d’oeil, usada nos resumos das memórias de Lund publicados em francês. Já na tradução para o
francês encomendada por Dom Pedro II do ensaio biográfico de autoria de J. Reinhardt, lemos Aperçu du
Règne animal du Brésil avant la dernière révolution du globe. Gorceix, que se baseou nesta tradução, preferiu
a expressão “exposição summariaâ€. No presente estudo, decidi optar pela palavra “olhar†como sendo aquela
que, acredito, melhor traduz a intenção original de Lund (Nota do autor). Da mesma forma, no título
dinamarquês não existe a expressão “reino animal do Brasilâ€. Lê-se, literalmente, “criação animal brasileiraâ€.
179
Chlamydotherium Lund. LUND, P. W. Annales des Sciences Naturelles, Paris, n.11, p.217, 1839.

122

6.2 – As primeiras memórias
Os primeiros dois ou três anos do trabalho nas cavernas foram dos mais felizes na
vida de Lund. Ele não se queixava da saúde e ainda gozava do vigor de um homem na casa
dos 30 anos. Quanto às escavações, a quantidade e a importância do material coletado
surpreendiam-no ano a ano.
Apesar disso, permanecia o desejo de manter, resgatar e expandir os contatos com a
intelectualidade européia – como demonstra a carta enviada para o Barão Alexander von
Humboldt:
À Sua Excelência Sr. Alexander von Humboldt180
Lagoa Santa, 28 de Novembro 1837
A atenciosa bondade com que Vossa Excelência me recebeu, quando tive a felicidade
de ser apresentado a Vossa Excelência em Paris do ano de 1831, e o sublime interesse
com o qual o senhor apreciou as minhas insignificantes investigações neste país,
provocaram em mim o vivo desejo de por meio de posteriores esforços ser digno
daqueles interesse e bondade.
Poder retornar ao seio da natureza tropical é para mim um material de investigação
inesgotável, não obstante seja um único tema diante dos meus demais interesses.
Vossa Excelência me guiou a recolher ao vosso lado os primeiros frutos que coletei
neste campo. Os ossos fósseis brasileiros formaram o primeiro assunto da rica
conversa com a qual Vossa Excelência me agraciou. Eu não precisava falar nada
sobre isso a Vossa Excelência. Como mais tarde me seria concedido revelar uma parte
do véu que até agora este assunto ocultava, apresso-me a respeitosamente submeter
aqui a Vossa Excelência o primeiro relatório das minhas investigações sobre este
campo.
Alguns tratados anteriores – sobre a vegetação de Campos, sobre a caverna de
Maquiné, sobre a de Cerca Grande, assim como sobre a distribuição geral dos ossos
fossilizados no Brasil – eu tive igualmente a honra de submeter a Vossa Excelência
180

Tradução nossa. O texto em alemão, transcrito do manuscrito em gótico, encontra-se no Anexo I no final
deste trabalho.

123

através do Sr. Professor Reinhardt,. Eu agora ofereço alguns outros apenas como
rascunhos provisórios, devido à minha localização distante e à falta de recursos
auxiliares que me obrigam a adiar o trabalho completo sobre estes temas até o meu
retorno à Europa.
Queira Vossa Excelência dignar-se me honrar com uma encomenda, serei igualmente
feliz em perseguir esta oportunidade de servir à ciência, e testemunhar as minhas
dedicação e admiração para a sua maior promoção.
De Vossa Excelência
Permaneço vosso servo e admirador
P. W. Lund
Não consta do acervo da correspondência ativa e passiva de Lund na Kongelige
Bibliotek qualquer resposta Humboldt para esta carta.181 O único contato entre os dois
naturalistas se deu nos salões de Paris, em 1831. A falta de resposta de Humboldt pode ser
um sinal da pouca repercussão dos trabalhos de Lund fora das fronteiras acadêmicas da sua
pequena Dinamarca. Isto se deve à publicação integral das memórias apenas em
dinamarquês. É certo que dos primeiros trabalhos foram publicados resumos em francês.
Mas, se nenhum resumo substitui a leitura de um paper completo com todas as suas
referências – mesmo hoje com a profusão de meios eletrônicos de acesso à informação
acadêmica – o que diria a 170 anos? O pior de tudo é que este crescente isolamento
científico se deu por obra e decisão do próprio Lund, como se lê numa carta a J. Reinhardt
de novembro de 1841:
“Na minha última carta menciono uma memória que estava pronta para ser
despachada, e que partiu em 8 de abril juntamente com uma remessa de fragmentos de
rocha e de esqueletos. Espero realmente que o senhor já tenha recebido ambos. Uma
nova memória encontra-se pronta para envio, da qual pretendo enviar um resumo
destinado ao periódico da Academia Real.182 Anteriormente, eu pretendia enviar uma
tradução em francês de resumos para Audouin, mas estou muito descontente com a
181

O acervo de manuscritos de Humboldt encontra-se na Herzogin Anna Amalia Bibliothek, em Weimar,
Alemanha.
182
Academia Real de Ciências e Letras da Dinamarca.

124

negligência e com a abundância de erros com que é feita a publicação dos seus
Annales183 e, portanto não quero enviar mais para ele. Também considero isto
supérfluo, já que como o senhor tão bem me explicou a Academia permite que estes
resumos sejam vertidos para o francês e publicados no L’Institute. Neste momento
estão chovendo descobertas, de modo que uma publicação feita mais tarde poderia
trazer a uma única pessoa todo o mérito pelo trabalho. Assim sendo, o senhor poderia
ter a bondade de providenciar o envio dessa tradução o quanto antes, mas, por favor,
troque estas palavras: “recebido pela Sociedade†para “pronto para envio†ou algo
semelhante. Ou o senhor acha mais conveniente enviar uma tradução alemã para
Leonhard e Bronn no seu Jahrbuch?184 Eu não queria fazê-lo, pois não tenho
nenhuma ligação com estes senhores,185 mas presumo que o Professor Forchhammer,
de quem considero as idéias no seu Journal extremamente interessantes, tenha. Nos
últimos periódicos que recebi vejo que outras pessoas em diversas ocasiões já
prestaram atenção nestes assuntos antes de mim, por causa da longa distância que
provoca o atraso na comunicação das minhas mensagens. Desse modo, observo entre
as minhas crianças mais velhas que batizei já faz cinco anos que o Hoplophorus186
agora perdeu o seu nome e se chama Glyptodonte, porque Owen187 batizou-o um mês
antes que o resumo em francês da minha tese fosse publicado no Annales des
Sciences. O nome Hoplophorus aparece em milhares de lugares nos meus manuscritos
e catálogos e eu não vejo nenhuma possibilidade de alterá-los nesse momentoâ€
(LUND, 29/11/1841).
Perceber que todo o seu esforço intelectual havia perdido a corrida pelos louros
científicos por apenas um mês deve ter sido muito duro para Lund. É verdade que o
vencedor foi ninguém menos que Sir Richard Owen (1804-1892), superintendente do
departamento de História Natural do Museu Britânico e o responsável pela descrição dos

183

Annales des Sciences Naturelles.
O geólogo Karl C. von Leonhard e o zoólogo Heinrich G. Bronn, da Universidade de Heildelberg,
publicavam o anuário Neues Jahrbuch für Mineralogie, Geologie und Paläontologie.
185
No original, Herren, senhores em alemão.
186
Hoplophorus euphractus. LUND, P. W. Videnskabernes Selskabs Naturvidenskabelige og Mathematiske
Afhandlinger, n.11, 1838; LUND, P. W. Annales des Sciences Naturelles, Paris, n.12, p.207, 1839; LUND,
1950, p.138.
187
Glyptodon Owen (PARISH, 1839).
184

125

incríveis fósseis trazidos por Charles Darwin de sua viagem pela América do Sul. Não
bastasse para Lund ter perdido a descrição do gliptodonte, Owen conquistou a primazia em
diversas outras descrições importantíssimas. A preguiça terrestre Scelidotherium
leptocephalum (OWEN, 1840), por exemplo, ironicamente saiu publicada meses antes de
Lund ter tido a chance de homenagear Owen denominando a espécie de Platyonyx owenii
(LUND, 1950, p.296). O mesmo ocorreu com uma outra preguiça terrícola, o Ocnotherium
giganteum (LUND, 1950, p.320), cuja espécie sobreviveu tal qual descrita por Lund, sendo
que o gênero Ocnotherium acabou substituído por outro anteriormente proposto por Owen,
o Glossotherium (OWEN, 1942). Casos semelhantes aconteceram com os tatus gigantes
Chlamydotherium humboldtii e o C. giganteum (LUND, 1950, p.137-138); e com o
camelídeo extinto descrito por Lund como Leptotherium

188

(LUND, 1840, LUND, 1950,

p.156), mas que ficou para a posteridade como Macrauchenia patachonica (OWEN, 1840).
A lista de descrições feitas por Lund que perderam a prioridade é vasta. Mas nela não
se inclui a maior fera do Pleistoceno brasileiro, aliás de todas as Américas, justamente
aquela que, ao lado das preguiças gigantes e dos mamutes e mastodontes, vem à mente de
qualquer criança que pensa nos animais gigantes da idade do Gelo, o tigre dente-de-sabre,
ou Smilodon populator (LUND, 1950, p.366).

188

LUND, P. W. Videnskabernes Selskabs Naturvidenskabelige og Mathematiske Afhandlinger, n.13, 1838;
LUND, P. W. Annales des Sciences Naturelles, n.13, p.311, 1840.

126

Capítulo 7 – O homem de Lagoa Santa
7.1 – A carta ao secretário do IHGB, Januário Barboza, de 18/01/1842
7.1.1 – O texto com as correções extirpadas da redação final
Snr Cônego Januário da Cunha Barboza189

Lagoa Santa 18 de Janeiro de 1842

Illmo Revmo Snr
Tendo eu em huma carta anterior, que tive a honra de dirigir à V.S., pedindo licença
de submetter ao Illustre Instituto os resultados das minhas investigações sobre a creação
extinta de animaes, que em outros tempos (remotos190) habitarão nesta parte do Brazil,
tomei a liberdade de offerecer a esta Illustre corporação de sábios o primeiro fascículo da
minha obra, que se está publicando sobre este assumpto com o título de: “Blik paa
Brasiliens Dyreverdenâ€, i.e. “Golpe de vista sobre a creação animalâ€, que habitava no
Brazil na épocha geologica immediatamente precedente à actual ordem das cousas, e junto
tenho a honra de transmittir à V.S. o segundo fascículo della, na esperança de que será
acolhido benignamente (pelo illustrado corpo scientífico), assim como foi o primeiro.191
Bem prevejo, que estes escritos, publicados n’huma língua pouco conhecida, acharão
poucos leitores, e por isso tencionava accrescentar (offerecer submissamente ao Instituto)
huma memória escripta em francês, contendo o resumo dos resultados obtidos até agora,
sinto porém não ter podido realizar este desejo (o que tenho sido inhibido até hoje de
cumprir) por não ter vindo ainda exemplares impressos della (desta memória).
Referindo-me portanto a esta memória, que espero receber todos os dias (cuja
chegada não pode se demorar muito), julgo contudo não dever demorar a communicacção
de huma parte (anthropologica) della, que tem huma relação mais immediata (como tendo
da mais íntima relacção) com o fim dos trabalhos do Instituto (principal fim dos trabalhos
que o Instituto se propoz).

189

Januário da Cunha Barboza (1780-1846) foi um dos fundadores, em 1838, e o primeiro presidente do
Instituto Histórico e Geographico Brasileiro (IHGB).
190
Frase escrita, porém riscada. Na verdade, Lund havia escrito primeiramente “tempos remotosâ€,
substituindo então para “outros temposâ€. Daqui por diante, nestes casos, a frase obliterada aparece entre
parênteses e em itálico. Transcrição feita a partir do original no caderno de rascunhos de Lund.
191
Enviado dois anos antes conforme carta de 19/02/1840.

127

A questão da coexistência do homem com as grandes espécies exstinctas de
mammíferos terrestres (assim como o Mammouth, o Rhinoceronte) não pode ainda ser
resolvida de huma maneira decisiva pelas investigações dos naturalistas do velho mundo.
Em quanto que alguns poucos factos parecem ser favoráveis à huma solução affirmativa do
problema, outros, e em muito maior número, conducem (sic) a hum resultado negativo.
Tendo eu tido occasião favorável de submetter esta questão à hum novo exame nesta
parte do mundo, não tenho poupado esforços para chegar à huma solução definitiva della,
porém apezar do mais feliz (sucesso) êxito dos meus trabalhos na parte zoológica, não me
permitirão ainda de tirar huma conclusão definitiva sobre este importante assumpto.
Os archivos, nos quaes são depositados os documentos relativos à história do nosso
planeta na épocha geológica de que se trata, são as cavernas furadas na pedra calcárea, (que
ocupa numerosas serras) que entra como parte constituinte n’huma formação das mais
extensas do Interior do Brazil.
Os animaes, cujos restos se achão (enterrados) involvidos (sic) nos depósitos térreos
destas cavernas, são em maior parte diferenttes de todos os, que existem actualmente na
superfície da Terra, mostrando assim terem pertencido a huma creação distincta da, que se
appresenta hoje a nossa vista.
O número das cavernas, que até agora tenho examinado, sobe a perto de duzentas, e o
das espécies de animaes, que nellas tenho reconhecido, só na classe dos mammíferos, à
cento e quinze, número que muito excede ao das espécies desta (mesma) classe, que
actualmente existem nestes mesmos lugares, o qual (sobe só) se reduz a oitenta e oito.
O estado mutilado, em que se achão geralmente os ossos das cavernas, e a natureza
destas mutilações me tem convencido de que na maior parte dos casos elles devem a sua
introducção nas cavernas às feras destes tempos, as quaes habitarão nos esconderijos
interiores dellas, para onde carregavão as suas presas, para ali devorá-las.
(Em quanto aos resultados zoológicos forão pois excedidas as minhas mais vivas
esperanças que pude nutrir no começo da empresa, porém seis annos)
No meio destas numerosas testemunhas de huma ordem de cousas (na superfície do
nosso planeta) differente da actual nunca tenho encontrado nem o mais leve vestígio da
existência do homem. E contudo n’huma épocha em que os animaes feroces (sic)

128

abundavão neste paíz, e embaixo de formas gigantescas, ∗ como explicar que o fraco ente, o
homem houvera de escapar à sorte, que havia acarretado tantas outras víctimas munidas de
forças physicas muito superiores.∗∗ Julgava pois, tanto que huma questão possa ser decidida
por via de factos negativos, o número destes factos já suficiente para decidir a presente
questão, quando inesperadamente, depois de seis annos de laldadas pesquizas, tive a fortuna
de encontrar com os primeiros restos de indivíduos da espécie humana embaixo de
circunstâncias, que ao menos admittião a possibilidade de huma solução contrária da
questão.
Achei estes restos humanos em huma caverna, que continha, e misturados com elles,
ossos de vários animaes de espécies decididamente exstinctas (Platyonyx bucklandii,192
Chlamydotherium humboldtii,193 C. majus, Dasypus sulcatus, Hydrochoerus sulcidens194
e.a.), huma circuntância, que devia chamar toda a attenção para estes (sic) interessantes
relíquias (da antigüidade).
Demais apresentarão (estes ossos humanos) elles todos os characteres physicos dos
ossos realmente fósseis. Erão em parte petrificados em parte penetrados de partículas
férreas, o que dava à alguns delles um lustro mettálico, (que fazia elles imitar objectos de
bronze) imitante o bronze, assim como hum peso extraordinário. Sobre a immensa idade
delles não podia pois haver dúvida alguma, porém em quanto à questão de saber, se os
indivíduos, de que (dos quais) elles derivavão, tinhão sido coevos195 com os animaes, na
cuja companhia se achavão, não se pode infelizmente tirar conclusão alguma decisiva, visto
a caverna que os continha (não qual erão depositados), achar-se na margem de huma lagoa,
cujas agoas annualmente, no tempo das grandes chuvas, entravão nella. Em conseqüência
desta circunstância pode não só ter havido huma introducção sucessiva de restos de
∗

) Nota no texto original: Entre muitos outros basta citar hum, que tenho denominado Smilodon populator.
Esta terrível que na structura dos dentes e das unhas, approxima-se ao gênero Felis, excedia ao leão no
tamanho, e igualava na robustez ao urso. As presas delle chegavão ao enorme cumprimento de nove
pollegadas.
∗∗
) Nota no texto original: Hum grande número de animaes gigantescos habitavão nessa épocha nas matas do
Brazil. O Mammouth e o Megatherium Cuvieri (grifo no original) erão do tamanho do Elephante. As famílias
das Preguiças e dos Tatus, que actualmente abrangem só animaes de estatura pequena ou medíocre, continhão
nesses tempos huma abundância de espécies de dimensões extraordinárias, assim como se verá na descripção
especial destes animaes na précitada memória, e nas figuras da obra junta.
192
Platyonyx Lund 1840. Annales des Sciences Naturelles. Paris [2] (Zool.), 13, 316.
193
Glyptodon septentrionalis Leidy 1889, ou Holmesina septentrionali Simpson.
194
Espécie extinta de capivara descrita por Lund em 1840, mas provavelmente a Hydrochoerus hydrochaeris
(Linnaeus, 1766).
195
Contemporâneos.

129

animaes na caverna, como também os introduzidos posteriormente podião misturar-se com
os já depositados (porém os já depositados podião pela força das águas ser misturados
com os introduzidos posteriormente). Esta (supposição verificou-se pela experiência)
possibilidade mostrou-se effectivamente realisada, pois que no meio dos ossos pertencentes
à espécies devidamente exstinctas achou-se outros de espécies ainda existentes. Estes
últimos mostrarão no seu estado de conservação serem de (differentes) diversas idades,
differindo alguns apenas de ossos frescos, e approximando-se outros ao estado submettálico
de que tenho fallado, achando-se o maior número a hum degrão de decomposição
intermédio entre estes dous extremos. Huma differença semelhante, posto que menos
considerável, notou-se igualmente nos ossos humanos, provando innegavelmente huma
(differente idade) desigualdade na idade delles. Porém todos apresentarão sufficiente
alteração na sua composição, e textura para reclamar para elles huma grande antigüidade,
de sorte que, se elles perderão (a authoridade de servir) o direito (os títulos) de servirem
como documentos para decidir a questão principal da coexistência do homem com as
grandes espécies exstinctas de mammíferos terrestres, ao menos conservão ainda bastante
interesse embaixo deste último ponto de vista.
Pelas indagações dos naturalistas da Europa consta, que nenhuma das grandes
espécies de mammíferos terrestres, cujos ossos se achão n’hum estado verdadeiramente
fóssil, tenha existido viva nos tempos históricos, e que por conseguinte a data da sua
exstinção remonta à mais do que três mil annos. Applicando este resultado às espécies
exstinctas do Brazil, no que concorda o estado de conservação dos ossos, que se acharão
n’hum estado (perfeita petrificação) conservação perfeitamente análogo ao que
characteriza os ossos fósseis, huma antigüidade correspondente, temos para estes huma
idade de trinta séculos para cima. Como porém o processo da petrificação he hum dos que
são menos bem estudados, pricipalmente em relação ao tempo exigido para a sua
consummação, e constando mesmo que esse tempo varia (consideravelmente) segundo as
circunstâncias mais ou menos favoráveis, não se pode arriscar huma estimação delle senão
com huma approximação bastante vaga (bastantemente).
Seja porém isto como for, sempre fica para estes ossos huma antigüidade bastante
considerável, que faz elles remontar não só muito além da épocha do descobrimento desta
parte do mundo, como talvez além de todos os documentos immediatos que possuímos da

130

existência do homem, visto não se ter ainda achado em outra alguma parte ossos humanos
em estado de petrificação.
Fica portanto provado por estes documentos em primeiro lugar: que a povoação do
Brazil deriva de tempos mui remotos, e indubitavelmente anteriores aos tempos históricos.
A questão que se offerece naturalmente agora, he saber: quem forão esses
antiqüíssimos habitantes do Brazil? De que raça erão? Qual era o seu modo de vida, a sua
perfeição intellectual? Felizmente as respostas a estas questões são menos diffíceis e menos
duvidosas. Tendo achado vários crânios mais ou menos completos, pude determinar o
lugar, que devião ocupar os indivíduos a quem tinhão apertencido, no systema
anthropológico. Effectivamente a estreiteza da testa, a proeminência dos ossos
zygomaticos, o ângulo facial, a forma da maxilla e da órbita, tudo assigna a estes crânios o
lugar entre os mais characterísticos da raça americana. (Hum dos characteres por mais
notáveis pelo qual a raça americana se distingue) He sabido que a raça à qual se
approxima mais a raça americana he a mongólica, e que hum dos characteres mais
constantes e mais salientes, pelos quais se distinguem entre si, he a maior depressão da testa
na primeira. Neste ponto da organização dos crânios antigos mostrão-se não somente
conformes com os da raça americana, mas alguns delles exibem este character (até) n’hum
grão excessivo, até o desapparecimento total da testa.
Fica pois provado em segundo lugar, que os povos que em tempos remotíssimos
habitarão nesta parte do novo mundo, erão da mesma raça, que os que no tempo da
conquista ocupavão este paíz.
(He sabido) Sabe-se, que as figuras humanas, que se achão esculpidas nos
monumentos antigos do México, representão em mor parte huma configuração singular da
cabeça, sendo esta inteiramente destituída de testa, fugindo o crânio por (detraz) atráz
immediatamente em cima das cristas superciliares. Esta anomalia, que geralmente se
atribuía ou à huma defiguração (sic) artificial da cabeça, ou ao gosto dos artistas, admitte
agora huma explicação mais natural, sendo provado pelos presentes documentos
authênticos, que realmente tem existido neste continente huma raça exhibindo esta abnorme
conformação.
(A maior parte destes esqueletos erão de tamanho ordinário, dous, que mostrarão ter
pertencido a indivíduos) Os esqueletos mostrarão terem pertencido a indivíduos de ambos

131

os sexos, e erão de tamanho ordinário; todavia dous, de homens, offerecerão dimensões
acima do vulgar.
Despois destas breves noções sobre (o estado) a natureza physica dos antigos
autóchtones do Brazil passarei a expor succintamente as conclusões que desta descoberta se
pode tirar relativamente ao (seu) estado intellectual, e ao provável grão de civilização
(presumptivo) em que se achavão (esses antigos habitantes) esses povos.
Sendo, como he (indubitável) sufficientemente provado, que o desenvolvimento da
intelligência está em relação direita ao desenvolvimento do cérebro, fica sempre a
inspecção do crânio, para (ajuizar) avaliar o degrão que deve ocupar o indivíduo
examinado e conseguintemente a raça à que elle pertence na escala progressiva dos entes
intellectuaes.
Applicado este critério nos crânios em questão, há de sahir a sentença muito em
desfavor das faculdades intellectuaes dos indivíduos de quem derivão, nem podemos
esperar grandes progressos na indústria e nas artes de povos cuja organização cerebral
offerece hum substrato tão mesquinho para a sede de intelligência.
Esta conclusão (fica) vem a ser corroborada pela achada (sic) de hum instrumento de
imperfeitíssima construcção junto aos esqueletos. Consiste este instrumento simplesmente
n’huma pedra hemisphérica de amphibolo, de dez pollegadas de circumferência, lissa (sic)
na face plana, a qual evidentemente tem servido para machucar sementes ou outras
substântias duras.
Não sendo o meu fim tirar todas as illações que se podem deduzir dos factos contidos
nesta breve communicação, o que deixarei à mãos mais hábeis, limitar-me-hei somente a
accrescentar que afora dos mencionados ossos humanos tenho achado outros em duas
outras cavernas, os quaes igualmente offerecião (todos) os characteres physicos dos ossos
fósseis, sendo privados de quasi (sic) toda a parte gelatinosa, e em conseqüência muito
friáveis e alvos fractura. Infelizmente acharão-se isolados e sem acompanhamento de ossos
de outros animaes, de sorte que a parte principal da questão ficou ainda nestes casos
indecisa, sendo todavia corroborada a conclusão relativamente à prolongada existência do
gênero humano nesta parte do mundo.
Visto o interesse que se liga a estes objectos, tomo a liberdade de mandar junto (ao Snr
Riedel), para ser offerecido ao Instituto (huma amostra destes ossos) o desenho da parte

132

superior de hum destes crânios. Os anatomistas sem dúvida estranharão a sua singular
conformação a ponto talvez de duvidar de ser da nossa espécie, o que aconteceu a mim
também até o ter verificado por hum examen circumstanciado.
Na última carta que tenho recebido do Snr Rafn, Secretário da Sociedade dos
Antiquários do Norte, elle me exprime o seu sentimento de não ter ainda até aquella data
recebido communicação alguma do Instituto, o que julguei dever communicar à VS. para
poder investigar a causa dessa desagradável demora. Eu por minha parte o sinto não menos
tanto pelo interesse que toma a Sociedade de Copenhague nos trabalhos do Instituto, como
por ver a lista dos membros dessa sociedade por tanto tempo privado de dous exímios
ornamentos que eu tinha tido a honra n’huma carta que ia junta com a primeira
communicação do Instituto de propor para membros della.
Os trabalhos dessa Sociedade gagnão cada vez em importância, e tem excitado huma
sympathia geral. Ultimamente dous Monarchas da Europa dignarão-se honrar permittindo
graciosamente (testemunhando o seu desejo de ser alistar ao número dos seus membros)
que ornem a lista dos membros (da sociedade) com seus augustos nomes, o Imperador da
Rússia por intermédio do Snr Conde de Cancrine, Ministro das finanças daquelle paíz e o
Rei da Prússia por intermédio do Barão de Humboldt, ambos membros da Sociedade. Três
outros, os Reis da Dinamarca, dos Países baixos e da Sardenha já tinhão anteriormente
concedido à Sociedade huma graça igual. Como a Sociedade gloria-se de possuir dous
Illustres membros do seio do Instituto (nas pessoas do Exmo Presidente e do Digníssimo
Illmo Secretário) que tanto pelo interesse geral das sciencias como por este especial título
não deixarão de sympathisar com os progressos e a glória a Sociedade, julguei não ser fora
de propósito esta communicação, sendo para mim huma satisfacção muito grande se por
este modo teria contribuído a promover a glória da Sociedade da minha pátria occasionando
hum igual insigne graça da parte do Augusto Protector das Sciencias neste vasto e
florescente império. Digne-se finalmente VS. aceitar os protestos da mais alta consideração
e estima com que tenho a honra de ser

DVS
Mt° Att° Vdor e Cdo Obr
P. W. Lund

PS: VS queira relevar os erros que houver na redação destas linhas visto a minha pouca
prática em escrever em portuguêz.

133

7.1.2 – A análise do texto

No início de 1842, Peter Lund estava satisfeito com o sua obra. Em seis anos de
trabalho, ele já havia examinado mais de 200 cavernas e descrito 115 espécies de
mamíferos, “número que muito excede ao das espécies desta classe, que actualmente
existem nestes mesmos lugares, o qual se reduz a oitenta e oito†(LUND, 18/01/1842).
Apesar de ter perdido o páreo para Richard Owen na descrição de espécies importantes
como o gliptodonte, a macrauquênia e o toxodonte, Lund parece não ter desanimado.
Talvez tenha sido justamente por este motivo, para tentar dar o troco no naturalista
britânico, que escolheu uma nova e ambiciosa meta. Conforme enfatizou em carta ao
secretário do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, o Cônego Januário da Cunha
Barboza, Lund tomou a si a tarefa de resolver – de uma vez por todas – uma das questões
mais cruciais para a filosofia natural da época, a possibilidade da coexistência do ser
humano com a fauna extinta que habitava a Terra antes da última revolução da superfície
do planeta.
Este desafio já se encontrava em seu estágio embrionário desde outubro de 1841,
quando por duas vezes Lund recebeu a visita do geólogo e engenheiro de minas austríaco
Virgil von Helmreichen,196 a quem mostrou suas coleções, bem como os crânios humanos
encontrados em 1840. 197 De acordo com Von Helmreichen, que fez breve referência
àqueles encontros em 1846, Lund já havia encontrado mais de 100 espécies de mamíferos
196

Virgil von Helmreichen (1805-1852) veio ao Brasil em 1836 trabalhar na mina do Morro das Almas, da
Brazilian Company, em Sabará. Morreu no Rio de Janeiro vítima das conseqüências de uma varíola em 1852.
197
Lund revelou esta descoberta numa carta enviada a J. T. Reinhardt, datada de 8 a 9 de agosto de 1840
(NKS 2838 I 4o, tradução de Birgitte Holden, em “To recall to Life an unexpected Treasuryâ€).
“I just return from a short trip, which has rendered a small but interesting result, which I have not yet
had the time to unpack and investigate. But I must tell you that among the finds are some bones of
several young and old individuals of humans, the first ones I have found in the caves. They seem to be
extremely old and partly fossilized; yet I have reason to doubt – according to the circumstances of the
occurrence – that they are really fossilized. As soon as I have submitted them and the animal bones
found at the same place a further investigation, it shall be an honor to send a detailed report of the find
(…)
I have started the unpacking of the results of the excavation and the first bone, one of those found close
to the human bones was a os naviculare from the left hand of a Platyonyx Humboldtii!! A human
astralagus found just besides it shows exactly the same conditions of preservation and is partially
fossilized! The shape of the skulls is uncommon, completely without a forehead, which reminds me of
the Mexican monuments where all the figures are depicted without a forehead. Unfortunately the
conditions of the finding do not permit to ascertain whether the human bones are laid down at the same
time as the bones of the Platyonyx, as all of them are found in a secondary position to where they have
been removed by the water that periodically penetrate in the cave from a nearby lakeâ€.

134

extintos e mais de 30 espécies de aves e répteis pré-históricos nas cavernas do rio das
Velhas. Lund observou que era difícil marcar um limite exato onde terminava a espécie
extinta e começava a recente. Nas palavras de Von Helmreichen, era como se houvesse
uma certa transição no decorrer dos tempos. “Curiosos me parecem os crânios humanos
encontrados numa caverna perto de Lagoa Santa, que provavelmente pertencem à raça
americana. Os ossos da face são mais largos que os da testa, as cavas dos olhos quase
quadradas e – o que chamava principalmente a atenção – o corte horizontal dos caninos
apresentava-se elíptico, quase circular, parecendo-se molares†(VON HELMREICHEN,
2002, p.112).
Através das palavras deste geólogo austríaco, homem treinado nas ciências da terra –
mas não em anatomia – percebe-se que todas estas observações não devem ter sido obra do
seu próprio raciocínio. Foram, outrossim, detalhadas a ele por Lund durante a apresentação
dos espécimes. Graças a Von Helmreichen, sabemos que o principal problema intelectual
enfrentado por Lund no final de 1841 era entender a linha divisória entre o que é extinto e o
que é vivente. A resposta definitiva para a questão, caso existisse alguma, Lund apostava
encontrar caso conseguisse comprovar a coexistência do ser humano com os mamíferos
pré-históricos. Este desafio está perfeitamente colocado na carta ao secretário do IHGB
datada de 18 de janeiro de 1842, por sua vez publicada na Revista do IHGB, n.4, p.80-87,
1842. Para este trabalho, no entanto, fiz uso da versão original, que contém correções
inéditas feitas pela pena de Lund, constantes do seu caderno de rascunhos.198 Os termos e
frases que coloco entre parênteses foram riscados por Lund durante a redação, o que
demonstra seu extremo cuidado com cada palavra que escrevia. Mais além, este
procedimento não é de maneira alguma comum e recorrente na correspondência lundiana
escrita em português. O extremo cuidado em dar freio à própria ansiedade para não afirmar
aquilo que ainda não podia sustentar com provas inquestionáveis é uma característica
específica desta carta. Sua leitura atenta mostra expressões que foram extirpadas do texto
final, mas que revelam muito das suas crenças e opiniões mais íntimas com relação ao
assunto da antigüidade do homem na América. De acordo com Lund:

198

København: Det Kongelige Bibliotek, NKS 2677.

135

“A questão da coexistência do homem com as grandes espécies exstinctas de
mammíferos terrestres (assim como o Mammouth, o Rhinoceronte) não pode ainda ser
resolvida de huma maneira decisiva pelas investigações dos naturalistas do velho
mundo. Em quanto que alguns poucos factos parecem ser a favoráveis à huma solução
affirmativa do problema, outros, e em muito maior número, conducem (sic) a hum
resultado negativo.
Tendo eu tido occasião favorável de submetter esta questão à hum novo exame nesta
parte do mundo, não tenho poupado esforços para chegar à huma solução definitiva
della, porém apezar do mais feliz (sucesso) êxito dos meus trabalhos na parte
zoológica, não me permitirão ainda de tirar huma conclusão definitiva sobre este
importante assumpto.
Os archivos, nos quaes são depositados os documentos relativos à história do nosso
planeta na épocha geológica de que se trata, são as cavernas furadas na pedra
calcárea, (que ocupa numerosas serras) que entra como parte constituinte n’huma
formação das mais extensas do Interior do Brazil.
Os animaes, cujos restos se achão (enterrados) involvidos (sic) nos depósitos térreos
destas cavernas, são em maior parte diferenttes de todos os, que existem actualmente
na superfície da Terra, mostrando assim terem pertencido a huma creação distincta da,
que se appresenta hoje a nossa vista. (...)
No meio destas numerosas testemunhas de huma ordem de cousas (na superfície do
nosso planeta) differente da actual nunca tenho encontrado nem o mais leve vestígio
da existência do homem. E contudo n’huma épocha em que os animaes feroces (sic)
abundavão neste paíz, e embaixo de formas gigantescas, ∗ como explicar que o fraco
ente, o homem houvera de escapar à sorte, que havia acarretado tantas outras víctimas
munidas de forças physicas muito superiores.†∗∗ (18/01/1842).

∗

) Nota no texto original: Entre muitos outros basta citar hum, que tenho denominado Smilodon populator.
Esta terrível que na structura dos dentes e das unhas, approxima-se ao gênero Felis, excedia ao leão no
tamanho, e igualava na robustez ao urso. As presas delle chegavão ao enorme cumprimento de nove
pollegadas.
∗∗
) Nota no texto original: Hum grande número de animaes gigantescos habitavão nessa épocha nas matas do
Brazil. O Mammouth e o Megatherium Cuvieri (grifo no original) erão do tamanho do Elephante. As famílias
das Preguiças e dos Tatus, que actualmente abrangem só animaes de estatura pequena ou medíocre, continhão

136

Esta observação é importantíssima, pois revela um naturalista que já questionava e
começava a se descolar do paradigma catastrofista. Lund, segundo as suas próprias
palavras, procurava especificamente por vestígios humanos nas novas cavernas que
explorava. Ou seja, em algum momento entre 1835 e 1841 ele passou a aceitar a
possibilidade de várias espécies terem sobrevivido à última revolução que teria se abatido
sobre a superfície do planeta. Se não encontrava diferença anatômica alguma entre os
fósseis da raposa, da cotia e da lebre, por exemplo, quando comparados aos esqueletos das
espécies viventes, a primeira conclusão que se tira é que a última catástrofe da Terra não
extinguiu todas as formas de vida que habitavam o interior do Brasil. Lembremos que
desde a viagem com Riedel pelo sertão de São Paulo em 1833, Lund acreditava que o
povoamento humano da região era muito antigo, como sugeria a hipótese da transformação
antropogênica da mata virgem em catanduvas e campos.199
Mas a busca por esqueletos humanos mostrou-se elusiva. Lund estava a ponto de dar a
questão por encerrada:
“Julgava pois, tanto que huma questão possa ser decidida por via de factos negativos,
o número destes factos já suficiente para decidir a presente questão, quando
inesperadamente, depois de seis annos de laldadas pesquizas, tive a fortuna de
encontrar com os primeiros restos de indivíduos da espécie humana embaixo de
circunstâncias, que ao menos admittião a possibilidade de huma solução contrária da
questão.
Achei estes restos humanos em huma caverna, que continha, e misturados com elles,
ossos de vários animaes de espécies decididamente exstinctas (Platyonyx
Bucklandii,200 Chlamydotherium humboldtii, 201 C. majus, Dasypus sulcatus,
Hydrochoerus sulcidens202 e.a.), huma circumstância, que devia chamar toda a
attenção para estes (sic) interessantes relíquias (da antigüidade).

nesses tempos huma abundância de espécies de dimensões extraordinárias, assim como se verá na descripção
especial destes animaes na précitada memória, e nas figuras da obra junta.
199
Campos é um termo usado por Lund, mas também por Warming, para definir a vegetação de cerrado.
200
Platyonyx Lund 1840. Annales des Sciences Naturelles, Paris [2] (Zool.), 13, 316.
201
Glyptodon septentrionalis Leidy 1889, ou Holmesina septentrionali Simpson.
202
Espécie extinta de capivara descrita por Lund em 1840, mas provavelmente a Hydrochoerus hydrochaeris
(Linnaeus, 1766).

137

Demais apresentarão (estes ossos humanos) elles todos os characteres physicos dos
ossos realmente fósseis. Erão em parte petrificados em parte penetrados de partículas
férreas, o que dava à alguns delles um lustro mettálico, (que fazia elles imitar objectos
de bronze) imitante o bronze, assim como hum peso extraordinário. Sobre a immensa
idade delles não podia pois haver dúvida alguma, porém em quanto à questão de
saber, se os indivíduos, de que (dos quais) elles derivavão, tinhão sido coevos203 com
os animaes, na cuja companhia se achavão, não se pode infelizmente tirar conclusão
alguma decisiva, visto a caverna que os continha (não qual erão depositados), acharse na margem de huma lagoa, cujas agoas annualmente, no tempo das grandes chuvas,
entravão nella. Em conseqüência desta circunstância pode não só ter havido huma
introducção sucessiva de restos de animaes na caverna, como também os introduzidos
posteriormente podião misturar-se com os já depositados (porém os já depositados
podião pela força das águas ser misturados com os introduzidos posteriormente).
Esta

(supposição

verificou-se

pela

experiência)

possibilidade

mostrou-se

effectivamente realisada, pois que no meio dos ossos pertencentes à espécies
devidamente exstinctas achou-se outros de espécies ainda existentes. Estes últimos
mostrarão no seu estado de conservação serem de (differentes) diversas idades,
differindo alguns apenas de ossos frescos, e approximando-se outros ao estado
submettálico de que tenho fallado, achando-se o maior número a hum degrão de
decomposição intermédio entre estes dous extremos. Huma differença semelhante,
posto que menos considerável, notou-se igualmente nos ossos humanos, provando
innegavelmente huma (differente idade) desigualdade na idade delles.
Porém todos apresentarão sufficiente alteração na sua composição, e textura para
reclamar para elles huma grande antigüidade, de sorte que, se elles perderão (a
authoridade de servir) o direito (os títulos) de servirem como documentos para
decidir a questão principal da coexistência do homem com as grandes espécies
exstinctas de mammíferos terrestres, ao menos conservão ainda bastante interesse
embaixo deste último ponto de vista†(18/01/1842).

203

Contemporâneos.

138

Parece claro que, para Lund, as ossadas humanas mais antigas – aquelas que possuíam
“todos os characteres physicos dos ossos realmente fósseis†– tinham que ser
contemporâneas dos fósseis de preguiça terrícola e de gliptodonte ao lado dos quais foram
encontrados. Apenas não era possível afirmar esta crença em função da presença dos
fósseis de espécies viventes que variavam do estado fresco ao submetálico, variação notada
“igualmente nos ossos humanosâ€. O problema não era, portanto, duvidar da
contemporaneidade dos ossos humanos mais antigos com os das espécies extintas, pois
“sobre a immensa idade delles não podia pois haver dúvida algumaâ€. O problema era a
introdução posterior de ossos, humanos ou não, que “podião pela força das águas ser
misturados com os introduzidos posteriormenteâ€. Este dado criava margem para
questionamentos e contestações, algo que Lund, escravo que era do rigor científico, não
admitia. Ele buscava uma prova definitiva para a questão da contemporaneidade do homem
com as feras extintas. Nada menos que isso seria o suficiente.
Antes de Lund, alguns esparsos ossos humanos já haviam sido achados na região do
Prata e nos Estados Unidos, mas estes espécimes nem de perto podiam ser comparados em
quantidade nem variedade aos coletados por Lund. De qualquer forma, naquele momento
Lund não tinha conhecimento daqueles achados (o que ele próprio afirma abaixo). O
naturalista dinamarquês achava que era o primeiro a encontrar ossadas humanas no Novo
Mundo, uma oportunidade que jamais poderia deixar de ser explorada em todas as suas
possibilidades:
“Pelas indagações dos naturalistas da Europa consta, que nenhuma das grandes
espécies de mammíferos terrestres, cujos ossos se achão n’hum estado
verdadeiramente fóssil, tenha existido viva nos tempos históricos, e que por
conseguinte a data da sua exstinção remonta à mais do que três mil annos. Applicando
este resultado às espécies exstinctas do Brazil, no que concorda o estado de
conservação dos ossos, que se acharão n’hum estado (perfeita petrificação)
conservação perfeitamente análogo ao que characteriza os ossos fósseis, huma
antigüidade correspondente, temos para estes huma idade de trinta séculos para cima.
Como porém o processo da petrificação he hum dos que são menos bem estudados,
principalmente em relação ao tempo exigido para a sua consummação, e constando
mesmo que esse tempo varia (consideravelmente) segundo as circunstâncias mais ou
139

menos favoráveis, não se pode arriscar huma estimação delle senão com huma
approximação bastante (bastantemente) vaga.
Seja porém isto como for, sempre fica para estes ossos huma antigüidade bastante
considerável, que faz elles remontar não só muito além da épocha do descobrimento
desta parte do mundo, como talvez além de todos os documentos immediatos que
possuímos da existência do homem, visto não se ter ainda achado em outra alguma
parte ossos humanos em estado de petrificação.
Fica portanto provado por estes documentos em primeiro lugar: que a povoação do
Brazil deriva de tempos mui remotos, e indubitavelmente anteriores aos tempos
históricos†(18/01/1842).
Aqui temos mais uma evidência indireta da crença de Lund na contemporaneidade do
homem com a megafauna, pois se “nenhuma das grandes espécies de mammíferos
terrestres, cujos ossos se achão n’hum estado verdadeiramente fóssil, tenha existido viva
nos tempos históricosâ€, sua extinção remonta a mais de três mil anos. É difícil saber onde
Lund foi buscar este número. Sabemos que em 1645 o bispo Usher declarou que a Terra
tinha seis mil anos. Já para Buffon, a Terra tinha de 74.047 anos. Talvez Cuvier tenha
decretado em algum de seus escritos que todos os fósseis verdadeiros teriam mais de três
mil anos. A idade assumida por Lund para os ossos de Sumidouro tornava-os
contemporâneos – mas não anteriores – ao Egito Antigo, a mais antiga civilização que os
europeus conheciam até então, pois como havia dito Napoleão ao vencer a Batalha das
Pirâmides em 1799: “Soldados, do alto destas pirâmides, quarenta séculos vos
contemplamâ€. De qualquer forma, Lund acertou ao identificar aqueles ossos como précolombianos. Mas quem eram eles, afinal?
“A questão que se offerece naturalmente agora, he saber: quem forão esses
antiqüíssimos habitantes do Brazil? De que raça erão? Qual era o seu modo de vida, a
sua perfeição intellectual? Felizmente as respostas a estas questões são menos
diffíceis e menos duvidosas. Tendo achado vários crânios mais ou menos completos,
pude determinar o lugar, que devião ocupar os indivíduos a quem tinhão apertencido,
no systema anthropológico. Effectivamente a estreiteza da testa, a proeminência dos
ossos zygomaticos, o ângulo facial, a forma da maxilla e da órbita, tudo assigna a

140

estes crânios o lugar entre os mais characterísticos da raça americana. (Hum dos
characteres por mais notáveis pelo qual a raça americana se distingue) He sabido
que a raça à qual se approxima mais a raça americana he a mongólica, e que hum dos
characteres mais constantes e mais salientes, pelos quais se distinguem entre si, he a
maior depressão da testa na primeira. Neste ponto da organização dos crânios antigos
mostrão-se não somente conformes com os da raça americana, mas alguns delles
exibem este character (até) n’hum grão excessivo, até o desapparecimento total da
testa.
Fica pois provado em segundo lugar, que os povos que em tempos remotíssimos
habitarão nesta parte do novo mundo, erão da mesma raça, que os que no tempo da
conquista ocupavão este paíz†(18/01/1842).
Esta análise morfológica dos crânios do Sumidouro revela um Lund fiel seguidor do
“systema anthropológico†de Blumenbach, que em 1795 havia dividido o Homo sapiens
nas raças caucasiana, mongolóide, etíope, americana e malaia.204 De qualquer forma, a
correlação dos crânios do Sumidouro com a morfologia craniana dos índios americanos é
uma constatação pioneira e brilhante feita por Lund. Produto de sua época, no entanto,
Lund tenta aferir as capacidades intelectuais e cognitivas do antigo povo de Lagoa Santa.
Ao comparar o volume craniano do povo do Sumidouro com o dos caucasianos para tirar
daí conclusões que validam a supremacia da raça branca, Lund mostrou que lhe faltava à
ousadia intelectual e a falta de preconceito de um Charles Darwin:
“(He sabido) Sabe-se, que as figuras humanas, que se achão esculpidas nos
monumentos antigos do México, representão em mor parte huma configuração
singular da cabeça, sendo esta inteiramente destituída de testa, fugindo o crânio por
(detraz) atráz immediatamente em cima das cristas superciliares. Esta anomalia, que
geralmente se atribuía ou à huma defiguração (sic) artificial da cabeça, ou ao gosto
dos artistas, admitte agora huma explicação mais natural, sendo provado pelos
presentes documentos authênticos, que realmente tem existido neste continente huma
raça exhibindo esta abnorme conformação.

204

Em De generis humani varietate native líber.

141

(A maior parte destes esqueletos erão de tamanho ordinário, dous, que mostrarão ter
pertencido a indivíduos) Os esqueletos mostrarão terem pertencido a indivíduos de
ambos os sexos, e erão de tamanho ordinário; todavia dous, de homens, offerecerão
dimensões acima do vulgar.
Despois destas breves noções sobre (o estado) a natureza physica dos antigos
autóchtones do Brazil passarei a expor succintamente as conclusões que desta
descoberta se pode tirar relativamente ao (seu) estado intellectual, e ao provável grão
de civilização (presumptivo) em que se achavão (esses antigos habitantes) esses
povos.
Sendo, como he (indubitável) sufficientemente provado, que o desenvolvimento da
intelligência está em relação direita ao desenvolvimento do cérebro, fica sempre a
inspecção do crânio, para (ajuizar) avaliar o degrão que deve ocupar o indivíduo
examinado e conseguintemente a raça à que elle pertence na escala progressiva dos
entes intellectuaes.
Applicado este critério nos crânios em questão, há de sahir a sentença muito em
desfavor das faculdades intellectuaes dos indivíduos de quem derivão, nem podemos
esperar grandes progressos na indústria e nas artes de povos cuja organização cerebral
offerece hum substrato tão mesquinho para a sede de intelligência†(18/01/1842).
A carta para Reinhardt de 1842 e o relato de Von Helmreichen de 1846 demonstram
que o problema crucial investigado pelo naturalista dinamarquês desde 1841 era a
antigüidade dos restos humanos que encontrou. Desta antigüidade dependia sua
coexistência com megafauna extinta, pois parecia já estar claro para Lund que, de uma
forma ainda desconhecida, algumas espécies haviam ultrapassado a barreira da última
revolução da superfície terrestre. Se algumas conseguiram este feito, porque não o homem?
Dezoito anos antes da Origem das Espécies, Lund já afirmava ser “difícil marcar um limite
exato onde termina a espécie extinta e começa a recente. Parece que houve uma certa
transição no decorrer dos tempos, de modo que existe uma grande semelhança entre as
diversas espécies da seqüência, mesmo tendo diferenças bem distintas entre as espécies
iniciais e finaisâ€. A busca da lógica por trás desta transição, lógica a qual Darwin chamaria
de adaptação, seria a meta dos três últimos anos do trabalho de Lund nas cavernas.

142

PARTE II

143

Capítulo 1 - As fontes sobre a vida de Lund

1.1 – As fontes impressas
As principais fontes impressas para conhecermos a vida de Peter Wilhelm Lund são
três biografias escritas por seus contemporâneos entre 1882 e 1928, além de um romance
biográfico de 1981. Entre as biografias, há duas principais. A primeira delas,
Naturforskeren Peter Wilhelm Lund, hans Liv og hans Virksomhed,205 foi escrita em
dinamarquês e publicada em 1880, logo após a morte de Lund.. Ela foi traduzida para o
francês em 1882 a pedido de Dom Pedro II, sob o título Le naturaliste Peter Wilhelm Lund.
Sa vie et son oeuvre, porém o manuscrito jamais foi publicado. Seu autor é o zoólogo
Johannes Theodor Reinhardt, o filho do orientador de Lund, J. Reinhardt. Além de ter se
correspondido com Lund ao longo de 35 anos, período em que foi curador da coleção Lund
no Museu de História Natural de Copenhagen, J. T. Reinhardt visitou Lagoa Santa em três
oportunidades, lá permanecendo da primeira vez quase três anos. Com a morte de Lund em
1880, J. T. Reinhardt reuniu sua enorme correspondência ativa e passiva, além dos
cadernos de rascunho e de anotações de campo, classificando todos os documentos e
doando-os à Biblioteca Real de Copenhagen, onde se encontram desde então. A obra de J.
T. Reinhardt usada nesta pesquisa é o manuscrito em francês arquivado no Arquivo
Histórico do Museu Imperial, em Petrópolis.
São baseados na biografia de autoria de J. T. Reinhardt as biografias O Naturalista
Dr. Lund (Peter Wilhelm). Sua vida e seus trabalhos (1883), do médico dinamarquês
Theodoro J. H. Langgaard (1813-1883), Lund e suas Obras no Brasil (1884), do francês
Claude Henri Gorceix (1842-1919), primeiro diretor da Escola de Minas de Ouro Preto; e
Peter Wilhelm Lund no Brasil - Problemas de paleontologia brasileira (1939), de Aníbal
Mattos, professor da Escola de Arquitetura da UFMG.
A segunda principal fonte para se conhecer a vida de Lund é a biografia escrita por
sua sobrinha, Henriette Lund (1829-1909), com quem o naturalista se correspondeu de
1853 até a sua morte, sem jamais conhecer pessoalmente. Naturforskeren Peter Wilhelm
205

O Naturalista Peter Wilhelm Lund, sua vida e seu trabalho.

144

Lund: En biografisk skizze206 foi publicada em Copenhagen em 1885, porém nunca
traduzida. Ao se cotejar seu conteúdo com o da biografia escrita por J. T. Reinhardt
percebe-se que os trabalhos são quase idênticos. As alterações no livro de Henriette
acontecem apenas nas partes aonde Reinhardt se refere ao relacionamento de seu pai com
Lund, com trechos de cartas enviadas por Lund àquele, trechos estes suprimidos por
Henriette. Por outro lado, passagens quase despercebidas na obra de Reinhardt ganham vida
no trabalho de Henriette (como, por exemplo, a viagem de Lund e Riedel) através de uma
farta documentação de cartas enviadas pelo naturalista à sua família em Copenhagen.
Sendo assim, as duas fontes se complementam, sendo a de Reinhardt mais focada no ponto
de vista científico e a de Henriette na vida pessoal de seu tio.
Existe ainda uma terceira biografia de Lund: O Naturalista - Biographia do Dr. Pedro
Guilherme Lund (1928). Esta seria da maior importância para revelar aspectos do cotidiano
de Lund nos seus 15 últimos anos de vida, pois foi escrita por Nerêo Cecílio dos Santos (?1922), seu filho adotivo, secretário particular e herdeiro. Sua leitura, no entanto, revela se
tratar de um plágio abreviado do trabalho de J. T. Reinhardt e de Henriette Lund. Nerêo,
que aprendeu dinamarquês com Lund, teve acesso à biografia escrita por Henriette, que o
presenteou com um exemplar em 1885. 207 Em sua apresentação, ele declara que:
“na elaboração da biographia de Lund não há nada que não seja o meu esforço.
Difficuldades enormes, que se me apresentaram no decurso deste trabalho, resolvi-as
com muita canseira, ás vezes, mas sem consultar a ninguem†(SANTOS, 1928, p.12).
Mais adiante, explica:
“Sou forçado a passar em silencio a infancia e a puericia do nosso biographado, por
carencia absoluta de dados; também sobre a sua vida em lagoa Santa, antes de eu ter
ido para a sua companhia, faço omissão para não descrevel-a firmado em informes de
outrem, quando tomei para directriz, ao traçar-lhe o perfil, apoiando-me em dados

206

O cientista Peter Wilhelm Lund: Um esboço biográfico. Como não foi encontrada nenhuma cópia deste
livro no Brasil, o exemplar que serviu como base para a tradução foi adquirido de um antiquário de
Estocolmo.
207
Conforme ele mesmo atesta em carta dirigida ao Dr. Troels Troels-Lund, sobrinho de Peter Lund, datada
de 7 de janeiro de 1886 (NKS 3883 4º).

145

comprobativos de minhas affirmações, extrahidos do seu archivo, que possùo e
guardo com o carinho e a veneração†(SANTOS, 1928, p.18).
Ora, como seria possível Nerêo possuir tal arquivo se toda a correspondência de Lund
foi enviada para a Dinamarca logo após sua morte em 1880? Basta a simples comparação
das obras de Reinhardt e de Nerêo, entretanto, para comprovar que este seguiu quase com
exatidão a obra daquele, inclusive abrindo parágrafos para inserir o texto de duas cartas
trocadas entre Lund e o Rei Christian VIII (ver CHRISTIAN VIII, 11/04/1846; LUND,
10/01/1845) que se encontram na Biblioteca Real. Sendo assim, o trabalho de Nerêo tem
importância bastante reduzida para os efeitos desta tese.
Além das obras acima citadas, existe ainda um romance biográfico e dois pequenos
ensaios biográficos. O romance Vejen til Lagoa Santa,

208

de Henrik Stangerup, é baseado

na biografia de Henriette Lund. Como esta, retrata um homem amargurado e isolado do
mundo. Publicado na Dinamarca em 1982, o romance foi traduzido no Brasil no ano
seguinte, com o título de Lagoa Santa: vidas e ossadas (STANGERUP, 1983).
Quanto aos ensaios, o primeiro foi publicado em 1950 pelo paleontólogo Carlos de
Paula Couto, tradutor das memórias científicas de Lund. O volume possui uma introdução
biográfica baseada em artigo de Magnus Degerbøl (DEGERBØL, 1945). Já o capítulo
sobre a vida de Lund escrito pelo paleontólogo americano George Gaylord Simpson (19021984) em Discoverers of the Lost World (1984) foi baseado no trabalho de Paula Couto
citado acima.
Fontes secundárias consultadas para este trabalho são os pequenos ensaios “Dr. Lunds
kranier i Knokkelhulerne - et glemt kapitel i det sydamerikanske menneskes historieâ€

209

(HOLTEN et STERLL, 1997), “The Danish Naturalist Peter Wilhelm Lund (1801-80):
Research on early man in Minas Gerais†(HOLTEN et STERLL, 2000) e “Peter W. Lund, a
naturalist of several sciences†(CARTELLE, 2002). Com relação à história da família de
Lund na Dinamarca, a fonte utilizada é “Lund e sua Família†(2002), escrito pela sobrinha
bisneta do naturalista, Ebba Lund (1923-1999).

208

A estrada para Lagoa Santa.
Os crânios das cavernas de ossos do Dr. Lund – Um capítulo esquecido na história humana na América
do Sul.
209

146

1.2 – As fontes manuscritas
Com relação às fontes manuscritas sobre a vida do naturalista dinamarquês, elas
existem em profusão. Como adiantado acima, a enorme correspondência ativa e passiva de
Lund – são mais de mil cartas – reunida por J. T. Reinhardt na Biblioteca Real de
Copenhagen forma um patrimônio riquíssimo e que só começou a ser explorado em meados
dos anos 1990 pelo casal de pesquisadores dinamarqueses Birgitte Holten e Michael Sterll
(HOLTEN, 2002; STERLL, 2002). É com base nesta correspondência que eles publicaram
dois ensaios biográficos citados acima (1997; 2000). Existe ainda em dinamarquês um
outro ensaio biográfico, por Tove Hatting (1980).
A correspondência está dividida em várias categorias.210 A mais importante do ponto
de vista científico é formada pelas numerosas cartas trocadas com os colegas acadêmicos
dinamarqueses, caso dos Reinhardt, pai e filho (LUND, 29/11/1841; 14/01/1843,
16/11/1843, 26/04/1844, 10/01/1845); C. C. Rafn (LUND, 19/02/1840); Forchhammer,
Ørsted, Raben, 211 Schouw e Steenstrup212 - além do Rei Christian VIII (CHRISTIAN VIII,
11/04/1846; LUND, 10/01/1845). Ao lado destes existem, em número menor, cartas
trocadas com outros sábios europeus, caso de Louis Agassiz (LUND, 31/05/1865),
Audouin, Burchell, A. P. de Candolle, Humboldt (LUND, 28/11/1837) e Martius.
No Brasil, as cartas de cunho científico foram trocadas com o amigo Ludwig Riedel,
diretor do Jardim Botânico e com os membros do Instituto Histórico e Geográfico
Brasileiro: Januário da Cunha Barboza (LUND, 10/11/1839, 19/02/1840, 18/01/1842,
11/10/1845), Raimundo José de Cunha Mattos (LUND, 21/01/1839) e Manuel Ferreira
Lagos (LUND, 28/06/1845) – sem esquecer de Peter Claussen, o responsável por apresentar
em Curvello às cavernas de ossos a Lund.
Um segundo bloco corresponde às cartas relativas aos negócios no Brasil, dirigidas
aos negociantes dinamarqueses Hamann & Co., ao livreiro Baptiste-Louis Garnier (18231893) e ao cônsul dinamarquês Carl Prytz, todos no Rio de Janeiro.

210

Para um levantamento bastante completo desta extensa correspondência, ver HOLTEN, 2002.
Frederik Christian, conde de Raben (1769-1838), botânico dinamarquês, viajou pelo Brasil.
212
Japetus Steenstrup (1813-1897), zoólogo dinamarquês.
211

147

Por fim, o terceiro grupo é a correspondência trocada com a família: a mãe e os
irmãos Johan Christian e Henrik Ferdinand; ao primo Peter Christian Kierkegaard; e aos
sobrinhos Henriette, Marina, Michael, Ole Henrik e Troels Troels-Lund.
Somam-se ainda ao patrimônio de cartas de Lund cerca de 20 trocadas entre ele e o
botânico dinamarquês Eugen Warming (LUND, 7/07/1877 e 28/03/1880), além dos seus
cadernos de anotações de campo, arquivados na Biblioteca Central do Museu de Botânica
da Universidade de Copenhagen. Por fim, existem algumas cartas enviadas aos membros do
Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro no Rio de Janeiro, além de documentos e
disposições testamentárias depositados no Arquivo Histórico do Museu Imperial, em
Petrópolis.
A correspondência de maior importância para este trabalho mostrou-se ser, além
daquela enviada para Reinhardt, pai (entre a qual traduzi cinco cartas), toda a
correspondência trocada com brasileiros entre os anos de 1839 e 1845, relativa a uma
disputa judicial em que Lund se envolveu e que se revelou decisiva para o futuro das suas
pesquisas no Brasil. Estas cartas, a maioria em português, mas também redigidas em
francês e alemão, foram trocadas com João Evangelista Amado (LUND, 31/03/1845,
10/07/1845), Sebastião da Rocha Brandão (LUND, 09/02/1840, 27/03/1841, 21/03/1843,
16/04/1843, 05/06/1843, 20/08/1846), Manoel Rodrigues Lima (15/07/1846, 21/07/1846,
s/d - 07/1846), Francisco Wizner von Morgenstern (LUND, 11/03/1840, 10/04/1841;
MORGENSTERN, 16/07/1839, 25/02/1840, 08/01/1841; VIERA, 22/02/1840), e
Quintiliano José da Silva (LUND, 17/04/1841, 17/01/1842, 20/09/1842, 15/04/1843,
10/11/1843, 22/02/1844, 09/01/1845, 1o/02/1845, 20/03/1845, 10/06/1845).
Finalmente, existem na coleção de Copenhagen mais de 30 cartas escritas por Nerêo
Cecílio dos Santos de 1880 até 1914. Destas, foram selecionadas as três redigidas
imediatamente após a morte de Lund, enviadas para J. T. Reinhardt (SANTOS, 27/05/1880,
11/09/1880) e Troels-Lund (TROELS-LUND 13/09/1880), relatando as circunstâncias da
morte do naturalista e as providências relativas ao seu enterro e cumprimento das
disposições testamentárias. 213

213

As demais cartas escritas por Nerêo fornecem um painel bastante constrangedor e melancólico do que foi a
vida deste após a morte de seu bem-feitor. Isolado em Lagoa Santa, com uma família que não parava de
crescer (teve mais de 12 filhos), Nerêo sobrevivia a custa da pensão anual que recebia dos sobrinhos de Lund,

148

Todas as cartas utilizadas neste trabalho constam em cópia xerográfica do Anexo no
final deste trabalho. As cartas redigidas em dinamarquês e em alemão no alfabeto gótico,
foram transcritas para o alfabeto latino e traduzidas. Tanto o texto original quanto a
tradução encontram-se no Anexo. As cartas redigidas em francês e inglês se encontram
transcritas, mas foram mantidas no idioma original, ao lado das manuscritas em português,
enviadas por Lund ou endereçadas a este.

1.3 – A obtenção dos manuscritos
Até o momento de sua morte, Peter Wilhelm Lund guardou a imensa maioria da
correspondência que recebeu desde que embarcou pela primeira vez de Copenhagen em
direção ao Novo Mundo, em 1825. Com sua morte, estes preciosos documentos, aos quais
se somaram os seus cadernos de rascunho (os cadernos de anotações de campo Lund havia
dado muitos anos antes a Eugen Warming), foram despachados (provavelmente por Nerêo
Cecílio dos Santos) para J. T. Reinhardt na Dinamarca. A este acervo Reinhardt
acrescentou as cartas originais de Lund enviadas ao longo de 55 anos para os membros da
sua família (que, por sorte, também, as preservaram), bem como aquelas endereçadas de
1825 a 1845 a J. Reinhardt. Além disso, o discípulo de Lund somou à coleção os
manuscritos originais de todas as memórias científicas escritas no Brasil e publicadas na
Dinamarca entre 1837 e 1845. J. T. Reinhardt leu todo o material, organizando-o e
classificando-o em três grandes divisões temáticas: cartas aos familiares, cartas aos
Reinhardt, e todas as demais. O material foi então arquivados em ordem cronológica e
doado à Biblioteca Real no ano da morte de J. T. Reinhardt, ou seja, 1882.
Na década de 1980, uma pequena parte do material, apenas os originais das memórias
científicas, foi microfilmada. No início dos anos 2000, a Biblioteca Real estabeleceu na
Internet um serviço de consulta on-line à sua coleção de cartas da seção de manuscritos
(que pode ser acessado no site www.kb.dk/kb/dept/nbo/ha/online-databaser/bbase). Através
deste site foi feito o levantamento de toda a documentação de interesse para este projeto,

ao mesmo tempo em que sonhava mudar-se para a Dinamarca, sem jamais conseguir. A partir de 1886,
transfere-se para a Fábrica da Cachoeira, uma tecelagem em Curvelo, onde se emprega como secretário.

149

cujo serviço de microfilmagem e aquisição dos microfilmes foi solicitado junto a Kongelige
Bibliotek.
Como pode se imaginar, a coleção é vasta. São mais de mil cartas, que resultaram em
9 rolos de microfilme, contendo ao todo 3.545 imagens ou cerca de sete mil páginas
manuscritas. Soma-se a esta coleção as 20 cartas que Lund enviou a Eugen Warming. Estas
se encontram arquivadas na Biblioteca Central do Museu de Botânica da Universidade de
Copenhagen, onde Warming trabalhou a vida toda, e foram gentilmente enviadas na forma
de cópias xerográficas.

150

Capítulo 2 – Os trabalhos de transcrição e de tradução

2.1 – O dinamarquês em gótico
O filósofo Philostorgius (368-439) de Constantinopla atribuiu a criação do alfabeto
gótico ao godo Wulfila (Ulfilas em latim, c.310-388), que viveu por vários anos no Império
Romano do Oriente até ser ordenado em 341 pelo bispo de Constantinopla Eusébio de
Nicomédia como “bispo de Cristo nas terras dos godosâ€. Wulfila retornou então ao seu
povo como missionário para a conversão de visigodos e ostrogodos ao cristianismo.
Durante este trabalho, Wulfila traduziu a Bíblia do grego para o godo antigo, usando para
tanto o alfabeto gótico por ele criado. Nos séculos seguintes, seu exemplo foi seguido pelos
missionários germânicos que prosseguiram com a cristianização e a introdução da escrita
aos povos germânicos da Europa central e às tribos vikings da Escandinávia. Desse modo,
já no século XI a maioria dos povos da região utilizavam o gótico para escrever os seus
diversos idiomas. Seu uso prosseguiu até o final do século XIX, sendo abandonado – no
caso da Dinamarca – em 1885.214
Ao longo de seus mais de mil e quinhentos anos de vida, o alfabeto gótico sofreu
mudanças importantes que, como não poderia deixar de ser, acabaram diferenciando o
gótico manuscrito utilizado na Escandinávia daquele que se escrevia nos países de língua
alemã. O alfabeto gótico em sua versão dinamarquesa do início do século XIX é aquele
usado por Peter Wilhelm Lund em todas as cartas trocadas com professores, familiares e
amigos da Dinamarca, isto é, a imensa maioria da sua correspondência depositada na
Biblioteca Real de Copenhagen.
Mas Lund também dominava o gótico alemão, assim como os alfabetos grego e
latino. Além de fluente em português e francês, ele também escrevia em italiano e inglês.
Uma vez tendo importados os microfilmes com as milhares de páginas do arquivo Lund, a
leitura das cartas em português e francês não ofereceu grande desafio. Já com o
dinamarquês e o alemão, a história foi bem diferente. Aprender a decifrar, transcrever e

214

O alfabeto gótico foi reintroduzido na Alemanha durante a vigência do regime nazista.

151

traduzir a caligrafia de Lund naqueles idiomas foi sem dúvida a tarefa mais árdua,
trabalhosa e demorada deste trabalho de doutoramento.
O primeiro passo dessa empreitada foi, como não poderia deixar de ser, o aprendizado
da língua dinamarquesa. A princípio, eu acreditava que os meus conhecimentos de inglês e
de alemão bastassem para me ajudar no aprendizado, que pretendia realizar de forma
autodidata. Mas muito cedo tomei ciência de que seria impraticável. Isto porque, à exceção
dos neologismos, a base do dinamarquês moderno é o antigo viking, que em nada lembra as
línguas latinas e relaciona-se de forma muito distante ao alemão medieval. A explicação
está na cristianização das diversas tribos vikings: dinamarqueses, noruegueses e suecos, que
se deu por obra de monges alemães que introduziram o alfabeto gótico em torno do ano
1000, momento em que começaram a ser incorporados neologismos, em sua imensa
maioria derivados do alemão medieval. É aí que reside uma das dificuldades de aprender
uma língua como o dinamarquês, uma vez que todas as palavras relacionadas aos objetos e
às ações do cotidiano, ou seja, aquelas usadas pelos agricultores e marinheiros que viviam
nos fiordes durante a Antigüidade e a Alta Idade Média, são de origem viking e assim
permanecem preservadas nas línguas escandinavas modernas.
Não restou opção à não ser recorrer às aulas de dinamarquês. Mas não existem cursos
regulares de dinamarquês em São Paulo. O único que encontrei, de língua e literatura
dinamarquesa, é dado pelo professor Karl Erik Schollhammer na PUC do Rio de Janeiro.
Sendo assim, tive aulas particulares com dois professores nativos, Søren Skov entre 2004 e
2005, e Morten Soubak ao longo de 2006.
Praticamente não existe mudança entre o dinamarquês moderno e o falado 200 anos
atrás. Algumas palavras caíram em desuso, mas nada que um bom dicionário não pudesse
resolver. Neste trabalho foram usados os seguintes dicionários:
Portugisisk-Dansk/Dansk-Portugisisk Ordbog. København, Gyldendals Røde Ordbøger,
2000.
Danish Dictionary. English-Danish/Dansk-Engelsk. Routledge, 1995.
Paralelamente, iniciei o estudo do gótico, dessa vez de forma autodidata, pois não
existem mais cursos nem professores de gótico no Brasil. Em primeiro lugar recorri às
bibliotecas, nas seções de lingüística e de línguas germânicas, assim como aos sites de

152

instituições acadêmicas e de pesquisa dinamarqueses na Internet, a procura de manuais que
pudessem me auxiliar. Foi assim que encontrei as minhas “Pedras da Rosetaâ€, tabelas que
estabelecem a relação entre as letras maiúsculas e minúsculas em gótico manuscrito usadas
na Dinamarca na virada do século XVIII para o século XIX com suas correspondentes em
caracteres latinos, como se vê nas Tabelas I, II, III e IV abaixo:

Tabela I: Exemplos de letras maiúsculas manuscritas em gótico.
Fonte: Statens Arkiver, Copenhagen.

153

Tabela II: Exemplos de letras minúsculas manuscritas em gótico.
Fonte: Statens Arkiver, Copenhagen.

154

Tabela III: O alfabeto gótico empregado na Dinamarca em 1800.
Fonte: Statens Arkiver, Copenhagen (www.sa.dk/sa/elearn/gotisk/alfabet.htm).

155

Tabela IV: Variações da grafia do gótico dinamarquês entre 1785 e 1839. Fonte:
Statens Arkiver, Copenhagen.
156

Um outro auxílio decisivo foi o fato de Lund ter sido contemporâneo (além de primo
em primeiro grau) do filósofo Søren Kierkegaard. Aprender a ler o dinamarquês manuscrito
em gótico da primeira metade do século XIX é um desafio que todo o estudioso de
Kierkegaard tem enfrentado nos últimos 150 anos. Assim, a pesquisa na bibliografia dos
estudiosos de Kierkegaard produziu tabelas de grande ajuda como esta abaixo:

Tabela V: A escrita gótica usada por Søren Kierkegaard.
Fonte: Statens Arkiver, Copenhagen (www.sa.dk/sa/brugearkiver/gotisk/1800kali.htm).

Assim como as cartilhas de alfabetização da infância nos ensinam um padrão básico
de caligrafia, que em muitas vezes nada lembra a caligrafia pessoal de cada um, da mesma
forma todas as letras em gótico das tabelas acima servem apenas como um guia básico para
se tentar decifrar a caligrafia dos manuscritos de Lund (vide Tabela III). Para piorar as
157

coisas, a caligrafia de qualquer pessoa muda muito ao longo da vida. Com Lund, isso não
foi diferente. As cartas do jovem naturalista, datadas das décadas de 1820 e 1830, são quase
incompreensíveis, suas letras são pequenas, estilizadas, quase rabiscos ilegíveis redigidos
por um jovem de visão perfeita. Já o homem maduro, aquele que escavou as cavernas de
Lagoa Santa entre 1835 e 1844, possui uma caligrafia mais aberta e, portanto, mais legível
(Figura I), ainda assim muito diferente daquela que saiu da pena do velho recluso nos anos
1870, quando a vista e a saúde falhavam e a letra, outrora firme, tornou-se trêmula, muito
aberta, e em muitos casos pouco legível.

158

Figura I: Carta em dinamarquês gótico de P. W. Lund para J. Reinhardt, de
29/11/1841. Det Kongelige Bibliotek, Copenhagen.

159

Para exemplificar a dificuldade da leitura e sua tradução, vamos pegar um trecho da
uma carta endereçada a J. Reinhardt:

Figura II: Trecho de carta em dinamarquês gótico de P. W. Lund para J. Reinhardt,
de 26/04/1844. Det Kongelige Bibliotek, Copenhagen.

Ao ampliar a imagem, temos o seguinte:

Figura III: Trecho ampliado de carta em dinamarquês gótico de P. W. Lund para J.
Reinhardt, de 26/04/1844. Det Kongelige Bibliotek, Copenhagen.

160

Com mais uma ampliação chegamos às palavras abaixo:

Figura IV: Trecho ampliado de carta em dinamarquês gótico de P. W. Lund para J.
Reinhardt, de 26/04/1844. Det Kongelige Bibliotek, Copenhagen.
O que está escrito, em caracteres latinos é: kgl Nord. Oldskriftselskab; ou kongelige
Nordiske Oldskriftselskab, que nada mais é do que a Sociedade Real dos Antiquários do
Norte, da qual Lund era membro associado.

2.2 – O alemão em gótico
Nos caso do gótico alemão, cuja leitura foi necessária em algumas poucas – porém
importantíssimas – cartas, como aquelas enviadas a Alexander von Humboldt (Figura IV) e
a Franz Wizner von Morgenstern, a base para decifrar os manuscritos foi esta (Tabela VI):

161

Tabela V: O alfabeto gótico usado na Alemanha no século XIX.

162

Figura V: Carta em alemão gótico de P. W. Lund para Alexander von Humboldt,
28/11/1837. Caderno de cópias de P. W. Lund. Det Kongelige Bibliotek, Copenhagen.
163

A transcrição para o alfabeto latino desta primeira página ficou assim:

Ew. Exzellenz Alexander von Humboldt
Lagoa Santa, den 28te November 1837
Die zuvorkommende Güte, vomit Ew. Exzellenz geruften mich zu empfangen, als ich
das Glück hatte im Jahre 1831 Ew. Exzellenz in Paris vorgestellt zu werden, und die
herablassend Teilnahme, die Sie meinen unbedeutende Forschungen in diesem Land
zu schenken würdigten, erregten Leg wir den lebhaftesten Wunsch, durch fernere
bestrebungen mich jener Güte und Teilnahme würdiger zu machen.
Dem Schosse der tropemnatur zurückgegeben konnte es mir an Stoff zu
untersuchungen nicht fehlen, jedoch zig ein Gegenstand vor allein andere meine
Aufmerksamkeit an sich. Ew. Exzellenz hatte mich darauf geleitet, ich beim Ihnen die
erste Früchte schuldig, die ich auf diesem Felde gesammelt habe. Die Fossilen
Knochenreste Brasiliens bildeten den ersten Gegenstand der lehrreichen
Unterhaltung, womit Ew. Exzellenz mich beehrt. Ich muste Ihnen nichts darüber zu
sagen. Da es mir aber später vergönnt worden ist, einen Teil des Schleiers zu haben,
der diesen Gegenstand bisher verhüllte, beeile ich mich Ew. Exzellenz den ersten
Uebersecht meines Forschungen auf diesem Felde hiermit ehrerbietigste vorzulegen.

Abaixo, lê-se a tradução deste trecho:

À Sua Excelência Sr. Alexander von Humboldt
Lagoa Santa, 28 de Novembro 1837
A atenciosa bondade com que Vossa Excelência me recebeu, quando tive a felicidade
de ser apresentado a Vossa Excelência em Paris no ano de 1831, e o sublime
interesse com o qual o senhor apreciou as minhas insignificantes investigações neste

164

país, provocaram em mim o vivo desejo de por meio de posteriores esforços ser digno
daquelas bondade e interesse.
Poder retornar ao seio da natureza tropical é para mim um material de investigação
inesgotável, não obstante seja um único tema diante dos meus demais interesses.
Vossa Excelência me guiou a recolher ao vosso lado os primeiros frutos que coletei
neste campo. Os ossos fósseis brasileiros formaram o primeiro assunto da rica
conversa com a qual Vossa Excelência me agraciou. Eu não precisava falar nada
sobre isso a Vossa Excelência. Como mais tarde me seria concedido revelar uma
parte do véu que até agora este assunto ocultava, apresso-me a respeitosamente
submeter aqui a Vossa Excelência o primeiro relatório das minhas investigações
sobre este campo.

2.3 – A escolha das cartas em dinamarquês para tradução
Dada a enorme quantidade de textos da coleção Lund em Copenhagen (são mais de
mil cartas ou sete mil páginas que formam a correspondência trocada ao longo de seis
décadas), era necessário eleger aquelas cartas onde haveria maiores chances de Lund
fornecer informações sobre os motivos pelos quais decidiu por fim ao trabalho nas
cavernas. Ao longo da leitura da bibliografia disponível em português, assim como daquela
em dinamarquês moderno e das cartas em português, inglês e francês, foi ficando claro que
Lund era muito objetivo em sua correspondência. Ele não discutia problemas de ordem
pessoal, por exemplo, com o seu orientador, J. Reinhardt, e seus colegas da academia,
assim como não discutia problemas de natureza científica com seus familiares.
Como a hipótese desta tese parte do princípio que Lund paralisou seus trabalhos
justamente em função de uma crise teórica, com o abandono do modelo cuvierista a partir
da constatação de que espécies viventes conviveram com aquelas extintas, constatação que
se tornou inescapável a partir do encontro das ossadas humanas na Lapa do Sumidouro, a
primeira decisão foi excluir do estudo a correspondência com os familiares. Em
conseqüência pareceu-me claro que, caso existisse algum problema de natureza científica
para impedir o prosseguimento das escavações, este deveria surgir na discussão nas cartas

165

endereçadas J. Reinhardt, nos trechos onde Lund relata o andamento do trabalho nas
cavernas e a problemática da classificação das novas espécies.
Lund enviava para J. Reinhardt em média duas cartas por ano, número que se
manteve inalterado de 1826, quando da primeira viagem ao Brasil, até 1845, o ano da morte
de J. Reinhardt. Com o falecimento, o principal destinatário da correspondência científica
de Lund passou a ser J. T. Reinhardt. O conjunto de correspondências enviadas por Lund
para J. Reinhardt é de 46 cartas (ou 171 páginas). No mesmo período, de 1825 a 1845, J.
Reinhardt enviou para Lund 26 cartas (ou 131 páginas).
Em função da dificuldade para decifrar a caligrafia de J. Reinhardt (a caligrafia de
uma pessoa pode ser muito diferente da de outra), optei por limitar meu universo de estudo
à correspondência enviada por Lund para J. Reinhardt. Entre estas, escolhi o corte temporal
entre os anos do início de 1843 e o final de 1845, ou seja, os dois últimos anos de pesquisa
nas cavernas como um todo - e na Lapa do Sumidouro em particular. Assim, o universo de
análise foi reduzido a quatro cartas, datadas de 14/01/1843, 16/11/1843, 26/04/1844, e
10/01/1845, respectivamente. Some-se a elas ainda uma carta de 29/11/1841, justamente a
primeira que traduzi antes de me decidir pelo corte temporal definido acima. No total, as
cartas para Reinhardt totalizam 24 páginas em português.
Também inclui no estudo duas cartas enviadas ao botânico Eugen Warming, já no
final da vida de Lund. A primeira é de 07/07/1877 e a segunda de 28/03/1880, escrita
apenas 15 dias antes da morte do naturalista. Elas foram incluídas porque foram as
primeiras que traduzi, antes de enfrentar as cartas endereçadas para J. Reinhardt, mas
também pelo seu valor histórico e por terem sido redigidas por um homem no final da vida,
podendo assim fornecer indícios de um “acerto de contas†com o passado. As cartas para
Warming totalizam sete páginas em português.
Por fim, e igualmente seguindo a lógica do indiscutível valor histórico e da
possibilidade da revelação de indícios sobre o fim do trabalho nas cavernas, inclui mais três
cartas, trocadas por Lund e o Rei Christian VIII, onde Lund doa sua coleção ao povo da
Dinamarca, o rei aceita o presente, e Lund agradece. As cartas são, respectivamente, de
10/01/1845, 11/04/1846 e 08/08/1846. Uma tradução em francês consta do ensaio
biográfico de J. T. Reinhardt, de 1882, mas é a primeira vez que essas cartas são traduzidas
diretamente do dinamarquês para o português, idioma no qual elas totalizam seis páginas.

166

A seguir, seguem as cartas, primeiro com as imagens dos originais manuscritos,
seguidas por sua versão para o alfabeto latino e por fim a tradução para o português.

167

Capítulo 3 – As cartas traduzidas

3.1 – Cartas de Lund para J. Reinhardt
LUND, P. W. Carta para Johannes Christopher Hagemann Reinhardt, København.
København: Det Kongelige Bibliotek, NKS 2838. 29/11/1841.
O original em gótico:

168

169

170

171

172

A versão para o alfabeto latino:
Lagoa Santa, den 29de November 1841
Velbaarne Hr. Etatsraad!
modtaget 14/5 42
besvaret 2/6 42
Aalle Maaneder ere nu forløben siden jeg sidst havde den Ære at skrive Dem til,
nemlig under 10de Marts. Denne længe Tavshed har for nemmelig sin Grund i to
omstændigheder;
1°, at jeg bestandig ventede at modtage en skrivelse fra Hr. Etatsraaden, da jeg siden Deres
andet skrilvelse 6-26 August f.A. ingen senere har modtaget;
2°, at jeg ej havde andet end nedslaanede Eftere etninger at meddele hvorfor jeg holdt det
for naadeligst at opsætte Skrivningen indtil Forholden maatte forbedre sig. Uagtet nu
hverken dette sidste er indtræffet, ej heller endnu hiin Forventning er bleven opfyldt, har
jeg dog troet ej længere at bunde udsætte min Kørrespondance, og griber derfor til Pennen
for at opfriske mig noget i Hr. Etatsraadnes Erindring, og for at melde hvad der er
foreholdet siden min sidste Skrivelse.
De vil af denne have bemærkt , at det ej stod synderlig godt til med min helbred og at
jeg havde forskellige Planer for i den henseende. Den første af dem, nemlig at prøve den
kjølige Bjerg luft i Serra do Espinhaço realiserede jeg, men forsøget bekom mig temmelig
slet, da mit Bryst blev meget angrebet. De vil vel undre Dem, at jeg nu klagen over Brystet,
da det var ganske kommet sig under mit Ophold herovre, dog Skylden ligger ej i Klimatet,
men i en uheldig omstændighed, der væmmede mig i en Hule. Jeg havde nemlig, udmattet
af Anstrengelse og meget svedt lagt mig hen for at udhvile, da jeg uheldigvis faldt i Søvn.
Den kølde og fugtige Luft i Hulen havde saaledes Lejlighed til uhindret at virke gaa mig i
længere Tid, og da jeg vaagnede følte jeg mig iiskold og pittrende af Feber. Jeg ilede strax
ud i den fri Luft, men en stork Smerte for Brystet ledsaget af en Hæmorrhagie af Lungeren
mindede mig om hvor slaget havde træffet mig. Siden den Tid har jeg stedse befundet mig
ilde og hutler mig kun saa smaaligt igjennem.

173

Af mit sidste Brev vil De vide, at den gode Aarstid sted for haanden, og at jeg lavede
mig til at benytte den saa godt jeg kunde til nye Reiser. Disse bragte virkelig større Udbytte
ind end jeg havde kundet vente i Betragtining af omstændighederen. Slagteren Cervus og
Dicotyles forøgedes med meget vige Bidrag over den fossile Tapir, Hest og Bjørn og gik et
nyt Lys; af Platyonyx og Chlamydotherium fik jeg henlige stykker, navnlig en mere eller
minden fuldstændige Kranier; ogsaa Fuglere fik vigtige Bidrag.
Den i mit sidste Brev omtalte Afhandling, der lave færdig til forsendelse, afgik den 8de
April tilligemed Sendingen af Petrefakter og Skeletter. Begge mit jeg haabe at De for læng
Tid siden vil have modtaget. En ny Afhandling ligger nu færdig til Afsendelse, hvoraf jeg
medføret sender Dem at Udtog, bestemt for Videnskabernes Selskab Program. Jeg brugte
forhen at sende en fransk Oversættelse af Udtøgene til Audouin, men jeg er meget
misfornøiet med den skødesløshed og Fejlfuldhed hvormed da blive aftrykte i hans Annales
og vil derfor ikke sende ham mere; ogsaa anseer jeg det for overflødigt, de jo dog som De
har været saa god at berette mig, Selskabet laden disse Udtog oversætte paa Fransk og
indrykke i “L’Institutâ€. Da i denne Tid, hvor det regner ned af Opdagelser, en forsinket
Bekjendtgjørelse ofte berømer Een hele Fortjnesten af sit Arbeide, vil De maasken have
den Gødhed at besørges denne Oversættelse sendt, jo før jo heller til sin Bestemmelse,
maasken med Forandring af Ordene: “Seskabet har modtaget†til “som færdig til
Afsendelse er anmeldt†eller “noget saadantâ€. Eller om De finder det mere passende at
sende en tydsk Oversættelse til Leonhard og Bronn for deres Jahrbuch. Jeg hele har ej vil
det gjøre det da jeg ej har nogen forbindelse med disse Herrer, men jeg formoder at
Professor Forchhammer har, af hvem jeg finder flere sændeles interessante Afhandlinger i
denne Journal. Af de senere mig tilkomne Journaler seer jeg at Andre ved flere Leiligheder
ere komne mig i Forkjøbet paa Grund af den, med den længe Afstand bevirkede
Forsinkelse i Bekjendtgjørelsen af mine Meddelelser. Saaledes bemærker jeg blandt andet,
at et af mine oldste Børe, som jeg alt har døbt for fem Aar siden, Hoplophorus, nu skal
miste sit Navn og hede Glyptodon fordi Owen har døbt det saaledes ere Maaned førend det
franske Udtog af min med kommende Afhandling kom for Lyset i Annales des Sciences.
Nævnet Hoplophorus forekommer gaa tusinde Steder i mine Manuskripter og Kataloger, og
jeg seer ingen Mulighed i nu at forander dette.

174

I mit sidste Brev yttrede jeg, at jeg fandt det ej kunde gaar an, efter at jeg havde begyndt
at sende mine overcomplette Petrefakter til Hr. daværende Kungel Høihed, med Lufte om
fortsættelse, nu at give den en anden Bestemmelse med at sende dem til det Kungel
Museum. Imidlertid har flere Forholde forande at sig saa meget siden den Tid, at jeg har
troet ogsaa at kunne forandre min Bestemmelse i den Henseende; for det første indseer jeg:
at Byrden af Statsforvaltninger ikkun lader Hr. Majestet liden Ro og Leilighed til at tænke
paa sine Samlinger, for det andet er det jeg for dennegang har at sende for Størstedelen
Kuntupletter af hvad alt før har sendt til Hr. Majestet, saa at jeg frygter for, at det snarere
vil tjene til Overlæsselse; og for det tendin er Musæet at mere passende Sted for disse
Samlinger paa Grund af Skeletsamlingen af nulevende Dyr til Sammenligning. Det er mig
derfor en sand Fornøielse at kunne melde Dem, at jeg siden længere Tid er beskæftiget med
og nu næsten med at nedpakke en Sending af Petrefakter til Musæet, der bestaaer af fire
Kister og hver over Fortegnelsen vil følge indlagt i ene af Kisterer. Det skal være mig en
sund Glæde om Nogen hjemme skulde gjøre disse Sager til Gjenstand for at specielt
Studium.
Til gode Akqvisitioner af friske Skeletter, som jeg siden har gjort, hører især et af en
gammel Hanjaguar, som blev skudt har ved Lagoa Santa, efter et Blodbad iblandt
Mennesker og Dyr. Dens morderlige Forsvar gjorde imidlertid, at Skelettet blev indret
beskadiget. Den er dog endeel mindre end den fossile Art Felis protopanther, men
sammenlignet med Smilodon populator synker den hen til at Intet. Denne bliver nok det
største Rovdyr af Kattefamilien der hidtil er bekjendt. Bjørnen vil De see af Udtoget, gaaer
ud, saa De syntes at have anet rigtig da før udelod den af Fortegnelsen; imidlertid seer jeg
af det mig sidst tilkomne hefte af Blainville’s Osteographie, at Sello skal have fundet
Bjørnetænder i Banda oriental. Sammesteds seer jeg og, at den oftere omtalte Hr. Clausen
dengang var i Paris, hvor han med sin sædvanlige Uforskammethed udgiver sig for
Finderen af de fossile Knokler jeg har beskrevet, og Blainvillemed sin sædvanlige
Letsindighed og Overfladiskhed nedskriver dette i at sligt Værk. Saa vigtig dette Værk end
er for mig, skal jeg ikke noget, at jeg kun læser det med en stor Modbydelighed, paa Grund
af den evindelige Nedriven af Cuvier, hvilket vidner deels om et slet Hjerte deels om en høj
Grad af Indskrænkelhed at han ej, med alle hans Fortjenester af Videnskaben, seer den
uendelige Afstand der skiller Cuvier fra ham.

175

Inden jeg glemmer det maa jeg omtale mit Uheld med det Seidelinske Instrument. Jeg
havde onsket at sende det hjem med Fregatten, hvilken vor Konsul i Rio skrev mig til vilde
ankomme der i September Maaned paa sin Tilbagereise fra Chili. For en Sikkerheds skyld
sendte jeg Brevet desangaaende til Kommandeur Wulff i Juni Maaned, men uheldigviis
ankom denne til Rio længe før den mig opgiver Tid, saa at mit Brev kom for sildigt, og
blev mig tilbage sendt Da et i Brevet til Kommandeur Wulff indlagt Brev til Kommandeur
Seidelin indeholdt alle Oplysninger, i denne Sag har jeg anseet det for passende, i det
mindset for en Satisfactions skyld for Her Kommandeuren endnu at sende dette, skjøndt
meget for oldene Brev, hvilket jeg beder Dem have den Godhed besørge hav tilsendt.
Instrumentet selv har jeg anmodet vor Konsul om at besørge hjem med første Leilighed.
Med længselfuld Forventning snart at erfare noget fra Hr. Etatsraaden og med en
hjertelig hilsen til hele høistærede Familie ag alle Venner forbliver jeg.
Denne stedse forbunden og hengiver
P. W. Lund

176

A Tradução:
Lagoa Santa, 29 de Novembro de 1841
Honrado Sr. Conselheiro de Estado215
Enviada 14/5 42
Respondida 2/6 42
Diversos meses se passaram desde que tive a honra de lhe escrever, isto é, em 10 de
Março. Este longo silêncio tem o seu motivo em duas circunstâncias:
1 ª eu esperei constantemente receber uma comunicação do Sr. Conselheiro de Estado
desde que recebi a sua outra carta de 6-26 de Agosto do presente ano.
2 ª não tinha nada encorajador para informar, portanto decidi adiar esta mensagem até
que as circunstâncias melhorassem. Embora até agora isto não tenha acontecido nem nossas
esperanças tenham sido recompensadas, acredito que não deva postergar mais minha
correspondência, e tomo a pena para refrescar a memória do Sr. Conselheiro de Estado e
para informar o que aconteceu desde a minha última carta.
O senhor notará que a minha saúde não está particularmente boa e que eu tinha planos
diferentes neste sentido. O primeiro deles, experimentar o ar frio da montanha na Serra do
Espinhaço216, eu realizei, mas a experiência se tornou ruim quando o meu peito foi atacado.
O senhor deve estar se perguntando por que eu agora esteja me queixando do meu peito,
que se recuperou por completo durante a minha estada aqui, embora a responsabilidade não
esteja no clima, mas em uma circunstância desafortunada que me sucedeu em uma caverna.
Eu tinha transpirado muito e estava totalmente esgotado pelo esforço quando resolvi
descansar, mas infelizmente cai no sono. O ar frio e úmido na caverna ficou desse modo
livre para agir sobre mim por um longo período, e quando acordei me senti gelado e
tremendo de febre. Corri imediatamente para fora em direção ao ar livre, mas uma forte dor
no peito acompanhada de uma hemorragia nos pulmões217 mostrou que o mal já estava

215

Conselheiro de Estado, ou Etatsråd foi um título honorífico conferido pelo rei da Dinamarca até os anos

30.

216

Grifo no original.
Com certeza isto não faz sentido: hemorragia não ataca de novo ninguém. Na primavera de 1842, Lund fez
como de hábito uma viagem de mula, e 1843 foi o ano em que Lund viajou com maior freqüência, com
217

177

feito. Desde aquele momento eu sempre me encontro doente e mal consigo me manter em
pé de tão miserável.
Conforme lhe informei na minha última carta, queria usar o começo da boa estação da
melhor forma possível para realizar novas viagens. Isto trouxe resultados maiores do que eu
poderia esperar considerando-se as circunstâncias. As famílias Cervus e Dicotyles
aumentaram as suas pobres contribuições. Em relação aos fósseis de anta, cavalo e urso,
surgiram novas luzes. Sobre o Platyonyx218 e o Chlamydotherium

consegui pedaços

inteiros, especialmente crânios mais ou menos completos. As aves também forneceram
importantes contribuições.
Na minha última carta menciono uma memória que estava pronta para ser
despachada, e que partiu em 8 de abril juntamente com uma remessa de fragmentos de
rocha e de esqueletos.219 Espero realmente que o senhor já tenha recebido ambos. Uma
nova memória encontra-se pronta para envio,220 da qual pretendo enviar um resumo
destinado ao periódico da Academia Real.221 Anteriormente, eu pretendia enviar uma
tradução em francês do resumo para Audouin, mas estou muito descontente com a
negligência e com a abundância de erros com que é feita a publicação dos seus Annales222
e, portanto não quero enviar mais para ele. Também considero isto supérfluo, já que como o
senhor tão bem me explicou a Academia permite que estes resumos sejam vertidos para o
francês e publicados no L’Institute. Neste momento estão chovendo descobertas, de modo
que uma publicação feita mais tarde poderia trazer a uma única pessoa todo o mérito pelo
trabalho. Assim sendo, o senhor poderia ter a bondade de providenciar o envio dessa
tradução o quanto antes, mas, por favor, troque estas palavras: “recebido pela Sociedadeâ€
para “pronto para envio†ou algo semelhante. Ou o senhor acha mais conveniente enviar
uma tradução alemã para Leonhard e Bronn no seu Jahrbuch?223 Eu não queria fazê-lo,

interrupções ou intervalos do começo de março ao final de outubro. J. R. (Nota de Johannes Reinhardt no
original).
218
LUND, P. W. Annales des Sciences Naturelles, Paris, v.2, n.13, p.316, 1840.
219
Trata-se da Quarta Memória sobre a Fauna das Cavernas, de 30/01/1841.
220
Trata-se da Quinta Memória: As espécies de carnívoros atuais e fósseis nos planaltos centrais do Brasil
tropical, de 04/10/1841.
221
Academia Real de Ciências e Letras da Dinamarca.
222
Annales des Sciences Naturelles.
223
O geólogo Karl C. von Leonhard e o zoólogo Heinrich G. Bronn, da Universidade de Heildelberg,
publicavam o anuário Neues Jahrbuch für Mineralogie, Geologie und Paläontologie.

178

pois não tenho nenhuma ligação com estes senhores,224 mas presumo que o Professor
Forchhammer, de quem considero as idéias no seu Journal extremamente interessantes,
tenha. Nos últimos periódicos que recebi vejo que outras pessoas em diversas ocasiões já
prestaram atenção nestes assuntos antes de mim, por causa da longa distância que provoca
o atraso na comunicação das minhas mensagens. Desse modo, observo entre as crianças
mais velhas que batizei já faz cinco anos que o Hoplophorus agora perdeu o seu nome e se
chama Gliptodonte, porque Owen225 batizou-o um mês antes que o resumo em francês da
minha memória fosse publicado no Annales des Sciences. O nome Hoplophorus226 aparece
em milhares de lugares nos meus manuscritos e catálogos e eu não vejo nenhuma
possibilidade de alterá-los agora.
Na minha última carta afirmei que não poderia aceitar essa mudança, após haver
começado a enviar os meus espécimes fósseis completos para o governo de Sua Alteza
Real.227 Dando prosseguimento ao trabalho, agora darei a eles um outro destino, enviandoos ao Museu Real. Contudo várias circunstâncias mudaram muito desde então, fazendo-me
acreditar que também possa mudar a minha decisão nesse sentido. Em primeiro lugar
percebo que o peso da administração do Estado não permite a Sua Majestade um pouco de
paz e a possibilidade de pensar na sua coleção. É por isso que dessa vez enviei tudo
cuidadosamente acondicionado para Sua Majestade. Eu temo que a coleção possa
sobrecarregá-lo, e por esta perspectiva o museu é um lugar mais apropriado para estas
coleções, por causa da reunião de esqueletos de animais vivos para efeito de comparação.
Portanto, é para mim um verdadeiro prazer informá-lo que desde um longo tempo eu me
ocupo e agora estou quase acabando de empacotar uma remessa de espécimes fósseis para o
museu, composto de quatro baús, cujo conteúdo está num inventário incluído em um dos
baús. Seria para mim uma grande alegria que alguém na pátria pudesse usar estes materiais
como objeto de um estudo especial.
Quanto às aquisições que tenho feito de novos esqueletos, saliento com especial atenção
um velho jaguar macho que foi morto a tiros em Lagoa Santa após uma carnificina de
pessoas e animais. A terrível caçada fez com que o seu esqueleto ficasse danificado. Ele é
224

Herren, senhores em alemão, no original.
Glyptodon Owen, 1839.
226
Hoplophorus euphractus. LUND, P. W. Videnskabernes Selskabs Naturvidenskabelige og Mathematiske
Afhandlinger, n.11, 1838; LUND, P. W. Annales des Sciences Naturelles, Paris, n.11, p.217, 1839.
227
O Rei Christian VIII (1839-1848) da Dinamarca.
225

179

de fato uma forma menor da espécie fóssil Felis protopanther, 228 mas comparado ao
Smilodon populator229 fica reduzido à insignificância. Este foi o maior predador da família
dos gatos conhecido até hoje. O senhor verá que o urso está fora do resumo, assim como foi
omitido do inventário. Entretanto, vejo no último caderno da Osteographie de Blainville230
que Sello 231 (sic) encontrou dentes de urso na Banda Oriental.232 Ao mesmo tempo percebo
que o freqüentemente mencionado Sr. Claussen estava naquela oportunidade em Paris,
aonde com a sua habitual insolência se fez passar por descobridor dos fósseis que eu
descrevi, e Blainville, com as suas habituais imprudência e superficialidade registra isto em
letras garrafais. Esse trabalho é tão importante para mim que eu, baseado na destruição
eterna de Cuvier, não posso negar que o estou lendo com enorme repugnância, testemunha
do coração ruim e do elevado grau de estupidez (de Blainville), e apesar de todos os seus
méritos na ciência, vejo a infinita distância que o separa de Cuvier.
Antes que me esqueça, devo contar meu incidente com o instrumento de Seidelin.233 Eu
queria enviá-lo para a Dinamarca por uma fragata, sobre a qual o nosso cônsul no Rio me
escreveu avisando da chegada no mês de setembro na sua viagem de volta do Chile. Por
razões de segurança enviei uma carta a este respeito para o comandante Wulff234 no mês de
junho, mas infelizmente ele chegou no Rio muito antes do tempo que me foi informado, de
modo que a minha carta chegou com atraso e foi devolvida, obrigando-me a enviá-la de
novo anexada numa mensagem ao comandante Seidelin contendo todas as informações.
Sobre tal assunto considero ser conveniente pelo menos por razões de satisfação que o Sr.
Comandante ainda possa lê-la, julgando por cartas antigas eu peço a bondade do senhor
providenciar o envio. Quanto ao instrumento em si eu pedi ao nosso cônsul para
providenciar seu envio para a Dinamarca na primeira oportunidade.

228

Felis protopanther (LUND, 1839) é a Panthera onca, a onça pintada.
Smilodon populator (LUND, 1842).
230
Henri Marie Ducrotay de Blainville (1777-1850), naturalista francês, foi discípulo de Cuvier, de quem
acabou se tornando um rival acadêmico. Isto não impediu Blainville de suceder Cuvier após sua morte na
cadeira de Anatomia Comparada do Museu de História Natural de Paris. Blainville é autor, entre outros, de
Ostéographie ou description iconographique comparée du squelette et du système dentaires des mammifères
récents ou fossiles pour servir de base a Zoologie et a la Géologie (1839-1864). Cunhou o termo
paleontologia em 1834.
231
Friedrich Sellow (1789-1831).
232
O Uruguay.
233
Jens Seidelin (1790-1863), comandante da marinha dinamarquesa.
234
Christian Wulff (1777-1843), comandante da marinha dinamarquesa.
229

180

Com saudosa esperança de saber logo algo do Sr. Conselheiro de Estado e com uma
saudação carinhosa a sua honrada família inteira e a todos os amigos, permaneço eu
Seu sempre próximo e devoto
P. W. Lund

181

LUND, P. W. Carta para Johannes Christopher Hagemann Reinhardt, København.
København: Det Kongelige Bibliotek, NKS 2838. 14/01/1843.
O original em gótico:

182

183

184

185

A versão para o alfabeto latino:
Lagoa Santa, d 14 Januar 1843
Velbaarne Hr. Etatsraad!

modtaget 18/5 43

Da en sjælden Lejlighed tilbyder sig i disse Dage til Rio med en Tropeiro har jeg ej
vildt undlade at benytte den til at afsende de Tegninger der ligge færdige og ved samme
Lejlighed lede Hr. Etatsraaden høre noget fra mig saa meget mere høre det nu er temmelig
længe siden jeg sidste Skrev mit sidste var af 1 April f.A. og jeg siden den Tid har haft
Fornøjelse at modtage Deres kjærkomme Skrivelse af 19 Mai til 18 Juni f.A.
Jeg maa da begynde med at bevidne Den min Forbindtlighed Tak for de mange deri
indeholdete interessante Efterretninger Det Vinke De giver mig angående Indskrænkning af
Tegningernes Illumination skal punktlig blive fulgt. Jeg ridste ikke, at det voldede en saa
betydelig Udgift for Selskabet, da jeg stod i den Formening, at det kun var vær et ringe
Antal af Exemplarer der blive illuminerede, men da jeg nu af Deres Brev seer at dette Antal
overstiger 300, indseer jeg vel at den største Indskrænkning bør finde Sted med Hensig til
Valget af de Gjenstande der Forestiller illuminerede. I nærværende Sending af Tegninger
vil De allerede finde dette Princip indført som følge af et foreløbigt Vink, De forrige Brev
gæv mig, og jeg skal for fremtiden gjennemføre det med Strænghed.
Af Aviserne vil De sandsynligviis vide at en Revolution har væset i to af Brasiliens
Provindser nemlig S. Paulo og Minas. Uheldigvis trak de sværeste Uvejrsskyer netog hen
over denne Egn, hvor ogsaa Hovedexplosionen gik for sig, i ligen Sta. Luzia, tre Mile
herfra. Jeg blev saaledes indviklet med i alle Ubehagelighederne og Farerne af en saadan
Krisis, der vær virkede meget hemmende paa mine videnskabelige Beskæftigelser. Paa en
Reise nær, som jeg finde gjort før Udbrudet af Urolighederne, gik den hele gode Aarstid
tabt for mig til Udflugter, og selv hjemme i mit Huus hænde jeg kun liden Lejlighed til
stadige Undersøgelser, da jeg maatte henvende mine Tanker paa Sikkringen af mine
Samlinger, hvilke jeg til den Ende vedpakkede i Kasser har et være forberedt paa hvilken
som helst Tilfælde.

186

Førend all igjen kom i Orden var den gode Aarstid forbi, og Udsigten tir inden Raiser
forsvinden. Jeg har anvendte denne imidlertidige Pause til at optage Trænden, jeg havde
begyndt, nemlig en detailleret Bearbejdelse af de enkelte Familier af Pattedyrene. Den
anden Afdeling af Rovdyrenes Familie har indbefattende Mårene, Bjørnene og Kattene har
jeg ikke kunnet lægge sidste Haand paa af Mangel paa at rigtigte Skelet i enhver af disse
Gruppen, nemlig Felis concolor, Procyon og Mephitis. Til den første Afhandling om
Hundegruppen har jeg faaet et vigtigt Bidrag viser at Slægten Abathmodon er vel
begrundet. Denne Slægt fører et Skridt videre frem i den carnivore Retning med Icticyon,
idet den ganske udvilkler Knusetænder i Underkjæren, saa at den danner et overgangsled
imellem Icticyon og Hyænen. Ogsaa om Levemåden af den såledet kjendt Guará (Canis
jubatus) kan jeg nu tilføre nogle Bidrag, da jeg har et Individ levende i mit Huus. Den
afviger virkelig aldeles fra alle anden bekjende Arter af Hundeslægten ved sin
Forkjærlighed har vegetalisk føde. Dens kjæreste Spise ere alle Stags Frugter som Ananas,
Meloner, Vandmeloner, men fremfor alt Bananer (Frugten af Musa paradisiaca) og frugten
af Solanum lycocarpum.
Den næste Familie jeg har begyndt at bearbeide i Detail er Bæltedyrnes, som jeg agter
at omfatte i sin Heelhed og udarbeide som en Monographie, efter de Materialer det ligge
har mig. De Levningerne af disse Dyr forekomen hyppig i fossil Tilstand var det mig af
Vigtighed at bringe paa det Rene deres forhold til de nu levende Arter, og de det især er
Skjoldene der findes hyppig i Knoklehulerne, henvendte jeg min Opmærksomhed
fornemmelig paa disse Dyrs Pandser Beklædning. Dette Studium førte mig til uventede
Resultater deels ved et åbenbare mig en længt større Mangfoldighed af Arter i denne
Familie, end jeg havde anete, deels ved at give mig Fortræffeligt Middel i hænde til deres
Bestemmelser, som jeg forgjæves havde søgt ad den osteologiske Vej, saa at jeg nu er
istend til at i “mange tilfælde af bestemme en Art†af et eneste Skjod ja af et Brudstykke
deraf. Angående forhandt mellem de trende Perioders XXX da vedbliver endnu konstant at
vedligeholde sig Forskjelligheden mellem deres Arter, og i de enkelte Tilfælde hvor ingen
Forskjel er at see, ere Forekomst forholdene af de Sammenlignede Levninges, eller deres
Udseende som oftest af den Beskaffenhed at de Levne (XXX) om deres liggehøne Anker
med agte fossile (Jeg seer at De foretrække Ordet “forstenet†for “fossil†men jeg finder
dog ikke at de kunne bruges som eensbetydende, da de færreste fossile Knokler befinde sig

187

i Tilstanden af virkelig forstenede Knokler, det er saadanne hvor den ammalske Substanz er
forsvunden og inorganiske Substanz trådte i Stedet. I Almindelighed er blot en større eller
mindre Deel af det lyriske Stof forsvunden, men intet uorganiske trådte i Stedet, saa at de
ere porøse, klæbe ved Tungen og ere lettere end friske Knokler). Til Underafdelingerne i
denne Familie finder jeg at det vigtigste Forhold det kommer i Betragtning er
Udviklingsgraden af Graveevnen, som det der dels har den vigtigste umiddelbare Indsigelse
paa levemåden, og deels umiddelbart indvirker paa alle de øvrige Organisations forhold, ja
selv paa dem, som mindst maatte synes at staae i Forbindelse dermed, fiks (???)
Hudbedækningen. Saaledes bemærker jeg, et Pandserets større eller mindre Bevægelighed
staaer i det allerhøjeste Forhold til Graveevnens Udvikling, saadeles et, ved at denne to
Udviklingsrækker, een efter ethvert af disse to Organizationsforhold som Inddelings
princip, disse to Rækker komme til at løbe fuldkomment parallele med hinanden, og ethvert
led i denne til at staaer nøiagtig lige overfor det samme led i den anden. Da nu tillige disse
to Organisationsforhold, nemlig bygningen af Graveevnen og Beskaffenheden af
Hudbedækningen, ere af ælle de meste iøjnefaldende og letteste bestembare, kan der vel
neppe lernes nogen Tvivl om, at de ubetinget tilkomene Forrangen. Det ufuldkomneste af
alle Inddelings principer i nærværende Familie er det af F. Cuvier anvendte, hentet fra
Tænderne. Hvad Udførelsen angaaer, de ligge vel Materialerne færdige, men da det vil
medtage nogen Tid at andre og redigere dem, sender jeg Dem foreløbig til Oversigt det
medfølgende Schema. Ved at sammenligne det med den sidste systematiske Bearbeidelse af
denne Familie i Fischer’s Systema Mammalium, vil De see, at enkel forandringen ere
Foregåede. Han har det hele 9 Arter, her ere ligeså mange Slægter, hvoraf en Dasypus
indeholder flere Arter end hos sam hele Familien; og dog har jeg ikke regnet med tre
Fossile Arter, som jeg ej kan skelne fra nulevende, ligesom jeg ogsaa har undertrykt
Slægten Meterodon, der ikkun grunder sig paa et Brudstykke af en Underkjære, der ej
afgive den fornødne Sikkerhed, saameget mere som jeg siden intet har fundet, der kan
henføres hertil; ogsaa Slægten Euryodon er gaaet ind og bleven en Underslægt under
Dasypus. Dette Schema er vel mindre passende til Indrykkelse i Videnskabs Selskabs
Program, men hvis De skulde finde nogen anden hensigtsmæssig anvendelse af det fiks til
Hr. Krøcers Tidskrift, eller andetsteds, da overleder jeg det til Deres Godtbefindende.

188

Jeg længes overordentlig meget efter at see Haups’ “Qeten der Umweltâ€, og agter
derfor ufortøvet at bestille den har Perthes og Besser. I tilfælde af at De allerede skulde
have bestille den for mig, beder jeg Dem derfor om at underrete Perthes og Besser derom
for at afbestille den. Angaaende det Forslag i De er saa god at gjøre, at begynde en eg
lække af Tegninge med Føglene, da har jeg den Betænkning derved, at jeg sandsynligvis
endnu har længere Tid vil affaldes fra at tage fat paa denne Dyreklasse, da Pattedyrene
vedblive at give mig fuldt og at bestille, saa at snarere den korte foreløbige Meddelelse, jeg
sendte angaaende Fuglene, maa betragter som noget afsendet og særskildt for sig, eller
anbringes sam et Appendyx et eller andet Sted efter ens af Afhandlingerne over
Pattedyrene, og med fortløbende Numener af Tavlerne. Hvis De finder at de allerede trykte
Afhandlinger tilsammen denne et passende Bind, naar De særskildt indbindes, da vil det
naturligviis være mig kjørt om dette Bind forsynes med at nyt Titelblad, hvortil jeg finder
at den mest passende Vignette vil være en tidligere indsendte Tegning forestillende første
Værelse i Lapa nova de Maquiné. Titelen maa vel blive den samme som før: “Blik paa
Brasiliens Dyreskabning†hvortil paa de far de løse Exemplarer bestemte Aftryk de maatte
høres “2d Bindâ€; men Numerne paa Tegningerne finde jeg dog vigtigste at vedblive
fortløbende for at forebygge et Forvirring, der eller let kunde opståe paa Grund af den
stykkevise faren hvori Texten kommer har Lyset Selskabets Skrifter; ligesom jeg i dette
Tilfælde ogsaa tillader mig at gjentage en tidligere Anmodning, at Underskriften under
Vignetten bliver mindre dominerende, med fin kursivskrift der staaer tæt under Vignetten
og følger dens Bøjning.
Dog jeg mærker at Grunden er lav og det er Tid der trække septime ind. Jeg vil derfor
endnu blot tilføre hvad Helbreden angaaer, et den gaaer med det gamle eller ret knag det,
men er godt og det er jo hovedsagen. Ret meget skal det glæde mig snart at høre gode
Efterretninger fre Hr Etatsraaderen, til hvis velvillige Erndring jeg anbefaler mig saavel
som til alle Venners.
Deres stedse hengivne og forbundne.
P. W. Lund

189

A Tradução:
Lagoa Santa, 14 de Janeiro de 1843
Honrado Sr. Conselheiro de Estado!

Recebida em 18/5 43

Quando nestes dias se ofereceu a rara oportunidade de enviar algo ao Rio com um
tropeiro, não quis deixar de fazer uso desta chance para lhe enviar os desenhos que estão
prontos, e através da mesma oportunidade permitir ao Sr. Conselheiro de Estado ouvir algo
de mim, tanto mais ainda porque muito se passou desde que enviei minha última carta em
1° de Abril A.p.,235 e que, desde então, tive o prazer de receber a sua bem-vinda carta de 19
de Maio a 18 de Junho A.p.
Devo começar atestando meu sincero agradecimento pelas diversas vezes em que
informações interessantes acenadas pelo senhor me forneceram correções com relação às
cores dos desenhos, que devem ser seguidas estritamente. Eu não sabia que causaria um
gasto tão considerável para a Sociedade quando tive a idéia de pedir que um pequeno
número de exemplares fossem coloridos. Mas quando vi na sua carta que este valor
ultrapassa os 300,236 percebi que a maior limitação deve ser em relação à escolha dos
espécimes representados nas ilustrações. Na presente remessa de desenhos confesso que
esta limitação é uma conseqüência do conselho que o senhor me forneceu na sua última
carta, e que eu devo no futuro seguir com disciplina.
O senhor provavelmente soube pelos jornais que uma revolução aconteceu em duas
das províncias brasileiras, quais sejam S. Paulo e Minas. Infelizmente as mais pesadas
nuvens de tempestade pairam agora sobre esta parte do país, onde também pipocam
explosões em Sta Luzia, a três milhas daqui. Deste modo, fui envolvido por todos os
inconvenientes e perigos de tal crise, que causou muitas restrições aos meus trabalhos
científicos. Em uma viagem ocorrida antes da eclosão dos distúrbios – toda a bela
estação237 foi perdida para as excursões – e aqui na minha própria casa eu tive poucas
oportunidades de prosseguir com as minhas investigações, já que todos os meus
235

A.p.: do ano passado
Rigsdaler, a moeda dinamarqueza na época
237
O verão.
236

190

pensamentos estavam voltados para assegurar as minhas coleções, que por esta razão eu
empacotei em baús para estarem prontas em caso de qualquer incidente.
Antes de tudo voltar novamente ao normal a bela estação acabou e a perspectiva de
novas viagens foi perdida. Empreguei esta pausa temporária para prosseguir o que havia
iniciado, isto é, uma elaboração detalhada de cada uma das famílias de mamíferos. A
segunda parte sobre a família dos predadores, incluindo os furões, ursos e felinos, ainda não
pude terminar dada a ausência de esqueletos completos de cada um desses grupos,
respectivamente Felis concolor,238 Procyon e Mephitis. Do primeiro tratado sobre o grupo
dos canídeos fiz uma importante contribuição, que mostra a família Abathmodon239 bem
melhor fundamentada. Esta família dá um passo à frente na direção dos predadores com o
Icticyon,240 que desenvolveu molares no maxilar inferior que fazem uma ponte entre o
Icticyon e a hiena. Também em relação ao comportamento do bem conhecido Guará (Canis
jubatus 241) posso acrescentar algumas contribuições, pois tenho um espécime vivendo em
minha casa. Ele de fato se diferencia completamente das outras espécies da família dos
canídeos pela sua predileção por alimento vegetal. Suas comidas prediletas são todos os
tipos de frutas como abacaxi, melões, melancias, mas, sobretudo bananas (a fruta da Musa
paradisiacal) e a fruta da Solanum lycocarpum.242
A outra família que comecei a estudar em detalhe é a dos tatus, que pretendo conhecer
em sua totalidade e preparar uma memória graças aos materiais de que disponho. Que os
restos deste animal ocorram com freqüência no estado fóssil foi importante para esclarecer
as suas relações com as espécies hoje viventes. Dirijo minha atenção para este animal
coberto por uma armadura graças às suas placas, achadas com freqüência nas cavernas de
ossos. Este estudo me levou a resultados inesperados, em parte por me revelar uma
variedade muito maior de espécies dentro desta família do que eu havia imaginado, em
parte por me colocar nas mãos um meio excelente de descrição que eu procurei em vão na
trilha osteológica, de modo que agora tenho sucesso nas diversas instâncias para descrever
uma espécie a partir de um pedaço de uma única placa. Com relação à discussão sobre a
238

Onça-parda ou sussuarana, guaxinim e cangambá, respectivamente.
Abathmodon Lund 1842. Videnskabernes Selskabs Naturvidenskabelige og Mathematiske Afhandlinger.,
(6), 8o. Mamm.
240
Icticyon venaticus Lund, o cachorro-vinagre ou cachorro do mato (Speothos venaticus Lund, 1842).
241
Chrysocyon jubatus Desmarest, ou Chrysocyon brachyurus (Illiger, 1811).
242
Solanum lycocarpum Saint Hilaire, o fruto da lobeira.
239

191

mudança de períodos que permanece ainda constante mantendo-se a diferenciação entre
suas espécies, e no único caso onde nenhuma diferença é notada, são ocorrências dos restos
comparados, ou sua aparência geralmente uma característica da vida (???) na sua ligação
com relação aos fósseis (Eu sei que o senhor prefere a palavra “petrificado†ao invés de
“fóssilâ€, mas eu de fato não acho que ela possa ser usada como sinônimo, pois
pouquíssimos ossos fósseis se encontram no estado de osso realmente petrificado, que
assim se torna quando a substância amalgamadora foi perdida e a substância inorgânica
entrou em seu lugar. Geralmente só é perdida uma maior ou menor parte do material, mas
nenhum material inorgânico entra em seu lugar, tão porosos que são, grudentos na língua e
mais leves que ossos frescos). Quanto à subdivisão dentro das famílias creio que a mais
importante relação a ser considerada é o grau de desenvolvimento dos sepultamentos, os
quais em parte possuem a mais importante indicação direta do modo de vida, e em parte
diretamente influenciados pelo restante das relações de organização, até mesmo naquilo que
parece ter a menor conexão, isto é, a cobertura de pele. De fato, eu observo que a maior
armadura ou a menor mobilidade constituem a principal relação para o desenvolvimento do
sepultamento, através destas duas linhas de desenvolvimento, uma após cada dessas duas
relações de organização como princípio de classificação, estas duas linhas fluem
completamente paralelas uma à outra, e cada uma destas indica precisamente no sentido
oposto da outra. Então agora juntando estas duas relações de organização, isto é a estrutura
do sepultamento e a qualidade da carapaça, torna-se mais óbvia e clara a identificação,
podendo esclarecer algumas dúvidas de absoluta precedência. O mais imperfeito de todos
os princípios de classificação nas famílias existentes é usado por Cuvier e tirado dos dentes.
Com relação a isso, existe muito material pronto, mas como será preciso algum tempo para
estudá-lo e editá-lo, envio provisoriamente para o senhor revisá-lo com o esquema em
anexo. Através da comparação deste com a última elaboração sistemática desta família no
Systema Mammalium de Fischer,243 o senhor verá que uma única alteração é precedente.
Ele cita um total de nove espécies, aqui estão as mesmas várias famílias, da qual uma,

243

Lund confunde-se ao citar a obra de Johann Baptist Fischer, Synopsis Mammalium (1829), J. G. Cotta,
Stuttgart, 527 p. (que ele adquiriu junto aos livreiros alemães Perthes, Besser & Mauke, conforme carta
enviada em 18/09/1838), que ao lado de Mammalogie ou description des especies de mammifères (1820), de
Anselme Gaëtan Desmarest (1784-1838), era a obra de referência sobre a taxonomia de mamíferos na época.

192

Dasypus, 244 contém mais espécies do que em algumas famílias inteiras. É claro que não
inclui três espécies fósseis, as quais não posso distinguir das hoje viventes. Eu também
suprimi a família Meterodon, que não somente se apóia em fragmentos de um maxilar
inferior, que não fornece a necessária certeza, tanto mais desde que não achei nada que
possa se referir a ele. A família Euryodon245 também a seguiu e se tornou uma subfamília
abaixo da Dasypus. Este esquema é bem menos conveniente para inserção no Programa da
Sociedade Científica, mas se o senhor puder encontrar algum outro emprego apropriado
para servir ao periódico do Sr. Krøyer246, ou a algum outro, então confio isso à vossa boavontade.
Sinto muita falta de poder ler o “Qeten der Umveltâ€
pretendo sem demora encomendá-lo a Perthes & Besser.

247

248

de Haup, e por esta razão

No caso do senhor já tê-lo

reservado para mim, eu lhe rogo que peça a Perthes & Besser para cancelá-lo. Com relação
à sugestão que o senhor gentilmente forneceu de iniciar (a publicação249) com alguns belos
desenhos de pássaros, devo confessar que provavelmente tenha que desistir de começar
com esta classe de animais, já que os mamíferos continuam me dando trabalho. Numa carta
anterior, onde fiz referência aos pássaros, considerei estudá-los individualmente ou colocálos como um apêndice à memória sobre os mamíferos, numerados em seqüência de
pranchas. Com relação às memórias já publicadas, quando forem editadas individualmente
provavelmente terão que ser fornecidas com uma nova página de rosto, para a qual acredito
que a vinheta mais aceitável terá que ser um desenho incluído previamente representando
os primeiros salões na Lapa Nova de Maquiné. O título deve ser o mesmo de antes: “Olhar
sobre a Criação Animal Brasileiraâ€, em cujos exemplares avulsos destinados à impressão
deve aparecer “2ª ediçãoâ€, mas creio que o mais importante é manter os números dos
desenhos em seqüência para prevenir uma confusão, que poderia surgir causada pelo perigo
de cada peça aparecer em separado do texto no Jornal da Sociedade. Assim, neste caso eu
igualmente me permito reiterar um pedido prévio: que a assinatura abaixo da vinheta fique

244

A família dos tatus.
Euryodon, Lund, 1838. Videnskabernes Selskabs Naturvidenskabelige og Mathematiske Afhandlinger,
n.11.
246
Henrik Nikolai Krøyer (1799-1870), zoólogo dinamarquês e editor da revista Naturhistorisk Tidsskrift.
247
“Qeten der Umvelt†não faz sentido. O nome encontra-se ilegível no original.
248
Perthes & Besser, antiga editora e livraria alemã sediada em Hamburgo.
249
N.T.
245

193

menos chamativa, com uma fonte em itálico fina que fique bem abaixo da vinheta e
acompanhe a sua inclinação.
Percebo que o raciocínio cansa e é hora de parar por aqui. Quero, portanto,
acrescentar ainda que naquilo que concerne à saúde, ela anda como de sempre ou muito
bem, e isto é o principal. Muito me alegra ouvir boas notícias do Sr. Conselheiro de Estado,
para quem recomendo carinhosas lembranças, assim como a todos os amigos.
Do seu sempre próximo e devoto
P. W. Lund

194

LUND, P. W. Carta para Johannes Christopher Hagemann Reinhardt, København.
København: Det Kongelige Bibliotek, NKS 2838. 16/11/1843.
O original em gótico:

195

196

197

198

199

A versão para o alfabeto latino:
Lagoa Santa, d 16 November 1843
Velbaarne Hr. Etatsraad!
modtaget 14/4 44
besvaret 11/7.44
Uagtet en Pause af 10 Monader (mit sidte Brev var af 10 Januar, som jeg seer De
allered har modtaget) maatte berettige Dem til at vente et længt og omstændeligt Brev til at
udfyld denne Lacune, og nogtet det ej mangler mig paa Stof hertil, seer jeg mig dej ud af
Stænd til at opfyld Deres Forventning, netop paa Grund af stoffets overvæltende
overvældende Masse, der gjør en foreløbig Ordnen af det nødvendig, for at kunne give en
nogenlunde tilfredsillende beretning.
Det forløben tavse Mellemrum har nemlig været anvendt til Reiser og
Huleudgravinger, hvorpaa jeg iver har mine yperste Høster, deels for at indhente alt ifjor
Forsømte, hvor Revolutionen forstyrret mig, deels for at redde alt hvad jeg kund fra
Plyndring af den berygtede Claussen, der kom anseilend til mine Xarnand med en stor
Udrustning, hvortil han havde føt næsten hele Europa i Kontribution. Mine Anstrængelser
ere blevne lønned med upaaklageligt Held og Udbyttet jeg hos brogt hjem saavel af
Gjenstande som af Erfaringer og Jagttagelser er overordentlig stort. Næsten alle Arterne
have fooet betydelige Oplysninger, mange dunkle Punkter ere blevne opklarede, Tvivl
løste, Anskuelser bestyrked, berigtigede og hævede. Den Masse af Gjenstande, der i denne
Mellemrum er gooet imellem mine Hænder, den uendelige Mangfoldighed af livmisforhold
og øvryge geologiske Pfænomener, jeg har havd lejlighed til at undersøge (henved 200
Huler have i Aar været undersøgte) har dannet et saa omfattend Grunddej for mine
Anskuelser om de geologiske Hoved problemer: om Hulernes Lammelse, Jordens og
Knoklernes , s.a., og dette Anskuelser ere udgaaed saa ganske af sig selv af den blotte
Generalisering af de iagttagne fakte, at de have udpræget sig hos mig med en Grad af
Overbeviisning, der har vækt hos mig en skags beroligelse eller Tilfredsstillelse, der meget
kontrasterer med den instinktmassige Utilfredshed, som mine Anskuelser over dette
Punkter forpaa lade tilbage hos mig, de jeg ej formåede at bringe enkel Pfænomener:

200

Harmonie med dem. Dermod skal jeg ikke næste paa den anden Sid at enkel Punkter som
jeg for hen troed afgjorte ere blevne indhyllede i nyt Mørke, og at flere Kunder jeg Troeds
løste vise sig ikkun at have været overhuggede. Dertil hører blandt andet det vigtige
Spørgsmål om forholdt af de trende perioders komme til hinanden med Hensyn til Arts
identiteten, samt den ej mindre vigtige Fortsættelse af Grænselinie imellem dem. Denne
sidste at bleven mig ganske utydelig; jeg seer flere uddøde Arter rykke ned over denne
linie, saaledes som jeg har til fande trakket den, imod Nutiden og flere af Nutidens Arter
rykke op over den ind i Fortiden. Til dette sidste nøde ogsaa Kjendsgjerningernes Magt ???
mig, hvor meget jeg haltil har stræbt imod, at vegne Mennesket, hvoraf jeg i Aar har været
saa heldig at finde xxx Levninger under endeel forskjellige Forholde, der ej levner nogen
Tvivl for mig at det har været Vidne til idetmindste fem uddøde Pattedyrarters Undergang.
Dog jeg vil ej forudgribe mit næste Brev, der vil indhold en kort oversegt over det senest
rundre Udbytte.
Jeg gaaer nu over til det hvormed jeg egentlig skulde have begynde nemlig at
anmelde og besvare den ærede Skrivelser jeg har faet Glæde at modtage af Hr. Etatsraaden.
De beståe i følgende:
1° et Brev af 8 August 1842, den sidste Side af 1 Dec. 1842 og nogle Linier med
Slutninger hvorunder staaer 4 April 1843.
2° et Brev af 12 April 1843 med Tilsætninger af 18 Juni og 22 Juni 1843.
3° et Brev af 31 April 1843.
De formoder at nogle af Deres Breve maae være gaaet tabte og taget efter Bogstavet
synes nogle udtryk i Deres Breve at antyde det, medens Datumerne skynes at stride
derimod. Saaledes begynde de Brevet af 12 April 1843 med dette Ord “Skjøndt jeg i dette
foraar i 2de Breve osv250?â€, men det umiddelbart foregaaende Brev der var begyndt i
Sommeren 1842 vister at være afgaaet først de 4 April 1843, altså ikkun 8 Dage førend de
Skrev dett Ord. Imidlertid gjentager De endnu engang i Brevet af 31 April en sådan
Anledning idet De udtrykkelig erklærer i Aar at have sendt mig fire Breve.
Først og fornemmelig xxx jeg nu bevidne Dem min Erkjendtlighed for den
deeltagende Omhu hvormed De saa velvilligen sørger for Udstyret og den andere
Forsørgelse af de åndelige Sxxxfostre (smaafostre ???), jeg saa efte sender Dem paa
250

O.s.v, og så videre.

201

Helsen, hvad jeg begriber ej valke Dem ringe Møre og besværlighed. Angaaend de
Tegninger som mangle Text, skal jeg i den beretning jeg nu gaaer til at affatte om de senest
tilkom en bidrag, sørge for at en til den passende Text bliver indflettet saa at de alle
tilligemed de senere tilkommende ville kunne anbringes.
Overu Afhendling om Mylodon robustus var mig Ganske ubekjendt; da jeg ej pinde
(???) nøjagtig Tidden paa der beder jeg Dem have den Godhed at opgive til Perthes og
Besser denne med Anmodning at forskrive den for mig, ligesom jeg gentager min tidligere
bøn i lignende Tilfælde, hver et og andet litterær Produkt kommer frem som De maatte
skønne at være uundgåelig nødvendig for mig, og ikke altfor kostbart, da at følge denne
Vej. Jeg har alt for læng Tid Tiden skrevet Perthes og Besser herom, men for større
Sikkerhed gjentager jeg min Anmodning til den og sende de indlagt, for at De kan sende de
indlagt til Deres første Bestilling.
Det gjør mig ondt Fortegnelsen til den sidste Sending at bortkommen. Den blev
nedlægt i en af kasserne, overse, og maa da enten vær forkommen ved Aabningen paa
Toldboden: kajen, eller ellers forlagt. For at ??? Savnet, skjøndt noget sildigt, sender jeg
Dem herved indlagt en nye Kopie af den.
Jeg har: disse Dage vigtig modtaget de godhedsfuld oversendte Afhandlinger samt
Videnskabernes Selskabs Historien af Molbech første Afdeling, hvoraf jeg beder Dem ej at
forglemme at Pande anden Afdeling med næste Lejlighed.
Jeg er nu fuldt og beskæftiget med at gjennemgaae og bringe i Orden det rige Udbytte
af dette Aars Reiser, hvilket vel vil medtage hele Kapetulen. Hvad andere Bestemelse jeg
maatte tage afhænger tildels af Anstændighederne og nævnligen af Helbreden. Imidlertid
vil jeg ikke opholde Dem hermed saameget mere som jeg for udbredt mig vidtløftig har om
i et Brev til min Broder, som han ej vil undlade at meddele Dem.
Hermed maa jeg standse for dennegang, de Brevet maa afgaae i Dag. Det
videnskabelige Nyt vil følge efter saasnart jeg har forskaffet mig en ergelunde klar Oversigt
i den Samlende Masse af Materialer. Imidlertid anbefaler jeg mig til Deres bevågne
Erindring med de varmeste Ønsker har Hr. Etatsraaden og hele højstagtede Families
fremtidige Vel.
For Deres inderlig hengevne og forbundne
P. W. Lund

202

A Tradução:
Lagoa Santa, 16 de Novembro de 1843
Honrado Sr. Conselheiro de Estado!

entregue 14/4 44
respondida 11/7 44

Apesar da pausa de 10 meses (minha última carta foi de 10 de janeiro, e vejo que já
foi entregue) devo me justificar ao senhor por esta espera através de uma carta longa e
detalhada para preencher esta lacuna, e embora aqui não me falte material ele não me
coloca em condições de preencher as suas expectativas, devido a uma esmagadora massa de
dados que precisa ser primeiramente ordenada para que possa oferecer um relatório
satisfatoriamente razoável.
Este período de silêncio foi utilizado em viagens e escavações nas cavernas, nas quais
tive minha coleta mais importante, de um lado por ter coletado tudo que havia sido deixado
do ano passado quando a revolução me atrapalhou, e por outro lado por ter salvado tudo o
que pude de ser pilhado pelo notório Claussen, que voltou trazendo a bordo uma enorme
bagagem, que teve que transportar por quase toda a Europa. Meus esforços foram
recompensados com sucesso irretocável e o retorno que trago para casa tanto em objetos
quanto em informações e observações é extraordinariamente grande. Quase todas as
espécies tiveram esclarecimentos consideráveis; diversos pontos obscuros se iluminaram;
dúvidas foram solucionadas; teorias se confirmaram, foram corrigidas e surgiram. A massa
de objetos que passou pelas minhas mãos neste período, uma infinita multiplicidade de
variedade de vida e de fenômenos geológicos, me forneceu a oportunidade de examinar
(cerca de 200 cavernas foram estudadas neste ano) e formar uma enorme base para as
minhas teorias sobre os principais problemas geológicos: sobre a destruição das cavernas e
da Terra, e a introdução dos ossos nelas. Tais teorias surgiram tão completamente a partir
da simples generalização dos fatos observados, que se pronunciaram dentro de mim num
grau de convicção que me despertou gratas tranqüilidade e satisfação. Isto contrasta muito
com o descontentamento instintivo, a partir do qual minhas teorias anteriores relativas a
estes pontos foram abandonadas quando não tive sucesso em perceber fenômenos
específicos em harmonia. Por outro lado, não posso negar que aspectos de pontos
anteriores, que eu já acreditava estabelecidos, foram cobertos por nova escuridão, e aquilo

203

que eu pensava ter sido esclarecido não foi totalmente ultrapassado. Isto se refere, por
exemplo, à outra importante questão concernente às circunstâncias relativas à sucessão das
eras e à identificação das espécies, e à questão não menos importante da linha separadora
entre elas. Esta última tornou-se para mim totalmente obscura. Observo várias espécies
extintas, como aquelas que descobri, moverem-se por baixo dessa linha em direção do
presente, e diversas das espécies do presente moverem-se por cima dela em direção ao
passado. É diante desta descoberta que eu encaro a força dos fatos, contra os quais resisto
em nome do ser humano, de quem este ano tive a sorte de encontrar restos sob condições
diversas, que para mim não deixam nenhuma dúvida de terem sido testemunha do fim de
pelo menos cinco espécies de mamíferos. Não quero adiantar minha próxima carta, que
conterá um curto relato sobre as mais recentes descobertas.
Vou mudar agora para (o assunto) com o qual na verdade deveria ter começado, ou
seja, registrar e responder as honradas cartas que nesse intervalo tive o prazer de receber do
Sr. Conselheiro de Estado. Elas consistem no seguinte:
1° uma carta de 8 de agosto de 1842, a última página da (carta) de 1° de Dezembro de
1842 e algumas linhas cujo final está (na carta) de 4 de abril de 1843.
2° uma carta de 12 de abril de 1843 com adendos de 18 de junho e de 22 de junho de
1843.
3° uma carta de 31 de abril 1843.
O senhor presume que algumas das suas cartas podem ter se perdido. Algumas frases
tiradas das suas cartas parecem dar esta impressão, enquanto que as informações insistem
em se opor contra isto. Deste modo, a carta de 12 de abril de 1843 começava com esta
frase: “Apesar de eu nesta primavera na segunda carta s/?â€, mas a carta imediatamente
anterior, iniciada no verão de 1842, mostra que foi enviada em 4 de abril de 1843,
conseqüentemente oito dias antes do senhor ter escrito aquela frase. Entretanto, o senhor
reitera uma vez mais na carta de 31 de abril, na qual declara explicitamente ter-me enviado
quatro cartas neste ano.
Em primeiro lugar, testemunho agora a minha gratidão pelo singelo carinho com que
o senhor tão gentilmente se dispôs em providenciar o equipamento e cuidar das outras
questões (??) espirituais, pelo que lhe agradeço, e que entendo devem ter lhe causado
muitas dificuldades. Em relação aos desenhos onde faltam textos, no relatório que estou

204

agora escrevendo para a futura memória devo tomar cuidado para redigir um texto aceitável
de modo que todos os itens a serem embarcados possam ser identificados.
Quanto à memória sobre o Mylodon robustus,251 ela me é totalmente desconhecida.
Como não conheço a data desta publicação, o senhor teria a bondade de enviar a Perthes &
Besser um pedido de encomenda, assim como reiterar um pedido anterior de um caso
similar, incluindo na remessa esta e alguma outra publicação que julgue possam ser
indispensáveis e não demasiado dispendiosas. Escrevi sobre isto faz algum tempo à Perthes
& Besser, mas por maior segurança reitero meu pedido ao senhor, para que possa incluí-lo
na sua próxima requisição.
Eu lamento, mas perdi o inventário da última remessa. Ele ficou trancado em um dos
baús, desapercebido, e pode tanto ter escorregado através de uma abertura na alfândega, ou
ter-se de outro modo extraviado. Para sanar esta ausência, apesar de algum atraso envio em
anexo uma nova cópia dele.
Nesses dias recebi a importante entrega de uma coleção de tratados que me foi
gentilmente enviada, incluindo a primeira parte da História da Sociedade Científica de
Molbech,252 a respeito da qual lhe peço para que não se esqueça de me enviar a próxima
parte na primeira oportunidade.
Encontro-me agora completamente ocupado com o exame e a colocação em ordem do
rico retorno das viagens deste ano, o qual irá render um bom capítulo inteiro. Qual outra
decisão eu possa tomar depende em parte das circunstâncias e especialmente da minha
saúde. Entretanto, não quero prendê-lo mais aqui, porque enviei uma longa carta cheia de
detalhes ao meu irmão, que irá lhe informar a respeito.
Com isso devo parar pelo momento, pois a carta precisa ser enviada hoje. As
novidades científicas seguirão tão logo tiver uma visão clara da massa de materiais
coletados. Neste meio tempo, recomendo-me à sua querida lembrança com os mais
calorosos desejos de um bom futuro ao Sr. Conselheiro de Estado e à toda a sua respeitável
família.

Do seu mais profundo admirador e aliado
P. W. Lund

251

1.

Lund se refere ao tratado do naturalista inglês Sir Richard Owen (1804-1892): Description of the Skeleton
of an Extinct Giant Sloth, Mylodon robustus, Owen, with Observations on the Osteology, Natural Affinities,
and Probably Habits of the Megatheroid Quadrupeds in General. London: R. & J. Taylor, Londres, 1842.
252
Christian Molbech (1783-1857). Det kongelige danske Videnskabernes Selskabs Historie. Copenhagen,
1843. Trata-se da atual Academia Real Dinamarquesa de Ciências e Letras.

205

LUND, P. W. Carta para Johannes Christopher Hagemann Reinhardt, København.
København: Det Kongelige Bibliotek, NKS 2838. 26/04/1844.
O original em gótico:

206

207

208

209

210

211

212

A versão para o alfabeto latino:
Lagoa Santa, d 26 April 1844
Velbaarne Hr. Etatsraad!
modtaget 24/7 44
Fire Maanader ere nu forløben siden mit sidste Brev (af 16 Nov f A) og spørger jeg
hvad der i den Tid er udrettet da har jeg vel ej Grund til at være utilfreds, spørger jeg
derimod hvorvedt jeg er kommet fremad, da forekommer det mig omtrent som om jeg gik
paa Visens Aftekegle (???) og med hvert Skridt jeg gjord fremad, sank to tilbage. Denne
unheimliche Fornemmelse forøgedes end mere ved de sex Sporestik jeg fik ved Deres
kærkomme Skrivelse af 28 Sept fA, hvor De minder mig om fortsættelsen af en Bunke af
begyndte halv fuldendt henlæggende Arbeider. Intet af disse har jeg faaet færdig, ja jeg har
havet Tid at tænke paa dem, da den hele Tid har været optaget med foreløbige Arbeider
foranlediged ved det forrige Aars rige Høst. For at de kan forklare Dem dette vil jeg give
Dem en kort abhigt over disse Arbeideres Natur og Gjenstandenes Maasse.
Først afsondres Breccierne og deles i to Klasser: de der ere bestemte til at gjemmes
som sådanne og de som skalle offres for at udtage Knoklerne. Her blive de efter
Omstændighederne videre tilhugne deels for at bortskaffe unyttige tilhængsler dels for at
Skaffe forælterskab Brudflader saavel hvad Massen som de den indslutte ale Knokler
angaaer. Den anden Klasse vælder mere Arbeide og Anvendelse af forskjellige
Instrumenter efter Massens Haardhed og Knoklernes beskaffenhed. To Personer hæve i tre
Maaneder været beskæftigede med dette Arbeide under min bestandige Opsigt Knoklerne
deles ligeledes i to Afdelinger. I den ene komme alle hele Knokler samt de der have
gammelt brud, i den anden de der ere brudte med friske brudflader, samt alle brudstyk med
deto. En stor Mængde Knokler gaae nemlig trods alle forsigtighedsregler ved
Udgravningen eller Udsugningen og det er ej altid at de tilsammenhøvende Stykker paa
Stedt kunne efter findes og pakkes sammen. Der ansæander jeg altid hele bunker af XXX
Knokler og Knokler splinter og det er at lidet tålmodigheden og tidsspildende Arbeide at
rydede denne Augiasstald og som i et kinesisk Tankespil at henføre udfredt (??) af disse

213

Stykker til sin Sted, for derpaa at sammenlines og rekonstruere de hele Knokler. Dette
Arbeide kan naturligviis ingen anden end jeg selv indføre og det har medtaget mig et Par
Monaader Der paa skol nu hver enkel Knokkel undersøges, bestemmes, numereres og
indføres i fortegnelsen og de De indseer at mit Huus ej har Rum til alle disse Soger for jeg
indpakket og forsendt til Rio en stor Deel af den. Først efter alle disse Forebundet har jeg
kunnet forskaffe mig et nogenlunde Overblik over indholdet og det dog kun hvad de store
Dyr angaaer, thi hvad de mindre Arter angaaer af Pattedyrenes, Fuglenes og Reptiliernes
Klasse, de er der slet ikke et tænke forpaa paa Grund af den svindende Mængde af
Gjenstande, der er saa stor at om jeg end kunde bruge Tusinde som Enhed, vilde jeg have
Møje med at tælle den, indsige ordentlig gjennemgaa dem.
Da det vil medtage nogen Tid inden jeg kan faar indarbejdt en ordentlig Oversigt over
den videnskabelige Tilvækst der er kommet ved dette Udbytte, vil jeg har indskrænke mig
til blot foreløbige at meddele Dem hoved akkvisitioneren.
Af Benerne er der henved 1000 Numere, der fremvise Prøvet af alle de forskjellige
Nuancer og Knæklys af næsten alle Arter, deriblandt store Stykker med Grupper af hele
Knokler af Platyonyx, samt de vigtige med Menneskeknokler. I zoologiske Genstande have
følgende Arter faaet betydelige tilvækst af Material. Dasypus punitaten, hvoriblandt en
fuldstændig Hale med alle Skjoldene sammensæng, Chlamydotherium Humboldtii,
hvoriblandt

et

fuldstændigt

Cranium,

Hoplophorus,

hvoriblandt

en deel

store

Pandserstykker og betydelige deel af Høvedet. Den største tilvækst hos Platyonyx faaet
hvoraf jeg nu besidder Ale af Skeletter nogle og Tyer Individuer, af alle Aldre fra smaa
Foetus af størrest – som en Kanin indtil fuldvoksne og gamle, deriblandt Cranier, Kjæner
(kæbe) o.s.v. Af Mastodon at næsten fuldstændig Cranium af et ungt Individ, der endnu har
sine Stødtænder i Underkjæren; af Enhovede tre Arter, hvoraf to måske ville blive at
adskille generalt fra Hesten; til Dicotyles en stor Mængde Bidrag deriblandt enkel
fuldstændige Cranier; endnu flere til ???, en deel til Auchenias. Af Rovdyrene har den store
Felis protopanther faaet betydelige tilvækst, men hvad den at endnu vigtigere ere de
fortræffelige bidrag til den kæmpemæssige og frygtelige Smilodon populator, hvoriblandt
endeel hele Hugtænder samt en fuldstændige Underkjæren. De uhyre store, sammentrykte
Hugtænder sidde blot Overkjære og medføre en forunderlig Afvigelse i Bygningen af
Underkjæren til deres Optagelse. Antallet af Kindtænder i Underkjæren er fundet til to

214

altsaa det minste hidtil bekjendte Tal blandt Rovdyrene. Af Gnaverne har den store
Hydrochoerus sulcidens, der opvarede Tapirens Størrelse, faaet endeel Tilvækst; hvad de
andre Arter af Gnavernes og Puungdyrnes familie angaaer, da kan jeg sam sagt en spenelt
(???) hos hvad angere Tilvæksten, de den ligger udenfor al Beregning. Flagjermusene og
Aberne have og faaet vigtige Bidrag og endelig er Dæmringen ogsaa opgået over
Mennesket. Hvad den nærmest staaer i Forbindelse med denne sidste har jeg samlet i en
lille Opsats og indsendt til det kongelige Nordiske Oldskriftselskab tilligemed Prøver af
benerne og knoklerne, hvortil jeg derfor har Øjeblikket maa henvise, hvor jeg ogsaa har
berørt nogle af mine modificerede Ideer angaarende de almindelige geologiske Forhold.
Efter denne Indledning gaaer jeg nu over til at besvare de Punkter Dens Brev, hvorom
de ønsker Oplysning og begynder med de uen bragte Tegninger, hvorom der midlertid ej er
meget at sige, de jeg som Da jeg seer ej har nogen Tekst førdig hvortil de kunne knyttes.
Hvis De derfor funder at det ej kan gaar an at lade den gaar blot med Forklaringen til, som
Oplysning til det foregående Afhandlinger og som forudgående Henvisnings punkter for
tilkommende Afhandlinger, da er der ej andet for end at lade dem indtil videre henlægge.
Men jeg er dog af den Mening, at i alle tilfælde Samtlige tænker faae fortløbende Nummer
om end de forskjellige Afhandlinger faae særskildt Titel, da de jo dog danneret Hvelte og
derved altid Voines (???) holdes åben for tilkommende Tilsætninger, ligesom enhvis mulig
Forvirring forebygges. Den hidtil brugte fælles Titel “Blik paa Brasiliens Dyreverden før
sidste Jordomvæltning†skal jeg ej nægte rækker nu enkelte Skrupler hos mig, da den deels
udtaler en Hypothese, som idetmmelste (???) kan være Kontestationer underkostet, deels
urigtigen indskrænker Indholdet, der jo ogsaa udstrækker sig til de nulevende Dyr. Jeg
vilde derfor foretrække for Fremtiden folgende Modifikation: “Blik paa Brasiliens uddøde
og nulevende Dyreskabning,†eller hvis det ej vor for at ofrige saa lidt som muligt fra den
gamle Titel, vild jeg endnu hellere følgende “Bidrag til Kundskab om Brasiliens uddøde og
nulevende Dyreskabningâ€, hvormellem jeg vil overlade Dem at vælge. Jeg er da af den
Mening at alle de følgende Afhandlinger faat denne Titel, med udførelse “5te Bidrag, 6te
Bidrag†o.s.v. i en fortløbende numerer række, foruden den specielle Titel som en og anden
kan faae naar den netog afhandle en speciel Gjenstand, som den om Rovdyrene XXX, og
at, som sagt, i alle tilfælde Tavlernes Tal bliver fortløbende. Med Hensyn til de mig
godhedsfuldt oversendte eksemplarer tillader jeg mig at bemærke at af første Hefte,

215

indeholde de første Afhandling og anden Afhandling (Pattedyrene) tillig med Tavlerne I til
XIII blev mig sendt 5 eksemplarer, af det andet Hefte indbefattende tredie Afhandling
(fortsættelse af Pattedyrene) samt Tillæg til de to sidste Afhandlinger tillig med Tavlerne
XIV – XXVII fik jeg kun tre eksemplarer og endlig af det tredie Hefte, indbefattende:
“fortsætte Bemærker over Brasiliens uddøde Dyreskabning†samt “Blik paa Brasiliens
Dyreverden XX fjerde Afhandling fortsættelse af Pattedyrene†tillig med Tavlerne XXVIII
til XXXIX fik jeg fire Exemplarer eksemplarer. Jeg maa derfor bede Dem ved næste
Lejlighed hæve den Godhed at lade mig tilkomme 1 Exemplar af det nys betegnede andet
Hefte, uden hvilket de overtallige Exemplarer af 1 og 3° Hefte nytte mig til intet. Ved
denne Lejlighed maa jeg ogsaa bede Dem have den Godhed at indtage et illumineres.
Exemplar af Afhandlingerne, beregnet de ælde over Maquiné og Cerca Grande Huler for
Forfatteren af Tegningerne, Hr. Brandt i som De godhedsfuld vil tilstille af mine XXX af
mine Brødre for at besørge sendt til Trondhjem til Hr have Søn Ide Brandt. Angaaende
Prindsen af Mucignano troes jeg at jeg alt ved flere Lejligheder har taget mig den Frihed at
anmodet om Tilsendelse af et Exemplar til ham; jeg er nu kommet i endnu mere
forbindtlighedgjeld til ham ved en lille Erindrig han nylig har oversendt mig, hvorfor jeg
mig at gjentage min Anmodning, hvis den ej alt er opfyldt. Af den sidst oversendte
Afhandling tillader jeg mig at indføre følgende Trykfejl de Forstyrre Meningen (Blik paa
Bras. Dyreverden o.s.v. Fjerde Afhandling: fortsættelse af Pattedyrene).
Pag. 9 Linie 4 at at læs: da.
Pag. 12 Linie 8 neden fra: Forbindelse læs Fortsættelse.
Pag. 14 Linie 3 er mindre indskrænket læs: ej mindre indskrænket.
Pag. 45 Linie 7 forbinde læs befinde.
Samme Side sidste Ord: Underbenet læs Underlaarbenet.
Tillæg til samme Afhandl. Pag. 2 tredie Linie neden fra: Foreningen læs: Fordelingen.
I den: Oversigten over Videnskabs Selskab forhandlinger for 1843 Nº 6 indførte
Conspectus Dasypodum forekommer overalt cinctochlamydes stedet for cinetochlamydes
(af Κιυγτσς bevægelig) hvilket det bliver af Vigtigstes at rette da det første end (???)
foruden at være et vox hybrida, ingen Mening giver; ligeledes p. 79 Linie 6 neden fra
ungulis stedetfor cingulis; samt endlig Samme Side 7de Linie neden fra og p. 80 sjette Linie
neden fra Hare stedetfor Harl. (nemlig forkortet af Harlun).

216

Den oftere omtalle berygtede Ekslandsmand (thi nu gaaer han under fransks Flag)
Claussen er nu atter afgaaet til Europa med sine XXX XXX XXX Sammenskrabede Skatte.
Gud veed hvor mange uforskam Uforskammetheder og Usandheder XXX dennegang vil
udbrede og hvor mange Daarer han vil hilde I Sine Gavn. De vil Sandsynligviis i Leonhard
og Bronn Jahrbuch læse e Reclamation som jeg har seet mig nødsaget til at lade indrykke i
Anledning af nogle af hans Skamløsheder der gik noget for vidt til at men længere kunde
tie til dem. Jeg venter lignende dennegang, men haaber at dog lidt det Europæiske
Publikum vil faaer Øjnene op, da selv i det blinke umoralske Brasilien der vrimler af
lykkeriddere Spidsbuder hans Navn rager (vager) faet op over alle andre.
En stor fransk videnskabelig Expeditionen under Anførsel af Greven af Castelneau er
nylig draget har forbi. Greven havde lige fra Rio af yttret en stor Tilbøjelighed til at besøge
mig og seer mine Samlinger, som jeg fra flere Sider var underrettet om i det omtalle
Subjekt højde sig fast til Expeditionen og ledsagede den indtil sidste Station herfra, hvar
han fik Nys om at ligesaa velkommen Expeditionen besøg vær mig ligesaa kold modtagelse
maatte han gjøre Regning paa. Af Frygt for et mange Ting maatte komme for Lyset, der
kunde demaskere ham, og endeel Masker springer i det Nat hvormed han har omspundet
Musæet i Paris, saavelsom de lærde der og andetsteds, intrigerede han nu har saalænge til
det lykkedes som at ofrente Greven fra sin hidtil fæste Beslutning at besøge mig. Forøvrigt
maa jeg bemærker at denne hele Expedition er billedet paa en komplet Konfusion, en sand
Parodie af en videnskabelig Expedition.
Jeg har liggende endeel nye Tegninger, men da de uden Text bidt nytte har jeg ej ilet
med at sende dem. Jeg afventer nu den nærmere Bestemmelse hjemmefra angaaende
Skjæbnen af mine Samlinger for derefter at tage mine igne Bestemmelser med Hensyn til
min fremtidige Virken. Saasnart jeg kan meddle Dem noget nærmere i den henseende skal
jeg ej undlade det.
Meget skulde det glæde mig snart at høre gode Efterretninger fra Hr. Etatsraaden, til
hvis beregne Erindring jeg imidlertid anbefaler mig som Deres stedse hengivne og
erkjendtlige.
P. W. Lund

217

Indlaget følger et Brev til Deres Hr. Søn, som jeg beder godhedsfuldt brev gevet ham;
ligesaa beder jeg Deres anbefald mig til Grosserer Westermann til hvem følger to XXX
med Insekter i den omtalle Kasse til det Nordiske Oldskriftselskab.

218

A Tradução:
Lagoa Santa, de 26 Abril de 1844
Honrado Sr. Conselheiro de Estado
recebida em 24/7 44
Quatro meses se passaram desde a minha última carta (de 16 de Nov A.p.)253 e
pergunto a mim mesmo o que se passou neste período para que eu tenha ficado insatisfeito?
Por outro lado, pergunto a mim mesmo se andei para frente, quando sinto como se cada vez
que dei um passo adiante, voltei outro para trás. Esta estranha sensação aumenta ainda mais
pelos seis pequenos estímulos que recebi do senhor através da sua bem-vinda carta de 28 de
Setembro A.p., quando me perguntou sobre o prosseguimento da pilha de memórias
inacabadas. Não terminei nenhuma delas, mas certamente tive tempo para pensar nelas,
pois todo o tempo foi empregado com trabalhos decorrentes da rica coleta do ano passado.
Para que possa explicar isto ao senhor precisarei lhe fornecer uma pequena explicação
sobre a natureza desses trabalhos e a massa de espécimes.
Primeiro é preciso isolar as concreções e separá-las em dois grupos: aqueles que
devem ser mantidos como estão e aqueles que precisam ser sacrificados para a retirada dos
ossos. Dependendo das circunstâncias as ossadas devem ser quebradas para a remoção de
partes desnecessárias e a obtenção de fragmentos que possam revelar a relação de
parentesco relativa a todos os ossos. O outro grupo dá mais trabalho por causa do uso de
instrumentos em função da dureza dos espécimes e do estado dos ossos. Duas pessoas
ficaram ocupadas com este trabalho durante três meses sob a minha constante supervisão.
Os ossos também estão divididos em dois grupos. Em um estão todos os ossos inteiros e
aqueles com fraturas antigas, e no outro estão fragmentos com fraturas recentes reunidos
com todos os fragmentos nas mesmas condições. Apesar de todos os cuidados na escavação
e extração, uma quantidade enorme de ossos se perde. E não é sempre possível reunir e
montar todas as peças no local aonde elas foram encontradas. Eu sempre acabo me vendo
com ossos quebrados, fragmentos e pequenas lascas. É precisa muita paciência e um tempo
253

A.p.: do ano passado.

219

precioso para limpar este estábulo de Augias254 e, como em um enigma chinês, colocar os
pedaços no devido lugar, para comparar e reconstruir o osso completo. Naturalmente
ninguém mais pode fazer este trabalho além de mim mesmo. Foram necessários dois meses
apenas para examinar cada osso, identificá-lo, numerá-lo e incluí-lo no catálogo. O senhor
pode imaginar que a minha casa não tem espaço para todas as amostras. Eu tive que
empacotar uma grande quantidade delas e enviá-las para o Rio. Somente após esta
trabalheira é que eu consigo obter uma idéia geral do conteúdo e apenas no que se refere
aos animais maiores. No que se refere às espécies de mamíferos de pequeno porte, de aves
e da classe dos répteis, é simplesmente impossível imaginar (o trabalho, N.T.) dada a
quantidade de objetos. Ela é tão grande que mesmo se eu pudesse examinar milhares deles,
teria dificuldade em contá-los e classificá-los corretamente.
Por isso, como será necessário algum tempo antes que possa obter uma visão geral
decente do incremento científico que surgirá dessa safra, quero me limitar temporariamente
a informá-lo das principais aquisições.
Em relação aos ossos existem 1000 numerados, que demonstram todas as diferentes
nuances e tons255 de praticamente todas as espécies, incluindo um grupo importante de
ossos inteiros de Platyonyx,256 além de importantes ossos humanos. Em termos zoológicos
as seguintes espécies tiveram considerável aumento de material: Dasypus punitaten,257
incluindo uma cauda completa com todas as conexões da carapaça; Chlamydotherium
humboldtii, incluindo um crânio completo. Hoplophorus, incluindo grande parte do osso
frontal (craniano)258 e parte considerável da cabeça. O maior acréscimo (nas coleções)259 é
o Platyonyx, do qual agora possuo um esqueleto inteiro e partes de dez indivíduos de todas
as idades, desde um pequeno feto até o maior deles – como um coelho até animais
totalmente desenvolvidos e adultos, incluindo crânios, maxilares e assim por diante. De
mastodonte há um crânio aproximadamente completo de um indivíduo jovem que ainda
tem suas presas no maxilar inferior. Entre os animais com casco há três espécies, das quais
254

Lund faz referência a um dos célebres 12 trabalhos de Hércules, a limpeza das cavalariças de Augias, o rei
da Élida, soberano negligente que há anos não mandava recolher o estrume das centenas de cavalos dos seus
estábulos, tão sujos que exalavam um odor mortal. Hércules dá conta da tarefa ao desviar o curso de um rio
para dentro das cavalariças.
255
Lund usa o termo Knæklys, literalmente, luz de vela.
256
Platyonyx Lund 1840. Annales des Sciences Naturelles, Paris [2] (Zool.), n.13, p.316.
257
Lund descreveu em 1840 uma espécie de tatu de pescoço comprido, o D. albiventris Lund, 1840.
258
N.T.
259
N.T.

220

duas possivelmente poderiam ser relacionadas ao cavalo. O Dicotyles260 contribui com uma
grande quantidade (de material)261 como crânios completos, e ainda diversos (???) de
muitas Auchenias.262 Entre os predadores o grande Felis protopanther263 teve considerável
incremento, mas o que existe de mais importante é a esplêndida contribuição do colossal e
terrível Smilodon populator,264 incluindo uma presa inteira unida a um maxilar inferior
completo. As enormes presas estão espremidas juntas no maxilar superior, resultando a
constituição do maxilar inferior numa singular aberração para o seu uso. O número de
dentes molares no maxilar inferior é de dois, portanto o menor número até agora conhecido
entre os predadores. Entre os roedores o grande Hydrochoerus sulcidens, 265 com dimensões
similares a anta, tornou-se uma grande contribuição, enquanto entre as outras espécies de
roedores e no que concerne a família dos marsupiais eu já lhe contei que o número deles
está além das minhas possibilidades de cálculo. Morcegos e macacos tiveram importante
contribuição, e finalmente lançaram-se também luzes sobre o ser humano. O que existe
com relação a este último eu reuni em um pequeno ensaio e remeti à Sociedade Real dos
Antiquários do Norte juntamente com amostras de pernas e de ossos, os quais me afetaram
modificando minhas idéias relativas às condições geológicas em geral.
Após esta introdução prossigo respondendo aos pontos da sua carta sobre os quais o
senhor pede esclarecimento. Começo trazendo esboços gerais sobre os quais por enquanto
não tenho muito a dizer, pois no momento percebo que não tenho nenhum texto pronto que
possa lhe anexar. Portanto, se o senhor achar que não posso fornecer explicações para
futuras memórias que esclareção memórias anteriores e se referem a pontos tratados
anteriormente, então não há nada que possa fazer por enquanto. Apesar disso, sou da
opinião de que a publicação deve ser em números consecutivos como diferentes memórias
com títulos em separado, formando uma coleção completa e, nesse sentido, sempre se
mantendo aberta para futuras inclusões, assim como para corrigir qualquer possível erro. (A

260

Dicotyles torquatus Cuvier 1817. R. Anim., 1, 237, Paris. Dicotyles labiatus Cuvier 1817
N.T.
262
A paleolhama, Auchenia Illiger 1811, ver Dromedarius Wagler 1830; Auchenias Wagner 1843, Arch.
Naturgeschichte, 1, 349. Mamm.
263
Felis protopanther Lund, 1839.
264
Smilodon populator Lund, 1842.
265
Espécie extinta de capivara descrita por Lund em 1840, mas provavelmente a Hydrochoerus hydrochaeris
(Linnaeus, 1766).
261

221

obra)266 que até agora tinha por título “Olhar sobre o mundo animal brasileiro antes da
última revolução da Terraâ€, devo declinar passando por cima de meus próprios escrúpulos,
pois em parte enuncio uma hipótese que no momento pode ser sujeita a contestações, em
parte por incorreções restritas ao conteúdo, que também estendo aos animais viventes.
Portanto, prefiro a seguinte modificação: “Olhar sobre a criação animal vivente e extinta
brasileiraâ€, ou se não for possível sacrificar tanto do título antigo, prefiro ainda o que se
segue “Contribuição para o conhecimento sobre a criação animal viva e extinta brasileiraâ€,
conquanto eu deixe a escolha para o senhor. Sou da opinião que todas as memórias tenham
este título, seguidos por “5ª memória, 6ª memória†e assim por diante, em uma seqüência
de números consecutivos, além de um título especial com o qual se possa abordar um
assunto especial como os predadores, completado por um certo número de lâminas em
seqüência. Com relação aos exemplares que o senhor gentilmente enviou permita-me notar
que da primeira parte, contendo a primeira memória (introdução) e a segunda memória
(mamíferos) acompanhadas das lâminas I a XIII, foram-me enviados cinco exemplares. Da
segunda parte, incluindo a terceira memória (continuação de mamíferos) anexada ao
suplemento com as duas últimas memórias acompanhadas das lâminas XIV-XXVII, recebi
apenas três exemplares. E finalmente da terceira parte, incluindo “Continuação das
observações sobre a criação animal extinta brasileiraâ€, junto à “Olhar sobre o mundo
animal brasileiro – Quarta memória: continuação dos mamíferos†acompanhada das
lâminas XXVIII a XXXIX, recebi quatro exemplares. Devo, portanto lhe pedir que na
primeira oportunidade tenha a bondade de me enviar um exemplar da segunda parte com a
nova designação, sem a qual os exemplares extras da 1ª e da 3ª partes não têm uso para
mim. Nesta oportunidade devo igualmente lhe pedir que pegue um exemplar ilustrado das
memórias, exibindo as antigas cavernas de Maquiné e de Cerca Grande retratadas Sr.
Brandt, e tenha a bondade de pedir aos meus irmãos para providenciarem seu envio para
Trondheim267 para o filho dele, Ide Brandt. Com relação ao Príncipe de Mucignano (???),
creio que terei diversas chances de ter a liberdade de requisitar o envio de um exemplar
para ele. Ainda devo uma gentileza a ele devido a uma pequena lembrança que ele me
enviou recentemente, razão pela qual reiterarei meu pedido, caso ainda não tenha sido

266
267

N.T.
Cidade norueguesa onde vivia a família de Peter Andreas Brandt (1792-1862).

222

satisfeito. Sobre a última memória enviada permita-me introduzir os seguintes erros que
confundem o significado (Olhar sobre o mundo animal – Quarta memória: continuação de
mamíferos).
Pág. 9 linha 4 lê-se: então.
Pág. 12 linha 8 de baixo para cima: combinação lê-se: continuação.
Pág. 14 linha 3 é menos restrito lê-se: não menos restrito.
Pág. 45 linha 7 combinar lê-se: se encontrar.268
Na mesma página, última palavra: osso da perna269 lê-se fêmur.
Suplemento do mesmo tratado. Pág. 2 terceira linha debaixo para cima: a sociedade
lê-se: a distribuição.
No Sumário da Revista da Sociedade Real270 de 1843 nº 6, que introduz Conspectus
dasypodum, encontra-se em todo lugar cinctochlamydes no lugar de cinetochlamydes271 (de
Κιυγτσ, móvel),272 que é o erro mais importante a corrigir em primeiro lugar, a menos que
se trate de uma vox hybrida, o que não faz sentido. Assim como na p. 79 linha 6 debaixo
para cima ungulis no lugar de cingulis; além finalmente na mesma folha na 7ª linha debaixo
para cima e na p. 8,0 sexta linha debaixo para cima, Hare (lebre, N.T.) no lugar de Harl
(assim abreviado de Harlun).
O freqüentemente mencionado e notório ex-colega Claussen (que agora se passa por
francês273) partiu uma vez mais para a Europa com a sua coleção per faz + nefas. Só Deus
sabe quantas insolências e falsidades impertinentes ele irá espalhar desta vez, e quanta
bobagem irá contar para o seu próprio benefício. O senhor provavelmente lerá no Anuário
de Leonhard e Bronn uma reclamação que me senti compelido a enviar por causa de
algumas sem-vergonhices dele que foram longe demais, sobre as quais não se pode ficar
calado. Na verdade espero o mesmo desta vez, mas tenho a esperança de abrir os olhos do
público europeu com relação a esta multidão de aventureiros que, desde o Brasil amoral,
procuram alçar seu nome acima de todos os outros.

268

forbinde (combinação), befinde (continuação).
Literalmente, osso inferior da perna.
270
Sociedade Real dos Antiquários do Norte, da qual Lund era membro.
271
Grifos no original.
272
Kinêtikos, móvel.
273
Literalmente, se veste com as cores francesas.
269

223

Uma grande expedição científica francesa sob o comando do Conde de Castelnau274
passou recentemente aqui perto. O conde expressou desde o Rio uma grande propensão de
me visitar e ver minhas coleções, enquanto ao mesmo tempo fui informado por todo o
mundo que o sujeito mencionado275 apresentou-se à expedição e a acompanhou até a última
estação perto daqui, fazendo assim com que o que seria a visita bem-vinda da expedição se
tornasse uma recepção gélida. Por medo de que muitas coisas que possam desmascará-lo
venham à luz, e que muito possa ser lançado contra a rede da qual ele faz parte no museu
em Paris. Ele semeou intrigas por tanto tempo que teve sucesso em convencer o conde a
mudar de idéia em relação à sua decisão de me visitar. Por tudo isso, afirmo que toda esta
expedição está destinada a ser uma completa confusão, uma verdadeira paródia de uma
expedição científica.
Eu tenho uma porção de novos desenhos, mas tendo em vista que eles estão sem
texto, não os enviei. Agora aguardo a próxima decisão da pátria concernente ao destino das
minhas coleções, para então tomar novamente decisões relativas às minhas futuras
atividades. Tão logo possa informar algo ao senhor, não falharei em fazê-lo.
Muito me alegra ouvir novidades do Sr. Conselheiro de Estado, de quem a lembrança
eu recomendo para sempre com dedicação e reconhecimento.
P. W. Lund
Segue em anexo carta para o Sr. seu filho, que peço a bondade de entregar a ele. Do mesmo
modo peço que registre (uma carta) ao negociante Westermann, a quem seguem duas
coleções com insetos no mencionado baú para a Sociedade Real.

274

François Louis de la Porte, Conde de Castelnau (1810–1880), naturalista francês, explorou a América do
Sul, publicando Expédition dans les parties centrales de l’Amérique du Sud, de Rio de Janeiro à Lima, et de
Lima au Para: exécutée par ordre du gouvernement Français pendant les années 1843 à 1847. Paris: P.
Bertrand, 1850-1857.
275
Referência a Peter Claussen.

224

LUND, P. W. Carta para Johannes Christopher Hagemann Reinhardt, København.
København: Det Kongelige Bibliotek, NKS 2838. 10/01/1845.
O original em gótico:

225

226

227

228

A versão para o alfabeto latino:
Lagoa Santa, d 10 Jan. 1845
Velbaarne Hr. Etatsraad!
Modtaget 27 Mar 1845
B 22 Nov.
Under 28de November f.A. havde jeg den Ære at tilskrivelse Etatsraaden og give en
udførlig Beretning om Hulearbeideren og deres udbytte i det forløben Aar. I et Appendix
lovede jeg at lade følge Fortsættelsen, for saavidt den angik Sager af mere privat Indhold,
saasnart jeg havde modtaget nogle Linier fra Dem, der kunde orientere mig noget i flere
Sager af Vigtighed, hvorom jeg agtede at skrive. Denne Glæde udeblev ej længe, idet jeg
kort efter modtog Deres ærede Skrivelse (uden Datum) med Skibet Bolette Puggaard, og
jeg gaaer derfor strax til Sagen.
De vink De har vær at saa god at give mig angaaende Bestemmelsen af Samlingerne
have ganske vundet mit Bifald, og jeg har i Overenstemmelse hermed indsendt en
Indstilling til Hans Majestat, hvoraf jeg tillige har sendt en Kopie til mine Brødre, der vil
blive Dem meddeelt. Meget skulde de glæde mig om Sagen vil have Fremgang, som jeg
neppe vover at tvivle om. Imidlertid arbeider jeg her ufortrøden i denne overbeviisning jeg
gjennemgaaer, indfører og nedpakker daglig.
Blandt de Opdagelser jeg siden har gjort i det opdyngede Udbytte af sidste Reise,
efter at med Rensningen Gjenstandene være blevne tydeligere, er den vigtigste en
undergaaet Kæmpeform af en Slægt, der med Owen er bleven bekjendt, nemlig en Art
Toxodon, der i Størrelse længt overgaaer den af Owen beskrevne; ligeledes endeel gode
Stykker og navnlig den største Deel af Kraniet af hans Mylodon robustus, hvoraf jeg hidtil
ikkun besad nogle ufuldstændige Brudstykker, der tildeels have lægt til Grund for
Opstillelsen af Slægten Ocnotherium. Da jeg nu en gang er med dette Emne, vil jeg her
tilføre en mærkelig Iagtagelse, jeg net og idag gjør, idet jeg er med at gjennemgaaer
Levningerne af Chlamydotherium Humboldtii fra Salpeterfulen, jeg har omtalt i mit sidste
Brev. De veed, at hos Tatuerne ere endeel af Halshvirvlerne, fra den anden af bagtil,

229

sammenvoxen i et Brev. Hos Chlamydotherium findes ligeledes denne Sammen voxing fra
den anden af til den femte inclusive, men hvad der vakte min Forundring, og som er det jeg
her vilde meddele, er, at efter to frie Hvirvler, den sjette og syvende Halshvirvel, følger en
stor Plade, der viser sig at være de tre første Ryghvirvler, der ere ganske sammenvoksen
med hinanden, saavel med Legemet som med hele Buen og dens Fortsættelser, til at danne
net eneste sammenhængende Bene. Dette Forhold, hvortil vil negge nogen Analogie findes
i Pattedyrklassen, har aabenbart til hensigt, at give den for riste Deel af Knoppen store
Fasthed med Anvendelsen af Forbenene til Gravning.
For de med Bolette Puggaard oversendte Exemplarer af Afhandlingen om Rovdyrene
lakker jeg Dem meget; de ere endnu ej komen mig til hænde. Angaaende Deres
Forespørgsel om Antallet af Exemplaren jeg ønsker mig tilsendt, henholder jeg mig til mit
Brev af 26 April f.A., som jeg seer endnu ej var tilkommet Dem. Det har ganske vundet mit
Bifald, at sende et Exemplar ogsaa til Professor Wagner i München. Grundet til, at
Afhandlingen om Bæltedyrene, samt Fortsættelsen af den over Rovdyrene ej ere færdige
endnu. Hidrører fra (stamme fra) den umaadelige Masse af Material, der bestandig har
ophobet sig siden, og som nødvendigviis først maa nogenlunde ordnes in den jeg kan tage
fat paa disse specialle Arbeider.
I Rio staae ti Kasser færdige til at afgaae med første Leilighed; sandsynligviis vil
Konsulen der benytte den med ‘Bolette Puggaard’, som jeg har anmodet ham om. Her staae
ni Kasser indpakkede og vente blot paa Regetidens Ophør for at gaar til Rio, tillige med
anden der vel imidlertid ville blive færdige. Da det vil blive nødvendigt, at en Kopie af
Katalogen følger med Samlingen, vil jeg nu begynde paa dette Arbeide, der imidlertid vil
medtage nogen Tid, og de for vil den vel komme til at afgaae stykkeviis. Katalogen over
Brever ujærne indeholder hemmed 1200 Numere, og den over de fossile Knokler, der
daglig vokser, over 8000.
Saasnart De erfarer nogen Resolution i denne Sag, haaber jeg De vil underrette mig
derom, da jeg, hvis Indstillingen antages, ufortøvet vil indsende til Deres Hr. Søn endeel
specialle Oplysninger til Vejledning med Samlingens Opstillelse.
Med Hulearbeideren er det vel tilende, ej fordi det mangler mig paa Lyst, ej heller paa
Stof, da jeg veed nogle meget vige Knoklehuler, der fortjente at udgraves, men deels af
Mangel paa Helbred, skjøndt herpaa lod sig raade Bod, da jeg, nu har dannet endeel

230

praktiske Lærlinge, der kunde lette mig Arbeidet noget; men hovedgrunden er de
betydelige Udgifter, der ere forbundne dermed, som jeg ej længere seer mig i stand til at
bestride af mine egne Midler.
De udspredte Rester af den berygtede Clausen’s Expedition, der exploderede for to
Aar siden, have iggen samlet sig og trække om i Nærheden og gjøre Egnen usikker. Ifjor
være vel deres Bestræbelser frugtesløse, da det trods alle Eftersøgninger ej lykkedes dem af
finde nogen Knoklehule, men maaske kunde Skæbne være dem gunstigene iaar, og jeg
frygter meget for de vige Miner jeg har opdaget; der let kunne røbes med Uforsigtighed
eller Mindelyst af en eller anden af mine afskedigede Folk.
I Forventning af snart at høre gunstige Efterretninger fra Hr. Etatsraaden forbliver jeg
Deres stedse hengiver og forbunden
P. W. Lund

231

A Tradução:
Lagoa Santa, 10 Jan. 1845
Honrado Sr. Conselheiro de Estado
Recebido 27 Mar 1845
Respondido 22 Nov
Em 28 de Novembro A.p.,276 tive a honra de escrever ao Conselheiro de Estado e
oferecer um relatório minucioso sobre os trabalhos nas cavernas e seu avanço no ano
passado. Em um apêndice prometi enviar a continuação, e para informar o andamento de
assuntos de conteúdo mais privado, logo que recebi algumas linhas suas que puderam me
orientar em diversos assuntos de importância, sobre os quais pretendo escrever. Esta alegria
não durou muito, mas por um breve período após ter recebido a sua honrada mensagem
(sem data) pelo navio Bolette Puggaard. Sigo imediatamente aos assuntos:
A sua gentil sugestão de simplesmente doar todas as coleções ganhou o meu aplauso, e
estando de acordo com isto submeto uma petição a Sua Majestade, da qual também envio
uma cópia aos meus irmãos, que lhe informarão. Muito me alegra que as coisas avançam, o
que não me atrevo a duvidar. Neste meio tempo, eu trabalho aqui perseverando nesta
convicção, classificando e empacotando diariamente.
Entre uma descoberta e outra eu trabalho na curadoria dos resultados da última
viagem. Após a limpeza dos espécimes, foi possível perceber o que é importante no
exemplar gigante da espécie Toxodon,

277

cujo tamanho excede e muito o daquele descrito

por Owen. Igualmente, uma boa parte dos fragmentos ou especialmente a maior parte do
crânio do Mylodon robustus278 dele, do qual eu até agora possuía apenas alguns fragmentos
incompletos, que foram parcialmente tomados por base para a definição da espécie

276

A.p.: ano passado.
Grifo no original.
278
Grifo no original. Ver OWEN, 1842. Description of the Skeleton of an Extinct Gigantic Sloth, Mylodon
robustus Owen, with observations on the osteology, natural affinities, and probable habits of the
Megatherioid quadrupeds in general. London: R. & J. Taylor, 1842.
277

232

Ocnotherium.279 Eu agora me pus a trabalhar nesse tópico, e quero acrescentar aqui uma
curiosa observação que fiz hoje no momento em que trabalhava examinando os restos
cheios de salitre do Chlamydotherium humboldtii,280 que mencionei na minha última
carta.281 O senhor sabe que entre os tatus parte das vértebras cervicais, da segunda para trás,
são soldadas umas às outras. No Chlamydotherium o senhor encontrará exatamente a
mesma solidificação da segunda à quinta inclusive, mas o que me causou surpresa, e sobre
o que vou informar aqui, é que após duas vértebras soltas, a sexta e a sétima vértebras
cervicais, segue-se uma grande placa, composta pelas três primeiras vértebras toráxicas,
que estão totalmente soldadas uma à outra, tanto o corpo quanto os ligamentos e seus
prolongamentos, formando claramente uma única peça óssea contínua. Esta circunstância,
que não guarda nenhuma analogia com a classe dos mamíferos, tem claramente o propósito
de dar força ao restante do corpo e ao uso das patas dianteiras para escavar.
A respeito dos exemplares da memória sobre carnívoros trazidos pelo Bolette
Puggaard,282 agradeço-lhe o envio, embora eles ainda não tenham chegado às minhas mãos.
A respeito da sua pergunta sobre o número de exemplares que desejo receber, faço
referência à minha carta de 26 de abril do ano passado, a qual noto que o senhor não
recebeu ainda. Provavelmente seria bom enviar um exemplar ao Professor Wagner em
Munique. A razão pela qual o trabalho sobre tatus, assim como a continuação daquela sobre
os carnívoros, ainda não está pronto se deve à imensa massa de material que se acumula
constantemente, sendo necessário em primeiro lugar ordená-la cuidadosamente para que
possa iniciar esse trabalho.
Encontram-se no Rio dez baús prontos para seguir viagem na primeira oportunidade.
O cônsul irá provavelmente enviá-las no Bolette Puggaard, como lhe pedi. Encontram-se
aqui nove baús lacrados somente a espera do término do período das chuvas para seguir
para o Rio, juntamente com outro que logo ficará pronto. Como será necessário que uma
cópia do catálogo siga com a coleção, começarei a trabalhar nele, o que, entretanto, levará
279

Preguiça terrícola do Pleistoceno. Glossotherium Owen, 1839, Mylodon Owen, 1839, Ocnotherium
giganteum Lund, 1842.
280
Tatu gigante do Pleistoceno. Chlamydotherium Lund, 1838. Videnskabernes Selskabs Naturvidenskabelige
og Mathematiske Afhandlinger, 1838, n.11; Lund 1839, Annales des Sciences Naturelles, Paris, [2] (Zool.),
n.11, p.217.
281
Lapa da Escrivania n° 2. J.R. (Nota de J. T. Reinhardt). Refere-se à gruta da Escrivania II, na região de
Lagoa Santa, uma das centenas pesquisadas por Lund.
282
Navio à vela conhecido como fragata ou brigue, o Bolette Puggaard fazia a rota Rio de JaneiroCopenhagen na década de 1840.

233

algum tempo, sendo que neste caso pode ser enviada uma parte de cada vez. O catálogo de
cartas contém 1200 itens, e o de ossos, que cresce diariamente, mais de 8000.
Logo que o senhor souber de alguma decisão sobre este assunto, espero que me
informe, pois se a indicação for aceita, enviarei sem demora ao Sr. seu filho informações
especiais para instruir a disposição das coleções.283
O trabalho nas cavernas está bem no seu final, não porque este não me dê prazer nem
falte material. Eu sei de algumas enormes cavernas de ossos que merecem ser escavadas,
mas me falta saúde para tanto, assim como um aprendiz bem instruído que possa me ajudar.
Mas a razão principal são as consideráveis despesas ligadas a isto, as quais não me vejo
mais em condições de arcar através dos meus próprios meios.
Os membros da mal afamada expedição Claussen, que explorou a região nos últimos
dois anos, reuniram-se novamente perto daqui, tornando a vizinhança insegura. No ano
passado os seus esforços foram infrutíferos, pois apesar de todas as suas buscas não tiveram
a sorte de encontrar nenhuma caverna de ossos. Contudo o destino pode favorecê-los. Eu
temo muito pelas minas que descobri, que podem ser facilmente reveladas através da
indiscrição de um ou outro dos meus empregados demitidos.284
Na esperança de logo ouvir informações do Sr. Conselheiro de Estado, permaneço
Seu sempre próximo e devoto
P. W. Lund

283

Lund se refere à indicação de J. T. Reinhardt para o cargo de curador da coleção que Lund doou ao rei da
Dinamarca, cargo que, de fato, este ocupou pelo resto da vida.
284
Suponho que estes membros seriam principalmente o M. Foulon, o qual eu encontrei em 1849 em Lagoa
Santa, quando ele estava viajando com mulas para o Rio de Janeiro. Nota de J. T. Reinhardt, no original.

234

3.2 – Cartas trocadas entre Lund e o Rei Christian VIII
LUND, P. W. Carta para o Rei Christian VIII, København. København: Det Kongelige
Bibliotek, NKS 2677. 10/01/1845.
Observação: O original desta carta não consta da coleção de P. W. Lund. Existe uma
tradução em português feita a partir da tradução em francês constante na biografia escrita
por J. T. Reinhardt (1882). A tradução abaixo é a primeira feita a partir do original em
dinamarquês, que consta da biografia de Henriette Lund (1885).

A versão para o alfabeto latino:
Allernaadigste Kunge!
den 10d Januar 1845
I Tillid til den høje Interesse, Deres Majestæts stedse har værdiget at skjænke
Videnskaberne i Almindelighed, og den Videnskab i Særdeleshed, der har udgjort
Hovedgjenstanden for mine Arbejder i dette Land, vover jeg allerunderdanigst at udbede
mig Deres Majestæts allernaadigste Opmærksomhed for en Sag, der har til Hensigt at sikre
Fædrelandet Frugterne af disse Arbejder.
I den Tid, jeg har beskjæftiget mig med Undersøgelsen af dette Lands uddøde
Dyreskabning, er det lykkedes mig at bringe en Samling til Veje af herhen hørende
Gjenstande, som det oprindelig var min Plan at udarbejde i Hjemmet. Denne Plan nøde
Omstændighederne mig til at opgive, da det er lidet sandsynligt, at min svage Helbred vilde
modstaa en saa ugunstig Forandring, som den, en Nedsættelse i Hjemmet vilde udsætte den
for efter et saa langvarigt Ophold i de hede Klimater. Paa den anden Side er det ej
tilraadeligt at beholde Samlingen længere herovre, dels paa Grund af det menneskelige Livs
saa vel som selve Landets Usikkerhed, dels i Betragtning af Umuligheden af her at
forestage den endelige Udarbejdelse.

235

Det er derfor min Hensigt, efterhaanden som den foreløbige Undersøgelse,
Bestemmelse og Indførelse i Katalogen tillader det, at nedpakke og afsende den, hvormed
Begyndelsen er sket, i det en del Kasser ligge i Rio færdige til at afgaa med første
Lejlighed, og andre staa her indpakkede til Forsending til Rio.
Da det imidlertid er magtpaaliggende, at denne Samling, paa Grund af dens
videnskabelig Værd og Interesse, saa snart og saa fuldstændig som mulig kommer til Nytte
for Videnskaben, vover jeg allerunderdanigst at udbede mig den Naade at maatte overgive
den til Deres Majestæts allerhøjeste Bestemmelse for drover at disponere, som Deres
Majestæts maatte finde mest hensigtsmæssig til Opnaaelsen af dette Øjemed.
Samlingen bestaar af tre Hovedafdelinger: 1. Skeletter af nulevende Dyr til
Sammenligning med de fossile; denne Afdeling er i Hovedsagen fuldstændig for denne
Egns Fauna; 2. Knoglebreccier (skarpkant), samt Haandstykker af Bjergarter til Oplysning
af de geologiske Forhold, under hvilke de fossile Dyrelevninger forefindes, og endelig 3.
disse Levninger selv, der udgjøre Hovedsamlingen. En Katalog, der vil ledsage den, vil
give de fornødne detaillerede Oplysninger, hvorved dog er at bemærke, at hvad denne
sidste Afdeling angaar, ikkun de større Gjenstande have kunnet finde Plads deri, da Antallet
af de mindre er saa stort, at det vilde have overskredet min Tid at bestemme og indføre
dem.
At den langt større Del af de Gjenstande, hvoraf denne Samling bestaar, mangler i
Musæerne i Europa, og af følgelig dens Doubletter og Afstøbninger ville blive meget søgte,
er en Omstændighed, jeg tillader mig at berøre blot for at gjøre opmærksom paa de
Ressourcer, Samlingen besidder i sig selv til sin egen Forøgelse.
For at sikre Samlingens Vedligeholdelse, Forøgelse og videnskabelige Afbenyttelse
vover jeg at frembære der allerunderdanigste Ønske, at den Kapital, der har været anvendt
til dens Erhvervelse (som med Fradrag af Tilskudet fra det Kongelige Videnskabernes
Selskab af 2800 Rbd. Beløder sig til 9000 Rdb.) maa blive at betragte som et Legat,
tilhørende Samlingen, for af dens Renter at lønne en Videnskabsmand af Faget som
Opsynsmand over den, til hvilken Post jeg allerunderdanigst vover at anbefale Hr. Candidat
Reinhardt, som den af vore yngre Naturforskere, der fortrinsvis har beskjæftiget sig med de
Grene af Zoologien, der fornemmelig komme i Betragtning ved denne Samlings
Bearbejdelse. Hvor vidt forøvrigt Samlingen skal bestaa uafhængig for sig eller indlemmes

236

i en af de alt bestaaende Samlinger imod deri at danne en egen Afdeling med sin særegne
Opsynsmand, vil Deres Majestæts allerunderdanigst bestemme sem De maatte finde
tjenligst.
Maatte disse mine allerunderdanigste Ønsker nyde den Lykke at vinde Deres
Majestæts allerunderdanigste Bifald, da vil jeg, i Glæde over at se Frugterne af mine
Bestræbelser sikrede for Fædrelandet, finde en tilfredstillende Erstatning for den Tid deres
Erhvervelse har kostet saa vel som de Savn og Besværligheder, der have været forbundne
dermed.
I dybeste Ærefrygt Deres Majestæts allerunderdanigste Undersaat
P. W. Lund

237

A Tradução:
Vossa Graça Real!285

10 de Janeiro de 1845

Confiando no alto interesse com que Vossa Majestade sempre dignou conceder as
ciências em geral, e a ciência286 em particular, que constitui o objeto principal dos meus
trabalhos neste país, ouso mui humildemente pedir a mui graciosa atenção de Vossa
Majestade para um caso, que tem por intenção assegurar à Mãe-Pátria os frutos destes
trabalhos.
No período em que tenho me ocupado na pesquisa da criação animal extinta deste
país, sucedeu-me reunir a coleção aqui mencionada, cujo plano original era prepará-la na
Dinamarca. As circunstâncias urgem que eu abandone este plano, dada a pequena
probabilidade que a minha saúde delicada resista a uma mudança tão desfavorável, que o
estabelecimento na Dinamarca me exporia após uma estada tão prolongada nos climas
quentes. Por outro lado não é aconselhável manter a coleção aqui por mais tempo, em parte
em razão da insegurança deste país, em parte em vista da impossibilidade de realizar aqui
um trabalho sem fim.
É, portanto, minha intenção, na medida em que o progresso da pesquisa, classificação
e inclusão no catálogo assim o permitir, empacotar e despachar aquilo que no início foi
citado, sendo que várias caixas aguardarão no Rio, prontas para zarpar na primeira
oportunidade, e outra parte permanecerá aqui, empacotada para o envio ao Rio.
Neste ínterim, sendo da maior importância que esta coleção, pelo seu valor e interesse
científicos, tão logo e tão completamente quanto possível se torne útil para a ciência, ouso
mui humildemente pedir a graça de confiá-la a mais elevada decisão de Vossa Majestade,
para habilmente dispô-la do modo como Vossa Majestade encontrar o mais apropriado para
a atingir este objetivo.
A coleção consiste de três divisões principais: 1. Esqueletos de animais vivos para
comparação com os fósseis; esta divisão é a mais completa para a fauna desta região; 2.
Concreções de ossos juntamente com pedaços de rochas para ilustrar as condições

285
286

Trata-se do Rei Christian VIII (1786-1848), que reinou entre 1839 e 1848.
Lund deve se referir à Ciência Natural, enquanto que as ciências “em geral†incluiriam as humanidades.

238

geológicas sob as quais os fósseis de restos de animais foram encontrados; e finalmente 3.
estes mesmos restos, que constituem a coleção principal. Um catálogo que irá acompanhála fornecerá as informações detalhadas necessárias, através das quais se notará, do que
consiste esta última divisão, apenas os maiores objetos puderam encontrar lugar nela, pois o
número das peças menores é tão grande, que excederia a minha possibilidade de os
determinar e classificar.
A maior parte dos objetos maiores do que consiste esta coleção falta nos museus da
Europa e, conseqüentemente, suas réplicas e moldes se tornarão muito procuradas, uma
circunstância à qual eu me permito referir somente para chamar a atenção dos recursos que
a própria coleção possui para a sua própria expansão.
Para garantir a manutenção da coleção, expansão e utilização, ouso adiantar o mui
humilde desejo de que o capital que foi empregado na sua aquisição (com a dedução da
contribuição da Sociedade Real de Ciências de 2800 Rbd,287 o montante sobe a 9000 Rbd)
seja considerado um legado pertencente à coleção para que os seus juros paguem um
cientista de formação como seu curador, a qual posto eu mui humildemente ouso
recomendar o

Sr. Candidato

Reinhardt,288 um de nossos jovens naturalistas,

preferencialmente especializado no ramo da Zoologia, cujo conhecimento é fundamental na
elaboração desta coleção. Além disso, quanto à coleção permanecer independente ou ser
incorporada a uma das antigas coleções existentes, o que vai contra a constituição da
própria divisão com seu curador específico, queira Vossa Majestade mui humildemente
decidir do modo que ache mais apropriado.
Deva este meu mui humilde desejo gozar da sorte de receber a mui humilde
aprovação de Vossa Majestade, terei eu, na alegria de ver os frutos dos meus esforços
assegurados pela Mãe-Pátria, encontrado uma gratificante compensação pelo tempo que
esta aquisição custou tanto quanto pela privação e desconforto que estiveram envolvidos.
Na mais profunda veneração de Vossa Majestade mui humildemente subscrevo-me
P. W. Lund

287
288

Rbd., Rigsbankdaler, moeda dinamarquesa entre 1813 e 1873. Em tradução livre, “moeda do banco realâ€.
O naturalista J. T.Reinhardt (1816–1882).

239

CHRISTIAN VIII. Carta para Peter Wilhelm Lund, Lagoa Santa. København: Det
Kongelige Bibliotek, NKS 3261. 11/04/1846.
Observação: Existe uma tradução em português feita a partir da tradução em francês da
biografia escrita por J. T. Reinhardt (1882). A tradução abaixo é a primeira feita a partir do
original em dinamarquês.
O original em gótico:

240

241

242

243

244

A versão para o alfabeto latino:
Hr. Doctor Wilhelm Lund!
den 11d April 1846
Ligesom jeg snart efter Modtagelsen af Deres Skrivelse fra Lagoa Santa af 10. Januar
1845 overdrog min Cabinets-Secretair, Gehm. Etatsrd. Adler, uopholdeligen at yttre Dem
min Erkjendtlighed for den Gave, De har tiltænkt Deres Fædreland af de betydelige
Samlinger af fossile Dyr-Levninger, som De har fundet i de brasilianke Huler, tilligmed en
Samling af Skeletter af de i bemeldte Klimat nulevende Dyr til Sammenligning med de
fossile Levninger, saaledes er det mig en kjær Pligt at gjentage min Tak til Dem og at yttre
for Dem, hvilke Foranstaltninger, jeg har befalet, for at sikre Udførelsen af Deres for
Videnskaberne saa veldædige Hensigt.
Direktionen for det Kongl. Museum for Naturvidenskaberne er befalet at modtage de
Sendelser, som deels allerede ere ankomme, eller som fremdeles forventes fra dem. Disse
ville vorde opbevarede uaabnede, indtil Cand. phil. Reinhardt ventes tilbage fra
Expeditionen med Corvetten Galathea, med hvilken han afgik i forrige Aars Juny Manned,
og so i Foraaret 1847 paa Tilbagerejsen vil anløbe Rio de Janeiro.
Imidlertid indrettes Locale og Skabe til Samlingens Opstilling, og Cand. phil.
Reinhardt vil som Inspecteur ved en Afdeling af Museet ansættes med en særegen Gage
ved den Samling, som Museet vil skylde Deres Omsorg for Videnskaberne og
Fædrenelands Kjærlighed.
Allerede har Deres Afhandliger med dertil hørende Afbildninger, som ere optegne i
Videnskabernes Selskab Skrifter, vakt de Naturkyndiges særdeles Opmærksomhed, og ikke
mindre har dette været Tilfældet med de Sendelser, jeg modtaget fra Dem til min
particulaire Samling.
Det skulde meget glæde mig, om Deres Helbred tillod Dem at besøge Deres
Fædreneland og kunde give mig Lejlighed til mundtligen at gjentage Udtrykket af min Tak
og af min Paaskjønnelse (påskønnelse), som jeg beder Dem modtage Bevis paa i
Oversendelsen af min Medaille “Ingenio et Artiâ€, hvilken De som Videnskabsmand har
gjort Dem saa vel fortjent til at besidde.

245

Jeg forbliver med Højagtelse og Velvillie, Hr. Doctor Lund, Deres forbundne og
velvillige (Konges Underskrift).
Kjøbenhavn, den 11. April 1846.

246

A Tradução:
Sr. Doutor Wilhelm Lund!289
11 de Abril de 1846
Logo após o recebimento da sua carta de Lagoa Santa de 10 de Janeiro de 1845,
entregue pelo meu secretário de gabinete, o conselheiro-geral de Estado Adler290, sem
demora expresso a minha gratidão pelo presente que o senhor deu à sua Mãe-Pátria das
proeminentes coleções de restos de animais fósseis, as quais o senhor encontrou nas
cavernas brasileiras, junto com a coleção de esqueletos, de animais vivos para comparar
com os restos fósseis mencionados, sendo assim para mim um amável dever reiterar meu
agradecimento ao senhor e expressar quais medidas ordenei para assegurar a execução dos
seus tão beneficentes propósitos científicos.
A direção do Museu Real de Ciências Naturais foi ordenada a receber as coleções,
que em parte já foram entregues ou que ainda são esperadas da sua parte. Estas serão
mantidas fechadas, esperando até a volta do Cand. Phil. Reinhardt291 da expedição na
corveta Galathea,292 na qual ele partiu no mês de junho do ano passado, e que na primavera
de 1847 durante a viagem de retorno irá aportar no Rio de Janeiro.
Neste meio tempo serão arranjados local e condições para a disposição das coleções, e
o Cand. phil. Reinhardt será empregado como inspetor de um departamento do museu com
um salário específico pela curadoria das coleções, a qual o museu será responsável pelo
cuidado graças ao seu amor pelas ciências e pela Mãe-Pátria.
Os seus tratados bem como os desenhos que a eles pertencem, os quais já foram
expostos no jornal da Sociedade de Ciências,293 atraíram muita atenção dos naturalistas,
assim como os carregamentos que recebi do senhor para a minha coleção.
Muito me alegraria que a sua saúde lhe permitisse fazer uma visita à Mãe-Pátria e me
desse a oportunidade de reiterar de viva voz a expressão do meu agradecimento e da minha
289

Carta escrita pelo Rei Christian VIII (1786-1848), que reinou entre 1839 e 1848.
Johann Gunder Adler (1784-1852), secretário de gabinete do Rei Christina VIII.
291
Candidatus philosophiæ, denominação usada na Dinamarca até 1930, para o candidato a função científicahumanista..
292
Expedição de volta ao mundo feita por naturalistas dinamarqueses entre 1845 e 1847 e financiada pela
Coroa, a bordo da corveta Galathea.
293
Sociedade Real Dinamarquesa de Ciências e Letras
290

247

apreciação, as quais peço que receba como prova no envio da minha medalha “Ingenio et
Artiâ€,294 a qual o senhor como homem da ciência tanto tem bem merecido por possuí-la.
Eu permaneço com a mais alta estima e simpatia, Sr. Doutor Lund, seu aliado e
benevolente
(assinatura Real)
Copenhagen, 11 de Abril de 1846

294

Medalha para premiar artistas e cientistas, criada pelo Rei Christian VIII em 1841, e conferida a Lund em
21 de abril de 1846. A lista completa dos agraciados encontra-se no site www.litteraturpriser.dk/ietarti.htm.

248

LUND, P. W. Carta para o Rei Christian VIII, København. København: Det Kongelige
Bibliotek, NKS 2677. 08/08/1846.
Observação: Existe uma tradução em português feita a partir da tradução em francês da
biografia escrita por J. T. Reinhardt (1882). A tradução abaixo é a primeira feita a partir do
original em dinamarquês.
O original em gótico:

249

250

251

A versão para o alfabeto latino:
Allernaadigste Kunge!
den 8d August 1846
Det høje Beviis paa Bevaagenhed, det allernaadigst behagede Deres Majestæt at
skænke mig med allerhøjeste Skrivelse af 11de. April d.A. har opfyldt mig med den dybeste
Følelse af Erkjendtlighed og Taknemmelighed. At mine ringe Bestræbelser for at være
Videnskaben og Fædrelandet til Nytte have vendet Deres Majestæts allernaadigste Bifald,
var for mig en ligesaa værdifuld Som opmuntrende Belønning, og jeg væver herved at
fremhæve min allerunderdanigste Taksigelse for det hædrende Udmærkelseslege, hvormed
de behagede Deres Majestæt allernaadigst at beære mig, og hvortil jeg skal bestræbe mig
for, med fremtidig Virken, saavidt Gud skjenker mig Kræfter, at gjøre mig fremdeles
værdig.
Jeg beklager ej at have modtaget den Skrivelse. Deres Majestæt omtaler fra Hr.
Geheime-Etatsraad Adler, hvormed jeg er blevet forhindret fra tidligere at tolke Deres
Majestæt disse mine aller underdanigste Følelser.
Med Erkjendtlighed erfarer jeg de Foranstaltninger Deres Majestæt har behaget
allernaadigst at bereden med Hensyn til Samlingerens Bevaring og Opstilling, der ikke
lader mig noget tilbage at ønske.
Foruden de ti Kasser, der forrige Aar ankomne til Kjøbenhavn, tillader jeg mig at
bemærke, at ti andre ere afgånde fra Rio de Janeiro med Briggen Bolette Puggaard, og ti
med Briggen Christian, hvoraf den første afseilede den 21d. Mai, den anden den 19d. Juni,
begge direkte til Kjøbenhavn. Syv Kasser ere for kort Tid siden afsendte herfra til Rio, og
hvad der endnu er tilbage hos mig vil omtrent optage fra det aalle Kasser. Denne sidste
Dreel af Samlingen bestaaer af saadanne gjenstande der trænge til nærmere Undersøgelse,
eller, som paa Grund af deres saaledes Interesse fortjenne en nøiagtig indtræffende Uheld
med Forsendingen. Dog haaber jeg for saavidt at blive færdig hermed, at den største Deel
vil kunne være i Rio med Ankomsten af Korvetten Galathea, saavelsom i Resten af
Katalogen og de øvrige Oplysninger, som Hr. Kandidat Reinhardt maatte behøve
Samlingens Bestemmelse og Opstilling.

252

Det var vistnok mit kjæreste Ønske, at kunne benytte denne samme Leilighed til at
vende tilbage til Fædrelandet, hvortil forsikkringen om Deres Majestæts Bevaagenhed
undvære maatte opmuntre mig, men min svagelige Helbred, der negge vil kunne modstaae
ugunstig Forandring af Klimat, lader mig kun ringe Udsigt til at kunne udføre dette Ønske.
I det Haab fremdeles at maatte nyde den Lykke at see mine Bestræbelser belønnede
med Deres Majestæts allernaadigste Bifald, forbliver jeg
I dybeste Ærefrygt
Deres Majestæts
allerunderdanigste og taknemmeligste Undersaat
P. W. Lund

253

A Tradução:
Vossa Graça Real!
8 de Agosto de 1846
A alta prova de favor de Vossa Majestade ao me conceder o gracioso pedido através
da altíssima carta de 11 de Abril me encheu dos mais profundos sentimentos de gratidão e
de agradecimento. Que meus humildes esforços para ser útil à ciência e à Mãe-Pátria
resultaram no gracioso reconhecimento de Vossa Majestade foi para mim algo repleto de
significado assim como uma estimulante recompensa, e eu devo aqui enfatizar a minha
mais humilde gratidão pela honrosa distinção com a qual Vossa Majestade muito
graciosamente me honra, pela qual eu devo me esforçar em futuras atividades, conforme
Deus me conceda forças e eu ainda seja digno.
Tenho pesar por não haver recebido a carta de Vossa Majestade que o Conselheiro
Geral de Estado Adler se referiu, através do qual eu pude expressar previamente todos estes
meus humildes sentimentos.
Percebo com gratidão que os preparativos que Vossa Majestade pediu graciosamente
para preparar em relação à disposição e à conservação das coleções não deixam nada a
desejar.
Além das dez caixas que no ano passado chegaram em Copenhagen, permita-me notar
que dez outras estão partindo do Rio de Janeiro no brigue Bolette Puggaard, e dez com o
brigue Christian, das quais as dez primeiras zarparam em 21 de Maio, e as outras em 19 de
junho, ambas direto para Copenhagen. Sete caixas foram há pouco tempo enviadas daqui
para o Rio, e o que ainda está comigo irá embarcar nestes dias para se juntar a todo o resto.
Esta última parte da coleção contém objetos que necessitam de exame mais cuidadoso, ou,
por causa do seu interesse merecem um cuidado acurado no transporte. Espero que
conforme o trabalho fique pronto, a maior parte possa estar no Rio para ser enviada na
corveta Galathea,295 assim como o restante do catálogo e das informações, caso o Sr.
Candidato Reinhardt possa precisar saber da origem e disposição da coleção.296
295

Expedição de volta ao mundo feita por naturalistas dinamarqueses entre 1845 e 1847 e financiada pela
Coroa, a bordo da corveta Galathea.
296
Referência a Johannes Theodor Reinhardt (1816–1882).

254

Foi provavelmente o meu carinhoso desejo poder fazer uso desta mesma ocasião para
voltar à Mãe-Pátria, mas minha saúde delicada que não poderia resistir a mudanças
desfavoráveis do clima me deixa apenas uma pequena chance de poder realizar este desejo.
Na esperança de ainda poder aproveitar a fortuna de ver meus esforços reconhecidos
com o gracioso aplauso de Vossa Majestade, permaneço
na mais profunda veneração
de Vossa Majestade
muito humildemente e agradecidamente
P. W. Lund

255

3.3 – Cartas de Lund para E. Warming
LUND, P. W. Carta para Eugen Warming, København. København: Københavns
Universitet, Botanisk Centralbibliotek. 07/07/1877.
A versão para o alfabeto latino:
Lagoa Santa, d.7 Juli 1877
Kære Dr. Warming
Tak for Deres kjorkomme Brev af 30 Dec. 76 og 2 Januar 77, der, hvis det lod vente
noget længe gaa sig, gengældte det ved af dets Rigdommen af dete Indhold. Det glæder mig
deraf at se, at De og Deres hele Familie befandt Dem vel og at De med vinter. Iver vedblev
i Deres saa frugt bringende videnskabelige Virksomhed. De i Deres Brev omtalte Particulae
her jeg mig tig modtage midtil 21º inclusive. Det gjør mig ondt at se, at flere ligge førdige,
men at kunne publicerend ved at Mangel gaa Fond, hvad De jo ogsaa beklagen saavel som
at De gik Glip af et Møde med Keiseren, da han var i Kjøbenhavn.
Jeg gaare nu over tel at meddele Dem havd jeg erindren herfra, der kunde interessere
Dem og begynder med de physiker Forhold. De ved at siden en lang Række af Aar (har
1858 af) Regnmængden hvert Aar har aftaget og at dette Forhold hoieste ifjor, som jeg
meldte Dem i mit sidste Brev. Uventet var derfor at Omslag i modsat. Retning, der
indtraf i aar, met den sidst forsvunden Regntid var overvættes stærk og vedholdende saa
godt som uafbrudt fra Slutningen af September til Slutningen af Februar, anrettende
Ødelæggelser i alle Retningen og hemmende Færdslen. Bønne høsten gik selvfølgelig
tabt saa godt som ganske, og har i Lagoa Santa blev næppe nogen Mur staaende eller
uskadt. Til sammen Tid led de sydlege Provindser af nu Alt ødelæggende Tørke. Denne
fem månedes Invernada afløstes med Slutningen af Februar af em lige saa uafbrudt
Estiada, der har varet i fem Maaneden og vedvarer endnu. Da heden tilligge var stærk i
de første Maaneder gik ogsaa Tør tid bønne høsten tabt. De, som kjeeder
Uundværligheden af dette Nærings middel for Brasilianerne, kan indse, hvor pinløg
denne Tilstand er. Her paa dette Sted er denne Artikel ni mere at faa. I Sabara og Ouro
Preto spiser man Bønnen komme fra Nordameriska !!! Denne Ulempe er lidet i mod den

256

Lande plage der hærger nordlige Provindsen, hvor en langvarig Tørke har fremkaldt
fuldkommen Hungersnød og Udvandring Kamrene have sat 2.000 Contos til
Regeringens Disposition, for at mildne Nørden, og private Gaver indstrømme fra alle
Sider. Som De seer ere Forholdene ikke gunstige, hvad det første Punkt angaar. Had de
politiske Forhold angaae, da hersker for så vedt Fred i hele Landet, men ikke Ro, idet
den religiøse Tvist imellen den gejstlige og verslige Magt, der for Tiden bryder alle
romersk-catholske Lande, ogsaa her underholder en Gjærning og Spænding i
Gemytterne. Fortiden hælder Vægtskaalen ned til den clericale Side og Jesuiterne
rodfæste sig overalt i Landet, beskyttet af den devote Regentinde.
Hvad Lagoa Santa angaaer da er den omtrent ved det Gamle, eller kun lidet fremrykket.
Af Dem bekjendte Personer ere døde 1º Vikaren Padre Adriano. I hans Sted er kommet
en ung Præst fra Santa Luzia der er Musiker. 2º Skalelæreren Herculano, i hvid Sted er
kommet at ungt Menneske ved Navn Raimundo, i Deres Tid begyndende Musiker, der
copirende Deres Samling af Modas for mig. Han har hævet Skolen betydelig, der nu
tæller 134 mandlige og 37 kvindelige Discipler, saa at han ni alene kan overkomme det,
men maa have en Medhjælper, der for Øieblikket er en Dansk ved Navn Michaelsen. I
endnu at Punkt har Lægen hævet sig for saa vidtsom vi have at udmærket godt
Postagentskab. Derimod i musikalsk henseeede er det gaaet tilbage, da Aulaen er gaaet
ind af Mangel paa Discipler og Unserstøttelse. Jernbanen fra Rio hertil rykker rask
fremad og vil om nogle Maaneder være kommet til Barbacena.
Hvad mig selv angaaer, da jeg i Begyndelsen af dette Aar havt et nyt Anfald af Bryst
betændelse der medtog mig meget der vel nu er overstaaet men som har efterladt en
Svækkelse. Haven er i temmelig Forfald, da mine aftagende Kræfter sjældent tilladen
mig at spadsere i den og passe den. Dens hoved pryd er endnu de af Dem sendte Sager:
Urania, to Pandanusarter, Ca? ludovica; desuden Atalia compta, Oreodoxa regia, samt
endel smukt blomstende Skovtræner.
Hr. Roepstorff og Nereo bede sende Dene em flittig hilsen; ligesaa Joaquim d’Oliveira,
Primo og Joaquim.
Modtag sluttelig med ærede Familie en hjertelig Hilsen fra
Deres stedse hengiven

P. W. Lund
257

A Tradução:
Lagoa Santa, 7 Julho 1877
Caro Dr. Warming
Obrigado por sua bem-vinda carta de 30 de Dez. 76 a 2 de Janeiro 77, a qual atrasou
um pouco, mas foi recompensada pela riqueza do seu conteúdo. Alegra-me ver que o
senhor e toda a sua família se encontram bem e atravessaram bem o inverno. Espero que a
sua atividade científica traga muitos frutos. O senhor mencionou na sua carta os artigos que
eu recebi aqui até o dia 21, inclusive. Dói-me ver que mais artigos estão prontos, mas não
puderam ser publicados por falta de fundos, o que o senhor igualmente lamenta, assim
como a perda do encontro com o imperador, quando ele esteve em Copenhagen. 297
Agora eu vou informá-lo sobre o que eu me lembro daqui que possa interessá-lo,
começando pelo contexto físico. O senhor sabe que desde muitos anos (começando em
1858) as chuvas têm minguado a cada ano e que esta circunstância cresceu até o pior nível,
como eu lhe contei na minha última carta. Inesperada, portanto, foi a mudança para o
oposto. A mudança aconteceu este ano com o último período das chuvas, que foi
excessivamente rigoroso e contínuo, bem como ininterrupto do final de setembro até o final
de fevereiro, causando devastações em todas as direções e bloqueando o tráfego. A safra de
feijão (fejão das agoas)298 foi perdida quase por completo, e em Lagoa Santa quase nenhum
muro ficou em pé ou intacto (ao mesmo tempo levando as províncias do sul à ruinosa seca
atual). Estes cinco meses de invernada foram substituídos no final de fevereiro por uma
estiagem ininterrupta, que já dura cinco meses e ainda continua. Nos primeiros meses
quando o calor também era intenso veio uma seca que acabou com a safra de feijão. Dada a
indispensabilidade deste alimento para os brasileiros, o senhor pode imaginar quão penosa
é esta situação. Aqui nesse lugar não se pode mais adquirir estes artigos. Em Sabará e Ouro
Preto come-se feijões trazidos da América do Norte!!! Este incômodo é pequeno se
comparado à praga que devasta as províncias do norte, onde uma prolongada seca causou
297

O Imperador Dom Pedro II visitou o Museu Nacional de Copenhague em 1876.
Lund escreve Bønne høsten (literalmente, o feijão da safra) para se referir ao feijão das águas (fejão das
agoas, assim no original), a safra cultivada na estação das chuvas.
298

258

uma completa epidemia de fome. As câmaras de emigração colocaram 2.000 Contos à
disposição do governo para aliviar o Norte, e doadores particulares acorreram de todos os
lados. Como o senhor vê a situação não era favorável no que concerne ao primeiro ponto.
No que concerne à situação política, aqui há muito reina a paz em todo o país, mas não a
tranqüilidade, uma vez que o embate religioso entre o poder eclesiástico e os opositores,
que no momento afligem todos os países católicos romanos, também aqui sustenta um
exaltamento dos ânimos. O passado pende o braço da balança na direção clerical e os
jesuítas criaram raízes por todas os países, protegendo a sua devota soberana.
No que concerne a Lagoa Santa, tudo está quase igual, somente com pequenas
mudanças. Entre as pessoas conhecidas morreram:
1º ) o vicário Padre Adriano. No seu lugar chegou um jovem padre de Santa Luzia
que é músico.
2º) o professor escolar Herculano, em cujo lugar chegou um homem jovem chamado
Raimundo, um músico conhecido no seu tempo, que copiou a coleção de Modas dele para
mim. Ele tem sido notável na escola, que conta agora com 134 alunos e 37 alunas, de modo
que sozinho ele não consegue dar conta, mas precisa de um assistente, que no momento é
um dinamarquês chamado Michaelsen. Um ponto seguinte é o fato do medico ter se alçado
à posição de um excelente agente postal. Por outro lado, a aula de música está regredindo
por falta de alunos e de recursos. A estrada de ferro do Rio até aqui avança rapidamente e
dentro de poucos meses chegará até Barbacena.
No que concerne a mim mesmo, no começo desse ano eu tive um novo ataque de
inflamação no peito que me abateu e agora acabou, mas que deixou um enfraquecimento. O
jardim está um pouco descuidado, pois raramente as minhas forças minguantes me
permitem passear e cuidar dele. Os principais ornamentos ainda são os mesmos que o
senhor enviou (plantou? N.T.): a Urania, duas espécies de Pandanus,299 a Ca? ludovica; ao
lado da Atalia compta300 e da Oreodoxa regia,301 além finalmente de belas árvores floridas
do bosque.

299

O gênero Pandanus inclui muitas espécies de grandes arbustos e árvores.
Assim no original. A palmeira Indaiá ou andaiá (Pindarea concinna, Pindarea faustosa ou ainda Attalea
compta ou exigua, Martius).
301
A palmeira real de Cuba.
300

259

O Sr. Roepstorff e Nerêo enviam as suas diligentes saudações; assim como Joaquim
d’Oliveira, Primo e Joaquim.
Receba finalmente com sua honrada família uma cordial saudação do
Vosso sempre devoto
P. W. Lund

260

LUND, P. W. Carta para Eugen Warming, København. København: Københavns
Universitet, Botanisk Centralbibliotek. 28/03/1880.
A versão para o alfabeto latino:
Lagoa Santa, 29 Martz 1880
Kære Dr. Warming!
Gjennem Reinhard, hvem jeg nylig (13. Martz) tilskrev, vil De vel have modtage en
Hilsen fra mig, samt en foreløbig anmeldelse af modtagelsen af Deren Brev til mig af 18
Januar f.a. (foræring år) som jeg nu gaar til at besvare. Det glod at mig af novnte Brev at se,
at Da befinder Dem vel, og vedbliver ufortrøden i Deres videnskabelige virken, trods
hindringer af forskellig Art. Paa Deres forespørgsel maa jeg bemærke, at af Deres Symbolo
har jeg modtaget samtlige Parxxxx indtil 23 inclusive, med undtagelse af den 22 da, som en
er kommed.
I mit sidste Brev til Dem melede jeg om en hervorende Botaniker ved navn Barboza
Rodriguez, der paa en udstilling i Rio havde indsat en samling af 300 og nogle Brasilianske
Orkidéer, med ledsagende Muxxxx (???) Tegninger og Beskrivelse, og sendte indlaget at af
en hervorende Blad desangående udklippet stykker til Europa og overgaa det hele til xxxx
(???), hvor det vel vil dele Skæbne med Deres.
Samme Botaniker fremtogde saa Passeio Udstilllingen et storst arbejde over Brasilien
Palmer, belillet Sertum Palmarum, med eller minerede Teyninger i Stortformat den synes at
have vindet Anerkjendelse da en af Rothschilderne af sin Tilskyndelse overtog Udgifterner
med Udgivelsen der af den valgte Boghandler anslager til 250.000 franks.
For er at saare den Brasilianske Regenns Egenky (???) xxx overlod han de 50.000 til
den, forberedende sig de 200.000. (???) traf dette hver Regeringen under ugunstige xxxx
(???) de Udgifter med Underholdningen af de nødsxx (???) Offere for Torken i Ceara og
omliggende Provinsen have udtømt Skatkammeret, saa af Regeringen ligefrem erklærede,
af den saa jeg ude af Stand til at kunne yde dit (???) allermindste Bedrag til dette
Foretagende. En Subscription er nu kommed igang over hele Landet og har god Fremgang.

261

For at blive ved det Botaniske kunde det maaske interessere Dem at høre noget om
den Botaniske Have, det har undergaaet nogle Forandringer. Den er nu dele i to Afdelinger,
hvoraf den ene, der nu er forend med Byen ved en Jernbane, har behold Nævne Jardim
Botanico, or er bestemt fortrinvis til Folkets Forlystelne Den er meget besogt og er blevet
Rios Tivoli. Den anden Afdeling, der har antaget det pompose Navn: Instituto Imperial de
Agricultura er af mere praktisk Natur og virker gavnlig ved at udbredelse Landet Frø og
Afloggere af nyttige Planter.
Ogsaa det Naturhistoriker Museum han faaet at opsang senere Tid, under Bestyrelsen
af Botanskeren Ladislau Neto, der skjøner med hos Skryd, hvad synes at have til her, har
udfoldet en anerkjendelsen ord virksom ved i flere Retninger, med at anskaffe nye
Gjenstander, lette Adgangen for Publikum, indvede Forbindelser med tilivanende
xxxxxvanende (???) i andre Landet, og have det til on undervisning anstalt.
Dener Betyendter (???) Schuch, nu Conselheiro Capanema, har ogsaa erhvervet sig
rette Fortjeneste af Landet ved at opfinde et probat Middel mod de bladskjorende myrer,
som jeg jævnlig xxxxx (???) mig af med Svolvl kulstof gas.
Den store St. Anna plads, nu Campo da Aclamação, bliver nu forvandlet til at luxurios
Haveanlæg med kunstige grosser springvand, hvortil kammeret har bevilg 2000 Contos.
Arbeidet leder af Deres Don Glaziou, der tillige er Directeur over Passeio público,
hvor han xxxx; og som ligeledes er et besøgt Forlys méd Restauration, Musik, etc.
Alle Pladse og bredere Gader i Rio nu xxxx xxxx (???), for at skrommer den gule
feber, der dog har indfundet sig i aar til xxxx Tïd og fordner flere Offere ind i forrige Aar.
Minas jernbanen, der nu er kommet omtrentlig til Barbacena, begynder alt at bære
sine Frugter. Støttet til den har der dannet sig paa flere Punktere Provindsen Minas,
Fabriker af Bomulstøjer i stor Maalestok, hver Produkter er lade noget tilbage at ønske
Soliditet og Elegance, og som finde god Afsoning lige med til Rev.
Selv det beskedne lille Lagoa Santa har ved den hoved sig til Rang af en Industriby, i
det dens classiske xxxx (???) have faaet vivende Afsoning. Her kommer nu Tropa per
Tropa efter dem, der bringe den til den kommende Station af Jernbanen, hvorfra det føres
ved i xxxx og sandsynlig xxx lige til Rio.

262

De af Dem hilske Personer bede mig takke Dem for Deres Hilsen og oversende deres
Gjenhilsen. Blandt dem frisker jeg til sorlig am omtale Deres Ex Camarad og Discipel
Emilio, pas Grund af at hen i disse Tage har spillet en vor Rolle her. Han er nemlig blevet
Devot, og har siden nogle har paataget sig det møjsommelimig ge Hverv at bringe i Gang
den saa kaldte Procissão de Passos ved Pengel fra xxxx (???) og Omegnen, hvad hover
hamxxx Rang af Festern eller Festgiver. Han havde forøvrigt den Tilfredsstillelse at Festen
gik gjorte af. Hoved xxxx i den spiller det musikalske Element der udførtes af Nereo med et
Chor af 23 Personer alle hans Discipler og som vandt almindelig Anerkendelse og
Beundring.
Dog jeg har nu brotter (???) Dem nok med den Afdeling jeg har paataget mig, de
Botanisker og dens tilhangser den musikalske, der jeg var de to hvormed De here mest
beskæftigede Dem, og jeg ligeledes dog med den Forsker at den forste af disse for mig nu
trodet mere og mere i Bagg vinden paa Grund af det Aftagende Sigte og Kræfter, hvilken
sidste er mere staa tie paa de stedse sjældom Spadsereturerne Haven af føre mig helt ned til
Enden af den, medem det sidste tranger sig bestandig mere frem i Forgrunden, og nu
danner saa godt som vor eneste Adspredelse.
Hermed lægger jeg for dennegang Pennen ved, eller rettere dem ufuldkommet
Substitut hvilken jeg beder Dam undskylde, men uden hvilken fra nu af ingen skriftlig
Meddelelse fra mig er mulig.
Det Brevet omtalde Brev til Dr. Roepstorff har somme modtage og førelese mig dels
Indhold. Han beder mig oversende Dem han foreløbig Tak tillig med en flittig Hilsen.
Gjennen Samme vil De langt bede blive underettet om hvad der forøvrigt maatte være
at meddele herfra end fra an, han Kraften staa saa langt tilbage for hans gode vilje. Hermed
sluttelig en hjerdelig Hilsen til Dem, ærede Tru og Børn, hvem af min Familie De maatte
træffe paa, samt Reinhardt fra Deres stedse Langerne.

P. W. Lund

263

A Tradução:
Lagoa Santa, 29 de março de 1880
Caro Dr. Warming!
Por intermédio de Reinhardt, a quem escrevi recentemente (12 de março), o senhor
deve ter recebido saudações enviadas por mim, além do aviso de recebimento da sua carta
enviada em 18 de janeiro do presente ano, que eu agora vou responder. Minha crença é que
esta carta encontre-o bem e continuando a perseverar no seu trabalho científico, apesar dos
obstáculos de diversas espécies. A respeito da sua pergunta eu devo observar que já recebi
todos os símbolos (???) até o dia 23, com exceção do 22, que já havia chegado.
Na minha última carta para o senhor, eu lhe informei sobre um botânico daqui
chamado Barboza Rodriguez,302 que através de uma exibição no Rio contribuiu com uma
coleção de 300 e poucas orquídeas, acompanhadas por desenhos e descrições.303 Anexei
esta folha de recortes de jornal para a Europa. Tudo isso irá para Reinhardt (???), onde o
destino do material será divido com o senhor.
O mesmo botânico fez também uma exposição no Passeio 304 que resultou em um
grande trabalho sobre palmeiras brasileiras, chamado Sertum Palmarum, 305 com desenhos
em formato grande que parecem ter adquirido o reconhecimento de um dos Rothschild, que
de vontade própria responsabilizou-se pelas despesas de publicação junto ao editor
escolhido, o qual estima seu custo em 250.000 francos. Para a tristeza do governo
brasileiro, o editor deixou 50.000 para o governo, reservando para ele próprio 200.000.
Infelizmente aconteceu que o governo encontra-se em circunstâncias ruins devido às
despesas extraordinárias com os flagelados pela seca no Ceará e províncias vizinhas, que
esvaziaram o tesouro público, levando o governo a declarar-se sem condições de fornecer o
302

O botânico brasileiro João Barbosa Rodrigues (1842-1909), que em 1883 se tornaria diretor do Museu
Botânico de Manaus.
303
Mais de um século depois, as aquarelas originais foram encontradas na Universidade da Basiléia, na Suíça,
e reunidas em Iconographie des Orchidées du Brésil, com 380 aquarelas de 700 espécies de orquídeas.
304
O Passeio Público, parque construído no final do século XVIII na Lapa, no centro do Rio de Janeiro.
305
Sertum Palmarum brasiliensium - Relation des palmiers nouveaux du Brésil: découverts, décrits et dessiné
d’après nature. 1872/1875. 2 vols. e 174 aquarelas, onde Barbosa Rodrigues descreve e ilustra em aquarela
inúmeras palmeiras da flora brasileira, a maioria estudada ou descoberta por ele próprio.

264

mínimo para esta publicação. Uma subscrição foi iniciada em todo o país, e suas
perspectivas são boas.
Falando do mesmo botânico pode interessar-lhe ouvir que o Jardim Botânico sofreu
algumas mudanças. Ele está agora dividido em dois departamentos, um dos quais, agora é
conectado à cidade por uma estrada de ferro, manteve o nome de Jardim Botânico e serve
para o entretenimento do povo. Ele é muito visitado e se tornou o Tivoli do Rio.306 O outro
departamento recebeu um nome pomposo: Instituto Imperial de Agricultura,307 e é de
natureza mais prática, sendo usado para a distribuição de sementes de plantas úteis em todo
o país.
O Museu de História Natural também recebeu uma reforma recente sob a
administração do botânico Ladislau Neto.308 Desde que o assumiu, ele enviou palavras de
agradecimento para diversos destinos, tentando estabelecer acordos com instituições
similares em outros países que possuam estabelecimentos de ensino, com o intuito de
adquirir novos artigos que sejam úteis para o público.
A este respeito Schuch, agora Conselheiro Capanema,309 adquiriu um grande
reconhecimento no país por inventar um meio eficaz contra as formigas cortadeiras de
folhas,310 que eu próprio freqüentemente uso (gás de enxofre de carvão).
O grande Campo de Santana, hoje Campo da Aclamação,311 agora se transformou
num luxuoso jardim público com grandes fontes decoradas de água, pelas quais a Câmara
concedeu 2.000 Contos. O trabalho é conduzido por Dom Glaziou, que também é o diretor
do Passeio Público, onde ele mora, e que também é visitado como um local de diversão,
com restaurantes, música, etc.
306

Fundado em Copenhagen em 1843, o Tivoli é um dos mais antigos parques de diversão do mundo.
Imperial Instituto Fluminense de Agricultura.
308
O botânico Ladislau de Souza Mello e Netto, que dirigiu entre 1874 e 1893 o Museu Imperial no Rio de
Janeiro, que com a Proclamação da República seria transferido para o antigo palácio Imperial na Quinta da
Boa Vista, passando a se chamar Museu Nacional.
309
Guilherme Schuch, o Barão de Capanema (1825-1908).
310
Capanema inventou uma máquina para pulverizar formicida para matar saúvas (Atta spp). Implantou em
1872 a Fábrica do Formicida Capanema na Ilha do Governador.
311
O antigo Campo de Santana do período colonial passou a se chamar Campo da Aclamação em 1822, pois
foi o local onde D. Pedro I fora feito Imperador Constitucional e Defensor Perpétuo do Brasil. Com a
Proclamação da República, recebeu o novo nome de Praça da República. Lund refere-se à reforma executada
em 1873 pelo paisagista francês Auguste François Marie Glaziou (1833-1906). A Praça da República é a
maior área verde para visitação do centro da cidade, com grutas, cascata, lagos, esculturas históricas, quatro
fontes ornamentadas e um chafariz em ferro fundido produzidos nas Fundições do Val D’Osne. Com área de
155.200 m², foi inaugurado em 1880.
307

265

Todas as praças e ruas largas do Rio foram XXXXX para afugentar a febre amarela
que apareceu este ano na época esperada e causou mais vítimas do que no ano passado.
A estrada de ferro de Minas, que agora chega aproximadamente até Barbacena,
começa a mostrar frutos. Em diversos pontos da Província de Minas começam a surgir
fábricas de fios de algodão, transportados em grandes fardos e cujos produtos deixam a
desejar em resistência e elegância, apesar de encontrarem boa aceitação no Rio.
Apesar da simplicidade da pequena Lagoa Santa, ela ascendeu à categoria de cidade
industrial, no qual o seu clássico XXX passou por um rápido desenvolvimento. Aqui
chegam agora tropas e mais tropas uma atrás da outra, que trazem mercadorias para a
estação de estrada de ferro mais próxima, de onde elas seguem provavelmente para o Rio.
As pessoas cumprimentadas pelo senhor me pediram para agradecer sua saudação e
enviam retribuição. Entre elas eu tentei falar com o seu ex-camarada e aluno Emílio, porque
ele atualmente desempenha um papel aqui. Ele se tornou devoto, e desde então tem se
encarregado do cargo trabalhoso de organizar a assim chamada Procissão dos Passos
através do intendente do lugar e de suas vizinhanças, aonde ele tem o cargo de organizador
dos festejos. Além disso, ele está satisfeito que os festejos estão acontecem bem.
O papel principal na apresentação da parte musical é bem executado por Nerêo com
um coro de 23 pessoas, todos alunos, que recebem reconhecimento e admiração.
Claro está que eu devo ter lhe incomodado o suficiente com estes assuntos aos quais
me referi, a botânica e os assuntos de ordem musical, aqueles com os quais eu mais me
ocupo por aqui. De fato, atualmente tenho deixado a pesquisa do primeiro (assunto) mais e
mais para trás por causa da minha visão e força minguantes, das quais a última sempre me
mantém forçado aos raros passeios até o fundo do jardim, apesar deles serem o meu último
desejo constante e praticamente o meu único divertimento.
Assim sendo, pelo momento eu descanso a pena, ou mais corretamente o substituto
imperfeito desta, pelo qual eu me desculpo, apesar de sem ele daqui para frente nenhuma
mensagem escrita minha seria possível.
No que se refere à carta enviada para Roepstorff, ela foi recebida por alguém que a
está lendo para mim. Ele me pede para enviar-lhe os agradecimentos assim como as suas
saudações.

266

Através da mesma pessoa o senhor será muito melhor informado sobre o que mais se
pode saber daqui, já que o seu vigor só perde para a sua boa vontade.
Fica aqui finalmente uma calorosa saudação para o senhor e a sua prezada esposa e
filhos, para aqueles da minha família que o senhor possa encontrar, e transmita também a
Reinhardt os meus eternos respeitos.
P. W. Lund

267

Capítulo 4

Análise das cartas traduzidas
4.1 – Carta para J. Reinhardt, de 29/11/1841
Lund inicia a carta de 29 de novembro de 1841 para J. Reinhardt fazendo um relato
do seu estado de saúde, que não é dos melhores:
“O senhor deve estar se perguntando por que eu estou agora me queixando do meu
peito, que se recuperou por completo durante a minha estada aqui, embora a
responsabilidade não esteja no clima, mas em uma circunstância desafortunada que
me sucedeu em uma cavernaâ€.
Lund conta que teve “o peito atacado†pelo ar frio da Serra do Espinhaço, e piorou
mais tarde, quando dormiu todo suado no interior de uma gruta, momento em que pegou
uma friagem. Ora, estas são circunstâncias que poderiam causar um resfriado em qualquer
pessoa, não podendo a “saúde precária†do protagonista ser a única responsável. Da mesma
forma, o parágrafo acima deixa bem claro que a saúde de Lund não foi um problema nos
sete anos decorridos desde a sua volta ao Brasil. É uma evidência de que, na realidade, ele
sempre gozou de boa saúde, e que a desculpa da fraqueza física não era nada mais além de
uma desculpa, usada como subterfúgio aos parentes para justificar a sua permanência no
Brasil (HOLTEN et STERLL, 2006, p.21).312
Ele prossegue citando uma nova memória, que sabemos ser a Quinta Memória: As
espécies de carnívoros atuais e fósseis nos planaltos centrais do Brasil tropical, datada de
312

Birgitte Holten escreveu no ensaio “To recall to Life an unexpected Treasury – Letters by Peter Lund“
(sem data) que Lund era “A raging hypochondriac who exposed himself to the greatest hardships in order to
satisfy his scientific curiosityâ€. Segundo ela:
“Without any doubt Lund was an eccentric, as they are not made any more. His preoccupations with
his health seem wildly exaggerated even for a person who has lost two brothers during childhood. But,
on the other hand, some of his precautions – such as not going to Rio while this city was pestered with
yellow fever – were the only sensible things to do at his time. And he seems to have suffered a great
deal of “tooth rheumatism†or neuralgia – which really is extremely painful and probably was not
improved by his prolonged dwellings in the caves – nor by the Brazilian rainy seasonsâ€.

268

4 de outubro de 1841 (LUND, 1950, p.381-456). Como informa, Lund pretendia publicar
um resumo em francês nos Annales des Sciences Naturelles, decisão abandonada diante da
negligência e da abundância de erros daquela publicação dirigida por Jean-Victor Audouin.
Em seu lugar, Lund passou a considerar a hipótese de publicar este resumo em francês no
periódico da Academia Real de Ciências e Letras da Dinamarca. Ou seja, ele
conscientemente e por decisão própria decidiu abrir mão da chance de divulgar suas
descobertas em um idioma falado internacionalmente e num dos dois principais veículos de
divulgação científica do início do século XIX.313 Em lugar disto, chegou a considerar a
hipótese de publicar uma tradução em alemão no Neues Jahrbuch für Mineralogie,
Geologie und Paläontologie. Criado em 1807, o Novo Anuário de Mineralogia, Geologia e
Paleontologia era um dos principais veículos científicos do cada vez mais influente reino
da Prússia, o que garantiria uma boa visibilidade ao trabalho nas cavernas.314 De qualquer
forma, entre os Annales de Paris e o Neues Jahrbuch prussiano, sabemos que Lund não fez
uma coisa nem outra. Acabou elegendo a pior das hipóteses, ou seja, publicando suas
memórias em dinamarquês na Dinamarca, e confinando a divulgação do seu trabalho a um
público infinitamente menor do que o potencial que lhe cabia. Esta escolha realmente não
faz sentido. Seria de se esperar justamente o contrário, pois no final do mesmo parágrafo
Lund se refere à sua frustração com a descrição do gliptodonte (OWEN, 1839) um mês
antes de sair publicado nos Annales des Sciences Naturelles o resumo em francês da
memória que incluía a descrição do Hoplophorus euphractus (LUND, 1839c; LUND, 1950,
p.151). “O nome Hoplophorus aparece em milhares de lugares nos meus manuscritos e
catálogos e eu não vejo nenhuma possibilidade de alterá-los agoraâ€. Nem agora nem nunca,
pois esta alteração jamais foi feita.
No momento em que escreveu aquelas linhas, final de 1841, Lund ainda não sabia que
o Hoplophorus não tinha sido a única vítima. O ano de 1840 tinha sido devastador. Além
do Hoplophorus euphractus, o Pachyterium (LUND, 1839) foi substituído pelo Glyptodon
clavipes Owen, e o Leptotherium (LUND, 1840; LUND, 1950, p.156) perdeu a prioridade
para a Macrauchenia patachonica (OWEN, 1840).

313

A outra era a Philosophical Transactions of the Royal Society of London, publicada desde 1665. A revista
britânica Nature só começou a ser publicada em 1869, e a americana Science em 1880.
314
O Neues Jahrbuch sobrevive até hoje, apesar de ser uma publicação circunscrita aos países de língua
alemã.

269

O fato de Richard Owen ser um naturalista de gabinete ao estilo de Cuvier lhe
conferia uma vantagem incomensurável em relação a Lund. Ele recebia os espécimes
enviados por naturalistas viajantes de diversas partes do mundo (o mais famoso foi Charles
Darwin) e só precisava descrevê-los, na comodidade do seu gabinete no Royal College of
Surgeons. Suas dúvidas eram prontamente esclarecidas nas melhores bibliotecas da
Inglaterra. E a publicação feita pelos principais editores londrinos, que podiam checar as
correções dos manuscritos in loco, o que no caso de Lund dependia da troca de cartas com
J. Reinhardt, num trajeto de ida e volta que levava vários meses.
Prosseguindo na análise do texto, percebe-se que Lund iniciou o empacotamento e o
envio de suas coleções para a Dinamarca muito antes do que se pensava. Até o momento
acreditava-se que os baús com as coleções seguiram para Copenhagen entre 1844 e 1845,
mas, segundo o naturalista, este envio já estava em pleno andamento desde 1841. Será que,
naquela época, ele já visualizava o final dos trabalhos nas cavernas, que se aproximava?
Uma outra possibilidade interessante levantada por este trecho evidencia que, em 1841,
Lund já imaginava que a coleção, embora doada à coleção pessoal de objetos de história
natural do monarca dinamarquês, ficaria melhor dentro de um museu. Essa localização
preferencial era motivada tanto para efeito de exibição – Lund se preocupava com o
aspectos da anatomia comparada, através da correta disposição dos fósseis ao lado dos
esqueletos de animais viventes – quanto para efeito de estudo, através da curadoria
especializada que só poderia ser realizada dentro de um museu. “Seria para mim uma
grande alegria que alguém na pátria pudesse usar estes materiais como objeto de um estudo
especialâ€. Novamente, não estaria aí evidente a disposição de Lund em não retornar em
definitivo para a Dinamarca, ainda que naquele momento ele cogitasse a volta, fixando
residência na Europa mediterrânea?
O resto da carta faz menção a uma onça morta em Lagoa Santa, reduzida à
insignificância quando comparada ao tigre dente-de-sabre (Smilodon populator315). E
finaliza por alfinetar tanto o seu rival pessoal Peter Claussen, “com a sua habitual
insolência se fez passar por descobridor dos fósseis que eu descreviâ€, quanto o sucessor de
Cuvier no Museu de História Natural de Paris, Henri Blainville, que “com as suas habituais
imprudência e superficialidade registra isto em letras garrafaisâ€. Ao comentar a
315

Smilodon populator (Lund, 1842).

270

Ostéographie de Blainville, Lund afirmou sobre o seu trabalho pessoal: por ser “baseado na
destruição eterna de Cuvier, não posso negar que o estou lendo (a Ostéographie) com
enorme repugnância, testemunha do coração ruim e do elevado grau de estupidez (de
Blainville), e apesar de todos os seus méritos na ciência, vejo a infinita distância que o
separa de Cuvierâ€. Pois bem, apesar de considerar “difícil marcar um limite exato onde
termina a espécie extinta e começa a recenteâ€, como teria afirmado a Von Helmreichen no
final de 1841, mesma época em que escreveu esta carta a J. Reinhardt, (VON
HELMREICHEN, 2002, p.112), Lund ainda assim permanecia um discípulo da teoria
catastrofista. Mas discípulo em que grau? Como ele conseguiria acomodar a idéia da
destruição eterna de Cuvier com uma transição – e não uma interrupção brusca e repentina
– entre as espécies extintas e as viventes?

4.2 – Carta para J. Reinhardt, de 14/01/1843
Apesar do grande otimismo que Lund demonstrou na carta do final de 1841 com
relação aos trabalhos de campo de 1842, estes se viram completamente frustrados em
função da Revolução Liberal de 1842, que tomou conta das províncias de São Paulo e
Minas Gerais: 316
“O senhor provavelmente soube pelos jornais que uma revolução aconteceu em duas
das províncias brasileiras, quais sejam S. Paulo e Minas. Infelizmente as mais pesadas
nuvens de tempestade pairam agora sobre esta parte do país, onde também pipocam
explosões em Sta Luzia, a três milhas daqui. Deste modo, fui envolvido por todos os
inconvenientes e perigos de tal crise, que causou muitas restrições aos meus trabalhos
316

Em Minas Gerais a revolta irrompeu a 10 de junho de 1842 em Barbacena, escolhida sede do governo
revolucionário. Foi aclamado presidente interino da província José Feliciano Coelho da Cunha, depois Barão
de Cocais. Em 4 de julho, em Queluz (Conselheiro Lafaiete) as forças legais foram batidas pelos rebeldes
comandados pelo Cel. Antônio Nunes Galvão. Estes receberam novas adesões notadamente de Santa Luzia,
Santa Quitéria, Santa Bárbara, Itabira, Caeté e Sabará. A notícia da derrota dos paulistas em junho para o
brigadeiro Luís Alves de Lima e Silva, o Barão de Caxias, colocou os rebeldes mineiros em desacordo sobre
atacar Ouro Preto. Vencedores em Lagoa Santa, sob a liderança de Teófilo Otoni resitiram ao primeiro
embate contra as tropas de Caxias em Santa Luzia. Foram a seguir batidos a 20 de agosto após a chegada de
reforços legalistas. Os vencidos foram mandados para a prisão em Ouro Preto e Barbacena. Entre eles
estavam Teófilo Ottoni e Camilo Maria Ferreira Armond, Conde de Prados. Os liberais mineiros ficaram
conhecidos como “luzias†em razão da batalha de Santa Luzia.

271

científicos. Em uma viagem ocorrida antes da eclosão dos distúrbios – toda a bela
estação317 foi perdida para as excursões – e aqui na minha própria casa tive poucas
oportunidades de prosseguir com as minhas investigações, já que todos os meus
pensamentos estavam voltados para assegurar as minhas coleções, que por esta razão
empacotei em baús para estarem prontas em caso de qualquer incidenteâ€
(14/01/1843).
O inverno de 1842, ou a estação seca quando Lund realizava suas escavações, foi
perdida. Assegurada a integridade das coleções, Lund tratou de empregar o tempo restante
avançando na redação das memórias sobre os carnívoros, dando destaque para os canídeos,
e a seguir para a família dos tatus. O estudo dos tatus foi particularmente importante por
duas razões: a primeira delas revelou uma variedade de espécies extintas muito maior do
que as viventes. A segunda, e mais importante, forneceu a Lund um método de
classificação que, em suas palavras, ele procurava há muito:
“A outra família que comecei a estudar em detalhe é a dos tatus, que pretendo
conhecer em sua totalidade e preparar uma memória graças aos materiais de que
disponho. Que os restos deste animal ocorram com freqüência no estado fóssil foi
importante para esclarecer as suas relações com as espécies hoje viventes. Dirijo
minha atenção para este animal coberto por uma armadura graças às suas placas,
achadas com freqüência nas cavernas de ossos. Este estudo me levou a resultados
inesperados, em parte por me revelar uma variedade muito maior de espécies dentro
desta família do que eu havia imaginado, em parte por me colocar nas mãos um meio
excelente de descrição que eu procurei em vão na trilha osteológica, de modo que
agora tenho sucesso nas diversas instâncias para descrever uma espécie a partir de um
pedaço de uma única placaâ€.
Lund não faz referência específica sobre qual seria esta metodologia de classificação
osteológica, mas cita o problema “onde nenhuma diferença é notadaâ€. Pode-se inferir que
procurava entender por que existem espécies “fósseis†exatamente iguais àquelas viventes,
uma problemática já levantada na carta de novembro de 1841. Nesse sentido, é importante a
317

O verão.

272

constatação de que petrificado não é sinônimo de fóssil, ou seja, de que nem todos os
fósseis pertenceriam a espécies desaparecidas:
“Eu sei que o senhor prefere a palavra ‘petrificado’ ao invés de ‘fóssil’, mas de fato
eu não acho que ela possa ser usada como sinônimo, pois pouquíssimos ossos fósseis
se encontram no estado de osso realmente petrificado, que assim se torna quando a
substância amalgamadora foi perdida e a substância inorgânica entrou em seu lugar.
Geralmente só é perdida uma maior ou menor parte do material, mas nenhum material
inorgânico entra em seu lugar, tão porosos que são, grudentos na língua e mais leves
que ossos frescosâ€.
Ao estabelecer uma relação direta entre o tamanho da carapaça – e, portanto a
mobilidade dos animais quando vivos – e a quantidade de sepultamentos, Lund parece
inferir que o tamanho das espécies que viviam antes da última revolução da superfície
terrestre está diretamente relacionada com a freqüência da sua extinção:
“De fato, eu observo que a maior armadura ou a menor mobilidade constituem a
principal relação para o desenvolvimento do sepultamento, (...) estas duas linhas
fluem completamente paralelas uma à outra, e cada uma destas indica precisamente
no sentido oposto da outra. Então agora juntando estas duas relações de organização,
isto é a estrutura do sepultamento e a qualidade da carapaça, torna-se mais óbvia e
clara a identificação, podendo esclarecer algumas dúvidas de absoluta precedênciaâ€.
O naturalista parece aqui indicar que quão maior a espécie, menor teria sido a sua
chance de sobrevivência.
Logo a seguir, surge uma importante crítica de Lund ao trabalho de seu mestre. “O
mais imperfeito de todos os princípios de classificação nas famílias existentes é usado por
Cuvier e tirado dos dentesâ€. Após seis anos de trabalho nas cavernas, nosso naturalista é
categórico em afirmar que a classificação anatômica dos mamíferos a partir da sua
dentição, método defendido por Cuvier, é mais do que imperfeita.
Nesta carta, assim como as próximas endereçadas a J. Reinhardt (assim como,
presumo, aquelas enviadas entre 1836 e 1840), Lund usa uma parte do texto para indicar
correções nas memórias prontas para impressão. Esta carta, que havia começado com a
273

observação sobre o alto custo relativo à impressão a cores dos desenhos de alguma
memória não especificada, prossegue tratando da sugestão dada por J. Reinhardt de Lund
iniciar a publicação “com alguns belos desenhos de pássarosâ€. A sugestão é abandonada,
pois Lund afirma estar tendo muito trabalho com as memórias relativas aos mamíferos
extintos. Ele observa que talvez não possa escrever uma memória relativa aos pássaros, o
que de fato aconteceu. Ela nunca foi escrita.
Sobre o título geral da obra, Blik paa Brasiliens Dyreverden, o estudo do dinamarquês
mostrou que a palavra blik significa em português olhada rápida, olhadela ou ainda piscar
de olhos (a exemplo do termo Augenblick em alemão, literalmente “piscada de olhosâ€).
Então, apesar de traduzido como Olhar sobre a Criação Animal Brasileira, este título deve
ser entendido como um estudo preliminar, uma primeira análise, uma “olhadelaâ€. Ou seja,
desde o início da redação das memórias, Lund pensou nelas como um estudo preliminar
que necessariamente antecederia a pesquisa aprofundada que só poderia acontecer dentro
de um museu na Dinamarca, dotado das condições materiais e humanas necessárias ao
trabalho. Seria o trabalho para um naturalista de gabinete, ao estilo de Owen e de um
Cuvier. Não de um Lund.

4.3 – Carta para J. Reinhardt, de 16/11/1843
“Apesar da pausa de 10 meses (...) devo me justificar ao senhor por esta espera
através de uma carta longa e detalhada para preencher esta lacunaâ€. Após o ano de 1842 ter
sido perdido para os trabalhos de campo, Lund não perdeu tempo e tratou de aproveitar ao
máximo o ano de 1843 para prosseguir com as escavações. Desse trabalho surgiu material
fartíssimo, “uma esmagadora massa de dados que precisa ser primeiramente ordenada para
que possa oferecer um relatório satisfatoriamente razoávelâ€. Lund afirma que foi seu ano
mais produtivo, coletando “tudo que havia sido deixado do ano passado quando a revolução
me atrapalhou†e salvando “tudo o que pude de ser pilhado pelo notório Claussenâ€. O
compatriota e rival, após vender suas coleções ao Museu Britânico e ao Jardin des Plantes
de Paris, havia retornado ao Brasil com equipamento e recursos, disposto a encontrar
cavernas de ossos ainda preservadas, as quais Lund procurava esconder a localização.

274

O sucesso irretocável que Lund faz alusão quanto aos seus trabalhos de campo no ano
de 1843 vão além da quantidade “extraordinariamente grande†de espécimes que coletou:
“Quase todas as espécies tiveram esclarecimentos consideráveis; diversos pontos
obscuros se iluminaram; dúvidas foram solucionadas; teorias se confirmaram, foram
corrigidas e surgiram. A massa de objetos que passou pelas minhas mãos neste
período, uma infinita multiplicidade de variedade de vida e de fenômenos geológicos,
me forneceu a oportunidade de examinar (cerca de 200 cavernas foram estudadas
neste ano) e formar uma enorme base para as minhas teorias sobre os principais
problemas geológicos: sobre a destruição das cavernas e da Terra, e a introdução dos
ossos nelas. Tais teorias surgiram tão completamente a partir da simples
generalização dos fatos observados, que se pronunciaram em mim num grau de
convicção que me despertou gratas tranqüilidade e satisfação.â€
As teorias não são aquelas formuladas por Cuvier. São “sobre os principais problemas
geológicos: sobre a destruição das cavernas e da Terra, e a introdução dos ossos nelasâ€. São
as teorias formuladas por Lund após sete anos de trabalho, estudo e “a partir da simples
generalização dos fatos observados†nas cavernas do vale do rio das Velhas. Estava
satisfeito e tranqüilo, graças – como ele mesmo observa – à convicção das suas idéias. Um
estado de espírito que contrasta com o desconforto com suas teorias anteriores (sem
dúvidas pautadas na lógica cuvierista), que tiveram que ser abandonadas.
“Por outro lado, não posso negar que aspectos de pontos anteriores, que eu já
acreditava estabelecidos, foram cobertos por nova escuridão, e aquilo que eu pensava
ter sido esclarecido não foi totalmente ultrapassado. Isto se refere, por exemplo, à
outra importante questão concernente às circunstâncias relativas à sucessão das eras e
à identificação das espécies, e à questão não menos importante da linha separadora
entre elas. Esta última tornou-se para mim totalmente obscura. Observo várias
espécies extintas, como aquelas que descobri, moverem-se por baixo dessa linha em
direção do presente, e diversas das espécies do presente moverem-se por cima dela
em direção ao passadoâ€.

275

Que parágrafo! Ele praticamente resume a trajetória intelectual deste naturalista. Lund
constatou sem sombra de dúvida que não havia nenhuma interrupção física e temporal entre
as espécies extintas e as viventes: “a linha separadora entre elas (...) tornou-se para mim
totalmente obscura. Observo várias espécies extintas, como aquelas que descobri,
moverem-se por baixo dessa linha em direção do presente, e diversas das espécies do
presente moverem-se por cima dela em direção ao passadoâ€. É o fim de Cuvier. O
catastrofismo ruiu! E com ele a idéia da imutabilidade das espécies. Lund passou a
acreditar na mutabilidade das espécies. Em outras palavras, ele aceitou a idéia da evolução,
e sabe que ela acontece ao longo do tempo. Só não sabe ainda como ela se processa. É a
idéia da adaptação que lhe escapa...
A partir do parágrafo acima, pode-se afirmar que se Lund não descobriu o mecanismo
da evolução, isto é, a adaptação, ele pelo menos vislumbrou uma continuidade biológica
através do tempo. Apesar disso, não conseguiu dar o passo seguinte, qual seja descobrir a
evolução – cuja primazia foi de Darwin e de Wallace.
No caso de Darwin, a troca de paradigma não aconteceu sem trauma. A simples e
poderosa idéia da evolução trazia conseqüências imediatas para o lugar do ser humano no
cosmo. Foram estas conseqüências que fizeram Darwin calar por 20 anos, antes de se
decidir pela divulgação da teoria em 1859. Para Lund:
“É diante desta descoberta que eu encaro a força dos fatos, contra os quais resisto (em
nome ???) do ser humano, de quem este ano tive a sorte de encontrar restos sob
condições diversas, que para mim não deixam nenhuma dúvida de terem sido
testemunha do fim de pelo menos cinco espécies de mamíferosâ€.
A primeira parte desta frase é importantíssima para entender porque Lund abandonou
os trabalhos de campo. Infelizmente, a tradução acima é uma aproximação. O texto original
em dinamarquês possui uma palavra incompreensível, assinalada com uma interrogação:

276

“Til dette sidste nøde ogsaa Kjendsgjerningernes Magt mig, hvor meget jeg hadtil har
stræbt imod, at (vegne ???) Mennesket.â€
A frase legível fica assim:
“É diante desta descoberta que eu encaro a força os fatos, contra os quais resisto (em
nome ???) do ser humanoâ€.
Apesar de tentadora, a sugestão de que Lund teria paralisado seus trabalhos pelos
mesmos motivos que levaram Darwin a se calar não pode ser feita. Infelizmente falta
legibilidade ao texto para garantir qualquer conclusão. Ainda assim, o parágrafo termina
com a certeza absoluta da contemporaneidade do ser humano com a fauna extinta. E aqui
não cabe contestação.
A carta prossegue com considerações diversas até o ponto em que Lund atesta o golpe
desferido no ano anterior por Richard Owen contra as espécies que ele havia descrito, ao
indagar sobre a fonte bibliográfica para a descrição da nova preguiça terrícola Mylodon
robustus318 descrita pelo britânico. Lund temia ter perdido mais uma vez a prioridade da
descrição, o que acabou não sendo o caso.
Por fim, nosso naturalista fornece um breve sinal de seus planos futuros:
“Encontro-me agora completamente ocupado com o exame e a colocação em ordem
do rico fruto das viagens deste ano, o qual irá render um bom capítulo inteiro. Qual
outra decisão possa tomar depende em parte das circunstâncias e especialmente da
minha saúde. Entretanto não quero prendê-lo mais aqui, porque enviei uma longa
carta cheia de detalhes ao meu irmão, que irá lhe informar a respeitoâ€.
Não se sabe a qual carta Lund faz referência, pois nos arquivos da Biblioteca Real não
existe nenhuma referência a uma carta enviada a qualquer de seus dois irmãos no ano de
1843. A carta anterior enviada para Johan Christian é de 30 de dezembro de 1842 (NKS
318

Lund se refere ao tratado do naturalista inglês Sir Richard Owen (1804-1892): Description of the Skeleton
of an Extinct Giant Sloth, Mylodon robustus, Owen, with Observations on the Osteology, Natural Affinities,
and Probably Habits of the Megatheroid Quadrupeds in General. London: R. & J. Taylor, Londres, 1842.

277

2677, 2° III.), e a seguinte, de 21 de agosto de 1846 (NKS 2677, 2° IV). Já para Henrik
Ferdinand, existe um lapso entre as cartas enviadas entre 13 de julho de 1839 (NKS 2677,
2° II) e 9 de março de 1846 (NBD). Será que estas cartas se extraviaram ou, como sugerem
Holten e Sterll, sua família acreditava nos subterfúgios fornecidos por Lund para postergar
a viagem de volta. Como ele contava versões diferentes aos amigos e colegas, “isso deixou
uma impressão dúbia a respeito da saúde de Lund, que parecia reclamar dela, sobretudo nas
situações em que se sentia pressionado pela família para voltar para a Dinamarcaâ€
(HOLTEN et STERLL, 2006, p.21).

4.4 – Carta para J. Reinhardt, de 26/04/1844
A quase euforia que transpareceu na carta anterior deu lugar a um sentimento de
incerteza e de frustração:
“Quatro meses se passaram desde a minha última carta (...), e eu me pergunto o que
aconteceu neste período para eu me sentir insatisfeito? Por outro lado, eu me pergunto
se andei para frente, quando sinto como se cada vez que dei um passo adiante, voltei
outro para trás. Esta estranha sensação aumentou mais ainda (...) quando me
perguntou sobre o prosseguimento da pilha de memórias inacabadas (...) Não terminei
nenhuma delas, mas certamente tive tempo para pensar nelas, pois todo o tempo foi
empregado com trabalhos decorrentes da rica coleta do ano passado.â€
Os próximos parágrafos são importantes, pois fornecem o relato de Lund sobre os
procedimentos no dia-a-dia das escavações. Sua leitura parece fornecer subsídios para
inferir que a fonte da frustração do naturalista não é teórica, mas prática, decorrente do
trabalho extenuante e da enorme quantidade de fósseis.
“Dá mais trabalho por causa do uso de instrumentos em função da dureza dos
espécimes e do estado dos ossos. Duas pessoas ficaram ocupadas por três meses com
este trabalho sob a minha constante supervisão (...) Apesar de todas as precauções na
escavação e extração, uma quantidade enorme de ossos se perde. E não é sempre

278

possível combinar os pedaços de acordo com o local onde estavam reunidos e foram
achados. Eu sempre procuro ossos inteiros e fragmentos de ossos. É precisa muita
paciência e um tempo precioso para limpar este estábulo de Augias319 e, como em um
enigma chinês, colocar os pedaços no devido lugar, para comparar e reconstruir o
osso completo. Naturalmente ninguém mais pode fazer este trabalho além de mim
mesmo. São necessários dois meses apenas para examinar cada osso, identificá-lo,
numerá-lo e incluí-lo no catálogo. O senhor pode imaginar que a minha casa não tem
espaço para todas as amostras. Eu tive que empacotar uma grande quantidade delas e
enviá-las para o Rio. Somente após esta trabalheira é que consegui obter uma idéia
geral do conteúdo e apenas no que se refere aos animais maiores. No que se refere às
espécies de mamíferos de pequeno porte, de aves e da classe dos répteis, é
simplesmente impossível imaginar (no trabalho) dada a quantidade de objetos. Ela é
tão grande que mesmo se eu pudesse examinar milhares deles, teria dificuldade em
contá-los e classificá-los corretamenteâ€.
A referência aos 12 trabalhos de Hércules, especificamente à limpeza das cavalariças
de Augias, é emblemática. Não bastasse a “hercúlea†escavação e extração dos fósseis, sua
identificação é comparada a um “trabalho de chinêsâ€, envolvendo uma atenção e uma
paciência que Lund dá a entender que não dispõe. Naquele momento, ele contava 43 anos.
Talvez o peso de oito anos de trabalhos nas cavernas estivesse começando a cobrar seu
preço? Ou talvez fosse a vista que estivesse começando a falhar? Ou ainda o reumatismo,
que lhe incomodaria tanto no fim da vida? Ou talvez de pessoal especializado para ajudá-lo
na tarefa, pois como ele salienta, “ninguém mais pode fazer este trabalho além de mim
mesmoâ€.
Uma primeira relação do material coletado e analisado é suficiente para demonstrar a
riqueza do trabalho realizado. Nos mais de mil ossos numerados, “além de importantes
ossos humanosâ€, vale a pena identificar aquele que talvez tenha sido a principal descrição
feita por Lund que não perdeu a primazia para ninguém e se mantém até hoje, o tigre
dentes-de-sabre:
319

Lund faz referência a um dos célebres 12 trabalhos de Hércules, a limpeza das cavalariças de Augias, o rei
da Élida, soberano negligente que há anos não mandava recolher o estrume das centenas de cavalos dos seus
estábulos, tão sujos que exalavam um odor mortal. Hércules dá conta da tarefa ao desviar o curso de um rio
para dentro das cavalariças.

279

“Entre os predadores o grande Felis protopanther320 teve considerável incremento,
mas o que existe de mais importante é a esplêndida contribuição do colossal e terrível
Smilodon populator,321 incluindo uma presa inteira unida a um maxilar inferior
completo. As enormes presas estão espremidas juntas no maxilar superior, resultando
a constituição do maxilar inferior numa singular aberração para o seu uso. O número
de dentes molares no maxilar inferior é de dois, portanto o menor número até agora
conhecido entre os predadores. (...) e finalmente lançaram-se também luzes sobre o
ser humano. O que existe com relação a este último eu reuni em um pequeno ensaio e
remeti à Sociedade Real dos Antiquários do Norte juntamente com amostras de
pernas e de ossos, os quais me afetaram modificando minhas idéias relativas às
condições geológicas em geralâ€.
“Me afetaram modificando minhas idéias relativas às condições geológicas em
geral....†Uma frase tão importante, como que perdida no final de uma frase, sem dar
maiores explicação. A primeira pergunta que surge é: quais eram as idéias de Lund
relativas às condições geológicas em geral? E mais, o que mudou naquelas convicções?
Qual foi o papel do homem nessa mudança? Por que Lund não revela suas dúvidas ao seu
mestre e antigo orientador, preferindo simplesmente comunicar o envio da memória pronta
e acabada para Copenhagen?
O ensaio que Lund faz alusão é Remarques sur les ossements humains fossiles trouvés
dans les cavernes du Brésil (LUND, 1845), publicado como “Notice sur les Ossements
humains fossiles, trouvés dans une caverne du Brésil†na Mémoires de la Société Royale
des Antiquaires du Nord (LUND, 1846, p.49-77; 1950, p.465-488). Salta aos olhos o fato
deste ensaio não ter sido redigido em dinamarquês, mas originalmente em francês. A
escolha não foi por acaso. Lund sabia da importância do achado e queria atingir a maior
audiência possível. O destinatário é que poderia ser outro. Ao invés da Kongelige Nordiske
Oldskrift-Selskab (a Sociedade Real dos Antiquários do Norte), a memória teria maior
repercussão se fosse enviada diretamente a Paris, para Jean-Victor Audouin publicar nos
seus Annales des Sciences Naturelles.

320
321

Felis protopanther Lund, 1839.
Smilodon populator Lund, 1842.

280

“Após esta introduçãoâ€, como Lund define aqueles importantíssimos parágrafos
iniciais, e retornando à carta, o naturalista confessa não ter nenhuma nova memória a
despachar para J. Reinhardt. Apesar disso, diversas memórias futuras pareciam estar na sua
mira, pois ao fazer observações sobre os trabalhos que estavam no prelo em Copenhagen,
Lund afirma:
“Sou da opinião de que a publicação deve ser em números consecutivos como
diferentes memórias com títulos em separado, formando uma coleção completa e,
nesse sentido, sempre se mantendo aberta para futuras inclusões, assim como para
corrigir qualquer possível erroâ€.
Nesse ponto surge uma primeira indicação da extensão das mudanças nas idéias de
Lund “relativas às condições geológicas em geralâ€. O título da coleção de memórias, que
deveria ser Olhar sobre o mundo animal brasileiro antes da última revolução da Terra,
teve a referência à catástrofe cuvierista pura e simplesmente extirpada. Em seu lugar,
entrou uma comportada Contribuição para o conhecimento sobre a criação animal vivente
e extinta brasileira, que não estabelece uma barreira temporal entre as espécies viventes e
extintas, “conquanto eu deixe a escolha para o senhorâ€.
Como se sabe, a obra saiu publicada com o título original: Blik paa Brasiliens
Dyreverden før den Sidste Jordomvaeltning, ou Olhar sobre o mundo animal brasileiro
antes da última revolução da Terra. Isto se deve porque não havia mais tempo hábil para a
modificação dos originais no prelo (a carta foi entregue a J. Reinhardt em 24/07/1844)? Ou
porque a escolha foi deixada a cargo de um naturalista que na época tinha 68 anos? Nascido
em 1776, J. Reinhardt morreria no ano seguinte, após ter se formado e vivido toda a sua
carreira acadêmica sob a sombra do paradigma catastrofista. Como esperar que ele poderia
optar por algum outro título que não deixasse evidente o viés cuvierista?
Por outro lado, não é estranho que Lund tenha relegado a escolha sobre o título final
da sua obra máxima para o seu mestre de tantos anos, e se quer tenha discutido com este
suas dúvidas teóricas surgidas com a descoberta dos restos humanos em Lagoa Santa?
Afinal, qual Lund escreveu estas linhas? Um discípulo de Cuvier que não ousa contrariar as
convicções do seu velho mestre dinamarquês, no caso da alteração no título das memórias?
Ou um naturalista que rompeu com o catastrofismo e prefere não revelar essa mudança de
281

paradigma ao antigo mestre discípulo de Cuvier, no caso da memória sobre os restos
humanos achados no Brasil?
Não sabemos. O fato é que, depois que esta carta foi enviada, Lund não escreveu mais
nenhuma memória. No ano seguinte, quando do falecimento de J. Reinhardt, Lund encerrou
os trabalhos nas cavernas e enviou suas coleções para a Dinamarca. Conforme escreveu
quase 40 anos mais tarde J. T. Reinhardt:
“A hipótese geológica sobre a qual Lund se apoiou na descrição das cavernas e na sua
maneira de explicar as relações entre o mundo animal enterrado nas cavernas e aquele
dos nossos dias foi rejeitada mais tarde. (...) Mas é preciso salientar aqui que, no final
das suas explorações, ele abandonou suas opiniões anteriores sobre este ponto, e que
manifesta em uma carta ao meu pai, datada de 26 de abril de 1844, sua intenção de no
futuro mudar o título coletivo das suas memórias. (...) Ele ainda se sentia inseguro
quanto ao novo título que queria para substituir. É preciso se lembrar que o abandono
absoluto da hipótese diluviana se deve também ao seu tratado sobre os ossos
humanos, encontrados na caverna dita do Sumidouro, datada de março de 1844, e
impressa (em tradução francesa) nas memórias da Sociedade dos Antiquários do
Norte.322 Além disso, sabemos sem sombra de dúvida que ao menos um certo número
de espécies consideradas como extintas nestas memórias, mas que ele diz, é verdade,
que lembram muito àquelas dos nossos dias, na realidade não diferem em nada destas
últimas†(REINHARDT, 1882, p.53-54).
Sobre esta carta, resta ainda observar o recrudescimento da avaliação sobre o
“notório†Peter Claussen, que Lund acusa se fazer passar por francês (ele usa a expressão:
que “se veste com as cores francesasâ€) e de reunir uma coleção per faz + nefas (com meios
lícitos e ilícitos). O rival, que “semeou intrigas por tanto tempoâ€, teria conseguido fazer
com que o Conde de Castelnau, líder de uma expedição francesa, abandonasse a idéia de
visitar Lund em Lagoa Santa, “por medo de que muitas coisas que possam desmascará-lo
venham à luzâ€. Ao sentir que “algumas sem-vergonhices (de Claussen) foram longe

322

A Kongelige Nordiske Oldskriftselskab, ou Sociedade Real dos Antiquários do Norte, foi fundada em
Copenhagen em 1825 pelo historiador dinamarquês Carl Christian Rafn (1795-1864), com quem Lund
também se correspondeu desde o Brasil.

282

demaisâ€, Lund confessa que não pode se manter calado, e revela ter enviado uma nota
acusatória ao anuário de Leonhard e Bronn.
“Mas tenho a esperança de abrir os olhos do público europeu com relação a esta
multidão de aventureiros que, desde o Brasil amoral, procuram alçar seu nome acima
de todos os outrosâ€.
Lund termina a carta afirmando estar no aguardo da:
“próxima decisão da pátria concernente ao destino das minhas coleções, para então
tomar novamente decisões relativas às minhas futuras atividades. Tão logo possa
informar algo ao senhor, não falharei em fazê-loâ€.
Este anúncio da espera de uma “decisão da pátria†relativa ao futuro das suas coleções
indica que a decisão de por um fim nos trabalhos de campo já tinha sido tomada no início
de 1844, ou ainda antes, em 1843 – decisão que acarretaria igualmente no fim da redação
das memórias científicas. A “decisão da pátria†que Lund se refere poderia ser uma
consulta que J. Reinhardt deveria fazer junto ao governo do Rei Christian VIII sobre o
interesse deste em adquirir e manter as coleções. Num momento em que os principais
museus da Europa, como o Museu Britânico e o Museu de Ciências Naturais de Paris
disputavam em leilão o espólio fossilífero do Novo Mundo, os responsáveis pelo recémcriado Museu de Ciências Naturais de Copenhagen deveriam estar ansiosos por arrematar
tamanho prêmio. Feito isto, não haveria mais impedimentos para Lund permanecer
indefinidamente naquele seu Brasil amoral repleto de aventureiros.

4.5 – Carta para J. Reinhardt, de 10/01/1845
Tendo recebido uma resposta afirmativa de J. Reinhardt sobre as coleções pelo museu
dinamarquês, Lund tratou de escrever no mesmo dia duas cartas, uma para J. Reinhardt e a
outra, oficializando a doação de suas coleções ao Rei Christian VIII. Lund inicia a primeira
assim:

283

“A sua gentil sugestão de simplesmente doar todas as coleções ganhou o meu aplauso,
e estando de acordo com isto submeto uma petição a Sua Majestade, da qual também
envio uma cópia aos meus irmãos, que lhe informarão. Muito me alegra que as coisas
avançam, o que não me atrevo a duvidar. Neste meio tempo, eu trabalho aqui
perseverando nesta convicção, classificando e empacotando diariamenteâ€.
Na verdade, como já se viu nas cartas anteriores, a rotina de empacotar e guardar a
coleção em baús havia começado muito antes, durante a Revolução Liberal de 1842. O
envio das coleções para a Europa era uma certeza desde sempre. Aqui se definiu apenas o
seu destino final.
Após fazer algumas observações sobre os principais exemplares coletados nas últimas
expedições de campo (como o “exemplar gigante da espécie Toxodon, cujo tamanho
excede e muito o daquele descrito por Owen!â€), Lund faz observações sobre a anatomia de
um tatu gigante, o Chlamydotherium humboldtii, apenas para no parágrafo seguinte
oferecer nova desculpa sobre o atraso recorrente na redação das memórias, que jamais
seriam completadas.
“A razão pela qual o trabalho sobre tatus, assim como a continuação daquela sobre os
carnívoros, ainda não está pronto se deve à imensa massa de material que se acumula
constantemente, sendo necessário em primeiro lugar ordená-la cuidadosamente para
que eu possa iniciar esse trabalho especialâ€.
A seguir, Lund fala dos dez baús que estão no porto do Rio e dos nove que ele havia
acabado de fechar. Afirma ainda estar providenciando um catálogo com a indicação de
mais de oito mil ossos, a ser usado pelo curador da coleção para a sua identificação,
montagem e exibição – outra indicação da decisão de permanecer no Brasil.
A indicação para o cargo de curador já havia sido combinada entre Lund e J.
Reinhardt. O candidato era o filho deste, J. T. Reinhardt, que Lund apresentaria ao rei na
carta que escreveu naquele mesmo dia:
“Logo que o senhor souber de alguma decisão sobre este assunto, espero que me
informe, pois se a indicação for aceita, enviarei sem demora ao Sr. seu filho
informações especiais para instruir a disposição das coleções.â€
284

A seguir, Lund fornece a única e talvez a mais importante indicação para se entender
a razão real do fim dos trabalhos nas cavernas. Este trecho é conhecido, não é inédito
(LUND, E., 2002, p.9). Mas jamais foi compreendido em sua verdadeira dimensão:
“O trabalho nas cavernas está bem no seu final, não porque este não me dê prazer nem
falte material. Eu sei de algumas enormes cavernas de ossos que merecem ser
escavadas, mas me falta saúde para tanto, assim como um aprendiz bem instruído que
possa me ajudar. Mas a razão principal são as consideráveis despesas ligadas a isto, as
quais não me vejo mais em condições de arcar através dos meus próprios meios.â€
Lund nunca mais tocou nesse assunto com J. Reinhardt, até porque o mesmo viria a
falecer naquele mesmo ano. O curioso é que não consta das cartas para J. T. Reinhardt, com
quem Lund se correspondeu entre 1845 e 1880, qualquer explicação detalhada sobre os
motivos para o fim dos trabalhos de campo. O mesmo acontece com a correspondência
enviada aos irmãos, ou mesmo para amigos próximos das décadas seguintes, caso de E.
Warming.
A desculpa da saúde é recorrente em toda a vida do naturalista, desde o motivo para a
sua primeira viagem ao Brasil em 1825. Ela não é suficiente. A falta de um aprendiz
qualificado até seria justificável, mas ela cai por terra quando sabemos que nos anos
seguintes quando precisou de um secretário, Lund recorreu à Dinamarca e conseguiu a
vinda de J. T. Reinhardt por três ocasiões, além da visita de Warming que durou quase três
anos. Por que ele não conseguiria a vinda de um estudante recém-formado ávido para
descobrir a natureza do Novo Mundo e trabalhar junto com um dos maiores naturalistas de
seu tempo?
Não, não, a resposta é clara, e foi dada por Lund: dinheiro, a falta dele. “Mas a razão
principal são as consideráveis despesas ligadas a isto, as quais não me vejo mais em
condições de arcar através dos meus próprios meiosâ€. Lund jamais especificou qual seria
esta falta de condições. Nem nas cartas para J. T. Reinhardt nem naquelas para seus irmãos.
Na verdade, esta alegada falta de dinheiro sempre foi relegada a um segundo plano pelos
estudiosos de Lund, e eles tinham boas razões para isso. Em primeiro lugar, Lund era um
homem rico. Ele recebeu dinheiro da família para custear suas escavações pelo tempo que
elas duraram, e pelos 35 anos seguintes da sua vida no Brasil. Assim, se dinheiro no fundo

285

não era problema, restou a imagem romântica. Para os pesquisadores dinamarqueses, era a
imagem triste de um cientista perdido no fim do mundo, uma imagem comum à época. Para
os estudiosos brasileiros de Lund, consagrou-se a visão idílica do cientista estrangeiro
apaixonado pelas belezas naturais do Brasil.
Voltando a Lund, a verdade, pura e simples, é que faltou dinheiro. Como isto
aconteceu é o que se lerá na Parte III deste trabalho.

4.6 – Carta para o Rei Christian VIII, de 10/01/1845
Logo no primeiro parágrafo, Lund explica que a idéia original para a coleção que
formou no Brasil era que ele próprio pudesse prepará-la na Dinamarca.
“As circunstâncias urgem que eu abandone este plano, dada a pequena probabilidade
que a minha saúde delicada resista a uma mudança tão desfavorável, que o
estabelecimento na Dinamarca me exporia após uma estada tão prolongada nos climas
quentesâ€.
Como já vimos, a alegação da saúde frágil sempre foi infundada e usada como uma
desculpa nas mais diversas ocasiões. Já a necessidade da transferência iminente das
coleções para Copenhagen era “em parte em razão insegurança deste paísâ€, uma alusão à
Revolta Liberal de 1842, e “em parte em vista da impossibilidade de realizar aqui um
trabalho sem fimâ€, o que era uma realidade óbvia.
“Sendo da maior importância que esta coleção, pelo seu valor e interesse científicos,
tão logo e tão completamente quanto possível se torne útil para a ciência, ouso mui
humildemente pedir a graça de confiá-la a mais elevada decisão de Vossa Majestade,
para habilmente dispô-la do modo como Vossa Majestade encontrar o mais
apropriado para a atingir este objetivoâ€.
A seguir, Lund forneceu detalhes sobre a extensão e a importância da coleção. E
pediu para que os recursos da Coroa dinamarquesa usados para adquirir a coleção (9 mil
marcos de banco) fossem usados para pagar um curador, “a qual posto eu mui
286

humildemente ouso recomendar o Sr. Candidato Reinhardt, um de nossos jovens
naturalistas, preferencialmente especializado no ramo da Zoologia, cujo conhecimento é
fundamental na elaboração desta coleçãoâ€.
Finalizando, Lund assegura que a garantia da coleção em mãos da coroa é “uma
gratificante compensação pelo tempo que esta aquisição custou tanto quanto pela privação e
desconforto que estiveram envolvidosâ€.
A carta é suscinta, como convém a uma comunicação de um súdito a um monarca.

4.7 – Carta do Rei Christian VIII para Lund, de 11/04/1846
Passaram-se 16 meses até Lund receber a resposta real. O monarca expressa sem
demora a sua,
“gratidão pelo presente que o senhor deu à sua Mãe-Pátria das proeminentes coleções
de restos de animais fósseis, as quais o senhor encontrou nas cavernas brasileiras (...)
sendo assim para mim um amável dever reiterar meu agradecimento ao senhor e
expressar quais medidas ordenei para assegurar a execução dos seus tão beneficentes
propósitos científicos. A direção do Museu Real de Ciências Naturais foi ordenada a
receber as coleções, que em parte já foram entregues ou que ainda são esperadas da
sua parte. Estas serão mantidas fechadas, esperando até a volta do Cand. Phil.
Reinhardt da expedição na corveta Galathea, na qual ele partiu no mês de junho do
ano passado, e que na primavera de 1847 durante a viagem de retorno irá aportar no
Rio de Janeiro.â€
O jovem zoólogo J. T. Reinhardt, que participava da uma expedição científica ao
redor do mundo a bordo da corveta Galathea promovida pela Coroa entre 1845 e 1847,
recebeu ordens de abandoná-la em sua escala no Rio e seguir imediatamente para Lagoa
Santa para receber detalhes das coleções e acompanhar seu traslado para a Europa.
“Neste meio tempo serão arranjados local e condições para a disposição das coleções,
e o Cand. Phil. Reinhardt será empregado como inspetor de um departamento do

287

museu com um salário específico pela curadoria das coleções, a qual o museu se
responsável pelo cuidado graças ao seu amor pelas ciências e pela Mãe-Pátria.â€
O rei prossegue informando da excelente repercussão dos trabalhos de Lund, assim
como sobre “os carregamentos que recebi do senhor para a minha coleção†pessoal. Ocorre
que Lund já se correspondia com Christian VIII, um interessado das Ciências Naturais,
desde meados dos anos 1830, quando ele ainda era príncipe. A promessa do envio de uma
parte das coleções para a coleção pessoal do então príncipe deve ter sido feita
anteriormente.323
“Muito me alegraria que a sua saúde lhe permitisse fazer uma visita à Mãe-Pátria e
me desse a oportunidade de reiterar de viva voz a expressão do meu agradecimento e
da minha apreciação, as quais peço que receba como prova no envio da minha
medalha “Ingenio et Artiâ€, a qual o senhor como homem da ciência tanto tem bem
merecido por possuí-la.â€
O rei, por fim, se penaliza com a alegada fragilidade da saúde de Lund e lhe confere a
medalha Ingenio et Arti. Esta condecoração foi criada por Christian VIII em 1841 para
agraciar artistas e cientistas. Ela foi conferida a Lund em 21 de abril de 1846. Foi uma das
maiores honrarias recebidas por Lund, que a guardou consigo por toda a vida. Em suas
disposições testamentárias ele legou a medalha à sua família. O envio da mesma para a
família em Copenhagen foi feito por Nerêo Cecílio dos Santos após a morte de Lund, em
1881.

4.8 – Carta para o Rei Christian VIII, de 08/08/1846
Esta carta praticamente nada acrescenta em informações. Lund agradece efusiva e
repetidamente à graça recebida do rei. Faz menção a uma segunda carta enviada pelo
monarca que teria se extraviado e agradece os preparativos para a chegada das coleções na
Dinamarca. A seguir, dá um relato suscinto da situação em que se encontra o processo de
323

Existe na Biblioteca de Copenhagen cópias de algumas cartas que Lund endereçou ao príncipe.

288

envio do material. Por fim, bate novamente na tecla da saúde frágil para justificar a sua
permanência no Brasil:
“Seria provavelmente o meu caro desejo poder fazer uso desta mesma ocasião para
voltar à Mãe-Pátria, mas minha saúde delicada que não poderia resistir a mudanças
desfavoráveis do clima me deixa apenas uma pequena chance de poder realizar este
desejoâ€.
Como sabemos que isso provavelmente não era verdade, fica aqui a impressão de que
Lund, pela segunda vez, faltou com a verdade ao rei do seu país. Uma coisa é dizer o
mesmo aos familiares ou ao seu mestre. Outra completamente diferente é afirmá-lo ao
soberano da nação. A alegação se torna uma verdade, um atestado com chancela real do
qual Lund jamais poderia se libertar. Se um dia ele voltasse à Dinamarca, teria que explicar
em detalhes a sua desculpa? Será que a verdade viria à tona? Isso nunca saberemos. O que é
certo é que ele gozava de boa saúde. Em segundo, que a usou como desculpa para
permanecer no Brasil. Resta apenas a pergunta: por que resolveu aqui ficar? Foi por causa
do amor à natureza tropical? A vida tranqüila e o clima ameno de Lagoa Santa foram
decisivos nesta opção? Ou havia algo mais, uma condição que impediria a sua vida na
Europa do modo que ele sempre sonhou, uma vida de naturalista diletante aquecida pelo sol
do Mediterrâneo e não uma existência açoitada pelo vento frio do mar Báltico e pela luz
escassa do inverno escandinavo?

4.9 – Carta para E. Warming, de 07/07/1877
31 anos se passaram. O homem de 45 anos agora era um velho de 76, atacado pelo
reumatismo e quase cego (como escreveu ainda em 1857: “Meus olhos estão ficando tão
fracos que eu, sozinho, nada posso fazer. Brandt já não consegue entender minha pobre
escrita, com abreviaturas estranhasâ€, E. LUND, 2002, p.9). O mundo era outro, totalmente
diverso. Lund nunca trocou outra carta com o Rei Christian VIII, morto em 1848, tão pouco
com J. Reinhardt, morto em 1845. Seu filho, o candidato e agora veterano professor
Johannes Theodor Reinhardt, visitou o Brasil três vezes. Além de curador das coleções, ele

289

tornara-se discípulo, colega na ciência e o maior amigo de Lund. Os dois amigos de
aventura, Ludwig Riedel e Peter Andreas Brandt, haviam morrido quase ao mesmo tempo,
em 1861 e 1862, respectivamente. Seus dois irmãos, Johan Christian e Henrik Ferdinand,
desapareceram fazia apenas dois anos, em 1875. Ao seu lado viviam o filho adotivo Nerêo
Cecílio dos Santos e um secretário dinamarquês, Peter Willum Roepstorff. E suas aventuras
limitavam-se ao passeio diário pelo jardim que cultivara com cuidado por quatro décadas.
A Europa pós-napoleônica da sua infância não mais existia. Tudo mudou após as
revoluções de 1848. A era das máquinas corria a todo vapor. Estradas de ferro rasgavam a
Europa e os Estados Unidos. Navios à vapor cruzavam o Atlântico e Lund aguardava há
anos a extensão dom caminho de ferro até Barbacena. A América do Sul não era mais o
destino de todos os naturalistas-viajantes, que agora preferiam mergulhar na Ãfrica
subsaariana ou pular de ilha em ilha pelos mares do sul.
No Brasil, o conflito com o Paraguai havia alterado para sempre a tranqüilidade
sonolenta do império, no que também contribuiu a chegada em massa de colonos europeus,
que se instalavam no Rio, nas lavouras de São Paulo e no interior de Minas Gerais. Com a
imigração européia, estava aberta a possibilidade para o fim da escravidão no País. E com
ela, o fim do império.
No plano científico, a teoria catastrofista era página virada há um quarto de século. A
idéia das eras glaciais, lançada por Louis Agassiz em 1837, era aceita pela comunidade
acadêmica, a mesma comunidade que se encontrava cindida em dois pólos: de um lado os
ardentes defensores da teoria da evolução de Charles Darwin, e do outro os tradicionalistas
dos cristãos. Os primeiros restos do homem de Neanderthal haviam sido descobertos na
Alemanha em 1856, e o termo “homem das cavernas†fazia parte do imaginário europeu.
Quanto às coleções de Lund, tão duramente reunidas, catalogadas, embaladas e
despachadas, elas permaneceram encaixotadas no depósito do museu dinamarquês por mais
de uma década, para desgosto e frustração do seu arquiteto. Houve diversas razões para
isso. A primeira foi a morte prematura de Christian VIII em 1848, mesmo ano da eclosão
da primeira de duas guerras com a Prússia, que contribuiriam para a quebra do Estado
dinamarquês e culminaram com a perda de um terço do território nacional, em 1864. Não
havia recursos para a construção do Museu de História Natural, previsto desde os anos

290

1820. As salas do Museu Lund no Statens Naturhistoriske Museum de Copenhagen só
seriam inauguradas em 1870.
É neste contexto que se deve ler as duas últimas cartas enviadas para o amigo
botânico Eugen Warming. Na penúltima, de 7 de setembro de 1877, Lund começa fazendo
referência à visita que Dom Pedro II fez ao Museu Nacional de Copenhague em 1876, que
Warming não pôde acompanhar.
A carta é um relato da situação em Lagoa Santa, onde o verão tinha sido
especialmente chuvoso, causando perdas na agricultura e devastação na cidade. Seguiu-se
uma grande estiagem que acabou com a safra de feijão da seca. “Dada a indispensabilidade
deste alimento para os brasileiros, o senhor pode imaginar quão penosa é esta situação.
Aqui nesse lugar não se pode mais adquirir estes artigos. Em Sabará e Ouro Preto se come
feijões trazidos da América do Norte!!!†Lund salienta que a seca na região não se
comparava àquela que castigava o Nordeste, que recebia ajuda da Coroa imperial – parece
que a indústria da seca já estava bem estabelecida em 1877! A situação política também era
calma, apesar de certo “exaltamento de ânimos†no âmbito religioso.
Em Lagoa Santa não havia quase nada de novo. A escola “conta agora com 134
alunos e 37 alunas†e com um ajudante de ensino dinamarquês chamado Michaelsen – sinal
de que a pequena colônia estrangeira na cidade também crescia.
“A estrada de ferro do Rio até aqui avança rapidamente e dentro de poucos meses
chegará até Barbacena (...) No que concerne a mim mesmo, no começo desse ano eu
tive um novo ataque de inflamação no peito que me abateu e agora acabou, mas que
deixou um enfraquecimento. O jardim está um pouco descuidado, pois raramente as
minhas forças minguantes me permitem passear e cuidar dele. Os principais
ornamentos ainda são os mesmos que o senhor enviou (plantou? N.T.): a Urania, duas
espécies de Pandanus, a Ca? ludovica; ao lado da Atalia compta e da Oreodoxa regia,
além finalmente de belas árvores floridas do bosque.â€
A saúde, que apesar das desculpas sempre foi boa, parece que enfim começou a
cobrar o peso dos anos, pois as “forças minguantes†o impediam de realizar o único prazer
que ainda tinha: passear e cuidar de seu jardim.

291

4.10 – Carta para E. Warming, de 28/03/1880
Lund escreveu esta carta um mês e meio antes e morrer. Ele inicia contando sobre o
trabalho do botânico João Barbosa Rodrigues (1842-1909) com as palmeiras brasileiras,
exposto no Passeio Público, parque construído no final do século XVIII na Lapa, no centro
do Rio de Janeiro.
Novamente é observada a nascente indústria da seca. “O governo encontra-se em
circunstâncias ruins devido às despesas extraordinárias com os flagelados pela seca no
Ceará e províncias vizinhas, que esvaziaram o tesouro públicoâ€.
Voltando falar sobre João Barbosa Rodrigues, que viria a se tornar diretor do Jardim
Botânico entre 1890 e 1909, Lund informa sobre as reformas sofridas naquele, que passou a
ser aberto ao público. “Ele é muito visitado e se tornou o Tivoli do Rioâ€. Embora jamais o
tenha visitado, Lund faz a relação com o Parque Tivoli, fundado em Copenhagen em 1843
e um dos mais antigos parques de diversão do mundo.
Ele prossegue com informações diversas e amenidades, como o novo nome pomposo
do Instituto Imperial de Agricultura e as alterações no Museu Imperial no Rio de Janeiro,
promovidas por seu diretor, o botânico Ladislau de Souza Mello e Netto (1838-1894). Fala
ainda da máquina para pulverizar formicida no combate das saúvas, “que eu próprio
freqüentemente uso (gás de enxofre de carvão)â€, inventada por Guilherme Schuch, o Barão
de Capanema (1825-1908), que implantou em 1872 a Fábrica de Formicida Capanema na
Ilha do Governador.
Ainda sobre a capital, Lund comenta por fim as recém-inauguradas obras de reforma
conduzidas pelo paisagista francês Auguste François Marie Glaziou (1833-1906) do antigo
Campo de Santana, que passou a se chamar Campo da Aclamação após a independência e é
a atual Praça da República. Seu relato sobre o Rio de Janeiro é o relato de um homem que
não via a cidade desde 1833, portanto há 47 anos. Ele cita ainda as epidemias de febre
amarela, o avanço lento da estrada de ferro e o comércio nascente ao longo da linha férrea
que afeta e movimenta a sua “pequena Lagoa Santaâ€, onde a vida pacata procura seguir seu
ritmo.
Quanto à ciência:

292

“De fato, atualmente tenho deixado a pesquisa do primeiro (assunto) mais e mais para
trás por causa da minha visão e força minguantes, das quais a última sempre me
mantém forçado aos raros passeios até o fundo do jardim, apesar deles serem o meu
último desejo constante e praticamente o meu único divertimento. Assim sendo, pelo
momento eu descanso a pena, ou mais corretamente o substituto imperfeito desta,
pelo qual eu me desculpo, apesar de sem ele daqui para frente nenhuma mensagem
escrita minha seria possível.â€
O substituto da pena que Lund faz alusão só pode ser o seu secretário naquele
momento, o dinamarquês Peter Willum Roepstorff. “Através da mesma pessoa o senhor
será muito melhor informado sobre o que mais se pode saber daqui, já que o seu vigor só
perde para a sua boa vontade.â€

293

294

PARTE III

295

296

Capítulo 1 – Uma nova pista

1.1 – O caderno de rascunhos
As mais de mil cartas trocadas por Lund em vida foram reunidas em 1880 por Nerêo
Cecílio dos Santos em Lagoa Santa e por J. T. Reinhardt na Dinamarca. Este último
organizou a imensa correspondência, separando-a em quatro grandes grupos. O primeiro
reuniu todas as cartas trocadas por Lund com seu pai, J. Reinhardt, e com ele próprio (NKS
2838 I). No segundo ficaram as cartas enviadas pela família (NKS 3261 IV 4º). Um terceiro
grupo reuniu a correspondência enviada pelas mais diversas fontes, desde colegas cientistas
e amigos até diplomatas, banqueiros, livreiros e fiscais alfandegários no Rio de Janeiro, etc.
(NKS 3261 IV, 1º, 2º e 3º). O quarto e último bloco reuniu os cadernos de rascunho, ou
cadernos de cópia como eram chamados, aonde Lund rabiscava e corrigia suas cartas antes
de passar a limpo. Este grande grupo, que à exceção das cartas enviadas para os Reinhardt,
pai e filho, reúne os originais de toda a correspondência enviada por Lund em vida (NKS
2677 II e NKS 3261 IV 5º). Fora isso, existem mais alguns fragmentos e cartas esparsas
reunidas em NKS 2805 2º, além dos originais manuscritos das memórias de Lund (NKS
333b 4º).
A coleção completa, com mais de sete mil páginas só de cartas, foi lida por J. T.
Reinhardt e por Henriette Lund, que a usaram como base para os seus dois textos
biográficos. A seguir J. T. Reinhardt depositou a coleção na Biblioteca Real de
Copenhagen. Lá ela ficou esquecida por mais de um século. Foi apenas em 1986, quando
começou o trabalho de microfilmagem dos manuscritos antigos, que as cartas de Lund
foram redescobertas. Desde então, essa enorme correspondência foi estudada apenas por
historiadores dinamarqueses, com destaque para Birgitte Holten e Michael Sterll.
Como Lund não forneceu maiores detalhes a ninguém na Dinamarca sobre os motivos
para o fim dos trabalhos nas cavernas, além da alegada saúde frágil, a única alusão direta ao
assunto acabou sendo aquela feita na carta para J. Reinhardt, de 10/01/1845:

297

“O trabalho nas cavernas está bem no seu final, não porque este não me dê prazer nem
falte material. Eu sei de algumas enormes cavernas de ossos que merecem ser
escavadas, mas me falta saúde para tanto, assim como um aprendiz bem instruído que
possa me ajudar. Mas a razão principal são as consideráveis despesas ligadas a isto, as
quais não me vejo mais em condições de arcar através dos meus próprios meiosâ€
(LUND, H., 1885, p.99; LUND, E., 2002, p.9).
O fato de Lund ter dado esta explicação apenas uma vez em vida contribuiu para que
ela fosse menosprezada e praticamente esquecida.324 A versão que ficou valendo foi aquela
das biografias de J. T. Reinhardt e de Henriette Lund. Esta última compõe um personagem
isolado do mundo e de todos, açoitado pela doença nos confins dos trópicos e privado do
amor dos familiares e dos amigos. Ao descrever a infância de Lund, por exemplo, a
sobrinha salienta que estava marcado a “gastar o resto da vida num país distante, longe da
família e da mãe-pátria!†(LUND, H., 1885, p.15):325
“Foi uma época calma e feliz, uma infância e juventude cuja simples lembrança
retornaria a ele nos distantes trópicos, aonde se tornaria seu destino passar igualmente
a idade adulta e a frágil velhice com vários anos de saúde debilitada†(LUND, H.,
1885, p.7).326
Estas impressões, um tanto românticas, um tanto sombrias, serviram de base para o
romance de Henrik Stangerup,327 Na trilha de Lagoa Santa,328 publicado em 1980 na

324

Segundo Birgitte Holten, no ensaio “To recall to Life an unexpected Treasury – Letters by Peter Lund“
(sem data) que:
“In the mid-forties, Lund stopped the excavations and sent his collections home to Copenhagen.
During the rest of his life he remained in Lagoa Santa, fighting off any call to return to the cold and
politically unstable North. Many hypothesis of the true reason for this decision have been discussed
since then – and Lund himself has added fuel to the fire with his different and changing, polite but
obstinate answers.â€
325
Tradução nossa.
326
Tradução nossa.
327
Segundo Birgitte Holten, no ensaio “To recall to Life an unexpected Treasury – Letters by Peter Lund“
(sem data):
“The Danish author Henrik Stangerup has created his figure of Lund – and his work has since 1980
dictated the commonly accepted view of Lund’s life and ideas. In our work we thus have to accomplish
the normal historians’ craft of reading and interpreting the documents of the case; but we have to argue
against a work of fiction as well. I shall not go into details in the discussion of this romance, only
mention that the author diligently has used the life of Lund to illustrate a philosophical idea and that

298

Dinamarca, e cuja primeira edição brasileira, pela editora Nórdica, é de 1984. Segundo
Birgitte Holten e Michael Sterll, existe na história da ciência dinamarquesa uma tradição de
“imaginar os pesquisadores dinamarqueses que se fixaram longe da Dinamarca como
vítimas de um destino infeliz: basta pensar em Niels Steensen329 e Carsten Niebuhr.330 Mas
Lund não foi de forma alguma aprisionado a este destino e de forma alguma ele teve uma
vida solitária em Lagoa Santa†(HOLTEN et STERLL, 1997).331
Nos 122 anos desde que este trecho saiu publicado na biografia escrita pela sobrinha
Henriette Lund, a alegada falta de recursos vem sendo considerada, ao lado da suposta
saúde frágil, uma mera desculpa – isto porque Lund era um homem rico, que mesmo depois
do fim das pesquisas ainda teve meios para se manter no Brasil por outros 35 anos,
inclusive legando em testamento sua casa para o filho adotivo Nerêo, e distribuindo seus
bens para os vizinhos mais próximos.
Como toda a documentação original de Lund permaneceu esquecida por mais de um
século e, quando começou a ser estudada, ela o foi por dinamarqueses, nunca surgiu a
oportunidade para descobrir a verdadeira razão por trás desta falta de recursos, pois a
explicação não se encontra nas cartas em dinamarquês. O lugar para encontrá-la está na
correspondência em português, um português cheio de garranchos, dos rascunhos das cartas
há muito enviadas e hoje invariavelmente perdidas. Sua leitura oferece aos estudiosos
dinamarqueses um desafio comparável ao que o historiador brasileiro enfrenta ao se
aventurar pelos manuscritos em gótico da pena de Lund.
A verdadeira história da quase bancarrota de Peter Wilhelm Lund no Brasil foi
preservada apenas em seus cadernos de cópias, nos rascunhos de 25 cartas em português
enviadas a advogados e juízes de Sabará (MG), numa escritura de compra e venda de uma
lavra de ouro no ribeirão Papafarinha, e num punhado de cartas em alemão e em francês
trocadas com Franz Wiszner von Morgenstern, sócio de Lund na empreitada, que faliu
deixando para o naturalista uma dívida de mais de sete contos-de-réis.
Vamos às cartas:
even if he has always maintained the documentary foundation of his work, he built it on a very narrow
selection of documents.â€
328
Na trilha de Lagoa Santa. São Paulo: Record, 1999.
329
Nicolau Steno (1638-1686), anatomista e geólogo dinamarquês.
330
Carsten Niebuhr (1733-1815), geógrafo e viajante alemão a serviço da coroa dinamarquesa.
331
Tradução nossa.

299

1.2 – Os rascunhos dos documentos em português

VIERA, M. S. Escritura de Sociedade que entre si fazem Francisco Wiszner de
Morgenstern, e Martiniano Pereira de Castro relativamente a terra de
Papafarinha. (anexa à carta de F. W. de Morgenstern a P. W. Lund, de 25/02/1840).
Copenhagen: Det Kongelige Bibliotek. NKS 3261 4o II, 22/02/1840.
Escritura de Sociedade que entre si fazem Francisco Wiszner de Morgenstern, e Martiniano
Pereira de Castro relativamente a terra de Papafarinha.
Livro no 96 a fl. 68
Saibam quantos este Publico instrumento de Escriptura e de Sociedade ou como em direito
melhor nome e lugar haja virem que sendo no anno do Nascimento do Nosso Senhor Jesus
Christo de mil oitocentos e quarenta, dos vinte e duos dias do mez de Fevereiro do mesmo
anno neste sitio das Lavras de Papafarinha,332 Termo e freguesia da cidade de Sabará aonde
eu Tabelliam vim e vendo ahi prezentei Francisco Wiszner de Morgenstern e sua mulher
Donna Elizabeth Wiszner de Morgenstern, e Martiniano Pereira de Castro, aquelles
moradores neste sitio e este em XXX q. reconheceu pelos proprios de que trato, e dou fé, e
por elle em prezença das testemunhas adiante nomeadas e assignadas me foi
uniformemente dito, q. elles estavão justos e contractados para estabelecerem como de
facto estabelecido tem por este público instrumento huma Sociedade de Mineração pela
forma que vai declarada nos seguintes artigos:
1º O socio Wiszner entrará para a com a sua propriedade denominada e com todas as
benfeitorias, terrenos, datas mineraës, matas & aguadas, cujos títulos; ficarão no
Arquivo da Sociedade porq. à ella ficão pertencendo.

332

O Córrego Papa-Farinha, em Sabará (MG).

300

2º Os socios Castro e Irmão darão ao Socio Wiszner dez escravos no valor de cinco contos
de reis, 333 e hum conto de reis em moeda corrente, e para o numero de dez ficão desde
já dous de nome João Africano e Antonio Crioulo.
3º Cada socio entrará com dez escravos aptos para o serviço de mineração os quais serão
considerados como propriedade da Sociedade e com elles entrarão os socios Castro e
Irmão dentro do prazo de seis mezes, em cujo tempo darão ao Socio Wiszner o conto de
reis, de que falla o artigo antecedente, e em tudo mais entrarão todos socios com forças
iguaës.
4º Todos os socios contratarão hum empréstimo de seis contos de reis, que serão aplicados
para pagamento das dividas do socio Wiszner, o qual será responsavel aos outros socios
por esta quantia e seus juros.
5º Si qualquer dos Socios se arrepender, e não quizer conferir este contracto, pagará aos
outros socios hum conto de reis.
6º O Socio Wiszner irá a seo cargo, como Engenheiro & mineiro a direcção de todos os
trabalhos da lavra e maquinas precizas e só em caso de alteração de trabalhos ou obras
convocará os socios para em Junta deliberarem a respeito e suas delilberações serão
lançadas em livro para esse fim destinado e no caso de não combinarem entre si,
nomearão Arbitros que dicidirão definitivamente.
7º Todas as despesas concernentes à Lavra, serão feitas pela Sociedade com fundos para
isso destinados e lançados em livros proprios, & destes passados ao Livro Mestre, que
existirá no Arquivo a receita será igualmente lançada neste livro sob imediata inspecção
dos sócios, e alem destes livros a Sociedade terá mais aquelles que forem precisos para
a boa escrituração e contabilidade.
8º A Sociedade terá um arquivo para nelle ser guardado tudo quanto a ella pertença ou
venha a pertencer e existirá onde mais segurança offerecer.
9º Nos ultimos dias de cada trimestre haverá reunião dos socios na qual se tratarão todos os
negocios da Sociedade e cada hum prestará as informações q. lhe forem pedidas: suas
deliberações lançadas em livro proprio serão por todos assignadas.

333

No Brasil, entre 1833 e 1846 a libra esterlina valia em 5$555 réis (5.555 réis). 1 conto-de-réis equivalia a £
180 e 5 contos-de-réis a £ 900. Para estabelecer uma atualização monetária, de acordo com o Purchasing
Power of British Pounds from 1264 to 2006 (http://www.measuringworth.com/calculators/ppoweruk/), £ 180
de 1840 equivaleriam hoje a £ 11.814,29, e 5 contos-de-réis a £ 59.071,46.

301

10º Todo ouro extrahido da Lavra e comprado pela Sociedade será vendido por conta della
onde melhor convir, e no mez de Dezembro da cada anno se fará o balanço geral em
cuja occasião receberão os socios os dividendos em dinheiro corrente.
11º Todos os Socios serão obrigados a deffender qualqr demanda que para o futuro, seja
proposta à Sociedade relativamente ao estabelecimento de Papafarinha, sendo
responsavel em cazo de não êxito o socio Wiszner indemnisará os outros de qualquer
prejuízo.
12º Nenhum socio poderá propor demanda a outro em negocios pendentes à Sociedade, e
suas duvidas serão decididas por Arbitros por elles nomeados.
13º Qualquer dos socios & por sua morte seus herdeiros poderão livremente dispor da parte
que na Sociedade tiver, sendo obrigados a dar preferenciais aos mesmos socios. Os
herdeiros que quizerem continuar ficarão sujeitos à estas condições.
14º Todos os socios são obrigados a prestar contas, e os esclarecimentos necessarios sobre
quaisquer negocios de que sejão encarregados seja; ou não da sua repartição.
15º Os avanços que qualquer dos socios fizer a Sociedade serão pagos, pela caixa da
mesma na occasião do Balanço geral, & logo que recebão hum conto de reis contado o
premio de hum por cento ao mez.
16º As despesas que os socios ouverem de fazer nas suas differentes repartições o serão
pela caixa-geral e pela maneira como os socios entre si contractarem.
17º A Sociedade terá a firma de Castro Irmão & Compania e os saques feitos sobre ella
devem sempre ser acompanhadas de carta de aviso assignada pelo socio sacador.
18º Logo que todos os socios ouverem satisfeito todas as condições acima estipuladas,
serão considerados proprietários em igual parte de todos os bens e objetos de que a
Sociedade se compõem.
E como assim o diserão obtorgarão, contractarão e se obrigarão, e me pedirão lhe
averbasse, e lhes lavrasse este instrumento como pessoa publica, e feito sendo lhes lida a
aceitarão e assignarão com as testemunhas presentes Antonio Martins da Costa &
Reverendo Doutor Jozé Mariano Gomes Batista, 334 moradores em Sabará reconhecidos de
mim Manoel dos Sos Viera Tabelliam publico que escrevem
Seguem as Signaturas & conclusam
334

Desembargador e vice-presidente da Província de Minas Gerais entre 1852 e 1853 (ver BURTON, 2001).

302

LUND, P. W. Carta para Sebastião da Rocha Brandão, Lagoa Santa. København: Det
Kongelige Bibliotek, NKS 2677. 09/02/1840.
Sebastião da Rocha Brandão - Sabará
Lagoa Santa 9 de Fevereiro de 1840
nr

Illustríssimo S .
Tendo eu noticia que hum dos credores do Snr Francisco Wuzner de Morgenstern fez
demanda contra elle e que já houve sentença condemnatoria nesta causa e não podendo eu
ficar indifferente a este respeito, visto estar hum dinheiro meu como hypotheca na lavra
Delle, rogo a VS como o meu procurador bastante, tomar as medidas que julgar
convenientes para a segurança do dito dinheiro, da quantia de 7000 Marcos de Banco,
reconhecendo eu por valido e bem feito tudo o que VS a este respeito fizer.
Queira VS perdoar o incômmodo que lhe estou causando, certo de que achará em
mim.
Sempre reconhecido Atto. e Obdo.
P. W. Lund

303

LUND, P. W. Carta para Sebastião da Rocha Brandão, Lagoa Santa. Copenhagen: Det
Kongelige Bibliotek. 27/03/1841.
Sebastião da Rocha Brandão
Lag. Sta 27 Marz 1841
mo

Ill

S

nr

Estimo muito que VS. tenha passado bem de saúde depois que tive o gosto de estar na
sua agradável companhia. Como já passou o prazo que o Sr. W.335 tinha combinado (25
deste mêz) para elle entregar os seus bens às mãos de seus credores, desejarei muito saber
se elle cumpriu com a sua promessa, muito sinto incomodar a VS. XXX lhe queira informar
sobre o estado actual do nosso negocio assim como das medidas que se tem tomado; queira
VS. perdoar o modo visto eu estar muito afflicto para terminar o quanto antes este negocio,
que se tem prolongado de hum modo tão inesperado.
Tenha a bondade em recommendar á lembrança amigável do lado a Sua Illustre
família, e de aceitar os desejos que faço para a sua felicidade, ficando sempre com toda a
consideração.
DVS
Mto. Atto. Vdor. e Cdo.
P. W. Lund

335

Referência a Francisco Wiszner de Morgenstern.

304

LUND, P. W. Carta para Quintiliano José da Silva, Ouro Preto. København: Det
Kongelige Bibliotek, NKS 2677. 17/04/1841.
Dr Quintiliano Jozé da Silva336
Lag Sta, 17 Abril 1841
Illmo Snr Dr.
Estimarei muito que VS. tenha passado bem despois que tive o gosto ultimamente de
estar na sua estimável companhia. Tenho recebido por via do Snr Jorge337 o recado de VS.
relativamente aos negocios com o Snr Wiszner,338 e se não tenho mandado a resposta logo,
he porque soube que VS. tinha sahido em huma viagem. Aproveitei este tempo para pedir
ao Snr W. esclarecimentos sobre o não-cumprimento da promessa delle de entregar no dia
25 do mez passado os seus bens nas mãos dos seus credores, e tenho agora a honra de lhe
remetter inclusa huma copia da minha carta junto com a resposta delle. Desta verá VS. em
que conta esse (homem)339 Snr tem a sua palavra, e se convencerá comigo que elle não
prouva senão subterfugios e que não resta outro meio senão proceder contra elle nos termos
da lei.
Acho pois necessário renovar sem mais perda de tempo o aviso para o pagamento do
dinheiro, desejo porisso (sic) que V.S. faça o aviso para não haver erros na redacção delle,
que possão occasionar novas duvidas, visto eu não estar pratico nestes negocios. Emquanto
(sic) à citação para conciliação não tenho opinião nenhuma a este respeito. Vejo que huma
citação prematura tem causado todos os transtornos anteriores, porem esta sendo de
competencia de V.S. abstenho me de todo parecer sobre este assumpto contentando me de
lhe rogar de proceder em todo este negocio segundo VS. entender mais proveitoso para o
andamento da causa. Estimarei que VS. tenha vindo bem da viagem e recommendando me
a sua amiga lembrança rogo the dispor em discrição de quem se preza de ser.
DVS
Mt° Att° Vdor e Cdo
P. W. Lund
336

Procurador em Sabará na época, ele se tornaria presidente da Província de Minas Geraes, com sede em
Ouro Preto, entre 1844 e 1847.
337
Referência ao alemão Jorge H. Cramer, genro do advogado Sebastião da Rocha Brandão.
338
Referência a Morgenstern.
339
Palavra escrita, porém riscada. Transcrição feita a partir do original no caderno de rascunhos de Lund.

305

LUND, P. W. Carta para Quintiliano José da Silva, Ouro Preto. København: Det
Kongelige Bibliotek, NKS 2677. 17/01/1842.
Dr Quintiliano José da Silva
Lagoa Santa, 17 Jan 1842
mo

Ill

nr

r

S D

Recebi a estimadíssima carta de VS. datada de 7 do corrente mêz, e tenho de lhe
agradecer os esclarecimentos, que tem a bondade de me dar saber o nosso negocio. Fiquei
interessado do passo que VS. tem tomado, e que approvo de todo, sendo o meu grande
desejo, por motivo de urgência de ver este negocio acabado o quanto antes, e podendo lhe
affiançar que o meu reconhecimento pelos serviços prestados por VS. neste negocio xxx
não só em razão de benefícios que em resultar delle, como tambem em razão da
consideração que houver em huma conclusão final.
Aproveito esta occasião para me recomendar de novo a sua lembrança assignando
com toda a consideração e estima
DVS
Mt° Att° Vdor e Cdo Obr
P. W. Lund

306

LUND, P. W. Carta para Quintiliano José da Silva, Ouro Preto. København: Det
Kongelige Bibliotek, NKS 2677. 28/02/1842.
Dr Quintiliano José da Silva
Lag Sta, 28 Febr 42.
mo

Ill

nr

r

S D Q. J. da S.

Meu S. e A.
Perdoe VS que torno outra vez a incommoda lo (sic) com a minha correspondência. O
caso he que recebi houvera quinze dias noticia de ter eu de novo perdido o processo e
ficado condemnado a paga das custas. Como a causa me parecia mui viável resolvi
suspender o meu XXX ate receber alguma remuneração de VS. Não tendo ate agora vindo
esta communicação fiquei mais sossegado, visto este silencio da parte de VS confirmar a
minha duvida sobre a veracidade daquella noticia, nem quero que VS se de ao trabalho de
responder a estas linhas se, como o estou certo, o boato for destituído de todo fundamento.
No contrario espero o obsequio dos seus esclarecim.
Ao mais fico as Suas ordens por ser com muito cons. e estima
DVS.
Mt.° Att.° N.dor. e Cdo
P. W. Lund

307

LUND, P. W. Carta para Quintiliano José da Silva, Ouro Preto. København: Det
Kongelige Bibliotek, NKS 2677. 16/09/1842.
Dr Quintiliano Jozé da Silva
16 Sept 42
Depois de ter sido por tanto tempo privado de toda a communicação com a VS,
aproveito a occasião que offerece o restabelecimento do socego publico para reatar o fio da
nossa correspondencia. Primeiro que tudo tenho de lhe testemunhar os meus desejos de que
VS tenha passado sem incommodos particulares na tempestade politica que tanto tem
abalado a tranquilidade desta provincia, e esperando que VS tenha reganhado o socego de
espírito, tomo a liberdade occupar a VS por hum instante com o nosso negociosinho
particular. Tive a honra de escrever a VS em data de 7 de Abril do corr. expondo lhe com
franqueza as bases sobre que desejava que VS formasse o plano de hum trato de XXX
conveniencia sobre a gerencia da causa, de que tem a bondade de se encarregar; porem ate
hoje estou ainda a espera da Sua estimada resposta, o que attribui as commoções politicas,
que tem feito parar o andamento de todos os negócios particulares. Visto portanto ter se
restabelecido o socego publico não posso demorar por mais tempo de me dirigir a VS para
lhe pedir o favor de me communicar a sua decisão a este respeito, tanto mais, que o
aparecimento de hum novo competidor, o Snr Guilhn. Behrens que acaba de voltar do Rio
com sentença da relação inteiramente em seu favor, me impõe a obrigação de acelerar,
quando for possível a conclusão deste negocio. A espera de Sua obsequiosa resposta fico
eu.340

340

No caderno de rascunhos, esta carta termina assim, de forma abrupta.

308

LUND, P. W. Carta para Sebastião da Rocha Brandão, Lagoa Santa. København: Det
Kongelige Bibliotek, NKS 2677. 19/09/1842.
Sebastião da Rocha Brandão
Lag Sta 19 Sept. 42
Meu respeitavel Snr e Am.
Estimei muito saber pelo Snr Jorge,341 que VS mais toda a sua estimavel familia tinha
passado bem de saude e sem maiores incommodos, nesses tempos de tristeza que acabão de
affligir a nos todos. Pelo mesmo Snr recebo a sua estimadissima carta de 20 de Junho em
que me pede lhe communicar que os meus sentimentos relativamente ao contheudo de
huma carta inclusa do Illmo Snr Veríssimo Joze de Aquino. Por esta carta vejo que este Snr
pede a quantia de noventa mil réis342 em salário pelo seu trabalho na causa que tenho com o
Snr Viszner.343 Confesso que fiquei muito admirado de ver huma tal exigencia, visto o
trabalho do dito Snr alem de pouco, não ter senão em prejuízo da minha causa. Deixo de
parte a consideração de que moralmente fallando, eu antes podia e devia exigir desse
Senhor huma indemnização pelo grande prejuízo, que o tal trabalho delle me tem causado,
sujeito me mesmo a dura necessidade de pagar a alguém so por me ter feito mal, porem
tudo tem a sua regra. O preço do trabalho de hum advogado he conta que felizmente não
depende unicamente do arbítrio delle, pode ser avaliado, e vejo me obrigado de recorrer a
este meio no cazo de o Snr Veríssimo não queira restringir as suas pretensões dentro dos
limites da equidade e da justiça, se he que se pode fallar nisto no cazo presente. Porem fio
demasiadamente na honradez desse Senhor, e ao seu conhecimento dos seus verdadeiros
interesses, para duvidar por hum instante de que elle por hum procedimento justo e leal me
poupe a pena de deixar ao emprego de hum meio XXX para os meus sentimentos.
He o que tenho de lhe communicar sobre este assumpto. Ao mais fico aqui as suas
ordens, desejando lhe saúde e toda a felicidade por ser

341

Referência ao alemão Jorge H. Cramer, genro do advogado Sebastião da Rocha Brandão.
No Brasil, entre 1833 e 1846 a libra esterlina valia em 5$555 réis (5.555 réis). Logo, 90$000 equivaliam a
£ 16,20. O valor atualizado, de acordo com o Purchasing Power of British Pounds from 1264 to 2006
(http://www.measuringworth.com/calculators/ppoweruk/), é £ 1.148,29.
343
Referência a Morgenstern.
342

309

LUND, P. W. Carta para Quintiliano José da Silva, Ouro Preto. København: Det
Kongelige Bibliotek, NKS 2677. 20/09/1842.
Quintiliano José da Silva
Lagoa Santa, 20. Set. 42
o

Meu respeitável Senhor e A .
Tive o gosto de receber a estimadíssima carta de VS de 17 do corrente mez que muito
me alegrou pela certeza que me deu de gozar VS de saude.
Muito sensível fui aos sentimentos de desinteresse que VS com tanta generosidade
professa na Sua obsequiosa offerta relativamente ao nosso trato, a bem que os recontem
com toda a gratidão, desejo contanto que VS nesta occasião deixe de parte as considerações
de benevolencia e amizade XXX em hum trato que tenha em vista só os nossos mútuos
interesses. O meu desejo era VS formar este porem para encurtar as negociações tomo a
liberdade offerecer a consideração de VS em hum tisco esboço as condições que eu julgo as
mais essenciais.
1º VS se obriga a levar ao seu fim a causa que eu tenho com os Snrs Visner e
Martiniano344 dentro do prazo de hum anno, a contar do dia que se firmar o contrato,
de modo que me seja entregue antes de findado este prazo a somma total com os juros
indicada na hypotheca (ou no cazo de não se realizar a venda dos bens hypothecados,
que estes me sejão adjudicados dentro do dito prazo pelo mais commodo que possível
for).345
2º VS se encarrega de todas as despesas provenientes desta causa provenidas della
deste que teve a bondade de se incumbir della (sic)
3º Eu da minha parte me obrigo a pagar a VS (assim me entregue da somma total em
questão dez por cento della)346 assim que me for entregue o dinheiro.
4º Não sendo a causa terminada completamente e do modo XXX indicado dentro do
prazo marcado, fico (eu desligado de todas as obrigações, e as despesas) este contrato

344

Francisco Wiszner de Morgenstern e Martiniano Pereira de Castro, sócios na lavra de ouro de Papafarinha,
em Sabará.
345
Frase escrita, porém riscada. Transcrição feita a partir do original no caderno de rascunhos de Lund.
346
Idem.

310

nullo, e VS não poderá haver de mim indemnização alguma das despezas que lhe
podia occasionado a gerência desta causa.
Para o esclarecimento de VS tomei a liberdade ainda acrescentar, que a somma no
total com os juros, segundo o cambio actual, monta a seis contos e meio e no fim do prazo
montara a 7 Contos347 e que o Sr Vizner por ter tomado parte no movimento politico tem
seu ausentado da sua caza, aqui poderá fazer necessaria huma inclusão nas folhas publicas
tanto relativamente a elle como ao Snr Martiniano.
Queira VS me communicar a sua decisão definitiva± a respeito deste negocio visto eu
estar muito ansioso de o ver terminado o mais breve possível. (No cazo de não lhe convir o
trato por mim proposto) Entretanto fico aqui ao dispor de VS de quem me prezo de ser com
toda a consideração e estima
P. W. Lund

347

No Brasil, entre 1833 e 1846 a libra esterlina valia em 5$555 réis (5.555 réis). Logo, 6,5 e 7 contos-de-réis
equivalem a £ 1.170,12 e £ 1.260,12, respectivamente. O valor atualizado, de acordo com o Purchasing Power
of British Pounds from 1264 to 2006 (http://www.measuringworth.com/calculators/ppoweruk/), é £ 82.940,20
e £ 89.319,57, respectivamente.
±
Nota do autor: No cazo de não convir a VS as condições por mim propostas, queira VS propor outras sobre
as mesmas bases, ou alterar e acrescentar o que lhe parecer precizo, enfim.

311

LUND, P. W. Carta para Sebastião da Rocha Brandão, Lagoa Santa. København: Det
Kongelige Bibliotek, NKS 2677. 21/03/1843.
Sebastião da Rocha Brandão - Sabará
Lag. Sta 21 Março 1843
Meu respeitadíssimo Ao e Snr!
Como fiquei impedido por causa do mao tempo de me despedir pessoalmente de VS.,
deixei recado na mão do Snr Guilherme sobre o estado do negocio com o Snr Veríssimo.
Espero por este correio receber a participação da sua conclusão, porêm não me veio
informação nenhuma; por isso apresso me a lhe expor o estado em que deixei o negocio.
Sahindo da sua casa fui ter com o Snr Dr Quintiliano pedindo-lhe que apressasse o
negocio. Perguntando-me elle quanto eu estava disposto a dar, disse-lhe que estava disposto
só a dar 20$000, porêm para não haver motivo nenhum da parte do Snr V.348 mais o negocio
queria fazer ainda o sacrifício de mais 30$000, em tudo pois 50$000.349 O Dr Quintiliano
disse que não duvidava arranjar o negocio sobre esta base, visto ser a pretensão do o Snr V.
exorbitantíssima, e ficou de lhe communicar o resultado sobre o que tenho de
communicado a VS. sobre este desagradável negocio que devia já estar acabado.
Espero que VS. esteja inteiramente restabelecido dos seus incômmodos e que goze de
perfeita saúde e toda a mais felicidade, que he o que lhe deseja sinceramente o seu
Mto. Atto. Vdor. e Cdo.
P. W. Lund

348

Referência ao advogado Veríssimo Joze de Aquino.
No Brasil, entre 1833 e 1846 a libra esterlina valia em 5$555 réis (5.555 réis). Logo, 50$000 equivalem a £
9,00. O valor atualizado, de acordo com o Purchasing Power of British Pounds from 1264 to 2006
(http://www.measuringworth.com/calculators/ppoweruk/), é £ 693,93.
349

312

LUND, P. W. Carta para Quintiliano José da Silva, Ouro Preto. København: Det
Kongelige Bibliotek, NKS 2677. 15/04/1843.
Dr Quintiliano José da Silva
L. Santa 15 Abril 1843
mo

nr

Meu A . S .
Muito estimarei que VS. tenha gozado de perfeita saúde conforme os meus desejos.
Não tendo eu tido participação alguma sobre a conclusão do negociosinho, de que VS.
teve a bondade de se incumbir relativamente às exigências do Snr V350., e instando o Snr
Sebastião351 para comigo para o término, afim de desempatar o seu dinheiro, tomo a
liberdade tornar a recorrer aos bons offícios de VS. a este respeito.
Visto o trabalho do Snr V. alêm de insignificante, ter sido inteiramente prejudicial a
minha causa, cuido que a offerta que tenho feito, não pode deixar de ser considerada ao
menos como amplamente compensatória. Se fosse o negocio comigo de certo que não
offereceria tanto, porém visto os interesses de hum amigo estarem compromettidos neste
negocio, faço este sacrifício voluntário, para remover todos os obstáculos, e confio
nimiamente na retidão do Snr V., e no seu conhecimento dos seus verdadeiros interesses,
para divida que elle ainda a proposição tem justa

350
351

Referência ao advogado Veríssimo Joze de Aquino.
Referência a Sebastião da Rocha Brandão.

313

LUND, P. W. Carta para Sebastião da Rocha Brandão, Lagoa Santa. København: Det
Kongelige Bibliotek, NKS 2677. 16/04/1843.
Sebastião da Rocha Brandão352
Lag. Sta 16 Abr 1843
Meu respeitadíssimo S

nr

Recebi a estimada carta de VS. de 7 deste mêz e ao seu conteúdo respondo.
Sinto muito não se ter ainda concluído o negócio, e muito me admira o Dr. Quintiliano
não me ter participado nada a este respeito. Tomo pois a instar para com elle para o término
e transmitto xxx huma carta para elle que VS. fará o favor de lhe mandar entregar. Bem sei
que lobo não mata lobo, porém infelizmente por causa da falsa posição em que me resta
não tenho meios alguns para obrigar o Snr Veríssimo 353 a entrar na órbita da justiça e
equidade, vejo-me portanto reduzido ao papel do carneiro, e VS. bem sabe que se lobo não
mata lobo, também carneiro não o mata.
Se a causa fosse só entre mim e o Snr Veríssimo era o caso muito simplez, eu lhe
offereceria o que achava justo e se elle não quizesse aceitar que me procurasse. Porém VS.
já lhe tem adiantado além do importo do salário delle (o que de certo não he culpa minha)
eis o que causa toda a difficuldade. Não me ocorre outro expediente para arranjar o negócio
se não de que lavei mão; pois VS. de certo não quererá que eu vá pessoalmente ao Snr
Veríssimo pedir por favor a elle de ser xxx e justo para com nosco, nem poderá exigir de
mim que eu pague as dívidas do Snr Veríssimo.
Já tive a honra de dizer a VS. que se fosse comigo só não pagaria de modo algum
além de 20$000, que já he bastante perder mais isto além de todo o meu prejuízo que tenho
tido pela má gerência deste negócio, porém que por causa de VS. quero ainda fazer o
sacrifício de mais 30$000 afim de o Snr Veríssimo não ter pretexto algum de se recusar a
aceder a minha proposição. Cuido que tudo que se pode exigir razoavelmente de mim. Se
ocorrer a VS. outro modo de arranjar o negócio, queira me communicá-lo, pois nada desejo

352
353

Transcrição feita a partir do original no caderno de rascunhos de Lund.
Referência ao advogado Veríssimo Joze de Aquino.

314

mais do que os cômmodos de VS., a quem tanto estimo, e estou prompto para tudo que
pode conduzir a este fim.
Muito estimei saber que VS. já está xxx de saúde, que Deus lhe conserva ainda por
muitos annos he o único desejo de quem he
DVS
to.

o.

dor.

M Att V

e Cdo.

P. W. Lund

315

LUND, P. W. Carta para Sebastião da Rocha Brandão, Lagoa Santa. København: Det
Kongelige Bibliotek, NKS 2677. 05/06/1843.
Sebastião da Rocha Brandão
Lag. Sta 5 Junho 1843
mo

N

S

nr.

Recebi a estimada carta de VS. datada de 11 de maio, incluindo outra do Dr.
Quintiliano, cujo contheúdo VS. diz saber e por isso me pede mandar pelo mesmo Dr.
Quintiliano pagar ao Sr. Veríssimo. Li a carta do Dr. Quintiliano, e supponho VS. não estar
bem inteirado do contheúdo della, pois della se collige que o Sr. Veríssimo não quis aceitar
o sacrifício que tinha offerecido. Contudo visto elle já ter abattido consideravelmente sobre
a primeira exigência exorbitante, e a differença já não ser tão grande, não desespero ver
terminada esta desagradável questão bem que com bastante prejuízo meo.
Como espero o Sr. Jorge354 aqui todos os dias tratarei o resto com elle; entretanto fico
aqui ao seu dispor, desejando-lhe por toda a felicidade por ser com estima.
DVS
Mto. Atto. Vdor. e Cdo.
P. W. Lund

354

Referência ao alemão Jorge H. Cramer, genro do advogado Sebastião da Rocha Brandão.

316

LUND, P. W. Carta para Quintiliano José da Silva, Ouro Preto. København: Det
Kongelige Bibliotek, NKS 2677. 10/11/1843.
Quintiliano J. da Silva
Lag Sta 10 Nov 1843
Recebi a estimadíssima carta de VS de 8 do mez corrente. Em que propõe que,
fazendo VS. o pagamento de dous por cento que se exige, segundo diz, antes da sentença, e
reverte em augmento da execução, fique com direito a essa quantia.
VS. estará lembrado, que segundo o nosso contrato, esta VS encarregado de todas as
despezas provenientes da causa, e sendo esta huma dellas deve ficar inclusa nesta
determinação. Sendo comtudo o nosso desejo, de servir a VS em tudo que eu puder, assim
como eu conto com o Seu zelo para os meus interesses, e não sendo o meu fim de livrar
neste negocio, e sim so de me tirar dele sem prejuízo, não ponho duvida em acceder ao Seu
pedido, no caso de VS conduzir a causa a huma solução, que corresponda a esta condição, a
saber, a minha completa indemnização e embolsamento de toda a quantia a cobrar.
Disponha de quem he.
P. W. Lund

317

LUND, P. W. Carta para Quintiliano José da Silva, Ouro Preto. København: Det
Kongelige Bibliotek, NKS 2677. 22/02/1844.
Quintiliano Joze da Silva
Lag Sta 22 Fevereiro 1844
Meu Amo Snr.
Tendo passado já perto de tres semanas depois de decorrido o prazo do aviso, e não
tendo eu ainda recebido participação de VS sobre o dia que se vai proceder à penhora, tomo
a liberdade lembrar a VS de novo este negocio visto ser de interesse commum dar mais
asceleração a XXX delle.
Na esperança de que estas linhas achem VS no gozo de perfeita saude fico às Suas
ordens por ora com muita consideração e estima.
DVS
P. W. Lund

318

LUND, P. W. Carta para Quintiliano José da Silva, Ouro Preto. København: Det
Kongelige Bibliotek, NKS 2677. 09/01/1845.
Quintiliano Joze da Silva
Lag Sta 9 de janeiro de 1845
Recebi a estimadíssima carta de VS de 5 do mez passado, em que me participa, que
tendo mudado temporariamente a Sua residência para Ouro Preto, XXX a execução da
fabrica de ferro de Martiniano,355 encarregando-se de me informar sobre hum arrendamento
da lavra de Papa-farinha pelo defunto fiador.
Em quanto ao primeiro ponto não tenho senão de vos felicitar por hum XXX aumento
de circunstâncias, que augurando vantagens para o paiz pela conhecida illustração e
patriotismo de VS, me dera a perspectiva de huma terminação favorável de hum negocio
particular, o qual tomo a liberdade por esta occasião recommendar de novo a attenção de
VS, XXXXXXX pelas graves e importantes ocupações ora a Seu cargo.
A respeito do arrendamento affirmão me que pouco ou nenhum valor tem, por ser
condicional, e as condições não cumpridas pelo arrendatario, notamente o pagamento de
doze contos ao proprietário, o que não pode estorvar o adiantamento da execução. Como
tenciono mudar por algum tempo a minha resid. para Sabará, rogo a VS queira me indicar a
pessoa com quem demora a procuração ahi, para eu poder conferenciar com ella ahora
adiante.
Não querendo tomar mais tempo de VS continuo, rogando XXX e os protestos de
consideração e estima, com que sou
DVS
P. W. Lund

355

Referência a Martiniano Pereira de Castro.

319

LUND, P. W. Carta para Quintiliano José da Silva, Ouro Preto. København: Det
Kongelige Bibliotek, NKS 2677. 1o/02/1845.
Quintiliano José da Silva
Lagoa Santa, 1° Fevereiro 1845
mo

mo

nr

Ill . Ex . S .
Em resposta ao offício de V.Ex. datado de em 2 de Janeiro p.p., em que me convida
de remetter a V.Ex. quaesquer memorias que tenho sobre objetos que te possão interessar a
história do Brasil, tenho de assegurar a V.Ex., que sendo para mim summamente lisongeira
a incumbência, com que V.Ex. dignou-se me honrar, não deixarei de me esforçar por
corresponder de quanto em mim couber às illustradas vistas assim como a benévola
confiança de V.Ex., remetendo a V.Ex. de todos os esclarecimentos que possa colher
tendentes ao mencionado fim, quer sejas filhos das investigações em que eu estou
empenhado, que resultados de observações alheias, sentindo não poder acompanhar estas
linhas com alguma remissa por não ter nada prompto por ora.
Deus guarde a V.Ex. muitos annos
P. W. Lund

320

LUND, P. W. Carta para Quintiliano José da Silva, Ouro Preto. København: Det
Kongelige Bibliotek, NKS 2677. 20/03/1845.
Quintiliano José da Silva
Lagoa Santa, 20 Março 1845
mo

mo

nr

Ill . Ex . S .
Bem a meu pezar vejo me na necessidade de tomar hum instante do precioso tempo
de VEx. Depois da sahida de VEx de Sabará tem estado inteiramente parada a minha cousa
por falta de hum procurador ahi que possa e queira se encarregar das despezas que exige o
adiantamento della. A occasião esta muito opportuna por ter falhado algumas das lavras dos
Inglezes, e estes andarem procurando com muito empenho lavras a comprar; porém vejo
me com as mãos atadas e espero pois que VEx se digne arremediar sem demora ao mal
mecionado, dignando-se na mesma occasião me mandar informar sobre o estado do
negocio da fábrica de ferro.
Não querendo tomar mais tempo a VEx termino rogando-lhe queira aceitar os
protestos de consideração e estima, com que tenho a honra de ser
DVEx
Mt.° Att.° Nedor. e Cdo. Obr.
P. W. Lund

321

LUND, P. W. Carta para João Evangelista Amado, Lagoa Santa. København: Det
Kongelige Bibliotek, NKS 2677. 31/03/1845.
João Amado356
Lagoa Santa, 31 Março 1845
Como desejo agora ver acabado o negócio do escravo, rogo a VS queira providenciar
sem demora a arrematação delle, marcando me quando for tempo o dia certo em que deve
comparecer o ditto escravo para se por à praça. Pra este fim remetto incluso a quantia de
4$000 para VS fazer as despesas que forem precisas.
P. W. Lund

356

Transcrição feita a partir do original no caderno de rascunhos de Lund.

322

LUND, P. W. Carta para Quintiliano José da Silva, Ouro Preto. Copenhagen: Det
Kongelige Bibliotek. 10/06/1845.
Dr Quintiliano José da Silva
Lagoa Santa, 10 Junho 45
mo

Ill

mo

Ex

S

nr

Bem quizera eu não ocupar com negociozinhos particulares o precioso tempo de VEx
tam dignamente empregado nos importantes trabalhos da Sua elevada posição; visto porém
ser o meu pedido de natureza a não causar perda de tempo a VEx, e ser indispensável para
o adiantamento da minha causa, conto com certeza ser attendido. Tenho só de lembrar de
novo a VEx o negocio da fábrica de ferro do Martiniano, no caso de não se achar já
concluído como espero, e neste caso lhe rogar queira me mandar communicar o resultado, a
fim de eu saber quando tenho de cobrar na execução do lavra de Papa-farinha357 e na qual
estão tambem outros credores. Tenho feitos várias viagens a Sabará com bastantes
despezas, visto não ter ninguém que toque o negocio adiante de seu próprio motu.

357

O Córrego Papa-Farinha, em Sabará (MG).

323

LUND, P. W. Carta para João Evangelista Amado, Lagoa Santa. Copenhagen: Det
Kongelige Bibliotek. 10/07/1845.
João Evangelista Amado358
L.S. 10 de Julho de 1845
Tendo já passado muito tempo além do marcado por VS, espero que o negócio da
arrematação esteja já todo prompto e a espera do Juiz. Este estará de volta em Sabará no dia
17 deste mêz, e no dia logo depois eu pretendo estar lá na certeza do achar tudo prompto
para se proceder immediatamente à arrematação. No cazo, que não espero, que a
arrematação da lavra trará consigo alguma demora imprevista, rogo-lhe queira tratar por ora
só da de escravo, visto eu não poder me demorar muitos dias em Sabará, e não quero voltar
dela sem ver terminado ao menos este negócio. Confio no zelo de VS, e saberei remuneralo devidamente.
Sou com estima
DVS
P. W. Lund

358

Transcrição feita a partir do original no caderno de rascunhos de Lund.

324

LUND, P. W. Carta para Manoel Rodrigues Lima, Sabará. København: Det Kongelige
Bibliotek, NKS 2677. 15/07/1846.
Lagoa Santa, 15 de julho de 1846
Illmo. Sr. Manoel Rodrigues Lima
Sabará
Meu prezado Amo e Snr.!
Recebi a estimada carta de VS. datada de 12 deste, e muito lhe agradeço os Seus
obsequiosos offerecimentos, sentindo contudo não poder aceitálos pela razão de serem
dereitamente oppostos á proposta que tive a honra de fazer a VS. Porquanto propondo a
VS. de se encarregar da transacção de venda da hypotheca, tive justamente por fim, como
mui expressamente declarei, ficar exonerado do trabalho de tratar do ulterior andamento de
negocio de execução dos bens hypothecados. Tornando-se pois ociosos os bons officios de
VS. a este respeito, de que aliás lhe agradeço, posto que estranhando-os bastantemente,
resta me só submetter de novo a consideração de VS. a proposta que lhe fiz na minha carta
antecedente sobre a negociação da hypotheca, rogando-lhe queira me comunicar a sua
resolução a este respeito.
Desejando a VS. todas as felicidades sou com toda a consideração e estima
DVS.
Mto. Att. Vdor. e Cde.
P. W. Lund

325

LUND, P. W. Carta para Manoel Rodrigues Lima, Sabará. København: Det Kongelige
Bibliotek, NKS 2677. 21/07/1846.
Illmo. Sr. Manoel Rodrigues Lima - Sabará
Lagoa Santa, 21 de julho de 1846
mo

Meu prezado A

nr

eS .

Recebi a estimada carta de VS datada de 18 deste mêz, e vejo com satisfacção, que
VS esta prompto a se imcumbir do negocio, que tive a honra lhe propor, de procurar
comprador da hypotheca. Reitero os meus agradecimentos pelo seu obsequioso
offerecimento de promover a execução, estando porem eu a este respeito com as mãos
atadas, visto eu ter hum contracto com o Dr Quintiliano, não posso sem prévio
consentimento ou ao menos participação transferir a procuração a outro.
Acho demais, que os poucos passos que restão ainda a fazer, não podem desanimar a
comprar a hypotheca á quem esta interessado em possuir a lavra e os mais bens
hypothecados, podendo estes ate lhe sahir mais baratos por adjudicação, sendo elle dono da
hypotheca, e não havendo compelitores.
Finalmente tenho de lhe agradecer a observação que me faz relativamente a huma
expressão minha, de que tomarei nota, pedindo lhe indulgencia para com este erro e outros
podem me escapar, filhos de minha inexperiência da lingua, e assegurando-lhe, que a dita
expressão não encerrava nem vislumbre do sentido offensivo, que o uso, segundo VS me
informa, tem enxertado nella, sendo pelo contrário a minha admiração só filha do alto
conceito que faço dos talentos e da perspicácia de VS.
Esperando que VS se digne aceitar benignamente esta sincera explicação, sou como
sempre, com respeito
DVS.
Att. Am. e Cde.
P. W. Lund

326

LUND, P. W. Carta para Manoel Rodrigues Lima, Sabará. København: Det Kongelige
Bibliotek, NKS 2677. Sem data (07/1846).
Manoel Rodrigues Lima359
Venho por esta me entreter com VS sobre hum objecto que poderá vir a ser, espero,
de mútuo interesse. VS teria (xxx) algum conhecimento de hum negocio que, tenho (xxx), e
de que vou lhe dar huma breve exposição (xxx) W d M360 (xxxx) hypothecarão as (xxx),
para segurança da quantia de 70.00 (xxxxx) vendo bem a saber: huma lavra de ouro (xxx):
Papafarinha;361 huma fábrica de ferro no (xxx); e dois escravos por nome Antonio Crioullo
e João Congo. A lavra está avaliada em 15.000$000.362 Avisei aos dittos devedores nos
termos do contrato, de pagar a dívida, porém como não cumprirão, requeri execução, e
obtive sentença em favor. Resta por hora só providenciar a avaliação e execução, como
porém estou muito enfadado de todo este negocio, que tem sido tratado com muito desleixo
até agora por parte dos (xxx), porém activá-la seria indispensável (xxxx) o que ambas as
circunstâncias não me permitem o desejo vender a hyphoteca, e por isso me dirijo a VS
(xxx), para saber se quereria se encarregar deste negocio.
A soma total (xxx) em 5 de Out (???) de 1845 8 contos,363 segundo (xxx), porém
desta quantia há que se deduzir ...000 pelo (xxx) que for arrematado. Estou disposto a fazer
algum não se podendo obter toda a soma, e offereço a VC 20 pC364 da quantia que VS
obtiver. Julgo bem (xxx) a VS que huns outros credores de Wiszner, que se julgam com
direito de (xxx), a saber Bruxado (???), cuja hypotheca contudo he invalida por falta da
assignatura da mulher de Wiszner, e huma casa de comércio do Rio, que adquiriu as (xxx)
(xxx) (xxx).
Aguardo a resposta de VS, para lhe dar as informações, que poderá precizar.
Desejando a VS (xxx) me assignar.
359

Carta sem data (julho de 1846?) e provavelmente não enviada.
Referência a Morgenstern.
361
O Córrego Papa-Farinha, em Sabará (MG), onde atualmente existe a Reserva Ecológica do Papa Farinha.
362
No Brasil, entre 1833 e 1846 a libra esterlina valia em 5$555 réis (5.555 réis). 15 contos-de-réis
equivaliam a £ 2.700,27. O valor atualizado é £ 179.597,31, ou R$ 726.751,85 (cotação de 22/03/2007).
363
8 contos-de-réis equivaliam a £ 1.440,14. O valor atual é £ 95.794,54, ou R$ 387.638,65 (cotação de
22/03/2007).
364
%
360

327

7000 marcos de banco emprestados no 5 de ?? de 1839 a 12 pC ao anno fazem ao 5
Dez 1845 12.040 marcos, os quais pelo câmbio desse dia, 655 Réis por cada marco
7$886.200365
7000 Marcos de Banco

365

7$886.200 equivalia £ 1.419,66. O valor atual é £ 94.432,26, ou R$ 382.126,10 (cotação de 22/03/2007).

328

LUND, P. W. Carta para Sebastião da Rocha Brandão, Lagoa Santa. København: Det
Kongelige Bibliotek, NKS 2677. 20/08/1846.
Sebastião da Rocha Brandão
Lagoa Sta 20 de Agosto de 1846
Estimadíssimo Amo e Snr.
Recebi a estimada carta de VS com data de 11 deste mêz, pela qual vejo, que VS não
ficou pago, como esperara, da quantia que lhe devo, e por isso remetto incluso o importe, a
saber huma lettra sobre Rio de 50$000, e 2$355 em dinheiro, sendo 34$955 para VS e
17$400 para o Snr João Camiã (???).
Aproveito esta occasião para agradecer de novo a VS o trabalho que teve com os
meus negocios, e lhe rogar os protestos de estima e affeição com que sou.
DVS
P. W. Lund

329

1.3 - Cartas trocadas com F. Wizner von Morgenstern
MORGENSTERN, F. W. de. Carta para Peter Wilhelm Lund, Lagoa Santa.
København: Det Kongelige Bibliotek, NKS 3261. 16/07/1839.
O original em gótico:

330

A versão para o alfabeto latino:
Papafarinha de 16 Juli 1839
Hochgeschätzter Herr Doctor!
Mit vielen vergnugen empfing Ihr werther (?) von 14ten dieser Monater gestern, und
nehme mir die Freiheit zu erwindern daß ich gewiß nicht verspäten wurde das Vergnugen
Sie zu sehen, wenn nicht einige deine Angelegenheiten mich nicht von der auf dem Lage
bestimme Abreise verhindert hätten: ich xxx mich dahers Sie durch Ueberbringen dieser zu
benachrichtigen daß wir den 22 dieser d i nächtten Montag von hier abreisen werden und
den 23te d m Sie eingetreffen um unsere gemeinschaftliche xxx fortzusetzen, und in Ihrer
sind so werthen Gesellschaft den schönne Jahreszeit zu geweßen; haben Sie dahers die
Güte werthester Herr Doctor, durch Ueberbringen dieser mich gefälligst zu benachrichtigen
ob so Ihnen so gefällig und angenehm sei.
Meine Frau empfiehlt Sich Ihnen Schätz berster Herr Doctor in Erwartung Ihnen xxx
ihre Aufwartung zu machen in derselben und beiden so angenehmen Aussicht erlauben Sie
mir Sie zu versuchen von den Hochachtung und Freundschaft
Ihres ergebene
Wiszner von Morgenstern

331

A tradução:
Papa-farinha, 16 de Julho de 1839
Altamente estimado Senhor Doutor!
Foi com muito prazer que recebi ontem vossa carta de 14 deste mês, e tomo a
liberdade de responder a fim de assegurar que não me furtaria do prazer de encontrá-lo, se
alguns negócios não me impedissem de sair daqui. Por conseguinte eu me comunico através
desta para informar que nós partiremos daqui na próxima segunda-feira 22 deste mês, e que
no dia 23 nos encontraremos convosco para dar continuidade à nossa sociedade, para iniciar
a bela estação366 convosco em uma tão honrada sociedade. Tenha por conseguinte a
bondade, prezado Senhor Doutor, após a entrega desta (carta) o obséquio de me informar
vossa decisão.
A minha esposa lhe envia suas melhores recomendações, Senhor Doutor, desejo que
do mesmo modo faço meu, desejando as melhores perspectivas como prova de alta
consideração e amizade
Vosso criado
Wiszner von Morgenstern

366

O verão.

332

MORGENSTERN, F. W. de. Carta para Pierre Guillaume Lund, Lagoa Santa.
København: Det Kongelige Bibliotek, NKS 3261. 25/02/1840.
Monsieur le Docteur Pierre Guillaume Lund
Lagoa Santa
Papafarinha 25 de fevrier 1840
Monsieur
C’est avec bien de la peine, que j’ai reçu vôtre lettre par l’entremise de Sebastião
Brandão, par laquel Vous me signifier de regarder a Mr come vôtre procureur dans des
affaires d’argent que nous avons eu semble, dans le même temps vous me signifier, de
payer la some de MB 7000 367 conformement notre traité em trois mois.
Je suis sure & je vois que ce procédé a pour fond les mensonges que ce même home
& Jorge368 ont ourdis contre moi, en Allan chez vous, j’etais instruit de ce Voyage, & je
m’en suis peu douter que ça été pour ourdir quelques nouvelles mechanceteés contre moi,
en-voulant vous faire peur pour la sureté de vôtre capital, preté sur hypotheque de
Papafarinha; come on vous à deguiser la verité je peut vous la Donner:
Le creancier qui m’a cite est Broxado369, & il a fait cela uniquement pour legitime la
dette, parce que son premiers creancieur été le defunt Tissot & moi seulement son abonador
come on se dit en portugais. Je l’ai laisser faire, parce que aucun inconvenient ne peut
resulter pour moi, lui ne pouvant faire aucune execution ni hypotheque judiciaire la vôtre
tant la premiére, est contre les lois du pays de faire vendre une proprieté si la somme
n’excède pas la moitié de l’evaluation judiciaires, la some q. Broxado pretend est de 2
contos de reis, & la proprieté evaluer em 30 contos; en autre il n’a nullement demontrer
qu’il a prit avant-récourse a son principal creancier, & que celui ci n’a pas avec quoi payer;
la dessus vous pourriez être entierement tranquille, parseque si il y avoit quelque chose a
craindre pour vous, moi même je vois avoir le premier avisé, & si vous reflechissez avec
sang froid, vous devrez vous dire a vous même: il y a quelque chose de louche dans les
notices que ces homes m’ont donné sur mes affaires avec Wizner parceque sa situation est
367

Marcos de Banco, a moeda da época.
Referência ao alemão Jorge H. Cramer, genro do advogado Sebastião da Rocha Brandão.
369
Major Candido José dos Santos Brochado.
368

333

la même que quand je preté le six contos de reis à Cramer, Castro Irmão & Cia si il n’y avait
pas danger à cette occasion, moins encore maintenant, ayant xxx & une autre propriété en
plus hypothequé pour seulement 7000 MB, & s’il y a eu du danger à la premier occasion,
que dois-je penser de Jorge Cramer, qui m’a proposer l’emprunt sur cet hypotheque seul, &
à cause de qui je fais l’emprunt ne connoissant dans les autres, & maintenant des motifs qui
le conduisse de me montrer du peril dans la même chose, qu’il a trouve sûre; quand les
interets l’ont demandes;
Comme vous ne faités aucune mention du Mr Martiniano, je ne douté pas qu’ils
auront dit qu’il emportait les noirs avec lui, non Monsieur, deux de ces noirs sont ici à
Papafarinha & il emporte seulement un pour son service allant chercher les 80 noirs pour
ici conformement le traité de Société dont je vous joins ici la copie.
Je vous prie d’avoir patience de vous persistez à retirer vôtre capital, jusqu’a retour de
Mr Martiniano qui, le plus tard est un quatre mois, il n’etait pas sa faute de n’être pas avoir
parti, étant maláde jusqu’a 20 du mois courant, vous vous convencerez dans peu de temps,
que des gens miserable ont osés vouloir faire de vous peurs instruments de vengeance
contre un home, qu’ils ont voulu d’abord voler, & come en n’a pas reussi pleinement
veulent le ruiner par d’autres moyens non moins infames.
Je suis convaincu connaissant vôtre delicatesse, que ce n’etait pas dans l’intention de
me vouloir blessé, que vouz avez instituer le beaupére de Cramer vôtre procureur. Je vous
assure cependant que je me suis trouver extrêmement désenchanté, pensant d’être en
relation forcée avec un enemi & donner des raisons de ma position à un home qui naguère
etait encore esclave, & je l’avoue franchement que j’espere de vôtre delicatésse que vous ne
m’obligerez pas un pareil affront, parceque assurément, je ne pouvois par le supporter; il y
a beaucoup des gens ici à Sabará qui sont plus digne de vôtre confiance & avec lesquels je
puísse entrer en relation sans manquer a ça que je dois à moi-même come gentilhomme &
militaire. Vous pensez peut être que ce n’est pas vrai qu’il etait esclave, il en coute bien peu
pour vous convaincre demander a Capt Carlos ou Luciano, ou un autre Brésilien qui a des
connaissances à Sabará, & si non, je peux vous bien envoyer sa carta d’alforia.
Du reste, Mr le Docteur, au plus tard, dans trois mois, je vous demanderai qui a
meriter le plus vôtre confiance & j’éspere que vous l’avouerez franchement; ci print je vous

334

remets une lettre de Doctor Marciano370 qu’il m’ecrit par laquelle vous pouvez aussi voir
quelle etait l’intention de Broxado en allant en justice.
Je vous demande pardon de ne pas avoir repondu de suíte, mais presque tout la
semaine passée j’ai été absent; je vous envoir par le porteur las livres demandée, & je vous
remercir de me les avoir prétés, tous les autres je vous les envoirai par un de mes gens
prochainement.
J’aurais souhaité de vous rendre personellement une visite, mais les affaires, étant tout
seul, ne me l’ont pas permis, & la triste notice que j’ai reçu par mon frére de la mort de ma
mére m’a si vivement affligir, que j’ai été quellesques semaines assez malade; vous voyez
Mr le Docteur que quelque fois tout ce réunit pour rendre la vie amère.
Je ne renonce pas au plaisir de vous faire une visite sitôt que les circonstances
permettront, Madame vous prie d’accepter l’assurance de sa consideration, & de moi je
vous prie d’être convaicu que je suis Monsieur le Docteur
Vôtre trés humble serviteur
F. Wiszner d. Morgenstern

370

Morgenstern deve querer se referir a Martiniano Pereira de Castro.

335

LUND, P. W. Carta para Franz Wiszner de Morgenstern, Lagoa Santa. Copenhagen:
Det Kongelige Bibliotek. NKS 2677. 11/03/1840.
O Original:
Mr le Colonel F. Wiszner de Morgenstern
Lagoa Sta, 11 Marz 1840
Mr le Colonel!
J’ai reçu la lettre, que vous m’avez fait l’honneur de m’écrire en date de 25 du mois
passé. Voici ce que j’ai à répondre relativement à l’objet en question. Vous dittez que
l’affaire n’a pas changé de fore depuis j’ai preté l’argent; je ne suis pas de cet avis. Si Vous
n’étiez, comme Vous ditez jusqu’ici que l’abonador pour la somme dont feu Mr Tissot
étaitle debiteur, Vous vous en etiez continué maintenant pour la sentence qu’a obtenu Mr
Brochado; ce Mr c’en tiendra donc d’ici en avant directement à Vous, et il n’y a nulle doute
qu’il ne puísse obtenir une sentence d’exécution; c’est ainsi selon la legislation de mon
pays, et des personnes neutres que j’ai consultées m’assurent que c’est la même chose ici;
aussi ne conçois je pas comment cela peut être autrement, puisque il faut necessairement
que le créances sont payé, une fois la dette justifiée. J’espère bien que même en cas que
cela vas a exécution je ne prendrai rien, mais comme je ne veux pas que l’argent reste dans
la proprieté une foi qu’elle passe à d’autres mains, vu que c’est uniquement pour vous
servir, que j’ai la ci laissé, je suis obligé.
Je ne veux rien decider à cet égard, vu que je ne connais pas en detail la legislature de
ce pays, il bien m’aprouve de l’apprendre a connaitre par ma propre expérience. Je vois
seulement, q’un de vos Créancier vient de faire des démarches judiciaires contre Vous, et
qu’il l’a obtenu la sentence en sa faveur, legitiment ces pretensions. Comme je ne connais
pas les circonstances pécuniaires des héritiers de M Tissot (que Vous ditez être les
principales debiteurs), cela ne change en rien la question (si Vous étiez l’abonador, le
debiteur où seulement l’abonador), de sorte que je dois toujours pour ma sureté supposer
que Broxado371 viendra c’en tenir à Vous. Quant à ces que Vous ditez, qu’il ne peut pas

371

Major Candido José dos Santos Brochado.

336

faire l’exécution parce que la somme en question qu’il pretend n’égale pas la moitié de la
valeur de la proprieté, je n’en sais rien; des personnes neutres, que j’ai consultées m’ont
assurés du contraire. Du reste si personne ne peut pas faire l’exécution, je Vous avis que cet
argument est bien loin d’être une consolation pour moi, et que mes pretensions ce trouve
dans les mêmes circonstances. Quoi qu’il en soit, il est xxx, que quelque soit la legislation
du pays, elle doit mettre à la disposition du créancier des moyens de se faire payé d’une
manière où d’une autre, une fois la dette verifiée; cette dernière formalité vient d’être
remplie et selon moi le reste ne peux pas manquer de se réaliser.
Vous voyez donc facilement qu’il est impossible que je puis rester entièrement
passive et tranquille au milieu du movement que je vois autour de mois. Le soin de ma
propre sureté m’oblige à faire la demarche que j’ai eu l’honneur de vous annoncer, et dans
la quelle je ne vois aucun motif d’un qui xxx pour Vous, vu que uniquement, c’est une
précaution que j’ai jugé nécessaire de prendre pour quelque evenement inprevu qui arrive, ±
mais je veux donner l’assurance que si les circonstances ne m’obligent pas de retirer
l’argent, je le laisserai rester dans votre proprieté, autant que les conditions du traite
s’accomplissant ponctuellement. ±±
Comme Vous ne me repondez rien à ce que j’avais expressé relativ a le payement des
rentes, je supposez que Vous l’aviez oublié à l’occasion d’écrire la lettre; je ne puis donc
laissez de me rapporter a ce que je dit lá-dessus.
Je suis fâché de ce que la choix, que je fait mon procurador na pas trouver votre
approbation. La conte de mes connaissances a Sabará est trés limite; parmi le peu des
personnes que j’y xxx c’est lui que j’ai jugé le plus probe et le plus honnête; aussi n’ai je
encore entendu aucun autre jugement à son égard. Quant à ces que Vous ditez qu’il a été
±

Nota do autor: C’est pour me précautioner contre ce cas que je me vois obligé de faire démarche que je
Vous ai annoncé, puisque je ne veux d’aucune manière laissez mon argent dans la proprieté dans le cas
qu’elle passerait en d’autres mains, où que c’est uniquement pour servir à Vous que je l’y ci laissez; en
vainquant l’extrême honneur que j’ai toujours sents a employer mon argent dans un pays où la implication et
la bizarreté de la législation met une infinité d’attropes judiciaires, qui l’entourent de toute coté, comme Vous
m’en indiquez par exemple dans votre lettre par suíte de la quelle je serais même privé de me servir dans ce
cas d’êxtreme necessités, qu’a un ne plaise des moyens pour retirer mon argent vu que celui ci n’equant pas a
la moitié de la somme d’évaluation de la proprieté.
±±
Nota do autor: Quant a ce Vous écrivez directement a Mr. Martigniano xxx le vanter de ce que’il n’emporte
qu’un esclave avec lui. Je vous avoue, que je regarde la chose d’une maniére bien différente. Je m’étais
attendu à ce qu’il m’aurait au moins informée, et je puis Vous assurés, que tout autre créancier en ma place ne
l’aurait aucunement penser d’importer un objèt hypothequé à une telle distance, ou en cas d’un accident, par
exemple la mort du possesseur, l’objèt serait entiérement perdu, et il l’aurait regardé comme une infraction
xxtrasté.

337

esclave, j’ignore le fait, mais je ne ferais aucun démarche pour m’en assurer, puisque je ne
vois pas à quoi cela comporte ici, si le fait ce vrait, il rendrait l’homme encore plus
estimable à mes yeux, car selon moi une conduite irréprochable est le meilleur titre de
noblesse.
Recommandez moi, s.v.p.,372 au souvenir amicale de madame votre aimable épouse,
et agréez, je vous prie, l’assurance des sentiments affectueux,
De votre três-humbles serviteur
P. W. Lund

372

s.v.p., s’il vous plait.

338

MORGENSTERN, F. W. de. Carta para Peter Wilhelm Lund, Lagoa Santa.
København: Det Kongelige Bibliotek, NKS 3261. 08/01/1841.
O original em gótico:

339

340

A versão para o alfabeto latino:
Papafarinha 7 Januar 1841
Geehrtester Herr Doctor!
Durch meinen Neffen übersende ich die zwei Bücher welche Sie in Ihren Schreiben
bemerkten und bitte nicht ungehalten zu sein daß es nicht früher geschach, allein ich hielt
geflissentlich zurük, Heils indem ich mir einige Anmerkungen aus dem an xxx & co.
herausschreib, Heils indem ich hoftte Ihnen die Ankunft der Neger ankündigen zu kämen.
Ich bitte Sie Geehrtester Herr Doctor unsere besten Wünsche zum neuen Jahre gütigst
annehmen zu wollen, und und auch diese Jahr in Ihrer Freundschaft, und Gewogenheit zu
erfallen.
Die letzten großen Regnen haben mir bedeutenden Schaden angerichtet, indem die
Wasser so anschwollen, daß alle kamen (rimmen) in der Wasserleitung davon getragen
würden welcher har mich um so Schmerzlicher sind, als es allein die Mittel waren welche
mich hier erhielten, und mir die Mittel fehlen selbe zu ersetzen, in dieser Verlegenheit
wüßte ich nicht wie mir zu helfen, bis ich mich mit xxx Ihnen mit diesen Bitte beschwerlich
zu fallen, und mir in dieser meiner traurigen Lage zu helfen, wenn es eine Sache von
bedeutenheit wäre so würde ich mir nicht erlauben Sie zu belästigen allein es sind bloß
vierzig Mil reis um die ich Sie ersuche, um selbe mit Grüßten Dank augenblicklich nach
Ankunft der Neger zurückzuerstatten; ich selbe mich nicht gekomen sind, xxx keine andere
xxx sein xxx als die groeßen Regnen, welcher den Uebergang über die schlüße verzöger
hat.
Geehrtester Herr Doctor! Ich müß Sie bitten mir seine freiheit zu erziehen allein waß
kann ich tuen in einem Lage so kritisch als in diesem Augenblik meinen? Ich bin ohne
Wasser auf dem Pochwerke med Cascalho welcher die Mittel meinen xxx xxx; soll ich
mich abschägiger Antwort in Sabara aussetzen, wo ich geweiß dessen sein kann!
An ich überzeugt bin iß Sie mich nicht in diesem Augenblik verlassen werden, so
bitte ich Sie diesem xxx als xxx für diese Somme zu bewahren; ich hätte mir in Lerxxx iß
Vergnügen gemacht Sie um diese Gefälligkeit zu bitten allein ich kaum keine handermann

341

bezahlen und mache die Vorbereitungen selbsten, um neun xxx einlegen zu können, indem
bei der Großen xxx die Sie kennen, auch das Gerüste weggeschwemt würde.
Ich bitte Sie sowohl von mir als meiner Frau überzeugt zu sein, daß mir mit
Dankbarkeit mir Hochachtung sind stehe.
Geehrtester Herr Doctor
Unsere besten Grüßen
An H. Brandt
ergebner Seiner
F. Wiszner v M.

342

A tradução:
Papa-farinha, 7 de Janeiro de 1841
Altamente estimado Senhor Doutor!
Através do meu sobrinho eu lhe envio dois livros os quais o senhor se referiu na sua
carta e por favor não se zangue que isso não acorreu mais cedo, sozinho eu me abstenho
(estou completamente sozinho (???), enquanto teço alguns comentários sobre a xxx & Co.,
enquanto aguardo o anuncio da chegada dos negros.
Eu peço ao senhor, altamente estimado Senhor Doutor, queira gentilmente aceitar os
melhores votos de Ano Novo, e também neste ano manter a vossa amizade e simpatia.
As últimas grandes chuvas me causaram prejuízos quando as águas subiram, fazendo
com que todos os objetos no aqueduto que seriam utilizados ficassem danificados. Só
alguns objetos ficaram a salvo e a maioria terá que ser substituída. Eu jamais saberia como
sair deste apuro, pois não ousaria molestar o senhor com este pedido de ajuda nesta
lastimável situação, se a questão não significasse tanto eu não me permitiria importuná-lo
solicitando-lhe somente quarenta mil réis, que eu próprio com muito prazer lhe restituirei
no instante da chegada dos negros, que ainda não chegaram devido às grandes chuvas, cuja
passagem atrasou os trabalhos.
Altamente estimado Senhor Doutor! Preciso pedir ao senhor que me diga o que eu
sozinho posso fazer num local tão crítico quanto este? Estou sem água para a máquina de
bater cascalho. Devo ir buscar uma solução em Sabará, onde certamente poderei resolvê-lo.
Estou convencido que o senhor não me abandonará neste momento, portanto lhe peço
que me empreste esta soma. Tenho certeza de que lhe daria muito prazer conceder esta
cortezia, pois não tenho como pagar trabalhadores e faço os trabalhos eu mesmo, e com o
seu auxílio teria ajuda para substituir e concertar o material danificado pelas grandes
chuvas, e também lavar os andaimes.
Eu assim como minha esposa asseguramos que, com o nosso agradecimento e alta
estima o senhor permanecemos
Estimado Senhor Doutor!

Vosso criado

Nossos melhores votos ao Sr. Brandt

F. Wiszner v M.

343

LUND, P. W. Carta para Francisco Wizner de Morgenstern, Lagoa Santa. København:
Det Kongelige Bibliotek, NKS 2677. 10/04/1841.
O Original:
A Mr le Colonel F. Wiszner de Morgenstern
Lagoa Santa, le 10 d’avril 1841
Monsieur le Colonel!
Conformement à la declaration que Vous avez faite dernièrement chez Mr. Le
Docteur Quintiliano, de ne vouloir attendre Vos associés que jusqu’au 25 du moi passé, et
de vouloir remettre irrevocablement ce jour lá Vos biens entre les mains de vos créanciers,
vu que votre propre intérêt l’exigeait ainsi, je me suis abstenu de toute démarche ultérieure
dans l’affaire que vous regarde, me fiant entièrement à Votre parole.
Comme je viens d’étre informé, que Votre promesse à cet égard n’a pas été
accomplie, je me permets de me diriger directement à Vous, Monsieur, afin de Vous prier
de bien vouloir m’éclairir la dessus.
Si j’avais eu le moindre doute, sur la sincerité de Votre parole, je n’avais pas laissé le
temps a perdre, et j’aurais incessament renouvelé l’avis du payement de l’argent, vu que je
suis réellement três déterminé de terminer cette affaire, à cause de l’état toujours plus
prècaire de ma santé, qui ne me laisse que peu d’espoir de pouvoir demeurer encore
beaucoup de temps dans ce pays; et comme je suis três persuade, que Vous ne voulez pas
que je souffre du dommage uniquement, à cause de ma bonne foi, et sans que vous y ayez
le moindre intérêt, j’ai l’entiére conviction, que Vous ne vous refuseriez point à acceder à
ma demande, laquelle n’est autre chose, que l’accomplissement de Votre parole.
Lorsque nous vous demandâmes, chez le Docteur Quintiliano et moi de renoncer au
droit, qui vous appartenent selon le contrât, d’être avisé trois mois davance, Vous
répondîtes, que, quant à Vous, Vous étiez prét, mais qu’à l’égard de vos associes Vous ne
pouviez pas, vu que Vous étiez resolu de les attendre encore jusq’au 25 du moi de Mars; Ce
terme a expiré, et par conséquent la restriction, que Vous fisez en faveur de vos associés n’a
plus lieu. Je me permets donc renouveler par la present la demande dont je vient de parler,

344

savoir que Vous veuillez bien renoncer pour Vous et pour vos associés, au droit sumencionnés, afin de me livrer d’une perte de temps, qui pour moi serait trés musible, et qui
pour vous n’amenerait aucun avantage. S’il y eut la moindre probabilité, que vous puisiez
tirer du profit de l’argent en question, étant employé dans la lavra, je l’y laisserai encore
quelque temps, bien que j’en aie moi même bien besoin des les circonstances actuelles;
mais comme il est Clair, qu’il ne serait d’aucune utilité, ce que vous avez vous même
declaré, je ne puis voir dans le refus de ma demande, du quel du reste je ne saurais
m’offendre de la part d’un homme qui tient à sa parole, que le désir de vouloir me mine, um
procedé que je crois n’avoir pás merité de Vous.
J’ai la conscience, d’avoir agi dans cette affaire, dés le commencement dans les
meilleurs intentions, et que mon principal motif en pretant l’argent fut le désir d’être utile à
des personnes, don’t le sort excitait ma sympathie, et j’avoue que ça été pour moi une des
experiences amères de ma vie, de me voir, en recompense de mes bonnes intentions, plongé
dans un goufre de desagrement, mais il serait plus amères encore, si je pouvais supposer,
que ceux mêmes auxquels j’ai voulu faire de bien, desirent me nuire. C’est à Vous, cher
Colonel, de me tirer de ce doute.
Presentez, Monsieur, s’il vous plait, mês hommages respectueux à Madame votre
aimable epouse, et temoignez lui, combien je partage toutes les souffrances du corps et de
l’esprit, dont elle a été tormenté, et agréz enfin l’assurence des sentiments avec lequels j’ai
l’honneur d’être
De Vous, Monsieur le Colonel
Le serviteur trés devoué
P. W. Lund
PS
Veuillez me remettre Votre reponse par le porteur de celle ci. Bien des compliments à
Vous Monsieur et à Madame de la part de Mr. Brandt.

345

Capítulo 2 – Uma quase resposta

A lavra de Papafarinha
Em 1839, o trabalho de Lund nas cavernas estava à todo vapor. Apesar dos cuidados
com as escavações, com a prospecção de novos sítios e com a limpeza, curadoria e estudo
dos fósseis, Lund ainda tinha tempo para pensar no futuro. Todo o trabalho era bancado
com recursos próprios herdados do pai e administrados por seus dois irmãos. Já imaginando
o dia em que os trabalhos nas cavernas terminassem, Lund informou à família que, quando
retornasse para a Europa, seu plano era se fixar no sul da França, bem longe do inverno
escandinavo. Talvez como forma de aumentar sua fortuna ou simplesmente para repor o
que foi gasto em anos de escavações no Brasil, resolveu investir como sócio numa lavra de
ouro. Naquela época as minas produtivas de Minas Gerais eram em sua maioria
administradas por capitais ingleses, caso da Mina de Morro Velho. O risco da prospecção e
garimpo de novas lavras era enfrentado por imigrantes europeus. Um deles era o
engenheiro húngaro Franz Wiszner von Morgenstern (1804-1878), ou Francisco Wiszner
de Morgenstern, ou ainda Francisco Wissner de Morgenstern (como viria a ser conhecido
no Paraguay).
Não se sabe quando Morgenstern chegou ao Brasil. Sabe-se apenas que ele viveu em
Minas Gerais entre 1839 e 1841, quando desapareceu sem dar notícia. Ressurgiria já em
1845 no Paraguai. Em junho de 1849, o presidente Solano López estava preocupado com o
avanço das tropas do argentino Juan Manuel de Rosas sobre o território de Missiones, e
colocou Morgenstern no comando de uma tropa de mil homens, 600 cavalarianos e uma
unidade de artilharia. O propósito da expedição era restabelecer as linhas de comércio entre
Itapúa e São Borja, assim com proteger um carregamento de armas que vinha de Rio
Grande (ESCUDÉ et CISNEROS, 2000, cap.22).
A referência seguinte a Morgenstern data de 1857, pois foi ele o engenheiro
responsável pelos primeiros desenhos do futuro palácio presidencial de Solano López em
Assunção. Durante a Guerra do Paraguai, Morgenstern comandou sob a patente de coronel
o corpo de engenheiros que construiu fortificações ao longo do rio Paraguai

346

(MASTERMAN, 1870). Após o conflito, ressurgiu mais uma vez em 1871 como chefe da
Agência de Imigração, encarregado de atrair imigrantes ao país (ZALAZAR, 2005). Antes
de morrer, Morgenstern ainda teve tempo de escrever uma biografia do ditador paraguaio
José Gaspar de Francia (1766–1840).373 Um século mais tarde, o personagem histórico
reapareceu, só que agora no domínio literário, no romance Caballero Rey (1988), do
escritor paraguaio Guido Rodriguez Alcalá (1946-).374
Este personagem de vida insólita desempenhou um papel crucial na vida de Peter
Wilhelm Lund. Em 22 de fevereiro de 1840, Francisco Wiszner de Morgenstern, sua
mulher Elizabeth e Martiniano Pereira de Castro lavraram em Sabará o contrato de uma
Sociedade de Mineração no sítio das Lavras de Papafarinha, ou seja, no córrego PapaFarinha, em Sabará (MG). Cada sócio entraria com dez escravos no valor de 5 contos-deréis (5:000$000) e 1 conto-de-réis (1:000$000) em espécie, 375 totalizando 6 contos-de-réis
(6:000$000), o que equivalia na época a £ 1.080 libras esterlinas ou, em valores
atualizados, £ 70.885,75 (ou R$ 288.192,66).376 O investimento total de 12 contos-de-réis
(12:000$000) era portanto, equivalente a £ 141.771,51 atuais (R$ 576.221,89), assim
divididos: £ 118.142,92 (R$ 480.135,43) na forma de 20 escravos e £ 23.628,58 (R$
96.027,07) em espécie.
Mas no momento da assinatura nenhum dos sócios entrou com dinheiro na transação:
“3º Cada socio entrará com dez escravos aptos para o serviço de mineração os quais
serão considerados como propriedade da Sociedade e com elles entrarão os socios
Castro e Irmão dentro do prazo de seis mezes, em cujo tempo darão ao Socio Wiszner
o conto de reis, de que falla o artigo antecedente, e em tudo mais entrarão todos
socios com forças iguaes.

373

MORGENSTER (sic), F. W. de. El Dictador del Paraguay Dr. Gaspar Rodríguez de Francia. Entre Rios:
Concordia, 1925. (COONEY, 2004)
374
Para mais informações, ver KAHLE, G. Franz Wisner von Morgenstern. Ein Ungar im Paraguay des 19.
Jahrhunderts. MÖSTA - Mitteilungen des Österreichischen Staatsarchivs, Bd.37, p.198-246, 1984.
375
O conto de réis (um milhão de réis) era representado por dois pontos, como 1:000$000.
376
No Brasil, entre 1833 e 1846 a libra esterlina valia em 5$555 réis (5.555 réis) (COSTA, 2006). 1 conto-deréis equivalia a £ 180 e 5 contos-de-réis a £ 900. Para estabelecer uma atualização monetária, de acordo com o
Purchasing Power of British Pounds from 1264 to 2006
(http://www.measuringworth.com/calculators/ppoweruk/), £ 180 de 1840 equivaleriam hoje a £ 11.814,29, e 5
contos-de-réis a £ 59.071,46. A cotação libra/real usada é aquela de 19/03/2007 (R$ 4,0656/£ 1).

347

4º Todos os socios contratarão hum empréstimo de seis contos de reis, que serão
aplicados para pagamento das dividas do socio Wiszner, o qual será responsavel aos
outros socios por esta quantia e seus juros†(VIERA, 22/02/1840).
Martiniano Pereira de Castro, personagem sobre quem não se tem notícia, teria seis
meses (ou seja, até agosto de 1840) para entrar com a sua parte do capital, enquanto
contrataria ao lado de Morgenstern um empréstimo de 6 contos-de-réis para saldar o
investimento devido por este último na sociedade. Martiniano, juntamente com seu irmão
(cujo nome não é citado), adiantou um conto-de-réis para Morgenstern, que assumiu a lavra
na forma de sócio-gerente.
Temos assim que numa operação de 12 contos-de-réis, sendo 10 contos-de-réis na
forma de escravos e 2 contos-de-réis em espécie, os sócios não desembolsaram dinheiro
algum, ao mesmo tempo em que contratariam um empréstimo de 6 contos-de-réis. Este
empréstimo, no entanto, já havia sido feito algum tempo antes da assinatura do contrato,
pois ainda em 9 de fevereiro de 1840, ou seja, 13 dias antes da lavra do contrato entre
Morgenstern e Pereira de Castro, Peter Wilhelm Lund, que foi quem emprestou o dinheiro,
mostrava-se preocupado com o destino da transação. Em carta para Sebastião da Rocha
Brandão, advogado em Sabará, Lund informa:
“Tendo eu noticia que hum dos credores do Snr. Francisco Wizner de Morgenstern fez
demanda contra elle e que já houve sentença condemnatoria nesta causa e não
podendo eu ficar indifferente a este respeito, visto estar hum dinheiro meu como
hypotheca na lavra Delle, rogo a VS como o meu procurador bastante, tomar as
medidas que julgar convenientes para a segurança do dito dinheiro, da quantia de
7000 Marcos de Banco,377 reconhecendo eu por valido e bem feito tudo o que VS a
este respeito fizer†(LUND, 09/02/1840).
Morgenstern e Lund se conheciam há pelo menos oito meses, como revela uma carta
de 16 de julho de 1839, assinada por Morgenstern, na qual este faz referência a uma carta
enviada por Lund em 14 de julho de 1839, que não consta da correspondência arquivada em
Copenhagen nem do caderno de rascunhos de Lund. Nesta carta, Morgenstern informa que
377

Os 7 mil marcos de banco de que fala Lund seriam equivalentes aos 6 contos-de-réis.

348

iria se encontrar com Lund em 23 de julho de 1839 “para dar continuidade à nossa
sociedade, para iniciar a bela estação convosco em uma tão honrada sociedadeâ€. Este
encontro parece ter efetivamente acontecido na data combinada, pois passados sete meses,
em 25 de fevereiro de 1840 temos nova carta de Morgenstern endereçada a Lund, aonde o
engenheiro húngaro observa ter recebido por intermédio do advogado Sebastião Brandão a
carta de Lund, onde ele demonstra a sua preocupação com o capital emprestado, exigindo
seu reembolso ou, nas palavras de Morgenstern, “de pagar a soma de 7.000 marcos de
banco conforme nosso acordo em três mesesâ€. Morgenstern afirma que esta apreensão de
Lund tem por base:
“as mentiras que este homem (o advogado Sebastião da Rocha Brandão ???) e
Jorge378 urdiram contra mim, (...) fazendo-o temer pela segurança do seu capital,
emprestado pela hipoteca de Papafarinha†(MORGENSTERN, 25/02/1840).
O credor a que Lund se refere e que teria citado Morgenstern era, segundo este
último, um tal de Broxado.379 De acordo com Morgenstern, “ele (Broxado) o fez
unicamente para legitimar a dívida, porque o primeiro credor era o defunto Tissot e eu,
somente, o abonador†(idem). Nos termos do direito, uma fiança pode ter como objeto outra
fiança, caso em que se denomina subfiança, quando o fiador do fiador denomina-se
abonador. Desse modo, qualquer que fosse o primeiro fiador de uma dívida, na falta deste
quem deveria responder pela fiança seria o abonador, ou seja, Franz Wiszner de
Morgenstern.
Num francês sofrível, o engenheiro húngaro afirma que a soma pretendida por
Broxado é de 2 contos-de-réis. Mas ele faz questão de tranqüilizar Lund:
“pois nenhum inconveniente poderia resultar para mim, ele (Broxado) não pode
realizar nenhuma execução de hipoteca judicial, nem a sua nem a minha (...) Quanto a
isto o senhor pode ficar totalmente tranqüilo, pois se houvesse alguma coisa a temer
pelo senhor, eu mesmo seria o primeiro a avisar†(MORGENSTERN, 25/02/1840).

378
379

Referência ao alemão J. H. Cramer, genro do advogado Sebastião da Rocha Brandão.
Major Candido José dos Santos Brochado.

349

Mas a situação era mais complicada. Morgenstern compara a dívida com Broxado380 a
outra dívida de seis contos-de-réis, contraída por ele junto a Cramer, Castro Irmão & Cia:
“Se não havia perigo naquela ocasião, menos ainda agora, sendo a outra propriedade
hipotecada por somente 7.000 marcos de banco†(MORGENSTERN, 25/02/1840).
Morgenstern prossegue desqualificando os credores. Por fim, ele pede a Lund:
“Eu vos rogo que tenha paciência em persistir na restituição do seu capital até o
retorno do Sr. Martiniano Castro o mais tardar em quatro meses. (...) O senhor se
convencerá em pouco tempo que pessoas miseráveis ousaram querer fazer dos seus
temores instrumentos de vingança contra um homem que elas quiseram roubar, e
como não tiveram êxito escolheram arruiná-lo por outros meios não menos infames.
Estou convencido conhecendo a sua gentileza, que não é sua intenção me querer mal
ao instituir o genro de Cramer como vosso procurador†(MORGENSTERN,
25/02/1840).
Respondendo a esta carta, Lund escreveu em 11 de março de 1840:
“Percebo unicamente que um dos vossos credores (Brochado (sic) promoveu uma
ação judicial contra o senhor, e que ele obteve uma sentença favorável, legitimando as
suas pretensões. Como eu não conheço as circunstâncias pecuniárias do Sr. Tissot
(que o senhor diz ser o devedor principal), isto não muda a questão (se o senhor seria
o devedor ou somente o abonador) (...) O senhor percebe facilmente, portanto, ser
impossível que eu possa permanecer totalmente passivo e tranqüilo em meio ao
movimento que vejo ao meu redor. O cuidado da minha própria certeza me obriga a
dar o passo que tive a honra de vos anunciar (...) É uma precaução que julgo
necessária para qualquer evento imprevisto que aconteça, mas eu vos asseguro que se
as circunstâncias não me obrigarem a reaver o dinheiro, eu o deixarei na vossa
propriedade, contanto que as condições do contrato sejam cumpridas pontualmenteâ€
(LUND, 11/03/1840).

380

Major Candido José dos Santos Brochado.

350

Passados dez meses, em 7 de janeiro de 1841, a situação só se agravou. Além de não
restituir o dinheiro de Lund, Morgenstern se viu sozinho na lavra de Papa-farinha, sem
poder contar nem com mão-de-obra escrava nem com equipamentos:
“As últimas grandes chuvas me causaram prejuízos com a subida das águas, fazendo
com que todos os objetos no aqueduto que seriam utilizados ficassem danificados. Só
alguns objetos ficaram a salvo e a maioria terá que ser substituída. Eu jamais saberia
como sair deste apuro, pois não ousaria molestar o senhor com este pedido de ajuda
nesta lastimável situação, se a questão não significasse tanto eu não me permitiria
importuná-lo solicitando-lhe somente quarenta mil réis, que eu próprio com muito
prazer lhe restituirei no instante da chegada dos negros, que ainda não chegaram
devido às grandes chuvas, cuja passagem atrasou os trabalhos. Estou convencido que
o senhor não me abandonará neste momento, portanto lhe peço que me empreste esta
soma. Tenho certeza de que lhe daria muito prazer conceder esta cortezia, pois não
tenho como pagar trabalhadores e faço os trabalhos eu mesmo, e com o seu auxílio
teria ajuda para substituir e concertar o material danificado pelas grandes chuvas, e
também lavar os andaimes†(07/01/1841).
Não consta da correspondência de Lund nenhuma resposta a este pedido de
Morgenstern assim como nenhuma evidência de que os 40 mil réis foram de fato
emprestados. Sem ter como saldar suas dívidas, Morgenstern afirmou a Quintiliano Jozé da
Silva (1807-1889), procurador em Sabará e futuro presidente da Província de Minas Gerais
(entre 1844 e 1847), que entregaria seus bens aos credores no dia 25 de março. No dia 27,
Lund escreveu ao Dr. Quintiliano:
“Como já passou o prazo que o Sr. W.381 tinha combinado (25 deste mêz) para elle
entregar os seus bens às mãos de seus credores, desejarei muito saber se elle cumpriu
com a sua promessa (...) visto eu estar muito afflicto para terminar o quanto antes este
negocio, que se tem prolongado de hum modo tão inesperado†(LUND, 27/03/1841).

381

Abreviação de Wiszner. Esta carta é do caderno de rascunhos de Lund, logo possui correções e abreviação.

351

Ao tomar conhecimento que Morgenstern não havia efetuado o depósito dos bens,
Lund enviou em 10 de abril de 1841 um polido ultimato ao engenheiro húngaro:
“Se eu tivesse a menor dúvida sobre a sinceridade da vossa palavra, eu não teria
perdido tempo e teria renovado o aviso de pagamento do dinheiro, visto que estou
realmente muito determinado nesta questão, por causa do estado precário da minha
saúde que me dá pouca esperança de poder permanecer ainda muito tempo neste país.
Como tenho certeza que o senhor não deseja que eu sofra prejuízo (...) tenho a
convicção de que o senhor não se recusará a aceder a minha demanda, que não é outra
coisa que o cumprimento da vossa palavra (...) Tenho a consciência de ter agido neste
assunto desde o começo com as melhores intenções, e que o meu principal motivo ao
emprestar o dinheiro foi o desejo de ser útil a pessoas cuja sorte excitou minha
simpatia. Confesso que foi para mim uma das experiências mais amargas da minha
vida me ver, como recompensa das minhas boas intenções, mergulhado num mar de
desentendimentos. Mas seria mais amargo ainda se eu pudesse supor que estes
mesmos aos quais eu quis fazer o bem desejassem o meu mal. Está convosco, cara
Coronel, me tirar esta dúvida†(LUND, 10/04/1841).
Ao receber a resposta de Morgenstern, carta esta que se extraviou pois não consta da
correspondência de Lund, o naturalista escreveu em 17 de abril ao procurador Quintiliano:
“Aproveitei este tempo para pedir ao Snr W.382 esclarecimentos sobre o nãocumprimento da promessa delle de entregar no dia 25 do mez passado os seus bens
nas mãos dos seus credores, e tenho agora a honra de lhe remetter inclusa huma copia
da minha carta junto com a resposta delle. Desta verá VS. em que conta esse
(homem)383 Snr tem a sua palavra, e se convencerá comigo que elle não prouva senão
subterfugios e que não resta outro meio senão proceder contra elle nos termos da lei
(...) Acho pois necessário renovar sem mais perda de tempo o aviso para o pagamento
do dinheiro, desejo porisso (sic) que V.S. faça o aviso para não haver erros na
redacção delle, que possão occasionar novas duvidas†(LUND, 17/04/1841).

382
383

Ibidem.
Palavra escrita, porém riscada. Transcrição feita a partir do original no caderno de rascunhos de Lund.

352

Lund não se correspondeu mais com Morgenstern – pelo menos é o que se infere dada
a ausência de qualquer outra carta trocada entre os dois. O ano de 1841 decorreu sem
novidades quanto a esta questão. Lund aproveitou o inverno seco para prosseguir seus
trabalhos nas cavernas. Em 7 de janeiro de 1842, no entanto, ele recebeu uma carta de
Quintiliano, que de acordo com a resposta de Lund de 17 de janeiro conteria informações
obre o andamento do processo:
“Fiquei interessado do passo que VS. tem tomado, e que approvo de todo, sendo o
meu grande desejo, por motivo de urgência de ver este negocio acabado o quanto
antes†(LUND, 17/01/1842).
Em 28 de fevereiro, Lund enviou nova mensagem ao seu advogado em Sabará:
“O caso he que recebi houvera quinze dias noticia de ter eu de novo perdido o
processo e ficado condemnado a paga das custas (...) Não tendo ate agora vindo esta
communicação fiquei mais sossegado, visto este silencio da parte de VS confirmar a
minha duvida sobre a veracidade daquella noticia, nem quero que VS se de ao
trabalho de responder a estas linhas se, como o estou certo, o boato for destituído de
todo fundamento. No contrario espero o obsequio dos seus esclarecimâ€384 (LUND,
28/02/1842).
Transcorreu boa parte do ano de 1842, quando Lund foi impedido de trabalhar nas
cavernas por causa da Revolução Liberal, liderada em Minas por Teófilo Otoni, cujas
forças enfrentaram as tropas imperiais comandadas por Caxias na batalha de Santa Luzia, a
poucas léguas de Lagoa Santa. Passado o conflito, em 16 de setembro Lund voltou a se
comunicar com o seu advogado:
“Tive a honra de escrever a VS em data de 7 de Abril do corr. expondo lhe com
franqueza as bases sobre que desejava que VS formasse o plano de hum trato de XXX
conveniencia sobre a gerencia da causa, de que tem a bondade de se encarregar;
porem ate hoje estou ainda a espera da Sua estimada resposta (...) Visto portanto ter se
restabelecido o socego publico não posso demorar por mais tempo de me dirigir a VS
384

Abreviação para esclarecimentos.

353

para lhe pedir o favor de me communicar a sua decisão a este respeito, tanto mais, que
o aparecimento de hum novo competidor, o Snr Guilhn. Behrens que acaba de voltar
do Rio com sentença da relação inteiramente em seu favor, me impõe a obrigação de
acelerar, quando for possível a conclusão deste negocio†385 (16/09/1842).
A carta de 7 de abril a que Lund se refere não existe na correspondência arquivada em
Copenhagen. Esta carta, no entanto, introduz pela primeira vez a figura do alemão Wilhelm
Behrens, um dos credores de Morgenstern que vivia em Santa Luzia e se tornou amigo de
Lund. Em 1866, chegou mesmo a trabalhar como secretário particular do naturalista, após a
partida de Warming.386 387
Em 19 de setembro, Lund escreveu a Sebastião da Rocha Brandão queixando-se do
valor dos honorários reclamados pelo advogado Veríssimo José de Aquino no processo
contra Morgenstern, do qual Lund saiu perdedor:
“(...) vejo que este Snr (Veríssimo José de Aquino) pede a quantia de noventa mil
réis388 em salário pelo seu trabalho na causa que tenho com o Snr Viszner.389 Confesso
que fiquei muito admirado de ver huma tal exigencia, visto o trabalho do dito Snr alem
de pouco, não ter senão em prejuízo da minha causa. Deixo de parte a consideração de
que moralmente fallando, eu antes podia e devia exigir desse Senhor huma
indemnização pelo grande prejuízo, que o tal trabalho delle me tem causado, sujeito
me mesmo a dura necessidade de pagar a alguém so por me ter feito mal, porem tudo
tem a sua regra. O preço do trabalho de hum advogado he conta que felizmente não
depende unicamente do arbítrio delle, pode ser avaliado, e vejo me obrigado de

385

No caderno de rascunhos, esta carta termina assim, de forma abrupta.
O trabalho de Behrens como secretário foi breve, pois conforme explica Lund:
“Meu assistente à época, um alemão de nome Behrens (a propósito, um bom sujeito), está cada vez
mais propenso à bebida, de maneira que, periodicamente, simplesmente não pode trabalhar. Nesses
casos o Nerêo assume suas funções. Essa inconveniência agora teve fim, porque mandei-lhe recolher as
trouxas†(carta aos irmãos Christian e Ferdinand, de 1875).
387
Behrens e Peter Andreas Brandt encontram-se enterrados ao lado de Lund no pequeno cemitério “Dr.
Lundâ€. Por ser protestante, Lund não poderia ser enterrado no cemitério católico de Lagoa Santa. Por isso, ele
comprou uma chácara próxima à cidade (atualmente, esse local está praticamente no centro de Lagoa Santa)
(MARCHESOTTI, 2005, p.49).
388
No Brasil, entre 1833 e 1846 a libra esterlina valia em 5$555 réis (5.555 réis). Logo, 90$000 equivaliam a
£ 16,20. O valor atualizado, de acordo com o Purchasing Power of British Pounds from 1264 to 2006
(http://www.measuringworth.com/calculators/ppoweruk/), é £ 1.148,29.
389
Referência a Morgenstern.
386

354

recorrer a este meio no cazo de o Snr Veríssimo não queira restringir as suas
pretensões dentro dos limites da equidade e da justiça, se he que se pode fallar nisto
no cazo presente†(LUND, 19/09/1842).
O mau humor que Lund deixa transparecer nestas linhas revela o seu estado de
espírito com relação ao processo de cobrança movido contra Morgenstern. A animosidade
em relação ao réu começa a ser transferida ao advogado que perdeu a causa e que, com
razão, cobra seus honorários, as £ 1.148,29 (R$ 4.647,56 na cotação de 22/03/2007) que,
para um homem rico como Lund, não era uma quantia que deveria fazer qualquer diferença.
No dia seguinte, 20 de setembro, Lund escreveu novamente ao Dr. Quintiliano em
Ouro Preto, propondo um acordo entre ambos para acelerar a conclusão do processo contra
o engenheiro húngaro. O naturalista elencou algumas disposições que gostaria de ver em tal
contrato:
“1º) Vossa Senhoria se obriga a levar ao seu fim a causa que eu tenho com os Snrs
Visner e Martiniano390 dentro do prazo de hum anno, a contar do dia que se firmar o
contrato, de modo que me seja entregue antes de findado este prazo a somma total
com os juros indicada na hypotheca.
2º VS se encarrega de todas as despesas provenientes desta causa provenidas della
deste que teve a bondade de se incumbir della (sic)
3º Eu da minha parte me obrigo a pagar a VS assim que me for entregue o dinheiro.
4º Não sendo a causa terminada completamente e do modo indicado dentro do prazo
marcado, fica este contrato nullo, e VS não poderá haver de mim indemnização
alguma das despezas que lhe podia occasionado a gerência desta causa.
Para o esclarecimento de VS tomei a liberdade ainda acrescentar, que a somma no
total com os juros, segundo o cambio actual, monta a seis contos e meio e no fim do
prazo montara a 7 Contosâ€391 (20/09/1842).

390

Martiniano Pereira de Castro, o sócio de Morgenster na lavra de ouro de Papafarinha, em Sabará.
No Brasil, entre 1833 e 1846 a libra esterlina valia em 5$555 réis (5.555 réis). Logo, 6,5 e 7 contos-de-réis
equivalem a £ 1.170,12 e £ 1.260,12, respectivamente. O valor atualizado, de acordo com o Purchasing Power
of British Pounds from 1264 to 2006 (http://www.measuringworth.com/calculators/ppoweruk/), é £ 82.940,20
e £ 89.319,57, respectivamente.
391

355

A lentidão da justiça brasileira já fazia vítimas 165 anos atrás. Exasperado com a
demora do processo, Lund acreditava ingenuamente poder resolver tudo num contrato
firmado entre ele e o seu advogado – justamente o Dr. Quintiliano José da Silva, que
estudou Direito em Coimbra e em São Paulo e que viria a se tornar dois anos mais tarde o
presidente da Província de Minas Gerais – quando obviamente não pôde continuar
atendendo ao processo movido pelo dinamarquês.392 De qualquer forma, a carta é muito
importante, pois nela se conhece o valor pleiteado por Lund: entre 6,5 contos-de-réis e 7
contos-de-réis, o que em valores atualizados é algo entre £ 82.940,20 e £ 89.319,57, ou
entre R$ 335.690,66 e R$ 361.510,40 (na cotação de 22/03/2007), respectivamente.
Outra revelação desta carta é não se conhecer o paradeiro de Morgenstern: “O Sr
Vizner por ter tomado parte no movimento politico tem seu ausentado da sua caza†(idem).
Ao que tudo indica, Morgenstern pode ter aproveitado a instabilidade política reinante
na região em 1842 para fugir dos credores e do Brasil, pois não se conhece mais nenhuma
carta dele nem o seu paradeiro. Como já vimos, ele só iria reaparecer sete anos depois, em
junho de 1849 no Paraguai de Solano López.
Em março de 1843, Lund saiu da sua Lagoa Santa e foi a Sabará se avistar com o Dr.
Quintiliano, como informa a Sebastião da Rocha Brandão em carta de 21 de março. No
encontro com Quintiliano ficou acertado que Lund proporia pagar como honorários a
Veríssimo José de Aquino não os 90 mil réis pleiteados por este, mas 50 mil réis ou £
693,93 em valores atuais (R$ 2.808,81 na cotação de 20/03/2007). Longe de ser resolvida,
essa questão dos honorários ainda se arrastaria por mais alguns meses, como demonstram
as cartas enviadas ao Dr. Quintiliano (15/04/1843) e a Rocha Brandão (16/04/1843;
05/06/1843).
Em 22 de fevereiro de 1844, Lund informa Quintiliano que, apesar de haver decorrido
três semanas da data da proclamação do aviso contra Morgenstern, ainda não havia decisão
sobre a data da penhora dos bens, ou seja, da lavra de Papa-farinha. Onze meses mais tarde,
392

A propósito deste acordo, mais de um ano depois, em 10 de novembro de 1843, Lund respondeu ao pedido
de Quintiliano deste receber como honorários 2% do valor da sentença, ao que Lund escreve:
“Vossa Senhoria estará lembrado, que segundo o nosso contrato, esta Vossa Senhoria encarregado de
todas as despezas provenientes da causa, e sendo esta huma dellas deve ficar inclusa nesta
determinação. Sendo comtudo o nosso desejo, de servir a VS em tudo que eu puder, assim como eu
conto com o Seu zelo para os meus interesses, e não sendo o meu fim de livrar neste negocio, e sim so
de me tirar dele sem prejuízo, não ponho duvida em acceder ao Seu pedido, no caso de VS conduzir a
causa a huma solução, que corresponda a esta condição, a saber, a minha completa indemnização e
embolsamento de toda a quantia a cobrar†(LUND, 10/11/1843).

356

em 9 de janeiro de 1845, isso ainda não havia ocorrido. Em nova carta a Quintiliano, Lund
felicita-o por ter conseguido uma decisão referente à execução da fabrica de ferro de
Martiniano Pereira de Castro, o sócio de Morgenstern em Papa-farinha. Já em relação à
venda da lavra, além de não surgir solução, as coisas pioraram, pois parece que a mesma
havia sido arrendada pelo Sr. Tissot, o falecido fiador do qual Morgenstern era abonador,
ou seja, fiador do fiador.
Como último fator complicador, semanas mais tarde Quintiliano José da Silva foi
nomeado presidente da Província de Minas Gerais, mudando-se de Sabará para Ouro Preto.
Com isto, o processo que já vinha se arrastando fazia quatro anos, parou de vez, como Lund
informa em 20 de março de 1845:
“Depois da sahida de VEx de Sabará tem estado inteiramente parada a minha cousa
por falta de hum procurador ahi que possa e queira se encarregar das despezas que
exige o adiantamento della. A occasião esta muito opportuna por ter falhado algumas
das lavras dos Inglezes, e estes andarem procurando com muito empenho lavras a
comprar; porém vejo me com as mãos atadas e espero pois que VEx se digne
arremediar (sic) sem demora ao mal mecionado, dignando-se na mesma occasião me
mandar informar sobre o estado do negocio da fábrica de ferro†(LUND, 20/03/1845).
Sem obter resposta, em 10 de junho Lund insistiu mais uma vez:
“Tenho só de lembrar de novo a Vossa Excelência o negocio da fábrica de ferro do
Martiniano, no caso de não se achar já concluído como espero, e neste caso lhe rogar
queira me mandar communicar o resultado, a fim de eu saber quando tenho de cobrar
na execução do lavra de Papa-farinha e na qual estão tambem outros credoresâ€
(LUND, 10/06/1845).
Mas Quintiliano já havia largado a causa. Coincidência ou não, recordemos que, em
10 de janeiro de 1845, Lund havia apresentado a Reinhardt que:
“O trabalho nas cavernas está bem no seu final, não porque este não me dê prazer nem
falte material. Eu sei de algumas enormes cavernas de ossos que merecem ser
escavadas, mas me falta saúde para tanto, assim como um aprendiz bem instruído que
357

possa me ajudar. Mas a razão principal são as consideráveis despesas ligadas a isto, as
quais não me vejo mais em condições de arcar através dos meus próprios meiosâ€
(LUND, 10/01/1845).
Coincidência ou não, naquele mesmo 10 de janeiro de 1845, Lund enviou ao Rei
Christian VIII a carta propondo a doação de suas coleções:
“Para garantir a manutenção da coleção, sua expansão e a utilização, ouso adiantar o
mui humilde desejo de que o capital que foi empregado na sua aquisição (com a
dedução da contribuição da Sociedade Real de Ciências de 2800 Rbd,393 o montante
sobe a 9000 Rbd) seja considerado um legado pertencente à coleção para que os seus
juros paguem um cientista de formação como seu curador, a qual posto eu mui
humildemente ouso recomendar o Sr. Candidato Reinhardt†(LUND, 10/01/1845).
Sem poder mais contar com Quintiliano, Lund teve que contratar um novo
procurador. Ele passou a trocar cartas com Manoel Rodrigues Lima, o novo advogado em
Sabará, que estaria interessado em ser o novo procurador de Lund no processo, em
substituição a Quintiliano (15/07/1846; 21/07/1846). Nesse meio tempo, entre o segundo
semestre de 1845 e o primeiro de 1846, Lund recebeu uma sentença favorável com relação
ao processo, como ele mesmo informou a Manoel Rodrigues Lima em 15 de julho de 1846:
“A lavra está avaliada em 15.000$000.394 Avisei aos dittos devedores nos termos do
contrato, de pagar a dívida, porém como não cumprirão, requeri execução, e obtive
sentença em favor. Resta por hora só providenciar a avaliação e execução, como
porém estou muito enfadado de todo este negocio, que tem sido tratado com muito
desleixo até agora†(LUND, 15/07/1846).
Lund havia desistido de esperar pela execução da lavra, e decidiu passar a hipoteca
para frente, dando um desconto ao comprador:

393

Rbd., Rigsbankdaleren, a moeda dinamarquesa entre 1813 e 1873. Numa tradução livre, é a “moeda do
banco realâ€.
394
No Brasil, entre 1833 e 1846 a libra esterlina valia em 5$555 réis (5.555 réis). 15 contos-de-réis
equivaliam a £ 2.700,27. O valor atualizado é £ 179.597,31, ou R$ 726.751,85 (cotação de 22/03/2007).

358

“Por isso me dirijo a Vossa Senhoria (Manoel Rodrigues Lima), para saber se
quereria se encarregar deste negocio. A soma total em 5 de Out de 1845 é de 8
contos395 (...) Estou disposto a fazer algum (desconto) não se podendo obter toda a
soma, e offereço a Vossa Senhoria 20% da quantia que Vossa Senhoria obtiverâ€
(LUND, 15/07/1846).
No pé do rascunho desta carta Lund fez um rápido cálculo do valor emprestado a
Morgenstern em 1839, e quanto ele gostaria de reaver:
“7000 marcos de banco emprestados no 5 de ?? de 1839 a 12 pC ao anno fazem ao 5
Dez 1845 12.040 marcos, os quais pelo câmbio desse dia, 655 Réis por cada marco
7$886.200†396 (LUND, 15/07/1846).
Em valores atualizados, 7$886.200 são R$ 382.126,10.

395

8 contos-de-réis equivaliam a £ 1.440,14. O valor atual é £ 95.794,54, ou R$ 387.638,65 (cotação de
22/03/2007).
396
7$886.200 equivalia £ 1.419,66. O valor atual é £ 94.432,26, ou R$ 382.126,10 (cotação de 22/03/2007).

359

Uma quase bancarrota
7$886.200 (7 contos-de-réis e 886 mil réis) ou R$ 382.126,10 é muito dinheiro para
quase qualquer pessoa, mesmo para alguém rico. E este era um dinheiro que Lund, antes de
emprestar a Morgenstern, teve que transferir desde Copenhagen até o cofre do banco mais
próximo, que ficava na casa comercial Hamann & Co., na sede da Coroa, no Rio de
Janeiro. Ou seja, a fonte destes R$ 382.126,10 eram os recursos depositados no Brasil e que
Lund contava para financiar as suas escavações. Estes recursos eram parte da fortuna
herdada de seu pai, Henrik Lund, e dividida com os irmãos Johan Christian, o responsável
pelos negócios da família, e Henrik Ferdinand, que se tornou diretor do Banco Nacional da
Dinamarca.
É estranho que Lund não tenha em nenhum momento se queixado desta sua longa
pendenga jurídica nem ao professor J. Reinhardt nem aos seus dois irmãos. Mais além, o
processo e a perda do dinheiro não foram citados em nenhuma carta que se conheça, além
daquelas aqui transcritas. O fato é que Lund jamais se queixou da perda deste capital aos
irmãos. E jamais entrou em nenhuma disputa para aumentar a sua parte da herança, de
forma a garantir o seu sustento na Europa na eventualidade dele partir do Brasil. Talvez o
naturalista ainda mantivesse a esperança de rever a cor daquele dinheiro. J. T. Reinhardt
conta que, quando conheceu Lund pessoalmente em 1847, este ainda não havia se decidido
em permanecer no Brasil. Sua decisão, pelo menos da boca para fora, era regressar à
Europa para se fixar no sul da França, pois ele não ousava viver na Dinamarca.397 Tal plano
foi abandonado “provisoriamente†devido à onda de revoluções de 1848 que, a partir da
França, se alastraram por toda a Europa (REINHARDT, 1882, p.69).
Numa carta de 1848, Lund explica a J. T. Reinhardt:
“Eu me sinto tão bem ultimamente, que não me importaria em fazer a viagem, se
fosse necessário, mas confesso que a Europa de hoje oferece muito poucos atrativos
para mim, que pelo contrário me sinto infinitamente feliz de poder ficar
397

De acordo com J. T. Reinhardt, ainda em 1843 Lund escreveu aos irmãos contando que havia abandonado
a idéia de estudar sua coleção na Dinamarca:
“Seria loucura minha acreditar que eu poderia suportar nosso inverno com minha saúde delicada e
minha sensibilidade extraordinária ao frio, que só aumentou em conseqüência da minha longa estada
nos trópicos†(REINHARDT, 1882, p.62).

360

tranqüilamente no meu canto e me devotar à beata ruris otia, 398 enquanto estoura a
tempestade terrível que começa a se abater pela Europa†(REINHARDT, 1882, p.70).
Decorridos 30 anos de uma vida frugal na qual jamais se ausentou de Lagoa Santa,
Lund contava 75 anos quando escreveu seu testamento, em 23 de fevereiro de 1876:
“Declaro ser minha última vontade, que o saldo em meu favor, que por ventura possa
existir na conta que tenho com a casa comercial dos Senhores Hamann e Comp., do
Rio de Janeiro, na occasião da minha morte, depois da pagas as despezas com as
minhas outras ultimas disposições, passa a pertencer ao Snr. Nerêo Cecílio dos
Santos†(SANTOS, 1928, p.84).
Lund escreveu seu testamento um ano após a morte de seus dois irmãos, talvez como
forma de garantir o sustento de Nerêo, agora que a administração dos bens da família estava
a cargo de seus sobrinhos, os filhos de Johan Christian e Henrik Ferdinand. No entanto,
ficou estipulado que o dinheiro não deveria ser sacado por Nerêo, mas mantido depositado
nas condições anteriores, pagando juros de 6% ao ano, que serviria como pensão vitalícia
ao filho adotivo. Complementando estas disposições, em 2 de março do mesmo ano Lund
legou suas casas e todos os seus pertences a Nerêo “salva algumas excepções indicadas em
declarações especiaes†(SANTOS, 1928, p.88).
Algumas destas disposições foram especificadas em 6 de março de 1878, quando
Lund resolveu doar após sua morte 100$00 (100 mil réis) 399 a Primo Antonio de Abreu; em
19 de março de 1878, quando legou 200$00 (200 mil réis)400 a Liberato Dias; e em 14 de
agosto de 1879, quando deixou 3:000$000 (3 contos-de-réis)401 ao seu secretário particular
C. S. de Roepstorff e 500$00 (500 mil réis)402 a Joaquim Dias de Siqueira, totalizando
3:800$000 (3 contos-de-réis e 800 mil réis)403 (SANTOS, 1928, p.87).
398

Grifo no original.
Em março de 1878, 1 mil-réis valiam 23,25 pences atualizados. Como 1 libra equivalia a 240 pences, 100
mil réis eram 240 : 23,25 x 100, resultando em £ 1.032,26 atuais (vide Libra Esterlina – Cotações mensais
1870 a 1930 - http://www.cunhaecunha.com.br/bancodedados/libramediamensal.htm). Em reais, este valor é
R$ 4.173,96 (no câmbio de 23/03/2007).
400
Pelo mesmo cálculo, £ 2.064,51 atuais ou R$ 8.347,92.
401
Em agosto de 1878, 1mil-réis valiam 23,13 pences atualizados, logo seguindo o cálculo acima, £ 31.128,40
ou R$ 125.868,17.
402
£ 5.188,06 ou R$ 20.978,00 (idem).
403
R$ 159.368,05, pela soma dos valores acima.
399

361

Para um homem que dos 45 aos 79 anos viveu sua vidinha em Lagoa Santa sem
realizar grandes despesas, os 7$886.200 (7 contos-de-réis e 886 mil réis ou R$ 382.126,10)
de 1839 devem ter feito falta.
Uma última palavra sobre os recursos que Lund legou ao filho adotivo. Nerêo Cecílio
dos Santos teve mais de uma dezenas de filhos e passou por muitas dificuldades, mudandose eventualmente de Lagoa Santa para Curvelo em 1887, para trabalhar como secretário na
fábrica de tecidos Cachoeira. De 1880 até 1914, Nerêo escreveu todos os anos aos
sobrinhos de Lund, sendo que em 1887 numa carta a Troels Troels-Lund, faz menção e
agradece o recebimento de uma pensão anual enviada da Dinamarca por Ole Henrik Lund,
filho de Henrik Ferdinand (NKS 3883 4º, 15/11/1887). A partir de 1887, a preocupação
com o recebimento da pensão dinamarquesa transparece ano-a-ano nas cartas de Nerêo.
Como ele não faz nenhuma alusão aos juros que deveria estar recebendo da casa comercial
Hamann & Co., pode-se imaginar que aquele capital tivesse sido totalmente consumido.
Outra possibilidade é que o saldo tenha sido enviado à família de Lund em Copenhagen,
que assim teria passado a administrar o dinheiro.
De uma forma ou de outra, tudo indica que o capital de que Lund dispunha sempre foi
limitado, ao contrário da imagem do homem abastado que chegou aos nossos dias. Os
recursos de Lund foram sem dúvida suficientes para que ele bancasse do próprio bolso os
trabalhos nas cavernas entre 1835 e 1844. E teria sido o suficiente para lhe garantir uma
vida confortável no sul da França, ao lado das suas coleções, pelo resto da vida. Mas a
perda dos 7$886.200 em 1839 podem ter feito toda a diferença.
Se Lund fosse realmente tão rico como reza a lenda, teria deixado um legado
respeitável ao filho adotivo, pois os 35 anos vividos desde o fim dos trabalhos nas cavernas
em 1845 até sua morte em 1880, anos vividos em tranqüilidade e com pouquíssimos gastos,
teriam feito qualquer capital, por menor que seja, multiplicar diversas vezes pagando 6% de
juros ao ano.
Como sabemos, agora, não foi isso o que aconteceu.

362

Conclusão Geral

Espero que este trabalho tenha servido para lançar uma nova luz sobre aspectos
cruciais da biografia e da produção científica do grande naturalista que foi Peter Wilhelm
Lund. Na Parte 1, ao estudar sua vida desde a infância até o início do trabalho nas
“cavernas de ossosâ€, pudemos constatar a lenta e progressiva transformação que ocorreu no
seu ideário teórico. O jovem idólatra das idéias e da pessoa de Georges Cuvier foi, ao longo
das escavações, dando lugar a um pesquisador mais crítico tantos das suas próprias crenças
quanto daquelas do seu inspirador.
Como vimos, o naturalista que iniciou as escavações em Lagoa Santa em 1835
decretando sem pestanejar a distinção entre espécies viventes e extintas, mesmo que
anatomicamente idênticas, antes da década de 1840 terminar já havia percebido que aquele
não era o caso. Ao descobrir os primeiros restos humanos em meados de 1841, muitos deles
associados à megafauna extinta, sabemos que o principal problema intelectual enfrentado
por Lund passou a ser a compreensão da linha divisória entre extinto e o vivente, conforme
revelou o relato de Virgil von Helmreichen. Em janeiro de 1842, na sua carta ao secretárioperpétuo do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, o cônego Januário da Cunha
Barboza, Lund já afirmava que a questão da coexistência do homem com as grandes
espécies extintas havia se tornado o seu principal objetivo científico:
“Não tenho poupado esforços para chegar à huma solução definitiva della, porém
apezar do mais feliz êxito dos meus trabalhos na parte zoológica, não me permitirão ainda404
de tirar huma conclusão definitiva sobre este importante assumpto†(LUND, 18/01/1842).
Apesar de ainda não ter condições de comprovar a coexistência entre humanos e as
preguiças e gliptodontes (cujos restos encontravam-se associados aos esqueletos), Lund
decretou, baseado na análise das ossadas fossilizadas, “que a povoação do Brazil deriva de
tempos mui remotos, e indubitavelmente anteriores aos tempos históricos†(idem). Esta
constatação deixa patente que o naturalista havia abandonado a tarefa original de colher
subsídios para comprovar o catastrofismo. Cuvier havia perdido o seu maior dicípulo no
404

Nosso grifo.

363

Novo Mundo. E como ainda haviam muitas cavernas de ossos a pesquisar, grutas cuja
localização Lund mantinha em segredo por medo de aves de rapina como Peter Claussen
(LUND, 13/05/1840), ainda havia a possibilidade de achar ossadas humanas que pudessem
ser indiscutivelmente associadas à megafauna extinta.
Neste contexto, a confissão feita a J. Reinhardt em 10 de janeiro de 1845 ganha uma
dimensão quase trágica. Vale a pena lê-la mais uma vez:
“O trabalho nas cavernas está bem no seu final, não porque este não me dê prazer nem
falte material. Eu sei de algumas enormes cavernas de ossos que merecem ser
escavadas, mas me falta saúde para tanto, assim como um aprendiz bem instruído que
possa me ajudar. Mas a razão principal são as consideráveis despesas ligadas a isto, as
quais não me vejo mais em condições de arcar através dos meus próprios meios.â€
Exatamente um dia antes de redigir estas linhas, em 9 de janeiro de 1845 Lund enviou
uma carta a Quintiliano José da Silva, o seu procurador no processo contra Morgenstern
que se arrastava havia quase cinco anos. A carta teve dois objetivos. O primeiro era felicitar
Quintiliano por sua mudança de Sabará para Ouro Preto, aonde assumiria outras funções
administrativas da província – ao mesmo tempo que deixaria de representar Lund na Justiça
de Sabará. O segundo objetivo do dinamarquês era informar sua disposição de se mudar
temporariamente para Sabará (o que parece que jamais aconteceu) para dar prosseguimento
ao processo, pedindo a Quintiliano aconselhamento sobre quem contratar como novo
defensor da sua causa.
No dia seguinte, 10 de janeiro, Lund fez aquela sua confissão a J. Reinhardt,
escrevendo em seguida outra carta ao rei Christian VIII, na qual oferecia suas coleções e
pedia um subsídio para a sua curadoria e conservação. Ora, seria este o homem abastado
que um dia pretendeu viver no sul da França estudando tranquilamente suas coleções? Se
Lund não precisava de dinheiro, porque a decisão de terminar as escavações e se mudar
para Sabará, indo atrás dos seus direitos e do dinheiro que havia perdido para Morgenstern
em 1839?
Ebba Lund, J. T. Reinhardt, Henri Gorceix e Birgitte Holten tiveram as suas razões
para formular hipóteses sobre a interrupção abrupta na carreira do sábio de Lagoa Santa. E

364

todas estas hipóteses são, em parte, verdadeiras. Mas nenhuma delas foi decisiva. O
objetivo deste trabalho foi encontrar um motivo maior para o final dos trabalhos de campo
de Peter Wilhelm Lund. Pode-se opinar que o isolamento do mundo científico e a ausência
de meios para estudar suas coleções o teriam levado nessa direção – o que sem dúvida é
verdade.
Pode-se ainda considerar que a frustração de ver diversas das suas descrições
perderem prioridade para as de Richard Owen também cobrou o seu preço – quem não
ficaria frustrado se estivesse em seu lugar? Sua preocupação constante com a saúde,
preocupação esta que por vezes beirava a hipocondria – mesmo numa época préantibióticos, quando se podia morrer de uma infecção causada por um espinho de rosa –
sem dúvida teve grande influência na sua decisão, pois Lund tinha pânico do inverno
escandinavo, que havia ceifado a vida de dois irmãos seus ainda na primeira infância.
Por fim, ver a teoria catastrofista de Georges Cuvier cair definitivamente por terra
com o achado dos esqueletos humanos da Lapa do Sumidouro pode muito bem ter
contribuído para a decisão de Lund. Porém o dado desconhecido que se mostrou decisivo
para o fim dos trabalhos de campo foi a perda de 7 contos-de-réis e 886 mil réis para Franz
Wiszner de Morgenstern em 1839, dinheiro que sem dúvida fez falta para financiar o
prosseguimento das escavações. Essa conclusão não pode mais ser considerada como uma
desculpa dada por um naturalista que acreditávamos rico, e que conseguiu se manter
confortavelmente no Brasil até o fim de sua longa vida. É verdade, isto ele conseguiu. Mas
o preço foi alto. O preço foi desistir do trabalho nas cavernas.
Passada a tempestade, o que restou foi um homem sereno, que ao longo de três
décadas continuou contribuindo para a ciência, tanto através da troca incessante de
correspondências com seus pares na Europa quanto por meio da recepção e acolhimento de
estudiosos do Velho Mundo. O que transparece nas entrelinhas de uma carta para J. T.
Reinhardt redigida em 28 de maio de 1849 é alguém sem mágoas nem frustrações, um
homem que se encontra de bem consigo mesmo:
“O que me mantém é a resignação, o fruto da filosofia. A visão do céu tropical, das
palmeiras e bananas, o ar e o clima do Brasil, o acesso ilimitado à natureza, a ausência

365

de obrigação de me engajar na política e duas mil milhas de distância dos delírios da
Europa†405 (28/05/1949).
Quatro anos depois, em 30 de novembro de 1853, ele ainda escreveria:
“Quanto à viagem tão planejada, não vai ser desta vez... tudo o que posso dizer é que
estou muito contente de ter ficado, e sinto que seria necessária uma mudança muito
importante e mais radical das circunstâncias externas para que um paroxismo desta
natureza me ocorresse novamente†(REINHARDT, 1882, p.670).

405

Versão do gótico de Birgitte Holten. Tradução ao português nossa.

366

A pesquisa continua
Este trabalho de doutoramento é apenas uma pausa num projeto maior que é o estudo
da vida de Peter Wilhelm Lund, visando num futuro espero que próximo a composição da
sua biografia, uma lacuna na bibliografia da história da ciência brasileira, assim como as
biografias de tantos outros naturalistas, cientistas e pesquisadores que ainda esperam o
trabalho investigativo de historiadores e jornalistas.
A correspondência de Lund é imensa, da qual apenas uma parte ínfima pôde ser
estudada para este trabalho. Apesar de termos estudado a quase totalidade dos rascunhos
das cartas em português, ainda existem centenas de documentos que precisam ser vertidos
do gótico dinamarquês para que se chegue a uma conclusão final sobre os motivos que
levaram Lund a interromper o trabalho nas cavernas brasileiras. Os próximos passos que
pretendo seguir nesta trajetória envolvem diversas vertentes, como por exemplo:
1) Visita ao Arquivo Público Mineiro em Belo Horizonte e aos arquivos de Sabará e de
Ouro Preto, a procura de documentos sobre o processo movido por Lund contra
Morgenstern.
2) Terminar a tradução da biografia escrita por Henriette Lund. Das cerca de 135 páginas,
já verti para o português cerca de 40.
3) Tradução e estudo dos rascunhos de 262 cartas em gótico dinamarquês que Lund enviou
entre 1835 e 1862 para o seu agente comercial do Rio de Janeiro, a casa comercial Hamann
& Co., dando prioridade às 73 cartas enviadas entre 1839, ano do empréstimo a
Morgenstern, e 1847, quando Lund parece ter desistido de recuperar o capital.406
4) Tradução e estudo das demais 33 cartas que Lund enviou para o seu professor, J.
Reinhardt, entre 1826-1845, divididas em três fases:
4.1) as 8 cartas enviadas entre 1826 e 1828, na primeira vinda de Lund ao Brasil.
406

Curiosamente não existem no arquivo Lund rascunhos das cartas enviadas a Hamann entre 1863 e 1880,
embora aquela casa comercial tenha administrado o dinheiro de Lund até a sua morte e mesmo depois,
encarregada de enviar uma pensão anual a Nerêo Cecílio dos Santos proveniente dos juros do principal
depositado.

367

4.2) as 9 cartas enviadas entre 1829 e 1832, quando Lund empreendeu sua viagem
pela Europa.
4.3) as 25 cartas (além das cinco aqui traduzidas) enviadas durante o trabalho nas
cavernas, entre 1835 e 1845.
5) Tradução e estudo das 26 cartas enviadas por J. Reinhardt para Lund entre 1825 e 1845.
6) Tradução e estudo dos rascunhos das 54 cartas que Lund enviou para J. T. Reinhardt
entre 1845 e 1880.
7) Tradução e estudo das 45 cartas enviadas por J. T. Reinhardt para Lund entre 1845 e
1880.
8) Tradução e estudo das cartas enviadas por Lund ao irmão Henrik Ferdinand Lund entre
1831 e 1875.
9) Tradução e estudo das 97 cartas enviadas pelo irmão Henrik Ferdinand Lund entre 1836
e 1875.
10) Tradução e estudo das 13 cartas enviadas ao irmão Johan Christian Lund entre 1834 e
1874.407
11) Tradução e estudo de cinco cartas enviadas ao então Príncipe Christian entre 1837 e
1839, e quatro cartas enviadas ao já Rei Christian VIII entre 1840 e 1841, além das quatro
cartas enviadas pelo príncipe entre 1822 e 1839.
Se as etapas acima visam reunir todos os elementos possíveis para compreender o
trabalho de Lund nas cavernas, objetivo maior, como já disse, é produzir uma biografia do
naturalista. Para tanto, existem inúmeros aspectos de sua vida que devem ser aprofundados
e melhor entendidos. Exemplos são:

407

Curiosamente, não existem nos arquivos Lund cartas ao irmão Johan Christian posteriores a 1846 a não ser
uma única de 1874, assim como a única enviada por este a Lund que está arquivada é de 1826.

368

1) Sua relação conflituosa com Peter Claussen, que pode ser esmiuçada através da tradução
e estudo das seis cartas enviadas para o rival entre 1840 e 1846.
2) Sua relação de amizade com o amigo Ludwig Riedel, através da tradução e estudo de 21
cartas em gótico alemão enviadas entre 1836 e 1851, e outras tantas recebidas daquele entre
1835 e 1848.
3) A relação com o botânico Eugen Warming, que pode ser aprofundada através das cerca
de 20 cartas (além das duas aqui traduzidas) enviadas por Lund e arquivadas na Biblioteca
Central do Museu de Botânica da Universidade de Copenhagen. Outra fonte de
informações são as cinco cartas que Warming enviou a J. T. Reinhardt em 1865, ano em
que viveu em Lagoa Santa.
4) A relação de Lund com seus colegas cientistas na Europa pode ser vista a partir do
estudo das cartas enviadas a:
H. Burmeister – seis cartas enviadas entre 1851 e 1856, e sete cartas recebidas entre
1851 e 1865.
A. P. de Candolle – três cartas enviadas entre 1836 e 1838, e três cartas recebidas
entre 1831 e 1834 (em francês).
D. F. Eschricht – duas cartas enviadas entre 1838 e 1841, e 11 recebidas entre 1825 e
1837.
J. G. Forchhammer – sete carta enviadas entre 1835 e 1861, e quatro recebidas entre
1839 e 1863.
F. C. Raben – uma carta enviada em 1836, e duas cartas recebidas entre 1835 e 1836.
C. C. Rafn – 15 cartas enviadas entre 1838 e 1848, e 16 recebidas entre 1833 e 1862.
J. F. Schouw – sete cartas enviadas entre 1826 e 1839, e cinco cartas recebidas entre
1827 e 1839.
H. C. Ørsted– duas cartas enviadas em 1836, e uma recebida em 1835.
5) O relacionamento com o livreiro Garnier, no Rio de Janeiro, preservado através de 10
cartas enviadas entre 1851 e 1855, e seis recebidas entre 1850 e 1855.

369

6) A correspondência trocada com sua mãe Marine Magdalene Lund, que pode ser passada
em revista através de 20 cartas enviadas por Lund entre 1825 e 1828.
7) a relação com a sobrinha e biógrafa Henriette Lund, através de nove cartas enviadas
entre 1853 e 1871, ou das cartas trocadas com os sobrinhos Ole Henrik (6 cartas trocadas),
Michael e Troels Lund (13 cartas trocadas), ou ainda com o primo Peter Christian
Kierkegaard (8 cartas trocadas).

Como se vê, este é um trabalho para os próximos anos. Espero sinceramente que seja
uma tarefa tanto minha quanto de outros pesquisadores que se interessem pela vida de Peter
Lund e decidam estudá-la, vencendo o desafio do idioma dinamarquês e do alfabeto gótico.
É para estes futuros colegas que anexei no final deste trabalho a lista completa das cartas
enviadas e recebidas pelo naturalista, que continuam arquivadas na Biblioteca Real de
Copenhagen. Após a defesa deste trabalho, cópias dos dez CDs que utilizei, contendo o
conjunto da correspondência de Lund na forma de milhares de arquivos digitais, serão
depositados no Laboratório de Estudos Evolutivos Humanos do Instituto de Biociências da
USP. Assim, após 127 anos esta preciosa documentação voltará definitivamente – pelo
menos em formato digital – ao País, de onde ela nunca deveria ter saído.

370

Referências Manuscritas

CHRISTIAN VIII. Carta para Peter Wilhelm Lund, Lagoa Santa. København: Det
Kongelige Bibliotek, NKS 3261. 11/04/1846.
LUND, P. W. Carta para João Roiz d’Aguilar, Lagoa Santa. København: Det Kongelige
Bibliotek, NKS 2677. 04/11/1835.
LUND, P. W. Carta para Alexander von Humboldt, Lagoa Santa. København: Det
Kongelige Bibliotek, NKS 2677. 28/11/1837.
LUND, P. W. Carta para Raimundo José de Cunha Mattos, Rio de Janeiro.
København, Det Kongelige Bibliotek, NKS 2677. 21/01/1839.
LUND, P. W. Carta para Januário da Cunha Barboza, Rio de Janeiro. København: Det
Kongelige Bibliotek, NKS 2677. 10/11/1839.
LUND, P. W. Carta para Sebastião da Rocha Brandão, Lagoa Santa. København: Det
Kongelige Bibliotek, NKS 2677. 09/02/1840.
LUND, P. W. Carta para Januário da Cunha Barboza, Rio de Janeiro. København: Det
Kongelige Bibliotek, NKS 2677. 19/02/1840.
LUND, P. W. Carta para Carl Christian Rafn, København. København: Det Kongelige
Bibliotek, NKS 2677. 19/02/1840.
LUND, P. W. Carta para Francisco Wizner de Morgenstern, Lagoa Santa. København:
Det Kongelige Bibliotek, NKS 2677. 11/03/1840.
LUND, P. W. Carta para Sebastião da Rocha Brandão, Lagoa Santa. København: Det
Kongelige Bibliotek, NKS 2677. 27/03/1841.
LUND, P. W. Carta para Francisco Wizner de Morgenstern, Lagoa Santa. København:
Det Kongelige Bibliotek, NKS 2677. 10/04/1841.
LUND, P. W. Carta para Quintiliano José da Silva, Ouro Preto. København: Det
Kongelige Bibliotek, NKS 2677. 17/04/1841.
LUND, P. W. Carta para Johannes Christopher Hagemann Reinhardt, København.
København: Det Kongelige Bibliotek, NKS 2838. 29/11/1841.
LUND, P. W. Carta para Januário da Cunha Barboza, Rio de Janeiro. København: Det
Kongelige Bibliotek, NKS 2677. 18/01/1842.

371

LUND, P. W. Carta para Quintiliano José da Silva, Ouro Preto. København: Det
Kongelige Bibliotek, NKS 2677. 17/01/1842.
LUND, P. W. Carta para Quintiliano José da Silva, Ouro Preto. København: Det
Kongelige Bibliotek, NKS 2677. 28/02/1842.
LUND, P. W. Carta para Quintiliano José da Silva, Ouro Preto. København: Det
Kongelige Bibliotek, NKS 2677. 16/09/1842.
LUND, P. W. Carta para Sebastião da Rocha Brandão, Lagoa Santa. København: Det
Kongelige Bibliotek, NKS 2677. 19/09/1842.
LUND, P. W. Carta para Quintiliano José da Silva, Ouro Preto. København: Det
Kongelige Bibliotek, NKS 2677. 20/09/1842.
LUND, P. W. Carta para Johannes Christopher Hagemann Reinhardt, København.
København: Det Kongelige Bibliotek, NKS 2838. 14/01/1843.
LUND, P. W. Carta para Sebastião da Rocha Brandão, Lagoa Santa. København: Det
Kongelige Bibliotek, NKS 2677. 21/03/1843.
LUND, P. W. Carta para Quintiliano José da Silva, Ouro Preto. København: Det
Kongelige Bibliotek, NKS 2677. 15/04/1843.
LUND, P. W. Carta para Sebastião da Rocha Brandão, Lagoa Santa. København: Det
Kongelige Bibliotek, NKS 2677. 16/04/1843.
LUND, P. W. Carta para Sebastião da Rocha Brandão, Lagoa Santa. København: Det
Kongelige Bibliotek, NKS 2677. 05/06/1843.
LUND, P. W. Carta para Quintiliano José da Silva, Ouro Preto. København: Det
Kongelige Bibliotek, NKS 2677. 10/11/1843.
LUND, P. W. Carta para Johannes Christopher Hagemann Reinhardt, København.
København: Det Kongelige Bibliotek, NKS 2838. 16/11/1843.
LUND, P. W. Carta para Quintiliano José da Silva, Ouro Preto. København: Det
Kongelige Bibliotek, NKS 2677. 22/02/1844.
LUND, P. W. Carta para Johannes Christopher Hagemann Reinhardt, København.
København: Det Kongelige Bibliotek, NKS 2838. 26/04/1844.
LUND, P. W. Katalog over Professor Dr. P. W. Lund Palaeontologiske Samling.
Zoological Museum of the University of Copenhagen Archives. Manuscrito não
publicado, 1845.

372

LUND, P. W. Carta para Quintiliano José da Silva, Ouro Preto. København: Det
Kongelige Bibliotek, NKS 2677. 09/01/1845.
LUND, P. W. Carta para o Rei Christian VIII, København. København: Det Kongelige
Bibliotek, NKS 2677. 10/01/1845.
LUND, P. W. Carta para Johannes Christopher Hagemann Reinhardt, København.
København: Det Kongelige Bibliotek, NKS 2838. 10/01/1845.
LUND, P. W. Carta para Quintiliano José da Silva, Ouro Preto. København: Det
Kongelige Bibliotek, NKS 2677. 1o/02/1845.
LUND, P. W. Carta para Quintiliano José da Silva, Ouro Preto. København: Det
Kongelige Bibliotek, NKS 2677. 20/03/1845.
LUND, P. W. Carta para João Evangelista Amado, Lagoa Santa. København: Det
Kongelige Bibliotek, NKS 2677. 31/03/1845.
LUND, P. W. Carta para Quintiliano José da Silva, Ouro Preto. København: Det
Kongelige Bibliotek, NKS 2677. 10/06/1845.
LUND, P. W. Carta para Manuel Ferreira Lagos, Rio de Janeiro. København: Det
Kongelige Bibliotek, NKS 2677. 28/06/1845.
LUND, P. W. Carta para João Evangelista Amado, Lagoa Santa. København: Det
Kongelige Bibliotek, NKS 2677. 10/07/1845.
LUND, P. W. Carta para Januário da Cunha Barboza, Rio de Janeiro. København: Det
Kongelige Bibliotek, NKS 2677. 11/10/1845.
LUND, P. W. Carta para Saturnino de Souza e Oliveira, Rio de Janeiro. København:
Det Kongelige Bibliotek, NKS 2677. 9/02/1846.
LUND, P. W. Carta para Manoel Rodrigues Lima, Sabará. København: Det Kongelige
Bibliotek, NKS 2677. 15/07/1846.
LUND, P. W. Carta para Manoel Rodrigues Lima, Sabará. København: Det Kongelige
Bibliotek, NKS 2677. 21/07/1846.
LUND, P. W. Carta para Manoel Rodrigues Lima, Sabará. København: Det Kongelige
Bibliotek, NKS 2677. Sem data (07/1846).
LUND, P. W. Carta para o Rei Christian VIII, København. København: Det Kongelige
Bibliotek, NKS 2677. 08/08/1846.

373

LUND, P. W. Carta para Sebastião da Rocha Brandão, Lagoa Santa. København: Det
Kongelige Bibliotek, NKS 2677. 20/08/1846.
LUND, P. W. Carta para I. C. Buckwald, Morro Velho. København: Det Kongelige
Bibliotek, NKS 2677. 08/04/1850.
LUND, P. W. Carta para Jozé Lopes da Silva Vianna, Ouro Preto. København: Det
Kongelige Bibliotek, NKS 2677. 15/12/1853.
LUND, P. W. Carta para Jozé Marciano Gomes Baptista, Ouro Preto. København: Det
Kongelige Bibliotek, NKS 2677. 15/12/1853.
LUND, P. W. Carta para Louis Agassiz, Rio de Janeiro. Cambridge: Houghton Library,
Harvard University. 31/05/1865.
LUND, P. W. Disposições testamentárias. Petrópolis: Arquivo Histórico do Museu
Imperial. Maço 186, doc. 8454. 12/02/1875, 23/02/1876, 02/03/1876, 06/03/1878,
19/03/1878, 14/08/1879.
LUND, P. W. Carta para Eugen Warming, København. København: Københavns
Universitet, Botanisk Centralbibliotek. 07/07/1877.
LUND, P. W. Carta para Eugen Warming, København. København: Københavns
Universitet, Botanisk Centralbibliotek. 28/03/1880.
MORGENSTERN, F. W. de. Carta para Peter Wilhelm Lund, Lagoa Santa.
København: Det Kongelige Bibliotek, NKS 3261. 16/07/1839.
MORGENSTERN, F. W. de. Carta para Pierre Guillaume Lund, Lagoa Santa.
København: Det Kongelige Bibliotek, NKS 3261. 25/02/1840.
MORGENSTERN, F. W. de. Carta para Peter Wilhelm Lund, Lagoa Santa.
København: Det Kongelige Bibliotek, NKS 3261. 08/01/1841.
REINHARDT, J. Le Naturaliste Peter Wilhelm Lund. Sa vie et son oeuvre. Petrópolis:
Arquivo Histórico do Museu Imperial. Maço 188, doc. 8550. 1882.
SANTOS, N. C. dos. Carta para J. T. Reinhardt, København. København: Det
Kongelige Bibliotek, NKS 2838. 27/05/1880.
SANTOS, N. C. dos. Carta para J. T. Reinhardt, København. København: Det
Kongelige Bibliotek, NKS 2838. 11/09/1880.
SANTOS, N. C. dos. Carta para Troels-Lund, København. København: Det Kongelige
Bibliotek, NKS 2838. 13/09/1880.

374

SANTOS, N. C. dos. Biographia. Petrópolis: Arquivo Histórico do Museu Imperial. Maço
23, doc.858. Sem data.
VIERA, M. S. Escritura de Sociedade que entre si fazem Francisco Wizner de
Morgenstern, e Martiniano Pereira de Castro relativamente a terra de
Papafarinha. (anexa à carta de F. W. de Morgenstern a P. W. Lund, de 25/02/1840).
København: Det Kongelige Bibliotek, NKS 3261. 22/02/1840.

375

376

Referências Bibliográficas
APPEL, T. A. The Cuvier-Geoffroy Debate: French Biology in the decades before
Darwin. 1st.ed. Oxford: Oxford University Press, 1987.
ARAÚJO, A. G. M.; NEVES, W. A.; PILÓ, L. B. Paleoindian Subsistence and Technology
in Central Brazil: Results from new excavations at Boleiras rockshelter, Lagoa Santa.
Current Research in the Pleistocene, n.19, p.4-6, 2002.
AULER, A. S. Peter Wilhelm Lund e sua Visão das Cavernas. O Carste, Belo Horizonte,
v.14, n.1, p.24-31, jan. 2002.
BARBOSA RODRIGUES, J. Sertum Palmarum brasiliensium - Relation des palmiers
nouveaux du Brésil: découverts, décrits et dessiné d’après nature.Bruxelles,
1872/1875.
BARDET, N.; JAGT, J. W. M. Mosasaurus hoffmani, le “Grand animal fossile des
Carrieres de Maestrichtâ€: deux siècles d’histoire. Bulletin de Museum d’Histoire
Naturelle, Paris, n.4, p.569-593, 1996.
BERBERT-BORN, M. Carste de Lagoa Santa. In: SCHOBBENHAUS, C.; CAMPOS, D.
A.; QUEIROZ; E. T.; WINGE, M.; BERBERT-BORN, M. (eds.) Sítios Geológicos e
Paleontológicos do Brasil. 2000. Disponível em: <
www.unb.br/ig/sigep/sitio015/sitio015.htm >. Acesso em: jul. 2006.
BLAINVILLE, H. M. D. de. Ostéographie ou description iconographique comparée du
squelette et du système dentaires des mammifères récents ou fossiles pour servir
de base a Zoologie et a la Géologie. Paris, 1839-1864.
BLUM, M.; NEVES, W. A. O “Modelo dos dois Componentes Biológicos Principaisâ€: Sua
inserção nos eventos expansionistas do final do Pleistoceno e suas implicações para a
origem do Homo sapiens. O Carste, Belo Horizonte, v.14, n.1, p.42-49, jan. 2002.
BLUMENBACH, J. F. De generis humani varietate native liber, 3rd. ed., 1795.
BLUMENBACH, J. F. Systema Naturæ: Regnum Animale, 3rd. ed., 1758.
BONNET, C. La Palingénésie Philosophique, ou Idées sur l’état passé et sur l’état
futur des êtres vivants: ouvrage destiné à servir de supplément aux derniers
écrits de l’auteur et qui contient principalement le précis de ses recherches sur le
christianisme. 1769. Disponível em <

377

http://home.tiscalinet.ch/biografien/sources/bonnet_palingenesie.htm >. Acesso em:
jul. 2006.
BOWLER, P. J. Evolution: The History of an Idea. 3rd.ed., Berkeley: University of
California Press, 2003.
BRICKA, C. F. Dansk Biografisk Lexikon, tillige omfattende Norge for Tidsrummet
1537-1814. Kjøbenhavn: Gyldendalske Boghandels Forlag (F. Hegel & Søn). 18871905. Disponível em < http://runeberg.org/dbl >. Acesso em: ago. 2006.
BUCKLAND, W. Reliquiae Diluvianae, or, Observations on the Organic Remains
attesting the Action of a Universal Deluge. 1st.ed., London: John Murray, 1823.
BUFFON. G.-L. L. de. Histoire Naturelle, générale et particulière, avec la description
du Cabinet du Roi. Paris: Imprimerie Royale, 1749-1804.
BUFFON. G.-L. L. de. Les Époques de la Nature. Paris: Imprimerie Royale, 1778.
BUNBURY, C. J. F. Viagem de um Naturalista Inglês ao Rio de Janeiro e Minas
Gerais: 1833-1835. Belo Horizonte: Itatiaia / São Paulo: Edusp, 1981.
BURMEISTER, H. Viagem ao Brasil através das Províncias do Rio de Janeiro e Minas
Gerais. São Paulo: Martins Editora, 1952.
BURTON, R. F. Viagens aos Planaltos do Brasil. São Paulo: Ed. Nacional, 1983.
BURTON, R. F. Viagem do Rio de Janeiro a Morro Velho. Brasília: Senado Federal,
2001.
BURTON, R. F. Viagem de Canoa de Sabará ao Oceano Atlântico. Belo Horizonte:
Itatiaia / São Paulo: Edusp, 1977.
BUSH, M. B.; SILMAN, M. R.; DE TOLEDO; M. B.; LISTOPAD, C.; GOSLING, W. D.;
WILLIAMS, C.; DE OLIVEIRA, P. E.; KRISEL, C. Holocene fire and occupation in
Amazonia: records from two lake districts. Philosophical Transactions of the Royal
Society B: Biological Sciences, London, v. 362, n. 1478, p.209-218, 2007.
CALLARI, C. R. Os Institutos Históricos: do Patronato de D. Pedro II à construção do
Tiradentes. Revista Brasileira de História, São Paulo, v.21, n.40, p.59-83, 2001.
CAMPER, P. Conjectures relative to the petrifications found in St. Peters Mountain near
Maastricht. Philos. Trans. Roy. Soc. London, v.76, p.443-456, 1796.
CARTELLE, C. Tempo Passado - Mamíferos do Pleistoceno em Minas Gerais. 1.ed.,
Belo Horizonte: Editora Palco, 1994.

378

CARTELLE, C. Pleistocene Mammals of the Cerrado and Caatinga of Brazil. In:
EISENBERG, J. F.; REDFORD, K. H. (eds.) Mammals of the Neotropics: The
Central Neotropics: Ecuador, Peru, Bolivia, Brazil. 1st.ed., Chicago: University of
Chicago Press. 1999, p.27-45.
CARTELLE, C. Peter W. Lund, a naturalist of several sciences. Lundiana, Belo
Horizonte, v.3, n.2, p.83. 2002. Disponível em: <
www.icb.ufmg.br/~lundiana/Contents/full/vol322002/invited.pdf >. Acesso em: jul.
2006.
CASTELNAU, F. Expedição às Regiões Centrais da América do Sul. Belo Gorizonte:
Itatiaia, 2000.
CATHOUD, A. Raça da Lagoa Santa e o Pleistoceno Americano. 1.ed., Bello Horizonte:
Biblioteca Mineira de Cultura, 1935.
CAVALCANTI, A. Dr. Lund e sua Influência sobre Lagoa Santa. 1 ed., Belo Horizonte:
Edições Academus, 1964.
CLAUSEN, P. Notes Géologiques sur la Province de Minas Geraes au Brésil. Bulletin de
la Academie Royale de Bruxelles, n.8, p.322-344, 1841.
COONEY. J. W. 2004. The Many Faces of El Supremo: Historians, History, and Dr.
Francia. History Compass, Sep. 2004.
COSTA, A. Ainda sobre Lund e a Lagoa Santa. Anais do Museu Histórico Nacional, Rio
de Janeiro, v.1, p.43-49, 1940.
COSTA, A. L. M. C da. As reencarnações da moeda brasileira. Sem data. Disponível
em: < http://antonioluizcosta.sites.uol.com.br/moeda_brasil.htm >. Acesso em: ago.
2006.
CPRM. Mapa de grutas com registro paleontológico da APA Carste de Lagoa SantaMG. CPRM – Serviço Geológico do Brasil.
CUTLER, A. The Seashell on the Mountaintop: A story of science, sainthood, and the
humble genius who discovered a new history of the Earth. 1st.ed., New York:
Dutton, 2003.
CUVIER, G. Notice sur le squelette d’une très-grande espèce de quadrupède onconnue
jusqu’à présent, trouvé au Paraguay, et déposé au cabinet d’historie naturelle de
Madrid, redigée par G. Cuvier. Magasin encyclopédique, Paris, 2éme année, n.1,
p:303-310, 1796.

379

CUVIER, G. Mémoire sur les épèces d’elephants tant vivantes que fossils, lu à la séance
publique de l’Institut National le 15 germinal, an IV. Magasin encyclopédique,
Paris, 2éme année, n.3, p:440-44. 1796.
CUVIER, G. Sur le squelette fossile d’un reptile volant des environs d’Aichstedt, que
quelques naturalistes ont pris pour un oiseau, et dont nous formons un genre de
sauriens, sous le nom de Petro-Dactyle. Annales du Muséum d’Histoire Naturelle,
Paris, v.13, p.424-437, 1809.
CUVIER, G. Discours sur les Révolutions de la Surface du Globe,
et sur les Changemens qu’elles ont Produits dans le Règne Animal. 3me.éd., Paris,
1825.
CUVIER, G. Recherches sur les Ossemens fossiles de Quadrupèdes: où l’on rétablit les
charactères de plusieurs animaux dont les révolutions du globe ont détruit les
espèces. 1re.éd., Paris: Deterville, 1812.
DANTES, M. A. M. Institutos de Pesquisa Científica no Brasil. In: FERRI, M. G.;
MOTOYAMA, S. (Org,). História das Ciências no Brasil. v.2, 1.ed. São Paulo:
EPU, 1980. p.341-380.
DARWIN, C. A Sketch of the Deposits Containing Extinct Mammalia in the
Neighbourhood of the Plata. Proceedings of the Geological Society of London. v.2,
n.51, p.542-544, 1837.
DARWIN, C. R. (ed.). Fossil Mammalia Part 1 No. 3 of The zoology of the voyage of
H.M.S. Beagle. 1st ed. London: Smith Elder and Co. 1839
DARWIN, C. The Origin of Species by Means of Natural Selection. 6rd.ed., London:
John Murray, 1872.
DARWIN, C. The Descent of Man and Selection in Relation to Sex. 2nd.ed., London:
John Murray, 1882.
DARWIN, C. The Geology of the Voyage of H. M. S. Beagle. Part III: Geological
observations on South America. 1st.ed., London: Ward Lock & Co, 1910.

380

DARWIN, C. Journal of Researches into the Natural History and Geology of the
Countries Visited During the Voyage Round the World of H.M.S. Beagle.
11st.ed., London: John Murray, 1913.
DARWIN, C. The Correspondence of Charles Darwin, 1844-1846, v.3. 1st.ed.,
Cambridge: Cambridge University Press, p.195, 1988.
DEGERBØL, M. P.V. Lund og Sydamerikas uddøde Dyreverden. Dyr I Natur og
Museum, Aarbog for Universitetes Zoologiske Museum, p.111-134, 1944-1945.
DIDEROT, D.; D’Alembert, J. (Orgs.). Encyclopédie ou Dictionnaire raisonné des
sciences, des arts et des métiers, par une Société de Gens de lettres. Genebra:
Pellet, 1728.
ESCUDÉ, C,; CISNEROS, A. Historia de las Relaciones Exteriores Argentinas. 2000.
Disponível em: < http://www.cema.edu.ar/ceieg/arg-rree/4/4-048.htm >). Acesso em:
jul. 2006.
EVANS, C. A Report on Recent Archaeological Investigations in the Lagoa Santa Region
of Minas Gerais. American Antiquity, Washington, v.15, p.341-343, 1950.
FAUL, C.; FAUL, H. It Began with a Stone: A history of Geology from the stone age to
the age of plate tectonics. 1st.ed., New York: John Wiley & Sons, Inc, 1983.
FERIGOLO, J. Paleopatologia Comparada de Vertebrados - Homem de Lagoa Santa,
Homem do sambaqui de Cabeçuda e mamíferos pleistocênicos. Tese (Doutorado
em Arqueologia). UFRGS, 1987.
FERRAZ, M. H. M. A Produção do Salitre no Brasil Colonial. Química Nova, São Paulo,
v.23, n.6, p.845-850, 2000.
FERREIRA, L. M. Ciência nômade: o IHGB e as viagens científicas no Brasil imperial.
História, Ciências, Saúde-Manguinhos, Rio de Janeiro, v.13, n.2, Apr./June 2006.
FERRI, M. G. História da Botânica no Brasil. In: FERRI, M. G.; MOTOYAMA, S. (Org.)
História das Ciências no Brasil. v.2, 1.ed. São Paulo: EPU. 1980. p.33-88.
FERRI, M. G. 1980. História da Ecologia no Brasil. In: FERRI, M. G.; MOTOYAMA, S.
(Org,). História das Ciências no Brasil. v.2, 1.ed. São Paulo: EPU, 1980. p.307-341.
FOUCAULT, M. As Palavras e as Coisas – Uma arqueologia das ciências sociais. 8.ed.,
São Paulo: Martins Fontes, 2002.

381

GARFF, J. Søren Kierkegaard: A biography. 1st.ed., Princeton: Princeton University
Press, 2005.
GOODRUM, M. R. “The Meaning of ‘Ceraunia’: Archaeology, Natural History, and the
interpretation of prehistoric stone artifacts in the eighteenth century.†British Journal
for the History of Science, Hampshire, v.35, n.3, p: 255-269, set.2002.
GOODRUM, M. R. Prolegomenon to a History of Paleoanthropology: The study of human
origins as a scientific enterprise. Part 1. Antiquity to the eighteenth century.
Evolutionary Anthropology, Stony Brook, v.13, n.5, p.172-180, 2004.
GOODRUM, M. R. Prolegomenon to a History of Paleoanthropology: The study of human
origins as a scientific enterprise. Part 2. Eighteenth to the twentieth century.
Evolutionary Anthropology, Stony Brook, v.13, n.6, p.224-233, 2004.
GORCEIX, H. Lund e suas Obras no Brasil. Annaes da Escola de Minas de Ouro Preto,
Rio de Janeiro, v.3, p.3-45, 1884.
GUIMARÃES, L. M. P. Uma Parceria Inesperada: Instituto Histórico e Geográfico
Brasileiro e Sociedade Real dos Antiquários do Norte. Revista do IHGB, Rio de
Janeiro, v.155, n.384, p.599-511, 1994.
GUIMARÃES, L. M. P. Um olhar sobre o continente: O Instituto Histórico e Geográfico
Brasileiro e o Congresso Internacional de História da América. Estudos Históricos,
Rio de Janeiro. n.20, p:27, 1997.
GUIMARÃES, L. M. P. Memórias partilhadas: os relatos dos viajantes oitocentistas e a
idéia de “civilização do cacauâ€. História, Ciências, Saúde — Manguinhos, Rio de
Janeiro, v.8 (sup.), p:1059-70, 2001.
GUIMARÃES, M. L. S. Nação e Civilização nos Trópicos: O Instituto Histórico e
Geográfico Brasileiro e o projeto de uma história nacional. Estudos Históricos, Rio
de Janeiro. n.1, p:5-27, 1988.
HANSEN, S. Lagoa Santa Racen: En anthropologisk undersogelse af jordfundne
menneskelevninger fra brasilianske huler. In: LÃœTKEN, C. F. (ed.) E Museo Lundii,
København, 1.ed., v.5, p.1-37, 1888.
HATTING, T. Den danske zoolog P. W. Lund og hans udforskning af Brasiliens
knoglehuler. Naturens Verden, København, p.179-196, 1980.

382

HAYNES, G. Mammoths, Mastodons, & Elephants – Biology, behaviour, and the
fossil record. 2nd.ed. Cambridge: Cambridge University Press, 1993.
HECKENBERGER, M. J. Amazonia 1492: Pristine Forest or cultural parkland? Science,
Washington, v.301, p.1710-1714, 2003.
HECKENBERGER, M. J.; PETERSEN, J. B.; NEVES. Village permanence in Amazonia:
two archaeological examples from Brazil. Latin American Antiquity, Washington,
v.10, n.4, p.353-376, 1999.
HECKENBERGER, M. J.; RUSSELL, J. C.; TONEY, J. R., SCHIDT, M. J. The legacy of
cultural landscapes in the Brazilian Amazon: implications for biodiversity.
Philosophical Transactions of the Royal Society B: Biological Sciences, London,
v.362, n. 1478, p.197-208, 2007.
HOLTEN, B. To recall to Life an unexpected Treasury – Letters by Peter Lund (sem
data)
HOLTEN, B. Documentos para a História de uma Vida. O Carste, Belo Horizonte, v.14,
n.1, p.60-63, jan. 2002.
HOLTEN, B.; GUIMARÃES, L. M. P. Desfazendo as ilusões: o Dr. Lund e a suposta
presença escandinava na Terra de Santa Cruz. Locus, Revista de História, Juiz de
Fora, v. 3, n.1, p.32-44. 1997.
HOLTEN, B.; STERLL, M. Dr. Lunds kranier i Knokkelhulerne - et glemt kapitel i det
sydamerikanske menneskes historie. 1066, København, v.27, n.2, p.14-24, 1997.
HOLTEN, B.; STERLL, M. Uma Carta Reencontrada - Relatório conclusivo das
escavações em Lagoa Santa pelo naturalista P. W. Lund. Revista do Instituto
Histórico e Geográfico Brasileiro, Rio de Janeiro, v.160, n.404, p.279-536, 1999.
HOLTEN, B.; STERLL, M. The Danish Naturalist Peter Wilhelm Lund (1801-80):
Research on early man in Minas Gerais. Luso-Brazilian Review, Madison, v.37, n.1,
p.33-46, 2000.
HOLTEN, B.; STERLL, M. Hulemanden. Skalk, København, n.3, p.20-26, 2002.
HOLTEN, B.; STERLL, M.; FJELDSÃ…, J. Den Forsvundne Maler - P. W. Lund og P. A.
Brandt i Brasilien. 1.ed., København: Museum Tusculanums Forlag, 2003.
HOLTEN, B.; STERLL, M. Eugenius Warming: As aventuras de um estudante
dinamarquês. In: GOMES, M. C. A. (org.) A Canção das Palmeiras – Eugenius

383

Warming, um jovem botânico no Brasil, 1.ed., Belo Horizonte: Fundação João
Pinheiro, 2006.
HOOKE, R. Discourse of Earthquakes and Subterraneous Eruptions, London, 1st. ed.,
1701.
HURT, W. R.; BIASI, O. O Projeto Arqueológico “Lagoa Santa†- Minas Gerais, Brasil.
Arquivos do Museu Paranaense - Nova Série Arqueologia, Curitiba, n.4, p.1-60,
1969.
IDES, E. Y. Driejaarige reize naar China, te lande gedaan door den Moskovischen
afgezant. Amsterdam: François Halma, 1704.
IMBELLONI, J. De historia primitiva de América. Los grupos raciales aborígenes.
Facultad de Historia y Letras, Serie Historia de América, Buenos Aires, v.1, p.71-88,
1957.
JUSSIEU, A. de. De l’origine et des usages de la pierre de foudre. Paris: Mémoire de
L’Académie Royale, v. 6-9, 1723.
KIERKEGAARD, S. Efterladte Papirer. 1833-1855. Kjøbenhavn. C.A. Reitzels Forlag.
1869-1881.
KLEIN, A. L. (org.). Eugen Warming e o Cerrado Brasileiro: um século depois. 1.ed.,
São Paulo: Ed. Unesp, 2002.
KURY, L. Viajantes-naturalistas no Brasil oitocentista: experiência, relato e imagem.
História, Ciências, Saúde – Manguinhos, Rio de Janeiro, v.8, p.863-880, 2001.
KURY, L. Homens da ciência no Brasil: Impérios coloniais e circulação de informações
(1780-1810). História, Ciências, Saúde – Manguinhos, Rio de Janeiro, v.11, n.1,
p.109-129, 2004.
LACERDA FILHO; PEIXOTO, R. Contribuições para o estudo anthropológico das raças
indígenas do Brazil. Arquivos do Museu Nacional do Rio de Janeiro, Rio de
Janeiro, v.1, p.47-79, 1876.
LAMARCK, J. B. de M. Philosophie zoologique, ou exposition des considérations
relatives à l’histoire naturelle des animaux; à la diversité de leur organisation et
des facultés qu’ils on obtiennent; aux causes physiques qui maintiennent en eux
la vie et donnent lieu aux mouvemens qu’ils exécutent; enfin, à celles qui

384

produisent les unes le sentiment et les autres l’intelligence de ceux qui en sont
doués. Paris: Dentu, 1809.
LAMING-EMPERAIRE, A. et al. Grottes & Abris de la Région de Lagoa Santa, Minas
Gerais, Brésil - Prémier rapport de la mission archéologique franco-brésilienne de
Lagoa Santa. Cahiers d’Archéologie d’Amérique du Sud, Paris, 1975.
LAMING-EMPERAIRE, A. Missions Archéologiques Franco-Brésilliennes de Lagoa
Santa, Minas Gerais, Brésil: Le grand abri de Lapa Vermelha [P.L.]. Revista de Préhistória, São Paulo, v.1, n.1, p.53-89, 1979.
LANGGAARD, T. J. H. O Naturalista Dr. Lund (Peter Wilhelm). Sua vida e seus
trabalhos. 1.ed., Rio de Janeiro: Typographia Universal H. Laemmert, 1883.
LEITE, Y. L. R.; COSTA, L. P. Peter Wilhelm Lund e a Fauna de Mamíferos do vale do
rio das Velhas. O Carste, Belo Horizonte, v.14, n.1, p.32-40, jan. 2002.
LINNÉ, C. von. Philosophie botanique, 1788.
LÖFGREN, A. Manual das Famílias Naturaes Phanerogamas: Com chaves
dichotomicas das famílias e dos gêneros brasileiros. Rio de Janeiro: Imprensa
Nacional, 1917.
LOPES, M. M. O Brasil Descobre a Pesquisa Científica – Os museus e as ciências
naturais no século XIX. 1.ed., São Paulo: Hucitec. 1995.
LUND, E. P. W. Lund e sua Família. O Carste, Belo Horizonte, v.14, n.1, p.8-11, jan.
2002.
LUND, H. Naturforskeren Peter Wilhelm Lund: En biografisk skizze. 1.ed.,
København: C.A. Reitzels Forlag, 1885.
LUND, P. W. Physiologische Resultate der Vivisectionen neuerer Zeit: eine von der
Kopenhagener Universität gekrönte Preisschrift. 1.ed., Kjøbenhavn, 1825.
LUND, P. W. De genere Euphones, præsertim de singulari canalis intestinalis
structura in hoece avium genere. 1.ed. Kjøbenhavn: Hauniæ, 1829.
LUND, P. W. Lettre sur les habitudes de quelques fourmis du Brésil, adressée à M.
Audouin. Annales des Sciences Naturelles, Paris, n.23, p.113–138, 1831.
LUND, P. W. Om Udviklingsfølgerne i Dyreriget. Maanedskrift for Litteratur,
Kjøbenhavn, v.6, p.308-356, 1831; publicado em separado por Fabricius de
Tengnagel, 1831.

385

LUND, P. W. Bemærkninger over Vegetationen paa de indre Højsletter af Brasilien især i
plante-historisk Henseende. Det Kongelige Danske Videnskabernes Selskabs
Naturvidenskabelige og Mathematiske Afhandlinger, Kjøbenhavn, 1835.
LUND, P. W. Om Huler i Kalksten i det indre Brasilien, som tildels indeholde fossile
Knogler. Første Afhandling. Det Kongelige Danske Videnskabernes Selskabs
Naturvidenskabelige og Mathematiske Afhandlinger, Kjøbenhavn, v.6, p.207-249,
1836.
LUND, Om Huler i Kalksten i det indre Brasilien, som tildels indeholde fossile Knogler.
Anden Afhandling. Lapa da Cêrca Grande. Forelæst d. 2de. Decbr. 1836. Det
Kongelige Danske Videnskabernes Selskabs Naturvidenskabelige og
Mathematiske Afhandlinger, Kjøbenhavn, v.6, p.307-332, 1837.
LUND, P. W. Bemærkninger over de almindelige Vej- og Ukrudtsplanter i Brasilien.
Naturhistorisk Tidsskrift, Kjøbenhavn, 1838.
LUND, P. W. Blyk paa Brasiliens Dyreverden før den Sidste Jordomvaeltning. Første
Afhandling: Indledning. Lagoa Santa, d. 14de. Febr. 1837. Det Kongelige Danske
Videnskabernes Selskabs Naturvidenskabelige og Mathematiske Afhandlinger,
Kjøbenhavn, v.8, p.25-27, 1838.
LUND, P. W. Rettelser og Tillæg til Dr. Lunds tre første Afhandlinger i Videnskabernes
Selskabs Naturvidenskabelige og Mathematiske Afhandlinger. Det Kongelige
Danske Videnskabernes Selskabs Naturvidenskabelige og Mathematiske
Afhandlinger, Kjøbenhavn, v.8, p.58-60, 1838.
LUND, P. W. Coup d’oeil sur les espèces éteintes de Mammifères du Brésil, extrait de
quaelques mémoires présentés à l’Académie Royale des Sciences de Copenhage.
Annales des Sciences Naturelles, Paris, 2e. série, Zoologie, v.11, p.214-234, 1839a.
LUND, P. W. Nouvelles observations sur la faune fossile du Brésil, extraits d’une lettre
adressée aux rédacteurs par M. Lund. Annales des Sciences Naturelles, Paris, 2e.
série, Zoologie, v.12, p.205-208, 1839b.
LUND, P. W. Blyk paa Brasiliens Dyreverden før den Sidste Jordomvaeltning. Anden
Afhandling: Pattedyrene. Lagoa Santa, d. 16d. Novbr. 1837. Det Kongelige Danske
Videnskabernes Selskabs Naturvidenskabelige og Mathematiske Afhandlinger,
Kjøbenhavn, v.8, p.61-144, 1839c.

386

LUND, P. W. Blyk paa Brasiliens Dyreverden før den Sidste Jordomvaeltning. Tredie
Afhandling: Fortsættelse af Pattedyrene. Lagoa Santa, d. 12de. Septbr. 1838. Det
Kongelige Danske Videnskabernes Selskabs Naturvidenskabelige og
Mathematiske Afhandlinger, Kjøbenhavn, v.8, p.217-272, 1840.
LUND, P. W. Tillæg til de to Sidste Afhandlinger over Brasiliens Dyreverden før den
Sidste Jordomvaeltning. Lagoa Santa, den 4de. April 1839. Det Kongelige Danske
Videnskabernes Selskabs Naturvidenskabelige og Mathematiske Afhandlinger,
Kjøbenhavn, v.8, p.273-296, 1840.
LUND, P. W. Nouvelles Recherches sur la faune fossile du Brésil (Extraits d’une letter
addressee aux rédacteurs, et date de Lagoa Santa, 1er. Avril 1840. Annales des
Sciences Naturelles, Paris, 2e. série, Zoologie, v.8, p.310-319, 1840.
LUND, P. W. Carta Escripta de Lagôa Santa ao Senhor Primeiro Secretário do Instituto.
Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, Rio de Janeiro, n.4, p.80-87,
1842.
LUND, P. W. Fortsætte Bemærkninger over Brasiliens Uddøde Dyrskabning. Lagoa Santa
d. 27de. Marts 1840. Det Kongelige Danske Videnskabernes Selskabs
Naturvidenskabelige og Mathematiske Afhandlinger, Kjøbenhavn, v.9 p.1-16,
1842.
LUND, P. W. Blyk paa Brasiliens Dyreverden før den Sidste Jordomvaeltning. Fjerde
Afhandling: Fortsættelse af Pattedyrene. Det Kongelige Danske Videnskabernes
Selskabs Naturvidenskabelige og Mathematiske Afhandlinger, København,
Afhandlinger.9, p.137-208, 1842.
LUND, P. W. Tillæg til Dr. J. W. Lunds Blik paa Brasiliens Dyreverden før den Sidste
Jordomvaeltning. Fjerde Afhandling. Væsentlig Berigtigelse til Beskrivelsen af
Haandbygningen hos Platyonyx. Lagoa Santa, den 27de. Februar 1842. Det Kongelige
Danske Videnskabernes Selskabs Naturvidenskabelige og Mathematiske
Afhandlinger, Kjøbenhavn, 1843.
LUND, P. W. Blyk paa Brasiliens Dyreverden før den Sidste Jordomvaeltning. Femte
Afhandling: Fortsættelse af Pattedyrene. Om de nulevende og uddøde Arter af
Rovdyrenes Familie. Lagoa Santa, d 4de. October 1841. Det Kongelige Danske

387

Videnskabernes Selskabs Naturvidenskabelige og Mathematiske Afhandlinger,
Kjøbenhavn, v.11, p.1-82, 1843.
LUND, P. W. Carta Escripta de Lagôa Santa a 21 de abril de 1844. Revista do Instituto
Histórico e Geográfico Brasileiro, Rio de Janeiro, n.6, p.334-342, 1844.
LUND, P. W. Remarques sur les ossements humains fossiles trouvés dans les cavernes du
Brésil. Antikvarisk Tidsskrift 1843-1845, Kongelige Nordiske Oldskrift-Selskab,
Kjøbenhavn, 1845.
LUND, P. W. Meddlelse af Det Udbytte de i 1844 undersøgte knoglehuler Have afgivet til
hundskaben om Brasiliens Dyreverden før den Sidste Jordomvaeltning. Lagoa Santa,
d. 22de. November 1844. Det Kongelige Danske Videnskabernes Selskabs
Naturvidenskabelige og Mathematiske Afhandlinger, Kjøbenhavn, v.12 p.1-94,
1846.
LUND, P. W. Notice sur les Ossements humains fossiles, trouvés dans une caverne du
Brésil. Mémoires de la Société Royale des Antiquaires du Nord (1845-1849),
Kjøbenhavn, p.49-77, 1846.
LUND, P. W. Memórias sobre a Paleontologia Brasileira (Revistas e comentadas por
Carlos de Paula Couto). 1.ed., Rio de Janeiro: Instituto Nacional do Livro, 1950.
LUND, P. W. Cavernas existentes no calcário no interior do Brasil, contendo algumas delas
ossadas fósseis - Primeira memória. In: LUND, P. W. Memórias sôbre a
Paleontologia Brasileira, 1.ed., Rio de Janeiro: Instituto Nacional do Livro, 1950,
p.67-93.
LUND, P. W. Segunda memória sôbre as cavernas. In: LUND, P. W. Memórias sôbre a
Paleontologia Brasileira, 1.ed., Rio de Janeiro: Instituto Nacional do Livro, 1950,
p.93-106.
LUND, P. W. Segunda memória sôbre a fauna das cavernas - Mamíferos. In: LUND, P. W.
Memórias sôbre a Paleontologia Brasileira, 1.ed., Rio de Janeiro: Instituto
Nacional do Livro, 1950, p.131-206.
LUND, P. W. Terceira memória sôbre a fauna das cavernas – Continuação dos mamíferos.
In: LUND, P. W. Memórias sôbre a Paleontologia Brasileira, 1.ed., Rio de Janeiro:
Instituto Nacional do Livro, 1950, p.207-272.

388

LUND, P. W. Observações sôbre as espécies extintas de mamíferos do Brasil. In: LUND,
P. W. Memórias sôbre a Paleontologia Brasileira, 1.ed., Rio de Janeiro: Instituto
Nacional do Livro, 1950, p.251-272.
LUND, P. W. Suplemento às duas últimas memórias sôbre o reino animal no Brasil, antes
da última revolução do globo. In: LUND, P. W. Memórias sôbre a Paleontologia
Brasileira, 1.ed., Rio de Janeiro: Instituto Nacional do Livro, 1950, p.273-292.
LUND, P. W. Apêndice às observações sôbre os animais fósseis no Brasil. In: LUND, P.
W. Memórias sôbre a Paleontologia Brasileira, 1.ed., Rio de Janeiro: Instituto
Nacional do Livro, 1950, p.293-305.
LUND, P. W. Novas pesquisas sôbre a fauna fóssil do Brasil. In: LUND, P. W. Memórias
sôbre a Paleontologia Brasileira, 1.ed., Rio de Janeiro: Instituto Nacional do Livro,
1950, p.307-316.
LUND, P. W. Quarta memória sôbre a fauna das cavernas – Continuação dos mamíferos.
In: LUND, P. W. Memórias sôbre a Paleontologia Brasileira, 1.ed., Rio de Janeiro:
Instituto Nacional do Livro, 1950, p.317-377.
LUND, P. W. Quinta memória. As espécies de carnívoros atuais e fósseis nos planaltos
centrais do Brasil tropical. In: LUND, P. W. Memórias sôbre a Paleontologia
Brasileira, 1.ed., Rio de Janeiro: Instituto Nacional do Livro, 1950, p.381-456.
LUND, P. W. Sôbre a antigüidade do homem de Lagoa Santa. In: LUND, P. W. Memórias
sôbre a Paleontologia Brasileira, 1.ed., Rio de Janeiro: Instituto Nacional do Livro,
1950, p.457-463.
LUND, P. W. Notícia sôbre ossadas humanas fósseis achadas numa caverna do Brasil. In:
LUND, P. W. Memórias sobre a Paleontologia Brasileira, 1.ed., Rio de Janeiro:
Instituto Nacional do Livro, 1950, p.465-488.
LUND, P. W. Novas observações sôbre a antigüidade do homem de Lagoa Santa. In:
LUND, P. W. Memórias sôbre a Paleontologia Brasileira, 1.ed., Rio de Janeiro:
Instituto Nacional do Livro, 1950, p.489-498.
LUND, P. W. Comunicação sôbre o material das cavernas de ossadas exploradas em 1844 e
sôbre sua contribuição para o conhecimento da vida animal no Brasil antes da última
revolução do globo. In: LUND, P. W. Memórias sôbre a Paleontologia Brasileira,
1.ed., Rio de Janeiro: Instituto Nacional do Livro, 1950, p.505-535.

389

LÜTKEN, C. F. L’Exposition de Quelques-uns des Crânes et dês autres Ossements
Humains de Minas-Geraés dans le Brésil central Découvert et Déterrés par e feu
Professeur P. W. Lund. Compte-rendu Congrés Internationale des Américaniste.
Copenhage, n.3, p.40-48, 1884.
MAILLET, B. De. Telliamed ou Entretiens d’un philosophe indien avec un
missionnaire français sur la diminution de la mer, la formation de la terre,
l’origine de l’homme. Amsterdam: Chez L’honore & Fils, 1748.
MARCHESOTTI, A. P. A. Peter Wilhelm Lund (1801-1880): O naturalista, sua rede de
relações e sua obra, no seu tempo. Dissertação de Mestrado. FFCH - Universidade
Federal de Minas Gerais. 2005.
MASTERMAN, G. F. Seven eventful years in Paraguay: A narrative of personal
experience amongst the Paraguayans. 2nd ed., London: Sampson Low, Son, and
Marston, 1870.
MATTOS, A. O Sábio dr. Lund e a Prehistória Americana. 1.ed., Bello Horizonte:
Edições Apollo, 1933.
MATTOS, A. O Sábio dr. Lund e Estudos sobre a Prehistória Brasileira. 1.ed., Bello
Horizonte: Edições Apollo, 1934.
MATTOS, A. (org). Collectânea Peter Wilhelm Lund. 1.ed., Bello Horizonte: Edições
Apollo, 1934.
MATTOS, A. Peter Wilhelm Lund no Brasil - Problemas de paleontologia brasileira.
1.ed., Rio de Janeiro: Companhia Editora Nacional, 1939.
MATTOS, A. A Raça da Lagoa Santa. 1.ed., Rio de Janeiro: Companhia Editora
Nacional, 1941.
MATTOS, A. O Homem das Cavernas de Minas Gerais. 1.ed., Belo Horizonte: Itatiaia,
1961.
MELLO E ALVIM, M. C. de. Diversidade Morfológica entre os índios “Botocudos†do
Leste brasileiro (século XIX) e o “Homem de Lagoa Santaâ€. Boletim do Museu
Nacional, Nova Série, Antropologia, Rio de Janeiro, n.23, p.1-70, 1963.
MELLO E ALVIM, M. C. de. Estudo do Homem de Lagoa Santa, Minas Gerais, Brasil Morfologia do Astragalo. Boletim do Museu Nacional, Nova Série, Antropologia,
Rio de Janeiro, n.21, p.1-70, 1963.

390

MELLO E ALVIM, M. C. de. Os Antigos Habitantes da Ãrea Arqueológica de Lagoa
Santa, MG, Brasil - Estudo morfológico. Arquivos do Museu de História Natural
da Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, n.2, p.119-174, 1977.
MELLO E ALVIM, M. C. de; SOARES, M. C.; CUNHA, P. S. P. Traços não métricos
cranianos e distância biológica em grupo indígenas interioranos e do litoral do Brasil.
“Homem de Lago Santaâ€, índios Botocudos e construtores de sambaquis. Arquivos
do Museu Nacional de História Natural da Universidade Federal de Minas
Gerais, Belo Horizonte, n.8/9, p.323-338, 1983/1984.
MENDES, J. C. A Pesquisa Paleontológica no Brasil. In: FERRI, M. G.; MOTOYAMA, S.
(Org,). História das Ciências no Brasil. v.3, 1.ed. São Paulo: EPU, 1980. p.43-71.
MERCATI, M. Samminiatensis Metallotheca. Roma: Mariae Salvioni Typographum
Vaticanum, 1719.
MESSIAS, T. T.; MELLO E ALVIM, M. C. de. Contribuições ao Estudo do Homem de
Lagoa Santa. Boletim do Museu Nacional, Nova Série, Antropologia, Rio de
Janeiro, n.20, p.1-55, 1962.
MOLBECH, C. Det kongelige danske Videnskabernes Selskabs Historie. København,
1843.
MOREIRA LEITE, M. L. Travel naturalists. História, Ciências, Saúde – Manguinhos,
Rio de Janeiro, v.1, n.2, p.7-19, Fev.1995.
NARCHI, M. G. A Zoologia no Brasil. In: FERRI, M. G.; MOTOYAMA, S. (Org,)
História das Ciências no Brasil. v. 2., 1.ed. São Paulo: EPU. 1980. p.89-116.
NEVES, W. A.; PUCCIARELLI, H. M. Extra-continental Biological Relationship of Early
South American Human Remains: A multivariate analysis. Ciência e Cultura, São
Paulo, n.41, p.566-575, 1989.
NEVES, W. A.; PUCCIARELLI, H. M. The Origins of the First Americans: an analysis
based on the cranial morphology of early South American human remains. In:
Annual Meeting of the American Journal of Physical Anthropology, n.81, p.274,
1990.
NEVES, W. A.; PUCCIARELLI, H. M. Morphological Affinities of the First Americans:
An exploratory analysis based on early South American remains. Journal of Human
Evolution, v.21, n.4, p.261-273, 1991.

391

NEVES, W. A.; PUCCIARELLI, H. M. The Contribution of the Morphology of Early
South and North American Skeletal Remains to the Understanding of the Peopling of
the Americas. Yearbook of Physical Anthropology, n.42, p.150-151, 1993.
NEVES, W. A.; MUNFORD, D.; ZANINI, M. C. Cranial and Morphological Variation and
the Colonization of the New World: Towards a four-migration model. American
Journal of Physical Anthropology, sup.22, p.176, 1996.
NEVES, W. A.; MEYER, W. A.; PUCCIARELLI, H. M. Early Skeletal Remains and the
Peopling of the Americas. Revista de Antropologia, São Paulo, n.39, p.121-139,
1996.
NEVES, W. A. et al. Povoamento da América à Luz da Morfologia Craniana. Revista
USP, São Paulo, n.34, p.96-105, 1997.
NEVES, W. et al. Lapa Vermelha IV hominid I: Morphological affinities of the. Genetics
and Molecular Biology, Ribeirão Preto, v.22, n.4, p.461-469, 1999.
NEVES, W. A. et al. Cranial Morphological Variation in South America and the
Colonization of the New World: towards a four migration model? American Journal
of Physical Anthropology, sup. 22, p.176, 1999.
NEVES, W. A.; POWELL, J. F.; OZOLINS; E. G. Modern Human Origins as seen from
the Peripheries. Journal of Human Evolution, v.37, n.1, p.129-133, 1999.
NEVES, W. A.; POWELL, J. F.; OZOLINS, E. G. Extra-continental Morphological
Affinities of Lapa Vermelha IV, hominid 1: A multivariate analysis with progressive
numbers of variables. Homo, v.50, n.3, p.263-282, 1999.
NEVES, W. A.; HUBBE; M.; ARAÚJO, A. G. M. A Late-paleoindian Secondary Ritual
Burial from Lagoa Santa, Minas Gerais, Brazil. Current Research in the
Pleistocene, n.19, p.83-85, 2002.
NEVES, W. A. et al. Early Holocene Human Skeletal Remains from Santana do Riacho,
Brazil: implications for the settlement of the New World. Journal of Human
Evolution, v.45, n.1, p.759-782. 2003.
NEVES, W. A.; HUBBE, M. Luzia e a Saga dos Primeiros Americanos. Scientific
American Brasil, São Paulo, n.15, p.24-31, 2003.

392

NEVES, W. A.; PILÓ, L. B. Solving Lund’s Dilemma: New AMS dates confirm that
humans and megafauna coexisted at Lagoa Santa. Current Research in the
Pleistocene, n.20, p.57-60, 2003.
NEVES, W. A.; ATUI, J. P. V. O Mito da Homogeneidade Biológica na População
Paleoíndia de Lagoa Santa. Revista de Antropologia, São Paulo, v.47, n.1, p.159205, 2004.
NEVES, W. A., et al. Early Holocene human skeletal remains from Cerca Grande, Lagoa
Santa, Central Brazil, and the origins of the first Americans. World Archaeology,
n.36, v.4, p.479-501, 2004.
NEVES, W. A. et al. A new Early Holocene Human Skeleton from Brazil: implications for
the settlement of the New World. Journal of Human Evolution, v.48, n.4, p.403415, 2005.
NEVES, W. A. et al. Origens e Microevolução do Homem na América: uma
abordagem paleoantropológica II – Relatório científico final, São Paulo, 2004.
NEVES, W.A., HUBBE, M; PILÓ, L. B. Early Holocene human skeletal remains from
Sumidouro Cave, Lagoa Santa, Brazil: History of discoveries, geological and
chronological context, and comparative cranial morphology. Journal of Human
Evolution, v.52, n.1, p.16-30, 2007.
NEVES, W. A.; HUBBE, M. Cranial Morphology of Early Americans from Lagoa Santa,
Brazil: Implications for the settlement of the New World. Proceedings of the
National Academy of Sciences, Washington, v.102, n.51, p.18309-18314, 2005.
NORTH, M. Lembranças de uma Vida Feliz (1830-1890). 1 ed., Belo Horizonte:
Fundação João Pinheiro, 2001.
NOTT, J. C.; GLIDDEN, G. R. Types of Mankind or Ethnological Researches Based
upon the Ancient Monuments. 1st.ed., Philadelphia: J.B. Lippincott, Grambo & Co,
1854.
NOVAS, F. E. Buenos Aires, un millón de años atrás. 1.ed., Buenos Aires: Siglo XXI
Editores, 2006.
OUTRAM, D. Georges Cuvier: vocation, science and authority in the post
revolutionary France. 1st.ed. Manchester: Manchester University Press, 1984.

393

OWEN, R. A description of the cranium of Toxodon platensis, a gigantic extinct
mammiferous species, referrible by its dentition to the Rodentia, but with affinities to
the Pachydermata and the herviborous Cetacea. Proceedings of the Geological
Society of London, London, v.2, p.541-542, 1837.
OWEN, R. Note on the Glyptodon. 1839. In: Parish, W. Buenos Aires and the Provinces
of the Rio de la Plata. 1st.ed., London: John Murray, 1839.
OWEN, R. The Zoology of the Voyage of H.M.S. Beagle, under the command of
Captain Fitzroy, N. R., during the years 1832 to 1836. Part I. Fossil Mammalia.
1st.ed., London: Smith, Elder, & Co., 1838-1840.
OWEN, R. Description of the Skeleton of and Extinct Gigantic Sloth, Mylodon
robustus Owen, with Observations on the Osteology, Natural Affinities, and
Probable Habits of the Megatherioid Quadrupeds in General. 1st.ed., London: R.
& J. Taylor, 1842.
OWEN, R. On the Megatherium (Megatherium americanum, Cuvier and Blumenbach).
Part V. Bones of the posterior extremities. Philosophical Transactions of the Royal
Society of London, London, n.149, p.809-829, 1860.
PALLAS, P. S. Voyages em differentes Provinces de L’Empire de Russie, et dans
l’Asie Septentrionale. Paris: Lagrange, puis Maradan (De l’Imprimerie de la Ve
Ballard, puis Demonville), 1788-1793.
PEDRO II. Diário. Anuário do Museu Imperial. Petrópolis, v. XVIII, 1957.
PEYRÈRE, I. la. Prae-Adamitae, sive exercitatio super versibus 12o, 13o et 14o capitis
V epistulae D. Pauli ad Romanos, quibus inducuntur primi homines ante
Adamum conditi. Amsterdam, 1655.
PILÓ, L. B; AULER, A. Apresentação: Bicentenário do nascimento de Peter Wilhelm Lund
1801-1880. O Carste, Belo Horizonte, v.14, n.1, p.4-7, jan. 2002.
PILÓ, L. B. P. W. Lund e a Geomorfologia Cárstica de Lagoa Santa. O Carste, Belo
Horizonte, v.14, n.1, p.12-17, jan. 2002.
PILÓ, L. B.; NEVES, W. A. Novas Datações 14C(AMS) Confirmam a Tese da
Coexistência do Homem com a Megamastofauna Pleistocênica na Região de Lagoa
Santa, MG. In: Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário ABEQUA, 9. Resumos, Recife, 1 CD (212 PDF), 4, 2003.

394

PILÓ, L. B. et al.Revisitando a Lapa do Sumidouro: Marco paleo-antropológico do
Quaternário americano. Revista Brasileira de Paleontologia, Rio de Janeiro, v.7,
n.3, p.337-348, 2004.
PILÓ, L. B. et al. Geoarchaeology, Sediment Provenance, and Fossil Emplacement at
Sumidouro Cave, a classic Late Pleistocene/early Holocene paleoanthropological site
in Brazil. Geaorchaeology, v.20, n.8, p.751-764, 2005.
PÖCH, H. Bietrag zur Kenntnis von den Fössilen Meschlichen Funden von Lagoa Santa
(Brasilien) und Fontezuelas (Argentinien). Berlin, Mitteilugen der
Anthropologischen Gesellschaft, Wien, n.98, p.310-335, 1938.
PÓVOA, H. A Descoberta de Lund no Brasil. Revista do IHGB, Rio de Janeiro, n.334,
p.39-64, 1982.
PROUS, A. L’homme et la nature dans la région de Lagoa Santa (Brésil). Arquivos do
Museu Nacional de História Natural da Universidade Federal de Minas Gerais,
Belo Horizonte, n.3, p.65-93, 1978.
PROUS, A. L’Archéologie du Brésil: 300 siècles d’occupation humaine. L’Anthropologie,
Paris, v.90, n.2, p.257-306, 1986.
PROUS, A. Arqueologia Brasileira. Brasília. 2.ed., Brasília: Editora UnB. 1991
PROUS, A. O Brasil antes dos Brasileiros – A pré-história do nosso país. 1.ed., Rio de
Janeiro: Jorge Zahar Editor. 2006.
PROUS, A. O Homem Pré-histórico e a Megamastofauna Pleistocênica no Brasil. Belo
Horizonte. O Carste, Belo Horizonte, v.14, n.1, p.52-59, jan. 2002.
QUATREFAGES, A. L’Homme Fossile de Lagoa Santa (Brésil) et ses Descendants
Actuels. Congrès Anthropologique de Moscou, Moscou: Anais, n.3, p.321-402, 1879.
QUATREFAGES, A. L’Homme Fossile de Lagoa Santa au Brésil et ses Descendants
Actuels. Compte Rendus de l’Académie des Sciences de Paris, Paris, n.93, p.882884, 1881.
RAY, J. Three Physico-Theological Discourses. London, 1st.ed., 1692
REINHARDT, J. T. Bone Caves of Brazil and their Remains. American Journal of
Sciences, n.96, p.64-65, 1868.
REINHARDT, J. T. Naturforskeren Peter Wilhelm Lund, hans Liv og hans
Virksomhed. 1. ed., København, 1880.

395

REINHARDT, J. T. De Brazilianske Knoglehuler og de i dem Forekommende
Dyrelevninger. E Museo Lundii, København, v.1, p.1-56, 1888.
RENAULT, D. Um guia ignorado de Peter Lund. Revista Brasileira de Cultura, Riode
Janeiro, ano 4, out.dez, p.79-85, 1972.
RENAULT, D. Peter Lund e Victor Renault. Revista do IHGB, Rio de Janeiro, v.147,
n.352, p.801-804, 1986.
RIHGB. A descoberta de Lund no Brasil; restos do ancestral do homem americano no
IHGB. Revista do IHGB, Rio de Janeiro, n.334, p.39-65, 1982
RIVET, P. La Race de Lagoa-Santa chez le Population Precolombiennes de L’Equateur.
Bulletins et Mémoires de la Société d’Anthropologie de Paris, Paris, v.19, p.209275, 1908.
ROGER, J. Buffon – A life in natural history. 1st.ed., Ithaca: Cornell University Press,
1997.
RONDELET, G. Libri de piscibus marinis in quibus verae piscium effigies expressae
sunt Lugduni, excudebat. Lyon: Matthieu Bonhomme, 1554.
RUBBIOLI, E. L.; AULER, A. Peter Andreas Brandt e os Levantamentos Topográficos das
Grutas Pesquisadas por Lund. O Carste, Belo Horizonte, v.14, n.1, p.18-23, jan.
2002.
RUDWICK, M. J. S. Georges Cuvier, Fossil Bones, and Geological Catastrophes: New
translations and interpretations of the primary texts. 1st.ed, Chicago: University
of Chicago Press, 1997.
SÃ, M. R. O botânico e o Mecenas: João Barbosa Rodrigues e a ciência no Brasil na
segunda metade do século XIX. História, Ciências, Saúde-Manguinhos, sup.8,
p.899-924, 2001.
SAINT FOND, F. Historie Naturelle de la Montage de Saint-Pierre de Maestricht,
1799.
SAINT-HILAIRE, É. G. Philosophie anatomique des organes respiratoires sous le
rapport de la détermination et de l’identité de leurs pièces osseuses. Paris:
Méquignon-Marvis, 1818.
SANTOS, N. C. dos. O Naturalista - Biographia do Dr. Pedro Guilherme Lund. 1.ed.,
Bello Horizonte: Imprensa Official do Estado de Minas Gerais, 1928.

396

SENNA, N. de. A Edade da Pedra no Brasil. Annuário de Minas Geraes, Belo Horizonte,
p.3-10, 1905.
SIMPSON, G. G. Splendid Isolation - The curious history of South American
mammals. 1st.ed., New Haven: Yale University Press, 1980.
SIMPSON, G. G. Discoverers of the Lost World - An account of some of those who
brought back to life South American mammals long buried in the abyss of time.
1st.ed., New Haven: Yale University Press, 1984.
SILVEIRA, A. A. Narrativas e Memórias, v.1., Belo Horizonte: Imprensa Oficial, 1924.
SOTO-HEIM, P. Les Hommes de Lagoa Santa (Brésil). Caractères anthropologiques et
position parmi d’autres populations paléoindiennes d’amérique. L’Anthropologie,
Paris, v.98, n.1, p.81-109, 1994.
SPRUNGER, S.; Cribb, P.; TOSCANO DE BRITO, A. (eds.). João Barbosa Rodrigues –
Iconographie des orchidées du Brésil. v.1: The illustrations; v.2: The texts. Basel:
Friedrich Reinhardt Verlag, 1996.
STANGERUP, H. The Road to Lagoa Santa. 1st.ed , Marion Boyars Publishers, 1984.
STENO, N. Elementorum Myologiae Specimen, seu, Musculidescripto Geometrica cui
accedunt Canis Carchariae Dissectum Caput, et Dissectus Piscis ex Canum
Genere. Florentiae, 1.ed., 1667.
STERLL, M. Dr. Lund - A naturalist for all seasons (não publicado).
STERLL, M. O Acervo de P.W. Lund na Dinamarca. O Carste, Belo Horizonte, v.14, n.1,
p.64-67, jan. 2002.
TEN KATE, M. H. Sur les Crânes de Lagoa Santa. Bulletins de la Société
D’Anthropologie de Paris, Paris, n.18, p.240-246, 1885.
THOMPSON, K. S. Hooke, Fossils and the Anti-Evolutionists. American Scientist,
Research Triangle Park, v.91, n.3, p.210, 2003.
THOMPSON, G. Guerra do Paraguai. Rio de Janeiro: Conquista, 1968.
TROLLE, M. P. W. Lunds fornemmelser for Sydamerika skjulte fortid. Naturens Verden,
København, n.32, p.32-41, 2005.
TYSON, E. Orang Outang Sive Homo Sylvestris or The Anatomy of a Pygmie
Compared with That of a Monkey an Ape and a Man To Which is Added a

397

Philological Essay Concerning the Pygmies the Cynocephali the Satyrs and
Sphinges of the Ancients. London: Thomas Bennet and Daniel Brown, 1699.
VALLE, C. História Natural dos “Glires†da Bacia do rio das Velhas, Segundo Peter Lund.
Lundiana, Belo Horizonte, n.1, p.7-21, 1980.
VIANA, M. L.; Valle, V. A. F. Memórias de Lagoa Santa, Belo Horizonte, s/ed, 1990.
VON HELMREICHEN, V. Obras Várias de Virgil Von Helmreichen (1805-1852):
Contribuições à geologia do Brasil. Renger, F. E. (org.). 1.ed., Belo Horizonte:
Fundação João Pinheiro, 2002.
WALLACE, D. R. Beasts of Eden: Walking whales, dawn horses, and other enigmas of
mammal evolution. 1st.ed., Berkeley: University of California Press, 2004.
WALTER, B. M. T. Fitofisionomias do bioma Cerrado: síntese terminológica e
relações florísticas. 2006. 389f. Tese (Doutorado em Ecologia) – Instituto de
Ciências Biológicas, UnB, Brasília.
WALTER, H. V. A Pré-História da Região de Lagoa Santa (Minas Gerais). 1.ed., Belo
Horizonte: Velloso & Cia., 1948.
WALTER, H. V. Archaeology of the Lagoa Santa Region. 1.ed., Rio de Janeiro: Sedegra,
1958.
WARMING, E. Lagoa Santa, contribuição para a geografia fitobiológica. In: Ferri, M. G.
(org.). Lagoa Santa e a Vegetação dos Cerrados Brasileiros. 2.ed., Belo Horizonte:
Itatiaia, e São Paulo: EDUSP, 1980.
WARMING, E. Lagoa Santa: contribuição para a geographia phytobiologica. 1.ed.,
Bello Horizonte: Imprensa Official do Estado de Minas Gerais, 1908.
WIED-NEUWIED, M. von. Viagem ao Brasil. São Paulo: Ed. Nacional, 1940.
WOODWARD, J. Essay toward a Natural History of the Earth, London, 1st. ed., 1695.
WOODWARD, J. Fossils of All Kinds Digested into a Method for their Mutual
Relation and Affinity, London, 1st. ed., 1728.
ZALAZAR, R. Regeneración de la Sociedad Paraguaya: Aporte de los inmigrantes (18701904). Diálogos, DHI/PPH/UEM, v.9, n.2, p.7-78, 2005
ØRSTED, H. C. Resumo de Memórias de Lund sobre as Cavernas de Lagoa Santa e seu
Conteúdo Animal. Publicações Avulsas do Museu Nacional, Rio de Janeiro, v. 16,
1956.

398

Anexo I
Demais documentos traduzidos ou transcritos

399

400

LUND, P. W. Carta para Louis Agassiz, Rio de Janeiro. Cambridge: Houghton Library,
Harvard University. 31/05/1865.
O Original:
Herrn Professor Dr. L. Agassiz

Rio de Janeiro
Lagôa Santa, 31 Mai 1865

Hochverehrter Herr!
Öbgleich etwas verspätet hatte ich das Vergnügen Ihre werthe Zeilen vom 16te p. M.
zu erhalten , die mir eine ünerwartete freüde bereiteten, dürch die frohe Aussicht Ihres
persönlichen Besüches hier, auf dir Reise, die Sie ind Innere dieses Landes ünternommen
haben.
Es wird mir sehr lieb sein, so viel ich vermag, Ihnen nützlich sein zü können in Ihnem
großartigen Unternehmen , bedauern jedoch hinzüfügen zü müssen, dass ich wegen den
aüßerst presairen (???) Züstand meiner Gesundheit mich fast nür aüf dem güten Willen
beschränkt sehe.
Was Ihren wünsch betrifft, Aüfschlüß zü dringen über die Höhlen , in welchen noch
aüf Aüsbeüte zü rechnen wäre, müß ich bemerken, daß ich glaübe, während den zehn
Jahren, wo ich mich damit abgab, den Knochen inhalt sämtlicher Höhlen im Flüß thale i
von Rio das velhas, die Spüren von einem solchen Inhalte gezeigt haben , erschöpft zü
haben auch sind, seitdem ich meine Arbeiten im Jahren 1843 abschloß, trots meinen
Empfehlüngen ünd Bestellüngen deine neün fünde von fossilen knochen in diesem ganzen
Gebiete gemacht worden.
Die Gegenden, die eine reiche Aüsbeüte in der Beziehüng versprechen mögen, sind 1º
der aüsgedehnte Sertão des St. Francisco flüßes, mit feiner weit verzweigten, en Salpeter
höhlen so reichen, sind in paleontologischer Hinsicht noch ünerforschten , Kalbsteins
bild6ung; 2ºdas Gebiet von Minas novas mit seinen eigenthümlichen (???), offen liegenden
fündgrüben von Überresten aüsgestorbener Thierarten.
Indem ich das weitern für die mündliche Unterhaltüng vorbehalte , schließe ich mit
den herzlichsten Wünschen für Ihr Wohlergehen .
Ihr hochachtüngsvoll ergebener
P. W. Lund

401

A Tradução:
Caro Professor Dr. L. Agassiz 408

Rio de Janeiro
Lagôa Santa, 31 de Maio de 1865

Altamente estimado Senhor!
Embora com certo atraso eu tive o prazer de receber as vossas valiosas linhas do 16
deste mês, que provocaram em mim uma alegria inesperada, graças à alegre perspectiva da
vossa visita pessoal aqui, durante a viagem que o senhor tem empreendido pelo interior
deste país.
Será para mim muito agradável, contanto que esteja em condições, em vos poder ser
útil no vosso grandioso empreendimento, devendo contudo acrescentar com pesar que,
devido à condição extremamente precária da minha saúde eu me vejo quase somente
reduzido à boa vontade.
No que se refere ao vosso desejo de penetrar nas entradas das cavernas nas quais
ainda haveria material a coletar, eu devo observar que acredito, nos dez anos durante os
quais me ocupei em coletar os ossos de todas as cavernas no vale do rio das Velhas
exibissem tais conteúdos, tê-las exaurido, desde que conclui meus trabalhos no ano de
1843, apesar das minhas recomendações e pedidos das suas nove descobertas de ossos
fossilizados feitas em todas estas regiões.
As áreas que maiores benefícios parecem prometer são:
1º) o extenso Sertão do rio São Francisco, com suas vastas e delgadas
ramificações, cavernas ricas em salitre e formações de carvão de pedra ainda
inexploradas do ponto de vista paleontológico;
2º) a área de Minas Novas com as suas peculiares minas com restos expostos de
espécies animais extintas.
Enquanto reservo mais informações para a nossa conversa pessoal, termino com
calorosos votos para a vossa prosperidade.
Vosso respeitoso devoto
pr.
P. W. Lund
408

Jean Louis Rodolphe Agassiz (1807-1873), naturalista suíço, fundador do Museu de Zoologia Comparada
da Universidade Harvard. Explorou a Amazônia brasileira entre abril de 1865 e Julho de 1866.

402

LUND, P. W. Carta para Jozé Marciano Gomes Baptista, Ouro Preto. Copenhagen:
Det Kongelige Bibliotek. 15/12/1853.
Illmo. Revmo. Snr. Dr. Joze Marciano Gomes Baptista
Lagoa Santa, 15 de Dezembro de 1853
Respondendo a prezadissima carta que V.S.R. me fez a honra de me escrever com
data de 30 de Nov., incluindo outra do Exmo. Snr. Dr. José Lopes da Silva Vianna, 409 tenho
primeiro de pedir desculpa por não ter respondido pelo portador, por me achar
incommodado, e dahi de agradecer a VSR. Pelas expressões cheias de bondade, com que se
dignou me honrar, e de que lhe fico muito penhorado.
Enquanto ao objecto principal da carta sinto muito me ver impossibilitado de
satisfazer ao desejo de V.S., e de corresponder á expectação para mim tão honrosa, não por
falta de boa vontade, mas pelos motivos expendidos na carta inclusa, que tomo a liberdade
de passar ás mãos de V.S., para depois de lida ter a bondade de remettê-la á S. Exca.
Convencido de que V.S. achará attendiveis as razões allegadas termino rogando a VS
aceitar os protestos da mais alta consideração e estima, com que tenho a honra de me
assignar.
DV Exca.
Mto. Atto. Vdor. e Cdo. Obdo 410
P. W. Lund

409
410

Desembargador e vice-presidente da Província de Minas Gerais entre 1852 e 1853 (ver BURTON, 2001).
De Vossa Senhoria muito attento venerador e creado obrigado.

403

LUND, P. W. Carta para Januário da Cunha Barboza, Rio de Janeiro. Copenhagen:
Det Kongelige Bibliotek. 10/11/1839.
Snr Conego Januario da Cunha Barboza411

10 nov 1839

Illmo Revmo Snr
Por via do correio recebi o terceiro numero da revista trimensal do Instituto historicogeographico Brazileiro, pela leitura do qual fiquei sciente, que o mesmo Illustre Instituto
tenha se dignado me adoptar no numero dos seus membros honorarios. Summamente
sensível (benível ??) a estimada honra de benevolentia da sociedade, apezar de as novas por
que xxx me tenha feito merecedor de huma tal distincção, todavia a aceito na esperança de
achar huma occasião de testemunhar á sociedade a minha gratidão assim como o interesse,
que tomo na sua prosperidade contribuindo segundo as minhas fraccas forças para o
alcançar dos fins que ela se tem proposto.
Fiquei igualmente sabendo, que o Illustre Instituto tinha deliberado acceder ao meu
pedido de abrir huma correspondentia á Sociedade dos Antiquarios do Norte estabelecida
em Copenhague, e supponho portanto que o Instituto não deixará de communicar á
mencionada sociedade o resultado de seus importantes trabalhos, remettendo os numeros de
sua interessante revista, na certeza de que receberá em troca as mesmas vias desta
sociedade, as quaes, visto a analogia da tendência de ambos os corpos scientificos, não
deixarão de conter abundância de artigos de particular interesse para o instituto brasileiro.
Peço licença para insistir tanto mais neste empenho; cazo não esteja satisfeito como
vejo no pretenso numero e publicado hum manuscrito, que trata de huma descoberta da
mais alta importântia para a história antiga do Brazil, e a qual para ser convenientemente
elucidade achará difficilmente hum tribunal mais competente do que esta sociedade,
mormente em caso de se verificar a hypothese de hum illustre membro do instituto de
derivar esses monumentos dos antigos Scandinavos, hypothese que, devo confessar, me
parece pouco confirmada pela conformação dos caracteres das inscripções feitas.

411

Januário da Cunha Barboza (1780-1846) foi um dos fundadores, em 1838, e o primeiro presidente do
Instituto Histórico e Geographico Brasileiro (IHGB).

404

Finalmente rogo a VS., transmittindo ao Illustre Instituto os meus sentimentos de
reconhecimento, de aceitar pessoalmente os protestos da mais alta consideração e estima,
com que tenho a honra de ser
DVS
dor

Mt° Att° V

do

e C Obr

P. W. Lund

405

LUND, P. W. Carta para Januário da Cunha Barboza, Rio de Janeiro. Copenhagen:
Det Kongelige Bibliotek. 19/02/1840.
Lagoa Santa 19 de Fevereiro de 1840
mo

mo

nr

Ill . Rev . S . Conego
Januario da Cunha Barboza
Secretario perpetuo do Instituto historico geographico Brazileiro
Rio de Janeiro
Illmo. Vermo. Snr.
He com o sentimento do mais profundo reconhecimento, que recebi a preciosíssima
carta de VS. com data de 11 de julho de 1839. Ella não me veio á mão, se não nestes dias,
entregada pelo Snr. Claussen, que passou por aqui seguindo a sua viagem adiante. Sinto
muito esta demora, por me ter privado da faculdade de testemunhar á VS tanto antes os
sentimentos, de que fiquei possuído pela leitura della. Já com data de 11 de Novembro p.p.
tive a honra de escrever huma carta á VS, em que accusei o recebimento do terceiro numero
da interessante Revista do Instituto, aceitando humildemente a distinta honra, que me tinha
feito aquella illustre corporação, admittindo me entre os seus socios; porêm não posso
deixar de reiterar por esta occasião á VS em particular os protestos da mais viva gratidão,
pelas expressões para mim nimiamente lisongeiras e honrosas, em que VS se dignou me
communicar esta nomeação.
Foi para mim summamente satisfactório, apprender que o Illustre Instituto tinha se
dignado acceder á minha sollicitação de abrir correspondencia com a Sociedade dos
Antiquarios do Norte em Copenhagen. Conforme o desejo de VS tenho a honra de mandar
junta huma carta para esta sociedade, cujo fim nullamente he de servir de recommendação
para o Illustre corpo de Sábios Brazileiros, que certamente não precisa de tal e de ninguém
menos do que de mim, porem unicamente para conformar me com o desejo expresso de
VS. Permitta me VS á este respeito acrescentar, que já há muito tempo tomei a liberdade de
dirigir a attenção da Sociedade dos Antiquarios do Norte para a nascente associação dos
Sábios Brazileiros. Apenas soube pela leitura das folhas publicas da primeira formação do

406

Instituto, vendo o plano para esta Sociedade assignado por duas das primeiras Illustrações
scientificas do Brazil, logo concebi as mais lisongeiras esperanças, e na intima convicção,
de quanto haverá esta sociedade de espalhar luzes e gloria sobre a terra de Sta. Cruz e sobre
o nome Brazileiro, appressei me de signalisar á mencionada Sociedade esta apparição de
tam brilhante auguro no horizonte literário. Portanto não me admiraria, se o Instituto já
tivesse recebido daquella sociedade os cumprimentos e felicitações, que ella de certo não
deixará de dirigir á seu irmão mais jovem do novo mundo, assim que lhe chegar tão grata
noticia.
As sabias instrucções para os socios do Instituto nas províncias, que VS. teve a
bondade de enviar juntas, me servirão de guia nas minhas ulteriores viagens neste
vastíssimo e pela mão da natureza tão benzoado paiz, e desde já posso assegurar á VS., que
não deixarei passar occasião nenhuma, onde poderei ser de algum préstimo para esclarecer
os ramos da sciencia, que fazem o objecto das assíduas investigações dos Illustres membros
do Instituto.
Entre os immensos objectos, que se offerecem á vista de hum naturalista, e que
attrahem á porfia sua attenção neste requíssimo (sic) paiz, tenho dirigido a minha
particularmente sobre os interessantes restos de entes extinguidos, que em outras épochas
habitavão este solo, e posto que este objecto não tem relação immediata com a esphera de
indagações que se tem proposto o Instituto, todavia ouso esperar, que hum resumo mui
succincto dos resultados principaes, a que tenho chegado, não será de todo destituído de
interesse aos olhos de hum sábio, cuja vasta erudição abrange tantos e tão variados ramos
de sciencias, tanto mais que em certo ponto de vista este quadro formará o annel mais
remoto na serie dos painéis, que devem compor a grande pintura histórica da terra de Sta.
Cruz.
Permitta me pois VS., em breve lhe offerecer huma relação a este respeito, e queira
entretanto aceitar para a bibliotheca do Instituto huma memoria sobre este objecto,
accompanhada de figuras osteológicas dos animaes exstinctos, que acaba de chegar ao meu
correspondente em Rio, o qual lhe a fará entregar junta com esta carta. Sinto estar ella
escripta em huma lingua, pouco conhecida, porem em pouco espero poder enviar á VS.
traducções ou extractos em francêz, tanto desta como de outras memorias minhas sobre este
assumpto.

407

Queira VS aceitar os protestos da mais alta consideração e estima com que tenho a
honra de ser
DVS
Mo Attto Vdo e Ldo
P. W. Lund

408

LUND, P. W. Carta para Januário da Cunha Barboza, Rio de Janeiro. Copenhagen:
Det Kongelige Bibliotek. 11/10/1845.
Illmo Revmo Snr Conego Januario da Cunha Barboza
Resp.da em 16 de Abril de 1846
Foi com o sentimento do mais profundo reconhecimento que recebi nestes dias a
prezadíssima carta de VS. com data de 25 de Agosto de 1843, acompanhando huma
remessa de varios numeros do Jornal do Instituto, a saber os n°s 12 a 18, com mais algumas
memorias avulsas. Não posso devidamente testemunhar a VS, quan grata foi para mim esta
lisongeira prova de benévola attenção, com que VS dignou-se me honrar, completa teria
sido a minha satisfacção, se se lhe não tivesse associado o pezar de ver pela data da carta,
que tenha sido privado de huma communicação para mim tam valiosa por espaço de mais
de dous annos. Não sei explicar a cause de huma demora tam extraordinária, supponho
porem, que tem jazido esquecida a remessa na Secretaria do Governo no Ouro-preto.
Pelo circular que veio junto, convidando os membros a concorrerem para o augmento
do Museu do Instituto, fiquei informado do plano deste Museu, e vejo, que se extende
tambem aos objetos d’historia natural. Sinto muito, que me viesse tam tarde a mão este
circular, por me ver privado por esta circumstancia de ter o gosto, de poder offerecer ao
Museu varios objetos interessantes, que continha a minha collecção, mas que agora já
mandei para o meu paiz, restando me só a esperança de poder satisfazer aos desejos do
Instituto com o que puder ainda colher para o futuro.
Espero que o Museu terá já recebido huma caixetta, que remetti a pouco tempo,
contendo hum craneo, e mais alguns ossos humanos fosseis, dos de que tratei na última
memoria, que tive a honra offerecer ao Instituto.
Posto que a indulgencia e benignidade, com que o Instituto tem se dignado acolher as
mesquinhas412 communicacções, que tomei a liberdade submetter a seu sábio juízo,
bastasse para me animar a continuar nesta tarefa, contudo o lisongeiro convite, que VS. me
faz a honra me transmittir em nome do Instituto, para continuar na minha correspondencia
412

Pobre, insignificante.

409

com o mesmo, será para mim hum poderoso estimulo para redobrar de esforços, afim de
corresponder a honrosa confiança de huma tam Illustre corporação de Sábios, e mostrar o
subido apreço em que tenho esta distinta, posto que pouca merecida honra, realçada ainda
pela eminência da pessoa, que nesta occasião serviu de órgão dos sentimentos nimiamente
benévolos do Instituto.
Espero nestes dias poder offerecer ao Instituto a continuação das minhas memorias
sobre raças extintas de animais deste paiz, que supponho já ter chegado a estas horas da
Europa.
A valiosa collecção dos numeros da revista trimensal, que VS teve a generosidade de
me mandar, foi para mim de particular interesse, por me faltar alguns numeros, faltas
provenientes em parte de irregularidades na expedição, e como não pude reparar estas
faltas, por não se venderem os numeros avulsos, tenha mandado suspender a compra dos
numeros futuros, para não me expor a novas falhas, e resolvido a esperar por alguma
occasião de comprar toda a obra completa. Hoje porem, que tenho a satisfacção de ver
enchidas pela munificencia413 do Instituto a maior parte destas vagas, e superados dest’arte
os obstáculos, que me vedarão accompanhar tam detalhadamente como desejava a marcha
dos importantes trabalhos do Instituto, não deixarei de aproveitar da obsequiosa offerta de
VS, indicando-lhe as faltas que ainda restão, taes quaes se reducem a hum só numero, para
completar a serie dos primeiros 18 n°s, a saber o n°8 (que me falta por ter vindo trocado no
lugar delle outro n° in duplo, o n° 1, em huma remessa que tinha mandado vir do Rio) e
como tenho em vão procurado obter isoladamente este n°, por isso aceito com muito
reconhecimento o favor de VS a respeito deste n°.
Recommendando me a ulterior benevolencia do Instituto em geral e do Seu Illustre
orgão em particular tenho a honra me assignar com a mais alta estima e consideração.
DVS
Mt.° Att.° N.dor. e Cdo. Obr.
P. W. Lund
11 de Outubro de 1845

413

Generosidade.

410

LUND, P. W. Letter to I. C. Buckwald, Morro Velho. Copenhagen: Det Kongelige
Bibliotek. 08/04/1850.
O Original:
8 April 1850
My Dear Sir!

414

I send you hereby the answers I am able to give upon the questions contained in the
memorandum, I had the honour to receive from you.
1. The kind extent of labour required from the slaves in the fazendas? The working time is
counted from sunrise until the sunset, to which must be added 1o. one or more hours in the
morning in order to reach the roça before sunrise; 2 o. often the evening until nine or ten
o’clock is employed in particular labours as thrashing the maize, specially Saturday
evening; in many fazendas these use extends to every working-days evening. The sun and
holy days (which are numerous in Brazil as a catholic country) are left to their disposal, and
generally given them a portion of land to cultivate for their own count.
2. Their treatment as to food. The food of the slaves consist exclusively of vegetables, riz,
bens, maize (with its different preparations as farinha, angu, cangica), mandioca, suit
batata, gourds, pumkins (sic), cabbage and fruits (bananas, oranges). It is furnished three
times at day, and seasoned only with salt. With bacon and meat they must provide
themselves.
3. Cloth. The owner only supply the slaves with working clothes (two at year) consisting of
a shirt and bridges of coarse cotton cloth. With Sunday clothes they must furnish
themselves (sic).

414

Carta em resposta às perguntas do Dr. Thomas Walker, médico do exército britânico que, em 1850, prestou
informações sobre as condições sanitárias dos negros de Morro Velho, foi superintendente da mina de Morro
Velho (1855-58) (BURTON, 2001, p.295).

411

4. Religion instruction. This is very poor, and confined to learning by heart some prayers,
and aving (sic) empty ceremonies, but the same, which the free enjoy.
5. Their punishment are chiefly corporal, consisting in blows with a whip; they are dictated
by the will of the owner or his stewards, and depend consequently of their disposition to
mildness or severity. In fact the laws put limits to too gross abuses by several dispositions
in favour of the slaves, but the general want of execution of the laws in Brazil turn those
dispositions illusorious.
6. Their children: whether they are in proportion as elsewhere as observed (4 to 6 in a
family)? The black race is naturally much less fecund, then the white one in Brazil, nearly
as 1 to 2, but in the black race itself the propagation is notably scarcer in the slave
population, then in the free one. I can not give the exact proportion.
7. What proportion die in the first year, what proportion reach (sic) 5? I want statistical
accounts to decide these questions, but I must observe in general that the children of slaves
are proportionally treated with care, partly on account of the natural attachment of Brazilian
ladies to children, partly as necessary consequence of the evident interest connected with
this care.
8. Then as to the diseases: are blacks specially imported ones more subject to diseases then
those burn (sic) in Brazil, or are the diseases more fatal in them? Both these questions must
be answered affirmatively according to the general experience; the last circumstance may
derive from change of clime and moral abatement.
9. What are the diseases, they are most subject to? Cutaneous diseases of several kinds
(sarna), small-poxes, scarlet-fever, measles, and dysentery.
10. Which diseases causes the greatest mortality? About his point I can’t decide anything.

412

10. Is it true that the Negro women very often endeavour to bring on abortion and do not
wish to them to live to be slaves? So I have been told too, and I do not wonder if the
hopeless condition of slaves in cases of peculiarly bad treatment may lead to such horrid
acts of despair.
11. I think the laws of Brazil forbid the giving them any instruction, but religious. The laws
of Brazil do not exactly forbid the giving instructions to slaves, but only forbid them to
frequent the public schools. Private instruction is allowed, but of course very seldom given,
except the learning of professions.
12. Do the Brazilians look forward for the abolition of slavery or do they think the country
cannot be cultivated without slave labour? The Brazilians in general consider slavery as an
evil, as a burden, but they look upon the abolition of slavery with horror, because they have
nothing to substitute. The propensity of the free people idlensse, and theyr repugnancy to
submission is so complete, that it would be impracticable to found (sic) any industrial or
agricultural enterprise of some extent on the labour of the free Brazilians.
13. That to have a sufficient number, the slave trade must be continued. As long as slavery
exist (sic) and the means of remplacing slave labour by that of free people fail, the
Brazilians will always wish the continuation of the slave trade. The only way of
extinguishing the trade is abolishing the slavery or supplying the people with means to do
without slaves.
14. How do the free Brazilians work? Most badly.
15. Live? Very poorly, without caring about the day tomorrow.
16. Cloth themself in comparison with the slave population? The lower classes cloth
themself nearly in the same way, so that you will not be able to distinguish free blacks from
slaves by the manner of dressing themself.

413

17. What have you heard about the Morro-velho company’s treatment of the blacks? In this
place and its neighbourhood there exist a real passion amongst the owners of slaves to send
them to the Morro-velho company, and their relying upon the carefull treatment the slaves
met with there is so complete, that the circumstance, general admission by them of the
mining labours being less convenial to the health than the field labours, do not trouble
them, a confidence they scarcely would put in any Brazilian company.
As to the articles used medicinally by the people, whether native Indians or other?
The number of plants used medicinally by the Brazilians (who learned most of them by the
Indians) is immense; the only list of their names would fill many pages; the principal works
about this matter are: Martius material medica Brasiliensium415 & St. Hilaire plantes
usuelles des Brésiliens,416 but both are only to consider as the first imperfect attempts.
What is the species of Copaifera417 growing in Minas Geraes? Or is the Balsam got
from more than one species? I am told that the balsam got here is very coarse; what is the
reason? Can it not be purified? The Copaiva balsam is got indistinctly from several species
of Copaifera; the here growing species is Copaifera coriacea Martius. Its balsam do (sic)
not appear to me inferior to that of the other species, neither in appearance nor in taste and
smell.
What is the species of plant furnishing the Ipecacuanha or is it furnished by more than
one species or genus? The plant furnishing the Ipecacuanha of the commerce is: Cephaelis
ipecacuanha, that gwos all over in the woods of the tropical part of Brazil; but it is
remplaced (sic) in the Campos districto by several other plants of equal merit, but not going
in the commerce: viz: Polygala poaya, Jonidium ipecacuanha, Jonidium poaya in the
capões, and Ricardsenia alba, rosea, scabra in the fields.
The plant called herva de Santa Maria is: Chenopodium anthelminticum. The oil
pressed form the seeds is officinal. Some pharmacies sells under the name of: ol. sem.
Chenop. Anthelm.

415

Lund deve ter se referido a Von Martius, C. F. P. (s.d.). Das Naturell, die Krankenheiten, das Ärzthum und
Heilmittel der Uhrbewohner Brasiliens. München, Druck der Wolfschen Buchdruckerei.
416
Saint-Hilaire, A. de. Plantes Usuelles des Brésiliens, Paris: Grimbert Ed., 1824.
417
Copaíba.

414

I remain, Sir,
Your’s truly
Lagoa Santa 8 April 1850
My respectfull compliments to Mr and Mrs Kew and family, and to Dr Walker.

415

LUND, P. W. Carta para Alexander von Humboldt, Lagoa Santa. Copenhagen: Det
Kongelige Bibliotek. 28/11/1837.
O Original:
Ew. Exzellenz Alexander von Humboldt
Lagoa Santa, den 28te November 1837
Die zuvorkommende Güte, vomit Ew. Exzellenz geruften mich zu empfangen, als ich
das Glück hatte im Jahre 1831 Ew. Exzellenz in Paris vorgestellt zu werden, und die
herablassend Teilnahme, die Sie meinen unbedeutende Forschungen in diesem Land zu
schenken würdigten, erregten Leg wir den lebhaftesten Wunsch, durch fernere
bestrebungen mich jener Güte und Teilnahme würdiger zu machen.
Dem Schosse der tropemnatur zurückgegeben konnte es mir an Stoff zu
untersuchungen nicht fehlen, jedoch zig ein Gegenstand vor allein andere meine
Aufmerksamkeit an sich. Ew. Exzellenz hatte mich darauf geleitet, ich beim Ihnen die erste
Früchte schuldig, die ich auf diesem Felde gesammelt habe. Die Fossilen Knochenreste
Brasiliens bildeten den ersten Gegenstand der lehrreichen Unterhaltung, womit Ew.
Exzellenz mich beehrt. Ich muste Ihnen nichts darüber zu sagen. Da es mir aber später
vergönnt worden ist, einen Teil des Schleiers zu haben, der diesen Gegenstand bisher
verhüllte, beeile ich mich Ew. Exzellenz den ersten Uebersecht meines Forschungen auf
diesem Felde hiermit ehrerbietigste vorzulegen.
Einege frühere Abhandlungen über die Vegetation des Campos, über die Höhle von
Maquiné, über die von Cerca Grande, sowie über das allgemeine Vorkommen der fossilen
Knocken in Brasilien – habe ich ebenfalls die Ehre gehabt, durch Herr Professor Reinhardt,
Ew. Exzellenz vorlegen zu lassen, welche alle, so ein gegenwärtige ich Sie nur als
vorläufige Skizzen zu betragten bitte, denn meine abgeschiedene Lage, und Mangel an
Hilfsmittel nötigen mich die vollständige Bearbeitung dieser Gegenständ lis auf meine
Rückkehr nach Europa aufzuschieben.
Vollte Ew. Exzellenz geruhen mich mit Ein geneigten Aufträgen zu beehren, werde
ich auch glücklig schützen dieser Gelegenheit zu haben, den Wissenschaften zu dienen, und
ihrem grössten befördern meiner Ergebenheit und bewunderung zu bezeugen.

416

A Tradução:
À Sua Excelência Sr. Alexander von Humboldt
Lagoa Santa, 28 de Novembro 1837 418
A atenciosa bondade com que Vossa Excelência me recebeu, quando tive a felicidade
de ser apresentado a Vossa Excelência em Paris no ano de 1831, e o sublime interesse com
o qual o senhor apreciou as minhas insignificantes investigações neste país, provocaram em
mim o vivo desejo de por meio de posteriores esforços ser digno daquelas bondade e
interesse.
Poder retornar ao seio da natureza tropical é para mim um material de investigação
que não falta, não obstante seja um assunto sozinho diante dos meus outros interesses em
si. Vossa Excelência me guiou a colher ao vosso lado os primeiros frutos que eu coletei
neste campo. Os ossos fósseis brasileiros formaram o primeiro assunto da rica conversa
com a qual Vossa Excelência me agraciou. Eu não precisava falar nada sobre isso a Vossa
Excelência. Como mais tarde me seria concedido revelar uma parte do véu que até agora
este assunto ocultava, apresso-me a respeitosamente submeter aqui a Vossa Excelência o
primeiro relatório das minhas investigações sobre este campo.
Alguns tratados anteriores – sobre a vegetação de Campos, sobre a caverna de
Maquiné, sobre a de Cerca Grande, assim como sobre a distribuição geral dos ossos
fossilizados no Brasil – eu tive igualmente a honra de, através do Sr. Professor Reinhardt,
submeter a Vossa Excelência, alguns dos quais eu presentemente ofereço apenas como
rascunhos provisórios, devido à minha posição distante e à falta de recursos auxiliares que
me obrigam a adiar o trabalho completo sobre estes temas até o meu retorno à Europa.
Queira Vossa Excelência dignar-me honrar com uma encomenda, irei eu igualmente
feliz defender esta oportunidade de servir à ciência, e testemunhar as minhas dedicação e
admiração para a sua maior promoção.
De Vossa Excelência
Permaneço vosso servo e admirador
P. W. Lund

418

O naturalista e explorador prussiano Friedrich Heinrich Alexander, Barão von Humboldt (1769-1859),
realizou uma famosa expedição pelas Américas entre 1799 e 1804, além de diversas outras pela Ãsia e Rússia.

417

LUND, P. W. Carta para Manuel Ferreira Lagos, Rio de Janeiro. Copenhagen: Det
Kongelige Bibliotek. 28/06/1845.
Manuel Ferreira Lagos419
Lagoa Santa, 28 de Junho de 1845
Illmo. Snr. Commendador – Rio de Janeiro
Lida em 21 d’Agosto de 1845
Resp.da em 16 de Abril de 1846
Tenho a honra de remetter a VS para o Museo do Instituto em uma caixeta junto
marcado I.H.G.B. huma collecção de ossos humanos fosseis, destinada a servir de
esclarecimento á relação que tomei a liberdade offerecer ao Instituto sobre este assumpto
em huma carta anterior. Consiste esta collecção nas peças seguintes:
1° hum crâneo, mostrando as feições características dessa raça antiga
2° a 5° quattro maxillas inferior, das quaes huma munida de dentes incisores para mostrar a
estranha conformação destes dentes, mencionada no lugar referido; fazendo-se outra
notável por se ter consumido não só os dentes todos, como tambem huma parte
consideravel da margem alveolar da mesma maxilla, circunstância observada em
varios esqueletos daquele deposito, e devida a idade mui avançada dos respectivos
individuos
6° hum fragmento do osso innominado, mostrando o estado de petrificação do tecido
celluloso
7° hum fragmento do osso da coxa, igualmente petrificado
8° huma amostra da rocha em que se acharão disseminados os ossos, exhibindo hum
fragmento do osso do braço.

419

O zoólogo Manoel Ferreira Lagos (1817-1871) sucedeu o cônego Januário da Cunha Barbosa (1780-1846),
no cargo de secretário perpétuo do Instituto Histórico e Geographico Brasileiro (IHGB).

418

Na esperança de que o Instituto se dignara acolher benignamente este fraco tributo da
estima, que consagro a essa Illustre corporação, e do interesse que tomo nos seus
importantes trabalhos,
Tenho a honra de me assignar
DVEx
Mt.° Att.° Nedor. e Cdo. Obr.
P. W. Lund

Approveito esta occasião para fazer sciente a VS, que não tenho recebido ainda o meu
diploma de membro honorario do Instituto, e como aprecio nimiamente esta honra, para
menosprezar a posse deste publico testemunho da sua benevolencia, rogo a VS o favor das
suas obsequiosas providencias a este respeito.

419

LUND, P. W. Carta para Raimundo José de Cunha Mattos, Rio de Janeiro.
Copenhagen: Det Kongelige Bibliotek. 21/01/1839.
21 Januar 1839
Maréchal Raimundo José de Cunha Mattos!420 421
Monsieur le Marechal!
Quoique je n’ai pas l’honneur de Vous connaitre personellement, Votre grande
célébrité, et l’admiration dout je suis pénétré pour Votre rare érudition et l’universalité de
Votre savoir, me font m’addressé par préférance à Vous, Mr. Le Marechal, relativement à
l’object dout je vais vous entretenir (que j’ai suppose n’être pas sans intérêt pour Vous).
Je viens d’être informé par le Sécretaire de la “Societé royale des antiquaires du
Nordâ€, le Professeur Rafn, q’un exemplaire de son ouvrage intitulé: “Antiquitates
Americanae†vient d’être déposé à la bibliotéque publique de Rio de Janeiro, et il me
demande s’il y aurait quelques personne au Brésil, qui voudrait le traduire en portugais,
dans quel cas, on lui ferait parvenir un Exemplaire à sa disposition. Ne connaissant
personne plus en état de remplir cette tache, que Votre Excellence, je prends la liberté de
m’adresser à Vous par la présent en Vous priant de bon vouloir prendre connaissance du cet
ouvragre, et d’avoir la bonté de m’informer si Vous jugerez convenable d’en faire une
traduction en portugais ou en entier ou en abrégé, afin que je puisse faire venir au plus tôt
l’exemplaire.
La “Societé royale des antiquaires du Nord†ne Vous será certainement pas inconnue;
Vous n’ignorez pas combien des ouvrages publiés sous sa direction on contribué, et aclairé
l’histoire ancienne du Nord, pays ou elle compri en grand nombre de membres (xxxx –
frase ilegível), le précedant actuel de Venezuela.
Un des objects dont la société s’occupe pour le moment est une étude comparation
des armes des différents tribus des sauvages de toute l’Amérique avec celles des peuples
ancien du Nord de l’Europe, principalement des armes en pierre, comme haches, (xxx ?).
De ceux derniéres l’un est parvenus à delivrer une foule dans les pays scandinaves, mais on
420

Raimundo José da Cunha Matos (1776–1839), político, militar e historiador, foi um dos fundadores do
IHGB em 1838. É autor de Corografia Histórica da Província de Minas Gerais (1837) e Itinerário do Rio de
Janeiro ao Pará e Maranhão pelas províncias de Minas Gerais e Goiás (1836).
421
Não se sabe se Cunha Mattos chegou a receber esta carta, pois faleceu no Rio de janeiro em 2 de março de
1839.

420

ignore encore comment ces peuples s’en servaient et comment ils les fixaient dans la
manche, puisque tout ce qui était fait en bois a disparu dans le cours des siècles. Comme les
sauvages de Brésil se servent encore de ces haches en guerre (connues sous le nom de
“coriscos†et “raiosâ€) peut être pendant vos voyages dans ce vaste pays Vous auriez en
occasion de faire des observations sous cet object; dans ce cas Vous voudrez un veritable
(xxx) à la société en leur communicant Votre observations, que Vous voudrez bien faire
parvenir à la société par le moyen du chargé d’affaires de Dinnamarc à Rio de Janeiro, Mr.
le Commadeur Prytz ou bien au Consul Danois Mr. Hamman.
Ayant l’honneur de fair partie de ce corps savant, et desirant promouvoire ces intérêts
autant que cela depend du moi, j’ai cru ne pouvoir lui rendre un service plus signalé qu’en
lui gagnent un savant aussi distingué que Vous Mr. le Marechal. Vous me permettez
l’honneur de Vous proposez comme membre de la société et je puis Vous assurés que Vos
hautes mérites scientifiques vous garantiront l’approbation de ses membres, qui Vous
considereron comme des plus beaux ornaments de la société.
Si Vous accedéz à mon désir, je vous prie de bien vouloir m’envoier des titres et
autres distinction ainsi que la liste de tous les ouvrages et (xxx) productions dont Vous avez
(xxx xxx xxx) et la littérature de votre interessant pays, afin de me mettre en état de Vous
introduire dignement à la connaissance de la société.
La société possède un museum trés riches en objects des anciens peuples du Nord et
elle s’occupe à former une collection des armes des différents hordes sauvages de
l’Amérique, principalement comme j’ai dit, des armes en pierre. Ne doutant pas que Vous
ne pourriez pas (xxx xxx), Vous possédez plusiers des ces objects, je me permets de Vous
prier de bien vouloir, en faire l’acquisition pour mon compte et de les remettre à Mr.
Hamann en Rio de Janeiro, que Vous (xxx xxx).
Dignez enfin Mr. le Marechal aprés (xxx) de la haute estime et admiration avec la
quelle j’ai l’honneur de me signéz.
Votre trés humble et trés dévoué serviteur.
P. W. Lund
PS:
Mon adresse est: Dr P.W. Lund. Lagoa Santa, Província de Minas Geraes.
Mon correspondent à Rio: Mr. Hamann

421

LUND, P. W. Carta para Carl Christian Rafn, København. Copenhagen: Det Kongelige
Bibliotek. 19/02/1840.
Lagoa Santa le 19 Fevrier 1840
Mr. Le Professeur!422
Probablement Vouz aurez reçu la lettre, que j’ai eu l’honneur de Vous écrire en date
de 14 Novembre de année passée, dans la quelle je Vous informais de l’établissement à Rio
de Janeiro d’une société scientifique, intitulée “Instituto historico geographico Brazileiroâ€
et ayant pour but principal d’éclaircir l’histoire et la géographie du Brésil.
Je Vous y avisais, que j’avait envoyé a cette société l’exemplaire de Votre mémoire
sur la découverte de l’Amérique au dixieme sciècle, que Vous aviez eu la bonté de me faire
parvenir, en ajoutent le désir, que l’Institut Brésilien voudrait bien dans l’interet des
sciences communiquer à la Société Royale des Antiquaires du Nord les resultats de leurs
travaux, dans la conviction, que la Société de Copenhage ne laisserait pas de repondre aux
bonnes intentions du corps savant de Brésil. La reponse dont m’honora l’Illustre Secrétaire
perpétuel de l’Institut Brésilien, Mr. Le Chanoine Januario da Cunha Barboza, en date de
11 de Juillet de 1839 ne me parvint malheureusement que ces jours ci, à cause du retard de
la personne, qui s’était charge de me la remettre. Le savant respectable temoigne le vif
intêret, avec lequel l’Institut accueillit Votre excellente mémoire, ainsi que l’intention de le
traduire lui même, et de le faire inserer dans le Journal de l’Institut, intitule Revista
trimensal do “Instituto historico geographico Brazileiroâ€. Je me felicite de ce qu’une
occasion si inappréciable s’est offert à moi de pouvoir repondre à Vos voeus sous ce
rapport, car certainement que le soin de la traduction de Votre mémoire ne pouvait être
confié à une main plus habile, que celle du celèbre Savant, qui a bien voulu s’en charger.
Mr. le Secrétaire m’informe ensuite que l’Institut accéda également à ma demande
relativement à l’établissement d’une correspondence entre les deux corps savants, ajoutant
le désir, que je joignisse quelques lignes d’introduction à la première communication, que
l’Institut allait offrir à la Société de Copenhage. Bien que je ne vois dans cette demande,
extrèmement flatteuse pour moi, qu’une trop grande modestie de la part d’un corps savant,

422

Carta enviada ao historiador dinamarquês Carl Christian Rafn (1795-1864), secretário da Sociedade Real
dos Antiquários do Norte.

422

represente par des notabilités scientifiques aussi distinguée comme le sont Mr. le Secrétaire
perpéctuel de l’Institut et son Illustre President Mr. le Viscomte de St. Leopoldo, je n’ai pas
voulu laisser de me conformer à ce désir, pour ne rien negliger de ma part qui pût
contribuer à serrer les liens, qui doivent unir tous les vrais amis des sciences, convaincu que
je suis, d’ainsi promouvoir les interêts communs de deux corps savants, qui m’ont fait
l’insigne honneur de m’adopter au nombre de leurs membres.
Permettez moi donc Mr. Le Professeur, en accomplissant ce devoir, d’ajouter les
voeus ardents que je fais pour que les relations amicales entre ces deux sociétés savantes
puissent se serret de jour en jour plus intimement, et conduire à des conquêtes scientifiques,
qui repandront du jour et de la gloire sur l’histoire et sur les savants de ces deux pays.
Je profite de cette occasion, pour Vous prier de bien vouloir transmettre à la Société le
remmerciments de ma part et de celle de mon compagnon de voyage de l’envoie de livres
sur l’histoire ancienne du Nord, dont elle a eu la bonté de nous faire present, ainsi que pour
Vous informer, que je me suis procure plusieurs objèts em pierres des Sauvages, que je
ferai parvenir à la Société par la première occasion, jointement avec quelques desseins de
mon compagnon de voyage.
Daignez Mr. Le Professeur, agréer l’assurance de la haute considération et de l’estime
avec les quelles j’ai l’honneur de me signer.
A Mr. Le Professeur C. C. Rafn
Secrétaire de la Société Royale des Antiquires du Nord
a Copenhage
Votre trés humble et trés devoué serviteur
P. W. Lund

423

LUND, P. W. Carta para Jozé Lopes da Silva Vianna, Ouro Preto. Copenhagen: Det
Kongelige Bibliotek. 15/12/1853.
Illmo. Snr. Dr. Joze Lopes da Silva Vianna423
Lagoa Santa, 15 de Dezembro de 1853
Acuso o recebimento da estimadissima carta que V.Exa. me fez a honra de me dirigir
com data de 23 de Novembro em que me participa, que, desejando o governo promover o
estabelecimento da navegação por vapor no rio das Velhas, e procurando obter para este
fim os esclarecimentos preciosos sobre o curso e mais condições physicas deste rio que
podem influir na dita navegação, tem sido V.Exa. encarregado desta tarefa, e sendo V.Exa.
informado de que eu podia fornecer alguns esclarecimentos a este respeito por possuir hum
relatório ou exposição sobre o curso deste rio e as difficuldades que presenta á sua
navegação, me convida a prestar este serviço ao “paizâ€.
Passando a responder, tenho primeiro que tudo de testemunhar á V.Exa. o meu
reconhecimento pelos sentimentos de benevolencia e de bondade com que V.Exa. se digna
me honrar em termos para mim tão lisongeiros, quão pouco merecidos, e de lhe assegurar,
que nada mais me honraria do que corresponder á tão honroso convite, tanto mais que versa
sobre hum objecto, que em si me inspira o mais vivo interesse, e o mais ardente desejo de
contribuir da minha parte, por pouco que fosse, para a sai realisação.
Não possuindo por proprio exame noções particulares sobre o curso deste rio, o
recurso que me restava era contribuir com trabalhos alheios.
Existia realmente no meu poder hum documento, que julgo não ser sem utilidade para
o fim que se tem em vista, a saber a copia de huma planta assaz detalhada do curso do rio
das Velhas, com indicação das suas caxoeiras e mais obstaculos á sua navegação, levantada
por Snr. Guilherme Kopke424 na sua exploração do ditto rio.

423

Desembargador e vice-presidente da Província de Minas Gerais entre 1852 e 1853 (BURTON, 2001).
O engenheiro português Guilherme Kopke (?-1872) recebeu da Regência em 1834 o monopólio de
exploração da navegação por barcos à vapor no rio São Francisco. Com o fracasso do empreendimento,
voltou em 1850 para Portugal.
424

424

Este documento porem não o possuo mais; dei o ao Snr. Fernando Halfeld425 na
occasião de seu transito por este arraial. Como o Snr. Halfeld se acha encarregado por parte
do governo da exploração do Rio de S. Francisco e de seus affluentes, julguei não poder
fazer melhor emprego da dita planta do que ponde a disposição deste Snr., que por seus
conhecimentos profissionaes esta nas circumstancias de poder, melhor do que ninguém,
tirar todo o proveito della.
Fora da mencionada planta não possuo outro algum documento, que possa esclarecer
a questão, sentindo me ver deste modo inhibido de poder contribuir para o fim patriotico,
que faz o objecto do honroso convite de V.Exa.
Finalmente rogo a V.Exa.desculpar a demora da resposta causada pelo mao estado da
minha saúde, e aceitar os protestos da mais alta consideração e estima, com que tenho a
honra de ser
DVSR
Mto. Atto. Vdor. e Cdo. Obdo.
P. W. Lund

425

O engenheiro alemão Heinrich Wilhelm Ferdinand Halfeld (1797-1873) fez o primeiro estudo técnico
sobre o rio São Francisco: Atlas e Relatório Concernente a Exploração do Rio de S. Francisco desde a
Cachoeira da Pirapora até o Oceano Atlântico, resultado de uma expedição (1852-1854) solicitada por Dom
Pedro II.

425

SANTOS, N. C. dos. Carta para J. T. Reinhardt, København. Copenhagen: Det
Kongelige Bibliotek. 27/05/1880.
O Original:
Monsieur Professeur J.Th. Reinhard