Criar um Site Grátis Fantástico


Indice - Erros do Darwinismo que se Perpetuam 150 anos na Ciência


Indice 

 
Página: Indice
.: 20-02-18
Página: TNI- Teoria Neocatastrofista de Impactos
.: 22-03-19
Página: Thermodynamic perspectives e FGI (refuta
.: 22-03-19
Página: O que há de errado com a biologia evolut
.: 22-03-19
Página: Compositional differences between meteor
.: 16-02-18
Página: SPECIES AND SPECIATION : EVOLUTIONARY TE
.: 16-02-18
Página: Tempo e Modo da Evolução - Gould & Simps
.: 16-02-18
Página: Arvore Evolutiva se Torna um Pomar Criac
.: 18-02-18
Página: Neocatastrofismo
.: 19-02-18
Página: Thermodynamic perspectives on genetic in
.: 20-02-18
Página: Hipótese da Chuva de Asteroides - Sodré
.: 28-02-18
Página: referencias da TNI
.: 08-03-18
Página: referencias da TNI
.: 08-03-18
Página: Speciation in real time and absence in g
.: 13-03-18
Página: idade de grandes crateras lunares e bomb
.: 15-03-18
Página: Como se datava a Terra - Sodré Neto
.: 19-03-18
Página: gentry
.: 20-03-18
Página: A Brief Observational History of the Bla
.: 26-03-18
Página: PEQUENO DISCURSO ECONÔMICO - SODRÉ NETO
.: 02-04-18
Página: achei
.: 07-04-18
Página: achei2
.: 07-04-18
Página: revolução geocronologica
.: 07-04-18
Página: Não há mais razão pra acreditar em milhõ
.: 07-04-18
Página: UNIFORMITARISMO
.: 07-04-18
Página: OVERMAN, 2010 ARGONIO
.: 07-04-18
Página: estimativas taxas de impacto
.: 08-04-18
Página: AGU Norman Sleep
.: 08-04-18
Página: impact
.: 09-04-18
Página: Walter Brown
.: 09-04-18
Página: Lavaoué
.: 24-04-18
Página: Artigos com Peer Review Criacionistas e
.: 22-03-19
Página: Rejeitam o Óbvio & Defendem Absurdos
.: 22-03-19
Página: Stories of four creationists in South Ko
.: 22-05-18
Página: Long-term morphological stasis maintaine
.: 04-06-18
Página: Form and Cause in Goethe’s Morphology
.: 04-06-18
Página: (Sem Título)
.: 03-07-18
Página: HEREDITARIEDADE DE PESSOA SINGULAR (2008
.: 26-07-18
Página: Leonard Brand sequencia da coluna geolog
.: 26-07-18
Página: armitage e anderson
.: 01-08-18
Página: armitage 2016
.: 01-08-18
Página: simulação de impactos
.: 30-08-18
Página: (Sem Título)
.: 01-09-18
Página: Capacidade de Previsão teórica versus Su
.: 02-09-18
Página: Neocatastrofismo
.: 05-09-18
Página: Historia da Teoria Neocatastrofista de I
.: 22-09-18
Página: Acervo de artigos com peer review Criaci
.: 17-10-18
Página: Neocatastrofismo - wikipedia - autor Sod
.: 10-11-18
Página: A Lógica Teológica é mais Científica nas
.: 14-11-18
Página: REEXAME BELT PRINCIPAL DE ASTERÓIDES AFE
.: 18-11-18
Página: Koreia do sul
.: 18-11-18
Página: O Controle da Entropia Pode corrigir o C
.: 06-12-18
Página: LISTA DE ARTIGOS CIENTIFICOS DO DESIGN I
.: 22-03-19
Página: Lista de Asteroides por diâmetro da Crat
.: 12-03-19
Página: Ficção ou Fato Paleontológico? Gilbert
.: 13-04-19
Página: Contatos
.: 06-02-18

 

Erros do Darwinismo que se Perpetuam por 150 anos na Academia

Resumo: Apresentamos erros que desde o darwinismo tem se perpetuado na academia, ao mesmo tempo citando surgimento de modelos que se desenvolveram de forma alternativa quanto a estes pontos quando estão em franco conflito com os dados.

Introdução

Devido ao fato de haver centenas de publicações contrárias a evolução percebemos tentar entender quais pontos desde Darwin se perpetuam erroneamente na academia e como podemos entendê-los;. Cientistas com alta relevância estão desafiando o paradigma da teoria da evolução com publicações a favor da existência de um design inteligente como Behe[1][2]; Hunter, 2012[3]; Adami, 2000 ele explica o problema da complexificação desde o fanerozoico [4] e ao fim justifica que "acredita" que "o demonio de Maxwell estaria atuando na historia da evolução; Loening, 2006[5][6] explica sobre o padrão fóssil de surgimento de seres prontos em harmonia com as pesquisas ligadas a complexidade irredutível necessária a sobrevida de qualquer organismo o que implica em necessidade de design inteligente montando sistemas o que refuta a ideia de seleção natural de etapas evolucionarias de pequenas partes do sistema intercaladas por milhões de anos ocorridas naturalmente , 2017; Sheldon, 2008[7]; Denton,1986[8]2004[9]; Zuñiga, 2016[10], Meyer, 2009, 2013[11]; Webe BH, 2010[12][13][14]; Moriwitz, 1992; Kaufmann, 1993[15]; Dembsk, 2004; Meester, 2009[16]; Gonzáles, 2004; Axe, 2016[17][18]. Temos uma lista em franca ascensão que já contém mais de 2500 PHDs contrários a partes da teoria da evolução[19] onde todos eles tem em comum a defesa de que os dados exigem planejamento anterior e não causas naturais,

Alguns destes autores vão mais além e apresentam os limites da evolução[20][21], outros refutam o corolário da biologia matemática de Fisher[22],[23][24] e apresentam a "entropia genética"[25] como a tendencia mais poderosa na historia dos seres vivos[26][27][28].

Muitos admitem que existe apenas duas maneiras de se enxergar a realidade; aquela que inclui tanto aspectos sobrenaturais como naturais e aquela que exclui um ou outro, onde um extremo se concentra apenas em causas espirituais e outro se concentra apenas em causas naturais evitando evocar o sobrenatural de forma igualmente preconceituosa.

Estas duas visões estão em constantes debates na academia[29][30] e por mais que desde os pais da ciência e em especial Paley, juntamente com os dados, evoquem a partir dos dados , planejamento da vida , de leis, de engenharia e ordem de coisas, a ciência moderna tem se estruturado sistematicamente de forma a negar tais evocações, criando um clima anti-diálogo, anti-científico e de disputas sem fim que por mais que motivem o estudo, também desgastam a relação entre pesquisadores, acadêmicos, políticos onde cada um defende sua ideologia preferida, Esperamos com os esclarecimentos abaixo diminuir tais conflitos e restabelecer uma ordem mais civilizada no acolhimento de um pensamento que seja mais universal possível e menos regional-ideológico.

Neste momento de pós modernismo, esperamos superar tais negações e deixar os dados serem regentes da ciência, mesmo quando evocarem realidades que ultrapassem barreiras preconceituosas anticlericais e anti teleologismos que desde o iluminismo (principalmente o francês) tem forçado a academia a simplesmente negar.

Apresentamos alguns desvios científicos da teoria geral da evolução e cosmovisão estritamente naturalista , os quais devem ser esclarecidos as novas gerações para que possam ampliar seus horizontes quanto a aspectos da historia da origem do universo, planeta e da vida, bem como damos destaque a

  1. Quando ele aposta em datações de tempos remotos, os quais entram em choque com mais de 100 perspectivas datacionais , tendo apoio quase apenas de um grupo escolhido de calibrações as vezes forçadas de radiométricos, os quais dependem de confiar na constância de decaimento, que nunca existiu devido apenas uma queda de bólido poder gerar aceleração de partículas pelo efeito plasma + piezzoelétrico + som + temperatura imediata , as quais podem arrancar neutrons e perturbar o núcleo atômico .
  2. Quando ele aposta no passado distante que todos os troncos e clados se cruzaram e que havia fósseis comprovando isso (famosos elos perdidos). Isso nunca existiu e os darwinistas fanáticos só aceitaram este fato quando Jay Gould arrumou uma desculpa pro saltacionismo fóssil que já era admitido desde alhures.
  3. Quando ele aposta que um caldo primordial produziria a vida e a complexa e engenhosa célula que ele chamava de caixa preta
  4. Quando ele se desfaz dos geólogos pais da geologia e aposta num advogado chamado Lyell que defendia uniformismo justamente na geologia que tem tantas evidências de gigantescas catástrofes nada uniformes ao que ocorre hoje . Darwin chega a citar esse desprezo aos pais da geologia na sexta edição
  5. Quando cita e despreza a alternativa na época corrente entre biólogos , de ter havido espécies originais dando origem a diversidade, o que é confirmado nos fósseis que tem padrão de surgimento repentino de arquétipos, em favor de uma ancestralidade totalmente comum que nunca foi confirmada nos fósseis
  6. Quando ele, mesmo percebendo a repetição de formas fósseis (estase morfológica) , que somente sepultamento de populações nas camadas poderia produzir , continuou defendendo que fósseis repetidos em estratos diferentes representavam amostras intercaladas por milhões de anos
  7. Quando desprezou centenas de relatos antigos (mais de 270 fontes arqueológicas incluindo a bíblica ) que falavam do dilúvio e catástrofes de rochas incandescentes associadas (Maias ).
  8. Quando desprezou a lógica filosófica, epistemológica e teológica do relojoeiro de Paley
  9. Quando quis fazer média com a onda do iluminismo anti-religioso da época que não é exatamente laicista, mas substitui a religião pelo ateísmo.

Limites da Evolução.

Calculo que o professor especialista em bioquímica celular , Dr. Michael Behe , por ter dezenas de publicações científicas em questionamentos poderosos ao darwinismo, entre os mais de 2500 grandes cientistas com Phd contra o darwinismo , seja ele talvez hoje a maior autoridade em crítica ao darwinismo.É ele o autor do best seller "A Caixa Preta de Darwin" no qual enfatiza a complexidade múltipla necessária para os sistemas celulares funcionarem e que Darwin, sem microscópios na época, considerava a então desconhecida célula uma "caixa preta", e por isso não poderia perceber que ali existia uma maquinaria que nem em mil trilhões de anos poderia evoluir uma vez que a evolução dificilmente fabricaria alguma coisinha, o que pode ser confirmado em trilhões de planetas sem vida, que dirá fabricar 2 coisas conectadas , ou muito menos trilhões de aspectos engenhosamente sincrônicos . Livro muito bom, além das dezenas de publicações dele que são mais técnicas .

Recentemente ele lançou outro livro "Os limites da Evolução" que a Mackenzie traduziu para o português e ele veio falar aqui no Brasil:

https://www.youtube.com/watch?v=W2WEGso7ZpY

Os seres vivos estão variados dentro de clados e não fora deles, tanto na biodiversidade atual quanto no registro fóssil segundo grupo de biólogos da baraminology , especializados em descontinuidade sistemática

O maior problema do darwinismo é a falta de limites :

  1. De ancestralidade totalmente e ilimitadamente comum questionada por dados que revelam haver ancestralidade limitada
  2. Na organização temática não se distingue a diferença entre surgir e variar o que já surgiu pronto no registro fóssil (Outro poderosos crítico do Darwinismo na alemanha , Wolf-Ekkehard Lönnig do Max-Planck-Institut for Plant Breeding Research.
  3. No tempo uma vez que a meia-vida do DNA é muito curta
  4. Na total e ilimitada dependência da geocronologia que trás tantas contradições

Paleontologia e o Saltanismo

Podemos perceber que a defesa em Harvard da tese doutoral em paleontologia do Dr. Kurt Wise , poderá gerar hoje uma mudança radical na ciência moderna.

Não foi coincidência que Stephen Jay Gould, orientador da tese de @Patrick Kurt Wise, revolucionou a teoria da evolução ressuscitando o saltacionismo (pontualismo) que revela ausência de interligações filogenéticas no registro fóssil, apresentando uma interpretação de mudanças rápidas e preservação de espécies estabilizadas gerando mais fósseis. Saltacionismo – Wikipédia, a enciclopédia livre

O Dr kurt Patrick Wise ([[1]]) , sob orientação daquele que é considerado pela maioria dos paleontólogos como maior paleontólogo da atualidade: Stephen Jay Gould , pai do pontualismo, apresentou tese com mais de 1200 paginas, e acredito que usando seus dados podemos provar o modelo de história da vida da Bíblia e do criacionismo, ao mesmo tempo que desbancar de uma vez por todas essa confusa e longa historia de seres evoluindo indefinidamente do darwinismo durante bilhões de anos.

Pra começar a tese demonstrou que quase 100% dos trilhões de fósseis são marinhos (95%) ou aquáticos(4,7%), e menos de 0,0125% são animais vertebrados continentais , sendo a maioria destes peixes. Ora, isso demonstra ser , juntamente com milhares de outras observações, que claramente se trata de um retrato nítido de afogamento , erosões e catástrofes mundiais, onde sedimentos decantaram e sepultaram vivos principalmente populações que ficam no fundo dos oceanos e rios, que são os locais mais profundos da terra para onde se depositam maior quantidade de sedimentos carregados por movimento de águas.

O fato da repetição de formas fósseis em 71% (Benton, 2009; Gould, 1984; Simpson, 1944) reforça totalmente este quadro catastrófico por ser uma amostragem que somente o sepultamento de diversas populações também repetidas morfologicamente , produziria. A disputa neste ponto se resume em perguntar se o padrão de repetição de formas fósseis se deve ao sepultamento de todas as populações ou se foi preservado muito mais as formas de sucesso reprodutivo da época. Daí achamos a datação que vai recomendar mais a segunda hipótese bem menos provável, mas perguntamos, a datação de bilhões de anos estaria correta? O Dr. John Baumgardner provou com testes no laboratório nuclear de LOS ÁLAMOS que não está, ao testar carbono 14 em rochas contendo material de origem orgânica, os quais não deveriam conter NADA de carbono 14 se fossem mais velhos que 250 mil anos, dado o fato de cair pela metade a quantidade de C14 em apenas 5730 anos. Mas apesar destes testes dele bastarem, temos mais de 100 outros tipos de observações e testes que concordam com ele e discordam dos bilhões e milhões de anos³.

Hoje também temos melhores estimativas de 6,4 milhões de espécies continentais e 4,3 milhões de especies marinhas em bilhões de formas ) , portanto , o verificar que das trilhões de amostras fósseis, 99% são marinhas ou aquáticas, qualquer pessoa pode facilmente enxergar e raciocinar que o registro fóssil representa o retrato de uma catástrofe envolvendo muita água, pois caso não enxergue isso vai ter que explicar por que as espécies terrestres que se especiaram tanto hoje, ficaram quietinhas durante mais de 500 milhões de anos deixando só as aquáticas se proliferarem. Ora, isso seria forçar toda a realidade evolutiva das espécies terrestres ir contra os fatos , ainda mais levando em conta que a pangeia existia, bem como continentes que estão hoje afundados, o que geraria mais possibilidades numéricas de espécies terrestres preservadas no registro fóssil e não esta quantidade tão mínima das mínimas: O,0124% sendo a maioria ainda peixes.

Por isso podemos concluir sim que uma espécie de dilúvio associado a grandes tragédias tectônicas é um modelo que combina muito mais com os dados que defender que fósseis são provas de bilhões de anos de evolução.

Uma catástrofe capaz de gerar sedimentos sepultadores nos sulcos e lugares mais baixos da terra (mares e rios) que receberiam maior aporte de lama capaz de sepultar repentinamente vivos os animais e plantas ( algo fundamental para os transformar em fósseis bem preservados) é de fato um modelo que combina com os dados fósseis.

Um ponto importante que se agrega a esta perspectiva paleontológica é o fato de que para sepultar vivo um animal gigante continental e preservá-lo por completo como ocorre em muitos casos , necessitaria uma maré de lama muito alta e uma mega transgressão marinha, muito maior que um tsunami gigantesco, 10000 vezes maior que aquele tsuami da Asia que foi gerado por um deslize de 15 cm de uma placa tectônica, ou seja, esta preservação de animais gigantes sepultados nos fala claramente de grandes movimentos bruscos tectônicos da crosta da terra , assim como na arqueologia não somente a Bíblia mas 274 outras fontes fala, inclusive o famoso sábio Platão ao falar da cidade afundada Atlântida (será que os antigos sabiam mais das coisas antigas que nós modernos?)

Os maiores paleontólogos da atualidade discordam de que existem elos perdidos de Darwin ou comprovações fósseis evolutivas, e por isso são quase todos pontualistas ( exceto quem não estuda muito paleontologia atual que já admite que isso não existe como apostava Darwin e muitos darwinistas até hoje, apesar que já na época deles já se percebiam as dificuldades que ficaram como desafios a serem resolvidos, mas para sua infelicidade ideológica, se perpetraram até a chegada do pontualismo que confessou estas esperanças como encerradas.

O pontualismo parece que só foi aceito porque tentou explicar esta falta de elos , de variabilidade tanto vertical quanto lateral, caso contrário seria considerado uma pseudociência , pois assim tratavam os criacionistas que sempre acusaram a falta de transicionais.

Pra complicar ainda mais a esperança dos darwinistas que ainda acreditam em ancestralidade totalmente comum, existem grupos de pesquisa que identificam uma descontinuidade sistemática hoje também, por mais que tenhamos estimativas de 9 milhões de especies em bilhões de formas (são os biólogos e cientistas da baraminology ) mostrando que a descontinuidade fóssil apenas engrossou em variações, mas persistiu até hoje.

Vale aqui ressaltar que o número de arquétipos fósseis é quase o mesmo dos arquétipos hoje, mostrando que a variação ocorre a partir de espécies ancestrais e não fora delas , mas se os darwinistas acharem alguma aberração na natureza, pode saber, nestes alfinetes construirão um edifício e continuarão a fazer a mesma festa que Oparim e Miller fazem até hoje por ter produzidos aminoácidos racêmicos (lixo químico) e estabelecerem na ciência um modelo de origem abiogênica da vida ressuscitando aquela velha ideia ateia de geração espontânea refutada por Pasteur com a lei da biogênese (vida só provém de vida) ; ou seja, quando a vontade é maior não existe razão que vença.

ARTIGO PUBLICADO A RESPEITO

Log into Facebook | Facebook

VIDEO DE 8 MINUTOS EXPLICANDO ASPECTOS DATACIONAIS E TESTES DE C14 DE John Baumgardner EM MATERIAIS DE ORIGEM ORGÂNICA CONTRASTANDO 40 MIL VERSUS 500 MILHÕES DE ANOS MUDANÇA DRÁSTICA NA TEORIA DA EVOLUÇÃO PROVA QUE A HISTÓRIA BÍBLICA ESTÁ CIENTIFICAMENTE CORRETA

REVOLUÇÃO NA DATAÇÃO RADIOMÉTRICA

TNI- Teoria Neocatastrofista de Impactos

Mas quem disse que Behe está sozinho? tem mais de 2500 cientistas com PHD de alta relevancia em ciência com ele (pois a maioria dos cientistas não tem relevância)

Só o Dr Sanford em relavância supera 1 milhão de cientistas , o Dr Crabtree deve superar 1 trilhão

exemplo

The fundamental theorem of natural selection with mutations

Você me perguntou: "Aonde que uma revisão do teorema de Fisher mostra que não existe evolução? Aonde isso aparece num artigo cujo título diz: The fundamental theorem of natural selection with mutations? Me mostra, quero ser convencida."

Resposta: "consideramos ser uma distribuição realista de efeitos mutacionais, o processo de seleção de mutações resulta em declínio contínuo da aptidão física""A predominância muito forte de mutações deletérias nesta caixa [de quase-neutros] garante absolutamente a perda líquida de informações."

"No entanto, o teorema de Fisher estava incompleto na medida em que não permitia a incorporação de novas mutações. Além disso, o corolário de Fisher estava seriamente defeituoso, na medida em que assumia que as mutações têm um efeito líquido de aptidão que é essencialmente neutro. Nossa reformulação do Teorema de Fisher efetivamente concluiu e corrigiu o teorema, de modo que agora ele pode refletir a realidade biológica".

O artigo está dizendo é que se ocorre incapacidade "liquida" de aptidão, ocorre entropia, ou seja, se levarmos em conta o remoto passado, viemos do mais sofisticado para o mais simples e não o contrário (por mais que no meio do caminho possa haver uma aptidão ou outra devido sermos seres adaptáveis); isso prova que viemos do Gênesis, do paraíso, e vamos ao apocalipse e não de sopa primordial ou organismos mais simples os quais nem tem relação filogenética provada em fósseis ou em cruzamentos artificiais diretos ou até os mais indiretos possíveis, conosco e nem entre grupos pois há uma descontinuidade sistemática em torno do taxon familia.

Tem milhares de de artigos nesta linha inclusive este propondo um novo modelo Cells Use Elaborate Math to Adapt

2. "sobre fósseis..ausência de evidência não é o mesmo que evidência de ausência, por isso os fósseis frustram as discussões."

Resposta: A evidência de ausência parece valer muito pra vocês darwistas pois imaginam em cima de coisas inexistentes como dei o exemplo dos fosseis...

Para os criacionistas como eu , buscamos valorizar os dados antes de afirmar cientificamente algo, podemos afirmar fislosoficamente , ou dedutivamente muitas coisas , mas cientificamente , só o podemos fazer se tivermos dados em mãos. E temos muitos dados e isso não é nenhum ausência, há estimativas de haver trilhões de fósseis na terraos quais geram algumas conclusões como:

1. Padrão de surgimento pronto

http://www.sensortime.com/loennig-dygmosoic-e.htm

2. Descontinuidade sistemática

https://www.instazu.com/tag/baraminology

3. Estatística taxonômicas que revelam catástrofe em água

The Estimation of True Taxonomic Durations from Fossil Occurrence Data

4. Paradoxo da estase morfológica que prova que houve sepultamento de todas as populações

https://www.researchgate.net/publication/320173544_Speciation_in_real_time_and_historical-archaeological_and_its_absence_in_geological_time

5. Perda drástica de tamanho entre ancestrais fósseis e seus descendentes, o que prova mais uma vez catástrofe que mudou drasticamente o ambiente.

3. "mais...todos os remédios modernos para tratamento de câncer tem em sua raiz a evolução. Prefiro a discussão molecular pq todas as cartas estão na mesa. E sobre criacionismo...se vc disser que Deus criou a evolução nossa discussão termina e vamos todos celebrar juntos. Porque para nós pouco importa quem, como disse a Claudia Russo. Mas se vc insistir que a evolução não existe então lhe pergunto: porque seu médico lhe diz para nunca interromper o curso de antibiótico, mesmo que vc já se sinta bem?"

Resposta:

1. continuam bacterias até hoje (apesar das terem altas taxas modificacionais e vocês ainda acreditam que estão no planeta a 3,5 bilhão de anos, mas deveriam perceber que bacterias penetram solos profundos e por isso vão dar idades gigantescas no jeito de contar de vocês )

2- antibióticos antigos voltam a ser usados porque bacterias voltam as suas formas anteriores não havendo ambiente que as ameace, ou seja, ponto pra variação adaptativa "em torno" e não pra teoria da evolução . VATTF (Variação adaptativa em torno do taxon familia - https://www.researchgate.net/publication/320173544_Speciation_in_real_time_and_historical-archaeological_and_its_absence_in_geological_time )

4. "não considero ciência o que já tem de antemão a conclusão. Me dei ao trabalho de ler os anais do congresso brasileiro de desenho inteligente. Todos os resumos tinham exatamente a mesma conclusão. A diferença é que os criacionistas buscam evidências para embasar sua conclusão, enquanto cientistas buscam teorias explicativas para seus dados."

Resposta: Favor citar 3 argumentos do professor Dr. Kelson e 3 argumentos do Dr. Tarcisio no congresso do design e refutar;

Links das palestras do congresso do Design

Dr Kelson Mota sobre calculos de entropia

https://m.youtube.com/watch?v=43jry0ocy6U

Tarcisio, a impossibilidade bioquimica da teoria da evolução

https://m.youtube.com/watch?v=cGTV7BWlBb8

A mesma conclusão de uma cosmovisão sobrenatural versus natural compreende bilhões de conclusões

5. "tem uma ótima cena no doc do Netflix que mostra o Terraplanista fazendo de todo jeito para os dados concordarem com a hipótese q possui. Na ciência o nosso trabalho é tentarmos de todas as formas mostrar que nossa hipótese está errada. E só qdo não conseguimos é que a aceitamos como a mais provável explicação. Veja bem...provável explicação e não verdade. A ciência não busca a verdade, busca explicações sobre observações e fenomenos. Já vcs buscam a verdade. E fazem de tudo para que as evidências se encaixem nas suas verdades. São métodos totalmente diferentes de se olhar o mundo. E é por isso que o criacionismo jamais deve estar na aula de ciência, simplesmente pq não é ciência."

Resposta: Nunca vi nenhum siste oficial do criacionismo ou do design inteligente defender terra-plana que parece ser um fenômeno atual que pode inclusive ser entendido como reação de um público leigo conservador as afirmações que se pregam na academia como expliquei em dois lugares

primeiro foi num congresso cientifico

https://www.youtube.com/watch?v=JzpVvpBSQLY&t=133s

segundo aqui

https://www.youtube.com/watch?v=e3gkkDJSKgM&t=320s

Referências

  1. Behe, Michael J.; Snoke, David W. (1 de outubro de 2004). «Simulating evolution by gene duplication of protein features that require multiple amino acid residues». Protein Science: A Publication of the Protein Society. 13 (10): 2651–2664. ISSN 0961-8368. PMC 2286568Acessível livremente. PMID 15340163. doi:10.1110/ps.04802904 
  2. Behe, Michael J. (1 de dezembro de 2010). «Experimental evolution, loss-of-function mutations, and "the first rule of adaptive evolution"». The Quarterly Review of Biology. 85 (4): 419–445. ISSN 0033-5770. PMID 21243963 
  3. Kuhn, Joseph A. (1 de janeiro de 2012). «Dissecting Darwinism». Proceedings (Baylor University. Medical Center). 25 (1): 41–47. ISSN 0899-8280. PMC 3246854Acessível livremente. PMID 22275784 
  4. Adami, Christoph; Ofria, Charles; Collier, Travis C. (25 de abril de 2000). «Evolution of biological complexity». Proceedings of the National Academy of Sciences (em inglês). 97 (9): 4463–4468. ISSN 0027-8424. PMID 10781045. doi:10.1073/pnas.97.9.4463 
  5. Lönnig, W. E.; Saedler, H. (31 de dezembro de 1997). «Plant transposons: contributors to evolution?». Gene. 205 (1-2): 245–253. ISSN 0378-1119. PMID 9461398 
  6. Lönnig, Wolf-Ekkehard (2004). «http://www.sensortime.com/loennig-dygmosoic-e.htm». http://ressign.com/review_books_04/b_04/b04.htm 37/661 (2) ed. Kerala, Índia: Max-Planck-Institut for Plant Breeding Research, Carl-von-Linné-weg 10 . 50829 Cologne, Germany. ISBN 81-7736-231-3. Consultado em 7 de junho de 2019  Ligação externa em |titulo= (ajuda)
  7. Sheldon, Robert B.; Hoover, Richard B. (28 de agosto de 2008). «Cosmological evolution: spatial relativity and the speed of life». 7097. doi:10.1117/12.802195.short 
  8. Denton, Michael (1986). Evolution: A theory in crisis (PDF). [S.l.]: Adler & Adler. pp. 368 pages. ISBN 091756152X. Consultado em 18 de novembro de 2018 
  9. Denton, Michael J.; Marshall, Craig J.; Legge, Michael (7 de dezembro de 2002). «The protein folds as platonic forms: new support for the pre-Darwinian conception of evolution by natural law». Journal of Theoretical Biology. 219 (3): 325–342. ISSN 0022-5193. PMID 12419661 
  10. Zuñiga, Jorge G. (2018). «La evolución de los sistemas bioquímicos complejos». revistas.ucr.ac.cr (em espanhol). VOL. 57 NÚM. 147 (2018): REVISTA DE FILOSOFÍA. Consultado em 18 de novembro de 2018 
  11. Washington., Biological Society of; Washington., Biological Society of; Washington., Biological Society of; Institution., Smithsonian; Institution., Smithsonian (2004). «Proceedings of the Biological Society of Washington.» (em inglês). v.117 (2004). ISSN 0006-324X 
  12. Weber, Bruce H. (31 de maio de 2013). «Towards a General Biology: Emergence of Life and Information from the Perspective of Complex Systems Dynamics». WORLD SCIENTIFIC. Biological Information (em inglês). ISBN 9789814508711. doi:10.1142/9789814508728_0024 
  13. 1950-, Marks, Robert J., II (Robert Jackson), ([2013]). Biological information--new perspectives : proceedings of a symposium held May 31, 2011 through June 3, 2011 at Cornell University. [Hackensack] New Jersey: World Scientific. ISBN 9789814508728. OCLC 847526859 
  14. «Emergence of Life and Biological Selection from the Perspective of Complex Systems Dynamics | Request PDF». ResearchGate (em inglês). Consultado em 18 de novembro de 2018 
  15. Grubesich, Fabio. «THE ORIGINS OF ORDER Self-Organization and Selection in Evolution» (em inglês) 
  16. Meester, Ronald (1 de setembro de 2009). «Simulation of biological evolution and the NFL theorems». Biology & Philosophy. 24 (4): 461–472. ISSN 0169-3867. PMC 2837227Acessível livremente. PMID 20234823. doi:10.1007/s10539-008-9134-x. Consultado em 18 de novembro de 2018 
  17. Axe, Douglas D.; Dixon, Brendan W.; Lu, Philip (4 de junho de 2008). «Stylus: A System for Evolutionary Experimentation Based on a Protein/Proteome Model with Non-Arbitrary Functional Constraints». PLoS ONE (em inglês). 3 (6): e2246. ISSN 1932-6203. PMC 2405935Acessível livremente. PMID 18523658. doi:10.1371/journal.pone.0002246 
  18. «Model and Laboratory Demonstrations That Evolutionary Optimization Works Well Only If Preceded by Invention--Selection Itself Is Not Inventive». BIO-Complexity (em inglês). 2015 (0). 22 de dezembro de 2015. ISSN 2151-7444 
  19. «Uma Dissensão Científica do Darwinismo – Dissent from Darwin». dissentfromdarwin.org. Consultado em 13 de julho de 2019 
  20. Behe, Michael J. (2009). «Waiting longer for two mutations». Genetics. 181 (2): 819–820; author reply 821–822. ISSN 0016-6731. PMC 2644969Acessível livremente. PMID 19189948. doi:10.1534/genetics.108.098905 
  21. Sanford, John C.; Baumgardner, John R.; Brewer, Wesley H. (10 de abril de 2013). «Selection Threshold Severely Constrains Capture of Beneficial Mutations». WORLD SCIENTIFIC: 264–297. ISBN 9789814508711. doi:10.1142/9789814508728_0011 
  22. Basener, William F.; Sanford, John C. (1 de junho de 2018). «The fundamental theorem of natural selection with mutations». Journal of Mathematical Biology (em inglês). 76 (7): 1589–1622. ISSN 1432-1416. PMC 5906570Acessível livremente. PMID 29116373. doi:10.1007/s00285-017-1190-x 
  23. Nelson, Chase W.; Sanford, John C. (10 de abril de 2013). «Computational Evolution Experiments Reveal a Net Loss of Genetic Information Despite Selection». WORLD SCIENTIFIC: 338–368. ISBN 9789814508711. doi:10.1142/9789814508728_0014 
  24. Bürger, Reinhard (1989). Kurzhanski, A. B.; Sigmund, K., eds. «Mutation-Selection Models in Population Genetics and Evolutionary Game Theory». Springer Netherlands. Evolution and Control in Biological Systems (em inglês): 75–89. ISBN 9789400923584. doi:10.1007/978-94-009-2358-4_8 
  25. Carter, Robert W.; Sanford, John C. (12 de outubro de 2012). «A new look at an old virus: patterns of mutation accumulation in the human H1N1 influenza virus since 1918». Theoretical Biology and Medical Modelling. 9 (1). 42 páginas. ISSN 1742-4682. PMC 3507676Acessível livremente. PMID 23062055. doi:10.1186/1742-4682-9-42 
  26. Montañez, George; Marks II, Robert J.; Fernandez, Jorge; Sanford, John C. (10 de abril de 2013). «Multiple Overlapping Genetic Codes Profoundly Reduce the Probability of Beneficial Mutation». WORLD SCIENTIFIC: 139–167. ISBN 9789814508711. doi:10.1142/9789814508728_0006 
  27. Brewer, Wesley H.; Baumgardner, John R.; Sanford, John C. (10 de abril de 2013). «Using Numerical Simulation to Test the ?Mutation-Count? Hypothesis». WORLD SCIENTIFIC: 298–311. ISBN 9789814508711. doi:10.1142/9789814508728_0012 
  28. Thornton, Kevin R.; Long, Anthony D.; Sanjak, Jaleal S. (19 de janeiro de 2017). «A Model of Compound Heterozygous, Loss-of-Function Alleles Is Broadly Consistent with Observations from Complex-Disease GWAS Datasets». PLOS Genetics (em inglês). 13 (1): e1006573. ISSN 1553-7404. doi:10.1371/journal.pgen.1006573 
  29. Groto, Sílvia Regina; Martins, André Ferrer P. (2018). Prestes, Maria Elice de Brzezinski; Silva, Cibelle Celestino, eds. «The "Science" as Portrayed in Documents of the Biological Evolution Versus Intelligent Design Debate». Cham: Springer International Publishing. Science: Philosophy, History and Education (em inglês): 125–141. ISBN 9783319740362. doi:10.1007/978-3-319-74036-2_9 
  30. Blancke, Stefaan; De Smedt, Johan; De Cruz, Helen; Boudry, Maarten; Braeckman, Johan (1 de agosto de 2012). «The Implications of the Cognitive Sciences for the Relation Between Religion and Science Education: The Case of Evolutionary Theory». Science & Education (em inglês). 21 (8): 1167–1184. ISSN 1573-1901. doi:10.1007/s11191-011-9402-z 




https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/24102784
 "Achamos que as mutações deletérias acumulam-se de forma constante na frente de onda durante expansões de alcance, criando assim uma carga de expansão. A redução da aptidão devido à carga de expansão não se restringe à frente da onda, mas ocorre em uma grande proporção de habitats recentemente colonizados. A carga de expansão pode persistir e representar uma grande fração da carga de mutação total para milhares de gerações após a expansão. O fenômeno da carga de expansão pode explicar evidências crescentes de que as populações que se expandiram recentemente, incluindo humanos, mostram um excesso de mutações deletérias. Para testar as previsões de nosso modelo, analisamos a diversidade genética funcional em seres humanos e encontramos padrões compatíveis com nosso modelo."--Sodre geologia (discussão) 19h28min de 20 de fevereiro de 2018 (UTC)



https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed?linkname=pubmed_pubmed_citedin&from_uid=24102784

Sodre geologia
 Resposta ao GoEThe: No final do artigo o autor declara "Entropy é uma assinatura de tempo para a marcha adiante no tempo (Stenholm, [26]); portanto, a entropia só pode aumentar à medida que o tempo avança e, como tal, o tempo e a entropia são irreversíveis. Eventualmente, a entropia supera a vida, mesmo os sistemas sintéticos" https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/21262480

Apesar que devo dar os parabéns ao GoeTHE por ser o único que apresentou argumento sólido e muito bem pensado para fundamentar minha expulsão, destacando a falta de idéia de acúmulo de frequencia de mutações deletérias , envio parte do referido artigo que também , exceto que me falhe o entendimento, a idéia acúmulo de entropia e mutações ao longo do tempo , por mais que o artigo defenda a "possibilidade" de como a vida enfrentou a entropia , e trata disso como "misterio" , mas é bastante otimista dado o "fato" de que se entende que ela tenha ocorrido por meio de forças aleatórias a 3,5 bilhões de anos.

Lembrando que apresentei mais 3 artigos e não apenas este. Os outros foram mais contundentes em relação ao acúmulo ao longo do tempo.

E claro, posso contribuir bem mais neste ponto com a wikipedia , mas fico meio desanimado de trabalhar pra outros simplesmente apagarem; eu gostaria mesmo que a atitude do editor GoeTHe se multiplicasse , que se avaliasse e apresentasse como ele fez os fundamentos da deleção, caso contrario os esforços das pessoas todos serão jogados simplesmente na lata do lixo....Alem disso, o espirito da wikipedia são de vários editores , o que se colocássemos em prática poderíamos todos juntos aproveitar e reciclar o que um e outro está contribuindo.

Posso citar diversos outros artigos sobre o tema aqui mesmo, por exemplo:

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/23201682

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/29187508